domingo, 28 de fevereiro de 2010

Créeeeeeeeeeeeeeeeeeuuuuuuu, velocidade 5...

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão

Os impostos e contribuições – injustos e elevados – serão o grande tema a ser explorado pelo candidato de oposição que quiser ganhar a eleição presidencial deste ano. Pesquisas reservadas, encomendadas por partidos políticos para consumo interno, constatam que a violenta carga tributária no Brasil é percebida pela opinião pública, de todas as classes sociais, como um dos principais problemas. A (falta) de segurança pública – ou os efeitos da violência – aparece logo em seguida como outro ponto a ser atacado.

Eis a grande armadilha para os principais candidatos favoritos à sucessão de Lula. Dilma Rousseff, José Serra ou Ciro Gomes terão imensas dificuldades em tratar do problema dos impostos. Os três estão muito próximos e dependentes da máquina estatal – aquela que o antropólogo Darcy Ribeiro dizia que foi feita, no Brasil, como uma moenda para moer gente. O equipamento tupiniquim, além de triturar, também rouba o cidadão. Promove a extorsão do imposto, taxa e contribuição, sonegando aos brasileiros a contrapartida do que é pago no maior sacrifício.

O discurso de “Estado forte”, ensaiado por Dilma Rousseff, é uma tragédia de marketing. Só é interessante na visão obtusa dos discípulos do camarada Josef Stalin – grande ícone do planejamento totalitário da cada vez mais viva União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. O Brasil precisa de um Estado justo e democrático – não o modelo que está aí, “moendo gente”, embora dê bolsas famílias para fazer uma média com os mais pobres e realmente necessitados. Dilma só pode produzir demagogia com seu discurso. Mudar ou melhorar o Brasil, estruturalmente, seu grupo político já comprovou que não pode. Então, para ela, no popular, é alto o risco de “creu! Na velocidade cinco...

Outro com chances quase fatais de levar um “creu”, na quinta ou maior velocidade, é o governador paulista José Serra. O tucano também não tem condições de atacar o problema dos impostos. Até porque foi o governo do cineasta Fernando Henrique Cardoso quem pegou a carga tributária em 28% e elevou para 34%. A tucanagem fiscal foi responsável por criar, exageradamente, “contribuições (compulsórias) sociais” – que hoje são a maior fonte que prejudica quem deseja investir na produção. Serra não terá como se defender se for atacado na questão dos impostos. Então, “créu”...

Para azar agora da campanha da Dilma, Lula deu continuidade à política de FHC – inchando, “aparelhando” com sua turma e aumentando o desperdício da máquina estatal de moer gente. Nazipetistas e seus primos tucanos sociais democratas ficarão presos ao discurso da própria arapuca que armaram na concepção equivocada de Estado que eles têm. No caso do Serra, a porca ainda vai torcer o rabo em outra: séria questão a segurança pública. Nem que faça um “acordo político” com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital, o famoso PCC, Serra conseguirá mostrar que teve bons resultados no combate à violência. Na percepção da população, os governos (inclusive o dele) falham neste quesito.

Nesta campanha, especificamente, Serra ainda vai tomar um “creu” de seu inimigo nada oculto, no próprio partido, Fernando Henrique Cardoso. Como bem observou o atento Cesar Maia, no artigo FHC vai fazer gol contra, a campanha de Serra corre o alto risco de ser comprometida pela esdrúxula campanha transnacional de FHC pela descriminalização do uso de drogas. Nem é preciso entrar no mérito da iniciativa – se é boa ou ruim, justa ou injusta. Pesquisas já revelaram que a população é contra. Além disso, países que fizeram micro-experiências da proposta de FHC se deram mal. Se Serra, confrontado pela polêmica, ficar ao lado de FHC, apanha da opinião pública. Se bater de frente com o príncipe dos sociólogos, vai tomar um “créu” dentro do ninho tucano.

Antes que o leitor se canse ou se traumatize com tanto “creu”, uma conclusão óbvia ululante: Serra, Dilma ou Ciro (variação de ambos) são candidaturas com problemas estruturais de imagem. Só podem ser salvos por um milagre dos bites nas urnas eletrônicas não auditáveis. Se surgir um candidato alternativo que ataque, com soluções objetivas, a questão dos impostos e da insegurança, demonstrando que o Brasil pode ser governado com seriedade, competência e honestidade não demonstradas até agora, podemos ter, em 2010, uma quase repetição do fenômeno que elegeu o desconhecido Fernando Collor de Mello em 1989. As pré-condições para isto estão aí, para quem quiser ver.

Por isso, vale indicar dois candidatos que têm potencial de surpreender este ano. Uma é bem conhecida. Marina Silva, pelo Partido Verde. Mas a candidata do PV tem uma dificuldade séria a ser superada. Até outro dia era do mesmo PT da Dilma Rousseff. Aliás, o dna político da Marina é mais petista que o da própria candidata de Lula – que tem origem no PDT do falecido caudilho Leonel de Moura Brizola. Outra dificuldade para Marina é tornar popular e interessante o seu discurso marcadamente ecológico. As pessoas não compreendem e não revertem o que os verdes falam em votos.

Outro candidato que tem potencial de surpreender era desconhecido até outro dia, quando a revista Istoé (no intuito de criticar um movimento conservador em ascendência no Brasil), lançou seu nome. O nome dele é Mario de Oliveira. Entra na corrida pelo pequeno PT do B (www.ptdob.org.br). O nome do partido, com o número 70, pode até parecer ironia. Presidido por Luis Henrique de Oliveira Resende, o Partido Trabalhista do Brasil, até algum tempo atrás, mantinha fortes relações de namoro com o mineiro Aécio Neves. Como ele não se viabilizou como candidato presidencial, Resende sentiu no ar o potencial para algo novo. E resolveu apostar no Mário.

É bom ficar de olho nele. Visite o site www.mariooliveira.com.br e tire suas conclusões. Mario e Marina têm tudo para roubar a cena eleitoral em 2010. Dilma, Serra e Ciro, cuidado com o "créu".

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 28 de Fevereiro de 2010.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Realidade e Imaginação

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Arlindo Montenegro


Existe uma diferença abissal entre imaginar uma sociedade e conviver, participar de uma sociedade. Há uma diferença abissal entre ideologia e utopia. Entendo que os ideólogos do coletivismo trabalham por destruir, desprezar todo um aprendizado cultural. Enquanto os que seguem utopias entendem que são inatingíveis em sua totalidade, que se renovam naturalmente em novos objetivos, que passam a ser trabalhados, de meta em meta.

Mesmo os cientistas, que brincam de Deus, sabem que a utopia conduz à prática de questões e investigação, para compreender a intimidade da matéria ad infinitum. Trabalham para superar as dificuldades da vida, com objetivos diversos nos vários campos do conhecimento, compreendem que passam o bastão de geração em geração e que a utopia está na visão e domínio da totalidade.

E como os campos do conhecimento se tocam e se complementam em ciências exatas e humanas, eles observam os parâmetros da lei e sabem que lhes está vedado, por exemplo, matar. Sabem que na pesquisa e no laboratório, são livres, sem limites.

Mas no convívio e nas relações com a sociedade, os limites existem. Alguns traduzem a totalidade transcende os sentidos, mas tem íntima relação com os mistérios da eternidade. Aqui percebem a presença de Deus, que muitos querem ver para crer, como São Tomé e na dúvida, calam.

Outros apenas foram educados como incréus e se tornam militantes materialistas, alinhados com os poderosos que se sentem superiores como deuses. Assim trabalham para controlar, destruir e submeter todos os povos.

Totalitários coletivistas contra democratas que respeitam e percebem na força individual, o sopro de Deus, cuja veneração pressupõe o respeito aos outros, um respeito que limita positivamente. Um respeito que comemora a vida e impede o desprezo às outras criaturas.

Existem leis escritas, contratos de diversa natureza entre integrantes de um mesmo grupo que limitam excessos prejudiciais garantindo a ordem pública, circunscrevendo as expectativas individuais, disciplinando os movimentos e propiciando os debates, polêmicas, arbitrados por juízes.

Na família os pais e mães são juizes dos filhos, uma investidura natural. Mas as leis não escritas estão presentes em toda a história do homem na terra. São leis naturais, inscritas como alicerce de todos os tratados de sociedades democráticas.

Uma das principais é o princípio de igualdade da todos diante da Lei. Do mesmo modo como todos se reconhecem iguais perante as Leis Divinas, as Leis Naturais. No Brasil vivemos um desmonte das leis naturais e da estrutura jurídica, que em nossa cultura, apontava para a construção de um estado democrático de direito.

O grupo no poder chegou dizendo mais ou menos assim: "ta tudo errado, tem que ser do nosso jeito". Um jeito descartado por dezenas de nações, que sofreram com a supressão da liberdade individual, que sofreram com a imposição totalitária de governantes marxistas. Um jeito fortemente implantado nas mentes, por estruturas elaboradas por incréus e satanistas, todos coletivistas.

O que conduz ao estado democrático de direito é a educação, desde o berço. É a estrutura familiar presente e a consciência de uma missão de vida. Se ligada à fé no transcendente, tanto melhor. Até agnósticos e inocentes úteis da guerra marxista imaginam e têm presente, que o bem comum se pode realizar apenas nos marcos de um estado democrático de direito.

Mas todos sentem que há um abismo, uma diferença imensa entre falar sobre o estado democrático de direito e praticar de verdade, fazer alguma coisa para torná-lo efetivo, regra pétrea para as relações confiáveis entre os membros de uma nação.

Mais ainda, quando temos toda a sociedade confusa, a educação desmantelada, as instituições anarquizadas e uma máquina de propaganda que se apossou de cada instituição, nega e distorce a informação e domina a mídia, salvo raríssimas exceções.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

A esbórnia financeira

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Valmir Fonseca

Um dos muitos milagres com os quais fomos abençoados pelo “magnífico estupor” está a multiplicação do dinheiro. De fato, o bolso dos que pagam impostos parece não ter fundos, pois “nossa aberração” não titubeia em inchar a ineficiente máquina administrativa pública (efetivação do controle interno do Estado), pois seu interesse é o reaparelhamento político do Estado.

