terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Segredinhos diplomáticos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

O Wikileaks continua abrindo os "segredos" diplomáticos das relações americanas com o mundo. Em documento do Departamento de Estado, datado de 2009, as embaixadas são orientadas para relacionar as empresas espalhadas pelo mundo, contra as quais, um possível atentado terrorista resultasse em danos significativos para "a saúde pública, a segurança econômica e/ou a segurança nacional dos EUA".

Até há pouco, o "sistema" passava para consumo do povo americano e do planeta, a imagem de uma legítima preocupação com a democracia e o "american way of life", que muita gente confunde com simples consumismo. Segundo o entendimento de estudiosos importantes, o modo de vida americano tem tudo a ver com a liberdade do indivíduo, o que se expressa na Carta de Direitos e na Constituição.

O cristianismo e as orientações de seitas secretas, presentes desde a fundação dos EUA, prezavam a liberdade como o maior dos valores e isto fez com que a iniciativa dos cidadãos e seu envolvimento amoroso com a nação, resultasse na sociedade mais rica e livre do planeta. Isto implica em poder. Isto implicou em explorar e defender riquezas fora do território.

Isto implicou em defender as concessões, alianças militares e na crença por fim difundida, de que os militaristas e serviços secretos que sustentavam o poder americano, se haviam tornado polícia do mundo, impondo seu modo de vida aos povos deseducados e selvagens. A justificativa era defender os valores democráticos. Agora, pelo que vemos tudo mudou. E não foi de repente. Mas nem os americanos perceberam o que seus governantes faziam por baixo do pano.

Agora ficou clara a defesa dos valores materiais: laboratórios na Europa, minas da África e no Brasil cabos submarinos, minas de ferro e manganês em Goiás, e o nióbio que sai de Araxá, Minas Gerais, exportando 95% da demanda mundial, a preço de banana, cotado na bolsa de Londres. O minério sai de avião! É matéria prima na construção de satélites, naves espaciais e instrumental cirúrgico de ponta.

Depois que o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), órgão do Ministério de Minas e Energia, identificou o maior depósito de nióbio do mundo, na Amazônia, foi criada a Reserva Indígena Balaio. "Aliás, antes mesmo de criar a reserva indígena foi criado um parque nacional sobre o depósito, para impedir seu estudo. A quem interessa isso? (...) Grande parte da porção brasileira da Bacia do Tacutu está dentro da área da reserva indígena Raposa Serra do Sol. Ou seja, como se não bastasse haver nióbio, tântalo, ouro e diamantes, na Raposa Serra do Sol também tem petróleo e/ou gás." Mais detalhes estão no trabalho de Rebecca Santoro, no:http://www.freewebs.com/imortaisguerreiros/artigosrebeccasantoro.htm

Os brasileiros nem desconfiam do que aqui se faz por debaixo do pano e quanto lixo se esconde embaixo dos tapetes. Falta o essencial: a informação verdadeira. Falta a liberdade para investigar e faltam os instrumentos para que cada cidadão possa exigir o cumprimento das leis por todos, sem exceção, sem privilégios, nem mesmo aqueles que blindam os representantes em seu clube congressual. Ou os presidentes, ministros e personalidades da corte. Falta-nos esta liberdade e justiça!

Os propósitos da nova ordem mundial, já mobilizam os cidadãos americanos mais esclarecidos e já foi exposta no Parlamento Europeu. Uma elite tradicional que tem estado presente e decidindo em todos os tempos com presença no Congresso, no Governo, na Onu, nas Fundações, nas Universidades, nas Forças Armadas, no Sistema Jurídico, privilegia as mega empresas e os bancos que dominam toda a economia dos EUA no mundo.

Estes mesmos homens e bancos, financiaram todas as guerras, a União Soviética e a Alemanha de Hitler. Pior os caminhões que circulavam pela trilha Ho Chi Minh eram fabricados na fábrica da Fiat russa, financiada pelo Chase Manhathan. O governo americano hoje, como expõe o Wikileaks, defende como segurança nacional, os interesses destes homens e destes bancos. Os valores democráticos ficaram num segundo plano.

Para aqueles empersários o estado grande, o povo emburrecido, os compromeimentos com as dívidas externas, são importantes para atingir suas metas de controle total. Mas nem tudo dá certo. O povo já começa a tomar consciência. Wikileaks e dezens de outros cidadãos, através de livros e da internet, you tube e outras organizações, ajudam a barrrar as intenções escabrosas. Daí a necessidade do estado censurar a livre opinião do pensamento e da informação, por todos os meios.

Aqui, estamos seguindo o catecismo direitinho, como bons assimilados pelo novo mundo onde a economia é liderada por homens que objetivam a super pátria controlado, unificando o mundo que já pertence às mega empresas, sob o controle de governos que copiam o modelo do estado totalitário.

Saber, já é o primeiro passo para divulgar e reagir.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

3 comentários:

Anônimo disse...

"O cristianismo e as orientações de seitas secretas, presentes desde a fundação dos EUA, prezavam a liberdade como o maior dos valores e isto fez com que a iniciativa dos cidadãos e seu envolvimento amoroso com a nação,..."

Não sei o que é pior: A "NOVA ORDEM MUNDIAL" querer dominar o mundo ou pessoas que se dizem informadas que parecem fazer jogo duplo.

O verdadeiro cristianismo não se junta a sociedades segretas senhor Arlindo!

De onde o senhor tirou isso?

É o que parece!

É claro que os Estados Unidos desde a sua fundação está aliada com sociedades secretas, mas é para o mal da sociedade.

Ou você acredita que existem sociedades secretas boazinhas.

Renato

Montenegro disse...

Renato, qual era a religião dos colonizadores dos EUA? Qual a religião predominante até hoje nos EUA? Atribuo o senso de amor à liberdade, valor maior dos cidadãos americanos, à ação cristã. O mesmo discurso e orientação era incutido pelas "seitas secretas" em que atuavam pastores protestantes. Concordo com você, nada secreto é para o bem ou para o bom.

Anônimo disse...

Senhor Montenegro, qual é o seu problema?

Cristianismo junto com sociedades secretas!

De onde você tirou isso?!

Se o protestantismo americano tem um histórico de ligação com sociedades secretas, com certeza eles tem um falso cristianismo!

Liberdade não é discutir com o erro, e sim CONDENAR O ERRO.

Renato