terça-feira, 9 de setembro de 2008

Defesa de Daniel Dantas pedirá nulidade da Operação Satyagraha, por uso indevido de espião aposentado

Edição de Terça-feira do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão


O banqueiro Daniel Valente Dantas e sua turma têm tudo para escapar dos efeitos jurídicos da Operação Satyagraha. Os advogados dos réus devem pedir a nulidade do inquérito por vício de prova produzida, indevidamente, em nome da Agência Brasileira de Inteligência. Tudo porque, o araponga aposentado Francisco Ambrósio do Nascimento confirmou ter participado da investigação da operação a convite do delegado Protógenes Queiroz, titular do inquérito. Servidor aposentado da Aeronáutica, Ambrósio nunca foi funcionário da Abin. Sendo Ambrósio aposentado, sua presença no inquérito é ilegal. Se estivesse na ativa, a participação seria permitida, uma vez que a lei ampara a requisição de servidores por um delegado.

Francisco Ambrósio confirmou como participou da Operação Satyagraha, em depoimento sigiloso de mais de duas horas, no sábado passado, para os delegados federais Rômulo Berredo e William Morad, na Polícia Federal. Principal suspeita de ter patrocinado o grampo contra o presidente do STF e outras autoridades, a Abin informou que Ambrósio não pertence a seus quadros. Membro da comunidade de informações, Ambrósio é egresso da Aeronáutica e serviu ao Serviço Nacional de Informações (SNI) - órgão central de inteligência do governo dos presidentes militares. Com a extinção do SNI, em 1990, Ambrósio foi lotado no órgão sucessor, a Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), no qual se aposentou em 1998.

Francisco Ambrósio negou que tenha feito grampos ilegais contra o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, parlamentares ou jornalistas, como foi publicado no fim de semana. Ambrósio é suspeito de estar por trás da escuta de 18 senadores, 26 deputados, ministros do governo Lula e das mais altas autoridades do Judiciário, segundo reportagem publicada pela revista 'Isto É' no último fim de semana.

Surpresa na Defesa

A Central de boatos nem sempre infundados informa que haverá uma dança das cadeiras no ministério de Lula.

Que ninguem se surpreenda se o discreto Aldo Rebelo voltar ao desgoverno.

O membro do PC do B seria escalado na pasta da Defesa - o que levaria muitos militares ao delírio.

Guardião devassado

Os delegados Barreto e Morad determinaram uma auditagem no Guardião.

Trata-se do poderoso equipamento de grampos da PF, capaz de interceptar centenas de ligações simultâneas.

O sistema foi utilizado na operação Satyagraha por Protógenes Queiroz e arapongas recrutados por ele.

Deflagrada em julho passado, a Satyagraha resultou na prisão de Daniel Dantas, do investidor Naji Nahas, do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e outro 13 acusados de pertencer a uma quadrilha de lavagem de dinheiro.

Maletas pedidas

Os delegados também resolveram requisitar as maletas de varredura contra grampo, adquiridas pela Abin, alvo de denúncia do ministro da Defesa, Nelson Jobim, de que estariam sendo usadas ilegalmente para fazer escutas clandestinas.

A PF ameaça até apelar para um pedido judicial de busca e apreensão dos equipamentos.

Tudo porque não foi atendida no primeiro pedido.

Como a primeira iniciativa não foi atendida, a PF vai insistir no envio dos equipamentos e, caso perceba alguma resistência, não descarta o uso da via legal.

Calem a boca

Lula ficou nervoso com o bate-boca entre ministros e por isso mesmo exigiu que o primeiro escalão do seu governo passasse a falar no mesmo tom em relação as denúncias de grampo.

O enquadramento do chefão Lula atingiu três ministros: o ministro Jorge Félix, o titular da Justiça, Tarso Genro, além do próprio Jobim.

A ordem dos marketeiros do Palácio do Planalto é tirar o assunto da mídia o mais depressa possível.

O pedido deve ser acatado, de imediato, pela imprensa amestrada.

Sem defesa

Perturbado com a crise dos grampos, apenas hoje o chefão Lula deve definir os últimos detalhes do novo Plano Nacional de Defesa.

O desgoverno descumpriu a promessa de apresentar o plano no dia 7 de setembro.

O ministro Nelson Jobim também deve pedir hoje o adiamento de seu depoimento (marcado para amanhã) na CPI dos Grampos.

Nesta quarta-feira, Jobim alega que precisa acompanhar o chefão Lula na viagem à Amazônia, e por isso prefere falar na Câmara só na semana que vem.

Preço da Defesa

Estruturado em três vertentes, o Plano Nacional de Defesa prevê a definição das grandes opções estratégicas, da doutrina das Forças Armadas e, em função dessa reorientação, a reconstrução da indústria nacional de defesa (privada e estatal), além da discussão do serviço militar obrigatório.

Na vertente da reorientação, o plano prevê um monitoramento do território "que não dependa de tecnologias estrangeiras", uma hipermobilidade dos militares e a defesa das fronteiras de maneira integrada.

O ministro Mangabeira Unger, um dos formuladores do novo plano, já avisou que existem duas questões essenciais em jogo:

Qual é o nível das ambições brasileiras e que preço o País está disposto a pagar por isso - a começar, pelo orçamento, pois o Brasil só investe 1,5% do PIB em defesa.

Poesia dramática

O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz publicou em seu blog - um desabafo em forma de poesia na qual ele diz:

"Tenho vergonha de mim, tenho tanta pena de ti, povo brasileiro."

"Tenho vergonha de mim, pela passividade em ouvir, sem despejar meu verbo, a tantas desculpas ditadas pelo orgulho e vaidade, a tanta falta de humildade para reconhecer um erro cometido, a tantos 'floreios' para justificar atos criminosos, a tanta relutância em esquecer a antiga posição de sempre 'contestar', voltar atrás e mudar o futuro."

No discurso é uma coisa

Ontem à noite, na solenidade de abertura da Semana da Academia Internacional de Televisão, o chefão Lula proclamou:

Tenho consciência de que sem liberdade de imprensa eu jamais teria chegado à Presidência da República. Tenho certeza também de que sem a liberdade de imprensa o povo não poderia estar comemorando as importantes conquistas dos dias atuais. Às vezes há jornais, há noticiários de televisão que se excedem, que desprezam os fatos, que embarcam em campanhas e muitas vezes divulgam inverdades. Os leitores, a audiência são plenamente capazes de separar o joio do trigo, a informação da desinformação, a notícia da campanha, a verdade da eventual manipulação. Os telespectadores ou leitores são críticos implacáveis e juizes muito severos. Quem não os trata com respeito e não demonstra consideração por sua inteligência, termina por perder credibilidade. Por isso estou entre os que acham que não há nada melhor contra eventuais excessos cometidos por qualquer órgão de imprensa do que mais liberdade de imprensa”.

Na prática é outra

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Ayres Britto, rebateu as informações, publicadas no jornal "O Estado de S. Paulo", de que o presidente Lula estaria incomodado com as transmissões ao vivo pela TV Justiça das sessões do STF.

Transmitir ao vivo as sessões do Supremo Tribunal Federal é um avanço democrático e representa um caminho sem volta”.

Segundo a reportagem, Lula estaria defendendo que o material fosse ao ar após edição e reclamando de que as sessões ao vivo abririam margem para que os ministros façam discursos inflamados e contra o governo.

Golpe do índio

O desgoverno do índio Evo Morales, com a ajuda de cubanos e venezuelanos do Foro de São Paulo, planeja explodir o gasoduto Brasil-Bolívia, cortando o fornecimento de gás ao Brasil.

A idéia da sabotagem é jogar a culpa nos “Cívicos da Media Luna”.

Assim, Morales teria uma justificativa para mandar prender seus líderes e implantar sua ditadura.

Bicho pegando

Grupos de estudantes radicais e comitês cívicos contrários ao governo de Evo Morales fecharam ontem as fronteiras e os postos alfandegários do departamento de Santa Cruz com o Brasil.

O departamento boliviano de Tarija, de onde a Petrobras extrai a maior parte do gás destinado ao Brasil, viveu novo dia de locaute e toque de recolher organizado pela oposição ao governo de Evo Morales.

Os protestos, liderados por governadores e associações aliadas, espalharam-se ainda pelos outros departamentos governados pela oposição.

O juro e o poder

O ex-ministro Delfim Netto denunciou que existe há cabo-de-guerra entre O Banco Central e o Ministério da Fazenda

Segundo Delfim, o BC deverá subir os juros em 0,75 ponto percentual só para reafirmar independência.

O Gordinho fez a intriga na frente de Guido Mantega e Henrique Meirelles, na festinha pelos 200 anos do Ministério da Fazenda.

Salvando o filho

A Procuradoria Geral Eleitoral emitiu parecer favorável ao recurso apresentado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por Marcos Cláudio Lula da Silva para obter o direito de se candidatar a vereador em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

Por ser filho do presidente, o registro dele foi negado pelo juiz eleitoral e pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP).

Segundo o TSE, o vice-procurador geral eleitoral, Francisco Xavier Pinheiro, concordou com o recurso e disse que "a questão deve ser analisada com temperamento".

Brecha legal

Conforme prevê a Constituição Federal (artigo 14, parágrafo 7), são inelegíveis os parentes até o segundo grau no território de jurisdição do titular.

"Mas daí entender-se, para efeito de inelegibilidade nas eleições municipais, que o município está na circunscrição do país é um passo demasiadamente largo".

Para Pinheiro, "ocorreu uma interpretação demasiadamente extensiva do preceito constitucional".

O Procurador citou no parecer que o presidente nunca ocupou cargo eletivo em São Bernardo do Campo.

Além disso, a seu ver, por comandar o Poder Executivo, Luiz Inácio pouco ou nada pode influir na eleição do vereador na esfera municipal.

