sábado, 29 de novembro de 2008

Pressão na Justiça pretende forçar Marcos Valério a negociar delação contra os bandidos do mensalão

Edição de Sábado do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão


O cerco apertado contra Marcos Valério Fernandes de Souza é apenas um jogo de pressão para que o publicitário sinta o golpe, fique com medinho e negocie uma delação premiada bem vantajosa para contar tudo que sabe sobre o mensalão e os mensaleiros. Agora, a Justiça Federal em Santos abriu processo contra Marcos Valério e mais dez pessoas, a maioria policiais e ex-policiais.

Ainda hospedado na Penitenciária de Tremembé, onde ajuda no trabalho da lavanderia (que ironia), Valério nega que tenha participado da corrupção dos policiais. Valério responderá pelo crime de formação de quadrilha. Outros empresários e advogados denunciados responderão também por corrupção ativa, denunciação caluniosa e tráfico de influência. Já os servidores públicos envolvidos são acusados de corrupção passiva e crimes funcionais, como violação de sigilo funcional.

Todos foram detonados pela pela Operação Avalanche por forjar um inquérito na Delegacia de Polícia Federal contra dois funcionários da Receita responsáveis por uma multa de R$ 104,54 milhões à Praiamar Indústria, Comércio e Distribuição. A empresa do grupo Cervejaria Petrópolis foi punida por sonegação de impostos estaduais e ICMS. O time de Valério teria sido contratado pela cervejaria, que fabrica a Itaipava, para desmoralizar fiscais da Receita. Valério nega. A empresa, também.

O destino de Valério gera tensão para os mensaleiros. Não se sabe até quando vai durar o silêncio do acusado de ser o operador financeiro do mensalão. Se Valério abrir a boca, o que tem a revelar tem tudo para comprometer o desgoverno Lula. Até agora, a operação abafa funciona perfeitamente. Fenômeno normal, quando a cumplicidade é geral.

O caso do mensalão se arrastará no STF por anos a fio. E, no final, pode acabar em pizza. Afinal, a Sociedade do Crime Organizado funciona perfeitamente no Brasil.

Teatrinho do João Minhoca

O presidente Henrique Meirelles, presidente do Banco Central (BC), e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, encheram o saco dos banqueiros na confraternização da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), quinta-feira, em São Paulo.

Os dois reclamaram que o crédito continua caro, apesar das flexibilizações do governo em relação ao compulsório.

Tudo não passa do maior jogo de encenação, já que governo e banqueiros são parceiros na política econômica brasileira de juros altos, crédito caro, impostos elevados e gastos públicos sem controle.

Quem paga a conta da farra dos banqueiros e do desgoverno é a sociedade...

Ingleses em todas...

“Trabalhando junto e sempre entregando vantagem”, o banco inglês Rothschild deu uma mãozinha na fusão do Itaú com o Unibanco referendada ontem pelas Assembléias gerais dos dois bancos.

E não foi apenas pela forte reputação como assessor privado de fusões & aquisições que o banco inglês.

Os Rothschild foram parceiros do Unibanco no lucrativo negócio da exploração e exportação subfaturada de nióbio – uma das maiores perdas internacionais impostas ao Brasil.

Na avaliação do Unibanco, os Rothschild atuaram junto com o Morgan Stanley e o Hirashima & Associados.

Insistência contra Dantas

O juiz federal Fausto De Sanctis deverá decidir na próxima semana se aceita ou não o terceiro pedido de prisão, feito pela Polícia Federal em cinco meses, contra o banqueiro Daniel Valente Dantas.

Agora, o delegado Ricardo Saadi alega que ele continuou a praticar os crimes dos quais é acusado: gestão fraudulenta do banco Opportunitty, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

O poderoso DVD, investigado na Operação Satiagraha, foi preso duas vezes em junho, porém solto duas vezes por decisão do ministro Gilmar Mendes e da corte do STF.

Sem consultar ninguém...

A direção da Caixa Econômica Federal não consultou seus auditores para liberar os R$ 2 bilhões para a Petrobras em fins de outubro.

O valor do crédito dado à Petrobras é maior do que o R$ 1,66 bilhão liberado pela Caixa para saneamento e infra-estrutura em todo o terceiro trimestre e praticamente um terço do total destinado à habitação entre julho e setembro deste ano.

Antonio Augusto de Miranda e Souza, presidente da associação de auditores da instituição, criticou o modo como o negócio aconteceu:

"Este é o maior empréstimo individual dado pela Caixa até hoje. Foi uma operação singular, inclusive pela forma de divulgação".

Consolo para o EB

O desgoverno arranjou um jeito de liberar uma graninha para reforçar o orçamento combalido do Exército Brasileiro.

Os batalhões de engenharia do EB são convocados para tocar boa parte das obras do Plano de Aceleração do Crescimento – famoso PACo.

Assim, o desgoverno achou a válvula de escape para dar vazão ao cronograma de continuidade das obras, ameaçado pela crise econômica e por acusações de irregularidades no Tribunal de Contas da União.

Chega de segredinho

A turma de Lula dá mais uma senha para a abertura dos arquivos dos tempos do governo militar.

O governo finalizou projeto de lei que reduz (de 30 para 25 anos) o sigilo de documentos públicos considerados sensíveis.

O órgão que quiser man­ter um papel indefinidamente sob sigilo terá de se justificar a uma comissão.

A novidade pode ser anunciada no dia 13 de dezembro, quando a edição do Ato Institucional nº 5, o AI-5 completa 40 anos.

Dólar subindo

O dólar já subiu 48,5% desde a mínima, registrada em 1º de agosto, a R$ 1,559.

O dólar comercial fechou ontem a R$ 2,313 na compra e R$ 2,315 na venda, alta de 1,49%.

Nas intervenções de ontem, o Banco Central ofertou swap cambial com vencimento em fevereiro, mas o mercado aceitou apenas 650 contratos do lote de 6 mil.

Tal operação movimentou US$ 32 milhões, e não segurou a alta do dólar.

Bolas de cristal

Otimistas no mercado já falam em dólar, no fim do ano, entre R$ 2,45 a R$ 2,47.

Mas há realistas afirmando que a moeda norte-americana pode chegar, fácil, a R$ 3.

O certo, até agora, é que o Banco Central, apesar das aparências, não tem controle mais dessa situação cambial.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 29 de Novembro de 2008.

3 comentários:

Anônimo disse...

Valério falar? Me engana...! Se abrir o bico, morre! Ou então fique acreditando que os caras passam a mão na cabeça de quem possa abalar o império totalitário. O capimunismo tá fechadinho. E vivemos um momento de involução catastrófica para o espítito civilizatório.

Anônimo disse...

Se Valério falar,vai ficar viúvo, e sem filhos.

Bandido não perdoa quem delata

Anônimo disse...

Ele vai falar sim,, Vai dizer que é inocente . ha..ha..ha...