terça-feira, 28 de setembro de 2010

Subida de Marina preocupa quadrilheiros

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Márcio Accioly

Na reta final de mais uma insossa eleição presidencial, fica bem claro o seguinte: nem José Serra (PSDB-SP) consegue adocicar o pouco exigente paladar da grande maioria, nem a candidata dos aloprados (guerrilheiros fracassados e combatentes desmoralizados), consegue se firmar como alternativa a que não se torça o nariz.

No meio desse imprensado quem cresce é Marina Silva (PV). E os mais atentos já conseguem enxergá-la no segundo turno. Mesmo sabendo ser daquelas contadas nos dedos, fiel seguidora do vigarista ex-vice-presidente norteamericano Al Gore e sua fajuta teoria de aquecimento global. Prova de que todos querem mesmo mudar.

Para quem não acompanha a questão ambiental (Marina se entende das mais credenciadas na abordagem), deve-se dizer que a Terra está esfriando. Os próximos invernos mundo afora vão ser de rachar o cano.

Nova York, por exemplo, poderá alcançar 57 graus negativos neste inverno ou no outro. Arriscado afirmar tal coisa? Só nos resta aguardar e viver o suficiente para comprovar. Pois Marina é de santa ingenuidade a acreditar em tudo. Se o sujeito não domina o assunto em que diz ser batuta, imagine o que ainda está por vir.

Como é que se acredita ser possível mudar o clima, assim como quem regula a chama no fogão? Quer baixar para 18 graus? Bota a população mundial a soprar na superfície do planeta. Quer aumentar o calor um pouquinho? Corta umas árvores na periferia e põe mais dez mil automóveis a circularem. Isso é Copenhague 51.

Uma simples explosão de um vulcão coloca dióxido de carbono na atmosfera que corresponde a todos os veículos do mundo juntos, funcionando por milhares de anos. As pessoas têm mania de Deus e crêem ter descoberto como tudo deve ser feito. A cada avanço da ciência eles vão se adequando e ajustando o mundo a bel-prazer.

Mas o que ocorre com Zé Serra? Não convence a mais ninguém! E não se culpe o fato de ter assinado documento assegurando que não iria renunciar à Prefeitura de São Paulo para logo desmentir. Nem se credite à recente entrevista do ex-presidente FHC (1995-2003), atestando a vitória de Dilma e se achando o supra-sumo.

Ele já nem deve mais lembrar o ex-sócio (depois ministro, Sérgio Mota), que falou em “masturbação” sociológica em aparente irritação com as cercanias do então presidente. FHC é aquele que o Criador mandou para este planetazinho insignificante, somente para remendar falhas por Ele admitidas.

A Dilma, já se tem apontado, possui vácuo enorme no juízo. Ex-proprietária de loja de variedades, de R$ 1,99, faliu! Aí, foi se arrumar no Estado, pois lá dentro não há perigo. Dom Luiz Inácio a carregou pelo país e somente a Justiça Eleitoral não viu.

No inegável bordel Brasil, produto da estrutura televisiva, Dilma cresceu e pontificou, saiu a falar de gestão em que se mostrou planejadora e executora, até que seu braço direito, Erenice, recebeu a Grã-Cruz da Ordem do Rio Branco e prosseguiu desandada a cometer delitos.

Mais tarde, foram descobertos tantos parentes de Erenice alojados no grosso e no varejo pelo Estado, que o genial Millôr Fernandes constatou ser a ex-ministra a própria bolsa-família!

Dom Luiz Inácio é pura preocupação. Não quer entregar o ouro ao bandido (sem trocadilho), colocado fora dos arranjos. Os rombos existentes na sua administração são de alto teor explosivo. Nada se junta com nada. É impensável não sintonia.

À população só resta esperar que alguém finalmente faça alguma coisa e promova ajustes indispensáveis sem tanta sede que esgote a água do pote. É assim como esperar a materialização de bem-sucedido conto de fadas.

Márcio Accioly é Jornalista.

Nenhum comentário: