domingo, 30 de setembro de 2007

Quem mata o Brasil?

Segunda Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Por Jorge Serrão

Nossa novela nunca termina. Já suportamos 507 anos de exploração colonial. Nos últimos 200 anos, o desenvolvimento do Brasil vem sendo assassinado pela Oligarquia Financeira Transnacional. Os banqueiros internacionais drenam os nossos recursos naturais e financeiros. Os donos do mundo nos mantêm artificialmente na miséria. E ainda contam com a colaboração da classe política e empresarial que são os agentes conscientes da ação que contém as potencialidades do Brasil e dos brasileiros.

O drama histórico brasileiro seria digno da melhor novela das oito. Mas a ignorância e o comodismo da maioria dos brasileiros prefere deixar os assuntos mais sérios para a ficção, e transforma a ficção em assunto “sério”. O País parou sexta-feira à noite diante da televisão para saber o motivo pelo qual Olavo matou a Taís. Enquanto isso, os problemas do Paraíso Tropical da vida real ficam esquecidos ou relegados a um segundo plano. Os controladores econômicos do mundo matam o Brasil e ninguém se sensibiliza diante do hipnótico televisor. Para nosso consolo, o imortal Ibrahim Sued proclamaria: “Sorry, Periferia!”.

Depois voltamos ao ilusório mundo da mídia. Agora, vamos dar uma rapidinha no submundo da política. Os bastidores acabam de produzir uma surpresa. Uma pesquisa de opinião feita em Porto Alegre apresenta o mais novo candidato em potencial à sucessão de Lula da Silva. A gauchada acaba de lançar a candidatura factóide do ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal. Não pelo papel dele como relator do caso do Mensalão. Mas pelo bate boca dele com o ministro Gilmar Mendes, esta semana, flagrado pelas câmeras da TV Justiça, durante uma sessão do STF.

Barbosa repreendeu Mendes por tentar mudar o resultado de um julgamento (já concluído no dia anterior). A manobra de Mendes beneficiaria servidores de Minas Gerais contratados ou promovidos de forma irregular. Barbosa chutou o balde: "Isso é jeitinho. Temos que acabar com isso". Mendes retrucou vociferando que o colega não tinha condições de lhe dar "lição de moral". Barbosa finalizou, indagando: “E Vossa excelência tem?”. A briguinha intestinal do STF aumentou a fama do Barbosa. O Alerta já avisou: estão fabricando um candidato presidencial... Cuidado...

Outra briga que promete sair dos bastidores é a da Globo com a Record. Os diretores da Vênus Platinada não sabem o que fazer. Há duas semanas, em São Paulo, no horário de 7 às 9h da manhã, a Globo perde para a Record na medição do Ibope. Ou melhor, a Record tem ganhado da Globo pelo placar de 8 pontos a 4. Cada ponto na audiência equivale a 54 mil domicílios, ou 176 mil pessoas, na Grande São Paulo. O Fala Brasil, da Record, tem superado o Bom Dia Brasil e o Mais Você, da Globo. O Louro José quer pegar o Grisalho Goiano. Te cuida, Marcos Hummel!

Mas quem deveria se cuidar mesmo é o Bispo Edir Macedo Bezerra. O líder da Igreja Universal do Reino de Deus deveria se preparar para mais uma guerra nada santa contra os profanos globais. A direção da Globo promete dar o troco no “proprietário” da Rede Record pelas provocações desta semana. Na inauguração do novo canal de notícias 24 horas Record News, o Bispo Macedo avisou que bateria no fígado até derrubar a Globo. Vai faltar Xantinon B-12 para debelar a briga que promete muitas intrigas nos bastidores da República Sindicalista do PT.

A direção da Globo ameaça fazer uma reclamação formal contra a Record no Ministério das Comunicações. Terá coragem para isto? Só Deus sabe. E quem trabalha com Ele é o Macedo. Mas antes que a briga chegue oficialmente lá em cima, diretores da Globo já armam o barraco nos bastidores aqui de baixo. O vice-presidente de Relações Institucionais das Organizações Globo, Evandro Guimarães, percorreu os corredores de Brasília para reclamar que a Record News, em canal aberto, feria a legislação. O dirigente global alega que a Record não pode, por lei, operar dois canais na mesma cidade – no caso, São Paulo. Leia também o artigo: Como se fazer tudo de firma ilegal, de Márcio Accioly.

A regra é clara. Ainda em vigor, o decreto 52.795, de 1963, estabelece que uma mesma empresa não pode controlar duas geradoras de TV numa única praça. Em tese, ninguém obedece a lei. A Globo já faz isso com suas emissoras de rádio e nunca foi punida por isso. A Bandeirantes a mesma coisa, inclusive com a PlayTV, o canal que hoje é controlado pela Gamecorp do primeiro-filho Lulinha. A Record já fazia a mesma coisa com a Rede Mulher, que também é “propriedade” do Bispo Macedo e agora virou Record News.

No Brasil, a lei de telecomunicações parece a casa da Bebel. Uma zona total. Ninguém obedece. A começar pela classe política. Grande parte dos políticos é proprietária das “capitanias hereditárias” da mídia no Brasil. A edição brasileira da revista Rolling Stones (abril de 2007, em reportagem de André Deak e Daniel Merli) revela que 27 senadores e 53 deputados federais são donos de concessões públicas de rádio e TV. O levantamento não leva em conta aqueles que usam “laranjas” para não aparecer no negócio. Não é verdade, excelentíssimo Renan Calheiros?

Tudo acontece ao arrepio da Lei Maior. O artigo 54 da Constituição Federal determina que parlamentares não podem firmar ou manter contrato ou aceitar ou exercer cargo, função ou emprego remunerado em empresa concessionária de serviço público. Os políticos ignoram a Constituição. Viva ao ex-presidente José Sarney. Entre os anos 1985 e 1990, o hoje senador promoveu a farra da distribuição de concessões de canais da rádio e tv como moeda de troca pelos seus cinco anos de mandato. Tais emissoras perdem o foco de servir ao público, para seus donos se servirem politicamente do público. Coisas de Terceiro (I)Mundo.

Outra guerra que promete agitar o mundo da mídia é o risco da abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a venda da TVA, do Grupo Abril, para a transnacional espanhola Telefônica. A tal CPI, desejada pelo inocente Renan Calheiros e já apoiada pelo também inocente PT, quer investigar se a transação entre a Abril e a Telefônica fere ou não a lei que estabelece em 49% o limite de capital estrangeiro numa empresa de TV a cabo.

Um Relatório do conselheiro-diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Plínio Aguiar Júnior, informou que o Grupo Abril e a Telefônica infringiram a lei brasileira assinando um Acordo de Acionistas pelo qual as deliberações do Conselho de Administração e da Assembléia Geral dependerão de uma “reunião prévia” na qual participam e votam todos os acionistas, inclusive os que possuem as ações que não dão direito a voto. Ou seja, na prática, a Telefônica assumiu o controle da TVA ilegalmente.

A baixaria no mercado de mídia brasileiro é total. No dia 4 de setembro, Renan Calheiros chutou o balde contra a Editora abril. E não foi desmentido à altura, como seria esperado. Além do caso da venda da TVA para a Telefônica, o inocente Renan revelou um suposto negócio escuso na venda das ações da Abril para a empresa sul-africana Nasper.

Denunciou Renan: "A Naspers tem aqui dentro, apenas no papel, uma empresa chamada MIH Brasil Participações, que funciona na Holanda. O CNPJ da MIH Brasil, vou ler devagar para aqueles que se interessam por “tudo que prejudica o Brasil e os Brasileiros”; o CNPJ da MIH é 72.091.963/0001-77. Só que a MIH é uma empresa fantasma, isso mesmo, fantasma. O endereço declarado é fictício e este CNPJ pertence à Curundéia Participações Limitada. A Curundéia também não tem sede, não tem funcionários e os endereços e telefones apresentados pela Curundéia são de outras pessoas ou estão em endereços inexistentes. A Curundéia é virtual, não existe, só existe no papel”.

Insistiu o inocente Calheiros: “Foi este laranjal de empresas inexistentes, com CNPJ duplicados, com endereços fictícios, sem sede, sem funcionários, que adquiriu 30% da Editora Abril. Um negócio que movimentou em torno de 900 milhões de reais. A MIH Brasil Participações não existe, o que existe, e só no papel é a Curundéia e esta desembolsou R$ 380 milhões de reais para comprar 30% da Editora Abril. O capital social da Curundéia é de apenas 878 mil reais. Isso significa que para concretizar o malcheiroso negócio, a Curundéia gastou 430 vezes mais do que seu capital Social na compra sorrateira de 30% da patriótica editora Abril”.

Vida que segue, outro escândalo abafado atinge um dos lucrativos negócios das Organizações Globo – em que ela mantém sociedade com o magnata anglo-australiano da mídia Rupert Murdoch. A Comissão de Defesa do Consumidor da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro ameaça um pedido de investigação contra o grupo Globo por não resolver problemas em sua operadora de tv a cabo. A pressão política sobre a Globo foi tão grande que até seus jornais impressos resolveram abrir espaços (antes censurados) para atacar os problemas do grupo.

Em maio, a NET Rio atingiu a desonrosa primeira posição no ranking das empresas mais reclamadas. As queixas foram geradas por três motivos: o combo (TV por assinatura, Net fone e banda larga), a mudança para o sistema digital e uma enxurrada de cobranças indevidas. Por causa das broncas, a NET ultrapassou até a Vivo, que ocupava o topo da lista desde 2004. A Sky (que pertence diretamente ao Murdoch) também estreou na lista das dez empresas mais reclamadas em 2007. O número de reclamações contra a TVA também cresceu 206% este ano.

Voltando ao mundo real da ficção, já que a realidade enche o saco de qualquer cristão, não é que os autores da falecida novela “Paraíso Tropical”, Gilberto Braga e Ricardo Linhares, não embarcaram naquilo que o Alerta Total ironicamente sugeriu na edição de artigos de 16 de setembro. Releia: Bebel dá para o Senado. Que catiguria! Bebel terminou a novela como prostituta exclusiva de um senador lá de Brasília metido em um escândalo. Na cena final da personagem, Bebel aparece depondo em uma CPI. Feliz da vida com os holofotes, ela comemora que fechou um contrato para posar nua para uma revista masculina.

Quanta ficção dos autores da novelinha global! Afinal, nada disso acontece no Brasil que é morto todos os dias pelos banqueiros – mas onde ninguém pára, diante da televisão, para comemorar o triste fim ou a simples punição dos assassinos. Que a terra lhe seja leve, Taís! E pena que o Olavo morreu também. Ele seria o cara perfeito para sucessão de 2010. Sorte do Lula que não tem concorrente na vida real. A não ser que Celso Daniel renasça na novela para contar quem realmente o matou e por qual motivo. O cadáver politicamente insepulto fede! Vida que segue...

Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. http://alertatotal.blogspot.com/ e http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

Como se fazer tudo de firma ilegal

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Márcio Accioly

Foi o filósofo grego, Epicuro (341a.C. - 270a.C.), quem afirmou em certo instante de gloriosa lucidez: “Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe”. Com base nisso, o bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), foi à luta.

E partiu para a briga com declarada intenção de pôr fim a longos anos de domínio da Rede Globo. A arenga vem de longa data e se acirrou com a exibição de reportagens na televisão dos Marinhos, mostrando Macedo ensinando a extorquir dinheiro dos fiéis e contando o vil metal com avidez em alguns cultos.

Dizem que foi em 1995 quando a Globo exibiu a minissérie “Decadência”, na qual o ator Edson Celulari interpretou pastor vigarista (cujo objetivo seria o de ficar rico por conta da ingenuidade dos crentes), que Edir Macedo tomou a decisão de derrubar o império global. E tudo indica que obterá sucesso. A Globo está nas cordas.

Existem alguns obstáculos que terão de ser superados, pois a consolidação de estratagemas não acontece sem dedicado esforço. O maior deles já colocou a ponta de fora, causando dor de cabeça em razoável intensidade.

O problema é que ao inaugurar a Record News, canal de TV aberta com notícias nas 24 horas do dia, cometeu-se irregularidade. A lei não permite que uma emissora passe a operar dois canais numa mesma cidade.

O vice-presidente institucional da Rede Globo, Evandro Guimarães, está se mexendo nos bastidores querendo dar um basta nas transmissões da nova TV. Como vivemos no país da bandidagem, onde os que têm dinheiro e poder dificilmente são apenados, vamos assistir de camarote a pendenga muito interessante.

A Rede Globo sentiu no fígado o golpe aplicado pela Record. E o mais intrigante é saber que a emissora do doutor Roberto Marinho teve o seu parto num ato também de profunda ilegalidade. Que rendeu até mesmo CPI, instalada em 30 de março de 1966.

Mas como se vivia sob um regime militar (1964-85), e a Globo era porta-voz e defensora daquilo que hoje classifica como “ditadura”, o então general Costa e Silva, que ocupava a Presidência do país (1967-69), resolveu a questão com uma só botinada.

O militar “legalizou” a TV Globo em 23 de setembro de 1968, indo contra à decisão da CPI que condenara a emissora. Foi a famosa CPI do grupo Time-Life que apurou negociata anticonstitucional à época em que Roberto Campos era embaixador do Brasil nos EUA (quando o contrato entre aquele grupo e a Globo foi assinado).

A partir daí, o regime militar desandou e o AI-5 seria baixado menos de três meses depois (13/12/68), com a emissora de Roberto Marinho apoiando com todo vigor. A onda agora está refluindo e o registro da história vai cobrando explicações.

Se a Globo teve o presidente-general Costa e Silva como seu maior padrinho, o bispo Edir Macedo teve também um padrinho presidente, Dom Luiz Inácio (PT-SP), que certamente não tinha qualquer conhecimento do que estava acontecendo.

Um decreto de 1963, da gestão João Goulart (1961-64), determina não poder haver controle de duas geradoras de TV por uma mesma empresa numa única praça. E, para resolver a questão, a Record teria de transmitir em canal pago, fechado.

A IURD não é apenas uma potência financeira com emissoras de rádio e de TV. Tem também um partido político, o PRB, controlado pelo bispo Marcelo Crivella, senador pelo Rio de Janeiro e sobrinho de Edir Macedo. Desse partido faz parte o vice-presidente da República, José Alencar.

Parece que teremos novas e emocionantes disputas nos próximos capítulos.

Márcio Accioly é Jornalista.

Participe deste debate ao vivo

Participe ao vivo do debate ao vivo, neste domingo, a partir das 21h 30min, inclusive via internet, na Tv Eduucativa do Paraná.

Acesse www.pr.gov.br/rtve e intervenha, democraticamente, no programa Brasil Nação, apresentado por Beto Almeida.

O tema de hoje será a a "Nova História Crítica" - coleção de livros didáticos do professor Mário Schimidt, da Editora Nova Geração.

Os debatedores serão os professores Maurício Duarte e João Batista de Andrade

O público também pode participar ao vivo pelo número 0800- 411113, que recebe comentários e perguntas dos telespectadores de todo o País...

Também pelo "e-mail" brasilnacao@rtve.pr.gov.br

sábado, 29 de setembro de 2007

Alerta Total: O começo de mais um ano

Hoje entramos no terceiro ano do Alerta Total. Nosso parabéns aos milhares de leitores que apóiam o jornalismo estratégico que praticamos em defesa do interesse nacional brasileiro. Jornalismo é a busca incessante da verdade. Vamos em frente, e vida que segue.

O Brasil caminha para a desordem geral

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Márcio Accioly

Existe insuportável clima de cansaço na vida política brasileira, sensação de um já ter-se vivido toda bandalheira e patifaria ao alcance (apesar de ser percebida eterna repetição dos fatos com muita insistência), coisa classificada de paramnésia ou déjà-vu.

O que se verifica, também, é crescente clima de radicalização, atmosfera moral que nossas chamadas autoridades se recusam a admitir ou enxergar com clareza. Muito embora a maioria se preocupe com xingamentos e encontros desagradáveis em aeroportos e áreas públicas.

Diz-se que “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. Na sexta-feira, pela terceira vez, cerca de 300 pessoas fizeram passeata no Rio de Janeiro, desde o bairro da Gávea ao Jardim Botânico, quando cantaram o Hino Nacional e pediram a saída de Renan Calheiros da Presidência do Senado.

Como é que se pode exigir respeito e cumprimento às leis, por parte de cidadãs e cidadãos, quando o mais descarado cinismo domina o quadro político-administrativo? As situações são sempre semelhantes, na confirmação de desastrosas previsões.

O Congresso Nacional trabalhava de terça-feira a quinta-feira. Agora, nem isso. Os parlamentares da nova safra que chegaram com garra e determinação, já se mostram frustrados, decepcionados.

Dois deles comentavam na última quinta-feira (27), que agora só é preciso estar presente na quarta-feira, porque “todo mundo chega na terça e vai embora na quinta”. Ninguém faz nada, numa pauta dominada por Medidas Provisórias nascidas no Palácio do Planalto.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, que assumiu o cargo envergando todas as fardas (de bombeiro, no aeroporto de Guarulhos, a general, nas horas vagas), é apontado pelo canto dos olhos pela maioria da tropa que agora o intitula de mero fanfarrão.

Foi perda de crédito das mais velozes, no exercício da função. Jobim, fraudador confesso da desmoralizada Constituição, já está deixando o dito pelo não dito, no caso da crise da aviação, queimando-se junto ao Exército Brasileiro na exoneração do general Maynard Santa Rosa e na do general Rômulo Bini Pereira.

Na quinta-feira (27), pesquisa divulgada pela Associação dos Magistrados do Brasil (AMB), deveria servir de alerta a respeito do ambiente de desconfiança que está colocando o Brasil inteiro no canto da lona.

Ela atestou que 81,9% da população não confiam nos políticos e que a Câmara dos Deputados merece a confiança de apenas 12,5%. Já o Senado projetou índice de confiança de 14,6%. Mais de 80% da população não acreditam no Congresso Nacional.

Na mesma quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal – STF -, foi palco de bate-boca entre dois de seus ministros: Joaquim Barbosa e Gilmar Mendes. Este último, nomeado para o cargo pelo então presidente lesa-pátria, FHC (1995-2003), já teve sério desentendimento com o procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza.

Seres mortais comuns não estão distantes apenas do entendimento da linguagem utilizada pelos ministros do STF nas suas decisões. Ficam sem entender, também, a razão de determinadas figuras serem soltas e depois presas novamente, tão somente para ganharem outra vez a liberdade e a impunidade.

Foi o ministro do STF, Marco Aurélio de Mello, quem soltou Cacciola que agora foi preso em Mônaco e para onde o ministro da Justiça, Tarso Genro, efetuou viagem de sonhos para apressar o retorno ao Brasil. O que preocupa é isso: o sentimento de saturabilidade na crise que se atravessa estimula a ebulição de desfecho imprevisível.

Márcio Accioly é Jornalista.

Ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer?

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Arlindo Montenegro

“LA LOI C’EST MOI” ou “L’ETAT C’EST MOI”. “A Lei sou eu” ou “O estado sou eu” é frase atribuída a Luis XIV, um Luis que viveu há 500 anos, construiu o palácio de Versalhes e reinou na França por 54 anos. Um Luis monarca absoluto... que estava acima da Lei.

Dizem que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa se não for obrigado por Lei. Como as Leis são feitas para que os juizes interpretem, são quase sempre utilizadas como facas de dois gumes, cortam do lado que a consciência do juiz escolher naquele momento específico.

Nunca, jamais, ninguém acreditaria que um juiz, do alto da sua honorabilidade, interpretasse a Lei para o lado da balança onde as moedas pagas estivessem pesando mais. Seria de esperar, sempre, a retidão, o equilíbrio, a consciência da Justiça administrada para o bem comum, para salvaguardar direitos escritos ou costumeiros.

De um Juiz supremo ninguém escapa: a própria consciência, que parece ser a voz de Deus soando no interior e apontando caminhos e escolhas apropriadas. Existem aqueles em que a consciência parece ser a voz do capeta, é inegável. São estes que, além de tripudiar sobre os fracos, corrompem as nações e buscam fazer e aplicar Leis em benefício pessoal, benefício do grupo que integram, leis para os amigos, leis para ignorar, leis que contradizem uma outra lei. Há os que utilizam freqüentemente a lei traduzida para o mais forte mandando para a cucuia qualquer interesse público, qualquer tradição. É a Lei utilizada como instrumento para o exercício da violência, para submeter indivíduos ou grupos contra a vontade racional.

Não existe lei contra a consciência de abandonar uma religião por outra. Nem contra trocar e cônjuge. Também não existe lei contra a escolha de amigos, time de futebol ou partido político. Não existe Lei que proíba a expressão do pensamento. Matar sim, é proibido por Lei em todos os quadrantes. Nem existe Lei que proíba o governante de criar situações em que o crime organizado promova a matança de mais de 50.000 inocentes por ano.

É estranho que alguém seja acusado de traidor, quando percebe, ganha consciência de que a defesa de certas idéias não passam de um equívoco, de um erro, de traição ao seu povo. Quando percebe que uma ideologia com discurso de bondade, esconde o intento de aplicar a violência mais sangrenta e devastadora para alcançar o poder e mantê-lo de modo hegemônico, ditatorial absoluto, submetendo a população sem escolha à vontade de uns poucos ou de um único ditador. Abandonar um comportamento deste modelo fanático é traição.

Ao contrário, desprezar leis, tradições morais, religião, ética conservadora, e adotar a ligeireza, a pressa, as idéias ultrapassadas, tornar-se refém do proselitismo sobre a bondade religiosa dos incultos, aceitar a imoralidade do estelionato praticado contra a consciência, integrar a defesa de pessoas e grupos que utilizam emboscadas verbais e que se dedicam à destruição da vida dos contrários e inocentes, alinhar-se ao exército internacional na luta fratricida que fere e destrói famílias e sonhos. Fanatismo, não é traição ao estado anterior de consciência e cultura. Não é traição ao acordo social anterior.