Internet ampliada

A empresa americana do setor de telecomunicações O3b, associada a um grupo de investidores que inclui Google, Liberty Global, HSBC e Banco Allen, vai anunciar hoje um plano ambicioso para lançar 16 satélites que levarão acesso à internet de alta velocidade a países em desenvolvimento.

O projeto, chamado de "Grande cabo no céu", será voltado para África, Oriente Médio, América Latina e outras regiões há muito prejudicadas por conexões digitais inadequadas.

A empreitada tem seu custo estimado em US$ 650 milhões e os investidores acreditam que a demanda por comunicações nos mercados emergentes continuará a crescer.

Google arquives

O Google lançou ontem o Google Archives.

A ferramenta cria um banco de notícias históricas a partir da digitalização de microfilmes de arquivos dos principais jornais do mundo.

O Jornal do Brasil e a Gazeta Mercantil foram as primeiras publicações do país a assinar o acordo de parceria.

Polícia em greve

Os policiais civis de SP prometem iniciar hoje uma operação-padrão em todos os distritos do Estado.

Segundo a associação dos delegados, haverá acúmulo de ocorrências nos plantões e aumento do tempo de espera por atendimento.

A categoria está em estado de greve por aumento salarial desde o dia 13 de agosto.

Técnico ruim

O técnico Lula gostou do Brasil na vitória sobre o Chile.

Ontem, ao contrário de sexta-feira, elogiou Dunga.

"Tem que deixar concluir o trabalho. Quando o time ganha é porque o time é bom, quando perde é porque o técnico é ruim".

Alto risco

Frase escrita no msn de um empresário conhecido deste blog:

"Infeliz é o Pinóquio, que nem pode se masturbar, porque corre o risco de pegar fogo"...

Enfim, cada mentiroso que sobreviva com o seu drama...

Vida que segue...

Ave atque vale!

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Solicitamos uma notificação sobre a publicação para nosso simples conhecimento.

15 comentários:

Anônimo disse...

Se confirmada a ida do Aldo Rebelo para o ministério da Defesa, podemos até considerar a hipótese de que ele VENDEU bem ao desgoverno a desistência de sua candidatura à prefeitura de São Paulo, para dar lugar e apoio do PCdoB à Marta.
Eis aí a recompensa.

Anônimo disse...

Esse desgoverno cala tantas bocas que um dia desses vai morrer soterrado pelos assuntos que foram calados.

Ron disse...

e vais acordar mijado

Anônimo disse...

VOCE É BRANCO? CUIDE-SE!


Ives Gandra da Silva Martins*

Hoje, tenho eu a impressão de que o 'cidadão comum e branco' é agressivamente discriminado pelas autoridades e pela legislação infraconstitucional , a favor de outros cidadãos, desde que sejam índios, afrodescendentes, homossexuais ou se auto-declarem pertencentes a minorias submetidas a possíveis preconceitos.

Assim é que, se um branco, um índio ou um afrodescendente tiverem a mesma nota em um vestibular, pouco acima da linha de corte para ingresso nas Universidades e as vagas forem limitadas, o branco será excluído, de imediato, a favor de um deles. Em igualdade de condições, o branco é um cidadão inferior e deve ser discriminado, apesar da Lei Maior.

Os índios, que pela Constituição (art. 231) só deveriam ter direito às terras que ocupassem em 5 de outubro de 1988, por lei infraconstitucional passaram a ter direito a terras que ocuparam no passado. Menos de meio milhão de índios brasileiros - não contando os argentinos, bolivianos, paraguaios, uruguaios que pretendem ser beneficiados também - passaram a ser donos de 15% do território nacional, enquanto os outros 183 milhões de habitantes dispõem apenas de 85% dele. Nesta exegese equivocada da Lei Suprema, todos os brasileiros não índios foram discriminados.

Aos 'quilombolas' , que deveriam ser apenas os descendentes dos participantes de quilombos, e não os afrodescendentes, em geral, que vivem em torno daquelas antigas comunidades, tem sido destinada, também, parcela de território consideravelmente maior do que a Constituição permite (art. 68 ADCT), em clara discriminação ao cidadão que não se enquadra nesse conceito.

Os homossexuais obtiveram, do Presidente Lula e da Ministra Dilma Roussef, o direito de ter um congresso financiado por dinheiro público, para realçar as suas tendências, algo que um cidadão comum jamais conseguiria.

Os invasores de terras (MST e outros movimentos congêneres), que violentam, diariamente, a Constituição, vão passar a ter aposentadoria, num reconhecimento explícito de que o governo considera, mais que legítima, meritória a conduta consistente em agredir o direito. Trata-se de clara discriminação em relação ao cidadão comum, desempregado, que não tem este 'privilégio', porque cumpre a lei.

Desertores e assassinos, que, no passado, participaram da guerrilha, garantem a seus descendentes polpudas indenizações, pagas pelos contribuintes brasileiros. Está, hoje, em torno de 4 bilhões de reais o que é retirado dos pagadores de tributos para 'ressarcir' àqueles que resolveram pegar em armas contra o governo militar ou se disseram perseguidos.

E são tantas as discriminações, que é de se perguntar: de que vale o inciso IV do art. 3º da Lei Suprema?

Como modesto advogado, cidadão comum e branco, sinto-me discriminado e cada vez com menos espaço, nesta terra de castas e privilégios.

Esperança disse...

Offtopic


PM DO RIO PROTESTOU NA AVENIDA NO 7 DE SETEMBRO, MAS A IMPRENSA SE CALOU!

O desfile do Rio deu até desgosto!

Tinha uma imensidão de bandeiras vermelhas, o Hino Nacional não tocou, A GUARDA DA PM fez um protesto: NÃO PASSOU NA RUA QUE FICAVA O PALANQUE, MAS DO LADO EM QUE FICOU O POVO.

O EB bem que tentou barrá-los com um grupo, mas a banda passou ao largo. Impedidos de prosseguir, ficaram parados tocando para delírio do povão. E só quando já vinha outros pelotões é que foi dada a ordem para que deixassem eles passar do lado que quisessem.

Os soldados correram para tirar os tapumes e muitos nem entenderam que se tratava de um protesto.

E A BANDA DA PM PASSOU, MAS NÃO TOCOU PARA AS AUTORIDADES.

A IMPRENSA NÃO DEU A NOTÍCIA. NEM UM PIO!

BRASIL ACIMA DE TUDO!

O BRASIL É VERDE E AMARELO MEU POVO!

VIVA O BRASIL!

VEJAM AS FOTOS

http://quiprocodosaci.blogspot.com/

Anônimo disse...

É meninos! Eles já fecharam o cerco e vocês estão pensando que assim mesmo "qui é bão". Mais um tempinho e poderão sentir o resultado da irresponsabilidade, o resultado de dizer amém e deixar que cuidem de tudo, tudinho, achando que são "humanos" "que fazem tudo pelo social"... Pobre povo Brasileiro!

Anônimo disse...

Mais uma do Pode Tudo, breve o delegado será preso e perderá todas as benefícios (conquistados) que porventura pudesse obter em sua função.Tás vendo ô delega, Daniel Dantas é um homem íntrego, honesto e de ilibada moral, quam mandou tu usá espião aposentado.Breve o culpado serás tu e preso por fazer uma pessoa tão digna passar por esses vexames

Anônimo disse...

E quem pode dizer que o escândalo da grampolândia não foi mais uma das jogadas dos petralhas para desviar a atenção dos trouxas e salvar a 'honra ilibada' do amigo de negócios do planalto, Daniel Datas e sua equipe?

Velhinho Rabugento disse...

O Velhinho aqui gostaria que o Ministério Público se manifestasse para informar quando um município do Brasil deixa de fazer parte do território brasileiro para, por conseguinte, deixar de sofrer influência do governo e do atual presidente da República.
Que eu saiba, e posso estar enganado (ou sendo enganado), isso ocorreria caso o município viesse a ser anexado por outro país, ou declarasse independência - se não me engano, neste último caso, algo contrário à Constituição. À fala desse desembargador falta o tempero e o sabor que só um Estado Democrático E DE DIREITO têm.

Anônimo disse...

Quem diria... a censura está chegando até em blogs de música!

Hoje, um dos blogs de grande visitação na web amanheceu fora do ar. O sombarato.blogspot.com, que contabilizou mais de 6 milhões de acessos desde sua criação (em janeiro de 2007) e já era referência nacional para download de músicas, não mais existe.
Criado pelo analista de sistema pernambucano Bruno Rodrigues, o site disponibilizava cerca de 2 mil e 400 discos - entre clássicos e raridades - e foi banido pelo Blogger, espaço gratuito comandado pelo Google. Isso, após denúncias de desrespeito as regras de uso do site. Pois bem, será que dá para controlar a divulgação de músicas na internet?

Leia texto de Flávia da Rosa Borges no recém-lançado sembarato.blogspot.com

Esperança disse...

As Reinações de Marta Suplicy – A Ongueira Mor do Lulismo

A Prefeitura da Capital de São Paulo foi o PILOTO da proliferação de ONGs, como prática padrão do que hoje temos informações, em relação às notícias sobre as ONGs, sua relação tenebrosa e espúria com o Poder Executivo Público, que produziu o ESCÂNDALO DA CPI DAS ONGs. Dona Marta Suplicy foi a “coordenadora” desse episódio irresponsável, CRIANDO O MODELO GERAL e que foi replicado para onde o PT governa, junto com sua base aliada.

O que faz agora o PT “doar e distribuir dinheiro público” a pilantragem de ONGUEIROS e ONGUEIRAS – políticos “DONOS” de ONGs - sem reciprocidade de produção, resultados e qualidade? Vimos a LAMA DE PERTO, no Laboratório dos Experimentos do Diabo.

Santo André (município de São Paulo do ABC) segundo suspeitas, e conforme as investigações do seqüestro e assassinato de Celso Daniel, foi outro Laboratório dos Experimentos macabros do PT, que modelaram as raízes dos mensalões, e do dito CAIXA2, extrapoladas para as entranhas da nação brasileira. E operacionalizada no Congresso, Brasília/DF– Casa Máxima dos Vendilhões do Brasil.

Esse nosso relato, fundamentado em testemunhos e documentações fartas, inclusive por JUIZ DE DIREITO que nos auxiliou, em estudos de anomalias, ou disfunções, sobre a incapacidade de “aventureiros administrarem atividades públicas”, mais uma vez “aproveitadores da coisa pública”, visa dar conhecimento ao último BASTIÃO, de alguma Oposição capacitada, a qual irá enfrentar sérios problemas, se vencer eleições, doravante, com a premente necessidade de se REVER o processo de EMANCIPAÇÃO DA CIDADANIA EXCLUÍDA e a REDISTRIBUIÇÃO DE RENDA, dos programas sociais do PT.

Dona Marta Suplicy, a meu ver, foi a chefe daquele laboratório e o Seu LULA ficou lhe devendo essa. A promoveu para Ministra do Turismo – seu tipo foi estereotipado, ficou mostrado como OUTDOOR da insanidade pública, quando disse RELAXA E GOZA – no Apagão Aéreo - o que só fez transferir o tal Know-How de ONGUEIRA MOR DO LULISMO, para outras atividades públicas do país. Ganhou “recompensa” pelo mérito de seu CRIME TEMERÁRIO. Chegou a ser denominada de MARTAXA, pelo seu afã, também, padrão de vagabundos metidos a administradores públicos, em aumentar TAXAS e IMPOSTOS, “tirando” dos REMEDIADOS para “dar” aos MISERÁVEIS, na capital de São Paulo.

Dessa parte, em diante, seguiremos com o texto original que enviamos a várias autoridades nacionais, mas sem efeito nenhum. INCLUSIVE para a UNESCO, à qual prestamos serviços na ocasião.
======================================================

Anomalias institucionais relacionadas à incapacidade administrativa do Poder Público comprometeram a eficiência da aplicação dos Programas Sociais da Prefeitura da Cidade de São Paulo. Em 09 de maio de 2004, a Folha de São Paulo, em reportagem local procedida por Sílvia Corrêa – MARTA CUMPRE 54% DE SUA META SOCIAL, divulga alamentação e as explicações sobre o insucesso dos programas sociais do PT – Partido dos Trabalhadores. Diversos incidentes ocorreram e que prejudicaram o desenvolvimento correto do Programa PROCAP - Módulo Básico – Prefeitura da Cidadede São Paulo - PMSP.

A confissão do fracasso foi debitada na “conta daestagnação econômica do país”.

Sob o ponto de vista da ABRACOOP – Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Cooperativismo e seus colaboradores, a SDTS - Secretaria de Desenvolvimento,Trabalho e Solidariedade, sob o comando do profº Márcio Pochmann, penalizou-nos como parceiros melhores habilitados em favor de um clientelismo político-eleitoral, na ocasião – início em abril de 2002.

SITUAÇÃO DOS PROGRAMAS SOCIAIS DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO (1) (2) – VER TABELA ANEXA AO E-MAIL.

Programas Sociais de Transferência de Renda do PT:

Incógnita após término do período de bolsa – sem acompanhamento do poder público.

Países desenvolvidos – 10 a 30% da população depende desses programas.

Frustração dos beneficiados com a interrupção das bolsas.

Últimos três anos mais de meio bilhão de reais foi investido – de junho de 2001 até maio de 2004.

Desde de junho de 2001, cerca de 316.801 pessoas receberam pelo menos uma vez a bolsa dos programas.

Retira o cidadão do limite de sobrevivência favorecendo sua busca por oportunidades de trabalho e renda.

Criar dependência com relação ao suporte das bolsas e deixando o cidadão acomodado.

Quem perdeu a renda depois que as inscrições terminaram não teve a segunda chance.

Erros de endereço inviabilizaram possíveis candidatos potenciais.

Programas paliativos sem capacidade de inverter a situação dos bolsistas.

Na condição emancipatória até agora não se chegou a 12 mil beneficiados.

Não identificou a vocação econômica do bairro e a capacidade empreendedora dos candidatos a abrir negócios.

Pochmann: Estamos evitando o aprofundamento da exclusão, o maniqueísmo, o assistencialismo e o clientelismo político-partidário.

Até o final de 2004, cerca de 589.057 famílias cujos chefes tinham renda inferior a um salário mínimo e meio seriam beneficiadas, o que não se confirmou. Alcançou cerca de 316.801 famílias.

Injetam a cada mês R$ 13 milhões em famílias pobres, o suficiente para construir 12 escolões ao ano.

De 96 distritos da cidade 40 chegaram a ser incluídos atingindo 80.000 pessoas.

Progressão de inclusão:

Em 2001 – Distritos: 13 e pessoas: 97.118;
Em 2002 – Distritos: 37 e pessoas: 186.484;
Em 2003 – Distritos: 6 e pessoas: 14.959
Em 2004 – Distritos: 40 e pessoas: 80.000;

Empreendimentos Incubados pela Prefeitura – PMSP - SDTS.