Acrescente – se ao pesado ônus nacional, a gigantesca máquina administrativa já existente (mais de 21 mil cargos públicos de confiança, a deles, sem concurso), com 37 sinecuras de altíssimo nível em termos de gastos, um empreguismo suicida, a alimentação de ONGs nas mãos de honrados e abnegados petistas, as vultosas quantias orientadas para o empacado PAC, agora liberado, apesar de a maioria de seus projetos conter vícios denunciados pelo TCU, este amordaçado pela ira do “cão sarnento”.

Inconseqüentemente, o desgoverno não titubeia em criar despesas crescentes, que não podem ser revertidas, com gastos em pessoal; não se preocupa em conceder aumentos estapafúrdios para os funcionários (os gastos com funções gratificadas cresceram 119% e chegaram a R$1,2 bi), e em fazer doações e benemerências (um bilhão de dólares de crédito para Cuba, com a previsão de um adicional de mais 230 milhões) com a benevolência de um perdulário novo rico.

Parece bazófia, ouvirmos a cada dia, as centenas de milhões de reais que serão destinadas para esta ou aquela obra, ou os vultosos aportes para estes ou aqueles ministérios, ou para a educação, ou para a saúde, e para que os números soem como impressionantes, afirmam que aquelas monstruosas cifras serão liberadas até 2030, 2040, e assim por diante. Alguns, boquiabertos com tanta pujança do Tesouro Nacional, e com a propalada eficiência e a capacidade empreendedora do desgoverno, pasmem, acreditam.

Infelizmente, no mar de rosas que o País atravessa, não muito longe, agourentos economistas vaticinam que um tsunami se aproxima e, mesmo aumentando – se a carga tributária, ainda assim, faltará “merda” para todos.

O aumento dos impostos pode ser agregado ao seu bolso de forma direta ou indireta. A indireta, você pouco percebe. Vamos a um grosseiro exemplo. Quando, repentinamente, o Seguro Obrigatório foi aumentado de 40 reais (?) para os atuais 82(?), foi público na imprensa, quase às escondidas, a destinação daqueles recursos. O mais alarmante é que 30% são destinados ao desgoverno.

Pergunta – se, o que o governo tem com aquele seguro, uma taxação recolhida de todos os proprietários de carros, ônibus, caminhões, como fundo para a indenização de acidentados? Absolutamente nada, a não ser recolher algum. Portanto, vejam como é fácil arrecadar, sem que os idiotas percebam.

Pipocam na imprensa, preocupantes alertas. Não há desconhecimento quanto ao montante da dívida pública. Ela já cruzou a casa do trilhão.

Cobertos de razão, alentados economistas olham com reservas para o inchaço da máquina administrativa (dados recentes do Ministério do Planejamento apontam que, entre 2002 e 2009, o número de cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS) aumentou 24,6%, passando de 18. 374 para 22. 897.

Já as despesas com essas e outras funções gratificadas do Executivo passaram de R$555,6 milhões em 2002, para R$1, 222 bilhão em 2009, um salto de 119,9% - dados extraídos do artigo “Excesso de Confiança”, de Gustavo Paul e Cristiane Jungblut), e com justo temor, denunciam, pois além de dominante, o Estado é grande, pesado, caro, esbanjador e ineficiente.

Acreditamos que, muito breve, a conta ficará alta demais ou o bolo da viúva pequeno para ser dividido com tantos, em especial, por constatarmos que a cúpula dos três Poderes é um dragão insaciável.

E o pior, é que a candidata do “alto teor alcoólico” nos afirma com alarido (vide o seu programa de governo) que os tentáculos do desgoverno serão estendidos sobre todos os setores, como um poderoso pai, benevolente para os lenientes e acomodados, e severo com os que não se comportarem.

Rumamos, infelizmente, de olhos abertos para o abismo, e não temos a simplória desculpa de que fomos enganados. Uma coisa é certa, hoje a esquerdalha atingiu a tal limite de força e descaramento, que trabalha às escancaras (PNDH, o que é isso companheiro?), e anuncia aos quatro ventos, em festivos convescotes o que fará conosco.

E nós, humilde e pacientemente, abanamos o rabo.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira é General de Brigada Reformado.

FHC vai fazer gol contra

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Cesar Maia

FHC é um dos personagens políticos mais importantes desta eleição, queira ou não. Portanto, deve cuidar muito dos próprios passos. Agora, num estilo holandês de ver a vida, decidiu ser o âncora de um filme-documentário propondo que o consumo de drogas, com a maconha como abre alas, corra livre de constrangimento. Uma questão polêmica, de questionável efetividade, dada a rede informal de micro-redistribuidodes/consumidores de droga existente.

Mas uma coisa não é polêmica. 85% das pessoas são contra, sendo que entre os mais pobres 94%. Se não bastasse a "populistalização" de Lula entre os mais pobres, se entrar este documentário antes das eleições, terá o efeito que o filme dele não conseguiu: abalar a população, e especialmente os mais pobres.

Que FHC reflita bem, que ele está no Brasil e que sua atuação no clube das personalidades mundiais acima do bem e do mal se aplica em fóruns sofisticados, mas não se aplica no Brasil, em especial por veiculação de massa. Rapidamente os momentos mais contundentes serão recortados e cairão em todas as redes de internet, com a chamada que se imagina. Em 2010, isso seria um desastre.

Números do crime

A correlação entre crimes de rua (roubos, furtos, lesão corporal dolosa, ameaça, com 459 mil registros em 2009 no Estado do Rio), tráfico de drogas e homicídios dolosos, acompanha as estatísticas oficiais no Brasil desde a instalação dos corredores de exportação de cocaína para a Europa no final dos anos 70.

Inicialmente no Rio, e depois em todas as cidades com aeroporto e/ou porto internacionais (Rio, Santos, S. Paulo, Vitória e Recife), as curvas de homicídios dolosos e crimes de rua cresceram de forma exponencial daí para frente.Nos últimos anos houve um deslocamento do corredor para o Nordeste, em função da mudança da porta de entrada de cocaína na Europa para a África Ocidental.

De forma imediata o índice de homicídios dolosos cresceu no Nordeste e os números de Maceió e Salvador passaram a ocupar os primeiros lugares entre as capitais. O novo corredor confirmou o crescimento paralelo dos crimes de rua na região.No entanto, nas cidades de S. Paulo e Rio, as curvas de homicídios dolosos e crimes de rua, paradoxalmente, passaram a ter tendências inversas. Os homicídios dolosos, como proporção da população, diminuem e os crimes de rua mantêm seus sentidos ascendentes.

Alguns policiais ‘seniores’, mesmo sem ter, ainda, estatísticas completas para comprovar, afirmam que a repressão aos pontos de venda de drogas (bocas de fumo) em favelas e o deslocamento dos corredores para o Nordeste mudam de forma progressiva o mapa do varejo de drogas em direção ao ‘asfalto’. Os consumidores temem ir aos locais e passam a ser abastecidos em pontos, ou ‘delivery’ por motoqueiros.

O aprendizado resultante vai construindo uma rede crescente fora das favelas. O uso da internet, demonstrado de forma detalhada recentemente na Espanha, vai sofisticando essa rede e reduzindo os riscos da repressão, pela dificuldade de varredura dada a multiplicidade de caminhos.

A curva de crimes de rua continuou crescendo e com a velocidade anterior. Aqueles policiais dizem que não há nada de errado nisso. A correlação permanece, mas o deslocamento do tráfico de drogas para o ‘asfalto’ reduz a taxa de homicídios, já que nas favelas a disputa das bocas de fumo é feita com fuzis.

E exemplificam com S. Paulo, onde as facções foram incorporadas pelo PCC e os homicídios dolosos por habitante despencaram para quase 20% do que eram 10 anos atrás, No entanto, os crimes de rua continuaram a subir tanto no Rio como em SP. Para eles não existe nada de estranho, ou paradoxal. A correlação permanece, e apenas muda de nível em função do deslocamento urbano do varejo e da concentração das facções.

Cesar Maia, Economista, é ex-Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro.

Dissidência no tráfico gera campanha e guerra ao crack

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Archimedes Marques


O povo assiste atônito as conseqüências nefastas advindas do crack, a chamada “droga do século”, que chegou para arruinar a vida de muitos, piorar ainda mais a vida de toda a sociedade brasileira e agora até em contrariedade aos interesses de vários traficantes de drogas que em mudança de opinião, em discordância ao seu comércio já fazem campanha e iniciam guerra contra o seu uso.

Crack e desgraça são indissociáveis e quase palavras sinônimas. Relatos dos seus usuários e familiares, fatos policias diários e opiniões de especialistas sobre os efeitos e as conseqüências funestas da droga podem ser resumidos em três palavras tão básicas quanto contundentes: sofrimento, degradação e morte.

A composição química do crack é simplesmente horripilante e estarrecedora. A partir da pasta base das folhas da coca acrescentam-se outros produtos altamente nocivos a qualquer ser vivo, tais como o ácido sulfúrico, querosene, gasolina ou solvente e a cal virgem, que ao serem processados e misturados se transforma numa pasta endurecida homogênea de cor branco caramelizada onde se concentra mais ou menos 50% de cocaína, ou seja, meio à meio cocaína com os outros produtos citados.

O seu usuário pode ter convulsão e como conseqüência desse fato, pode levá-lo a uma parada respiratória, coma ou parada cardíaca. Além disso, para o debilitado e esquelético sobrevivente seu declínio físico é devastador, como infarto, dano cerebral, doença hepática e pulmonar, hipertensão, acidente vascular cerebral (AVC), câncer de garganta, além da perda dos seus dentes, pois o ácido sulfúrico que faz parte da composição química do crack assim trata de furar, corroer e destruir a sua dentição.

O crack é tão perigoso quanto degradante e mortal que até o próprio traficante dele não faz uso e agora já começa a repensar o seu comercio.

Recentemente o jornalista e cientista político SEGADAS VIANA escreveu sobre a questão de um ponto do tráfico do Rio de Janeiro estar fazendo campanha contra o crack. São trechos básicos da matéria jornalística denominada Tráfico veta copinho pra acabar com crackudo vacilão: “Salve um crackudo... Rasgue o copo”.