Em suma, nos dias correntes no Brasil é crime ser contra o partido do governo. É criminalizado quem fale contra as intenções estratégicas deste grupo que engana tantos em tão pouco tempo. Que ilude católicos, que alicia humanistas inconformados com o curso natural da vida atribuindo culpas à estrutura da sociedade, como se fosse esta independente da natureza, mobiliza pseudo intelectuais para estuprar o raciocínio lógico embelezando fórmulas marxistas e finalmente compram consciência a peso de ouro. Nos dias correntes, no Brasil é crime nas casas do congresso barrar as leis originárias de decretos, que facilitam os governistas a perpetuar-se no poder e mudar a estrutura do estado democrático. É crime punir ladrões governistas.

É crime histórico admitir que durante os vinte anos de governos militares, foi implantada silenciosamente a mais poderosa máquina de investimentos e relacionamentos, de educação e obras de infra estrutura que mudou a face do país, propiciando a inserção e respeito como nação soberana alinhada aos intentos de construção democrática, conservadora, aplicada ao estudo e à pesquisa, trabalhando sob a proteção das Forças Armadas a serviço da nacionalidade, isto é, Forças Armadas garantindo a tranqüilidade para o trabalho das pessoas, das famílias, dos estudantes – sonhos, esperanças e realizações humanas. Garantindo a expressão das crenças religiosas. Garantindo a materialização da promessa simbólica: “Ordem e Progresso”. A versão corrente é: os milicos deram um golpe e os comunistas reagiram para restaurar a democracia. Discurso pra enganar trouxa ou estudante preguiçoso. A cronologia dos fatos é outra:

Lembrando bem, as Forças Armadas tomaram o poder para evitar a expansão de movimentos da esquerda armada que já atuava desde 1962. A guerrilha nordestina de Francisco Julião, integrada por camponeses, embrião do MST, recebeu treinamento e armas de Cuba. Como Francisco Julião não administrou bem os recursos cubanos, a mulher e os filhos menores ficaram abrigados (reféns) em Cuba, desde antes de 1964, até a ascenção de Slvador Allende no Chile, onde ficou até a decretação da Anistia.

Agitavam-se pelo país os Grupos dos Onze (Movimento – que se dizia – armado, liderado por Leonel Brizola).

A imprensa noticiava que os sindicatos operários (metalúrgicos, têxteis...) tinham seus grupos armados.

A atuação de cubanos e chineses era intensa, promovendo encontros, mostras de filmes, palestras para estudantes, operários, bancários, marinheiros e soldados.

Luiz Carlos Prestes, embora o Partido Comunista estivesse na ilegalidade fazia palestras...

A realidade era de guerra civil iminente. Pressionado, o Presidente Goulart e todo o séqüito de colaboradores populistas e comunistas, abandonou o governo e fugiu para o Uruguai. O Congresso Nacional declarou a vacância da Presidência. Só então os militares assumiram o poder e foram apoiados por grandes manifestações populares em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte...

Os que hoje ocupam os postos de poder eram jovens. Os lideres mais influentes estavam exilados desde o primeiro momento. À medida que os ativistas de esquerda e arraia miúda presa nos primeiros dias do novo governo militar, respondiam processos e eram liberados da cadeia, eram direcionados para dar continuidade à “luta” ou guerra contra as instituições democráticas e conservadoras. Aliciaram, reuniram grupos, treinaram pessoas em Cuba, na China, na Argélia para dar continuidade à guerrilha. Precisaram de poucos anos para reiniciar as ações armadas contra os empresários, contra as instituições que pouco antes tinham sido preservadas com uma revolução sem sangue.

Perderam as primeiras batalhas. Embarcaram no movimento por eleições diretas liderado por Ulisses Guimarães, Tancredo Neves, políticos que continuavam atuantes, um Deputado, outro governador de estado. Os atuais senhores governantes, embarcaram travestidos de democratas. Utilizaram-se de um líder sindical, registraram um novo partido. Chegaram ao poder. Mentiram, prometeram mundos e fundos. Fizeram proselitismo continuado e continuam usando máscara de democratas.

Traição à pátria, traição à nação, traição cultural, roubo continuado, instituições inoperantes, economia e finanças, de uns poucos – banqueiros, empresários, corporações internacionais, políticos – prestigiada. E o resto que se dane! A Lei? Ora, a lei...

Arlindo Alexandre Montenegro é Apicultor.

São Francisco: a infausta transposição

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Ney Bassuino Dutra

Num desses dias o presidente Lula declarou pela imprensa que Dom Pedro II, depois outros governantes, tencionaram, em suas respectivas épocas, realizar a transposição do rio São Francisco, mas não fizeram. O presidente Lula diz que vai fazê-la, custe o que custar.
O presidente Lula está investido do poder constitucional e pode, querendo, levar avante essa transposição tão contestada, mesmo que no íntimo admita que, no futuro, venha revelar-se uma grande malfeitoria. Existe, com relação a essa transposição, uma forte oposição popular, nada indicando ser de caráter político ou ideológico. A prudência seria o recomendável.

A primeira coisa a considerar é que a transposição tem diferentes dimensões no tempo. Na época de Dom Pedro II tinha uma dimensão; hoje, já tem outra; daqui a 10, 20, 50 anos deverá ter, forçosamente, outra completamente diferente. Assim, o que hoje pode parecer bom, no porvir poderá afigurar-se nefasto. Em um ponto, entretanto, existe unanimidade: o rio São Francisco necessita, urgente, ser vitalizado, dragado, aprofundado em determinadas partes do leito para, durante as enchentes, armazenar maior quantidade de água.

Da nascente até a foz o rio São Francisco abastece as populações ribeirinhas. Consta serem 415 cidades, 800 vilarejos, num total de 15 milhões de habitantes. Importante: o Ibama garante que a água retirada nessa transposição não irá faltar às populações ribeirinhas dentro de 10, 20, 50 anos vindouros?

A licença para execução da transposição foi concedida pelo Ibama sob veemente protesto de multidões que a consideraram venal. Apontam ser o mesmo Ibama que por mais de 4 anos embarga a construção de duas importantes hidrelétricas no rio Madeira e uma outra no rio Xingu. Murmúrios existem de que alguns órgãos públicos brasileiros mantêm ligações espúrias e recebem ordens emanadas do exterior.

Aliás, não faz muito foi publicado na imprensa artigo assinado por alto dirigente de Associação Comercial denunciando ingerência de dois países do Hemisfério Norte na questão das licenças das usinas do rio Madeira. Essa indignidade está começando a exasperar o povo brasileiro.

O projeto aprovado pelo Ibama de transposição do rio São Francisco prevê a construção de dois canais: um, partindo da barragem de Itaparica, permitindo a água escorrer para Pernambuco e Paraíba; o outro em Cabrobó, com a finalidade de levar água para o Rio Grande do Norte e Ceará. Há quem afirme que os canais poderão apresentar infiltrações e absorver grande parte da água pelo caminho, antes de chegar aos destinos.

Nada obstante, não é preciso ser especialista no assunto para concluir que se trata de obra enganadora, sem condições de abastecer os 12 milhões de moradores dos estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, como consta do projeto aprovado. Até o Tribunal de Contas da União opinando declarou que a transposição não beneficiará o número de pessoas pretendido.

Uma estiagem imprevista atingindo a bacia do São Francisco poderá ocasionar transtornos para o Ibama e o governo. Nenhum país no mundo dispõe de tanta água potável quanto o Brasil. Os rios mais ao norte, Araguaia, Tocantins, Amazonas (rio mar), Xingu, Tapajós constituem fontes perenes de proporções adequadas para abastecer de água não apenas as poucas localidades pretendidas nessa infausta transposição, senão todo o interior sedento do Nordeste e do Centro-Oeste que se estende até o norte de Minas Gerais.

O governo Lula-PT poderia, pelo menos, ter iniciado a construção de uma grande obra hidráulica de infra-estrutura nonumental, redentora, captando água nos rios citados por meio de canalizações gigantes, interligadas, fazendo o transporte da água do Norte em direção ao Centro-Oeste, transformando em verdadeiros celeiros terras improdutivas.

E possibilitando a realização de reforma agrária digna, sem invasões criminosas. Só a construção de uma obra dessa importância, mesmo que não fizesse mais nada, o cidadão Lula seria saudado como o maior homem público de todos os tempos. Os entreguistas logo dirão que não temos dinheiro. Infelizes impatriotas! Exige menos recursos e é mais fácil do que erguer uma capital (Brasília).

Um dia um brasileiro, destemido, exercendo a presidência da República, concretizará essa tarefa de importância vital. Até lá, os irmãos nordestinos irão confirmar clamando por socorro!

Ney Bassuino Dutra é economista. Originalmente publicado na Tribuna da Imprensa de 22/09/2007

Privatizando a Amazônia

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Luis Gonzaga de Paulo

Na cara dura, o governo anunciou nesta semana seu mirabolante plano para salvar a Amazônia: privatizá-la. Isso mesmo! O que o governo do partido dos companheiros, tão avesso à privatização - aliás, como à todo o restante das práticas de outros partidos que acabou incorporando, aprimorando e ainda reclamando a autoria - acaba de anunciar, não pode ser chamado de outro nome senão de a privatização da Amazônia.

É mais do que preocupante. Há pouco, sob orientação desse mesmo governo, o Brasil se declarou favorável ao reconhecimento de nações indígenas praticamente autônomas, dentro das quais nem mesmo as Forças Armadas poderão agir... Ainda não é lei. Ainda. Considerando que quase 10% do território nacional já é composto de reservas, coincidentemente instaladas em pontos geográficos estratégicos ou sobre imensas jazidas, dá para imaginar o que pode acontecer em um futuro não muito distante: Já pensou?

A "República Bolivariana Raposa Serra do Sol", por exemplo, seria um magnífico exemplo de democracia e "socialismo". Afinal, se o "índio cocaleiro" pode conduzir a revolução bolivariana na Bolívia, qualquer outro índio também o poderá, não? Não vão faltar repúblicas...

Voltando à Amazônia, seria cômico se não fosse trágico. O plano mirabolante é permitir o "manejo sustentado" que pressupõe a extração de madeira, entre outras atividades. Lógico, tudo controlado pelo governo. Por esse mesmo governo, que não consegue controlar absolutamente nada na situação atual, da biopirataria ao tráfico de drogas e invasão por narcoguerrilheiros, passando por queimadas, grilagem, desmatamento, extração ilegal e contrabando de madeira, pedras preciosas e ouro.

Apesar disso tudo, o governo achou a solução: leiloar a guarda de lotes da Amazônia para a iniciativa privada... E eu que achava que eram lorotas as histórias de ONGs estrangeiras que arrecadavam fundos para "comprar" a Amazônia... Ótimo negócio, esse!!! Sou favorável à privatização. Incondicional. Deveria restar ao governo apenas as funções legislativas e judiciárias, policias, forças armadas e agências regulatórias. Nem educação, nem saúde, nem previdência...

Quanto menos governo, menos impostos, menos corrupção. Entretanto, nesse caso em específico, duas coisas chamam a atenção: a naturalidade com que os outrora anti-privatistas anunciaram a solução mágica, e a excessiva confiança no sucesso do processo todo, como se fosse a coisa mais simples e natural possível. Algo assim como o famoso ovo de Colombo, que só não foi implementado por governos anteriores por incompetência e falta de vontade política. É o governo Lula, tão original, privatizando a Amazônia!

Luis Gonzaga de Paulo, 41, é Especialista em Segurança da Informação pela UNIRIO, graduado em Eletrônica e Telecomunicações pela UTFPR e Gerente de Projetos de Tecnologia e Segurança da Informação. É sócio da ETI.BR (http://www.eti-br.com.br) onde atua como Consultor. Mantém o Blog do Gonzaga (http://www.gonzagatheblogger.blogspot.com), dedicado à exposição de seus pontos de vista sobre diversos assuntos, incluindo a política, e sua home page (http://www.gonzaga.eti.br) mais voltada a assuntos mais pragmáticos.

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Banco Central manipula dólar em baixa para facilitar o capital transnacional a assimilar empresas brasileiras

Edição de Sexta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Breve, a Rádio Alerta Total no seu computador.
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Se defendesse o interesse nacional, a imprensa amestrada brasileira não teria bons motivos para comemorar a entrada maciça de capital estrangeiro que fez a Bolsa de Valores de São Paulo bater ontem seu quarto recorde seguido no ano. Prestes a ter seu controle oficialmente aberto ao grande capital financeiro transnacional - o que deve ocorrer no ano que vem -, a Bovespa superou, pela primeira vez, os 61 mil pontos. Nem o fantasma da crise no mercado imobiliário dos EUA freia os especuladores internacionais que exploram o Brasil. E o chefão Lula ainda tem a cara de pau de entoar o samba: “Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós” – como fez, ontem à noite, na sede da Rede Record, em São Paulo.

Em tese, a pontuação de 61.052 indica o quanto as empresas com ações na Bolsa de São Paulo se “valorizaram”. Mas, na prática, as empresas brasileiras são artificialmente depreciadas, através da armação cambial do dólar em baixa, para serem assimiladas pelos grandes especuladores estrangeiros. O Banco Central do Brasil, há muito tempo, mantém o real valorizado de forma irreal frente ao dólar. Isso provoca a diminuição de lucros ou o aumento dos prejuízos das empresas exportadoras brasileiras, principalmente indústrias ou agroindústrias. Endividadas, ou sem perspectiva de ampliação dos negócios, elas aceitam se associar aos estrangeiros e acabam, na prática, assimiladas.

O capital estrangeiro se aproveita de tal fragilidade para vir aqui e, aos poucos, adquirir o controle acionário de tais empresas. Fará isto até com as bolsas. A abertura de capital da Bovespa e da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) está prevista para 2008. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) chancela este negócio que interessa à City de Londres, cujo prefeito esteve recentemente no Brasil. E aos banqueiros ingleses Rothschild – que sempre cuidaram da nossa eterna dívida externa (desde a primeira, em 1824) – que fizeram toda a reestruturação da BM&F.

Dólar artificialmente na lona

O otimismo do mercado financeiro fez o dólar recuar para R$ 1,843 - depois de ter batido na mínima de R$ 1,838.

Foi a menor cotação da moeda norte-americana frente ao Real, em sete anos.

Por causa da desaceleração da economia americana e da queda dos juros nos Estados Unidos, os investidores buscam alternativas mais lucrativas.

Por isso só aumenta o fluxo de capitais especulativos para países como o Brasil – com reflexos pirotécnicos em nossa Bolsa de Valores.

Queda de mentirinha

O Conselho Monetário Nacional manteve em 6,25% ao ano a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) que irá vigorar até o fim do ano.

Foi a menor cotação desde a criação da TJLP, em 1994.

Mas a taxa ainda é elevada o bastante para atrair os capitais especulativos.

Samba do presidente doido?

O poderoso Lula da Silva pensou que estava falando para uma platéia de integrantes de uma escola de samba, no lotado Teatro Record, na Barra Funda, durante a inauguração, ontem à noite, da Record News – o novo canal de notícias 24 horas da Rede Record.

Ao finalizar seu chato, sem empolgação e inteiramente mal lido discurso – escrito por algum burocrata do Planalto -, Lula resolveu improvisar, citando os versos do samba campeão do Carnaval de 1989 da Imperatriz Leopoldinense:

Liberdade, Liberdade. Abre as asas sobre nós”...

O samba de Niltinho Tristeza, Preto Jóia, Vicentinho e Jurandir ficou imortalizado ao relatar a história do fim da monarquia brasileira e a proclamação da república tendo como personagens históricos, D.Pedro II, princesa Isabel e marechal Deodoro.

Poder do Bispo

A grande estrela da rápida cerimônia oficial de inauguração da Record News foi o bispo Edir Macedo Bezerra.

O líder da Igreja Universal do Reino de Deus foi proclamado pelo apresentador Celso Freitas, pela primeira vez, oficialmente, como o “proprietário” da TV Record.

Aliás, a biografia oficial do Bispo Macedo (escrita pelo jornalista Douglas Tavolaro, diretor de Jornalismo da Rede Record) será lançada no próximo dia 20 de outubro, em São Paulo.

Sábado é dia de Vaia

Compareçam às manifestações deste sábado, dia 29, nos locais designados nas capitais de seus Estados.

Confira endereços pelo site www.movimentopelademocracia.org

Só indignação não basta, temos que reagir contra o sistema totalitário em curso no atual desgoverno.

Invasão estrangeira

O presidente do Incra, Rolf Hackbart, admitiu que o governo não tem controle sobre a parcela do território brasileiro nas mãos de estrangeiros

Até julho, 31.194 imóveis estavam em nome de pessoas físicas estrangeiras.

E outros 2.039 em nome de empresas como a Fundação Soros, Microsoft, Google, Precius Woods, Stora Enzo a até seitas religiosas.

A do reverendo Monn Sun Myung, que já era dona de extensas áreas em Mato Grosso do Sul, está comprando mais terras.

Regras de contenção

A invasão estrangeira ocorre em nome do boom da plantação de cana para produzir biocombustíveis.

A Advocacia Geral da União (AGU) vai definir as normas jurídicas que deverão dar aos órgãos públicos poder de controle sobre as terras brasileiras vendidas a estrangeiros.

O Brasil não tem mecanismos legais para controlar a voracidade de grupos internacionais que investem pesado na compra de terras na Bahia, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Pará e São Paulo.

Boi contido

O avanço da cana-de-açúcar sobre pastagens pode aumentar a produtividade da pecuária com o uso do confinamento.

Em São Paulo, maior produtor nacional de cana enquanto a área de pastagem diminuiu 400 mil hectares desde 2002, o rebanho aumentou em 300 mil animais.

No esquema de confinamento de gado, as técnicas também estão sob monopólio do capital transnacional – em breve controlando toda nossa cadeia de alimentação.

Marina pra boi dormir

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, avisou ontem que o Brasil não pretende manter o monopólio mundial no programa de biocombustível.

Marina comemorou que o País quer realizar parcerias para que outras nações desenvolvam seus programas:“Nós queremos ver os bicombustíveis sendo produzidos na África, na Ásia, no Caribe, na América do Sul como um todo, onde for possível”.

O discurso internacionalista demonstra o descaso dos petistas com a defesa de uma tecnologia brasileira que, em breve, estará nas mãos do grande capital transnacional, que apenas vai lucrar explorando nossas inteligência e recursos naturais, como sempre fez historicamente.

Olho gordo no petróleo

A Exxon Móbil (Esso), a BP e a Repsol são algumas das empresas interessadas em apresentar ofertas por licenças para a exploração de petróleo e gás natural nas bacias sedimentares brasileiras.

Junto com o Royal Dutch Shell e a Chevron, além da Petrobrás, pretendem apresentar ofertas nos próximos dias 27 e 28 de novembro por áreas estimadas em ter reservas de 3,6 bilhões de barril de petróleo.

É mais uma invasão estrangeira em nosso território – autorizada desde que o governo FHC quebrou o monopólio da “nossa” Petrobrás (empresa brasileira que já tem 25% de participação do capital estrangeiro).

Usinas de negociatas?

O governo anunciou a participação de mais três consórcios na disputa pela primeira usina do complexo hidrelétrico no rio Madeira, além da parceria entre Furnas e Odebrecht.

A Eletrosul se associará à Suez, a Camargo Corrêa, à Chesf.

Já a Eletronorte fará parceria com a Alusa.

Todos os esquemas são acompanhados de perto pela ministra Dilma Rousseff, e pelos olhos gordos do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – dois que disputam as nomeações para cargos nas estatais do setor elétrico.

Baixaria togada

Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa protagonizaram ontem um bate-boca público, com ofensas das duas partes.

Foi durante a sessão plenária, que foi transmitida ao vivo pela TV Justiça.

No momento mais tenso, Barbosa repreendeu Mendes por tentar mudar o resultado de um julgamento já concluído e, com isso, beneficiar servidores de Minas Gerais contratados ou promovidos de forma irregular:

"Isso é jeitinho. Temos que acabar com isso".

Mendes retrucou vociferando que o colega não tinha condições de lhe dar "lição de moral".

E Barbosa se manteve calado, sem resposta.

Os inconfiáveis

Uma pesquisa divulgada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) mostra que apenas 11% dos brasileiros confiam nos políticos e 16%, nos partidos políticos.

Ainda segundo a pesquisa, Polícia Federal e as Forças Armadas são as instituições mais confiáveis.

Os milicos têm aprovação de 75,5%, e os federais têm o respaldo de 74,7% dos entrevistados.

Agora, estes 11% que ainda acreditam nos políticos devem morar lá em Taubaté, com a famosa velhinha crédula, ou, também é possível, vivem em outro planeta.

Contra os privilégios

A pesquisa da AMB mostra que 85% acreditam que a corrupção pode ser combatida.

Nada menos que 94,3% acham que um político processado na Justiça deveria ser impedido de concorrer às eleições.

Outros 85% acreditam que a corrupção pode ser combatida.

Média confiança

O Poder Judiciário de um modo geral tem a confiança de 41,8% dos entrevistados.

Mas o Juizado de Pequenas Causas goza de uma confiança maior, de 71,8%

Já os juízes têm a confiança de 45,5% dos entrevistados.

E o Supremo Tribunal Federal, a instância máxima do Poder Judiciário, de 52,7%.

Confiabilidade

Na pergunta sobre qual tribunal é mais confiável, o Tribunal de Pequenas Causas também aparece em primeiro lugar, com 23,6% das respostas.

O STF teve 20,5% e a Justiça do Trabalho 19,2%.

Já a Justiça Eleitoral, com suas nada confiáveis urnas eletrônicas, ficou com apenas 10,6%.

A pesquisa

A pesquisa foi realizada pela Opinião Consultoria a pedido da AMB.

Ouviu 2.011 pessoas nas três primeiras semanas de agosto.

Foram entrevistas por telefone, em todos os estados brasileiros.

Culpa de quem?

Alegnado não estar criticando a PF, o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, responsabilizou-a pela fuga do suíço Mike Niggli.

O gringo sumiu após prisão domiciliar dada por Marco Aurélio.

O banqueiro Salvatore Cacciola, agora apanhado em Mônaco, escapou, anos atrás, depois que teve um habeas corpus concedido pelo mesmo ministro Marco Aurélio.

