domingo, 30 de abril de 2006

Sucessão: PMDB fecha com PT, que escolhe Ciro Gomes para vice, e Lula será apontado por Alckmin como candidato dos banqueiros

Edição de Domingo do http://alertatotal.blogspot.com/

Adicione o blog e o podcast Alerta Total aos seus favoritos no Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

O presidente Lula já está comemorando. O PMDB deve fechar um acordo para apoiá-lo na reeleição. O deputado federal Michel Temer, presidente do partido, teve ontem uma conversa reservada, em Maceió (AL) com três prefeitos do PMDB da região norte-nordeste, que representavam outros colegas de 40 cidades, deixou vazar que PMDB não vem com candidato próprio a presidente da República. As candidaturas de Antony Garotinho e Itamar foram definitivamente sepultadas.

A grande novidade da chapa petista na disputa reeleitoral é a definição do nome do candidato a vice presidente. Será Ciro Gomes, ex-ministro da Integração Regional. O PMDB vem com apoio, pois, na avaliação de Michel Temer, do senador Renan Calheiros e do senador José Sarney, o presidente Lula "já estaria praticamente reeleito". Temer explicou aos representantes dos prefeitos do Norte-Nordeste que a melhor oferta de apoio para a eleição deste ano vem do Palácio do Planalto.

Outra novidade da pré-campanha será a radical mudança de imagem do candidato do PSDB Geraldo Alckmin. Definido, em uma pesquisa sigilosa encomendada pelos tucanos, como “um candidato dos ricos”, Alckmin vai lançar, semana que vem, uma pesada campanha de marketing subliminar para mostrar o contrário. Seus marketeiros prometem provar que o candidato dos ricos é o presidente Lula. Alckmin passará a atacar o calcanhar de Aquiles do atual governo: o lucro recorde dos bancos.

Em sua maratona por cidades nordestinas e da região Norte, Alckmin vai discursar com críticas aos abusos do sistema financeiro na Era Lula. Pretende demonstrar, em linguagem popular, que Lula é conivente com os grandes banqueiros e não tem competência sequer para cuidar dos bancos oficiais do governo. Alckmin vai acusar a Caixa Econômica e o Banco do Brasil de gastarem milhões em publicidade para iludir o povo, oferecendo empréstimos consignados e empréstimos imobiliários com juros elevadíssimos.

Alckmin citará o caso de uma modalidade de empréstimo, no valor de R$ 1500 reais, em que o cliente paga 36 prestações de R$ 66 reais e 36 centavos, que , no fim das contas, dá R$ 2.388,96. No fim das contas, o consumidor paga a mais R$ 888,96. Alckmin pretende relacionar a propaganda cara dos bancos oficiais que lucram às custas do povo, associando as campanhas publicitárias a uma agência que é ligada aos amigos e aliados laranja do publicitário Marcos Valério, o principal acusado de operar o esquema do Mensalão, que continuaria agindo por trás dos panos. Alckmin aposta que tal estratégia lhe permitirá virar o jogo nas pesquisas eleitorais.

Já na reunião peemedebista em Maceió, um dos prefeitos perguntou ao deputado Michel Temer o que ocorreria se Garotinho entrasse na Justiça contra a convenção extraordinária do próximo dia 13 de maio. Temer respondeu que Garotinho “iria se enlamear mais do que já se enlameou”. O presidente do PMDB informou aos prefeitos que a Procuradoria Geral da República vai lançar, semana que vem, uma nova ofensiva contra o governo do Rio de Janeiro.

Os procuradores federais vão investigar gastos com os Restaurantes Populares, com o programa Cheque Cidadão e outras medidas populistas onde há suspeitas de pagamentos superfaturados. Temer explicou que tamanho desgaste não permitiria que Garotinho fosse mais candidato a presidente pelo PMDB. O medo do presidente do PMDB é que tanto escândalo atrapalhe a candidatura do senador Sérgio Cabral, que é ligadíssimo ao casal Garotinho/Rosinha. Já se especula até na desistência de Cabral e na indicação do ex-presidente do BNDES e reitor da UFRJ, economista Carlos Lessa, como candidato peeemedebista na disputa pelo Palácio Guanabara.

Se Garotinho foi inviabilizado pelos escândalos, Itamar Franco fica de fora pelo pragmatismo do PMDB em fechar um acordo mais vantajoso com o Palácio do Planalto (aliás, quem seria esse cara, afinal?). Itamar, na verdade, jogou alto com o blefe de candidatura presidencial, apenas para conquistar sua legenda ao Senado por Minas Gerais, que não estava garantida no PMDB e agora está.

sábado, 29 de abril de 2006

Opinião Anônima Petista

Veja a opinião de um leitor "anônimo", que prefere não se identificar, contra o artigo de hoje neste blog:

"Isso não é jornalismo, isso é propaganda política. Tendencioso até o fim da vida".

O leitor está certo. Jornalismo é quando a gente é muito bem pago para falar sempre bem do governo e dos idiotas e ladrões que comandam a política nacional.

A aula de intolerância política de Lula

Edição de Artigos de Final de semana do http://alertatotal.blogspot.com/

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

O Presidente Lula deu ontem mais uma prova de ignorância e inútil violência verbal e intolerância gratuita com seus adversários políticos – que ele e o PT, na verdade, enxergam como “inimigos a serem exterminados”. Na abertura do 13º Encontro Nacional do PT, Lula declarou que ele e seu partido estarão prontos para rechaçar a oposição, desde que sua base aliada e o PT se mantenham unidos com os partidos de esquerda.

Lula advertiu aos petistas que todos devem se preparar para uma campanha muito dura. Justificou que “no Brasil não é nossa tradição receber elogios de adversários”. Em discurso de guerra, o general Lula deixou claro que “neste momento não existe espaço para dúvida, para vacilação”. Lula deixou claro: “Temos de saber quem são os inimigos, os adversários e os nossos aliados”.

O militante Lula esbravejou que o partido não pode aceitar ser “julgado” pela oposição. Lula insiste na pretensa tese de que o PSDB e PFL estão fazendo a “oposição do vale-tudo”. Lula também acusou a imprensa de não estar tratando seu governo de forma democrática. “Duvido que tenha no mundo um defensor maior do que eu da liberdade de imprensa, mas uma parte da imprensa sabe que não tem sido democrática comigo”.

O presidente defendeu a idéia os petistas precisam estar preparados para reconhecer os erros e receber o julgamento do povo brasileiro e da Justiça, mas não da oposição. “Não podemos aceitar que os adversários sejam os julgadores do PT, porque a história está cheia de exemplos de julgamentos precipitados”.

No encontro petista, além da virulência verbal do presidente Lula com os “inimigos”, ficou clara a estratégia de poder do PT a curso e médio prazos. Valter Pomar, secretário de Relações Internacionais do PT, defendeu que o objetivo é fazer com que a esquerda tome e consolide seu poder nos países da América Latina.

Pomar destacou: "A oposição de direita e seus aliados internacionais têm consciência da importância estratégica da eleição presidencial brasileira". Ele revelou publicamente as intenções do PT e do Foro de São Paulo, que reúne partidos de esquerda no continente, sob a liderança de Cuba: "Não reeleger Lula no Brasil seria um grande golpe no processo de vitórias de partidos que estão mais à esquerda na América Latina".

Documento elaborado pela direção do PT para ser aprovado no Encontro Nacional do partido, neste fim de semana, apresenta a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva como fator decisivo para consolidar o avanço da esquerda na América Latina, como força de oposição "ao imperialismo norte-americano, ao domínio do sistema financeiro internacional e ao neoliberalismo" na região.

O documento preparado pelo partido vai nessa linha: "A oposição de direita e seus aliados internacionais têm consciência da importância estratégica da eleição presidencial brasileira". Os petistas advertem: "As forças neoliberais querem recuperar o controle do governo federal, retomando a repressão contra os movimentos sociais, a submissão aos interesses norte-americanos, a ideologia e a prática do Estado mínimo e das privatizações".

Valter Pomar comentou: "Os Estados Unidos não podem dizer isso em público, mas não interessa a eles nossa vitória no Brasil. O simples fato de o Brasil ter um governo do PT é um incentivo para outras forças antiimperialistas e pós-neoliberais no continente. O isolamento nos fragiliza, como vimos no caso de Cuba e, nos anos 70, no Chile".

Para a direção do PT, as eleições de outubro no Brasil estão relacionadas com processos eleitorais que ocorrem este ano na Colômbia, Peru (ambas em maio), México (julho), Equador (outubro) e Nicarágua (novembro), onde candidatos de centro-esquerda tentam chegar ao poder, além da Venezuela, onde Hugo Chávez buscará a reeleição.

Os Estados Unidos não vêem com bons olhos a expansão da esquerda na América Latina. E os petistas estão certos. A reeleição de Lula é essencial para o destino da hegemonia política dos EUA no continente e no mundo. O grande capital inglês, que hoje se confronta com os norte-americanos na luta por este mesmo poder, joga na estratégia para a expansão “controlada” da chamada esquerda. O banqueiro “controlador” da City londrina quer manter e ampliar sua hegemonia geopolítica por aqui e no resto do mundo. Bush e suas “águias” sabem disso.

A evolução do processo histórico vai mostrar quem pode mais ou pode menos.

O jornalista Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

Caminhando rumo ao atraso

Artigos de final de semana do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Maria Lucia Victor Barbosa

Hugo Chávez voltou dia 26 deste ao Brasil. Portanto, com pequeno intervalo entre o encontro promovido pelo governador Roberto Requião em Curitiba (PR). Naquela ocasião, no Teatro Guaíra, o presidente da Venezuela foi entusiasticamente aplaudido por uma platéia composta pelo MST, pela Via Campesina e por outros grupos de esquerda. Chávez fez campanha para o companheiro Lula e pregou a unificação do MST a outros movimentos similares existentes em países sul-americanos, num evidente incitamento a desordem e a violência no Brasil.

Seu plano deve naturalmente incluir as Farc, (grupo colombiano narcoguerrilheiro) e o equivalente e sanguinário Sendero Luminoso, a ser ressuscitado no Peru se for eleito presidente Ollanta Humala, outro neocaudilho populista dito de esquerda que tem a campanha presidencial financiada pelo coronel Chávez. Tal unificação de grupos armados reforçaria ainda mais o poder do pretenso herdeiro de Simón Bolívar, pois ele estaria à frente de um exército sul-americano de guerrilheiros que, na verdade, já o têm como único e incontestável comandante.

No dia 26 a reunião foi feita apenas entre Chávez, Luiz Inácio e Nestor Kirchner. O tema tratado e acertado anteriormente entre os presidentes venezuelano e Argentino foi a construção de um supergasoduto que saindo da Venezuela atravessaria o Brasil de ponta a ponta, cortando o país desde o Amazonas (rio e florestas) até o sul para chegar à Argentina. O ambicioso projeto pretende incluir a Bolívia (detentora da segunda maior reserva de gás da América do Sul, atrás apenas da Venezuela) cujo presidente, Evo Morales, ainda é contra a idéia. É bom lembrar que Morales está nos dando um prejuízo de U$ 1.500 bi com a nacionalização da Petrobrás e expropriando os investimentos já realizados pela EBX na Bolívia. No caso do Gasoduto Venezuela-Cone Sul caberá ao Brasil bancar a maior parte do financiamento da obra, sem que se tenha dito com clareza em quê os brasileiros serão beneficiados.

Os adeptos do empreendimento faraônico pensam que ele significa a força da liderança de Luiz Inácio na América do Sul, mas, ao contrário, estamos diante do enfraquecimento do presidente brasileiro na medida em que este vai sempre a reboque de Chávez e Kirchner.

Em artigo publicado no O Estado de S. Paulo (27/04/2006), Rolf Kuntz aponta o fracasso da diplomacia do governo do presidente Luiz Inácio, mostrando que este não tem mais influência sobre o Mercosul (“se é que teve alguma”) onde a figura de Chávez já é a mais poderosa mesmo antes da integração da Venezuela ao bloco.

Além disso, Kirchner tem imposto ao Brasil acordos comerciais aceitos passivamente por nossa diplomacia e prefere Hugo Chávez, que compra os títulos públicos de seu país, a uma bela amizade com o companheiro brasileiro.

Tudo isso significa que Comunidade Sul-americana das Nações, iniciativa do Brasil alardeada com pompas e honras, não passou de um sonho de verão tropical. Para piorar, como nossos aliados neocaudilhos, não aceitaremos acordos globais que nos abram boas perspectivas comerciais com os Estados Unidos e a União Européia. Melhor pertencer ao Estado Bolivariano de Chávez do que aceitar o “excremento do diabo” que vem daqueles “porcos capitalistas”.

Enquanto gritamos em coro antiamericanista junto com Hugo Chávez, Fidel Castro, Evo Morales, Nestor kirchner e Ollanta Humala, nossos sonhados parceiros, China, Rússia e Índia cuidam de seus próprios interesses e negociam com os Estados Unidos sem clamar contra a globalização ou o liberalismo. Estes países não levam em conta a ideologia de um certo marxismo embalsamado e, assim, vão prosperando nos negócios.

Enquanto isso, nós nos fechamos num tribalismo esquerdista obtuso. Somos fiéis seguidores do comandante Chávez e rumamos alegremente para o atraso. Tudo indica que fomos contaminados pelos ideais das revoluções megalomaníacas dos caudilhos ambiciosos, que na América Latina sempre condenaram seus povos ao fracasso e a miséria.

Para terminar me valho das palavras do cientista político, Jorge Castañeda, sobre os atuais líderes populistas latino-americanos que tanto amamos.

Nestor Kirchner é “um peronista reacionário, mais interessado em arrancar dinheiro dos credores e do FMI do que promover políticas sociais”. Hugo Chávez “não é Fidel Castro; é Perón com petróleo, está conduzindo a Venezuela ao colapso”. Evo Morales “não é um Ché indígena, mas um populista esperto e irresponsável que promete muito e entrega pouco”.

Quanto a nós, creio que num eventual segundo mandato do populista Luiz Inácio saberemos de vez o que é herança maldita, aquela deixada pelo governo do PT cuja incompetência e corrupção manterá o Brasil como um país grande sem jamais chegar a ser um grande país.

Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga.

O Governo Lula e PT querem hispanizar o Brasil

Artigos de final de semana do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Eduardo Silva

O governo decidiu recentemente encampar a adoção do espanhol como língua obrigatória no ensino brasileiro, usando como pretexto a velha ladainha da cartilha esquerdista. É uma medida que ao longo do tempo pode ter grande influência sobre a vida e culturas brasileiras e no entanto foi aprovada e discutida meio na surdina, sem o devido conhecimento da sociedade. A nossa imprensa e os nossos políticos praticamente não se pronunciaram a respeito.

Não sou contra se aprender uma língua estrangeira. Pelo contrário, enriquece. Naturalmente cada um aprende o que bem lhe convier. Estou contra é a imposição do monopólio de uma língua, como o governo está fazendo, à força e em massa, em nome de uma enganação chamada "integração". Por acaso o Brasil estará daqui por diante condenado a "exclusivamente" se relacionar apenas com os vizinhos hispânicos?

Que absurdo, o mundo se globalizou. Estamos cada vez mais em contato com múltiplas e diversas culturas do planeta. Tanto faz se está ali do lado ou em outro continente. Portugal e Angola, por exemplo, ficam do outro lado do oceano e no entanto histórica e culturalmente têm muito mais a ver com o Brasil do que os países vizinhos. Existe até mesmo uma relação sanguínea com as duas nações lusófonas.

Preferências - O idioma de comunicação internacional é o inglês, queira-se ou não. Mas é justamente o inglês o que este governo de inspiração "guevariana" está querendo restringir -- como quis fazer no começo do ano em relação aos candidatos a diplomata do Itamaraty. Estão fazendo do espanhol uma segunda língua obrigatória, na lei, mas nem sequer mencionam o inglês nessa mesma lei -- uma pegadinha bem sem-vergonha pois algumas escolas, sem poder arcar maiores custos, vão oferecer apenas uma língua, e como a única obrigatória por lei é o espanhol é evidente que os alunos ficarão na prática sem opção.

O governo é composto de pessoas que se encantaram (ou se encantam) com a ideologia socialista comunista e que devido à ditadura viveram no exílio em países como Cuba. Eles têm uma identificação com o espanhol porque vários adoram Cuba e seu "ídolos" falam espanhol , como Fidel e Guevara. Portanto querem impor suas "preferências pessoais" ao povo brasileiro, pouco se importando em saber se isso é realmente o melhor e mais vantajoso para os estudantes. Resumindo: é puro dirigismo cultural baseado no gosto pessoal da atual equipe do Planalto.

"Entregação" - Ultimamente inventaram essa "urgência" de integração do Brasil com os vizinhos, como se fosse um dever, uma obrigação. Nem parece realmente que o governo, e fora dele os inúmeros discípulos de Fidel Castro querem uma integração, mas uma fusão, a anulação das identidades nacionais (já desfiguraram até o nosso passaporte, agora azul e com o rótulo Mercosul tão destacado quanto o nome República Federativa do Brasil) em nome de uma união dos "latinos" - "união", claro, contra os EUA, o real objetivo. Vejam só as figuras cavilosas que pregam essa urgência: Chavez, Fidel...

Na verdade não querem uma integração mas uma "entregação". É mais uma daquelas verdades pré-estabelecidas pela esquerda de inspiração "revolucionária". Porque se parte do raciocínio bisonho de que o Brasil é que tem de se "adaptar" aos outros, de que tem de se submeter, de se esforçar e se forçar a importar outras culturas? Porque a Espanha faz um pesado lobby para impor de forma colonial a sua língua se ela não pensa em adotar o português nas suas escolas? Que arrogância é essa? Porque milhões de estudantes brasileiros, em massa, terão de aprender o espanhol se uma quantidade muito menor de estudantes espanhóis não vai fazer o mesmo quanto ao português? E olhe que eles têm Portugal como vizinho.

Portanto essa pregação de "integração" com os vizinhos (pretexto cinicamente também utilizado pela Espanha) só "vale" para o Brasil, não valendo para os países que falam espanhol. Alguém já ouviu seriamente que os vizinhos do Brasil vão adotar o português nos seus currículos? Que raio de integração é essa que só um se mobiliza, só um se integra? Tudo uma grande malandragem. Na verdade a Espanha está de olho no Brasil como um futuro mercado cativo para os seus produtos culturais e educacionais -- "coincidentemente" poderosos grupos editorias espanhóis compraram editoras nacionais nos últimos meses. Estranho, não? Nunca se conformaram pelo fato do Brasil ter-lhes escapado das mãos na época colonial. Estão sim é engendrando uma espécie de neo-colonização do Brasil.

Bilingue - Há algum tempo a vice primeira-ministra espanhola visitou Brasília e declarou irrestrito apoio ao trabalho que o governo Lula realiza, minimizando mesmo as denúncias de corrupção, que para ela estão sendo "combatidas". Claro, interessa aos espanhóis um governo brasileiro como este, que atende tão docilmente aos seus interesses - curiosamente a boa vontade política no sentido oposto não existe: a Espanha é explicitamente contra um assento brasileiro no Conselho de Segurança da ONU.

Tanto o embaixador espanhol como a vice primeira-ministra soltam justificativas capciosas, de evidente caráter unilateral. Fazem loas por o Brasil estar adotando o espanhol, embora eles mesmos não falem nada a respeito da Espanha adotar medida recíproca. Parecem preocupadíssimos na ampla implantação dessa medida e de uma forma definitiva, sem volta. O mote utilizado é "consolidar um espaço ibero-americano", a pretexto de integração. Bando de espertalhões...

Aliás "ibero-americano" resume bem a estratégia da Espanha - deliberadamente eles evitam o termo "latino-americano", pois planejam no fundo colocar todos os países hispânicos, Brasil e Portugal sob a sua esfera de influência. Não é por acaso que estão comprando muitos negócios no Brasil e vão fazer de tudo para transformar o país em "bilíngue", como a própria imprensa de lá já anuncia.

Querem fazer a cabeça dos brasileiros de que eles precisam ser bilingues e de que isso é "bom", embora paradoxalmente eles mesmos não se preocupem em ser bilingues. Porque será? Além do mais, nenhuma grande nação ou cultura do mundo é bilíngue. Da Roma antiga ao Império Britânico, do auge da cultura francesa aos EUA de hoje, quem tem o poder é que impõe sua língua e não o inverso. O governo Lula quer fazer o contrário: quer "dominar" a América do Sul importando a língua dos "dominados". É hilário...

O ruim é se a nossa imprensa e outros formadores de opinião, às vezes tão ansiosos em adotar o último modismo ou aceitar sem questionar "verdades" pré-estabelecidas, encampem a pilantragem espanhola. Pois deste governo não há a menor esperança de que seja dado um "peraí-vamos-com-calma". O governo Lula, apesar de deslumbradíssimo e se achando a salvação nacional, está através da sua inépcia, fazendo do Brasil um país bobo .

Mitos - Infelizmente começa a se disseminar na sociedade, a partir do lero-lero esquerdista do governo e do lobby hispânico, inverdades que põe o espanhol como mais "vantajoso" e "necessário".

A primeira é que ele seria o idioma da maioria no continente. Falso. O português é a língua mais falada da América do Sul - que é o que importa pois os demais países da chamada "América Latina" não são vizinhos, estão em outro continente, tão distantes quanto a Europa - simplesmente porque os brasileiros somam um número maior do que todas as populações vizinhas. E língua se conta por números de falantes, não por número de países - os menos de 4 milhões do Uruguai, por exemplo, equivalem a apenas alguns bairros de São Paulo. A Argentina inteira é menos povoada do que o estado de São Paulo.

O espanhol seria mais rico do que o português. Falso. O português brasileiro é bem mais rico, moderno e criativo (até foneticamente) do que o espanhol. Eis a opinião de quem entende:

http://www.bbc.co.uk/portuguese /noticias/story/2004/06/040617 _lucasmendes.shtml

O português "deriva" do espanhol. Falso. As duas línguas se desenvolveram diretamente do latim ao mesmo tempo e devido à proximidade geográfica tem alguma similaridade, principalmente na escrita.

O espanhol é vantajoso pois seria a 2ª língua mais falada no mundo. Falso. Segundo o respeitadíssimo British Council, inglês e francês são as línguas mais internacionais, com ampla dianteira para o inglês, óbvio. Na Ásia e na África, a grosso modo, ninguém fala espanhol, apenas inglês ou francês. Na Europa o inglês impera como 2º idioma.

O que acontece é que o espanhol está mais próximo geograficamente dos EUA e daí, com a penetração mundial da mídia americana, tem-se a impressão de ele é mais forte do que realmente é. Ele está hoje muito presente no cinema americano através dos personagens hispânicos. Se fosse o Brasil o vizinho dos EUA (ainda bem que não pois seria sufocante), ou tivesse milhões de imigrantes lá, o português teria o mesmo tipo de projeção.

"Anexação" cultural - Engana-se quem pensa que o que estão fazendo não vai ter consequências para a cultura e língua brasileiras. Na Espanha e na Argentina, com suas já manjadas tendências megalomaníacas, estão "comemorando" que o Brasil se tornará um país "bilíngue". Comemoram como se tivessem "vencido" o Brasil, como se de agora em diante fossem "dominar" o nosso país, impondo-nos sua língua.

Parece delírio de espanhóis e argentinos. Mas talvez não seja. Eles estão no fundo prevendo uma hispanização do Brasil, antevendo que milhões irão falar o idioma deles, como se enfim o Brasil tivesse cedido à "superioridade" do espanhol sobre o português. A arrogância é indisfarçável. Acham que nos "anexarão" culturalmente porque no futuro imaginam que os brasileiros serão consumidores cativos e vorazes dos seus produtos culturais.

É ingênuo achar que ao empurrarem uma língua assim, em massa, não haverá efeitos "colaterais". Veja o que acontece com o cinema brasileiro, por exemplo, que tem muita dificuldade de exibição porque as telas são tomadas pelo cinema de Hollywood. E se em vez de apenas o cinema americano os diretores brasileiros tiverem que concorrer com outros dois ou três?

Pra quem tem orçamento curto, portanto quase todo mundo, muitas vezes quando se compra um CD de um artista americano significa que pode estar se deixando de comprar um CD de artista brasileiro. E pode-se repetir a mesma situação para livros, dvds etc etc. E olhe que proporcionalmente à população poucos brasileiros sabem inglês.

Mesmos os que não sabem já se acostumaram com o o idioma, seja na música seja nos milhares de rótulos, marcas e termos nessa língua. Imagine-se então o que pode acontecer com o espanhol, que é muito mais fácil de se aprender. Além do mais não é preciso haver uma "avalanche" de produtos em espanhol para haver uma "influência". Pode ocorrer de forma muito sutil e gradual.

Querem que o espanhol "represente" o Brasil e este governo petista está comprando a idéia. Quando os hispânicos vierem ao Brasil acharão que os brasileiros terão "obrigação" de entendê-los. Quando os brasileiros os visitarem serão "obrigados" a se fazerem entender em espanhol. As multinacionais desprezarão o português (e para economizarem custos) vão desenvolver os seus produtos, anúncios publicitários e manuais apenas em espanhol.

Afinal o Brasil não será "bilíngue"? Se lá fora já confundem a nossa cultura com a mexicana, cubana etc - porque acreditam que no Brasil dançamos salsa, falamos espanhol, temos aquela cara estereotipada de mexicano, entre outros equívocos - dá pra antever a distorção que vai ocorrer se essa idéia hispanizada partir de dentro do próprio Brasil.

A idéia de enriquecimento cultural ao se aprender outra língua é verdadeira, mas dentro de uma quadro democrático, variado e natural, a partir das escolhas pessoais de cada um, não de um projeto de imposição massificada e monopolista de uma única língua como querem fazer. Isso é outra coisa, é lavagem cerebral.

Eduardo Silva é analista de Comércio Exterior

sexta-feira, 28 de abril de 2006

Caminhando sobre a Espada

Artigos de final de semana do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Márcio Accioly

Já faz algum tempo que importante ministro desta mais do que desmoralizada administração federal petista declarou que o presidente Dom Luiz Inácio (PT-SP), havia deixado de beber. Mas tem dias que sua excelência comete impropriedades que levantam dúvidas com relação à declaração. Fica-se sem saber: deixou de beber ou não?

Na inauguração do novo Centro de Distribuição das Casas Bahia, última sexta-feira (28), em São Paulo, nosso amável beberrão (que se garante ser ex-beberrão) disse que “o Brasil crescerá como as Casas Bahia”.

Ainda bem que o dito por sua excelência não se escreve (como garantia). Fosse assim, teríamos de nos preparar para atuar na venda de eletrodomésticos. O mais alto mandatário do país, que nada sabe do que acontece debaixo do próprio nariz, tem oferecido os piores exemplos. E quando abre a boca é um deus-nos-acuda.

O comando petista transformou o país em bandalheira generalizada. Somente Dom Luiz Inácio não sabe. Na época em que a roubalheira escancarada acontecia, sua excelência ainda bebia como uma espoja, ou como um gambá. Bela desculpa! Mas não se imagine que os desmandos cessaram. As denúncias de que continuam são diárias.

A bem da verdade, o programado desmonte de há muito atingiu seu ápice na gestão entreguista FHC (1995-2003). Sua ex-excelência fez tudo que o grupo de países do chamado G-8 determinou. E recebeu títulos universitários pelo mundo afora.

Entregou nossas riquezas, praticando crimes de lesa-pátria, e agora desfila com cara-de-pau envernizada, anunciando a possibilidade de ser candidato a governador de São Paulo, vejam só! Enquanto nosso amável beberrão nada vê, FHC, que via tudo, está incluído na categoria do “nada assumo”.

Na camisa-de-força em que se encontra aprisionada a vida política nacional, a população fica quase sem opção. Na maioria de cada uma das unidades da Federação, as opções que se apresentam são as piores possíveis: entre o fedor e a catinga.

Com o agravante de que, muitas vezes, o cidadão ou cidadã defende posições louváveis e admiradas, conquistando corações e mentes, apenas para repetir falcatruas e malfeitos depois de eleito e empossado.

No estado de São Paulo, por exemplo, os nomes mais conhecidos na atual corrida eleitoral são os de José Serra (PSDB) e Aloizio Mercadante (PT). É como trocar seis por meia dúzia, ou nada por coisa nenhuma. Como se fala que José Serra estaria muito doente (nada disso é confirmado), já se defende a opção FHC.

Mais tarde, irão culpar a população. Dir-se-á que não sabe escolher. FHC teve dois filhos: um com a jornalista Miriam Dutra (Rede Globo) e outro com a cozinheira do senador Ney Suassuna (PMDB-PB). Não assumiu nenhum dos dois. O sociólogo boca frouxa só põe os olhos nos seus próprios interesses.

No Congresso Nacional, o Senado, transformado em casa de tolerância (já que tolera tudo), o presidente Renan Calheiros, ex-membro da equipe Collor de Mello e signatário da portaria que criou a reserva indígena Raposa Serra do Sol em Roraima (gestão FHC), quer o PMDB alinhado com Dom Luiz Inácio.

E o senador José Sarney (PMDB-AP), agindo na moita, luta com unhas e dentes pela antecipação da Convenção Nacional, para colocar sua legenda nas mãos do chefe dos petistas. A receita é simples: deixar a população sem outra opção que não seja a de reeleger a quadrilha que no momento dita as regras.

Depois, quando a insatisfação popular explodir nas ruas, dirão, a exemplo do Ali Babá, chefe dos 40 ladrões, que não sabiam de nada! O desfecho é previsível.

Márcio Accioly é jornalista

MPF investiga como o Garotinho conseguiu juntar R$ 58 milhões, e escândalo pode sepultar candidaturas dele e de Sérgio Cabral

Edição de Sexta-feira do http://alertatotal.blogspot.com/

Ouça também o Alerta Total no seu computador.
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal
Resumo no ar às 8h e Edição completa a partir de Meio-dia.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Exclusivo – O Ministério Público Federal investiga a informação sobre como o esquema montado por Antony Garotinho conseguiu arrecadar R$ 58 milhões para ser usado na campanha eleitoral, de 2004 até agora, na triangulação entre o governo do Estado do Rio, empresas fornecedoras e ONGs ou Institutos. Procuradores da República já acionaram a Polícia Federal para ampliar as investigações a fim de saber como o Garotinhoduto sustenta uma rede de 400 programas de rádio, horário fixo em TVs, jornais que circulam, e jatinhos que levam o candidato para todo lado.

Os procuradores da República no RJ constataram que a operação de arrecadação de fundos acontece nas licitações ou na dispensa delas. As organizações, contratadas sem licitação pública e com diretores ligados a empresas doadoras da pré-campanha de Garotinho, pecam por não justificar os serviços prestados ao Estado. Têm endereços comuns ou apenas de “fachada”. Procuradores receberam informes de que tais recursos seriam usados na campanha eleitoral deste ano e, a partir de 2007, quando os aliados próximos de Garotinho pretendiam comprar um grande jornal, uma grande rádio ou uma concessão de emissora de televisão no Rio de Janeiro.

O MPF comprovou que, de janeiro de 2005 a abril deste ano, o Governo Rosinha Garotinho repassou, via Fundação Escola de Serviço Público (FESP), R$ 254 milhões a 12 ONGs para prestação de serviço. Mais de 90% dos contratos firmados pela FESP aconteceram sem licitação. O MPF verificou que o sistema parece uma evolução, por ser mais sofisticado, que o modelo do Mensalão de Marcos Valério.

Cada empresa, ONG ou instituto que ganha uma licitação legal ou é dispensada dela fica comprometida a destinar de cinco a 15 por cento do valor do contrato firmado com o Estado na forma de “contribuição” para um dirigente do órgão licitante. O chefe do órgão ficaria com dois por cento, e o resto repassaria para o caixa de campanha peemedebista. As ONGs não explicam como prestam serviço ao Estado do Rio, além de terem uma intrincada rede de endereços comuns ou já não utilizados.

Em uma reunião reservada, ontem de manhã, em Brasília, o presidente do PMDB, deputado Michel Temer, tomou conhecimento do teor das investigações. Cobrou explicações de Garotinho, que nega tudo e alega “perseguição” de adversários, principalmente das Organizações Globo. Michel Temer, em função do que soube oficiosamente das investigações federais em curso, praticamente sepultou a nem nascida candidatura presidencial de Garotinho. Temer marcou, correndo, uma reunião de emergência para a tarde de ontem, comandada por ele e pelo senador Renan Calheiros. Nela ficou decidido que o assunto Garotinho seria “resolvido” na grande convenção extraordinária do PMDB em 13 de maio.

Além do escândalo do “Garotinhoduto”, o deputado Michel Temer e o senador Renan Calheiros temem que os fatos possam inviabilizar a candidatura ao governo fluminense do Senador Sérgio Cabral Filho, que é um fiel aliado do casal Garotinho e mantém silêncio total sobre o escândalo, do qual tenta se manter o mais distante possível. No PMDB, já se estuda a troca de Cabral pelo nome do economista e professor Carlos Lessa para disputar o Palácio Guanabara. O ex-presidente do BNDES no começo do governo Lula é considerado um candidato com passado limpo e sem ligações diretas com o esquema de Garotinho.

Festa de Renan

Um grande aliado do Palácio do Planalto comemorou toda a pancadaria em Garotinho, o que pode facilitar sua vida na decisão em prol de uma aliança com Lula pela reeleição.

Interessado em um ministério no próximo governo Lula, o senador alagoano Renan Calheiros, quando soube da gravidade das denúncias, ficou horrorizado, e advertiu que a candidatura Garotinho daria problemas.

Renan e Temer comunicaram a Garotinho que a candidatura dele está muito complicada. Mas prometeram que ele será ouvido por uma comissão do partido.

Os peemedebistas alegaram que Garotinho não tem como se defender, e advertiram que vão surgir novas denúncias.

Garotinho sente o golpe

O ex-governador Anthony Garotinho reagiu com indignação à realização de uma convenção extraordinária do PMDB no dia 13 de maio para definir se o partido terá o ou não candidato próprio na corrida ao Planalto.

Classificando a iniciativa de “golpe” da ala governista da legenda, Garotinho anunciou que vai recorrer à Justiça para impedir que o encontro se realize.

Garotinho quer impedir que os adeptos de uma aliança com o PT do presidente Lula imponham sua posição ao restante da legenda.

Mãos limpas

Anthony Garotinho, um candidato cuja declaração de renda nunca apresenta bens em seu nome, garantiu ontem que as denúncias sobre irregularidades nas doações feitas para sua campanha fazem parte de uma “perseguição implacável” de seus adversários.

Tudo isso que vem acontecendo é uma perseguição contra mim desde meu crescimento nas pesquisas. Meus adversários, que são poderosos, têm feito uma perseguição implacável contra mim. Minha vida é limpa, pode investigar”.

Apesar desta suposta perseguição, Garotinho disse estar “tranqüilo”.

Palavra de Garotinho

O presidente Lula anda fazendo escola com a tese do “nunca sei de nada”.

Palavras de Antony Garotinho à imprensa para justificar as irregularidades das empresas que doaram R$ 650 mil para sua pré-campanha.

Isso é uma questão do governo do estado. Não sabia que as empresas tinham negócios com o governo do Estado

Só se vê na Globo...

O Governo do Estado do Rio mandou fazer uma auditoria na Globopar.

A Receita estadual está sofrendo na mão da fiscalização.

A Globo, que não sabia de nada sobre o escândalo do Garotinhoduto, foi municiada de informações de adversários poderosos de Garotinho, com dossiês prontos para detonar sua candidatura presidencial.

E está soltando tudo em doses homeopáticas no Jornal O Globo e no Jornal Nacional.

Garotinho apanhando, só se vê na Globo, onde o poder da máquina de mídia do governo do estado não consegue comprar um pacote favorável para divulgar sempre e apenas boas notícias.

Alvos religiosos dos federais

Agentes federais investigam os líderes religiosos que atuam próximos de Antony Garotinho.

Um dos principais alvos será um dos homens-fortes do casal Garotinho e Rosinha: o pastor Everaldo Dias Pereira, que é membro da Assembléia de Deus, é dirigente nacional do PSC (Partido Social Cristão) e nos governo do Estado já presidiu o Fundo Único de Previdência Social (Rio Previdência) e comandou o programa Cheque-Cidadão quando foi subsecretário do Gabinete Civil.

Outros dois alvos são os pastores Luiz Carlos dos Santos, da Igreja de Nova Vida, que já foi presidente da Fundação Escola de Serviço Público (FESP) e o pastor Silas Malafaia, da Assembléia de Deus, e muito conhecido pelo programa televisivo “Vitória em Cristo”, que sempre exalta o político Antony Garotinho.

Os três rezam na mesma bíblia de Garotinho, e agora Deus pode castigar, pela mão divinamente pesada do Ministério Público Federal.

Alvos políico-econômicos do MPF

O Ministério Público Federal vai investigar também um dos elos de ligação entre os três religiosos e o governo: o economista Luiz Fernando Victor, atual secretário da Receita Estadual do Rio de Janeiro e que já presidiu a Fundação Escola de Serviço Público.

A FESP, órgão do governo do estado do Rio responsável pela área de treinamento de pessoal e pela realização de concursos públicos, é considerada o “fio da meada” de todas as investigações atualmente em curso contra Antony Garotinho na Polícia Federal.

Os procuradores federais analisam dossiês que receberam sobre a Prece, o doleiro Lucio Bolonha Funaro, as fraudes praticadas por empresas do setor de combustíveis, a sonegação de impostos no setor de petróleo, além de fatos não investigados no famoso escândalo do Propinoduto.

Alvos aliados e familiares

As investigações também recaem até sobre a filha de Garotinha, Clarissa Matheus, que estaria participando das negociações políticas em nome do pai e da mãe Rosinha.

Também é investigado o namorado dela, Wilson Sombra, responsável pela contratação de pessoal para a execução do projeto Voluntários da Paz, que deu ocupação a jovens recém-saídos do Exército.

Outro alvo é o deputado federal Eduardo Cunha, considerado “grande parceiro” de Garotinho.

Cunha se apresenta a empresários fluminenses como o “homem forte de Garotinho”, e seria o padrinho de cargos estratégicos, principalmente na área da Receita Estadual.

Ligações perigosíssimas

O agente 171 do Alerta Total, sempre de ouvido ligado em tudo que acontece, interceptou uma mensagem em uma festinha de lançamento de pré-candidatura a deputado federal de um famoso delegado, no Rio de Janeiro.

“De Garotinho, por telefone celular, para Noel de Carvalho, um de seus mais fiéis aliados”:

Esse Eduardo só tá me fu..."

Garotinho fez referência ao deputado Cunha, de quem as principais lideranças peemedebistas no Congresso afirmam querer distância.

Laços de família

Outro investigado pelo MPF é o presidente do Conselho Fiscal da FESP.

Hélio Bustamante Secco, é irmão de Ricardo Secco, parceiro em vários negócios de Luiz Antonio Motta Roncolli, que doou R$ 50 mil a Garotinho e dirige outra suposta entidade sem fins lucrativos contratada pela FESP, o Inep (Instituto Nacional de Pesquisa e Ensino da Administração Pública).

Ricardo é pai da atriz Deborah Secco, que ano passado ganhou o título de "Mulher do Ano" da FESP e fez propaganda do governo do Estado do Rio de Janeiro.

Organizadas No Garotinhoduto

O MPF investiga três ONGS — Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Treinamento (IBDT), Instituto Nacional de Pesquisa e Ensino na Administração Pública (Inep) e Instituto Nacional de Aperfeiçoamento da Administração (Inaap) — ficaram com R$ 82 milhões e 800 mil (32,5% do total dos investimentos pagos FESP).

Desde o início do governo Rosinha, foram beneficiadas com contratos de R$ 112 milhões e 500 mil reais.

Licitação pra quê?

Desde 2005, a Fundação Escola de Serviço Público (FESP) não fez qualquer contrato pela modalidade de concorrência pública.

Dos R$ 254 milhões liberados para ONGs no período, mais de 90% foram para contratos em que houve dispensa de licitação.

O levantamento foi realizado pelo deputado estadual Alessandro Molon (PT) no Sistema de Administração Financeira do Estado (Siafem).

Canetada sob suspeita

Em 23 de agosto de 2005, a governadora Rosinha Garotinho baixou o decreto número 38.143 alterando a natureza da Fundação Escola de Serviço Público (FESP).

A medida deu novas atribuições à instituição e abriu brechas para o repasse de dinheiro público para as associações.

A fundação tinha apenas a atribuição de formar e especializar o servidor público.

Mudança perigosa

No ano passado, a FESP foi autorizada a articular com órgãos públicos e privados, de modo a firmar projetos, inclusive de apoio logístico, serviços de consultoria e análises.

O deputado Luiz Paulo (PSDB) avalia que a mudança provocou desvio de função do órgão.

Para ele, a FESP exerce papel prejudicial ao estado e ao funcionalismo porque não contabiliza gastos com terceirização em despesa de pessoal e não realiza concursos para preencher as necessidades do estado.

Ligações com o crime organizado

O MPF e a Polícia Federal investigam informações supostas ligações empresariais do ex-governador Garotinho e de empresários ligados a ele com empresas registradas em nome de presidiários e ex-presidiários que atuam como fornecedoras ou prestadoras de serviços ao governo do Estado do Rio.

Garotinho recebeu doações de uma empresa de informática, a Virtual Line, que pertenceu a um assaltante condenado pela Justiça.

Caminho da mamadeira com pizza

Procuradores da República no RJ avaliam que Garotinho poderá ser alvo de processo criminal e estará sujeito às punições previstas pela legislação.

Mas advertem que o pré-candidato peemedebista dificilmente sofrerá sanções eleitorais.

Não existem normas específicas para punir crimes na arrecadação de fundos e prestação de contas antes do início oficial da campanha.

O modelo petista

Não é só Garotinho que vive um inferno político. Marta Suplicy também.

O Ministério Público de São Paulo conseguiu ontem uma decisão liminar na Justiça autorizando a quebra dos sigilos bancário e fiscal de entidades ligadas ao PT que prestaram serviço à Prefeitura de São Paulo durante a gestão da petista Marta Suplicy.

No pedido de autorização para quebra dos sigilos, os promotores alegaram que as investigações feitas permitiram identificar um “impressionante esquema para desvio de recursos públicos, mediante indevida contratação direta e sem licitação de fundações de direito privado”.

Duas entidades estão especialmente na mira dos promotores: o Instituto Florestan Fernandes (IFF) e o Sampa.org.

Casa caindo

O juiz Edson Ferreira da Silva, da 13ª Vara da Fazenda Pública, decretou, na quarta-feira, a quebra dos sigilos fiscal, bancário e financeiro do Instituto Florestan Fernandes e da ONG (organização não-governamental) Sampa.Org, além de outras sete empresas.

O Ministério Público alega que todos teriam ligações estreitas com o Partido dos Trabalhadores e com integrantes da administração da ex-prefeita paulistana Marta Suplicy (2001-2004).

Na ação, assinada pelos promotores Saad Mazloum, Sérgio Turra Sobrane, Silvio Marques e Tulio Tavares, todos da promotoria de Justiça da Cidadania, o MP-SP revela que cinco secretarias municipais firmaram, sem licitação, ao menos onze contratos de prestação de consultoria, no valor total de R$ 12 milhões e 800 mil, com a FGV (Fundação Getúlio Vargas) e Fundep (Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa).

Tais fundações subcontratavam as duas ONGs (Florestan Fernandes e Sampa.Org), as sete empresas ou mesmo consultores ligados às ONGs e às empresas.

O que escreveram os promotores

"Assim, a fundação (FGV ou Fundep) remunerava seus consultores, na verdade, todos ou em sua maioria, membros do Instituto Florestan Fernandes e do Sampa.Org”.

“E, quando a fundação decidia subcontratar, tal era feito com o Instituto Florestan Fernandes, o Sampa.Org ou empresas pertencentes a membros destas entidades”.

“Por conta disso, as entidades também recebiam generosa remuneração, dinheiro originário dos cofres públicos".

"Essa ilícita triangulação de serviços contratados pela municipalidade de São Paulo, por seus então dirigentes, permitiu, como visto, impressionantes e volumosos repasses de valores, dinheiro público, ao Instituto Florestan Fernandes, Sampa.Org e a empresas pertencentes a membros dessas entidades".

Foi o que denunciaram, por escrito, os promotores na ação por eles movida.

Licitação para quê?

Os promotores paulistas denunciam que a contratação sem licitação das consultorias se configuraria como um "desrespeito inequívoco às regras constitucionais e legais que regem o instituto da licitação pública".

A assessoria de imprensa da ex-prefeita Marta Suplicy informou, por meio de nota, que "todas as contratações realizadas pela Prefeitura na gestão anterior obedeceram rigorosamente às determinações legais". O assistente da diretoria executiva da Fundep, Hely Lages, alega que a fundação subcontratou o Instituto Florestan Fernandes para complementar apenas um trabalho de consultoria para a qual a fundação foi contradada por uma das secretarias municipais envolvidas. A FGV informou que só vai se manifestar amanhã.

Agora, o Ministério Público quer saber, por meio da quebra dos sigilos das ONGs e das empresas, se as empresas eram as reais destinatárias dos recursos ou se eles teriam sido repassados a outras contas.

Tais informações, segundo o promotor, embasarão uma futura ação de improbidade administrativa contra os envolvidos.

Palocci indiciado

O inferno acaba nunca. O ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci deixou a Corregedoria da Polícia Civil em Brasília indiciado pelos crimes de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, formação de quadrilha e peculato, no inquérito que investiga um suposto esquema de corrupção envolvendo empresas de varrição de rua contratadas pela prefeitura de Ribeirão Preto (SP), quando ele era prefeito.

De acordo com as investigações feitas até agora, Palocci e os demais suspeitos desviaram recursos da prefeitura de Ribeirão para repassar à empresa de varrição Leão & Leão e ao PT.

O depoimento do ex-ministro foi tomado pelo promotor Daniel de Angelis, com base em perguntas enviadas pelo delegado de Ribeirão Preto, Benedito Valencise, que preside o inquérito.

Ele também não sabia de nada...

O ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci negou ontem qualquer envolvimento no suposto esquema de desvio de dinheiro da prefeitura de Ribeirão Preto (SP), durante sua gestão como prefeito.

Segundo o promotor Daniel de Angelis, Palocci disse que não conhecia detalhes dos contratos de varrição de ruas assinados pela prefeitura.

Segundo o ex-ministro, a responsabilidade por estas negociações era da ex-superintendente do Departamento de Água e Esgotos da cidade, Isabel Bordini.

O ex-ministro insistiu que Bordini tinha completa autonomia para negociar os contratos.

Quanta Sujeira!

A Polícia Civil pretende indiciar outros "oito ou dez" suspeitos, segundo o delegado de Ribeirão Preto, Benedito Valencise.

A única indiciada, até o momento, foi a engenheira Luciana Muscelli Alecrim, ex-diretora técnica do Daerp (Departamento de Água e Esgotos de Ribeirão Preto).

Segundo as investigações, Palocci e os demais suspeitos teriam desviado recursos públicos para repassar à empresa de varrição Leão Leão e ao PT, o que configuraria crime de peculato.

Eles também são suspeitos de falsidade ideológica, por terem expedido documentos comprovando saídas de dinheiro com serviços de varrição que na verdade nunca ocorreram.

Denúncia do Mensalão, segunda edição

O procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, deve apresentar na próxima semana mais um relatório sobre as investigações do Ministério Público sobre o esquema do Mensalão.

A informação sobre o novo relatório foi repassada pelo procurador a um grupo de parlamentares.

Novos nomes serão incluídos no rol de denunciados, entre os quais os dos deputados José Mentor (PT-SP) e Wanderval Santos (PL-SP), ambos absolvidos na Câmara, e Josias Gomes (PT-BA), que ainda vai a julgamento no plenário.

A primeira parte das investigações resultou na denúncia de 40 pessoas ao Supremo Tribunal Federal (STF).

No documento, Souza garante que o esquema do Mensalão havia sido operado por uma “organização criminosa”, que tinha como principal objetivo manter o PT no poder.

Caixa na berlinda

O subprocurador da República Moacir Guimarães Morais Filho revelou ontem em depoimento à CPI dos Bingos que a Caixa Econômica Federal teve um prejuízo de R$ 235 milhões por conta do contrato firmado com a empresa Gtech.

Morais Filho foi designado no fim de 2002, pelo então procurador-geral da República, para acompanhar o embate entre a Caixa e a multinacional.

Foi o subprocurador quem recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra uma decisão que mantinha o contrato da Gtech com a Caixa.

Durante seu depoimento, o subprocurador disse ter achado “estranho” que nem a União nem a própria Caixa Econômica Federal tenham recorrido das decisões liminares que causaram o prejuízo aos cofres públicos.

Caixa contestando

A direção da Caixa Econômica Federal divulgou nota em que contesta a denúncia do subprocurador da República Moacir Guimarães Morais Filho.

O banco também afirmou que jamais foi omisso na condução dos recursos contra o prolongamento dos contratos com a empresa, como afirmou Morais à CPI dos Bingos.

A Caixa alega que “conseguiu cassar várias vezes as decisões judiciais” a favor da contratada, “mas posteriormente eram deferidas novas liminares a favor da GTech pela 17ª Vara Federal”.

Que venha o comendador

Um grupo de seis senadores da CPI dos Bingos irá ao Mato Grosso para tomar o depoimento de João Arcanjo Ribeiro – o comendador Arcanjo –, acusado de ser um dos chefes do crime organizado naquele Estado.

Os senadores investigam se Arcanjo teve alguma ligação com a morte do prefeito de Santo André (SP), Celso Daniel (PT).

Suspeitam que Arcanjo era sócio do empresário Ronan Maria Pinto em empresas de transporte, acusado de ser um dos envolvidos no assassinato do prefeito petista.

Arcanjo e o empresário utilizariam a mesma empresa off-shore no Paraguai para lavagem de dinheiro.

Na toca do comendador

O presidente da CPI, senador Efraim Morais (PFL-PB), pretendia ouvir Arcanjo em Brasília, mas houve uma recomendação do secretário de Segurança do Estado, Célio Wilson, para que ele fosse interrogado no Mato Grosso, onde o comendador cumpre pena de 44 anos de detenção.

O depoimento de Arcanjo será tomado pelos senadores Romeu Tuma (PFL-SP), Sibá Machado (PT-AC), Wellington Salgado (PMDB-MG), Leomar Quintanilha (PC do B-TO), Juvêncio da Fonseca (PSDB-MS) e Álvaro Dias (PSDB-PR).

A data do depoimento ainda não foi marcada.

Como fisgar Lula?

A CPI dos Bingos não tem elementos para responsabilizar o presidente Lula pelas irregularidades cometidas no governo dele e pela cobrança de propinas pelo PT.

"Até agora não tenho fundamentos para responsabilizar o presidente. Não procede que não posso incluir o nome dele no relatório, mas também não vou usar irresponsavelmente os poderes que me foram delegados".

O relator da CPI, o senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), reclamou que um dos empecilhos para investigar o presidente é a proibição judicial de quebra de sigilo bancário do presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, que afirmou ter pago uma dívida de Lula com o PT.

O STF (Supremo Tribunal Federal) concedeu uma liminar em favor do presidente do Sebrae, que impede a CPI de analisar seus dados bancários.