As palavras, escritas em um cartaz ao lado da foto de três jovens fumando crack e da imagem de um copo de plástico, fazem parte de uma campanha para tentar dificultar o uso da droga. Como os usuários preferencialmente utilizam copinhos de guaraná natural, a idéia é convencer os fãs da bebida a rasgá-los antes de jogá-los fora.

Mais inusitado que a campanha é o local em que ela tem sido feita: o cartaz foi encontrado durante uma incursão policial no Morro do Pavão, em Copacabana, na zona sul do Rio. Ele estava colado em uma das bocas-de-fumo controladas por traficantes ligados à facção criminosa Comando Vermelho (CV), na principal entrada da favela.

Abaixo do “slogan da campanha”, um texto expõe motivos para conquistar adeptos: “Pow mano, ta ligado que o bagulho ta ficando sinistro em todas as favelas do Rio de Janeiro, né? Aonde vc passa tem um menozinho correndo igual doido com as calças caídas, descalços. Que vergonha. Ou então vê uma mina toda ruim, toda torta, toda magrela. (...)”

Mas o cartaz não é a única bandeira na tentativa de desestimular o uso do crack. Um funk batizado como “Crackudo vacilão” tem sido tocado nos bailes realizados nos morros e favelas. A letra da música diz: “Pedra pura, deixa a gente no maior tédio / Vendendo a roupa do corpo / E a janela do prédio / Mas depois triste num canto sozinho / lembra que se derramou / a madrugada num copinho / aí vem o desespero / tô com maior cabelão / eu vendi a geladeira, a tv e o fogão / aí vem o desespero / tô com maior cabelão / eu vendi a porra toda, eu sou um crackudo vacilão” (…)

Em outra matéria jornalística, desta feita no Rio Grande do Sul, publicada no Jornal Zero Hora, dia 19/11/2009, o jornalista HUMBERTO TREZZI assim discorreu em parágrafo basilar do seu artigo denominado Traficantes vetam crack em Santa Cruz: “A quadrilha que domina a venda de drogas no bairro mais populoso de Santa Cruz do Sul decretou: não vai vender mais crack. Além disso, anunciou “represálias severas” a quem comercializar a droga na sua área de atuação... venderão os estoques. Depois, vai vigorar a pena do submundo contra quem violar a regra – que pode incluir morte.”

Segundo o jornalista, o recado foi repassado em uma reunião em que fizeram parte aproximadamente cem pessoas na associação de moradores do bairro Bom Jesus e confirmado por repórteres do Jornal Gazeta do Sul.

Tais campanhas realistas do tráfico contra o crack demonstram a preocupação dos traficantes quanto a perda substancial dos seus compradores ou consumidores que logo morrem em decorrência da ação devastadora da droga, ou seja, estão perdendo mercado porque estão matando seus próprios clientes, com isso há a diminuição de lucro e em conseqüência do fato, também resta enfraquecido o comercio das outras drogas, daí a motivação desta suposta boa ação que estão a praticar para a sociedade.

É fato realmente inusitado: traficantes em campanha e em início de batalha mortal não pela disputa de território, mas pela tentativa desesperada de conter o avanço dos malefícios do crack que muitos teimam em reproduzir.

É de bom alvitre alinhavar que campanhas legais e vitoriosas como CRACK NEM PENSAR, DROGA MATA, ANTI DROGAS, A DROGA DA MORTE, A PEDRA DA MORTE, MONTENEGRO CONTRA O CRACK, dentre outros que arrastam adeptos importantes e adorados pelo povo como artistas, atletas, cantores ou demais celebridades, formadores de opinião pública, somados ao combate incansável efetuado pela força pública através da Policia, tem sido de suma importância na prevenção, repressão ou na recuperação de drogados, fazendo com que aumente ainda mais a frustração dos traficantes.

Assim, nesta nova modalidade de guerra do tráfico de drogas, que pode ser batizada de guerra do crack, vez que supostamente o comando vermelho já tomou partido, pode haver o aumento da dissidência e como conseqüência, uma grande quantidade de mortes.

Archimedes Marques, delegado de Policia no Estado de Sergipe, é Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela UFS) – archimedesmarques@infonet.com.br. Fonte: www.infonet.com.br

João Hélio e os direitos humanos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Dom Antonio Augusto Dias Duarte

Há três anos o menino João Hélio entrava no carro dos seus pais sem saber que a sua breve vida de sete anos seria brutalmente, sangrentamente, criminosamente interrompida por cinco rapazes, entre os quais estava um adolescente de 16 anos. Essa criança transformou-se num "mártir-mirim da vida" - assim o chamei num artigo que escrevi em forma de carta aberta dirigida a ela e publicado pelo jornal O Globo -, tamanha foi a reação de indignação e de comoção popular diante do modo como ela foi assassinada.

Infelizmente, hoje temos ecos dessa reação popular ao ler nos jornais a notícia de que a organização não-governamental (ONG) Projeto Legal quer mudar o rosto de um delinquente juvenil, réu do crime cometido contra esse pequeno mártir, para o rosto de uma vítima ameaçada de morte e, portanto, com o direito de ser incluída num Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente, podendo viajar para um Estado ou país diferente e assim viver mais seguro.

Mesmo com a imediata intervenção do Ministério Público pedindo a anulação desse ato impetrado pela referida ONG, mesmo com o acerto da decisão judicial de libertação desse delinquente, uma vez que ele cumpriu o prazo-limite de três anos de afastamento da sociedade, várias questões merecem ser consideradas diante do reaparecimento de menino João Hélio na mídia nacional.

Primeira questão: será que a ONG Projeto Legal tem o direito de aumentar a dor dos pais, favorecendo um rapaz que ainda é incapaz de viver em sociedade de forma civilizada, quando se sabe que na sua curta permanência na prisão cometeu mais três crimes, um dos quais foi a tentativa de homicídio de um agente de disciplina, usando tiras de pano e cordas?

Segunda questão: será que os direitos humanos fundamentais, no Brasil, não estarão sendo manipulados por certos grupos de pessoas, que acabam colocando-os num nível de igualdade com outros "direitos" criados e claramente contrários à dignidade da pessoa humana e ao bem comum da sociedade?

Terceira questão: será que não existe mais, na atual civilização, o direito de memória, que exige o dever de respeitar o sofrimento gravado a fogo na mente e no coração dos pais e dos familiares, dos amigos e dos concidadãos de João Hélio, pois no interior de toda essa gente nunca se apagarão as imagens da atrocidade cometida contra essa criança, e a infeliz iniciativa desse tipo só faz pisotear este direito humano?

Quarta questão: será que o nosso mundo, que se vangloria de ser pós-moderno, de ter progredido tanto nos costumes e na ciência, de ter avançado na defesa dos direitos humanos, tem ainda uma reserva de mentes claras e imunes a ideologias camufladas, capaz de falar dos reais direitos humanos e mais capaz ainda de proclamá-los corajosamente, até que o povo brasileiro se convença de que não precisa mais de ONGs que se vão instalando no nosso país somente para conturbar a ordem social e destruir valores culturais e religiosos indiscutíveis?

Queremos que o caso de João Hélio não seja mais um para preencher páginas dos meios de comunicação e tampouco que a sua pura figura de chorosa memória sirva para promoção de algumas entidades interessadas não sabemos em quê.

Queremos, sim, que esse "mártir-mirim da vida" desperte a reserva de inteligências esclarecidas, crie ações de famílias preocupadas com a segurança e a paz dos seus membros, a fim de que haja na cultura brasileira uma valorização mais enfática da dignidade humana, que é a raiz profunda dos direitos humanos e o alicerce firme de um mundo mais fraterno e justo.

Nesse sentido, a Igreja Católica no Brasil resiste a ser empurrada para dentro das sacristias e, sempre que houver no País um ou vários atentados contra os direitos fundamentais da pessoa humana, ela terá a coragem de proclamá-los, defendê-los e promover debates purificados de ideologias impregnadas de ateísmo e relativismo.

Os direitos fundamentais que governam as relações sociais, tais como a inviolabilidade da vida humana, o respeito à natureza, a liberdade de imprensa, a informação objetiva na mídia, a propriedade privada, a liberdade religiosa, a educação das crianças e dos jovens isenta de ideologias desconstrutivas da pessoa humana, a verdadeira natureza e identidade do matrimônio e da família, a segurança pública, a saúde integral, o voto sem preço, etc., para citar alguns dos direitos humanos mencionados na encíclica Pacem in Terris, escrita em 1963, pelo beato papa João XXIII, são anteriores ao Estado, são próprios da natureza humana e, principalmente, são originários do próprio Deus.

Nem Estados, nem grupos de Estado, nem autoridades governamentais, nem integrantes de organismos não-governamentais, nem planos nacionais, nem pretensas nações planejadores do mundo têm o direito de impingir aos cidadãos de um país certas propostas que maculam e lesam a dignidade da pessoa humana, mesmo que utilizem a expressão "direitos humanos", sem afirmar quais a sua raiz e a fonte verdadeiras e originais.

João Hélio, eu lhe dizia há três anos que você seria a semente de um Brasil onde as crianças teriam respeito, consideração e muito amor desde o princípio de sua vida e, hoje, tenho de lhe pedir perdão, porque nós, os adultos, não soubemos, ou melhor dizendo, não quisemos regar essa semente neste intervalo de tempo e ela é minúscula, mas lhe prometemos que a sua vida e morte acabará germinando e produzirá os frutos de que o Brasil necessita.

Dom Antonio Augusto Dias Duarte, médico pela Universidade de São Paulo, é bispo-auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Petrobras: Conselho de Administração sob suspeita

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por João Vinhosa

Desde o início de 2004, quando foi anunciada a intenção de criá-la, a Gemini – sociedade da Petrobras com um grupo norte-americano para produzir e comercializar Gás Natural Liquefeito (GNL) – se tornou alvo das mais graves denúncias.