Medalha devolvida

Depois de um período fora do País, o presidente da Andep – Associação Nacional em Defesa dos Direitos dos Passageiros do Transporte Aéreo – advogado Cláudio Candiota Filho – concretizou ontem a devolução, , da Medalha de Santos Dumont ao Comando da Aeronáutica.

Ele postou, às 15 horas, a condecoração, na agência dos Correios do Aeroporto Salgado Filho (Porto Alegre/RS). Candiota anunciou, no dia 21 de julho, que devolveria a comenda.

Seu gesto ocorreu dois dias depois do acidente com o avião da TAM em Congonhas porque - em meio à comoção e ao luto nacionais - a Aeronáutica laureou o gaúcho Milton Zuanazzi e outros dirigentes da ANAC com a mesma Medalha de Santos Dumont.

Devolução oficial

Confira a íntegra do ofício enviado por Candiota ao comandante da FAB:

"Excelentíssimo SenhorTenente Brigadeiro do Ar Juniti Saito, MD Comandante da Aeronáutica. Constrangido, em face da concessão de Medalhas de Santos Dumont a diretores da Agência Nacional de Aviação Civil, comunico a Vossa Excelência que estarei devolvendo a mesma condecoração que tive a honra de receber pelos serviços que ao longo de minha vida prestei à nossa querida Força Aérea Brasileira e à aviação civil do País. Tomo esta atitude, com profunda dor, pois muito me orgulho de possuir tão relevante distinção. Entretanto, os fatos não me oferecem alternativa. Assim procedo em respeito à memória das vítimas das tragédias da Gol e da Tam, e em nome do que simboliza para todos nós, aviadores, a consagrada história de Santos Dumont".

Genérico problemático

Do veterano das intrigas políticas, o Jornalista Hélio Fernandes, da Tribuna da Imprensa, um comentário preciso sobre a situação do genérico Nelson Jobim:

Cada vez mais insustentável a posição de Nelson Jobim. Não se sabe quanto tempo ele ficará como ministro da Defesa”.

A verdade: não resolveu os problemas do apagão aéreo, e está completamente desgastado com os militares. Quando for demitido, assim que Lula compreender o equívoco que cometeu, haverá festa completa. Com civis e militares festejando a demissão de quem jamais deveria ter sido nomeado”.

Carro de combate

Até novembro, o Exército Brasileiro e o grupo Fiat vão assinar contrato para o desenvolvimento de um novo veículo blindado para o transporte de tropas.

A Iveco foi a escolhida para criar o blindado que irá substituir o Urutu, produzido pela Engesa, empresa brasileira que faliu há 14 anos.

Trata-se de uma empresa da Fiat que já fornece veículos para o Exército italiano e que, no Brasil, produz caminhões e vans em Minas Gerais.

Choro de perdedor

O poderoso Lula da Silva fará de tudo para manter a Secretaria de Ações de Longo Prazo, com status de ministério:

Na segunda-feira, eu tomarei a decisão. O dado concreto é que nós vamos ter o ministério, nós precisamos. Eu estou querendo construir. Por isso, eu criei uma secretaria estratégica para pensar o Brasil para 2022, e a gente começar a maturar o tipo de Brasil que queremos entregar aos nossos netos e bisnetos em 2022”.

Lula jura que encarou com naturalidade a posição dos senadores:

A democracia é isso. Na democracia, você ganha uma, você perde outra”.

Provocando os banqueiros

Uma ameaça do secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, deixou os banqueiros irados.

O governo estuda obrigar os bancos a fornecer um extrato dos gastos dos clientes com as tarifas.

O objetivo é reduzir o peso dessas taxas sobre os correntistas.

Mais endividamento

Estudo do BNDES prevê que o mercado de crédito no Brasil vai saltar dos atuais 33% do PIB para 40,7% no fim de 2009.

O crescimento será impulsionado, nos próximos anos, pelo aumento do crédito para pessoas físicas e pelo financiamento imobiliário.

Mas, agora, os empréstimos para pessoas físicas, especialmente o consignado e o financiamento de veículos, lideraram a expansão, contribuindo com 42,5% do crescimento total do crédito para o setor privado entre o fim de 2005 e julho de 2007.

Boa para o consumidor

O Senado aprovou e segue para a Câmara o Projeto de Lei 191/05, do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), que considera abusiva a venda à vista de produtos e serviços pelo mesmo valor da oferta feita a prazo.

A proposta também estabelece que o comerciante não poderá se recusar a conceder desconto sobre os juros incorporados às prestações de financiamento, na hipótese de quitação antecipada de uma ou mais parcelas pelo consumidor.

Além do pagamento de uma multa, a prática pode causar detenção de três meses a um ano.

Péssimo para o Contribuinte

Para quem não acredita que o terrorismo fiscal existe, uma notícia lamentável.

Nos primeiros oito meses deste ano, o governo federal editou nada menos que cerca de 250 novas normas tributárias, sem contar os atos declaratórios.

É o que constata um levantamento da Martinelli Advocacia Empresarial.

Muitas empresas foram obrigadas a perder dinheiro contratando mais funcionários só para resolver as infindáveis exigências fiscais e responsabilidades imputadas às pessoas jurídicas.

Relações internacionais sem mitos

Mestre em assuntos internacionais e um dos escritores mais respeitados em Portugal, na atualidade, o Professor Adriano Moreira acaba de lançar sua mais recente obra literária: Teoria das Relações Internacionais.

O livro desvenda os segredos da diplomacia internacional, desmistifica o poder das superpotências, fala do horror e da inutilidade das guerras, da violência no Oriente Médio, do papel dos embaixadores no mundo e da falência dos modelos econômicos adotados antes e depois da globalização.

Adriano Moreira é sociólogo, jurista e professor e, há 40 anos, exerce a cátedra de Relações Internacionais do Instituto Superior Naval de Guerra.

Assunto que rende...

O professor João Batista de Andrade participa, no domingo, do programa Brasil Nação, exibido pela RTVE-PR – e que pode ser visto pela Internet.

O tema do programa será a polêmica em torno do conteúdo dos livros didáticos no Brasil.

Apresentado pelo jornalista Beto Almeida, o programa vai ao ar sempre aos domingos às 21h30min, sendo reapresentado toda sexta-feira às 22h40.

Via internet pode ser visto em (www.pr.gov.br/rtve).

Pecadores aprovam dia santo

O Senado aprovou e Lula irá sancionar o projeto que institui o dia 11 de maio como o dia de homenagem ao primeiro santo brasileiro, o Santo Antônio Sant'Anna Galvão.

O Frei Galvão – que nasceu em 1739 em Guaratinguetá, interior de São Paulo, e faleceu na capital paulista no dia 23 de dezembro de 1822 - teve sua santidade reconhecida pelo Vaticano em dezembro de 2006.

Mas aviso aos navegantes: o 11 de maio não será feriado nacional, e sim uma data para que o santo brasileiro seja "lembrado, homenageado e consagrado".

Só falta uma Mônica

A primeira-dama da Argentina, a senadora Cristina Fernández de Kirchner, comparou a si e seu marido, Néstor, ao casal Bill e Hillary Clinton.

A comparação ocorreu durante uma palestra realizada nesta quarta-feira em Nova York.

Cristina Kirchner, primeira colocada nas pesquisas para a corrida presidencial argentina, reclamou que tanto ela como a também senadora e candidata presidencial Hillary Clinton são vítimas de machismo.

Depois dessa comparação, tomara que o Néstor não arrume uma Mônica para estagiária na Casa Rosada...

Viva Marta

Domingo, às 9h, a seleção brasileira feminina de futebol decide, contra a Alemanha, a final da Copa do Mundo, na China.

Espera-se que Marta e companhia repitam o show de ontem contra os EUA.

A poderosa seleção norte-americana de mocinhas caiu de quatro para as brasileiras.

Coisa de inglês

A cidade de Daventry, na Grã-Bretanha, teste com os moradores os protótipos do "cybercar", um veículo sem motorista.

Os carros são guiados por computador e utilizam raios laser para detectar obstáculos no caminho.

A idéia da prefeitura é colocar os carros à disposição do público para que funcionem como táxis, levando as pessoas diretamente a seus destinos ao longo de uma rota pré-determinada.

Tomara que o carro inglês não funcione igual ao governo de um lugar que a gente conhece, pois carro desgovernado por bêbado não tem dono.

Manda o chefão viajar para lá...

Otários ingleses estão caindo na pegadinha de Internet que oferece um pacote de viagens para uma praia paradisíaca, onde se pode até fazer topless.

O lugar que não existe é anunciado como se ficasse na Cornualha (que existe mesmo, pois é a terra fria da qual Camilla Parker, esposa do Príncipe Charles, é duquesa).

A pegadinha foi criada por Jonty Haywood, nascido na Cornualha, e que ganha a vida dando aulas de inglês na Tailândia.

Bem que a gente podia mandar para lá, sem passagem de volta, aquele poderoso chefão que adora viajar.

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

PT fecha com Renan para abrir CPI que investiga venda da TVA para a Telefônica, mas caso atrapalha Lulinha

Edição de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Breve, a Rádio Alerta Total no seu computador.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

A defesa intransigente do aliado Renan Calheiros vai custar novos ataques pesados a Lula da Silva e a pessoas muito próximas ao presidente. A revista Veja será obrigada a soltar, nas próximas edições, o arsenal de denúncias mais pesadas que tem estrategicamente guardado, para usar na hora mais conveniente. Tal momento chegou, depois que a Executiva Nacional do PT resolveu apoiar a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a venda da TVA, do Grupo Abril, para a transnacional espanhola Telefônica.

A CPI interessa diretamente a Renan Calheiros – que deseja desviar o foco das denúncias que a Veja faz contra ele. Mas a CPI, atrapalhando os negócios da Telefônica, não interessa ao primeiro-filho Fábio Luiz da Silva. Lulinha tem interesse em fechar uma parceria com a transnacional espanhola para ampliar sua PlayTV (canal que arrendou do Grupo Bandeirantes de Comunicação). O projeto dele e de seus sócios da Gamecorp é criar uma rede nacional de emissoras com a base de apoio da operadora de telefonia. Tal negócio é encarado com antipatia pelas grandes redes de televisão, principalmente a Globo, que não aceita a concorrência das teles no mercado televisivo. A briga promete muita baixaria nos seus próximos capítulos.

A tal CPI, desejada por Renan e já apoiada pelo PT, quer investigar se a transação entre a Abril e a Telefônica fere ou não a lei que estabelece em 49% o limite de capital estrangeiro numa empresa de TV a cabo. O caso já é motivo de fofoca na Câmara. Desde agosto, quando Renan Calheiros lançou suas suspeitas sobre o negócio, revelando que foi criada até uma empresa laranja para tocar o empreendimento de comunicação, a Abril teria soltado seus lobistas no Congresso para evitar a abertura da CPI.

Alguns deputados admitem que foram que foram abordados por representantes da editora e pressionados para retirar suas assinaturas do requerimento de abertura da comissão. Até petistas afirmaram que receberam orientação – supostamente do Planalto – para retirar seus nomes da CPI, mas não cumpriram “a tal recomendação”.

