domingo, 2 de novembro de 2008

A Política de Verdade contra o Ignorantismo

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão


Alguém duvida que o mundo cada vez mais bobalizado pelo globalitarismo é vítima do ignorantismo? O Brasil nem se fala! Somos bombardeados por idéias, ideologias e pensamentos únicos “fora do lugar”. Sobrevivemos torturados política e economicamente por teorias que nos prejudicam ou que se mostram inadequadas para explicar a realidade e solucionar problemas. Tanto “investimento” no ignorantismo só faz aumentar o tamanho das diversas “crises” vividas pela humanidade e pelos brasileiros.

Um gaiato piadista já conceituou que o Ignorantismo é o sistema daqueles que preconizam as vantagens da ignorância, sustentando que o saber é prejudicial. Segundo o mesmo humorista-sério, que até elabora uma página na Internet sobre o tema, existem várias expressões adoradas pelos ignorantistas. Deus quis! A voz do povo é a voz de Deus. Um dia você vai ver que eu estava certo. A minha vizinha disse que isso é muito bom para... Todos precisam acreditar em alguma coisa. Você não pode pensar assim!

No Brasil, assistimos a um fenômeno patético (digno do Pateta e do Capeta, em parceria com os mafiosos Irmãos Metralha). Temos um popular apedeuta que adora emitir conceitos sobre tudo que não conhece de verdade - nem na teoria e muito menos na prática. O pior é que ele é regiamente pago e sustentado politicamente para representar a figura de um pretenso líder no faz-de-conta do teatrinho político dos fantoches moralmente esfarrapados do João Minhoca.

O verborrágico Sapo Barbudo não passa de um reles chefão. Até porque não lidera ninguém em direção a nada. Mais parece um Sapo - codinome “Boi” - que acabou transformado em vaca sagrada pelos “gênios da raça” que o inventaram nos tempos do sindicalismo fomentado pelos socialistas fabianos que planejaram e tomaram de assalto o poder no Brasil.

O personagem é um vazio de propostas e soluções. Em tese, o Boi terminaria em ostracismo, no brejo da história. Mas o animal sobrevive porque lhe falta competente oposição, capaz de indicar novos caminhos e soluções de verdade para o desenvolvimento do Brasil. Na ausência de alternativas reais, o Boi apedeuta ainda se torna cada vez mais “popular”, graças a um sofisticado e bem financiado trabalho de marketagem política.

Acontece que a gravidade do momento atual exige uma alternativa política real ao nem tão poderoso chefão que tem a pretensão de nos governar. O desgaste dele é inevitável. É uma questão de pouco tempo. Desde que seja apresentada uma alternativa digna, propositiva, que a grande massa moldável e os (de)formadores de opinião sejam capazes de entender de uma mesma maneira simples, clara e objetiva.

O Brasil não tem mais tempo a perder. Precisamos aproveitar o momento de crise mundial para tirar proveito dela. Os chineses têm razão. O vocábulo crise, na língua dos mandarins, significa wei-ji (Crise e Oportunidade). Eis por que agora é o momento de os segmentos esclarecidos da sociedade assumirem seu papel propositivo diante do vácuo de liderança política e perante o quadro de instabilidade econômica. Não dá mais para “enxugar gelo” ou perder tempo fazendo necropsia de cadáver.

O momento é de lançar uma campanha cidadã, politizada e consciente, em favor do sistema de voto distrital puro, restabelecendo a representatividade do poder local do cidadão-eleitor-contribuinte. O voto por distritos vai dar força ao cidadão a partir do bairro em que ele vive, ampliando-se para o município, o distrito, o estado até chegar à União. Quem elegeu o político terá chance de cobrar resultados se o processo legislativo e decisório estiver próximo dele – o que não acontece em nosso atual modelo federativo e político. Tal assunto tem de entrar, urgentemente, no debate da reforma política.

