terça-feira, 7 de setembro de 2010

A Morte da Independência


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão

Tecnicamente, aqui no Brasil, hoje devia ser comemorado o Dia da Mentira. Independência? Perdão, mas esta é legítima piada de português. O feriado de hoje, que devia ser celebrado em Primeiro de abril, é um legítimo estelionato histórico. Infelizmente, o Brasil é uma rica colônia de exploração, mantida artificialmente na miséria por poderes globalitários, porque o povo daqui não sabe ou encontra um meio de exercer sua soberania.

Patriotismo é a consciência do amor à Pátria. Tal virtude até existe por aqui. Mas é manifestada de maneira espetaculosa, quase carnavalesca. E não em sua necessária expressão política. Não manifestamos, devidamente, nossa vontade nacional. O Brasil é cada vez mais dependente da Oligarquia Financeira Transnacional. Somos uma nação refém do esquema globalitário do crime organizado (claramente exposto no organograma acima).

Mestre Adriano Benayon do Amaral, autor da obra de leitura obrigatória “Globalização versus Desenvolvimento” (editora Escrituras, 2005 - ISBN-10: 857531162X), faz um preciso comentário sobre nosso artigo de domingo A Mola-Mestra da "oposição", e confirma como o crime opera por aqui, na crise entre os três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário):

“No sistema político e econômico em que um país é controlado fundamentalmente por grupos financeiros estrangeiros, todos os ditos poderes internos são corruptos: não se trata, portanto, de um poder corrupto, o executivo, controlando os outros dois. Deve-se, a meu ver, assinalar também que, sob esse sistema, o povo brasileiro tem sido vítima, crescentemente, há séculos, e mais intensamente desde o final da Segunda Guerra Mundial, da deseducação, da falta de patriotismo e da ignorância impostos por esse sistema”.

“Ou seja: os poderes são corruptos, mas não porque isso reflete as deficiências do povo. Os poderes foram sendo gradativamente ocupados por interesses das oligarquias externas, por meio da corrupção direta, e o povo foi sofrendo o processo de gadificação por imposição dessas oligarquias, com a conivência e a colaboração cada vez maior da classe política corrompida”.

Em termos econômicos, o Brasil caminha para uma desindustrialização, em meio a um processo incessante de especulação financeira, no entra-e-sai do capital motel. Nada custa seguir a recomendação de Eduardo Pocetti, Ceo da BDO, em artigo logo abaixo: “Os responsáveis pelo direcionamento da política econômica do futuro governo devem prestar atenção nos motivos que fazem da China a maior fábrica do mundo, e da Índia, a produtora universal de softwares, enquanto o Brasil se posiciona essencialmente como um importante fornecedor de matérias-primas”.

No feriado de 7 de setembro, descanso, literalmente, PT da vida. A morte da nossa independência não merece comemoração. Ao contrário do que prevê o futurólogo Tiririca, a coisa ainda tende a ficar política e economicamente pior. Côo diz um caboclo amigo meu, vamos aguardar serenamente...

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 7 de Setembro de 2010.

6 comentários:

Anônimo disse...

Caro Serra Grande.
A REAL e definitiva data de comemoração da independencia do Brasil, ocorreu na Bahia, quando Gel. Labatut (um mercenário) efetivamente expulsou as tropas portuguesas do Brasil no dia DOIS DE JULHO, eis que tal data é comemorada na Bahia...

Humberto Pinto disse...

Ilustre Jornalista
JORGE SERRÃO

O processo degenerativo político brasileiro está dando sinais de exaustão.
A história se repete e os elementos de defesa da soberania estão começando a sair da letargia.
A corrupção não mata a seiva da liberdade.
Humberto Pinto Cel

Anônimo disse...

Não é só o caso do Brasil estar se tornando um forncedor de matérias-primas. O país também está se transformando em um gigantesco cartório, com reservas de mercado de trabalho que se expandem cada vez mais, fechando as portas para a população.