Cartas dirigidas às autoridades, denúncias encaminhadas aos órgãos competentes e matérias divulgadas na mídia questionaram, entre outros, os seguintes aspectos da sociedade: a idoneidade da sócia escolhida pela Petrobras, a pressão governamental para a aprovação da sociedade pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), a divisão acionária que tornou a Gemini uma autêntica caixa-preta para os órgãos fiscalizadores, o sigilo dos valores envolvidos no relacionamento comercial da Petrobras com a Gemini, etc.

No mar de lama que se formou, o mais impressionante foi o sintomático silêncio da Petrobras diante das explícitas acusações de corrupção feitas pelo próprio sindicato dos trabalhadores do setor. Tal silêncio impressiona, pois a acusação de corrupção, no contexto em que foi feita, lança suspeitas sobre a alta administração da Petrobras, cujo órgão máximo é o Conselho de Administração.

Considerando a grave lesão ao interesse nacional e a inadmissível omissão da Petrobras, encaminhei, em 26 de fevereiro de 2010, carta dirigida, individualmente, a todos os conselheiros do Conselho de Administração da Petrobras, quais sejam: Dilma Rousseff, Guido Mantega, Silas Rondeau, Sérgio Gabrielli, Francisco Roberto de Albuquerque e Luciano Coutinho. Segue-se a íntegra da referida carta.

Carta aos conselheiros

Por meio de cartas protocoladas na Presidência da República e na sede da Petrobras, em diversas oportunidades, denunciei à presidente desse Conselho, ministra Dilma Rousseff, o autêntico crime de lesa-pátria praticado pela Petrobras, ao se associar a um grupo norte-americano constituindo a empresa Gemini.

Em tais cartas, que circularam na Internet e foram transcritas em artigos publicados em vários blogs e jornais on-line, afirmei que, por meio dessa sociedade, a Petrobras tornou o citado grupo o maior beneficiário de nosso gás natural liquefeito.

A ministra Dilma nunca se dignou a se manifestar sobre o assunto.

Não sei se V.Exª. teve alguma participação na aprovação desse empreendimento da Petrobras; não sei, nem mesmo, se a constituição da Gemini foi aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobras; não sei se a ministra Dilma deu ciência aos integrantes do Conselho do teor das acusações a ela formalmente encaminhadas contra a sociedade; o que sei, Excelência, é que o silêncio de referido Conselho diante das acusações contra a Gemini o torna co-responsável pelos atos lesivos ao interesse nacional relativos à sociedade.

Cumpre destacar o relevante papel desempenhado pelo Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) no “caso Gemini”. Ninguém pode ter qualquer dúvida sobre as categóricas e contundentes acusações feitas pelo Sindipetro-RJ contra a Gemini. Para esclarecimento de V. Exª., permito-me fazer, a seguir, um breve resumo de tais acusações.

Em 23 de março de 2004, dois anos antes da criação da Gemini ter sido aprovada, o Sindipetro encaminhou ao então presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, a Carta Sindipetro-RJ n°090/2004, com questionamentos sobre a idoneidade da empresa escolhida pela Petrobras para ser sua sócia no empreendimento. Em resposta, a Petrobras informou que os procedimentos judiciais contra a empresa que ela havia escolhido para sócia estavam “todos eles sub judice, não havendo, ainda, em qualquer deles, sentença condenatória contra essa empresa”.

O Sindipetro-RJ não fez por menos: acusou explicitamente a prática de corrupção na Petrobras no “caso Gemini”. Referidas acusações de corrupção foram divulgadas em diversas matérias publicadas no jornal do sindicato.

Numa das matérias, datada de 23/03/06, encontra-se uma charge bastante sugestiva: um homem com uma mala recheada de dinheiro com o nome da sócia da Petrobras. Em outra, publicada em 03/08/07, sob o título “Petrobrás entrega mercado de GNL aos EUA”, uma charge mostra a mão do Tio Sam acionando um cilindro de gás de onde jorra dinheiro. Uma terceira matéria, de página inteira, publicada em 29/05/08, além de uma charge bastante sugestiva, tem um título esclarecedor: “Soberania Nacional Ameaçada – Mercado de GNL brasileiro está nas mãos de multinacional”.

É de se destacar, também, a entrevista dada em 16/05/08 ao jornal do sindicato dos previdenciários pelo secretário-geral do Sindipetro, Emanuel Cancela. Entre as graves palavras do líder petroleiro, se destacam: “O que nos perguntamos é o que moveu o governo a referendar um negócio como este. O que está por trás disto? Tem alguma coisa suja no meio desta história. Vamos insistir junto ao Ministério Público e incluir esta questão na Campanha pela Nacionalização do Petróleo e Gás.”

Excelentíssimo Conselheiro, V.Exª. há de convir que, ao acusar a prática de corrupção na Petrobras no “caso Gemini”, o Sindipetro-RJ não estava se referindo à corrupção a nível gerencial, e sim corrupção na alta direção da empresa, alta direção da qual o Conselho de Administração é o maior expoente.

Ressalto que anexei à presente carta três documentos: os dois artigos cujos endereços eletrônicos estão indicados ao final (“Dilma, ó Dilma, onde estás que não respondes?” e “E o dinheiro público, para onde vai?”) e a cópia do documento “Dossiê Gemini: Maio de 2009”. Esclareço que, por simples economia processual, não encaminhei os 25 anexos ao citado dossiê. Caso V.Exª. julgue necessário ter acesso a tais documentos, basta manifestar interesse que os mesmos lhe serão prontamente encaminhados.

Finalizando, apresento os endereços eletrônicos acima citados e informo que, devido ao alto teor de interesse público da qual se acha impregnada, esta carta será divulgada irrestritamente, e integrará denúncia que farei ao Ministério Público Federal (MPF) sobre o assunto nela tratado.

HTTP://www.alertatotal.net/2010/02/dilma-o-dilma-onde-estas-que-nao.html (artigo “Dilma, ó Dilma, onde estás que não respondes?”)

HTTP://www.sindsprevrj.org.br/jornal/secao.asp?area=19&entrada=3891 (artigo “E o dinheiro público, para onde vai?”)

João Vinhosa é ex-conselheiro do extinto Conselho Nacional do Petróleo. joaovinhosa@hotmail.com

A Justiça e o Marketing Político

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Sylvia Romano

Como advogada, fico indignada com o que vem ocorrendo com a Justiça Eleitoral que, pelo que tenho visto, neste momento acabou se tornando um instrumento de marketing eleitoral.

É um tal de denúncia, CPIs, compra de votos, abuso do poder econômico, apoios proibidos e por aí afora. Outro dia, li as regras das últimas eleições do que pode e do que não pode se fazer em termos de divulgação e cheguei à conclusão de que não se pode praticamente nada, ou melhor, pode se fazer muito subliminarmente e, em alguns casos, até explicitamente como vem fazendo o nosso presidente em sua vergonhosa e clara campanha eleitoreira voltada à sua candidata do coração.

As regras do último pleito beiram as raias do absurdo e se fossem levadas a sério, duvido que algum eleito se manteria no poder, pois todos de alguma forma quebraram tais normas acintosamente, indo contra tudo o que a lei prevê.

Outra coisa que me preocupa nesta lei eleitoreira é que da maneira que ela está, é uma grande oportunidade para os que já estão eleitos possam se manter nele para sempre, impedindo que novos nomes surjam na política e que venham a se eleger tomando o lugar dos muito corruptos que estão há longa data encastelados no poder.

Neste momento a bola da vez dos escândalos parece que é a do Partido Democrata (DEM) com a prisão do governador do Distrito Federal e, agora, com a cassação do prefeito de São Paulo Gilberto Kassab pelo recebimento de doações de campanha de várias empresas, que depois foram beneficiadas por grandes contratos com a cidade.

Tenho certeza que este partido incorreu em contravenção, mas não só ele, pois se houver interesse e vontade de quem deve fiscalizar — e se o fizer bem —, descobrirá que todos os outros partidos também fazem parte do mesmo esquema extorsivo de doações para campanhas políticas.

No meu entender só nos restam duas esperanças: uma é que a imprensa, ainda livre neste país, continue batendo forte, não se deixando enganar por ações jurídicas cujos intuitos são unicamente denegrir candidatos e partidos opositores. Já a segunda esperança é o voto consciente em outubro de todos os brasileiros, alijando do poder todos os que aí estão se locupletando do erário em benefício próprio.

É chegada a hora da renovação, não vamos reeleger ninguém, pois os que já elegemos muito pouco fizeram por todos nós.

Sylvia Romano é advogada trabalhista, responsável pelo Sylvia Romano Consultores Associados, em São Paulo. E-mail: sylviaromano@uol.com.br

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

JPMorgan Chase adverte sobre ameaças econômicas, e Lula já teme que saída de Meirelles prejudique sua imagem

Edição do Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alertawww.fiquealerta.net (atualizado nesta sexta)

Por Jorge Serrão

A saída do presidente Henrique Meirelles para concorrer a um cargo político pode criar sérios problemas para a inconsistente “credibilidade da política econômica do governo” do chefão Lula da Silva. Esta é a expectativa real de uma elite de investidores e de alguns assessores mais próximos de Lula. A perspectiva de nova crise econômica – mais intensa que a marolinha – os assusta, pois temem que um aumento do “risco Brasil”, sem Meirelles no comando do BC do B.

Os temores ficaram maiores ontem, quando o presidente-executivo do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, advertiu que a economia pode seguir ameaçada por um cenário de "queda dupla". Sem deixar claro quais são os problemas que vislumbra, o executivo foi realista: "Há um monte de situações potencialmente negativas". Dimon admitiu que preferiria estar convencido de que o pior da crise já ficou para trás. Como o JP Morgan Chase é um dos pilares da Oligarquia Financeira Transnacional, tudo que seu dirigente fala deve ser levado em consideração com seriedade crítica. No Brasil, o JP é um dos apoiadores do Instituto Millenium.

Aqui no Brasil, na indefinição sobre quem sucederá Meirelles no Banco Central (Delfim Netto tem grandes chances), o governo deve seguir com a penalizante política de juros altos, impostos elevados e, agora, um ilusionismo de “enxugamento do crédito” (mexendo no modelo de depósito compulsório dos bancos). Mesmo assim, “como nunca antes na história do Brasil”, os bancos lucram tanto – em detrimento de atividades não-financeiras.