Precisamos aprimorar o sistema de voto eletrônico, tornando-o passível de auditoria transparente, através dos comprovantes impressos, que permitam uma recontagem pública e isenta. Que nos perdoe a Justiça Eleitoral, mas não dá para confiar, cegamente, nas eleições feitas na dedada e sob controle de um chip programável. Um recadastramento eleitoral também é prioritário, pois o elevado índice de abstenção da recente eleição (em torno de 20%) indica que muito “eleitor” apto a votar sequer existe realmente ou está vivo de verdade.

Ainda no campo eleitoral, é preciso acabar com o "voto obrigatório". Nosso sistema é a negação do princípio democrático. Tal entulho autoritário, de um Estado que tem a prática histórica de tutelar a sociedade, precisa ser removido. Voto tem de ser facultativo. Quem vota o faz por consciência cidadã. Só assim o jogo eleitoral - que hoje mais parece uma aposta no cassino do Al Capone - se transformará em um embate político real.

Uma outra reforma urgente é do modelo Judiciário. Também precisamos de uma Justiça mais próxima da realidade municipal, capaz de tomar decisões mais imediatas, simples e sábias. Que tal um modelo judiciário igual ao da Alemanha, a partir dos pequenos municípios, onde existe Deus e, abaixo dele, um juiz respeitável por sua moral e condutas sociais ilibadas?

Precisamos de uma Justiça de verdade - capaz de resolver mais rapidamente, no tempo certo, pequenos casos reduziria o clima de impunidade, que historicamente amplia a corrupção, a violência e a barbarie no Brasil. O atual modelo Judiciário no Brasil é comprovadamente ineficiente, perdulário e lento - apesar do esforço de magistrados, servidores e advogados não ligados ou contaminados pelo esquema do crime organizado. Precisa ser mudado imediatamente.

Tais mudanças são um passo inicial para a superação do modelo ignorantista no Brasil. O que acontecer depois, de positivo, será conseqüência natural de tais reestruturações básicas do modelo de representatividade, de votação e de Justiça. No mais, investindo de verdade em educação básica, e na mudança do modelo econômico neocolonial (que nos explora desde que fomos achados e inventados por Cabral e sua turma globalizante), teremos a chance de ter uma nação que sirva aos seus cidadãos que só querem trabalhar, produzir e ser felizes no melhor lugar do mundo.

Eis momento histórico de “Pensar Brasil”. Chega de ignorantismo! Precisamos fazer Política de verdade, com Democracia (a Segurança do Direito Natural) e respeito aos diferentes modos de pensar de cada um. Eis o espírito (geist) do lema patriótico “Brasil Acima de Tudo”. Somos uma nação com potencial de vocação para o Bem. Só precisamos transformar tal potencial em realidade concreta.

Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. http://alertatotal.blogspot.com/ e http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 2 de Novembro de 2008.

14 comentários:

Anônimo disse...

Grande Serrão! Ferramentas de trabalho: mobilizar-se e exigir a reforma política apontando para os que se dizem representantes como fazê-la, em que direção. Idem com a reforma judicial. Exigir uma reforma agraria de verdade repartindo as terras produtivas entre pessoas capacitadas orientadas e vocacionadas para o compromisso social de gestão da propriedade familiar. E uma reforma do sistema educacional lembrando o conselho da marchinha dos tempos de Getúlio Vargas:
"No Brasil, tem muitos doutores, muito funcionário, muita professora, se eu fosse o Getulio mandava, metade desta gente prá lavoura. Mandava muita loura plantar cebola e muito bonitão plantar feijão. E esta turma da mamata, eu mandava plantar batata!"

Anônimo disse...

Gostaria de acrescentar mais duas expressões adotadas pelos ignorantistas: Isso foi castigo de Deus e isso foi milagre do santo tal... Os ignorantistas desconhecem completamente as palavras, COINCIDÊNCIA, DESTINO e não aceitam que TUDO pode acontecer de bom ou de ruím a qualquer momento com qualquer ser humano, independente de ser bom ou não e de crer em Deus ou não.

Anônimo disse...

Ignorantismo = insanidade mental

"A necessidade de acreditar em falsas maravilhas por vezes excede não só a lógica mas, muitas vezes, a sanidade mental." --Rev. Canon William V. Rauscher

"A religião é vista pelas pessoas comuns como verdadeira, pelos inteligentes como falsa, e pelos governantes como útil." Seneca, o Mais Jovem (4? A.C. - 65 D.C.)

Anônimo disse...

"Só duas coisas são infinitas, o universo e a estupidez humana."

Albert Einstein

Anônimo disse...

IGNORANTISMO

Definição. O ignorantismo é a tendência da consciência defender a ignorância como a melhor maneira de viver sem complicações.


2. Orgulho pela falta de conhecimento, de educação formal.

Anônimo disse...

Tem que entrar na reforma política a proibução do voto do ANALFABETO.

Anônimo disse...

Quem criou o CRIADOR? O ignorantista se recusa a pensar nessa pergunta.

"Deus é o Asilo da Ignorância." Baruch Spinoza, filósofo Alemão-Judeu

Anônimo disse...

Pressinto uma tênue mudança no coração do Brasil.
Pra melhor.
Pressinto que a bolha do lulla não falta muito para estourar.
Está certo quem disse que "a esperança é a última que morre".
Já me permito sonhar!!

Anônimo disse...

"A religião é a maior arma na guerra contra a realidade." Anônimo

"Os fundamentalistas negam que a evolução aconteceu; eles negam que a terra e o universo como um todo tem mais do que alguns milhares de anos, e assim por diante. Existem amplas evidências científicas que os fundamentalistas estão errados nesses assuntos, e que as suas noções de cosmogonia possuem tanta base em fatos quanto a Fada do Dente possui." Isaac Asimov

"Os criacionistas fazem parecer que, no entanto uma 'teoria' é algo que você sonhou depois de ter ficado bêbado a noite toda." Isaac Asimov

"A verdade não tem que ser aceita com fé. Os cientistas não seguram suas mãos todo Domingo, cantando, "Sim a gravidade é real! Eu vou ter fé! Eu vou ser forte! Amen. "" Dan Barker, ex-evangélico e autor

"Religião é uma coisa excelente para manter as pessoas comuns quietas." Napoleão Bonaparte, imperador Francês

"Qualquer um que se engaja na prática de psicoterapia se confronta todo dia com a devastação forjada pelos ensinamentos da religião." Nathaniel Branden, Ph. D.

"Acreditar é mais fácil do que pensar. Daí existe muito mais crentes do que pensadores." Bruce Calvert

"A religião é apenas controle mental." George Carlin, comediante

"A religião é um subproduto do medo. Na maior parte da história humana, ela pode ter sido um mal necessário, mas por que ela foi mais má do que o necessário? Matar pessoas em nome de Deus não é uma boa definição de insanidade?" Arthur C. Clarke, autor

"Deuses são coisas frágeis; eles podem ser mortos com uma baforada de ciência ou uma dose de senso comum." Chapman Cohen

"A ignorância suplica confiança mais freqüentemente do que o conhecimento: são aqueles que sabem pouco, e não os que sabem muito, que afirmam tão positivamente que esses ou aqueles problemas nunca serão resolvidos pela ciência." Charles Darwin, Introdução, The Ascent of Man, 1871

"Eu sou contra a religião porque ela nos ensina a nos satisfazermos ao não entender o mundo." Richard Dawkins

"Se render à ignorância e chamá-la de Deus sempre foi prematuro, e continua prematuro até hoje." Umberto Eco

"O jeito de ver pela fé é fechar os olhos da razão." Benjamin Franklin, Pai Fundador Americano, autor, e inventor

"Religiões são todas iguais - fundadas sobre fábulas e mitologias." Thomas Jefferson, Presidente dos E.U.A., autor, cientista, arquiteto, educador e diplomata

"A Maioria das pessoas preferiria morrer a pensar; de fato, muitas o fazem." Bertrand Russell

Anônimo disse...

Pelo visto é muito dificil acabar com o IGNORANTISMO.

Anônimo disse...

Quem morre por último é o herói. Herói: é o cabra que não teve tempo de correr.

Anônimo disse...

Coitado do lula gente! Ele só quer andar de avião, tomar umas, enriquecer o seu filho e os amigos.
E se der certo fazer da america latrina uma latrina, que é o que ele pode dar.
Afinal ninguém dá o que não tem.

léo disse...

Aqui no Rio Grande do Sul, a governadora do Estado, através da Secretaria de Educação, tomou a iniciativa de aumentar o número de alunos por falta de professores da rede, ou mesmo pelo aumento do número de alunos para uma quantidade de salas de aula invariável ao longo do tempo. Resultado. Pais e professores reclamaram, pois alegavam, corretamente, que quanto mais alunos em uma mesma sala de aula maior a dificuldade para transmitir informações e também o controle sobre a conhecida rebeldia dos jovens. Em outras palavras, a quantidade não anda de mãos dadas com a qualidade. O que tem isso a ver com o ignorantismo? Faço uma sugestão para aqueles que têm na leitura e no estudo uma forma de buscar informação que mergulhem nas leituras de Ortega y Gasset, particularmente sua obra a Rebelião das Massas. O notável filósofo, por lógica ou intuição, profetizou os acontecimentos com a chegada ao poder das massas. A quantidade contra a qualidade. Chamamos de entropia ao fenômeno onde o caminho natural é o da desordem e do colapso. A luta de cada homem nesse nosso planeta é contra as leis mecânicas que insistem no caminho inverso da ordem e de uma maior nível de qualidade. Somos obrigados a ir à luta, trabalhar para que as provisões que nos mantém vivos por longo prazo possam ser obtidas. Não fosse pelo conhecimento adquirido ao longo do tempo a nossa população não atingiria quiçá um terço do que alcançou até agora. E como isso foi possível? Pelo conhecimento. A natureza se nos deu a dificuldade para sobreviver sem esforço , ,espontaneamente, nos proveu de uma potencialidade intelectual suficiente para que pudéssemos enfrentá-la. Mas ao nos dar a potencialidade não nos deu a sua atualização. Eis que temos, mais uma vez, de por esforço próprio, individual, libertar-se de ignorância. E são poucos que se propõem a fazê-lo, pois isso se constitui ainda na luta contra a natureza. Todos os seres biológicos se encontram diante dessa situação. Hay que pelear. Pois é curioso o fato de grande parte dos chamados intelectuais defenderem a ascensão das massas ao poder. É com indescritível orgulho que um FHC saudou a chegada ao poder de Lula, o metalúrgico. Com sua notória sapiencia ele levou e está levando a companheirada ao poder. Juízes, promotores, cientistas políticos, empresários, religiosos, intelectuais, professores, jornalistas estão a abençoar a nova ordem. Chamam a isso de democracia. Qualquer um, desde que preencham as mínimas condições legais, podem assumir o poder. Se há uma lei que não pode ser revogada por alguma MP é a da relação causal. Os pais adultos sabem que se não ficarem atentos às ações das crianças elas podem se machucar. Mas parece que ser rebelde é da hora. E o ignorantismo encontra terreno dos mais férteis para grassar. Para onde julgam que estão a nos levar a nova classe de dirigentes? Barbárie ou civilização? Há os que julgam que criando um Frankstein ele poderá ser útil à sociedade.

léo

Anônimo disse...

Similaridades da História Universal.

Herr Hitler, militarmente era um simples cabo. Subiu a Comandante-em-chefe dos Generais e Marchais alemães. Destruiu grande parte da Europa até destruir seu país.

Herr lula, torneiro mecânico sem convicção. Subiu a Comandante-em-chefe dos Generais brasileiros e dos terroristas do MST. Está destruindo o Brasil e sendo cúmplice ativo da destruição da America Latina.