terça-feira, 11 de novembro de 2008

Porta-voz Global: Lula prega “novo Consenso de Washington” sob a desculpa de resolver a crise

Edição de Terça-feira do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão


O chefão Lula da Silva, que sempre foi uma marionete teleguiada pelo poder real mundial, aproveitou ontem a presença na Itália para propagandear uma velha tese da máfia globalitária. Lula defendeu a criação de um novo “Consenso de Washington” para resolver a crise financeira mundial. Lula deu a linha do discurso que será imposta e aplicada aos países emergentes, na reunião do G-20, no próximo sábado, nos EUA.

Não foi à toa que Lula usou a expressão “Consenso de Washington” foi criada pelo economista John Williamson, em 1989, que elaborou políticas neoliberais aplicadas pelos organismos multilaterais, com apoio dos Estados Unidos e Inglaterra, para lidar com os países da América Latina, em crise naquela época. Junto com FHC, Lula fez parte do Diálogo Interamericano – grupo de poder que ditou as regras globalitárias a partir dos anos 90.

Lula fez ontem um discurso na linha socialista Fabiana programada pelos clubes de poder da Oligarquia Financeira Transnacional. O popular chefão afirmou que "neste momento os governantes precisam entender que é preciso ouvir menos analistas de mercado e mais analistas de problemas sociais, analistas de desenvolvimento e analistas que conheçam as questões humanas".

"Esta crise é uma oportunidade extraordinária para fazermos uma reflexão sobre tudo o que fizemos de errado a partir do Consenso de Washington e criarmos um novo consenso em que o ser humano, o trabalhador e a produção agrícola e industrial sejam a razão de ser da economia, e não a especulação financeira". Foi o que resumiu Lula, em um pronunciamento à imprensa, durante sua viagem oficial de quatro dias à Itália – terra onde a primeira-dama Marisa Letícia conseguiu também nacionalidade, para alguma eventualidade.

O que o poder mundial queria ouvir...

Lula avisou que espera retomar conversas sobre as negociações para um acordo comercial entre União Européia e Mercosul.

"Estou convencido de que podemos fechar a Rodada de Doha se houver vontade política".

Lula se referiu ao impasse que prejudica o Brasil e demais emergentes nas negociações da Organização Mundial do Comércio.

Outro recado programado

Lula comentou estar convencido de que Itália e Brasil "têm importantes contribuições para redesenhar o sistema financeiro internacional".

"Precisamos formar um outro (sistema financeiro), imune às aventuras do capitalismo especulativo, mais transparente, com regras e controle mais estritos, em benefício da sustentabilidade do crescimento e do desenvolvimento".

Lula foi recebido festivamente ontem pelo presidente italiano, Giorgio Napolitano, em uma cerimônia no Palácio presidencial Quirinale.

Voz, vez e voto

O chefão Lula se reúne hoje com o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, com quem pretende retomar conversas sobre a ampliação do G8 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo mais a Rússia) para acomodar as economias emergentes, como o Brasil.

"Não faz mais sentido que os grandes temas que afetam a humanidade sejam debatidos apenas pelos países ricos. A Itália, na presidência do G8, pode ter um papel crucial neste momento de transição que vive a ordem mundial".

Lula a reformulação das instituições financeiras internacionais para atribuir mais "voz, vez e voto" aos países em desenvolvimento, sob a ameaça de não disporem dos mecanismos adequados para enfrentar a crise.

Justificativa

Estudo da União Européia prevê que o Brasil consolidará sua posição de "exportador gigante" de produtos agrícolas até 2017.

O Brasil terá o domínio nas vendas de oleaginosos, açúcar, etanol, carnes bovina e de frango.

Eis por que o Brasil é estratégico para o poder real mundial.

Confira abaixo as Rapidinhas Políticas e as Rapidinhas Econômicas

Leia o artigo de Maria Lucia Barbosa: OBA, OBA, OBAMA

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 11 de Novembro de 2008.

Um comentário:

Mario disse...

"(...) e criarmos um novo consenso em que o ser humano (...)"

O vagabundo cachaceiro está atrasado e desinformado. Esse "consenso" já existe e até ONGs como a ACORD (http://www.acordinternational.org/) que, com métodos terroristas, com a militância do Obama, fizeram com que bancos e financeiras financiassem casas para "sem tetos nem cents", causando o rombo de 3 BI dólares no sistema financeiro mundial.

Ao vagabundo cachaceiro: não foi a especulação que causou a crise.