domingo, 28 de janeiro de 2007

Enganando a Águia com factóides

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Jorge Serrão

Quem tem (poder) tem medo! O ditado popular não é bem este. No entanto, se aplica perfeitamente ao presidente Lula da Silva, cujo lema, a partir de agora, é “Ou vai, ou racha”. Exatamente para não rachar, depois de levar uma bronca diplomática do Departamento de Estado dos EUA, na qual lhe foi cobrada uma posição contra os arroubos autoritários, estatizantes e beligerantes de Hugo Chávez, o presidente do Sindicato do Palácio do Planalto preferiu conciliar com a “Águia” e puxar a orelha do amigo Chapolim Colorado.

A pequena bronca de Lula no amiguinho Chávez, Comandante Militar do Foro de São Paulo, foi revelada pelo caderno Aliás do Estadão deste domingo. A queixa privada aconteceu tarde do dia 18, numa reunião a portas fechadas de oito presidente sul-americanos, numa sala do Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, durante a 32ª Reunião de Cúpula do Mercosul. Segundo a reportagem, em um tom cauteloso, Lula indicou a Chávez a necessidade de evitar medidas que pudessem enfraquecer as instituições democráticas na Venezuela. Como o Alerta Total revelou com exclusividade, dias antes da Cúpula, Lula fora advertido, via Itamaraty, por um documento da Seção Sul do Departamento de Estado norte-americano, para não se omitir sobre as ações de Chávez.

Pelo visto, não foi só Lula quem conciliou com a Águia. O presidente da Argentina, na mesma reunião fechada do Mercosul, reclamou de Chávez. Nestor Kirchner questionou o venezuelano sobre sua decisão de nacionalizar o setor de energia elétrica e a CANTV, a maior empresa de telefonia da Venezuela. O “Hermano” reclamou com o Comandante Chávez que as medidas dele deixaram os investidores estrangeiros tão nervosos a ponto de a Argentina ter sido obrigada a suspender a emissão de US$ 500 milhões em bônus de sua dívida.

O Estadão relata que Lula e Néstor se reuniram a sós, na manhã seguinte no sexto andar do Hotel, e o alvo da conversa deles foi, novamente, Chávez. Os dois teriam falado da necessidade de conter os ímpetos do venezuelano. E no lançamento do Plano de Aceleração do Crescimento, Lula pediu que uma alusão à “democracia” fosse incluída no texto do discurso escrito pelo Ministro Chefe da Secretaria Geral da Presidência, o ideólogo petista Luiz Dulci, e o publicitário João Santana, marketeiro do partido.

A reportagem conclui que Lula estaria “cansando de Chávez”. Segundo o Estadão, em seu círculo íntimo, Lula se queixa freqüentemente do venezuelano. Segundo os fofoqueiros palacianos passaram ao jornal, “o presidente venezuelano cruza facilmente a fronteira entre o divertido e o inconveniente, entre o informal e o desrespeitoso”. Como o jornal não cita a fonte da reclamação – e a toma como verdade objetiva -, fica evidente um certo ciúme que Lula estaria nutrindo de Chaves, que aparece como o “líder das esquerdas no continente”, posto que já foi do nosso Presidente do Sindicato do Palácio do Planalto.


Mas será que os amiguinhos estão brigando de verdade? Ou seria para “inglês ver”? Aliás, os ingleses, aliás, comandam os investimentos da nobreza econômica européia, e estão por trás das manobras de Chaves, Morales, Lula e outros esquerdistas latinos. Será que esta “suposta intriga” de Chávez com Lula não seria apenas mais um factóide marketeiro do Planalto para enganar a Águia, que anda pressionando o governo brasileiro?

Quem souber a “verdade verdadeira”, objetiva e comprovável pelos fatos, que responda à pergunta. Os EUA estão cheios de problemas internos e externos evidentes. Os mega-protestos de ontem, com artistas à frente, pedindo o fim da guerra ao Iraque, já tiram o sono da “Águia”. Mas o governo Bush, sem alardear, sofre de insônia com a guerra surda travada com a nobreza econômica européia pela hegemonia do poder mundial. Tal “guerra” não aparece nos noticiários. E Chávez é mais uma pedra inglesa no caminho de Bush.

O que os norte-americanos ainda não mediram com precisão é o tamanho da pedra, e nem o quanto de estrago ela é capaz de produzir em seu telhado de vidro. O resto é conversa fiada, e fofoquinha de bastidor para a "Águia" dormir.

Jorge Serrão é jornalista, radialista e publicitário, especialista em Administração Pública e Assuntos Estratégicos. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total (http://alertatotal.blogspot.com)

2 comentários:

Anônimo disse...

Caro Serrão,

Muito bom texto. É, o poder tem esse problema. Prá se ter poder, necessário se faz que se seja submisso a alguem.

Anônimo disse...

O lula - líder das esquerdas ??? HAHAHAHAHAHA! O lula não manda nem na casa dele! O lula infelizmente, gostem ou não, tem a cara da maioria do povo brasileiro - sempre dando um jeitinho de conciliar a bunda com o caralho do tarado! Não toma a menor atitude soberana, é covarde, falso e movido à pressão. Todos sabem disso, tanto a chamada esquerda quanto os puxa-sacos da política neoliberal. Daí essa tensão toda em torno do que esse batráqueo beberrão fará para não deixar a bucha de seu balãozinho apagar antes desses quatro anos. Essa briga, na verdade, é só pelo poder. Os trabalhadores QUE SE FODAM! Os aposentados QUE SE FODAM também! O estímulo para continuar estudando em uma sociedade que só dá valor a bunda, artista e chuteira, QUE VÁ PRA PUTA QUE O PARIU! Então, meu caro, eu quero que essa águia vá mesmo É PRA CASA DO CARALHO!