Garibaldi pretende entregar até o dia 5 de junho o relatório final da comissão para que a votação seja concluída até o dia 15 de junho.

Pacto com o diabo

Quatro anos depois da campanha eleitoral, o perito Ricardo Molina, um dos maiores especialistas do Brasil em gravações de áudio, ainda afirma sem medo de errar: era verdadeira a famosa fita em que o então candidato Roberto Requião dizia estar disposto a firmar um "pacto com o diabo" para vencer a eleição.

"Falar que aquilo era falso foi absurdo. Não houve qualquer dúvida sobre a autenticidade da gravação. Comparamos o padrão de voz da fita com outras gravações do Requião e constatamos que a voz era dele mesmo. Depois verificamos se havia sincronia perfeita entre o vídeo e o áudio, para ver se houve dublagem, e constatamos que não havia nenhuma assincronia. Portanto era uma gravação autêntica".

Em entrevista por telefone ao jornal Gazeta do Povo, o professor da Universidade de Campinas (Unicamp) Ricardo Molina afirma que o laudo feito por ele foi simples e conclusivo.

Na época, o perito criminal aposentado Ari Fontana garantiu que a fita era uma montagem no programa eleitoral do PMDB.

Artistas contra o PT

Depois da recomendação explícita da cantora Daniela Mercury, pedindo que os brasileiros não reelejam Lula, na manhã de ontem foi a vez da atriz global Cristiane Torloni rasgar o verbo.

Em entrevista ao programa Mais Você (TV Globo), da apresentadora Ana Maria Braga, Torloni repetiu as recomendações de Daniela e usou as palavras do Ministério Público Federal para classificar o governo Lula: “É uma quadrilha”.

Torloni falou ainda do mensalão e perguntou como é que ainda há gente dentro e fora do governo que diz que o mensalão não existiu.

Recado da Daniela

Em Portugal, durante um show na cidade de Aveiro, segundo relato do jornal Correio da Manhã a cantora Daniela Mercury defendeu que “brasileiros castiguem Lula”.

E arrematou: “Não me cansarei de pedir que os meus conterrâneos que não votem em Lula".

A cantora se disse contra o instituto da reeleição e justificou:

O segundo mandato é sempre ruim, veja-se o exemplo do presidente Fernando Henrique Cardoso. O Brasil precisa de alternância”.

Verdade petista auto-censurada

Foi devidamente auto-censurado um texto de duas páginas com críticas severas ao governo e ao PT, preparado pelo coordenador político da Presidência, Tarso Genro.

O texto cairia como uma bomba atômica no seu 13º Encontro Nacional, que começa hoje em São Paulo.

No final da tarde de ontem, após pressão do presidente do partido, Ricardo Berzoini, Tarso capitulou e desistiu de apresentar o documento hoje.

A preocupação de Berzoini era evitar manchas num encontro pensado para ser 'alto-astral', apontando para o futuro e para as realizações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ataques aos companheiros

A “Carta ao Partido”, obtida pela Folha de S Paulo, estragaria a festa petista já na primeira frase: “Vivemos tempos ásperos”.

O texto afirma que a crise foi “induzida por poucos”, mas que a responsabilidade é coletiva.

Muitos entre nós, no mínimo, não estivemos atentos ou mesmo silenciamos”.

A crítica mais pesada de Tarso Genro foi: “falta um projeto ao governo. A crise tem dupla dimensão: crise política, com ingredientes morais; e crise de projeto estratégico, que é nossa e que contém um pouco das limitações de toda a esquerda mundial”.

Recado cifrado a José Dirceu

O texto de Tarso Genro pede a punição para os culpados nos escândalos que vêm abalando o PT.
Apesar de não citar nomes, o recado é endereçado ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

Junto com Dilma Roussef, Tasso Genro é outro insatisfeito com os poderes plenos de Dirceu na condução da campanha reeleitoral de Lula.

Grande encontro

O PT lança hoje a campanha pela reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva dividido sobre o desejo do presidente de decidir livremente as alianças políticas e seus interesses regionais.

Lula quer independência total, inclusive nos estados, e espera que seu partido abra mão de candidaturas próprias em nome de apoios prioritários, como o do PMDB.

Ainda sem admitir publicamente que é candidato, o que está mais que evidente, Lula participará apenas da abertura do Encontro Nacional do PT, com um discurso, por volta das 17h de hoje.

Os debates polêmicos acontecem apenas no sábado e domingo, no maior encontro já realizado pelo partido.

Tese de Aécio

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), avaliou ontem que o PT está caminhando para seu fim.

A figura do PT está desaparecendo. Se me pedirem para contar meia dúzia de petistas, terei dificuldades para me lembrar”.

A avaliação de Aécio pode ser entendida como uma resposta ao comentário do presidente Lula, que na noite de quarta-feira, afirmou que quando vê a “situação” em que se encontra o tucano Geraldo Alckmin ou o peemedebista Renan Calheiros, ele percebe que a situação dentro do PT é muito mais tranqüila.

Propaganda fica

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou o pedido de suspensão das inserções comerciais do PSDB.

O pedido havia sido apresentado pelo PT.

Os petistas alegavam que as inserções em rádio e TV dos tucanos eram campanha antecipada do candidato do partido à sucessão presidencial, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin.

Retrato dos golpistas

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Roberto Busato, protestou contra líderes de movimentos populares.

Ele não citou diretamente o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e falou apenas de forma indireta na hipótese de impeachment do presidente Lula examinada pela OAB, que os movimentos classificam de golpista.

Detonou que eles agem como golpistas e tentam intimidar a sociedade.

Foi essa a linha do discurso de Busato, ontem, na posse da ministra Ellen Gracie Northfleet na presidência do STF (Supremo Tribunal Federal).

Sem medo de pressões

Roberto Busato também respondeu ao líder do MST João Pedro Stedile, que chamou a OAB de “tresloucada e neoliberal”.

Sem citá-lo, ele disse que essa afirmação é um atentado a tudo o que a entidade construiu em seus 76 anos de história.

O noticiário da imprensa informa que lideranças que manipulam movimentos populares, mas que se mostram populistas e autoritários em seu perfil e conduta, ameaçam reproduzir em nosso país estratégia de divisão da sociedade caso a crise política brasileira tenha desfecho que lhes desagrade. Ameaçam colocar nas ruas, em franca hostilidade contra as classes média e alta, massas de trabalhadores desempregados e subempregados. Ameaçam em suma a paz pública e tentam intimidar a sociedade civil, sonegando-lhe o direito à livre manifestação. Agem como golpistas e têm o desplante de querer imputar a nós essa pecha, que cabe apenas a eles”.

O presidente da OAB afirmou que a entidade não cederá a pressões políticas, tanto do governo quanto da oposição. Para ele, a OAB é “protagonista na cena política” sempre que a República sofre “abalos”, mas muitas pessoas não entendem o papel da entidade.

Saia justa em Lula

Ellen Gracie assumiu ontem a presidência do Supremo Tribunal Federal.

É a primeira mulher a obter esse status na história da República.

O presidente Lula, que compareceu à posse, detestou ter ouvido o duro discurso do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil.

Amante da lei

Para o advogado, sob o comando de Gracie, uma amante da lei e do estado de direito, o STF tem a missão de acabar de vez com a sensação de que o Brasil é o país da impunidade.

E lançou o desafio que considera mais importante no momento: julgar com rapidez o caso das 40 pessoas envolvidas com o mensalão acusadas pelo Ministério Público de “formação de quadrilha” para manter o PT no poder.

Também criticou as absolvições de deputados mensaleiros pela Câmara e o "comportamento indecoroso" dos agentes públicos.

Elogio a Jobim

Em seu pronunciamento na solenidade em que assumiu a presidência do Supremo Tribunal Federal, a ministra Ellen Gracie elogiou o trabalho de seu antecessor e grande amigo pessoal, o ministro Nelson Jobim, que decidiu deixar a corte, e comprometeu-se a trabalhar para pôr fim à morosidade da Justiça.

“Assumirei com todo gosto. Estou disposta a colocar em prática tudo que for eficiente para o país. Vou desempenhar minha função no limite das minhas potencialidades”.

A nova presidente do STF, que é formada em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e especializada em antropologia social.

Ellen Gracie já integrou o Ministério Público Federal e o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) gaúcho e presidiu o Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região no biênio 1997-1999.

Mais constrangimento

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Busato, não foi o único a provocar constrangimento com um discurso moralizador do Poder Público na cerimônia de posse da ministra Ellen Gracie.

Diante do presidente Lula, que se sentou ao lado da ministra na solenidade, o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, afirmou que, numa democracia, todas as autoridades estão sujeitas a lei.

Diante de Lula, ele também defendeu a necessidade de o processo contra os acusados de envolvimento no Mensalão ser concluído com agilidade.

Não há autoridade dotada de poderes ilimitados nem imune à devida fiscalização, controle e responsabilização”.

Lembrou ainda que punições devem ser adotadas para todos, independentemente dos cargos que ocupam, quando infringem a lei.

Petistas reagem

O líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), reagiu ao ataque do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato.

Para o petista, Busato ‘não foi exatamente feliz quando generalizou as críticas” ao Legislativo.

“Da mesma maneira que a instituição que ele representa tem regras próprias, o Congresso também tem. Ele foi muito descortês”.

Busato retrucou à crítica de Chinaglia: “Eu posso ter sido descortês com os liderados dele que cometeram infrações éticas, deputados liderados pelo Arlindo dentro do Congresso”.

Viva as mulheres

Ao chegar ao Supremo Tribunal Federal para participar da cerimônia de posse da ministra Ellen Gracie na presidência da corte, o presidente Lula garantiu que a relação do Executivo com o Judiciário será sempre pautada pela institucionalidade, que determina a autonomia entre os Poderes.

“Independentemente de quem esteja na presidência, mulher ou homem, a relação é de poderes autônomos, e será uma relação respeitosa”.

Indagado sobre o fato de uma mulher comandar a mais alta corte do país, Lula disse que o processo de conquistas femininas ainda vai continuar. E para não apanhar em casa comentou:

Se as mulheres conseguirem ir conquistando os espaços que estão conquistando, logo, logo, elas serão maioria em tudo. Aliás, em nossas casas, eu acho que elas são autoridades máximas”.

Queridinho do Lula

Aloízio Mercadante está sendo preparado para suceder Lula em 2010, caso o presidente consiga se reeleger este ano, logicamente.

Mas até chegar lá, por enquanto, o líder do governo no Senado, Aloizio Mercandante, tem apenas dito que é o preferido do presidente Lula para a disputa do governo de São Paulo.

O presidente Lula tem dito a todos os interlocutores que o procuram que acha que eu seria o candidato mais adequado

Na guerra contra Marta, Mercadante garante que o apoio à sua candidatura é mais extenso, pois todos os ministros do governo que são de São Paulo, inclusive os que não são do PT, também manifestam apoio à sua candidatura”.

Acredite quem quiser

O ex-presidente Itamar Franco respondeu ontem à acusação do correligionário Renan Calheiros (AL), presidente do Senado, de que sua candidatura à Presidência da República pelo PMDB não passa de trampolim para conseguir uma vaga na Casa.

Eu sou definitivamente um pré-candidato à Presidência da República. Esse é o meu objetivo, sem volta. Só se o partido impedir a candidatura”.

Itamar também defendeu que o PMDB resolva logo o “imbroglio” de ter ou não candidato na disputa.

Ele avisou que, se não houver uma decisão até o dia 13 de maio, passará a fazer “outras conjeturas”.

Fingindo que quer ser vice

O PFL dá sinais evidentes de que não quer muita proximidade com a candidatura Alckmin, em quem seus caciques não enxergam peso eleitoral, e já apostam até que o presidente Lula já está virtualmente reeleito.

Prova disso é que, até pelo menos a próxima reunião da Executiva Nacional, marcada para o dia 24 de maio, o PFL não tomará nenhuma decisão sobre a escolha do candidato a vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB) ao Planalto.

O senador José Jorge (PFL-PE), pré-candidato ao posto de vice, advertiu que o partido vai, primeiro, esperar pelo fim do impasse sobre as coligações nos Estados.

Esperando pelo PMDB

O senador pernambucano afirmou, ainda, que o PFL espera indicar o vice uma semana depois da pré-convenção do PMDB, marcada para 13 de maio.

Na pré-convenção, o PMDB vai decidir de desiste ou se confirma a candidatura própria do partido.

Segundo José Jorge, o anúncio do vice deve ser feito na mesma data da formalização da aliança entre o PFL e o PSDB.

Dia do Leão

Cerca de 2 milhões de contribuintes deixaram a entrega das declarações do IR para o último dia.

O prazo termina hoje, às 20h (horário de Brasília), para os contribuintes que entregarem pela internet (receita.fazenda.gov.br).

Quem usar disquete terá de entregá-lo nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal, no horário de atendimento ao público -em geral, até as 16h.

Quem for usar formulários impressos só poderá entregá-los nos Correios (onde são retirados), também no horário comercial das agências. O custo é de R$ 3,20.

Condie contra a ONU

A secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, voltou a afirmar que a credibilidade do Conselho de Segurança (CS) da ONU será colocada em dúvida dependendo das medidas que serão tomadas contra o programa nuclear iraniano.

Condie defende que o Conselho “precisa agir” para manter a credibilidade.

O Conselho de Segurança é a primeira e mais importante instituição para a manutenção da paz, da estabilidade e da segurança e não pode ter sua palavra e sua vontade simplesmente ignorada”.

Para Condoleezza, “está bastante claro” que o Irã, que tem até hoje para suspender o processamento de urânio, não irá cumprir as exigências estabelecidas pela Agência Internacional de Energia Atômica.

Guerra à vista?

Os EUA, a França e o Reino Unido já afirmaram que, caso Teerã não encerre suas atividades nucleares no prazo estabelecido, tentarão tornar a exigência compulsória, um processo que pode levar a sanções contra o país islâmico.

No entanto, os outros dois países membros do CS com poder de veto, Rússia e China, manifestaram ser contra a idéia.

Pode estar em curso mais uma desgastante guerra no Oriente Médio.

De olho no Chávez

O agente secreto Odorico Paraguaçu, novo contratado do Alerta Total, manda avisar:

O Comando Militar Sul, dos Estados Unidos, desde o dia 17 de abril áté 15 de maio estará fazendo exercícios com sua Força Tarefa, bem próximos do quintal de Hugo Chávez.

O Porta Aviões George Washington comanda todas as ações no Caribe.

Por causa disso, o agente Orodico revela que o presidente Chávez mobilizou o pessoal da reserva de sua Marinha e já faz exercícios de auto-defesa com as forças armadas venezuelanas em seu território marítimo.

Crianças mal criadas

O ex-presidente peruano Alan García chamou os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e da Bolívia, Evo Morales de “crianças malcriadas” por serem contrários ao Tratado de Livre Comércio com os EUA.

Segundo o virtual finalista no segundo turno da eleição presidencial peruana, o mandatário venezuelano também é “sem-vergonha”.

Para o peruano, Chávez é uma pessoa de “escassos recursos políticos” e que teve a “sorte” de ter petróleo, que “lhe permite subsistir”.

Sobre Morales, García falou que está fazendo um péssimo negócio de ser um repetidor das idéias o presidente venezuelano “porque não tem nem um barril de petróleo”.

Mundo da Internet

O mundo está cada vez mais ligado na internet e a exclusão digital não pára de cair.

O relatório Economist Intelligence Unit, da revista britânica The Economist, revela que existem hoje 1 bilhão de internautas e 2 bilhões de usuários de telefones celulares.

A maioria dos países presentes na lista publicada há sete anos pelo relatório conseguiu em 2006 pontuações melhores dos indicadores sobre desenvolvimento tecnológico.

Os europeus lideram a lista de preparação tecnológica para a era digital, com a Dinamarca em primeiro lugar (9 pontos em um total de 10), seguida por EUA (8,88), Suíça (8,81), Suécia, Reino Unido, Holanda, Finlândia, Austrália, Canadá, Hong Kong, Noruega e Alemanha.

Posição do Brasil na web

O Brasil melhorou sua pontuação, com 5,29, contra os 5,07 do ano passado, mas caiu da 38ª para a 41ª posição.

O mesmo aconteceu com a Argentina, que passou dos 5,05 para os 5,27 pontos, mas caiu da 39ª para a 42ª colocação.

O Chile é o país latino-americano mais bem colocado e melhorou sua pontuação, passando de 5,97 pontos para 6,19, mas manteve a 31ª posição, na frente da República Tcheca, da Hungria e da Polônia.

O México aumentou sua pontuação, de 5,21 em 2005 para 5,30, mas caiu três posições, ocupando a 39ª colocação.

Já a Venezuela é uma exceção entre os países latino-americanos avaliados pelo Economist Intelligence Unit. Além de cair três posições, também perdeu pontos, obtendo 4,47 em 2006, contra 4,53 no ano passado.

Idéia para ser copiada

A JWT criou uma ação diferenciada para o Hospital do Câncer, em parceria com o Wal-Mart, outro cliente da agência.

Foram colados seis mil pequenos adesivos em frutas com o nome da instituição e a mensagem "Viu? É fácil fazer o auto-exame. Previna-se contra o câncer de mama".

A idéia é relacionar a facilidade de se apalpar uma fruta, atitude comum do consumidor para checar se a mesma está boa, com a simplicidade de se realizar o auto-exame.

Até dia 20 de maio, os adesivos serão "veiculados" nas frutas do Wal-Mart Tamboré, em São Paulo

A criação é de Andréa Siqueira e Andréia Barion, com direção de criação de Átila Francucci.

Livro bomba

Uma publicação promete se transformar em dor de cabeça para a equipe de segurança do ex-governador Garotinho e de sua mulher Rosinha.

Com nomes e cenários fictícios, mas inspirado em histórias reais, o livro "Elite da tropa" - escrito pelo capitão da PM André Batista, pelo ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) Rodrigo Pimentel e por Luiz Eduardo Soares, coordenador de segurança no governo Garotinho - revela a promiscuidade entre polícia e política.

O livro conta casos de corrupção, execuções e tortura, além de mostrar as entranhas de uma das mais atuantes tropas de guerra urbana do mundo, o Bope.

Malvadeza do dia

Um incêndio devastou completamente a biblioteca pessoal do Presidente da República.

Os bombeiros informaram que foram totalmente queimados dois livros.

O Porta voz da Presidência informa que o presidente está inconsolável pois não havia ainda terminado de colorir o segundo...

Vida que segue...

Novas informações a qualquer momento.

Recramasões, ilogius ou revelasões bomba para:

jorgeserrao@gbl.com.br

Faça comentários clicando no link abaixo.

Ouça as informações clicando no link da rádio (podcast) Alerta Total:

http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal/

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

quinta-feira, 27 de abril de 2006

Inteligência dos EUA alimenta Ministério Público Federal com dossiê que revela negócios entre Garotinho, religiosos e presidiários

Edição de Quinta-feira do http://alertatotal.blogspot.com/

Ouça também o Alerta Total no seu computador.
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal
Resumo no ar às 8h e Edição completa a partir de Meio-dia.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Exclusivo - Por suas ligações com a indústria bélica de Israel e suas recentes críticas ao neoliberalismo, fatos que contrariam interesses dos Estados Unidos, o ex-governador Antony Garotinho se transforma em mais um alvo preferencial dos agentes norte-americanos que atuam no Brasil para produzir informações na fácil missão de desmoralizar a classe política brasileira. O próximo dossiê-bomba contra Garotinho vai relacionar as ligações empresariais do ex-governador e de empresários ligados a ele com empresas registradas em nome de presidiários e ex-presidiários que atuam como fornecedoras ou prestadoras de serviços ao governo do Estado do Rio.

O Ministério Público Federal vai acionar a Polícia Federal para investigar os líderes religiosos que atuam próximos de Antony Garotinho. Um dos principais alvos será um dos homens-fortes do casal Garotinho e Rosinha: o pastor Everaldo Dias Pereira, que é membro da Assembléia de Deus, dirigente nacional do PSC (Partido Social Cristão) e nos governo do Estado já presidiu o Fundo Único de Previdência Social (Rio Previdência) e comandou o programa Cheque-Cidadão quando foi subsecretário do Gabinete Civil. Outros dois também alvos são pastores: Luiz Carlos dos Santos, da Igreja de Nova Vida, que já foi presidente da Fundação Escola de Serviço Público (FESP) e Silas Malafaia, da Assembléia de Deus, e muito conhecido pelo programa televisivo “Vitória em Cristo”, que sempre exalta o político Antony Garotinho.

O Ministério Público Federal vai investigar também um dos elos de ligação entre os três religiosos e o governo: o economista Luiz Fernando Victor, atual secretário da Receita Estadual do Rio de Janeiro e que já presidiu a Fundação Escola de Serviço Público. A FESP, órgão do governo do estado do Rio responsável pela área de treinamento de pessoal e pela realização de concursos públicos, é considerada o “fio da meada” de todas as investigações atualmente em curso contra Antony Garotinho na Polícia Federal.

A FESP é investigada porque repassou, sem licitação, de 2003 a 2006, R$ 112 milhões e 500 mil reais para três associações de cujas diretorias fazem parte sócios de três empresas doadoras da pré-campanha presidencial de Garotinho. As associações receberam dinheiro por meio de empenhos para serviços supostamente prestados à FESP. Só no ano passado, a FESP empenhou R$ 59 milhões e 800 mil reais para três entidades cujos sócios doaram R$ 400 mil do total de R$ 650 mil em recursos à pré-campanha do peemedebista.

Em 2005, a Fesp repassou R$ 26 milhões e 400 mil reais ao Inep (Instituto Nacional de Pesquisa e Ensino da Administração Pública), que tem como diretor-presidente Luiz Antônio Motta Roncoli, sócio majoritário da Virtual Line, doadora de R$ 50 mil para a pré-campanha do peemedebista. Nildo Jorge Nogueira Raja - sócio da Emprin, doadora de R$ 200 mil ao PMDB - é vice-presidente do Inaap (Instituto Nacional de Aperfeiçoamento da Administração Pública), beneficiado com R$ 18 milhões da FESP em 2005, e diretor do IBDT (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Treinamento), que recebeu R$ 15 milhões e 200 mil reais da FESP.

Custo para Garotinho

A Polícia Federal abriu inquérito ontem, a pedido do Ministério Público Federal, para apurar suspeita de falsidade ideológica das empresas doadoras de Garotinho.

O pré-candidato já foi aconselhado por caciques peemedebistas a renunciar à disputa.

Garotinho não fará isso, mas já sabe que é carta fora do baralho na escolha do PMDB, que ainda não sabe se lança candidato próprio, se forma aliança com o presidente Lula ou se faz um acordo com o PSDB e PFL. O mais provável é o apoio à reeleição de Lula.

Razões da impunidade

Por que até hoje marcos Valério não foi preso?

Por que Delúbio não está na cadeia?

Um senador da República revela que existe uma articulação política de todos os partidos para que eles não sejam presos, pelo menos até outubro.

É o sinal evidente do envolvimento da classe política com o crime organizado, no mais alto nível, o que vem sendo acompanhado de perto pelos Military Liaison Element dor organismos de inteligência norte-americanos que atuam no Brasil.

Defensores radicais

Reunidos ontem em São Paulo, na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT), partidos ditos de esquerda (do PT ao PC do B) e associações de movimentos sociais (da UNE ao MST) firmaram uma espécie de pacto pela reeleição de Lula.

Também fecharam uma blindagem contra eventuais manobras “da direita” em favor do impeachment do presidente da República.

Ameaçam partir para o confronto com quem tentar tirar Lula do poder.

Intriga do poder

Um desencontro inesperado provocou uma grande dúvida ontem em São Paulo e em Brasília.

Por que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, não veio a São Paulo para se encontrar com o presidente da República Bolivariana da Venezuela, Coronel Hugo Chávez?

O líder bolivariano ficou tão triste com a ausência que até mandou até um beijo no ar para a querida companheira Dilma, durante uma entrevista.

A Dilma tem seus motivos. Não quis se encontrar com José Dirceu, que hoje é o coordenador não-declarado da também não-anunciada campanha reeleitoral do presidente Lula e também “assessor especial” sem nomeação e conselheiro do presidente Chávez.

Dilma não apareceu, porque, nos bastidores, reclama que José Dirceu nunca deixou de ser o ministro-chefe da Casa Civil...

Zé solta o verbo

O ex-deputado José Dirceu voltou ao ataque ontem, lembrando seus dias de glória no poder explícito (ele agora exerce o poder implícito, como reclama a companheira Dilma).

Em palestra de 40 minutos no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Dirceu reafirmou que não comandou o esquema do Mensalão.

Acusou a imprensa de tentar derrubar o governo Lula, criticou a Câmara dos Deputados e ainda acusou o Ministério Público de São Paulo de ter se excedido, ao incluí-lo na investigação do assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel.

Mania de perseguição

Dirceu se queixou de estar sendo perseguido pela imprensa.

Todo dia que levanto, eu me pergunto: primeiro me cassaram com 'ss' e agora querem me caçar com 'ç'?. Só no período da Oban, do DOI-Codi, a imprensa brasileira desceu tanto como está descendo neste momento na vida política do Brasil”.

Dirceu fez uma referência a dois órgãos de repressão da ditadura militar, nos tempos em que ele era conhecido como “Daniel” e “Pedro Caroço”...

Imprensa malévola

Na avaliação do deputado cassado José Dirceu, a imprensa brasileira estaria tentando derrubar o governo Lula.

A pretexto de combater a corrupção – e existe muita corrupção na administração pública brasileira – e a pretexto de combater o caixa 2, conseguiu-se fazer uma aliança, soldar um bloco social e um bloco parlamentar para se opor ao governo Lula e para derrubá-lo”.

