sábado, 31 de julho de 2010

Ameaça de Perda da Amazônia Brasileira

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Marcos Coimbra

Há muito tempo, neste espaço, bem como em nosso livro Brasil Soberano, em especial no seu capítulo 19, temos denunciado o real perigo de perda de parte do território nacional, em especial da Amazônia. A criminosa e traiçoeira demarcação das áreas indígenas Ianomâmi e Raposa/Serra do Sol, a assinatura, em 13 de setembro de 2007, da Declaração Universal dos Direitos dos Indígenas, aprovada pela ONU, com o voto favorável da representação brasileira e a crescente ação e reconhecimento, por parte das autoridades brasileiras, dos pretensos direitos dos quilombolas”, não são casuais.

Fazem parte de um maquiavélico plano oriundo do exterior e aplicado pelos sicários a seu soldo. A partir daí a demarcação de terras indígenas assume o estágio de reservas indígenas , representando a última posição para transformação em nações indígenas. Ainda mais considerando que existe, no caso dos Ianomâmis, uma vasta região para eles, na faixa de fronteira contígua entre Venezuela e Brasil.

É evidente que não vamos perder a Amazônia de uma vez, com a direta intervenção militar de um país ou de um grupo de nações interessadas nas incomensuráveis riquezas existentes na região. A ação será efetivada como está sendo feita, de forma solerte, aos poucos, progressivamente, através da quinta coluna instalada até em órgãos governamentais, com a cumplicidade de autoridades governamentais enquistadas nos três poderes da República.

O exemplo da “balcanização” da Iugoslávia e o recente reconhecimento pela ONU da independência do Kosovo abrem os precedentes perigosos. Muitas lideranças mundiais não aceitam o fato de o Brasil possuir mais de 8.500.000 km², sendo ainda detentor de recursos naturais abundantes e vitais, cobiçados por outros países, da ordem de trilhões de dólares.

Uma maneira ardilosa de alcançar seus objetivos nefastos é proceder como estão fazendo. Criando conflitos étnicos, por intermédio da racialização, discriminando brasileiros, em função da cor da pele, gerando as sementes de conflitos nunca antes existentes no país, exemplo de democracia racial para o mundo.

Jogando brancos contra negros, negros contra índios e estes contra os brancos, com a imposição de cotas e a aprovação de um estatuto da igualdade social, que é de fato gerador de desigualdades sociais, atingindo violentamente o branco pobre. Incentivam o choque de fiéis de diversas religiões. Glorificam o homossexualismo.

Provocam idéias separatistas em um país como o nosso, que tem apenas uma língua, sem conflitos sérios até agora, de qualquer ordem, como os existentes nos demais componentes dos BRICs. Em suma, pretendem dividir, acabar com a Paz Social para obter a desintegração do Patrimônio Nacional.

A quem interessa este caos? Nossas crianças estão saindo analfabetas funcionais após nove anos de estudo, sem conhecer elementos rudimentares de matemática e da língua portuguesa. Qualquer educador sabe que o ensino fundamental é vital e seu fortalecimento é indispensável para um sadio e promissor desenvolvimento do educando, não só no ensino médio, como também no superior. E a solução vai ser obrigar os alunos a estudar sociologia, filosofia e história da África, quando nem escrever corretamente sabem.

O jornalista Jorge Serrão em seu blog do dia 26.07.10 informa: “O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República não vai se pronunciar oficialmente sobre um relatório reservado que recebeu da Agência Brasileira de Inteligência, advertindo sobre a real possibilidade de quebra da integridade do patrimônio nacional, com o movimento para a criação de um Estado indígena independente em Roraima. A mídia amestrada pelas verbas públicas do governo e suas estatais recebeu orientações do Palácio do Planalto para omitir do noticiário ou não jogar uma carga editorial pesada sobre o assunto. Os militares da ativa também devem manter silêncio obsequioso sobre o caso. No relatório, a Abin adverte ao GSI que governos estrangeiros e ONGs têm interesse e dão apoio ao Conselho Indígena de Roraima em sua ação para defender, abertamente, a ampliação e demarcação de outras áreas indígenas”.

A Abin destaca, no relatório, que a Intenção do CIR é transformar a reserva Raposa do Sol no primeiro território autônomo indígena do Brasil. A Abin teme que o próximo Congresso (ou o atual, a toque de caixa, no apagar das luzes) ratifique a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, assinada em 2007, pelo governo brasileiro, na ONU, que dá status de “independência” aos territórios indígenas”.

E acrescenta: “ que a Polícia Federal investiga possíveis abusos de violência, invasão a residências, prisões ilegais, tortura e até homicídios praticados pela milícia indígena(!!!!!!!!) auto-intitulada “Polícia Indígena do Alto Solimões (Piasol)”. E mais: “O próprio Exército, a Abin e a Polícia Federal também investigam uma suposta ligação dos indígenas com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que já estão no fogo lento do debate na sucessão presidencial, pelas ligações do PT com o Foro de São Paulo, organismo que simpatiza com os narcoguerrilheiros colombianos. No Palácio do Planalto, a ordem gerada pelo Ministério da Defesa para o Forte Apache é que o Comando Militar da Amazônia não intervenha”.

Estes informes são, em grande parte, validados por um experiente militar da área de inteligência, combatente de elite e analista com vasto conhecimento do assunto, inclusive por ter servido na região em posição de destaque, a quem não nomeamos por razões óbvias. Urge que todos nós, brasileiros, além de divulgar estes fatos, lutemos para impedir sua concretização. Afinal, o Brasil é dos brasileiros!

Caso permaneçamos indiferentes, ausentes, medrosos, nossos filhos terão o direito de cobrar-nos: Por que não fomos capazes de, além de doar nossas vidas em defesa do que recebemos dos nossos antepassados, dar-lhes razão para continuarem a viver desfrutando de todas estas valiosas benesses, capazes de garantir ao nosso país uma posição de destaque no cenário mundial?

Marcos Coimbra, Conselheiro Diretor do CEBRES, é Professor de Economia e Autor do livro Brasil Soberano. www.brasilsoberano.com.br - mcoimbra@antares.com.br

Nenhum comentário: