domingo, 7 de janeiro de 2007

O pacote de bananas e o orçamento

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Obe Fainzilber

Nas manchetes vimos estupefatos a notícia de um pacote de bananas deixado numa estação do metrô paulistano. Também houve o caso de um passageiro que deixou uma bolsa, ou algo parecido, em um vagão do mesmo metrô, com retalhos de tecidos.

Aparentemente dois fatos intrigantes. Ambos virarem manchetes. Mas ao analisarmos com maior atenção, mais intrigante ainda é a coincidência de outros fatos concomitantes. Vejamos:

Na mesma época eclode no Rio de Janeiro uma onda de atentados violentos.
A morte mal explicada e quase nada divulgada do sargento da PM José Alberto Mini, de 36 anos, periciava uma bomba encontrada em uma estação do metrô paulistano, durante o reveillon, nítida conseqüência de ato terrorista. Sigilo este que já serve de mostra do será o desgoverno do ditador josé serra no Palácio dos Bandeirantes.

O Ministro das Relações Des-institucionais (pessoa da maior influência junto ao desgoverno atual) em entrevista, que ouvi na Band News, alega que crescimento como o que houve na China, só foi possível devido ao fato de lá ser um regime totalitário e extremamente exigente com a conduta dos trabalhadores, impondo níveis de produção que atendam ao programa do governo.

Enquanto está sendo noticiado, pelo Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira) que o desgoverno do lula (iniciais minúsculas é proposital) inicia seu segundo mandato com saldo devedor record de 63% do orçamento do corrente ano de 2007 (dívida de R$ 17,1 bilhões em investimentos não pagos), o Sr. presidente lula (iniciais minúsculas é proposital) vem a público com mais bravatas batraquianas para desafiar o que ele classificou de terrorismo, sem mencionar as ligações do PT com os autores do que ele classifica de terrorismo através do Foro de São Paulo, ao qual são ambos filiados. Afinal a quem interessa difundir o medo na população?
Ao invés do cuidar das finanças públicas do País, perde tempo para desfiar seus parceiros, membros do Comando Vermelho, prometendo dispor as forças policiais federais ao Estado do Rio de Janeiro, como se não existisse Ministro de inSegurança Nacional para tal ato. Na realidade não passa de mais um showbiss do presidente.

O recém empossado governador do Rio de Janeiro, em menos de 72 horas, correu para mostrar ao Brasil como pode ser providencial utilizar a força nacional, do lula, para combater a onda de violência, que se encerrará assim que os soldadinhos batraquianos aportarem na cidade maravilhosa, e então como um milagre de São Sebastião, a violência estará contida, com um simples telefonema, como se num passe de mágica.

A Revista Forbes, conceituado veículo de informações econômicas americana, anuncia um patrimônio estimado em US$ 2 bilhões do Sr presidente em contas fora do Brasil (crimes bem conhecidos de todos), que deverão ser usados, após o processo de lavagem e remessa legalizada, ainda segundo o mesmo informativo, para criar uma rede nacional de mídia por onde deverão ser noticiados os devaneios de realizações do PT, que de fato não realiza nada que não seja desativar a economia do País, levando a uma estagnação que custará muito trabalho e “investimento inglês” no futuro para colocar o Brasil novamente no rumo do crescimento econômico.

O MST está de pé e à ordem para novas invasões de terras, aguardando ordens, o que virá como reforço ao sentimento de desordem pública; o PCC está com nova onda de terror preparada para deflagrar a qualquer momento a pretexto de retaliação ao governo, do não menos diabinho josé serra (iniciais minúsculas é proposital), crimes esses merecedores de ações enérgicas por parte dos órgãos de segurança pública.

A somatória destes fatos nos leva à incrível sensação de insegurança generalizada, haja vista que a população do metrô, em desespero, chamou o serviço de segurança, que por sua vez, por medo de bombas, isolaram as áreas à procura de explosivos.

Quando o País vive uma situação de terror, o óbvio é que o Governo instale um regime de força e exceção. Então estamos próximos da ditadura que muitos anunciam estar sendo preparada pelo Sr lula, mas que a maioria dos incautos prefere, a exemplo dos avestruzes, enfiar a cabeça sob o manto da incredulidade diante do óbvio para não admitir o perigo, pois que uma vez admitido, será inaceitável a postura impassível.

Quanto aos chefes militares das três armas, conhecedores que são de suas obrigações supra constitucionais para com a Integridade e Unidade Federativas, assim como para com a manutenção das Instituições Constitucionais, serão cobrados em futuro próximo por sua eventual passividade diante da crise institucional desenhada pelo desgoverno batraquiano a que estamos submetidos.

Posso assegurar aos veneráveis mestres da democracia, colunas que são da sustentação da Pátria, luzes das esperanças nacionais, que a maioria do povo neste momento entenderá e apoiará qualquer ação rumo à reinstitucionalização do nosso Amado Brasil, pois que cumpram, sem discussões ou diálogos, aos artigos 142.

Obe Fainzilber é médico.

Um comentário:

Mario disse...

Caro Jorge,

Tempos atrás você falou sobre os $2 BI do "simples operário" e, agora, é o Dr Obe Fainzilber que menciona. Uma busca no site da Revista Forbes resulta em 31 ocorrências para o nome do dito cujo. Entretanto, em nenhuma encontrei referências a essas "economias" do aposentado por invalidez. Poderia, por favor, fornecer o link?

Por falar em terrorismo, é o caso de se perguntar ao molusco:

Se incendiar ônibus é terrorismo, por que invadir o congresso, rachando a cabeça de segurança, não é? E destruir fazendas, plantações, matar o gado, destruir 20 anos de pesquisa?