terça-feira, 20 de novembro de 2007

Nossos reais patrões

Edição de Artigos de Terça-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Por Jorge Serrão

Nossos verdadeiros “patrões” não são os EUA – como tradicionalmente sempre foi apresentado, ideocraticamente, aos brasileiros, a fim de que sempre escolhêssemos um “inimigo” errado para combater, enquanto o real inimigo nos assalta. Nossos patrões sempre foram os membros da Oligarquia Financeira Transnacional, que agem a partir da City de Londres, e que têm interfaces e parceiros na economia norte-americana.

Atualmente, essa oligarquia (que trabalha para as casas reais da Europa) trava uma batalha contra o núcleo monolítico de poder dos EUA, pela conquista da hegemonia do poder mundial. Trata-se de uma guerra assimétrica – não anunciada, pouco percebida, e não divulgada pela mídia amestrada e tradicional. A nobreza econômica européia quer recuperar o espaço perdido depois que os EUA se tornaram independentes no final do século 18 e, a partir do começo do século 20, se consolidaram como potência mundial.

A própria “invenção” da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (contando com o financiamento de muitos socialistas fabianos que fazem parte da oligarquia financeira dos banqueiros internacionais) foi uma das fórmulas para deter a ascensão dos EUA. Da mesma forma como enxugam gelo e perdem tempo e dinheiro na atual guerra inútil ao terrorismo induzido, os EUA entraram de gaiato na gelada da "guerra fria". Tanto a URSS era uma farsa que ruiu como um castelo de cartas, e o muro de Berlim foi desabado, em 1989, no exato instante que interessou aos reais controladores da economia mundial que precisavam criar uma europa unificada para liderar o processo de globalização.

Antes do apoio à revolução russa de 1917, outra forma de conter o poder norte-americano foi a criação, em 1913, do Federal Reserve Board. O famoso Banco Central dos EUA (que é uma instituição privada) foi uma invenção dos maiores banqueiros privados ingleses, que são seus acionistas originais, junto com bancos parceiros norte-americanos que comungam dos mesmos ideais de poder mundial e global. Não era à toa que o Barão M.A. Rothschild, banqueiro inglês, já pregava, no século 19: "Dêem-me o controle sobre a moeda de um país e não me interessará mais quem faz as suas leis". Os EUA não controlam sua própria moeda desde 1913. O cacete econômico que tomam agora é mera conseqüência disto.

Tudo isso só serve para mostrar que a atual crise da economia e das finanças norte-americana não é gratuita. É gerada de fora para dentro dos EUA, para minar aquele país por dentro. È preciso deixar claro que os bastidores do capitalismo assistem a uma guerra pouco percebida, na disputa pela hegemonia do poder mundial, entre a nobreza econômica européia (escorada na City de Londres) e o núcleo monolítico do poder dos Estados Unidos da América.

A grande imprensa mundial não trata dessa guerra assimétrica. O tradicional poder colonial inglês quer dar o troco nos norte-americanos pela independência de 1776. Sobretudo os ingleses, não se conformam em ter perdido suas 13 colônias que formaram uma nação a partir de princípios de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Estes idéias foram defendidos e praticados por Lojas Maçônicas. A Maçonaria criou um país de verdade, com um núcleo monolítico de poder que é essencialmente patriótico.

Quem estudar um pouco verá as duras críticas dos primeiros presidentes dos EUA (todos maçons) aos banqueiros internacionais que mandavam no mundo naquela época. Citemos apenas dois fundadores dos EUA. James Madison, ex-presidente e principal formulador da Constituição dos EUA, comentou: "A História registra como os cambistas (banqueiros) têm usado de toda e qualquer forma de abuso, intriga, embuste e violência possíveis para manter o controle sobre os governos ao supervisionar o dinheiro e a sua cunhagem".

Thomas Jefferson, também ex-presidente e fundador dos EUA, também detonou: "Acredito sinceramente que as instituições bancárias são mais perigosas para a nossa liberdade que exércitos permanentes. Edificaram já uma aristocracia monetária que se posicionou em desafio ao governo. O poder de emissão deve ser retirado aos bancos e devolvido à população a quem verdadeiramente pertence". Jefferson deve ter rolado no túmulo quando os EUA permitiram a criação de seu banco central privado, controlado pelos grandes capitais europeus, em 1913.

Para azar dos EUA, o republicano George Bush e muitos democratas jogam contra o próprio time norte-americano. Osama Bin Laden é factóide. Os ataques terroristas contra as Torres gêmeas do World Trade Center e o Pentágono, junto com os recentes problemas no sistema de crédito, são balas atiradas pelo mesmo adversário que deseja neutralizar o poderio norte-americano. Os EUA, aparentemente, caíram direitinho nesta armadilha dos seus adversários reais.

E nós, brasileiros desinformados, somos levados ideologicamente a acreditar que os EUA são os exploradores econômicos do Brasil. Não são. A História precisa ser mais bem contada. Quem sempre explorou o Brasil foi o grande capital transnacional, comandado a partir da vontade imperial dos banqueiros ingleses. Os mesmos que, agora, tomam de assalto os EUA.

Escolher o inimigo errado é o caminho mais rápido para perder uma guerra de goleada. Nós, brasileiros colonizados, estamos perdendo a nossa batalha há muito tempo, por este e por um outro motivo muito mais sério. Não temos a capacidade de formar um núcleo monolítico de poder para criar uma Nação de verdade. Nossa ignorante “elite” política não tem capacidade de compreender tal processo e ainda forma parcerias com os inimigos reais do Brasil para manter tudo do jeito que sempre esteve. Eis a nossa maldição histórica.

Sugiro uma releitura atenta do nosso artigo de domingo passado: Calamos o Crime Organizado, ou ele nos enterra. É um breve resumo para compreender como funciona o mundo. E porque o Brasil é um país rico que é mantido artificialmente na miséria pelos poderes globais que o controlam de verdade. Entender o problema é um primeiro passo para criar a solução para resolvê-lo.

A ação da Oligarquia Financeira Transnacional pode ser “neutralizada”. Pelo menos no Brasil, pode e deve. Só temos de inverter a lógica da colonização e da dependência. Afinal, o mundo "desenvolvido" é que depende do Brasil, que fornece matéria prima estratégica, tem potencial próprio de energia, água em abundância e um grande mercado consumidor ainda a ser desenvolvido.

Nossa desvantagem é que não temos vergonha na cara e nem vontade nacional de liderar o mundo. Mas, como nada é imutável na história, quem sabe, uma hora, mudanos de postura.

Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. http://alertatotal.blogspot.com/ e http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

10 comentários:

RÔ disse...

Prezado Jorge Serrão,
Sou leitora diária do seu blog e, realmente ando desprezando a imprensa oficial por sua incapacidade de interpretar e unir fatos que nos estão levando à derrocada, como por exemplo a excessiva valorização do real. Transcrevo um trecho do livro Hierarquia dos Conspiradores, do Dr. John Coleman, encontrável no site www.umanovaera.com.br, site este que citei no seu fenomenal e definitivo artigo anterior.

"Certamente que alguns estão cientes de que as pessoas que governam o nosso país não são as que verdadeiramente controlam os assuntos políticos e econômicos, domésticos e exteriores. Isto levou muitos a buscarem a verdade na imprensa alternativa, os autores de boletins informativos que, como eu, procuraram descobrir, mas nem sempre com êxito, por que os Estados Unidos estão com esta doença terminal. "Buscai e encontrareis" nem sempre foi o caso com este grupo. O que nós descobrimos foi que as pessoas vivem em densas trevas, e a maioria delas não se preocupa nem se interessa em descobrir para onde o seu país está indo, acreditando firmemente que ele sempre estará ali para ajudá-las. É assim que a maioria da população foi manipulada a reagir, e com essa atitude as pessoas se tornam marionetes nas mãos do governo secreto.

Freqüentemente ouvimos falar que "eles" estão fazendo isto, aquilo e aquilo outro. "Eles" fazem qualquer coisa e passam impunes. "Eles" aumentam os impostos, mandam nossos filhos para morrerem em guerras que não beneficiam nosso país. "Eles" parecem inatingíveis, invisíveis para nós, e é frustrantemente nebuloso quando se trata de tomar uma ação contra "eles". Parece que ninguém consegue identificar claramente quem são "eles". É uma situação que já dura há décadas. No decorrer deste livro, vamos identificar esses "eles" tão misteriosos, e, depois disso, fica por conta das pessoas resolverem a sua situação.

O Comitê dos 300 é uma sociedade altamente secreta, composta da classe governante intocável, que inclui a rainha da Inglaterra, a rainha da Holanda, a rainha da Dinamarca e as famílias reais da Europa. Esses aristocratas decidiram, quando a Rainha Vitória faleceu, que, de modo a adquirirem controle de mundo, seria necessário que os seus aristocratas "fizessem negócios" com os que não são aristocratas, mas que são líderes extremamente poderosos de empresas a nível global. E desta forma as portas para o poder total se abriram para "os comuns", como a rainha da Inglaterra gosta de chamá-los.