Um Relatório do conselheiro-diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Plínio Aguiar Júnior, informou que o Grupo Abril e a Telefônica infringiram a lei brasileira assinando um Acordo de Acionistas pelo qual as deliberações do Conselho de Administração e da Assembléia Geral dependerão de uma “reunião prévia” na qual participam e votam todos os acionistas, inclusive os que possuem as ações que não dão direito a voto. Ou seja, na prática, a Telefônica assumiu o controle da TVA.

O duro ataque de Renan

No dia 4 de setembro, Renan Calheiros resolveu chutar o balde contra a Editora abril.

Além do caso da venda da TVA para a Telefônica, Renan denunciou um suposto negócio escuso na venda das ações da empresa para a empresa sul-africana Nasper:

“A revista Veja que diz que “apura e denuncia tudo que prejudica o Brasil e os brasileiros”, precisa urgentemente publicar a venda das ações da Editora Abril para empresa sul-africana Nasper, conglomerado de comunicação racista que sustentou o “apartheid” na África do Sul e que cedeu três de seus diretores para dirigir a África do Sul segregacionista. Mas este é o aspecto imoral e repulsivo da questão. O mais grave é o caráter marginal montado na operação que já foi denunciada em diversas reportagens da Rede Bandeirantes de Televisão e da Revista Caros Amigos. É uma montagem fraudulenta com empresas fantasmas, laranjas e lavanderias para concretizar um negócio pantanoso, asqueroso”.

"A Naspers tem aqui dentro, apenas no papel, uma empresa chamada MIH Brasil Participações, que funciona na Holanda. O CNPJ da MIH Brasil, vou ler devagar para aqueles que se interessam por “tudo que prejudica o Brasil e os Brasileiros”; o CNPJ da MIH é 72.091.963/0001-77. Só que a MIH é uma empresa fantasma, isso mesmo, fantasma. O endereço declarado é fictício e este CNPJ pertence à Curundéia Participações Limitada. A Curundéia também não tem sede, não tem funcionários e os endereços e telefones apresentados pela Curundéia são de outras pessoas ou estão em endereços inexistentes. A Curundéia é virtual, não existe, só existe no papel”.”

"Agora pasmem Senhoras e Senhores. Foi este laranjal de empresas inexistentes, com CNPJ duplicados, com endereços fictícios, sem sede, sem funcionários, que adquiriu 30% da Editora Abril. Um negócio que movimentou em torno de 900 milhões de reais. A MIH Brasil Participações não existe, o que existe, e só no papel é a Curundéia e esta desembolsou R$ 380 milhões de reais para comprar 30% da Editora Abril”.

"O capital social da Curundéia é de apenas 878 mil reais. Isso significa que para concretizar o malcheiroso negócio, a Curundéia gastou 430 vezes mais do que seu capital Social na compra sorrateira de 30% da patriótica editora Abril. Mas por qual motivo recorrer a tantos “laranjas”, tantos porões infectos, tantos negócios furtivos? Simples. Sendo a Curundéia uma empresa nacional, mesmo só no papel, pode comprar além dos 30% das ações permitidas pela Lei brasileira”.

Coleguinhas do poder

A jornalista Tereza Cruvinel será a presidente da Empresa Brasil de Comunicação, a rede pública de TV que o governo Luiz Inácio Lula da Silva pretende lançar em dezembro.

Cruvinel é a principal colunista de política do jornal "O Globo", onde trabalha há mais de 20 anos. Também faz comentários na Globonews.

Ela foi convidada pelo ministro da Secom (Secretaria de Comunicação Social), Franklin Martins, que também pertenceu à Rede Globo.

Noite de estrela televisiva

O Chefão Lula da Silva será recebido hoje, com toda majestade, no Teatro Record, na Barra Funda.

Exatamente às 20 horas, Lula apertará o botão para dar início às transmissões do canal jornalístico 24 horas Record News, e deve fazer um rápido discurso.

Os céus indicam que o Bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus e principal investidor-acionista da nova emissora, estará presente para abençoar abundantemente o momento histórico.

Cortesia

O novo canal começa com uma cortesia ao todo poderoso do Palácio do Planalto.

O Record News Brasil levará ao ar uma entrevista com Lula, feita em Brasília.

O primeiro programa da emissora será ancorado pelo jornalista Eduardo Ribeiro.

Record roubada

Espertalhões da Internet tentam tomar uma grana da Rede Record.

Eles registraram, previamente, o endereço eletrônico http://www.recordnews.com.br/

Quem consultá-lo vai ver escrito: “O domínio está sendo oferecido para venda”.

Apelação

O departamento jurídico da Record foi acionado ao saber que o endereço eletrônico não poderia ser usado pela nova emissora.

Por isso, a Record News teve de apelar para um endereço meio chato de decorar: http://www.recnews.com.br/

A partir de agora, todos os todos os programas e telejornais que forem ao ar no Record News e na Record estarão disponíveis, uma hora depois da exibição, neste media center virtual.

Maçonaria pela Amazônia

A Maçonaria brasileira resolveu entrar pesada na briga pela soberania brasileira sobre a Amazônia.

Criado há um ano, o programa “Amazônia: Soberania Nacional” realizado pelo Grande Oriente do Brasil pretende atingir todo o território nacional através da divulgação do vídeo institucional produzido pela TV GOB.

O material será repassado a todas as 2.381 Lojas Maçônicas do Brasil.

Sessões nada secretas

As Lojas Maçônicas devem realizar durante o mês de novembro uma Sessão Pública tendo como assunto principal a Amazônia.

O enfoque da reunião aberta ao público será a preservação do território, defesa de suas fronteiras, desenvolvimento sustentável, cobiça internacional, atuação de organizações não governamentais, exploração indevida de riquezas da fauna, flora e subsolo, entre outros.

O objetivo é mostrar ao grande público o envolvimento e preocupação da Ordem Maçônica com o futuro da região Amazônica.

Sem colaboração

Oficiais que participaram da caçada aos guerrilheiros do PC do B no Araguaia se recusam a colaborar com o governo Lula na localização dos restos mortais dos 58 ativistas que desapareceram entre 1972 e 1975 – conforme manda decisão da juíza da 1ª Vara Federal, Solange Salgado, que mandou investigar em 120 dias o paradeiro dos guerrilheiros desaparecidos no Araguaia.

Os militares pensam em entrar com um mandado de segurança preventivo, alegando que, na época, cumpriram uma missão pelas Forças Armadas na região, simplesmente obedecendo a ordens superiores.

Pretendem invocar o princípio lançado pelo ex-ministro do Exército Walter Pires (na gestão do general-presidente João Figueiredo), segundo o qual “militar que cumpre missão não deve satisfação a mais ninguém além de seus superiores e à sua consciência. Se chamá-los a depor e a julgamentos tem que botar os safados lá também. Desde de os que mataram Calabar, Tiradentes, os Indios, os Negros e outros. Palhaçada por dinheiro para advogados. Ninguém sentará nos bancos dos réus".

Outro mandado

A outra hipótese para os militares é entrar com um outro mandado de segurança contra uma eventual convocação do Exército para prestar depoimento.

Mas, dificilmente, o Alto Comando do Exército vai convocar algum oficial hoje na reserva para depor.

Embora esse seja o desejo da cúpula do governo e do ministro da Defesa.

De acordo com Nelson Jobim, a sentença judicial determinando a tomada de depoimentos de oficiais ligados à repressão no Araguaia será cumprida.

Terra de corruptos

No momento em que o governo do presidente Lula da Silva enfrenta uma série de denúncias de corrupção, a organização Transparência Internacional divulgou um relatório que melhora a nota do País em relação ao combate ao problema.

De 3,3 no ano passado - o pior nível histórico do Brasil - a nota do Brasil subiu para 3,5 neste ano, na medição anual da ONG, que vai de zero a dez.

Não dá para comemorar tais números porque a pesquisa ocorreu antes de episódios como a decisão de processar os acusados pelo mensalão e a absolvição do senador Renan Calheiros no Congresso Nacional.

Um pouco mais corrupto

No ranking geral dos países com mais corrupção, o Brasil subiu de 70ª para 72ª posição.

Mas a pequena mudança reflete a entrada de novos países na pesquisa.

Foi a primeira vez que a nota de combate a corrupção subiu um pouquinho no governo Lula.

Leia o artigo: Inocentes e Pecadores

Apoio ao Walfrido

O porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach, jurou ontem que o ministro das Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, tem a confiança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

O ministro tem a confiança do presidente, da mesma forma que tinha antes desse episódio. Então, no que diz respeito ao presidente, a situação do ministro não se modificou”.

O porta-voz de Lula só foi evasivo ao responder se Walfrido permanecerá ou não no governo.

Vôo dos abutres

Apesar de terem ido ao Palácio do Planalto, na noite de terça-feira, prestar solidariedade a Walfrido, líderes governistas disputam o cargo feito abutres.

Eles defendem o nome do líder do governo, deputado José Múcio Monteiro (PTB-PE), para a função, caso Walfrido caia.

A base aliada ficou possessa com a candidatura precoce do vice-líder do governo, Henrique Fontana (PT-RS) à eventual vaga de Walfrido - caso seja denunciado pelo MP no caso do mensalão mineiro e seja obrigado a se afastar do governo para preparar a defesa.

Tucanos se comendo

Acusado de ter inventado o esquema do mensalão em Minas Gerais e irritado com a "falta de apoio" dos companheiros para evitar que seja denunciado ao STF, o senador Eduardo Azeredo deflagrou uma crise no PSDB.

Declarou que o valerioduto também irrigou outras campanhas tucanas, incluindo a da reeleição de Fernando Henrique Cardoso.

Cardeais tucanos, indignados, chamaram-no ontem de "mau-caráter".

No plenário do Congresso, o presidente do PSDB, Tasso Jereissati, exigiu que Azeredo se retratasse, mas o ex-governador não o fez.

Sem longo prazo

Comandado pelo PMDB e pelo presidente da Casa, Renan Calheiros, o Senado derrubou a Medida Provisória 377, que criava a estrutura da Secretaria de Planejamento de Longo Prazo, ocupada por Mangabeira Unger.

A derrota teve amplo placar: 46 a 22.

Com a rejeição, ficam extintos os 83 cargos vinculados à secretaria de Mangabeira e mais 660 postos comissionados da esfera federal.

Uma comissão terá agora que elaborar um decreto legislativo para tentar solucionar o problema.

Contra o trabalho escravo

Quem pensa que a escravidão foi extinta no Brasil pela princesa Izabel em 13 de maio de 1888 está muito enganado.

O Ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, entregou aos senador José Nery, presidente da Subcomissão Temporária do Trabalho Escravo, os 18 volumes do relatório da ação do Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Trabalho Escravo na Fazenda Pagrisa.

O trabalho foi realizado no mês de julho, no estado do Pará.

Nudez só castiga o jornal?

A apresentadora Xuxa Meneghel deve ganhar uma bolada do jornal O Dia.

O juiz Leandro Ribeiro da Silva, da 41ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, determinou que o jornal pague R$ 1,5 milhão à apresentadora, a título de indenização por danos morais e materiais.

Em julho de 2002 a publicação estampou em sua capa foto de Xuxa semi-nua, retirada de uma revista na qual ela posou nua da década de 80, para anunciar que um exemplar desta mesma edição estava sendo leiloado numa livraria do Centro do Rio.