De cada 4 incubados um não conseguiu sobreviver.

De 400 negócios incubados cerca de 299 funcionam.

Das cooperativas que funcionam a prefeitura afirma que muitas não têm demanda estável. E as pessoas sobrevivem possivelmente muito mal.

Numa cooperativa de alimentação – Restaurante – o pessoal retira cerca de R$ 130,00 por mês.

As cooperativas funcionam precariamente e com muitos desentendimentos entre os sócios.

Temos outra versão para o fracasso da SDTS.

Numa espécie de PARCERIA – PÚBLICO - PRIVADA – PPP Social – sem escrúpulos, pessoas de má índole a serviço da SDTS, produziram demandas que afetaram a operacionalidade dos programas e sua credibilidade. Uma versão danosa, dos incidentes, começou a ser relatada unilateralmente e de modo tendencioso, contra a ABRACOOP.

A princípio a ABRACOOP se apresentou como a melhor qualificada para implementação dos programas, capaz de coordenar um contingente de 100 a120 mil pessoas a serem beneficiadas. Nossa estrutura de execução das tarefas, do programa, foi de elevado grau profissional, com Doutores, Mestres e Pós-graduados.

Foi por essa razão acima que, a SDTS, conseguiu viabilizar o projeto com quase 50 ONGs, tomando como base o conteúdo metodológico e educativo gerado pela ABRACOOP, bem como os procedimentos de prestação de contas, fiscalização econtrole.

A então “PPP Social” tinha três parceiros;

1. UNESCO financiando o programa, segundo suas diretrizes pedagógicas,

2. SDTS gerando ademanda comunitária, administrando a aplicação do programa e a

3. ABRACOOP propondo e implementando o projeto de capacitação e estruturação do “Desenvolvimento Local”, em termos de economia de bairro, segundo sua própria proposição.

A contraparte da UNESCO, presente na SDTS, repassou às ONGs, em minúcias, à revelia de nossa associação, além do material didático que desenvolvemos, as nossas custas, os procedimentos que formulamos para prestar contas à sua instituição. Uma condenável atitude antiética, uma vez que somente a ABRACOOP poderia repassar know-how para parceiros despreparados. Nisso a grande maioria das ONGs, que se beneficiaram dessa situação, não apresentavam capacitação técnica e científica para a execução do projeto e que copiaram o nosso, intermediados e facilitados pelo poder público.

Fizemos investimentos de nossos recursos e dívidas com gráficas e fornecedores, na certeza de uma reciprocidade do pessoal de contato da secretaria - SDTS com a UNESCO, situação financeira que se demorou a ser regularizada, em face de não termos recebido, em tempo, as parcelas de pagamento da UNESCO, interrompidas em primeiro por uma denúncia vazia de caráter político e depois pela desconfiança, em relação a nós, do processo burocrático da UNESCO e da SDTS, diante do incidente.

Mas,como o projeto era uma “PPP Social”, o nosso Conselho de Administração julgou que tal contribuição da ABRACOOP pudesse ser reconhecida. O que não ocorreu, pelo fato de termos na ocasião apresentado os projetos para os Módulos Específicos e não fomos convocados para prestar serviços. E que a contraparte da UNESCO, na SDTS, alegava que não havíamos entregado nossas propostas, a tempo.

Em nosso entender a situação sugeria uma manobra política de interessados em afastar a nossa associação do PROCAP, e da continuidade na prestação de serviços junto aos Módulos Específicos - Capacitação Profissional. Correram aos ouvidos coletivos, manifestos de calúnia e difamação, contra nossa associação, propalados por agentes que não queriam a ABRACOOP em novos projetos, pelo fato de não representar políticos – Vereadores e Deputados Estaduais/Federais – junto às comunidades envolvidas nos projetos.

Tivemos denúncias sobre as ONGs, que não soubemos serem vazias ou não, que participaram junto com à ABRACOOP no PROCAP, e que não nos interessava consolidar queixas junto às autoridades competentes, pois careciam de confirmação. O que nos interessava era ajudar o “Cidadão Excluído” - A ABRACOOP é uma instituição formada por mais de uma centena de cooperativas e pessoas físicas, com missão Solidária e Humanista e tem imagem idônea, onde prestou serviço, Site: www.abracoop.com.br.

Detectamos os seguintes incidentes relacionados aos programas sociais do PT, ocorridos na ocasião:

1. Várias ONGs usaram a nossa apostila de conteúdo, ferindo seriamente a Lei de Direitos Autorais, o que irá nos forçar a emitir uma declaratória de impedimento de uso da mesma, por partes das ONGs que assim o fazem, e sujeitando os infratores às penalidades da Lei Aplicável.