Grandes negócios

JP Morgan Chase e a Gávea Investimentos estão perto de fechar uma grande associação.

Como Armínio Fraga, sócio da Gávea, é membro do conselho internacional do banco desde 2004, a parceria tem tudo para ser facilitada.

Até o final do ano passado, a Gávea tinha nada menos que US$ 5,8 bilhões em patrimônio sob gestão.

Outros interessados

Se fechar um acordo com a Highbridge Capital Management – gestora de fundos alternativos controlada pelo JP Morgan Chase -, a Gávea ficaria ainda mais forte.

Mas Armínio Fraga – que é um dos dirigentes do Clube dos 30 – negocia com outros parceiros.

Morgan Stanley e Credit Suisse também gostariam de fechar um lucrativo negócio com a Gávea Investimentos.

Só no cinema

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso vai virar artista de cinema.

Passou a quinta-feira no Morro Dona Marta, no Rio, gravando o documentário sobre descriminalização das drogas, cujo título provisório é "Rompendo o silêncio".

FHC percorreu vielas, conversou com moradores e entrevistou a responsável pela Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), a capitã da Polícia Militar Priscilla Azevedo.

Âncora do filme, ele visitou pela manhã a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), no Morro Santa Marta, em Botafogo, na zona sul da cidade.

Crime Globalizado

O cineasta FHC também visitou o depósito de armas apreendidas da Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos (Dfae), no Centro do Rio.

Aproveitou para fazer sua análise sociológica sobre o assunto:

"São mais de 100 mil armas recuperadas. Há uma ligação muito grande entre o tráfico de drogas e o tráfico de armamentos. Isso requer um trabalho de inteligência em longo prazo. Não será resolvido com uma receita mágica. Apenas a repressão não resolve. É preciso assistência ao usuário e uma perseguição mais eficaz a um crime que se globalizou".

Marcha do Oxigênio

FHC elogiou a realização da Marcha do Orégano, a manifestação planejada por universitários para este sábado, 27, para ironizar a proibição da Marcha da Maconha na capital paulista.

"Em geral sou bem aberto em relação às manifestações. Desde que sejam pacíficas, não vejo por que não deixar que existam".

FHC defende a polêmica descriminalização do uso de drogas como estratégia para conter o crime organizado.

Média com as legiões

O chefão em comando $talinácio fez ontem uma média com os militares, aproveitando a hora do almoço com as tropas brasileiras da Minustah (Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti).

Na formatura, Lula elogiou o trabalho dos 1.266 militares do Batalhão Brasileiro (Brabatti):

Embora vocês não precisem de medalhas, eu poderia dizer que poucas vezes na história do Brasil as Forças Armadas foram motivo de tamanho orgulho para o povo brasileiro como tem sido o seu comportamento e trabalho na Minustah”.

Será que $talinácio pensava bem assim, com o mesmo respeito e consideração aos militares, quando ordenou que um General ficasse a paisana, sem farda, para recebê-lo durante um de seus fins de semana com mordomia em unidades militares?

É brinquedo, não...

O que levaria uma prefeitura de capital a fazer propaganda em um canal de televisão infantil?

Pais que assistem, de manhã cedo, a programação do Discovery Kids tomaram um susto a ver a veiculação de um institucional da Prefeitura de Curitiba – com a mesma voz da locução das propagandas do governo tucano do Estado de São Paulo.

Tudo bem que o prefeito Beto Richa é candidato a governador do Paraná pelo PSDB, mas aquela propaganda alienígena, no intervalo do desenho animado do macaquinho “George, o Curioso” parece uma infantil tucanagem de marketing político.

Relação perigosa

Circula na Internet, via e-mail “perguntar não ofende”, uma pancada em Aécio Neves.

O secretário de Defesa Social de Minas Gerais, o advogado Maurício de Oliveira Campos Júnior, foi nomeado por Aécio Neves como responsável pela Segurança Pública em Minas.

Como advogado, ele foi defensor dos acusados de envolvimento na fuga, em 1997, do traficante Fernandinho Beira-Mar de carceragem do Estado.

Também defendeu suspeitos de crimes contra a ordem tributária estadual.

Quase “pedindo pra sair”

O deputado distrital Chico Leite (PT), relator do pedido de impeachment do governador afastado e preso, José Roberto Arruda, apresenta hoje suas conclusões.

Arruda é acusado de cometer três tipos de crime de responsabilidade: atentar contra o livre funcionamento dos três poderes, contra a probidade na administração e contra a legalidade no uso e na guarda do dinheiro público.

Está cada vez mais próximo do momento de divulgar seu pedido de renúncia, antes que a situação fique ainda pior...

A turma do STF já sinalizou que só manda soltar o Arruda se ele “pedir para sair” (como recomenda o bom e velho Capitão Nascimento)...

Se a moda pega...

Maridos considerados violentos deverão usar uma pulseira eletrônica equipada com um GPS.

Os trajetos percorridos pelos acusados de violência doméstica serão monitorados em tempo real pela polícia, que poderá verificar se eles se aproximam dos locais frequentados por suas esposas.

A ideia foi aprovada ontem, por unanimidade, pelos deputados franceses, na forma de projeto de lei.

É mais um balão de ensaio para que, em breve, no mundo globalitário, todo mundo seja obrigado a usar uma pulseirinha de identificação, por alegados motivos “de segurança”.

Quem cala consente...

O dissidente cubano Oswaldo Payá, líder do Movimento Cristão de Libertação, acusa o chefão Luiz Inácio Lula da Silva de ser cúmplice das violações praticadas pelo regime comunista de Fidel e família:

"Respeitamos e amamos o povo brasileiro, mas o governo Lula não deu nenhuma palavra de solidariedade para com os direitos humanos em Cuba. Tem sido um verdadeiro cúmplice da violação dos direitos humanos em Cuba".

Lula deu azar que sua visita a Cuba coincidiu com a morte do dissidente Orlando Zapata Tamayo, após 85 dias em greve de fome.

Leia o artigo de Arlindo Montenegro: O futuro que nos prometem

Chapolim nas últimas

Hugo Chavez resolveu abandonar a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, por ter recebido uma censura.

Alega que a CIDH é puro lixo e o Secretário Santiago Cantón é "puro excremento".

E também anunciou que vai expropriar a Polar, maior empresa produtora de agro alimentos, se reduzirem a produção alegando falta de energia.

São 30 fábricas e 150.000 pontos de venda!

A Arábia é aqui?

As duas novas descobertas de petróleo anunciadas ontem pela Petrobras, reforçam a possibilidade de existir um grande reservatório abaixo da camada de sal sob a Bacia de Campos, responsável por 80% da produção petrolífera nacional.

Se a tese se confirmar, é como se o Rio tivesse, em frente a seu litoral, duas bacias de Campos.

A descoberta indica a existência de óleo tanto na camada de pré-sal como na de pós-sal, em um único poço no campo de Barracuda - localizado na Bacia de Campos, a cem quilômetros do litoral do Estado do Rio.

Adiando

A Petrobrás adiou a divulgação dos resultados do quarto trimestre e do exercício de 2009, segundo as práticas contábeis adotadas no Brasil e normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A Companhia esclarece que o adiamento não tem relação com o processo de apuração dos resultados consolidados e informará a nova data da divulgação, respeitando o prazo legal de 90 dias contados do encerramento do exercício social de 2009.

Oficialmente, tudo foi provocado pelo adiamento da reunião do Conselho de Administração da empresa, que ocorreria nesta sexta-feira.

Quem presidiria tal reunião é Dilma Rousseff, tendo Adrienne Senna Jobim como representante do governo nos trabalhos.

Amigo de Valor

Só até este sábado possível se inscrever no Programa Amigo de Valor, do Grupo Santander Brasil - que destina recursos e dá consultoria especializada ao longo de um ano a projetos voltados à educação e desenvolvimento social.

Os recursos financeiros do Programa Amigo de Valor são arrecadados por meio da destinação de parte do imposto de renda devido de funcionários, clientes e fornecedores do Grupo Santander Brasil, que se valem do incentivo fiscal previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (lei 8069/90).

Desde 2002 a 2009, foram destinados R$ 34 milhões para 88 municípios apoiados em todo o Brasil.

A relação de municípios elegíveis e o edital com as informações e procedimentos para inscrição estão disponíveis no endereço:

http://www.santander.com.br/portal/gsb/gcm/package/institucional/amigovalor_47955/index.htm

Correndo contra o atraso

Os arquitetos Alfred Talaat, Ralf Amann e Robert Hormes, responsáveis pelo projeto do estádio do Morumbi para a Copa de 2014, embarcam no domingo para a África do Sul.

Eles conhecerão estádios e outras instalações dedicadas exclusivamente ao Mundial 2010.

Os sul-africanos investiram R$ 7,97 bilhões em estruturas esportivas e infraestrutura necessárias à realização do evento.

Veja mais detalhes no Portal 2014 (http://mandarim.mkt9.com/registra_clique.php?id=H811752001312607&url=http%3A%2F%2Fwww.copa2014.org.br%2F) - concebido pela Mandarim Comunicação, com apoio do Sinaenco (Sindicato Nacional da Arquitetura e da Engenharia), para estimular e divulgar todas as ações que levem ao sucesso da Copa de 2014 no “País do Futebol”

Salão do Carro e Acessórios

Empresas terão acesso livre para encontros “business to business” na quinta edição do Salão do Carro e Acessórios – marcado para 17 a 21 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Para participar gratuitamente dos encontros, as empresas devem se credenciar, até12 de abril, no site http://www.salaodeacessorios.com.br/, na seção Credenciamento.

Cerca de 100 expositores, entre montadoras, fabricantes de autopeças, distribuidores, prestadores de serviço, representantes e fornecedores ligados ao setor, irão apresentar ao público as novidades e tendências do universo automobilístico.

Se vira nos 30

Elba Ramalho comemora seus 30 anos de carreira hoje, a partir das 21 horas, em megashow no Sesc Santo André.

Acompanhada por um sexteto, Elba Ramalho irá contagiar a platéia com novos e antigos sucessos e com seu canto que ainda hoje é marcado pela originalidade e beleza.

‘Asa Branca’, ‘A Vida do Viajante’, ‘Todo Sentimento’, ‘Doce de Coco’, ‘O meu Amor’ são algumas das canções programadas para o espetáculo.

Festa Retrô

Mazo Andrade e Tereza Tezolim organizam nesta sexta-feira, a partir das 21 horas, em Cabo Frio, a “Festa Retro – anos 60 & 70”.

A festa temática lembrando os tempos da brilhantina, discoteca e dancing days será no Elite da Dança - na Rua Marechal Deodoro, no 7, esquina com a Teixeira e Souza, ao lado da Costa do Sol Tv a Cabo.

Quem quiser participar dos embalos programados pelo DJ Metamorfose pode comprar convites pelo tel: (22)9272-1103.

A Monstra

É o nome do Festival de Animação de Lisboa, programado de 11 a 21 de março, que comemora 10 anos de existência e o Centenário da República Portuguesa.

O talento brasileiro para a linguagem da animação será o destaque do festival no dia 18, em vários cinemas da capital lusitana.

Detalhes sobre a “Monstra” nos sites http://www.visitlisboa.com/ ou http://www.monstrafestival.com/

Destaque do Brasil

Fundador e diretor do Núcleo de Cinema de Animação de Campinas desde 1975 (a mais antiga oficina infantil de animação do mundo), o brasileiro Wilson Lazaretti terá participação de destaque no evento português.

Professor de Animação na Universidade Estadual de Campinas desde 1990, Lazaretti ministrará um workshop para pais e filhos, onde serão explorados alguns conceitos sobre cinema de animação.

Para a criançada, haverá mais de 60 sessões e oficinas sobre a arte de manipular e animar imagens e objetos.

Ecológica

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Gonçalo (RJ) fará neste sábado um Seminário de apresentação do Projeto Macacu.

O evento começa às 9 horas no Centro Cultural Joaquim Lavoura - na Av. Presidente Kennedy, 721 - 2º andar, Estrela do Norte.

Vale a pena acompanhar e fiscalizar o projeto "Planejamento Estratégico da Região Hidrográfica dos Rios Guapi-Macacu e Caberibu-Macacu" - para uma gestão integrada dos rios localizados na bacia leste da Baía de Guanabara.

É bom entrar numa fria...

A BBC informa que a primeira Universidade do Sorvete do mundo, aberta na cidade de Bolonha, na Itália, cada vez mais atrai milhares de alunos por causa da atual crise econômica no país.

Para aprender como produzir o melhor sorvete italiano - ou gelato -, os alunos assistem a aulas teóricas e práticas, que incluem receitas, noções de química e muita mão na massa.

Seria mais uma prova de que, em alguns casos, é vale a pena entrar numa gelada?

Vida que segue...

Ave atque Vale!

Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 26 de Fevereiro de 2010.

O futuro que nos prometem


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro


Ontem, quinta. Feira, 25 de Fevereiro, enquanto o ex metalúrgico e ainda Presidente do Brasil abraçava carinhosamente os irmãos Castro, na fortaleza em que vive o mais velho, personalista e sanguináio ditador sobre a face da terra, realizava-se o funeral de Orlando Zapata Tamayo, que fazia greve de fome há 85 dias.

Orlando estava preso desde 2003 e, como outros, condenado por reunir 10 mil assinaturas, na forma da Constituição Cubana, para encaminhar um pedido de mudanças legislativas, em nome do Grupo Varela, também integrado por jovens do Movimento Cristão pela Liberdade. A lei mudou. Sumiu o dispositivo que permitia aquela iniciativa popular.

Orlando foi reconhecido "Preso de consciência" pela Anistia Internacional, no episódio que ficou conhecido como Primavera Negra. Um dos dirigentes de grupos dissidentes que pediu uma audiência com o visitante do Brasil, declarou que depois da visita aos Castro, "Lula deveria visitar os metalúrgicos dissidentes, presos e condenados a 20, 30 ou mais anos de reclusão".

O articulista do "El Diario Exterior", Manoel Morales do Val, lembra que Orlando era um "trabalhador manual, negro e pobre" (indicando o racismo dos irmãos ditadores) "na prisão sofreu inumeráveis sevícias incluindo surra de pauladas por ser negro". E finaliza: "Fulgêncio Batista, filho de independistas cubanos, nunca matou tantos dissidentes como os Castro" ao contrário, anistiou os irmãos depois do assalto ao Quartel Moncada.

A pequena cidade de Banes, foi cercada pelas Forças de Segurança do Estado, que identificavam todos os que acorriam ao enterro de Orlando. Munidos de uma lista identificavam outros dissidentes. Contaram-se no mínimo 30 prisões no ato. Nada disso interessa ao visitante. Da última vez que degustou o rum e os puros cubanos, ele inaugurou as obras do porto de Mariel, um grande investimento brasileiro na ilha.

Alí foram gastos 450 milhões de dólares, na modernização do porto com um terminal de container's, rodovia e vias de acesso. As exportações para a ilha, 330 milhões de dólares em 2009 e mais o inicio dos trabalhos da Petrobrás em prospecção nas águas cubanas do Golfo do México, é de grande ajuda. Os cubanos auxiliam a acabar com o analfabetismo dos pescadores brasileiros, com um programa audiovisual e assessores especializados.

Uma ilha com 10 milhões de habitantes, com um exército de 500 mil homens, espalhou o terrorismo guerrilheiro na Africa e nas Américas. Um ditador prepotente, aristocrático e personalista, domina e ruduz os nacionais à pobreza, formando uma fortuna particular com o tráfico de drogas, exploração de mina de diamantes na Africa, dois bancos na Inglaterra e mais de 200 empresas espalhada pelo mundo, enquanto o povo cubano passa fome e é privado das liberdades fundamentais.

Tudo isto está narrado em fitas de vídeo, livros como aquele do comunista francês René Dumont (Cuba, est'il socialiste?) que depois de trabalhar como consultor pecuário convidado na ilha por dois anos, desistiu e declarou em seu livro que "Cuba era um grande latifundio gerenciado por um só feitor, Fidel Castro".

Agora, com um lapso de 5 anos, nos chega a notícia do livro de um cubano, sobrinho de Osvaldo Dorticós Torrado, que desempenhou o pífio papel de Presidente de Cuba entre 1959 e 1973. Afastado da vida política por Fidel Castro, Dorticós suicidou-se em Junho de 1983. Juan Vivés, (*) sobrinho de Dorticós, exilado na França, lançou em 2005 suas memórias pessoais na condição de ex agente dos serviços secretos cubanos. O livro secunda e acrescenta a outros depoimentos de pessoas que se afastaram do círculo íntimo dos Castro: um ex guarda pessoal, um "laranja" que cuidava da rede internacional de empresas, ex comandantes, e a propria irmã dos Castro, Juanita.

Ernesto Neto brindou os leitores do grupo "cafehistória", com um resumo do livro "El Magnifico:20 Ans au Service Secret de Castro". Juan Vivés, conta que atuou no serviço secreto de Cuba até 1979, quando exilou-se na França. Descreve a difícil convivência com Guevara e o prazer sádico que o "herói" tinha por fuzilamentos e assassinatos: "só na Fortaleza La Cabaña ele comandou mais de 600 sessões."

Passa pela invasão da Bahia dos Porcos, assassinato de Camilo Cienfuegos, assassinato de Salvador Allende a mando de Fidel Castro, guerrilhas na Africa, operação no Saara Espanhol, tudo emoldurado pelos "casos que denotam o aspecto mau caráter de Fidel - colérico e com suas alegorias fantasiosas e megalomaníacas (...) todos que ameaçaram seu prestígio como Líder Máximo da Revolução, foram misteriosamente "silenciados", sejam por inexplicáveis acidentes como o de Camilo Cienfuegos, sejam por falsas promessas de ajuda como o próprio Che, quando se encontrava na Bolívia".

Uma novidade é que em Cuba foram interrogados soldados americanos presos no Vietnã. Juan Vivés recebeu dois textos em inglês, para tradução, duvidando da alegada falta de capacidade dos vietnamitas e "posteriormente o seu próprio tio (o Presidente) lhe teria dito que havia prisioneiros americanos em território cubano. O que ele nunca soube foi o que fizeram com estes infelizes soldados. Provavelmente foram mortos".


"O ex-espião ainda conta como a mídia internacional, artistas e escritores do mundo inteiro apoiaram (e apóiam!!) o cruel regime castrista, disseminando mentiras a respeito do país e da revolução". O envolvimento de Castro financiado a Frente Polisário no Saara Espanhol, bem como a criação e financiamento do ETA Espanhol, a partir da Venezuela.

Durante a operação militar em Angola, foram envolvidos 300 mil jovens cubanos durante 15 anos. Então "as tropas cubanas trocavam diamante e marfim, pela heroína por intermédio da máfia de Hong Kong. Daí a droga era enviada a Havana em transportes militares cubanos e posteriormente era transportada para o Panamá, onde agentes cubanos da DGI negociavam com traficantes internacionais."

Quando a operação foi denunciada pelos Serviços Secretos americanos, o responsável, General Arnaldo Ochoa e outros a serviço de Castro, foram fuzilados. O comércio continuou sob a direção de Raul Castro em relação com Daniel Ortega, atual presidente da Nicarágua e Pablo Escobar.


É este o amigo do presidente Lula. É este o modelo de "democracia" que querem impor ao Brasil. Vamos deixar?


Referências:


El Diario Exterior, Madri, 24 de Janeiro 2009;


http://www.elveraz.com/TVradio2.htm, documentários sobre Cuba, ver aba "política", entrevista com Manuel de Beunza e a sequência "El Escolta".


Arlindo Montenegro é Apicultor.

A questão das Malvinas e a Doutrina Monroe

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Luis Fernando de Sousa


O arquipélago das Ilhas Malvinas é palco de uma disputa internacional onde figuram a Argentina e a Grã-Bretanha como países litigantes.

A luta pela soberania da região remonta mais de duzentos anos, tendo sido o ápice dessa questão a guerra envolvendo os dois países, na qual os ingleses saíram vitoriosos, foi a chamada Guerra das Malvinas, de 1982.