Jornal vai recorrer

O Dia vai recorrer da decisão publicada nesta quarta-feira no Diário Oficial.

Na ação, Xuxa "alegou que tem família e uma filha de 4 anos de idade (hoje Sasha tem 9) e não gostaria que essa primeira fase de sua carreira artística voltasse à tona".

Ainda em juízo, ela "também afirmou que desde que assumiu o comando de programas infantis nunca mais fez fotografias de nudez".

O advogado de Xuxa, Maurício Lopes de Oliveira, informa que a indenização será destinada integralmente à Fundação Xuxa Meneghel, de assistência a crianças carentes, por decisão da artista.

Indústria da indenização

A ex-estudante de Direito Suzane Louise Von Richthofen, condenada a 39 anos e 6 meses pelo assassinato dos pais, processa o Governo do Estado de São Paulo por danos morais e materiais.

Em duas ações judiciais, ela pede indenizações de R$ 950 mil.

Na primeira, ela alega ter sofrido ameaça de morte e passado fome durante uma rebelião em agosto de 2004, no Carandiru, zona norte de São Paulo.

Na segunda argumenta ter sido obrigada pela diretora-geral de um presídio no interior a dar entrevista coletiva.

Patricinha do PDT

A senadora Patrícia Saboya deixou o PSB e vai se filiar ao PDT.

Patrícia Saboya decidiu sair do partido porque PSB vai apoiar a candidatura à reeleição da prefeita petista de Fortaleza, Luizianne Lins.

A decisão da ex-mulher de Ciro Gomes foi tomada na de ontem, depois de uma reunião da senadora com o presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, e o presidente do PSB no Ceará, Sérgio Novais.

Vistam a carapuça

Frase do jornalista Pedro Porfírio que serve para muita gente boa do nosso mundo político:

Tentar sobreviver só com o ônus do poder é mais do que temerário: beira ao suicídio político”.

Voto eletrônico

Até sábado, acontece na cidade de Monterey no México, o V Colóquio Internacional sobre Votación Electrónica.

Representando o Brasil participam de debates os professores Pedro Rezende da UnB (hoje) e José Rodrigues Filho da Universidade Federal da Paraíba (amanhã).

O tema só é tabu para ser discutido no Brasil.

Duas visões

O professor Rezende costuma abordar a questão do voto eletrônico pelo lado da segurança e confiabilidade técnica.

Já o professor Rodrigues costuma ressaltar o problema sócio-econômico questionando se todo investimento em voto eletrônico seria justificado.

Embora haja algumas diferenças em suas abordagens, ambos defendem que o voto eletrônico no Brasil deveria ser discutido e tratado com muito mais seriedade do que simplesmente se implantar um sistema no qual a sociedade tenha que ter confiança cega e cujo resultado não pode ser conferido.

Mais detalhes estão em: http://votobit.org.mx/

Esperança para a turma da Varig

Os fundo de pensão Aerus (Varig e Transbrasil) e o Aeros (Vasp) podem ser salvos da quebradeira.

O agravo do Ministério Público contra a ação de defasagem tarifária da Varig foi mais uma vez negado, por unanimidade, pelo Superior Tribunal de Justiça.

A ação de defasagem tarifária foi dada em garantia à dívida da Varig com o fundo de pensão Aerus, passivo trabalhista, entre outros créditos.

A indenização é referente ao congelamento das tarifas aéreas durante o governo Sarney. Em 1992, o montante chegava a R$ 3 bilhões.

Crédito Carbono

O banco holandês Fortis Bank NV/SA desembolsou R$ 34 milhões pelo lote de 808.450 créditos de carbono colocados em negociação ontem pela Prefeitura de São Paulo na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F).

O leilão foi o primeiro de créditos de carbono do mundo realizado no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) instituído pelo Protocolo de Kyoto.

Pelo documento, países desenvolvidos, além de se comprometerem com metas internas de redução de gases poluentes, têm condições de comprar crédito de carbono gerado por países em desenvolvimento: quem polui menos acumula créditos e pode vender para os países que não conseguem reduzir a emissão dos gases.

Acredite se quiser

O Fortis Bank pagou € 16,20 por tonelada de carbono equivalente.

Foi 27,5% a mais do que o valor mínimo da abertura do leilão.

Os créditos leiloados nesta quarta-feira são do Aterro Sanitário Bandeirantes, em Perus, na Zona Norte de São Paulo, e equivalem à quantidade de despoluição que o aterro conseguiu ao canalizar gases tóxicos antes de serem jogados na atmosfera.

De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura de São Paulo, o valor arrecadado será integralmente aplicado na melhoria sócio-ambiental na região de Perus e Pirituba, na Zona Norte.

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

Inocentes e Pecadores

Edição de Artigos de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Márcio Accioly

O presidente Dom Luiz Inácio (PT-SP), coitado, vive completamente iludido. Não faz muito tempo, sua excelência afirmou que, no item “saúde”, o país estaria chegando perto da perfeição. Aí, veio uma crise para arrebentar, em diversos estados da Região Nordeste e o castelo de cartas foi por água abaixo.

Em Pernambuco, onde grupos de extermínio mantêm a média de 13 assassinatos por dia, os hospitais vivem lotados e a população, de forma geral, à míngua e sem ter a quem apelar.

Transferiram-se pacientes para cidades do Interior e estados vizinhos, mas as condições nas outras unidades federativas não são melhores se comparadas. O país se encontra em guerra civil, com alta taxa de desemprego e seus representantes políticos desmoralizados. O caldo de cultura para uma explosão social está fermentando.

Em entrevista ao jornal The New York Times, no último domingo (23), o presidente declarou não acreditar que o ex-ministro Zé Dirceu (Casa Civil) seja culpado de alguma coisa na denúncia a que responde criminalmente no STF (envolvimento com o mensalão).

Há quem tenha feito cara feia, ao julgamento precipitado do presidente da República. Certamente, ele o fez por absoluta ingenuidade. Como também não acreditou no esquema de corrupção armado dentro do PT, e denunciado pelo então tesoureiro, Paulo de Tarso Venceslau, à época em que presidia nacionalmente a legenda.

Tratava-se de ardil engenhoso de caixa dois dentro da Cpem – Consultoria para Empresas e Municípios, cujo representante era o advogado Roberto Teixeira, compadre de Dom Luiz Inácio. A roubalheira teve início na prefeitura de São José dos Campos, quando Ângela Guadagnin era prefeita.

Na ocasião, o hoje presidente da República tomou providência surpreendente: apoiou a expulsão do economista Paulo de Tarso das fileiras da legenda, empurrando as dificuldades surgidas com a denúncia para debaixo do tapete.

Na Presidência do país, sua excelência cresce na aprovação dos seus súditos com a distribuição de bolsas-esmola. Elas rendem altos índices de aprovação à sua gestão. Se pudesse disputar um terceiro mandato, sem nenhuma dúvida sairia vencedor. É só se mirar na prática política de vizinhos, como Fujimori no Peru.

A distribuição de dinheiro, em programas classificados de “sociais”, garante o voto permanente de setores há séculos excluídos, identificados com mandatário que entendem ser “igual” na origem. A massa tem alternativa?

Os índices educacionais, ou de geração de emprego e desenvolvimento em nada serão alterados, mas o auxílio pecuniário, mesmo mínimo, alivia imediatas demandas.

A grande questão nacional parece ser o descrédito a que se vê submetida a chamada classe política. Todos têm seus pecados, lenientes e graves, situando o país em posição de constrangimento mundial. Estamos, afinal, em 72º lugar no índice classificatório da corrupção. Quanto mais embaixo, mais desmoralizado.

Mas a oposição não inspira credibilidade e é aí onde reside o perigo. Quando tudo é permitido, mergulha-se no caos. Basta verificar o que foi a gestão FHC (1995-2003), quando o país foi desmontado e entregue na bacia das almas.

A mistura comprometedora, que torna pardos todos os gatos da política nacional, vai ficando a cada dia mais difícil de ser digerida pela população que financia os ingredientes e se sente lesada no efeito. Quando a decomposição atingir nível de completa perda do senso moral, não vai ter quem segure a eclosão.

Márcio Accioly é Jornalista.

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Crise fardada: Exército não aceita reprimir fazendeiros em Roraima e reage, nos bastidores, contra o caso Araguaia

Edição de Quarta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Breve, a Rádio Alerta Total no seu computador.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Não tem choro de Nelson Jobim, e nem vela para guerrilheiro desaparecido. Os militares já mandaram avisar ao presidente Lula da Silva que não vão alimentar o clima de guerra civil que já reina em Roraima. Os integrantes do Alto Comando do Exército, a diferentes interlocutores nos bastidores, asseguram que não mandarão tropas para auxiliar 500 agentes da Polícia Federal na retirada de fazendeiros brasileiros (plantadores de arroz) da região criminosamente demarcada da reserva indígena Raposa do Sol – cuja área, apenas por coincidência, é idêntica aos mapas oficiais de recursos e riquezas minerais daquele estado amazônico.

O governo Lula já entornou o caldo com os militares. Mas as Legiões se mantêm na ordem. Reclamações só nos bastidores. A crise militar está formada. Três imposições do governo motivaram a insatisfação na caserna. Primeiro, pelo lançamento do livro da Comissão de Desaparecidos do Ministério da Justiça no qual os militares são classificados de assassinos e torturadores. Segundo, pela interferência direta de Nelson Jobim para obrigar o Exército a colaborar na operação para expulsar brasileiros não-índios da Raposa do Sol. Terceiro, pela ordem do Palácio do Planalto para que se investigue, oficialmente, o caso dos desaparecidos do PC do B na guerrilha do Araguaia, na década de 70.

Novas baixas podem ocorrer no Alto Comando do Exército ou no Ministério da Defesa. Nelson Jobim já conseguiu derrubar o general Maynard Santa Rosa. Ele declarou que o Exército não recomendava a invasão de Roraima, e acabou exonerado do cargo de secretário de Política, Estratégia e Assuntos Internacionais do Ministério da Defesa. Também foi detonado do ministério o general Rômulo Bini Pereira, por motivos idênticos. A mão pesada do genérico Nelson Jobim também atingiu a Agência Brasileira de Inteligência. Foram destronados de lá o Diretor-Geral, Marcos Buzanelli, e o gerente em Roraima, Coronel Gélio Fregapani, todos por serem contrários à intervenção na Raposa do Sol.

Agora, o alvo da ira de Nelson Jobim na área militar é o atual chefe do Estado Maior do Exército, general Luiz Edmundo Maia Carvalho. Jobim até agora não engoliu a posição clara e firme do general para expressar a insatisfação do Alto Comando do Exército com o livro “Direito à Memória e à Verdade”. Resta saber como Jobim irá manipular seu arsenal de bastidores para conseguir que o General Carvalho seja derrubado.

Uma carta na manga?

Um integrante do Alto Comando do Exército resolveu empregar uma alegoria para demonstrar, em círculos fechados, sua insatisfação com interferência do governo nos destinos da Força.

O General de quatro estrelas anda exibindo um Ás de Espadas aos seus interlocutores mais restritos.

A carta indica que existe um elemento a ser o próximo alvo a ser caçado.

O Exército norte-americano usou a mesma alegoria das cartas do baralho, no Iraque, como código para a caça ao grande democrata Sadam Hussein.

Resposta à bala?

A decisão judicial que mandou investigar o paradeiro dos guerrilheiros desaparecidos no Araguaia desencadeou mais uma crise entre o governo e a área militar.

Oficiais que participaram da caçada aos guerrilheiros recusam-se a colaborar.

"Se baterem na minha porta com um martelo passo fogo, respondo à bala".

Pegou pesado

Assim reagiu o coronel Lício Ribeiro Maciel, responsável pela prisão e morte de vários ativistas do PC do B na região.

Maciel declarou ao Jornal do Brasil que não deveria ter prendido o então guerrilheiro José Genoino.

Mas sim, na época, deveria tê-lo matado.

Oh, coronel. Se tivesse tomado tal atitude extrema, o “herói” nada genuíno do Araguaia não teria dedurado seus “camaradas”, da mesma forma como fez um outro grande dirigente do PC do B, naquela época...

Problemas à vista para o EB

O Tribunal de Contas da União tem tudo para criar um problema do tamanho do genérico Nelson Jobim para uma importante unidade militar.

Na falta de recursos para logística, o coronel ordenador de despesas do quartel resolveu apelar para um “jeitinho administrativo”, a fim de financiar um exercício de terreno que será realizado em Minas Gerais.

Vai fretar alguns ônibus, sem licitação, para transportar os militares na viagem de trabalho.

O Alerta Total deixa claro que nem há suspeita de corrupção nesse caso.

Caixa dois?

A criativa fórmula criada pelo coronel para resolver seu problema de falta de verbas para deslocamento da tropa foge à lei do serviço público.

O dinheiro usado, indevidamente, será resultante de uma espécie de “caixa dois informal”, formado com recursos tirados das diárias depositadas, legalmente, nas contas dos oficiais.

O serviço dos ônibus será pago em dinheiro vivo – em um expediente parecido com os cartões de crédito corporativos da Presidência da República.

Não seria mais fácil a tal unidade militar ter dinheiro para o deslocamento de suas tropas, em vez de ser obrigada a apelar a expedientes administrativos não-convencionais.

Papo dos argentinos

As concessões de partes da floresta amazônica para exploração privada, regulamentadas na semana passada pelo governo brasileiro, "podem ser uma boa notícia".

A avaliação é de uma reportagem publicada ontem pelo diário argentino La Nación.

O jornal observa que o argumento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é de que "se isolar a maior floresta do planeta do contato humano é uma utopia, pelo menos que aqueles que a exploram o façam de forma sustentável".

Protegendo a PDVSA, hermanos?

Em plena negociação para a compra dos ativos da Esso, o governo argentino decretou, na noite da última segunda-feira, o fechamento de uma fábrica da Petrobras por supostas irregularidades ambientais.

A decisão do governo argentino foi interpretada pelo mercado como um "recado" do presidente Néstor Kirchner para que a brasileira não compre os ativos da Esso.

O objetivo é deixar o caminho livre para a PDVSA (Petróleos de Venezuela) e a Enarsa (estatal argentina).

Crítica da História Crítica

O advogado Luciano Blandy colocou no ar a terceira gravação de seu podcast.

No programa, coments a respeito do livro "Nova História Crítica" de Mario Schmidt.

Acessem http://podcast.br.inter.net/podcast/hojeemfoco

Namorado do Senador?

Uma das ameaças de bastidores usadas por Renan Calheiros, para se manter milagrosamente na presidência do Senado, atinge a reputação de um poderoso senador.

Renan ameaça divulgar um romance homossexual do parlamentar – que é uma figura casada e pai de família.

O senador, que corre risco de ser saído do armário por Renan, é um dos mais contrariados e arrependidos por ter colaborado para a permanência do presidente do Senado no cargo, na fatídica e vergonhosa votação de 12 de setembro.

Custo da permanência

A situação arrastada de Renan Calheiros lhe rende prejuízos a cada dia.

Em troca da desobstrução da pauta, Renan terá de permitir a tramitação de projetos que não lhe interessam.

Um deles é o que determina o afastamento automático do senador, em caso de denúncia ao Conselho de Ética.

O caso vai atingiria muitos aliados de Renan, que também estão mais cheios de pepinos que ele.

Por isso, aliados garantiram a Renan que o fim do voto secreto em processos de cassação não passará.

Nova modalidade de mensalão

O Palácio do Planalto engorda sua base amestrada na Câmara usando dinheiro público.

O governo promete facilitar a liberação de verbas do Orçamento para as emendas de deputados que deixarem a oposição.

A denúncia está na Folha de S. Paulo de hoje, que ouviu isso abertamente de dois deputados da oposição que estão migrando para partidos da base governista.

Zona partidária

Transformou-se em uma geléia ideológica o Partido Republicano, cujo presidente de honra é o vice José Alencar.

Ontem, recebeu a adesão de Clodovil Hernandez, que deixou o nanico PTC de calça curta.

Na véspera, o senador César Borges, ex-aliado de ACM, anunciou que deixará o DEM para entrar no partido.

Idealizado pelos bispos da Igreja Universal do Reino de Deus, o PR vem sendo usado como força auxiliar do Planalto.

Atacando Lula

O procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, rebateu as declarações do presidente Lula, que havia afirmado ao "New York Times" que duvida que haja provas contra o ex-ministro José Dirceu.

O procurador afirmou que sua denúncia se baseou em dados concretos e que "o que importa é a avaliação dos julgadores".

O procurador criticou o relatório da PF sobre o valerioduto mineiro.

Apostando no futuro

O Chefão Lula da Silva defendeu ontem a realização, em 2012, de uma nova conferência com foco em meio ambiente e desenvolvimento: a Rio+20, nos moldes da Rio 92.

"Precisamos avaliar o caminho percorrido e estabelecer novas linhas de atuação”.

Foi o recado de Lula no discurso de abertura da 62ª Assembléia-Geral da ONU.

Ele só não revelou se espera, em 2012, ser o presidente que vai comandar o encontro...

A culpa é só do Oscar?

O relator da CPI do Apagão Aéreo, deputado Marco Maia (PT), não pedirá o indiciamento de qualquer autoridade da Anac, da Infraero ou de outro setor ligado à crise nos aeroportos.

Ou seja, teremos o resultado de mais uma CPI que acabou em pizza, apesar dos 199 mortos no acidente da TAM – um desastre para o qual a incompetência das autoridades contribuiu, sem dúvida alguma.

Assim, o único punido por tudo que aconteceu foi o empresário, petista, corintiano, católico fervoroso e metrosexual Oscar Maroni Filho, que foi preso, teve seu inferninho Bahamas lacrado a concreto e ainda pode ver derrubado seu hotel construído, indevidamente, na cabeceira da pista de Congonhas.

Último a apagar a luz

O diretor da Agência Nacional de Aviação Civil Josef Barat renunciou e foi o quarto a cair desde o início da crise.

A Anac só tem agora o presidente, Milton Zuanazzi, que resiste a sair.

Ele resiste a todas as pressões de bastidores feitas pelo genérico Nelson Jobim, também conhecido como Ministro da Defesa de Renan Calheiros.

Terrorismo Administrativo

A partir de outubro, por meio de cadastros de inadimplentes como o da Serasa, a Fazenda Nacional tornará pública a lista de devedores inscritos na dívida ativa.

O governo calcula que serão inscritos três milhões devedores, que somam dívidas de R$ 630 milhões.

Especialistas em Direito Constitucional e Administrativo garantem que a medida é inconstitucional e já se preparam para uma enxurrada de ações na Justiça contra o terrorismo administrativo do governo.

Oi pros paulistas

O grupo Oi, antiga Telemar, entrará no mercado paulista de operadoras de celular.

A empresa venceu um leilão de sobras de freqüência do Serviço Móvel Pessoal (SMP) realizado pela Anatel.

Cobriu a oferta de R$ 80 milhões e 550 mil reais.

Com a entrada da Oi, serão cinco as operadoras de telefonia móvel no Estado - Vivo, Claro, Tim e Unicel são habilitadas para atuar na área.

A Unicel estará na cidade de São Paulo a partir do ano que vem.

Vivo mais viva

A Vivo também saiu vitoriosa dos leilões da Anatel.

A empresa adquiriu lotes de freqüência para operar em mais cidades do interior e na capital de São Paulo, além de freqüências para os Estados de Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Piauí, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Santa Catarina.

Com isso, a Vivo passa a ter cobertura nacional igualzinha à Tim.

Brasil dos celulares

O número de assinantes de telefone celular já chega a 110.929.896.

A Vivo permanece na liderança do mercado, com 28,05% de participação - pequena redução em relação aos 28,11% registrados em julho deste ano.

A Tim mantém a segunda colocação, seguida de Claro, com 24,76%, Oi, com 13,12% e Telemig Celular/Amazônia Celular, com 4,42%.

Os dados são da Anatel referentes ao Serviço Móvel Pessoal (SMP) no mês de agosto.

Ou seja... Suco

O Grupo Schincariol anunciou duas novidades no segmento de sucos: a ampliação e reformulação da linha Skinka e o lançamento da Fruthos.A empresa investiu R$ 10 milhões em desenvolvimento de produtos e consumirá outros R$ 8 milhões em mídia até janeiro do próximo ano.

É a nova visão estratégica da Schincariol de ampliar a participação de bebidas não alcoólicas em seu negócio.

Trem bala português

Pelo menos 7 bilhões de euros é quanto deverá custar a rede de trens de alta velocidade em Portugal, com as ligações Lisboa-Porto, Porto-Vigo e Lisboa-Madrid.

Um bilhete para o TGV entre Lisboa e Madrid deverá custar 100 euros.

O preço calculado para o percurso entre Lisboa e Porto é de 40 euros.

Ultima Hora digitalizada

O Arquivo Público do Estado de São Paulo vai digitalizar o conteúdo do jornal Última Hora.

Para isso já formou uma parceria com a Advanced Micro Devices (AMD), empresa especializada em tecnologia.O diário fundado no Rio de Janeiro pelo jornalista Samuel Wainer circulou entre 1951 e 1971 nas cidades do Rio de Janeiro, Niterói, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife.

O material foi adquirido pelo Arquivo Público de São Paulo, órgão subordinado à Casa Civil, de Pink Wainer em 1990.

Super acervo

O acervo reúne 264 volumes encadernados do jornal, totalizando 108 mil páginas.

A meta é que na primeira fase do projeto 36 mil páginas (equivalente a 60 meses de circulação do jornal) sejam digitalizadas.

O material estará disponível na Internet a partir de março de 2008, ano em que a imprensa brasileira comemora 200 anos.

Batráqueo no Ar

Uma entrevista com o poderoso Lula da Silva vai inaugurar o novo canal de notícias 24 horas da Rede Record.

Os paulistanos devem se preparar para engarrafamentos na região da Barra Funda, pois o presidente Lula irá aos estudios da Record News para gravar sua participação quase ao vivo.

O novo canal estréia amanhã, às 20 horas, em UHF, no lugar da Rede Mulher, e também na TVA.

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.