Desde a época que trabalhei no serviço secreto eu sei que chefes de Estado em outros países se referem a este órgão onipotente como "Os Magos". Stalin criou a sua própria frase para descrevê-los: "As Forças Tenebrosas", e o presidente Eisenhower, que jamais conseguiu passar do nível "hofjuden" (Judeu da Corte), se referiu a isso numa declaração que de maneira alguma define exatamente o que são. Ele disse que se tratava do "complexo industrial militar".

Quem são os conspiradores que servem ao poderoso e onipotente, Comitê dos 300? Os nossos cidadãos mais bem informados estão cientes de que existe uma conspiração e que a conspiração trabalha sob diversos nomes como por exemplo Iluminati, Maçons, Mesa Redonda, Grupo Milner. O problema é que é bem difícil obter informação verdadeiramente concre-ta sobre as atividades dos membros do governo invisível.

Para ter uma idéia da amplitude e do nível universal desta conspiração, seria adequado a esta altura definir as metas decididas pelo Comitê dos 300 para a conquista e controle iminente deste mundo. É preciso ter uma compreensão bem clara de por que a energia nuclear é tão odiada no mundo todo, e por que é que o movimento pseudo-ecológico, fundado e financiado pelo Clube de Roma, foi convocado para travar guerra contra a energia nuclear. Com a energia nuclear que gera a eletricidade de uma forma barata e abundante, os países do Terceiro Mundo aos poucos ficariam independentes do auxílio exterior dos Estados Unidos e começariam a firmar a sua soberania. A energia nuclear é o segredo para tirar os países do Terceiro Mundo da sua condição retrógada, uma condição que o Comitê dos 300 ordenou que permanecesse.

Menos auxilio estrangeiro significa menos controle dos recursos naturais de um país por parte do FMI, e a idéia das nações em desenvolvimento assumirem o controle do seu destino foi anátema para o Clube de Roma e o Comitê dos 300, que o dirige. Nós já virmos oposição ao uso da energia nuclear nos Estados Unidos ser usada com êxito para bloquear desenvolvimento industrial em conformidade com os planos de "Desenvolvimento Zero Pós-industrial" do Clube de Roma.

Depender da ajuda dos Estados Unidos na verdade mantém os países estrangeiros subjugados ao Conselho das Relações Exteriores. o povo que deveria receber auxílio nesses países, recebe uma mínima parte do dinheiro, visto que normalmente acaba indo parar no bolso dos líderes do governo que permitem que a matéria-prima do país seja consumida desenfreadamente pelo FMI.

Mugabe do Zimbabwe, ex-Rodésia, é um bom exemplo de como a matéria-prima, neste caso minério de cromo de alto nível é controlada através do auxílio estrangeiro. LONRHO, o conglomerado gigantesco dirigido por Angus Ogilvie, um importante membro do Comitê dos 300, que trabalha para a sua prima Rainha Elisabeth II, tem agora controle total deste recurso tão valioso, enquanto que o povo do país afunda cada vez mais na pobreza e miséria, apesar de uma esmola de mais de 300 milhões de dólares por parte dos Estados Unidos."

bastilha disse...

NÃO MEXAM COM OS FELINOS


Como se não bastasse a gorda aposentadoria concedida pela Comissão de Anistia, do Ministério da Justiça, ao desertor, traidor, terrorista, assaltante de banco, bandido, assassino, e outras coisas mais - Lamarca, o governo continua na afronta e no revanchismo contra as Forças Armadas.

E para reforçar ainda mais essa instigação, promoveu o lançamento público de um livro em que o seu autor, coerente com a ideologia praticada pelo desgoverno do apedeuta do ABC e seus comparsas derrotados de 1964, faz acusações contra aquelas instituições militares de haverem cometido procedimentos contrários aos direitos humanos, com a única finalidade de comprometê-las junto à opinião pública.

A lei da anistia aprovada durante os governos militares, não foi suficiente para atender a esses recalcados que insistem em atacar e acusar as Forças Armadas.

Está na hora de parar!

O leão verde mantém-se atento e patrulha o seu território, para o caso de atrevimento dos inimigos – externos e internos;

O tigre branco navega na vegetação que lhe proporciona boa camuflagem, e está pronto para um contra-ataque;

O leopardo azul, nas alturas das copas das árvores, observa e descortina desde ao longe, no horizonte, a incursão de prováveis invasores.

Portanto, não será, nem mesmo, preciso que se use vara curta para provocar esses felinos. Eles estão nos seus respectivos “hábitat”, no desempenho de suas missões constitucionais. Sempre cumprindo o dever que juraram.

Não mexam com eles! Não mexam com eles!!!

GRUPO GUARARAPES
ESTAMOS VIVOS!!!

Eraldo Angelo disse...

Caro Jorge. Estou me sentindo mais confortável lendo o seu blob. Isto porque, diariamente, leio vários articulistas, com o rpopósito de formar minha própria opinião, equidistante de extremos. Bom, voce tem abordado temas para lá de polêmicos. Perigosos até. Não posso deixar de admirar sua coraqem, audácia e lucidez, além de seu liguajar rico e ao mesmo tempo simples. Mas o que me faz me sentir confortável é que, aquí, voce e seus leitores usam de franquesa e destemor, que a mim animam. Me levam a pensar que nem tudo está perdido. Ainda há pessoas com discernimento e honestidade "nestepaiz". Parabens à internauta Rô pelo seu oportuno comentário que, com certeza, veio enriquecer ainda mais o artigo.

Anônimo disse...

Simplesmente sensacional sua análise, sua coragem e sua luta pelo Brasil. Parabéns!

Anônimo disse...

Serrão e amigos do blog, até qndo vamos ficar aqui discutindo entre nós esses acontecimentos. Vamos organizar algo antes que sequestrem e sumam com o Jorge. Mas...organizar o que? Discuto isso em casa ou com amigos e eles dão risada da minha cara. Conspiração? Ninguém acredita nisso gente, tá tudo dominado. NÃO TENHO MAIS ESPERANÇAS, me desculpem. Estou com olhos vendados e as mãos amarradas e me rendo à falta de opção. Enquanto isso, anestesiados pela fé, estamos aguardando a volta de Jesus, pois acho que só Ele pra colocar ordem na casa. Mas...Jesus existiu?? Não é sobre Ele que até hoje não encontraram nenhuma prova de sua existência? Conspiração??

Euroliberal disse...

Oi bicho, isto aqui o que é ? Um blogue humorístico ? Tá tudo doido por aqui ? Se curem, caras !

Vou-vos receitar um remédio radical para a vossa doideiea:

http://www.portugalcontemporaneo.blogspot.com/

Podem tomar todos os dias. Melhoras

Anônimo disse...

Meu caro e dileto Serrão, lamento dizer: Voce esta insano!!
Graças aos EUA o mundo ocidental é livre.
Lembro a voce que se não fosse o estupendo e incalculavel auxilio tanto finaceiro, material e em vidas a Inglaterra e a Europa teria caído na 1ª Guerra Mundial.Quando o Kaiser e seu bloqueio submarino quase acaba com a existencia da Albion pr vc considerada a"suprema onipotencia"
e depois do Armisticio de 1918, a Europa arrasada a Inglaterra falida quem ajudou estas "velhas senhoras" a se levatarem da queda??? quem??? os EUA!!!
Agora vamos para 1939, Hitler detona a 2ª Guerra Mundial, londres queima em chamas! a europa totalmente sob o tacão nazista, metade da Russia dominada quem reverteu a situação?? quem??? Os EUA!!
e depois o plano marshall para recupera a miseria em que ficou a Europa, vc sabia que a Inglaterra sofreu racionamento de alimentos até 1953???é por conta da miseria da guerra!! portanto Serrão vc deve ter muito odio dos americanos para escrever tamanha asnice, me perdoe a franqueza, mas não tem nenhum fundamento sua teoria e o cumulo: Afirmar que os Ingleses incetivaramee apoiaram o surgimento do COMUNISMO na Russia em 1917 para que fosse o inimigo dos americanos!?!: é o supra-sumo da sandice!! é a loukura em sua exacerbaçaõ maxima !te cuida amigo. siceramente. tecuida mesmo.

RÔ disse...

Se for o Portugal do Licínio Soares Bastos ou dos irmãos Armênio e Emídio Mendes, da Nacionalgás ligada ao Vavá ou da Portugal Telecom, acho que eles acham que estamos doidos mesmo.
Lembro que num comentário recente de um internauta a uma notícia desse blog, ele pedia que voltasse à tona esse assunto da conexão portuguesa.

anderson7 disse...

eu só sei dizer que o mundo que nòs estamos vivendo a muitos recursos muitas riquezas, pena que de algum modo não sei dizer qual, mas com certeza estamos sendo manipuladissimos, estamos vivendo semi-concientes,só uma pessoa muito burra para não perceber isso, queria fazer algo em beneficio da humanidade, mas não consigo fazer nem por mim, resumindo (somos marionetes)somos apenas parte de um mecanismo para sustentar a elite, as religio~es o governo etc...

anderson7 disse...

oi