sexta-feira, 30 de abril de 2010

Decisão do STF que mantém Lei de Anistia corre risco de contestação na Corte Interamericana de Direitos Humanos

Edição do Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alerta – www.fiquealerta.net (atualizado nesta Sexta)

Por Jorge Serrão

Apesar da bravata ideológica de um ministro e de um outro voto também contrário de outro muito amigo do ocupante do Palácio do Planalto, a maioria esmagadora do Supremo Tribunal Federal bateu o martelo de que a Lei de Anistia de 1979 é para valer. Por sete votos a dois, o STF arquivou a ação da Ordem dos Advogados do Brasil que contestava a Lei de Anistia. Fica vedada a possibilidade de processar acusados de tortura ou quem foi acusado de cometer crimes também hediondos de terror, assassinatos, seqüestros e “justiçamentos” contra agentes do governo.

Mas a soberania da Suprema Corte brasileira pode estar ameaçada pela onda do globalitarismo. A decisão tomada ontem sobre o alcance da Lei de Anistia pode ser rediscutida na ONU. Está marcada para o próximo dia 20 de maio uma audiência contra o Brasil na Corte Interamericana de Direitos Humanos. O País é réu em uma ação de responsabilidade contra o Estado e os militares, sob acusação de detenção arbitrária, tortura e desaparecimento forçado de integrantes da pretensa “Guerrilha” do Araguaia. O movimento armado do PC do B foi sufocado pelo Exército nos anos 70.

No julgamento de ontem, os ministros Cezar Peluso, presidente da Corte, Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Ellen Gracie, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes acompanharam o voto do relator, ministro Eros Grau, pela manutenção da Lei de Anistia. Já os ministros Ricardo Lewandowski e Carlos Ayres Britto votaram a favor da ação da OAB. Não participaram do julgamento os ministros Joaquim Barbosa, que está de licença médica, e José Antonio Dias Toffoli, que se declarou impedido por ter emitido parecer pela manutenção da Lei da Anistia quando era da Advocacia Geral da União (AGU).

Sem querer alimentar uma crise militar gratuita, ou então uma decisão do STF que pudesse se voltar contra seus integrantes e aliados que agiram com terror nos tempos da dita-dura, o governo federal apresentou no julgamento posição amplamente favorável à Lei da Anistia. O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, ponderou que todos compartilham do sentimento de "aviltamento moral e físico" aos atos da ditadura. Luis Inácio, com s, ponderou que a anistia é fruto de um acordo político firmado entre militares e civis num momento em que a prioridade era devolver a democracia ao País.

Tara

Carlos Ayres Britto votou pela revisão da Lei de Anistia e a possibilidade de punir agentes do Estado que praticaram crimes comuns, como os de tortura, durante o governo dos presidentes militares (1964-85).

Para Ayres Britto, a lei não foi "ampla, geral e irrestrita, mas sim relativa", e disse que não é possível ser condescendente com torturador.

"O torturador não é um ideólogo. Ele não comete crime de opinião, portanto, não comente crime político. É um monstro, um desnaturado, um tarado."

Argumentos

Gilmar Mendes, ex-presidente do STF, foi claro: “A anistia ampla geral e irrestrita representa o resultado de um compromisso que tornou possível a própria ordem constitucional de 1988”.

Cármen Lúcia acrescentou que não dava para reinterpretar a Lei de Anistia, 31 anos depois, porque os termos da lei são repetidos na Emenda Constitucional 26.

Ellen Gracie segui a mesma linha de interpretação da lei: “Não é possível viver retroativamente a história nem se deve desvirtuá-la”.

Justiçamento

Os ministérios da Defesa, Nelson Jobim, e das Relações Exteriores, Celso Amorim, concordam com a posição

A decisão do STF é uma derrota para o espírito revanchista da Secretaria de Direitos Humanos, do ministro Paulo Vannuchi, e do Ministério da Justiça que defendem a responsabilização de agentes públicos acusados de tortura durante o regime militar.

Os revisionistas agora vão forçar a barra para que mecanismos multilaterais de pretensa justiça histórica anulem a decisão do STF.

E o Cabo Anselmo?

Será que com a decisão do Supremo Tribunal Federal, finalmente, o único exilado forçado do regime pós-64 terá direito à anistia já concedida a todos os demais personagens da história?

José Anselmo dos Santos, o marinheiro Anselmo, espera que a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, no mínimo, lhe referende a anistia.

Anselmo luta, agora, por algo surreal: pediu, e a Justiça já determinou, que sejam expedidos seus documentos de identidade.

Só que o governo inventa embaraços burocráticos para não cumprir a determinação judicial.

Vida que segue...

Ave atque Vale!

Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Abril de 2010.

5 comentários:

Anônimo disse...

O lema - Libertas que serás também libertado - parece que cai como uma luva neste momento, sacramentado pelo STF.
Laços fora soldados. E deixem o passado em paz com os seus mortos.

O futuro não pode ser traduzido como um instrumento para a morte. Futuro é, e sempre será, momento para a vida. E vida em abundância...

Martim Berto Fuchs (64) disse...

O lamentável em tudo isso, é que ninguém aprende ou então fecha os olhos. Capitalismo selvagem e comunismo burro, são lados da mesma moeda. Parece que nenhum dos dois procura uma alternativa. Estão sempre se espezinhando, se culpando, fazendo todo mundo perder um tempo que poderia ser empregado em coisas mais úteis.
Os esquerdistas brasileiros clamarem contra a tortura que houve no Brasil, mais parece piada. Se os militares não tivessem intervido, aí sim é que veríamos o que é tortura e desaparecimentos. Teriam superado até os desaparecidos na Argentina.
Por outro lado, cada vez que a direita assume as rédeas, volta às velhas práticas. Tudo para ela. Se sobrar alguma migalha, os outros podem fazer seu banquete.
Resultado, dão corda para as esquerdas berrarem e se manterem vivas. Em ambos os casos, como diria uma ex-Ministra, o povo é apenas um detalhe.

Anônimo disse...

Sou contra a ingerência de qualquer organismo internacional nos assuntos internos.
Basta de Nova Ordem Mundial, etc...

Anônimo disse...

OS ACONTECIMENTOS DOS ANOS 60 NO BRASIL E MUITO COMPLEXO

MAS A VERDADE TEM QUE SER DITA ,

OS MILITARES LIVRARAM O PAIS DA ESQUERDA FESTIVA , QUE QUERIAM IMPOR AO BRASIL O REGIME CUBANO.

Mujahdin Cucaracha disse...

Não sabia sobre a frase do sr Ayres Britto. Então quer dizer que assaltar bancos e empresas, sequestrar, matar, colocar bombas e outras "proezas" foram crimes políticos, isto é, "crimes de OPINIÃO"? Me dá vontade de cometer uma "opinião" sinistra a respeito de tão ilustre "ideólogo".