Anônimo disse...

deu em o globo
Lula rebaixa a cidadania

De Merval Pereira

O mais espantoso na atuação do presidente Lula no episódio das quebras múltiplas de sigilo fiscal de pessoas ligadas ao PSDB, até mesmo a filha do candidato tucano à Presidência da República, é como ele manipula seus seguidores, explorando-lhes a boa-fé e, sobretudo, a ignorância.

José Serra lamentou que Lula tenha “debochado de coisa séria” quando fez análises nada republicanas sobre o episódio. Segundo o presidente, em cima de um palanque, o episódio não passa de “futrica”, e o candidato do PSDB “está nervoso” com a previsão de derrota e está usando sua família “para se fazer de vítima”.

Seriam comentários ofensivos à cidadania, partidos de um presidente que deveria ser imparcial quando o assunto são as garantias dos direitos individuais dos cidadãos, sejam eles petistas ou não, lulistas ou não.

Mas o mais grave, do ponto de vista da manipulação do eleitorado, está na frase que jogou no ar como se fosse um desafio: “Cadê esse tal de sigilo que ninguém viu?”

O presidente Lula se utiliza assim da dificuldade que o brasileiro comum tem de compreender os meandros da disputa política, muito mais quando se trata de questões técnicas ligadas a computadores e senhas eletrônicas, para tentar desmoralizar a questão, reduzindo-a a uma “futrica” de perdedor.

Se o tal do “sigilo” não apareceu, é porque não existe, quer levar a crer o nosso nada republicano presidente.

É conhecida a piada que circula entre os petistas segundo a qual Lula teria dito que essa questão de dossiê não abala seu eleitorado, pois eles não sabem o que quer dizer a palavra, e muitos a confundem com “doce”.

Há também o raciocínio segundo o qual como apenas 40 milhões de brasileiros de- claram o Imposto de Renda, a imensa maioria dos eleitores não estaria preocupada com o assunto.

Para se ter uma noção do que esse raciocínio perverso embute, dos 130 milhões de eleitores, cerca de 60% são formados por analfabetos, analfabetos funcionais ou pessoas que não completaram o ensino fundamental.

Ora, a esta altura dos acontecimentos, todo cidadão de boa-fé e minimamente informado sabe que os dados colhidos em diversas instâncias da Receita Federal, em várias partes do país, estão espalhados em diversos documentos que circularam no comitê da candidata oficial Dilma Rousseff.

Não foram usados formalmente, nem nunca seriam, pois trata-se de material ilegal. Mas estão sendo espalhados há muito tempo em diversos blogs e continuam sendo usados com insinuações contra as vítimas dos atentados.

A própria candidata Dilma Rousseff, abusando da inteligência de seus interlocutores e seguindo por um caminho perigoso, insinuou em entrevista coletiva que os dados levantados sobre Verônica Serra seriam usados por membros do próprio PSDB contra Serra, que àquela altura ainda disputava com o ex-governador de Minas Aécio Neves a escolha do partido para concorrer à Presidência da República.

Os petistas engendraram uma pseudoexplicação que culpa a vítima, e Dilma se en-carregou de tornar essa intriga em fato de campanha na sua entrevista.

A disputa entre Serra e Aécio seria a verdadeira origem do tal dossiê, que eles negavam existir e agora, diante das evidências, querem jogar no colo de Aécio Neves, numa mesquinha tentativa de confundir os eleitores.

Mais uma vez coube à chamada grande imprensa, para ódio dos governistas e seus blogueiros chapas-brancas, demonstrar que essa versão não se sustenta.

guerreira disse...

Triste comemorarmos a independência do Brasil de Portugal, quando nos tornamos dependentes dos chavismos e cubanismos e o capital que vale, Serrão, é mesmo o que você tão bem citou. Vou também descansar neste começo do anoitecer. Excelente artigo, como sempre, Grande Serrão!!!

Fusca disse...

Excelente análise. Matéria para arquivo. Não esquecer. Abaixo a ditalulla. Se o PT fosse partido e não facção, seria tudo diferente. Não nos enganemos com essa gente.