2. Algumas ONGs tem políticos: Vereadores e assessores, como 'Donos' ou como 'Laranjas' dos mesmos, para formar Curral Eleitoral e se utilizar do PROCAP para suas preleções ideológicas (proibido pela UNESCO) e por isto mesmo podem estar querendo “remover” a ABRACOOP, neutralizando a concorrência de instituição mais bem preparada e sem missão política.

3. Pessoas da SDTS transformaram o projeto em balcão de interesses particulares cedendo cotas não por capacidade técnica e científica por parte das ONGs, mas para atingir o “eleitorado” num ano de campanha política – ano de 2002 - e que poderia render bons “dividendos” neste campo de interesse.

4. Autoridades da prefeitura, nas regionais administrativas, manobravam à nossa revelia os facilitadores que treinamos – gratuitamente, não custeado pela UNESCO – interferindo nos atos de supervisão e controle dos nossos inspetores, incorrendo com isto em turmas “pulverizadas” onerando o custo global – orçado e planejado – refletindo em reclamações de pessoas que alegam ter trabalhado e que ainda reivindicam remuneração de horas correspondentes, mesmo após terem sido pagas com o valor das horas especificado no contrato de 152 horas.

5. Transformação da oportunidade de um trabalho solidário em “emprego temporário” em que algumas pessoas tiveram a benesse de autoridades da prefeitura e que terminou repercutindo em conflitos entre indicados e não indicados, acarretando“denúncias” contra a ABRACOOP para atingir pessoas e grupos opostos. Cuidamos de cerca de 4.000 pessoas.
6. Desde final de novembro de 2002 vínhamos apresentando sucessivamente nossa prestação de contas final, para o recebimento da última parcela do contrato vigente, e sofremos a protelação da contraparte da UNESCO que trabalhava na SDTS, nos prejudicando seriamente, para atrasar o pagamento. Já tem cerca de 2 a 3 anos que prestação dos serviços ( em relação a 2004 e 2005) foi suspensa e ainda não recebemos a parcela final.

7. Muitas ONGs não firmaram contratos e nem cobertura, com seus formadores, deixando uma 'quebra na estrutura jurídica' determinada no contrato-mor da UNESCO.

8. O Programa “Oportunidade Solidária” usou o nosso trabalho com outras cooperativas, e por coincidência começou pelos bairros que nós fizemos o projeto - COOPERATIVAS COMUNITARIAS. É muita falta de ética enxovalhando o poder público e usurpando conteúdo técnico de ex-parceiros com melhor qualificação.

9. A UNESCO não deveria se deixar ficar em mãos de pessoas, que venham a lhe representar, e que não possuem capacitação técnica, emocional e de relações interpessoais produtivas, dentro de organizações públicas, guardando-se institucionalmente de injunções políticas que podem lhe afetar como instituição de renome e reconhecimento mundial.

10. A não manifestação do Sr. Secretário do Trabalho – Márcio Pochmann quanto a esta situação mesmo que com carta protocolada, nos parecendo haver, em torno do secretário, um grupelho que se entrincheira para produzir disfuncionalidade, sem que ele saiba da conduta dos seus colaboradores.

Acreditamos que existiram ainda muitas irregularidades reprimidas dentro destas ONGs, pelo motivo do baixo grau de profissionalismo que observamos e que ouvimos de pessoal envolvido em nossos treinamentos, o que de fato acarretava complexidade e disfunções operacionais.

Algumas ONGs ligavam para a ABRACOOP pedindo que se ensinasse isso e aquilo - Ex: Relatório de Prestação de Contas e outros. E, esses casos contribuíram com a perda de eficiência dos investimentos da prefeitura, e da UNESCO, pelo baixo aproveitamento feito pelos beneficiários, colocando as verbas, dessa última, num “ralo sem fim”, o que deveria ter convocado a SDTS a uma reflexão pró-ativa:

1) Quais serão os resultados em maximização de capital investido e o número de cidadãos que revelaram “bom aproveitamento”?

2) Estarão com a auto-estima consolidada e encontrarão um emprego ao menos de R$ 400,00 dentro do município de São Paulo?

3) O resultado final do projeto - mesmo que a fundo perdido - foi proveitoso?

4) Há muita propaganda política com números, mas sem um indicador da qualidade do resultado?

A ABRACOOP realmente tinha a melhor condição técnica e científica para o desenvolvimento de todas as fases do PROCAP. E foi prejudicada por alguma prática imprópria - que onerou a atuação da mesma junto aos projetos em questão.

A costumados a prestar serviços para prefeituras, tivemos a percepção de que houve uma intenção dolosa em produzir um grande desgaste entre nossa associação e nossos colaboradores, fornecedores e as autoridades públicas.
Cremos que o procedimento burocrático da UNESCO não deve produzir prejuízos aos seus parceiros, como o que ocorreu conosco, dado ao fato de ser uma instituição internacional, que deve zelar por seu nome e imagem. Sendo assim os opositores da ABRACOOP venceram – Conseguiram nos demover da continuidade do PROCAP. E nos afetaram moral e economicamente. Esses eventos denegriram nossa imagem junto a UNESCO, os quais produziram lesão ao nosso patrimônio e danos morais ao nosso pessoal.