Tese para a impunidade

José Dirceu tem uma tese para explicar por que ninguém está sendo punido pelo escândalo do Mensalão, que ele jura ser uma peça de ficção política:

Vocês acham que a Câmara não cassou ninguém por quê? Porque considera que caixa 2 não é crime. Se considerasse, tinha que cassar todos. Aliás, estive em um país dando uma palestra um mês atrás, onde me disseram que todo mundo faz caixa 2 e ninguém toca nesse assunto, porque faz parte da regra da democracia no país”.

O chefe virtual da Casa Civil só não especificou qual foi o país visitado por ele em que o caixa 2 não é crime...

Dirceu em campanha

O ex-ministro e deputado cassado José Dirceu vai percorrer diversas cidades de Minas no próximo mês em campanha pela reeleição do presidente Lula.

Vai cumprir uma programação montada pela bancada de parlamentares estaduais e prefeitos do PT.

A iniciativa faz parte de uma ofensiva montada por petistas para revigorar a imagem desgastada do ex-ministro mais poderoso que nunca.

Lula irritado

Irritadíssimo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu aproveitar ontem os holofotes do lançamento do livro do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, para soltar o verbo contra um dos casos que mais lhe tira o sono no governo.

Lula avisou que não daria opinião sobre a quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa.

O presidente comentou que todos os dias conversa com "milhares de pessoas" e que "ninguém nunca perguntou" sobre o assunto.

A quebra dos sigilos do caseiro Francenildo causou uma das maiores crises no governo Lula e resultou na demissão do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e do presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso.

Varredura na Receita

A Polícia Federal deverá fazer nos próximos dias uma varredura em computadores da Receita Federal numa tentativa de descobrir se fiscais bisbilhotaram dados cadastrais do caseiro Francenildo.

A investigação foi autorizada pela juíza Maria de Fátima de Paula Pessoa, da 10ª Vara Federal, a partir de pedido de busca e apreensão formulado pelos procuradores da República Gustavo Pessanha Veloso e Ana Lívia Tinôco.

Os federais trabalham com a hipótese de que aliados do ex-ministro Antonio Palocci localizaram a conta de Francenildo a partir do banco de dados da Receita.

Animais da Presidência

Governo Brasileiro gasta 20 milhões de reais por ano para alimentar animais oficiais

Alimentar os peixes que decoram os espelhos d’água de órgãos públicos, ou ainda, os cavalos do ministério da Defesa e cobaias para experimentos científicos custou para a União R$ 20 milhões e 500 mil reais, em 2005.

Só a Presidência arca com a dieta de 1.500 animais, segundo revelação da ONG Contas Abertas.

De acordo com dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), a compra de alimentos para os animais dos Três Poderes ultrapassou o valor aplicado pelo governo no programa de Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, que foi de R$ 14 milhões e 900 mil, no ano passado.

Cama, mesa e banho

Em 2005, os Três Poderes gastaram juntos R$ 16 milhões e 200 mil reais com a compra de materiais de cama, mesa e banho.

O valor pago seria suficiente para adquirir quase 13 toneladas de itens como toalhas, lençóis, fronhas e cobertores.

Em valores correntes (moeda da época), desde 2001, ano em que os gastos chegaram a R$ 7 milhões, essa compra não atingia valores tão altos.

O aumento com a conta no período entre 2002 e 2005 foi de 82%.

Gastos importantíssimos

A mesma ONG Contas Abertas revela que uma compra de toalhas e forros de linho feita pela Presidência da República, na semana passada, custou para os cofres públicos R$ 75.312,00.

Apenas um jogo com oito toalhas de mesa, bordadas à mão, saiu por R$ 18.864,00. O preço unitário foi de R$ 2.358,00.

Outros itens da compra foram vinte toalhas para lavabo, que saíram por R$ 1.200,00.

Nessa conta também entraram mais R$ 9.240,00, referentes à aquisição de duas toalhas de mesa. Cada peça, neste caso, custou R$ 4.620,00.

O restante do gasto da Presidência foi com a compra de 190 forros para bandeja e suportes de pratos, de tamanhos variados, que saíram por R$ 5.904,00.

Outros itens da compra são doze jogos de toalhas com guardanapos, a R$ 3.442,00, cada.

Arapongagem no Paraná

A Polícia Civil do Paraná produziu um relatório, em 2003, que volta a circular agora, para denunciar um esquema de escuta telefônica política ilegal no Paraná.

O governo de Roberto Requião pagou R$ 1 milhão por um "grampeador" de telefones chamado Guardião.

O aparelho grampeia celulares de última geração, faz a clonagem do aparelho alvo e realiza escutas ilegais em som de alta fidelidade.

O Guardião pega 600 telefones de uma só vez.

Usam o artifício de conseguir liminares na Justiça, autorizando a escuta, mas usam o serviço para outras finalidades não policiais.

Oposição teme que aparelho esteja sendo usado para escutar adversários políticos.

Enquadrando o Supremo

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou ontem projeto de lei de autoria do senador José Jorge (PFL-PE) que altera a forma de concessão de decisões liminares pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A concessão de liminares em mandados de segurança contra atos do próprio Supremo, do presidente da República, do Congresso ou de suas mesas e comissões não poderá mais ser feita por apenas um ministro do STF.

A decisão terá de passar pela maioria dos membros do tribunal.

Reação do Bigodão

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), apresentou um voto contra a proposta, mas foi derrotado.

O projeto seguiria agora para a Câmara dos Deputados, mas Mercadante promete entrar com recurso na Mesa do Senado pedindo que a matéria tenha de passar pelo plenário da Casa.

Para o senador Demóstenes Torres (PFL-GO), relator da proposta na CCJ, a concessão de liminar por um único ministro, como é feita atualmente, levanta a suspeita de que a decisão possa sofrer algum tipo de pressão política.

Será que é isso que o Mercadante e o governo desejam?

Militância chapa-branca remunerada

Uma consulta ao Siafi, o sistema informatizado das despesas feitas com o Orçamento Geral da União (OGU), feita pela assessoria do PSDB na Câmara, revela como o governo Lula está aparelhando a CUT e a UNE com recursos públicos, entre os anos de 2003 e 2005.

A CUT recebeu:
2003 – R$ 4.640.201,00
2004 – R$ 12.656.840,00
2005 – R$ 13.150.363,00

A ESCOLA SINDICAL SÃO PAULO/CUT apanhou:
2004 – R$ 1.060.000,00
2005 – R$ 55.000,00

A UNE faturou:
2003 – R$ 600.000,00
2004 – R$ 400.000,00
2005 – R$ 1.270.649,00

Era das invasões

O número de invasões de terra nos três primeiros anos do governo Luiz Inácio Lula da Silva superou em 55% o registrado nos 36 últimos meses da gestão tucana de Fernando Henrique Cardoso.

No mesmo intervalo, a quantidade de assassinatos por conta de conflitos agrários avançou 63%.
A Ouvidoria Agrária Nacional revela que o governo petista acumulou 770 invasões a imóveis rurais em todo o país entre janeiro de 2003 e dezembro de 2005.

Nos três últimos anos de FHC (2000 a 2002), a ouvidoria registrou 497 ações desse tipo.

Sob Lula, que em campanha eleitoral dizia ser o único candidato capaz de conter os sem-terra, ocorre uma média de 21 invasões a cada mês.

Violência aumenta

Das 770 invasões na gestão Lula, 67% (516) foram organizadas pelo MST.

Quando Lula venceu as eleições, no final de 2002, houve uma corrida de sem-terra aos acampamentos, com a expectativa de que o governo petista, enfim, fizesse a reforma agrária.

Em seis meses, a quantidade de famílias acampadas saltou de 60 mil para 200 mil, sendo a maioria delas do MST.

Mortes no campo

Mesmo com as invasões em alta, são as mortes no campo que têm trazido as maiores dores de cabeça ao governo petista.

As mortes passaram de 44 (de 2000 a 2002) para 72 (de 2003 a 2005).

No governo Lula, a cada mês duas pessoas morrem por conta de conflitos fundiários.

Das 72 mortes de 2003 a 2005, 63% (46) ocorreram na região Norte.Entre os Estados, o Pará lidera com 27 assassinatos, incluindo o caso de Dorothy Stang, seguido por Rondônia, com 15 mortes.

Condenação esperada

O Tribunal do Júri do Pará condenou ontem Amair Feijoli da Cunha, o Tato, a 18 anos de prisão, em regime fechado, pelo assassinato da missionária norte-americana naturalizada brasileira Dorothy Stang, que tinha 73 anos.

A pena inicial, por homicídio duplamente qualificado, foi de 27 anos.

Mas os sete jurados decidiram que Tato, apontado como o intermediário do assassinato da freira, teve como atenuante o fato de ter colaborado na apuração do crime. Por isso a pena foi reduzida em um terço.

Quebrando o MST

O juiz estadual José Pedro Eckert, de Barra do Ribeiro (a 68 km de Porto Alegre), determinou ontem a quebra do sigilo bancário de três entidades sem-terra ligadas à Via Campesina.

As entidades que tiveram o sigilo bancário quebrado são a AMTR-Sul (Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Região Sul), a ANMC (Associação Nacional das Mulheres Camponesas) e a MMTR (Associação das Mulheres Trabalhadoras Rurais do Rio Grande do Sul).

O pedido foi feito pelo Ministério Público Estadual, que apresentou denúncia na segunda-feira contra 37 pessoas em razão da invasão e depredação do horto florestal da Aracruz Celulose, no dia 8 de março.

São dez homens e 27 mulheres denunciados pelos delitos de dano, furto, cárcere privado, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Entre eles está João Pedro Stedile, líder do MST, que negou envolvimento no caso.

Pau à vista

Termina hoje o prazo para que 400 famílias de sem-terra desocupem fazenda da empresa Suzano Celulose em Teixeira de Freitas (BA).

A polícia Militar avisou que, se os invasores não saírem, vai expulsá-los a força.

O Incra quer negociar retirada pacífica.

Quem dança é a ética...

A Mesa Diretora da Câmara decidiu ontem apenas advertir verbalmente a parlamentar Angela Guadagnin (PT-SP) pela dança em comemoração a absolvição do deputado João Magno (PT-MG) no plenário da Casa, em março.

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), leu a censura à deputada Angela Guadagnin (PT-SP) por ela ter dançado em plenário — e diante das câmeras — em comemoração à absolvição do deputado João Magno (PT-MG), que era processado por quebra de decoro parlamentar por sua participação no esquema do mensalão.

O problema é que a deputada petista não estava no plenário enquanto a advertência determinada pela Mesa Diretora era lida... Coisas do nosso Congresso...

Sem aposentadoria

A Mesa Diretora da Câmara rejeitou ontem o pedido de a aposentaria feito por José Janene (PP-PR), que alegou razões de saúde.

Se fosse aposentado, Janene escaparia do processo de cassação que tramita no Conselho de Ética da Câmara por causa de sua participação no esquema do mensalão.

A Mesa decidiu acatar a sugestão da Comissão de Constituição e Justiça, que na semana passada aprovou o relatório do deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), que entende que Janene não poderá se aposentar por invalidez para evitar o processo de cassação.

O ex-líder do PP está em licença médica desde setembro do ano passado por causa de um problema grave no coração.

Bebam do próprio veneno

O PT entrou ontem com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) solicitando a suspensão imediata das inserções comerciais do PSDB em rádio e TV.

Os petistas alegam que os comerciais são campanha antecipada do candidato tucano à sucessão presidencial, Geraldo Alckmin.

Foi o troco nos tucanos, que tentaram tirar do ar o comercial da Pebrobrás.

Amassando barro

O candidato tucano à Presidência da República, Geraldo Alckmin, foi aplaudido de pé ontem pelos prefeitos que participam da Marcha em Defesa dos Municípios, no Hotel Blue Tree, em Brasília.

Alckmin disse que é preciso governar como um prefeito, 'amassar barro, falar menos e fazer mais'.

O tucano também se comprometeu com a reivindicação dos prefeitos de aumentar em um ponto percentual os repasses para o Fundo de Participação dos Municípios, promessa feita na semana passada pelo governo Lula, mas condicionada à aprovação de uma minirreforma tributária.

Imperador versus Aécio

O prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia (PFL), reclama que o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), não tem se empenhado para impulsionar a campanha do tucano Geraldo Alckmin, candidato à sucessão presidencial.

Sempre que estou perto do Aécio, vejo um pouco de veneno escorrendo no canto da boca dele. Acho que ele está olhando mais para Minas Gerais do que para o Brasil”.

Maia voltou a insistir na tese de que o comportamento do eleitorado em Minas será fundamental nas eleições presidenciais de outubro.

Por isso, o prefeito carioca acredita que o governador mineiro precisa se empenhar mais para incrementar a campanha de Alckmin no Estado.

Guerra a Ceasar

O senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), coordenador da campanha do tucano Geraldo Alckmin, rebateu as críticas de Maia a Aécio:

Podemos dizer que o Aécio tem contribuído em todos os momentos da campanha e continuará a fazê-lo”.

Guerra garante que o prefeito do Rio se equivoca ao criticar o tom “suave” da campanha do ex-governador de São Paulo.

Tríplice aliança é dose!

O presidente nacional do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), espera que o PMDB participe da aliança com os tucanos e pefelistas nas eleições de outubro.

O ideal é que o PMDB participe da tríplice aliança”.

Os pefelistas apostam que o PMDB vai decidir na convenção por não ter candidato próprio.

Quando ele pagou?

O ministro chefe virtual da Casa Civil José Dirceu, identifica no fracasso da aliança com o PMDB um dos principais erros do governo Lula.

Segundo Dirceu, o PT errou nas últimas eleições presidenciais ao se apoiar no PL, no PTB e no PP para compor sua base no governo.

Nós não resolvemos a questão PMDB. A governabilidade tem um centro, que é o PMDB. E tivemos que nos apoiar no PL, que já era aliado nosso, PTB e PP. Eu alertei o PT e o presidente Lula várias vezes sobre esse erro. Alertei que custaria caro”.

O mago Dirceu faz outra previsão: “Quem quer que ganhe as próximas eleições vai enfrentar um problema de governabilidade, que só será resolvido com uma ampla reforma político-administrativa”.

PMDB na pior

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), surpreendeu ao anunciar que partido realizará uma convenção extraordinária em maio para definir se o partido terá ou não candidatura própria na sucessão presidencial.

O encontro será no dia 13 de maio, mas não anulará a convenção nacional marcada para o dia 10 de junho.

A tentativa de antecipar a decisão sobre a candidatura própria conta com o apoio de 14 diretórios e da maioria da Executiva do PMDB, segundo Renan.

Joguinho do Itamar

Pré-candidato à Presidência pelo PMDB, Itamar Franco não quis comentar ontem as denúncias contra o seu rival dentro do partido, o pré-candidato Anthony Garotinho.

Enigmático, como de costume, Itamar alega que só fala hoje, numa entrevista coletiva à tarde.
A expectativa é de que Itamar comente também oposições que tem encontrado dentro do partido, como a do presidente do Senado, Renan Calheiros.

O senador fez declarações sobre Itamar estar apenas se divertindo com sua pré-candidatura já que seu objetivo é, na verdade, sair senador por Minas Gerais. O Alerta Total também aposta nesta tese.

Escolhido do Lula

O militante Luiz Inácio Lula da Silva fará um "discurso Lulinha, paz e amor" na reunião do encontro nacional do PT, amanhã, em São Paulo.

Lula definiu o senador Aloizio Mercadante como uma de suas peças-chave na disputa por um segundo mandato.

O líder do governo no Senado é o candidato preferido de Lula ao governo de São Paulo e será um dos principais formuladores do programa econômico para uma nova estadia de quatro anos no Palácio do Planalto.

Lula já começou a pedir votos para Mercadante a delegados petistas que escolherão entre ele e a ex-prefeita Marta Suplicy, na prévia partidária.

Bigodão técnico, paz e amor...

Com a definição do ex-prefeito José Serra como o candidato do PSDB, a avaliação feita no Planalto é que mudou o perfil do candidato petista.

Em vez de um nome para uma campanha de ataques, que caberia no figurino de Marta, a eleição paulista deve incorporar questões nacionais econômicas.

José Dirceu que é quem manda de verdade, avalia que Mercadante terá melhor desempenho que a ex-prefeita nesses assuntos

Problemas de saúde

Embora apareça como franco favorito ao governo paulista, José Serra pode ser obrigado a sair da disputa por problemas de saúde.

O caso está sendo abafado, mas Serra vem se tratando no maior sigilo, de algum problema que ninguém revela e muito menos os tucanos confirmam.

Fernando Henrique Cardoso está de stand by para a eventual disputa, se Serra não concorrer...

Proposta para a Varig

José Dirceu defendeu ontem que o governo estatize a Varig para recuperá-la e depois vendê-la à iniciativa privada.

O governo deveria assumir a Varig, saneá-la e vendê-la”.

Dirceu alega que a empresa deve cerca de R$ 4 bilhões e 500 milhões de reais à União, entre dívidas com a Infraero, Banco do Brasil, BR Distribuidora e outras.

Retrato dos domésticos

Documento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com o perfil do emprego doméstico mostra que 544 mil dos 1 milhão e 600 mil trabalhadores desta categoria têm carteira assinada.

Os trabalhadores domésticos representam 8,1% da população ocupada no Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte e Recife. As mulheres são a maioria.

Entre todas as mulheres que trabalham nas seis regiões, 17,5% são faxineiras, diaristas, babás, cozinheiras, lavadeiras, arrumadeiras ou acompanhantes de idosos ou doentes.

O lado ruim da pesquisa

A pesquisa revela que nos últimos quatro anos aumentou a procura pela profissão, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde os salários pagos são maiores.

Mas o nível de instrução das domésticas ainda é muito baixo.

Nem 10% delas freqüentam a escola; apenas 36% conseguiram concluir o ensino fundamental.

O estudo revela que grande parte (37,3%) é responsável pelo domicílio e que as negras ainda são a maioria entre as domésticas.

A pesquisa do IBGE também mostrou que o rendimento da empregada doméstica representa apenas 35% do que é recebido por um trabalhador comum e quase 30% da categoria ainda recebe menos de um salário mínimo.

A águia e o banqueiro controlador

Um relatório feito por parlamentares da União Européia denuncia que a CIA, agência de inteligência dos EUA, fez mais de mil vôos clandestinos no continente desde 2001.

E em algum deles suspeitos de terrorismo eram levados para países onde foram torturados.

Claudio Fava, relator da comissão de inquérito especial do Parlamento Europeu, revelou:

A comissão lamenta o fato, como verificado pela investigação da comissão, de que a CIA usou aeronaves registradas em nome de companhias fictícias ou de companhias privadas para secretamente transferir suspeitos de terrorismo para outros países, como Egito, Jordânia, Síria e Afeganistão”.

De acordo com o documento, alguns governos de países europeus sabiam da operação, mas ficaram em silêncio. Nem a CIA nem a União Européia quiseram comentar o assunto.

A CIA foi "claramente responsável pelo seqüestro e detenção de alegados terroristas no território dos Estados membros".

Os dados fazem parte da batalha de contra-informações entre o poderio inglês e o norte-americano, atualmente em confronto aberto pela hegemonia mundial.

Os papagaios de Chávez

Para variar, ontem, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, atribuiu aos Estados Unidos e à "direita desesperada" do continente o "discursinho" que o acusa de se intrometer nos assuntos internos de outros países.

"É o mesmo discursinho que é elaborado no Pentágono, e o que alguns fazem é repeti-lo como papagaios. É a direita desesperada porque o que anda varrendo a América Latina, mais uma vez, é uma forte corrente pelos caminhos da esquerda".

Chávez é acusado de se intrometer, não apenas com discursos, mas com promessas de ajuda financeira e econômica, nas eleições da Bolívia, México, Peru e Nicarágua.

Chávez tem como projeto político prioritário transformar os países sul-americanos em palanque anti-EUA.

Quem vai entrar pelo cano

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, informou que Brasil, Argentina e Venezuela debaterão em setembro, no Brasil, o projeto de construção de um gasoduto que vai interligar os três países e exigirá investimentos de mais de US$ 20 bilhões.

Segundo Amorim, o assunto foi o tema central de uma reunião de quase três horas e meia na manhã de ontem, em São Paulo, entre o presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, o argentino Néstor Kirchner e o venezuelano Hugo Chávez.

Embora o chanceler brasileiro, Celso Amorim, tenha afirmando nesta quarta que estudos preliminares mostram que a construção de um gasoduto gigante que ligue a Venezuela ao Brasil e à Argentina seja “viável”, o vice-ministro do Petróleo e Gás da Bolívia, Julio Gómez, classificou a idéia de “loucura”.

Guerra declarada

Em entrevista concedida a uma rádio de seu país, Julio Gómez avaliou que erguer 9,2 mil quilômetros de dutos através da floresta amazônica “não tem pé nem cabeça”.

Além disso, segundo o vice-ministro, o preço do metro cúbico do gás alardeado não pode ser real.

Oferecer preço de US$ 1 por milhão de pés cúbicos para um gasoduto que custará mais de US$ 20 bilhões é uma loucura que nem a PDVSA e nem a Venezuela permitiriam”.

O boliviano acusa que esse valor só foi divulgado pela Petrobras porque a Bolívia quer elevar o preço cobrado do Brasil pelo produto, atualmente em US$ 3,24 por milhão de pés cúbicos.

Gómez garantiu que seu país, o segundo maior produtor de gás da América Latina, não vai deixar de integrar nenhum projeto energético regional e que a Bolívia continuará a ser o principal fornecedor de gás para a América Latina porque o projeto da Venezuela levaria pelo menos mais dez anos para concretizar-se — isso sem a oposição de grupos ambientalistas.

Gás do Chávez

Enquanto o ministro do Petróleo e Gás da Bolívia, Julio Gómez, classificava a idéia de “loucura”, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, defendeu a incorporação da Bolívia na construção do megagasoduto que ligará o seu país ao Brasil e Argentina.

A Bolívia é prioritária para o projeto, pois possui a segunda maior reserva de gás natural da América do Sul. Se a Venezuela se movesse somente pelo interesse econômico e financeiro, não estaríamos aqui, mas negociando com Washington”.

Chávez garante que o gás venezuelano chegará barato ao Brasil.

Perturbando Eike

O governo boliviano pode pedir a expropriação dos bens da companhia brasileira EBX, a título de ressarcimento por supostos danos ambientais e outros delitos.

A informação foi dada pelo vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, ao jornal La Prensa, depois de a EBX informar ter desistido da continuar a construção de uma siderúrgica no município de Puerto Quijarro, uma zona franca localizada na Província de Germán Busch, próximo a fronteira com o Brasil.

Dos US$ 148 milhões de investimento previsto para a construção dos fornos, US$ 50 milhões já foram desembolsados. A empresa de Eike Batista estima que gastará US$ 20 milhões para desmontar o que já foi montado.

Ameaça da Tia Anne

A subsecretária americana de Estado para assuntos ligados ao narcótico internacional e a execução das leis, Anne Patterson, advertiu ao presidente da Bolívia, Evo Morales, que o país andino corre o risco de ter uma produção “explosiva” de coca e, conseqüentemente, de cocaína.

Segundo ela, o motivo para o crescimento do cultivo é o ritmo lento da erradicação da planta, que caiu para a metade em relação ao mesmo período do ano passado.

Anne Patterson, que esteve reunida com o cacique Morales em La Paz, mencionou estudos que mostram que em 2005 mais de 30 mil hectares de terras bolivianas foram usados para a produção de coca — destes, 7.000 foram destinados aos mercados legais.

Segundo a nossa experiência, o narcotráfico pode afundar as instituições democráticas do país muito rapidamente, antes que se dê conta”.

Anne garantiu que o governo americano está preocupado porque o aumento da produção de coca significa um aumento da entrada de cocaína nos países vizinhos à Bolívia, como Argentina, e na Europa.

Definindo líderes

O cientista político Jorge Castañeda, da Universidade de Nova York, é impiedoso com os amigos latino-americanos de Lula.

Para ele, Nestor Kirchner é "um peronista reacionário".

Hugo Chávez "não é Fidel Castro: é Perón com petróleo", está conduzindo a Venezuela ao colapso.

E Evo Morales "não é um Che indígena, mas um populista esperto e irresponsável", que promete muito e entrega pouco.

Depoimento de Castañeda coluna do Celso Ming, no Estadão.

Solidariedade a um grande amigo

Um dos melhores repórteres policiais do Brasil, Geraldo Lopes, está travando luta titânica com um inimigo muito poderoso chamado “câncer gástrico”.

A guerra já o levou a uma cirurgia e a intermináveis sessões de quimioterapia.

Geraldo Lopes apela a seus amigos que precisa ir a Havana, onde cientistas cubanos desenvolveram um medicamento extraído do veneno de escorpião que, dizem, é quase milagroso.

Tal droga, apesar de existir há mais de 10 anos, ainda não é reconhecida pela ciência médica mundial, embora apresente um percentual de 90 % de resposta para seu tipo de câncer.

Desde que a doença foi detectada, embora recorra sempre ao sistema público de saúde, Geraldo Lopes tem tido gastos muito grandes. Os medicamentos e exames oncológicos são caríssimos.

Como não tem dinheiro para viajar, apela a uma campanha de solidariedade junto aos seus amigos.

Quem puder, deposite qualquer quantia na conta Unibanco Agência 0395 conta 195172-6

Geraldo Lopes agradece antecipadamente a todos pela amizade e espírito de solidariedade.

Vida que segue...

Novas informações a qualquer momento.

Recramasões, ilogius ou revelasões bomba para:

jorgeserrao@gbl.com.br

Faça comentários clicando no link abaixo.

Ouça as informações clicando no link da rádio (podcast) Alerta Total

http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal/

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.