O Sr. Jorge Werthein nunca se pronunciou – quem presidia na ocasião a UNESCO – BRASIL, apesar de nossas cartas e e-mails.
Houve muito de prejuízo nesta odisséia em que entramos e que a coordenação da SDTS com a UNESCO, contou com um suporte interno incompetente, vacilante e prejudicial à implementação desses programas. A visão geral que tivemos sobre o projeto, para aplicação de políticas públicas, em benefício do cidadão mais simples em todo o Brasil, foi de muita irresponsabilidade e demagogia eleitoreira.

Em novembro de 2004, ficamos refletindo porque a prefeita MartaSuplicy perdeu a sua reeleição para a prefeitura.
A ABRACOOP, na gíria dos negócios, foi usada como 'Boi de Piranha”. Sacrificou-se para o rebanho atravessar o rio. E, depois foi ignorada e caluniada! Mas, o rebanho que atravessou o rio era de Má Qualidade – parte das 50 ONGs do clientelismo - pois o fracasso de Pochmann nos ressarciu moralmente, embora sem compensação financeira. A confissão de Pochmann confirma a sua incapacidade administrativa. E a aparente morte de programas sociais sem base científica e profissional.
========================================================================

Aqui está a causa verdadeira do fracasso dos programas sociais do PT na capital de São Paulo. E agora em ESCALA NACIONAL.

FAÇAMOS AGORA OS CÁLCULOS PARA DIMENSIONAR A EXORBITÂNCIA DISFUNCIONAL DOS ATUAIS PROGRAMAS SOCIAIS DO PT, EM ESCALA NACIONAL, PARTINDO DOS PARÂMETROS DO FRACASSO DE MARTA SUPLICY NA CAPITAL DE SÃO PAULO!

E mais uma vez: Todas as cooperativas criadas pelo poder executivo público funcionam precariamente, em qualquer lugar do Brasil, pela presunção do mesmo em julgar-se capaz de desenvolver cooperativas e promover a incubação delas, quando mal consegue administrar tecnicamente suas obrigações e responsabilidades sociais, morais e econômicas.

Engº Lewton Burity Verri
Presidente da ABRACOOP
CREA 74-1-01852-8 – RJ
Copyright © 2004 - ABRACOOP

Anônimo disse...

Grampo legal
..
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0509200804.htm
Melchiades Filho

BRASÍLIA - Ainda que o futuro possa lhe reservar algum tipo de constrangimento, o governo só tem a comemorar com a escandalização do uso de escutas telefônicas.

Confira o que de concreto ocorreu desde o começo das denúncias de desrespeito às liberdades individuais e das reações indignadas:

1) Foi escanteado o delegado que pretendeu investigar os negócios de Daniel Dantas, as relações íntimas do empresário com o Planalto e o acordo de indenização que permitiu ao governo levar adiante a idéia de criar a supertele nacional.

2) A Polícia Federal repaginou a Operação Satiagraha. Fechou foco nos indícios de fraude financeira do Banco Opportunity e esqueceu outras ambições do inquérito original, como tráfico de influência e a fusão da Brasil Telecom com a Oi.

3) Dantas e seus principais assessores saíram da prisão. Não têm mais motivos para abrir a boca.

4) Lula conseguiu nomear o quinto conselheiro da Anatel para dar o voto de minerva em favor da BrOi.

5) Foi afastado o diretor que construiu a "PF republicana", aplaudida por não discriminar investigados -o que possibilitou que o irmão do presidente caísse num grampo pedindo "dois pau pra eu".

6) A pretexto de impedir exageros de arapongagem, a PF recebeu ordens para tratorar a corporação e centralizar a inteligência. A apuração do dossiê produzido na Casa Civil contra FHC foi abandonada.

7) Um ex-funcionário de Dantas assumiu o comando da Abin.

Resumo: o Planalto não só preservou a negociação (e os negociadores) da BrOi como diminuiu a possibilidade de voltar a ser incomodado por escutas telefônicas.

Judiciário, Legislativo e sociedade civil exigiram o direito à privacidade. Com a degola de Lacerda e Protógenes, Lula garantiu o dele.

Talvez esteja aí a explicação para a reação enérgica e rápida de um presidente que costuma defender os colegas pilhados em atos ilegais e recomendar paciência nas crises.

RÔ-LITORAL disse...

Os conchavos, as conversas, as notícias, as visitas de um para o outro parecem uma valsa: tudo ensaiadinho, rodando no salão, ritmadinho, para que o Fenômeno seja o todo poderoso da telefonia. Êta herança maldita de FHC, que abriu as portas do salão para que todos entrassem e, placidamente, se locupletassem!

Anônimo disse...

Serrão


Achei esse lixo no youtube

agosto 2007

Como o presidente Lula é capaz de mentir tanto nos seus discursos?

Não existem mais homens com ovos nessepaís?

virou tudo omelete?

Ron disse...

:) esse é o único blog em que os comentários são outros blogs