Os Estados Unidos apoiaram militarmente o Reino Unido, contrariando à época a mais tradicional coluna de sustentação da política internacional americana, a Doutrina Monroe. Esta pode ser sintetizada pela máxima: “A América para os americanos” e ainda afirma que o continente americano não poderia ser suscetível à colonização por nenhuma potência européia.

A tensão diplomática entre argentinos e ingleses recrudesceu nos últimos dias com a chegada de uma plataforma de petróleo britânica às Malvinas para iniciar a exploração na zona em disputa. Na verdade, essa decisão se reveste de uma estratégia que visa tentar salvar o governo do primeiro ministro inglês, Gordon Brown, que se encontra em descrédito, especialmente após forte desaceleração de sua economia como consequência da recente crise mundial. Segundo Ed Balls, membro do gabinete do primeiro ministro, esta é a pior crise dos últimos cem anos e o desemprego chega ao patamar próximo de 2 milhões.

O governo argentino prontamente buscou defender seus interesses legítimos, tentando impedir a passagem da plataforma de petróleo inglesa, bem como todas as embarcações que navegassem por suas águas territoriais, com destino ao arquipélago. Estas medidas foram endossadas, inclusive, por duas resoluções aprovadas recentemente na Cúpula da Unidade da América Latina e do Caribe (CALC) - entre os quais chefes de Estado e de governo - consolidam um apoio continental à Argentina em seu conflito contra a Inglaterra.

Neste momento em que os EUA encontram-se sem rumos na dita guerra contra o terrorismo, tanto no Afeganistão, quanto no Iraque, a América Latina vem conseguindo se afirmar como uma comunidade de países democráticos e se projeta para o mundo, tendo o presidente Lula como a grande liderança desse processo.

Bom seria que, neste momento, os EUA contribuíssem com a solução definitiva da questão das Malvinas, defendendo a soberania da Argentina na ilha, contribuindo assim com a pacificação do cone sul, passando a ser verdadeiros os discursos “mudancistas” do presidente Barack Obama.

Luís Fernando R. de Sousa é Capitão do Exército Brasileiro. O texto baseia-se em opiniões pessoais e não representam opiniões institucionais. capitaoluisfernando@gmail.com

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Relatório do Bank of America Merrill Lynch a investidores sugere que Meirelles seria o vice ideal para Dilma


Edição do Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alertawww.fiquealerta.net (atualizado nesta quinta)

Por Jorge Serrão

A Oligarquia Financeira Transnacional faz ligeira pressão para que Henrique Meirelles mude de ideia e aceite brigar, dentro do PMDB, para ser o candidato a vice na chapa de Dilma Rousseff. Até o momento, Meirelles decidiu apenas que não concorre ao Governo de Goiás. Sua preferência é disputar o Senado – ganhando oito anos de imunidade política para trabalhar e investir em paz tudo que acumulou até hoje.

O mais recente “apelo” para Meirelles entrar na corrida presidencial, mesmo a contragosto, surgiu no relatório "Kicking Off 2010 Presidential Election in Brazil" ("Dando o pontapé inicial nas eleições presidenciais de 2010 no Brasil"). Distribuído terça-feira passada para clientes do Bank of America Merrill Lynch, o documento ressalta que "da perspectiva dos investidores financeiros, o vice-presidente ideal para Dilma Rousseff seria Henrique Meirelles (presidente do Banco Central), mas ainda não existe consenso dentro do PMDB, já que o presidente do partido, Michel Temer, se apresenta como candidato também".

Lula também gostaria que Meirelles viesse de vice. Mas não conseguiu convencer o comandante do Banco Central. O sonho de Meirelles era ser candidato a Presidente, mas não conseguiu ser viabilizado agora. No Senado, Meirelles aposta que pode investir em sua intenção para 2014. Sendo vice da Dilma, tem certeza de que seria neutralizado completamente em seu projeto futuro de poder. Por isso, Meirelles prefere esperar e seguir voo solo.

Sua saída do Banco Central, no final do mês de março, já é uma dor de cabeça para Lula. A maior dificuldade é encontrar um nome para sucedê-lo na autoridade monetária. Uma das opções mais fortes de Lula seria o ex-ministro e seu conselheiro informal Antônio Delfim Netto. Na verdade, Lula queria emplacar Antônio Palocci no cargo, mas já recebeu sinais de que a oposição travaria a aprovação do nome dele no Senado.

Reforma constitucional

O relatório chama a atenção para uma provável reforma constitucional com o governo que sucederá Lula

O banco avalia que, caso o PSDB saia vencedor, os investidores "podem desenvolver expectativas positivas a respeito de um maior compromisso para aprovar as reformas constitucionais que levem a uma redução de despesas do governo e uma reorientação das agências regulatórias na direção de uma menor interferência do governo".

O texto do Bank of America Merrill Lynch destaca que "as reformas constitucionais serão catalisadoras para se atingir um maior crescimento e ganhos de produtividade, ao diminuírem o tamanho e aumentando a eficiência do atual governo"

Em cima do muro?

O Bank of America Merrill Lynch aponta como principal ponto a favor de Dilma "a continuidade das políticas macroeconômicas, como o câmbio flutuante, a disciplina fiscal e o regime de metas de inflação".

O banco apenas cita e não deixa claro se é a favor ou contra Dilma "o aprofundamento da intervenção do governo na economia via gastos sociais (como os programas Bolsa Família e Minha Casa Minha Vida), e os gastos com infraestrutura (o PAC)".

Embora o banco não faça uma escolha clara entre os prováveis candidatos, diz que o maior risco das eleições este ano estará presente caso algum candidato com viés mais "populista" comece a avançar nas pesquisas, como ocorria em 2002 quando Anthony Garotinho (então PSB) ou Ciro Gomes (então PPS) ganhavam força nas sondagens.

Opção Serra

Sobre José Serra, o banco avalia que o atual governador de São Paulo "lidera as pesquisas e poderia ter um desempenho ainda melhor se o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, for convencido a se juntar à chapa como vice-presidente".

O relatório não aponta problemas contra o provável candidato tucano.

Nem mesmo quando cita que Serra é um crítico das alta taxa básica de juros brasileiras (a Selic, hoje em 8,75% ao ano) e do dólar barato,

Ou que Serra produz temores entre analistas de que, caso eleito, possa adotar uma postura mais "intervencionista" no mercado, contrariando o sistema de metas de inflação e o câmbio livre, os dois pilares da atual política macroeconômica do presidente Henrique Meirelles.

Tudo que é líquido...

O Banco Central pretende tirar R$ 71 bilhões da economia a partir do fim de março e início de abril – alterando o recolhimento compulsório, a parcela dos depósitos que os bancos devem manter no BC.

Outros R$ 50 bilhões continuarão com os bancos, já que nem todas as mudanças efetuadas no auge da crise foram revistas.


"O sistema está suficientemente líquido. Não se justifica mais injeção de liquidez. Os indicadores mostram que as condições de liquidez estão adequadas”.

É o juramento do presidente Henrique Meirelles.

Em espécie


Dos R$ 71 bilhões que serão retirados da economia, R$ 34 bilhões se referem à reversão do compulsório sobre os depósitos a prazo.

Os restantes R$ 37 bilhões serão depositados no BC a partir de 22 de março.

Os recolhimentos só poderão ser feitos em espécie, e não mais em títulos.

A alíquota do recolhimento, que havia sido reduzida para 13,5% no início da crise da marolinha, voltará a 15% a partir de 9 de abril.

Abrindo a caixinha

A presidenciável pelo PV, Marina Silva, causa frisson nas empreiteiras, depois de seu recente ataque, por escrito, às obras de construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará:

Apenas a eficiência energética da usina não será tão grande. Uma obra colossal que custará certamente mais de R$ 30 bilhões - se somados todos os gastos, como o custo e a extensão da linha de transmissão, por exemplo - terá uma capacidade instalada de gerar, em média, 4.428 MW, em razão do que poderá ser suportado pelo regime hídrico do rio, nesta configuração do projeto. E não os 11.223 MW que estão sendo equivocadamente anunciados”.

Leia, abaixo, o artigo em que ela faz tal denúncia: Pandora é aqui?


Últimas do Arruda

A defesa de José Roberto Arruda pediu ontem o adiamento do julgamento do habeas corpus, que estava agendado para hoje.

Arruda articula uma solução para sair da cadeia que passa por sua renúncia ou por uma licença até o fim das investigações da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal.

Sem admitir que Arruda quer ganhar tempo para uma solução política de seu caso, o advogado Nélio Machado, que integra a defesa de Arruda, alegou, ao pedir o adiamento, que só ontem teve acesso às transcrições dos votos dos ministros da Corte Especial do STJ que, no dia 11, mandaram prender o governador, por 12 votos a 2.

Arruda tem cerca de 20 dias, até meados de março, para renunciar sem sofrer os efeitos de um impeachment - a perda de direitos políticos

Cotas no STF

As cotas na Universidade de Brasília serão debatidas nos próximos dias 3, 4 e 5 de março, no Supremo Tribunal Federal.

A Faculdade Zumbi dos Palmares, que tem em seu quadro discente 90% de alunos negros auto-declarados, participará da audiência pública no STF em defesa das cotas, representada por seu reitor, José Vicente.

A instituição também fará uma ampla cobertura jornalística com todos os seus meios de comunicação cobrindo a audiência diretamente de Brasília: Programa de TV Negros em Foco, sites, agência de notícias Afrobrasnews, TV Web e revista Afirmativa Plural.

Fechado

O Banco PanAmericano, financeira do Grupo Silvio Santos que agora é parceira da Caixa, acaba de renovar o patrocínio ao time profissional de futebol do Corinthians.

A cota adquirida por R$ 7 milhões dá direito a estampar a marca PanAmericano na barra inferior (frente e trás) da camisa dos jogadores.

O patrocínio anual e começou a vigorar ontem na partida da Copa Libertadores da América – vencida ontem pelos corinthianos.

O chefão Lula da Silva, corinthiano roxo, ficou muito feliz com a operação.


Vida que segue...

Ave atque Vale!

Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 25 de Fevereiro de 2010.

Pandora é aqui?

Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Marina Silva

O Ibama concedeu a licença prévia para a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Trata-se de um projeto muito polêmico, localizado no rio Xingu, no Pará, próximo ao município de Altamira, numa região conhecida como Volta Grande do Xingu. O nome deve-se ao desenho do rio que, visto de cima, assemelha-se a uma "ferradura".

Por meio de barragens, as águas do rio serão desviadas para um canal que unirá as pontas mais próximas dessa "ferradura". Ao final desse canal, as águas passarão pelas turbinas antes de retornarem ao seu curso normal.

Como tudo na Amazônia, os números que envolvem a obra são gigantescos. A quantidade de terra e pedra que será retirada na escavação do canal é cerca de 210 milhões de m³ - um pouco menor da que foi removida na construção do Canal do Panamá. E ainda nem se definiu qual a destinação desse material.

Pelo leito do rio Xingu passa uma vazão de 23.000 m³/s de água no período de cheia. Um volume correspondente a quatro vezes a vazão, também nos períodos de cheia, das Cataratas do Iguaçu.

Os impactos socioambientais também terão essa mesma ordem de grandeza. E ainda não foram concluídos. Só sobre a fauna, segundo dados coletados durante o Estudo de Impacto Ambiental, podemos ter uma idéia.

Na área existem 440 espécies de aves (algumas ameaçadas de extinção, como a arara-azul), 259 espécies de mamíferos (40 de porte médio ou grande), 174 de répteis e 387 de peixes. Apenas a eficiência energética da usina não será tão grande.

Uma obra colossal que custará certamente mais de R$ 30 bilhões - se somados todos os gastos, como o custo e a extensão da linha de transmissão, por exemplo - terá uma capacidade instalada de gerar, em média, 4.428 MW, em razão do que poderá ser suportado pelo regime hídrico do rio, nesta configuração do projeto. E não os 11.223 MW que estão sendo equivocadamente anunciados.

A energia média efetiva entregue ao sistema de distribuição será de 39% da capacidade máxima de geração, enquanto a recomendação técnica indica que essa eficiência seja de pelo menos 55%. Para que Belo Monte possa apresentar um grau de eficiência energética compatível com as recomendações técnicas, seria necessária a construção de outras três hidrelétricas na bacia do rio Xingu, que teriam a função de regularizar a vazão do rio.

Por ora, a construção dessas usinas foi descartada pelo governo porque estão projetadas para o coração da bacia, onde 40% das terras pertencem aos indígenas. No entanto, a insistência em manter o projeto nessa dimensão (apesar de haver alternativa de barragem com quase metade da capacidade instalada e perda de pouco mais de 15% na potência média gerada) provoca forte desconfiança, tanto dos analistas como das comunidades e dos movimentos sociais envolvidos, de que a desistência de construir as outras três hidrelétricas seja apenas temporária.

A população indígena - são mais de 28 etnias naquela região - ficará prensada entre as cabeceiras dos rios que formam a bacia, hoje em processo acelerado de exploração econômica e com alto nível de desmatamento acumulado. E a barragem, além de interromper o fluxo migratório de várias espécies, vai alterar as características de vazão do rio.

É incrível que um empreendimento com esse nível de interferência em ambientes sensíveis seja idealizado sem um planejamento adequado quanto ao uso e à ocupação do território. A solução de problemas dessa dimensão não pode ser delegada exclusivamente a uma empresa com interesse específico na exploração do potencial hidrelétrico, com todas as limitações conhecidas do processo de licenciamento.

Com a obra, são esperadas mais de 100 mil pessoas na região. Não há como dar conta do adensamento populacional que será provocado no meio da floresta amazônica, sem um planejamento para essa ocupação e um melhor ordenamento do território. Isso só pode ser alcançado através da elaboração de um Plano de Desenvolvimento Sustentável na região de abrangência da obra.

Essa foi uma grande omissão nesse processo, mas não a única. Não temos como deixar de indagar se não há outros aproveitamentos hidrelétricos que seriam mais recomendados, sob o ponto de vista dos impactos ambientais ou da eficiência energética.

No entanto, não há projetos com estudo de viabilidade técnica e econômica prontos para serem submetidos ao licenciamento ambiental. Apesar de o diagnóstico ser conhecido desde 2003, apenas em meados do ano passado foram finalizadas as primeiras revisões de inventário de bacia hidrográfica, como a do Tapajós.

Com isso, projetos polêmicos e com grandes impactos têm que ser analisados em prazos muitas vezes incompatíveis com o grau de rigor que deveriam ter, numa clara demonstração de como, muitas vezes, os ativos ambientais são afetados pela falta de planejamento de outros setores de governo. Porém, nada foi mais afetado do que nosso compromisso ético frente à responsabilidade com o futuro de povos e culturas.

Não foram sequer feitos estudos sobre os impactos que os povos indígenas terão. Só para exemplificar, o que significará para eles ter a vazão reduzida significativamente num trecho de 100km em função do desvio das águas para o canal? O plano de condicionantes tampouco menciona a regularização de duas Terras Indígenas (Parakanã e Arara), já bastante ameaçadas. Estas e outras comunidades indígenas manifestam inconformidade por não terem sido ouvidas adequadamente, segundo os preceitos da Resolução 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ratificada pelo Brasil, mas nunca implementada para valer.

O Brasil possui um importante potencial de geração de energia hidrelétrica a ser desenvolvido. Mas as dificuldades em retomar o planejamento do setor na velocidade que possibilite escolhas e uma análise segura por parte do setor ambiental, somada à indisposição em discutir uma proposta de desenvolvimento sustentável para as obras de infraestrutura localizadas na Amazônia, à percepção de que o governo não faz o suficiente para melhorar a eficiência energética do sistema (não só na geração) e para desenvolver as energias alternativas, acaba por produzir conflitos agudos e processos equivocados, que poderiam ser evitados.

Apesar dos discursos em contrário, ainda estamos operando no padrão antigo, que considera o meio ambiente como entrave ao desenvolvimento. Temos ainda um longo dever de casa a ser feito para ingressarmos definitivamente no século 21. Quem pensa que a história relatada no filme Avatar só pode ocorrer em outro planeta, engana-se: Pandora também pode ser aqui.

Marina Silva, pré-candidata a presidência da República pelo Partido Verde, é professora de ensino médio, senadora (PV-AC) e ex-ministra do Meio Ambiente do Governo Lula. Artigo originalmente veiculado pela Agencia latinoamericana de información.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

$talinácio arrisca discursos contra seus controladores globais: chantagem política ou perda de sustentação?

Edição do Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alertawww.fiquealerta.net (atualizado nesta quarta)

Por Jorge Serrão

Ou Lula da Silva resolveu fazer chantagem com a Oligarquia Financeira Transnacional para que formalize o apoio a sua candidata Dilma Rousseff, ou Lula já sente um processo de acidose política, porque não conta mais com a sustentação dos controladores globalitários que usaram e abusaram dele para fechar grandes negócios no Brasil. As duas alternativas explicam por que Lula ontem desferiu ataques contra a ONU e defendeu a soberania da Argentina sobre as Ilhas inglesas Falklands – para irritação do governo britânico.

O Reino Unido rejeitou ontem as objeções argentinas à prospecção de petróleo na costa das ilhas Malvinas, alegando que tal perfuração não viola o direito internacional. O chanceler britânico David Miliband, o mesmo que defende publicamente a internacionalização da Amazônia, criticou a postura de Lula sem citá-lo: “A soberania britânica a respeito das Falklands é absolutamente clara no direito internacional. Não há dúvida sobre isso. A exploração que está ocorrendo na costa das Falklands. Está totalmente dentro do direito internacional, totalmente baseada em precedentes”.

Pelo discurso de Miliband, Lula pode ter problemas diplomáticos com seus controladores ingleses pelo discurso de ontem na cúpula do Grupo do Rio, na paradisíaca Playa del Carmem. Além de atacar o caso Malvinas, Lula cutucou outra Meca do Globalitarismo: as Nações Unidas. $talinácio reclamou que, se os países da região "não tiverem coragem" de enfrentar esse debate sobre as Malvinas, a ONU "vai continuar a funcionar sem representatividade e os conflitos no Oriente Médio vão ficar por conta dos interesses eminentemente americanos".

Leia o artigo de Maria Lúcia Barbosa: Iceberg à vista

Provocador

Lula provocou a tese britânica sobre as Falklands:

Qual é a explicação geográfica, política e econômica de a Inglaterra estar nas Malvinas? Qual a explicação política de as Nações Unidas já não terem tomado uma decisão dizendo: não é possível que a Argentina não seja dona das Malvinas e seja um país (Reino Unido) a 14 mil quilômetros de distância?”.

Lula aproveitou o debate em torno das Malvinas para sugerir a reforma do Conselho de Segurança da ONU, uma de suas principais reivindicações no cenário internacional:

Não é possível que a ONU continue com o Conselho de Segurança representado pelos interesses geopolíticos da Segunda Guerra (Mundial) e não leve em conta todas as mudanças que ocorreram no mundo”.

Tão nem aí...

O secretário para a América Latina e Europa do ministério das Relações Exteriores britânico, Chrys Bryant, em entrevista à BBC Mundo, repetiu que a soberania das ilhas Malvinas (Falklands para os ingleses) é indiscutível para o governo britânico:

"Não temos nenhuma dúvida sobre essa soberania, Nós acreditamos na autodeterminação dos moradores da ilha para decidir seu futuro. Eles querem ser britânicos".

Por isso, a chancelaria britânica alegou que não se preocupa com o o respaldo diplomático à posição da Argentina na Cúpula da América Latina e Caribe, realizada nos últimos dias em Cancún, no México.

Olho no petróleo

Segundo os estudos preliminares, as Falklands teriam um potencial de produção de cerca de 60 milhões de barris de petróleo - um grande atrativo comercial se considerado o preço do barril acima dos US$ 70.

Mas Chrys Bryant, espertamente, não admite que o interesse inglês na ilha seja o “ouro negro”:

"O que é difícil é que não sabemos se há petróleo que se pode extrair, que tipo de petróleo será e se será comercializável. Em todo o caso, é algo que o governo das ilhas deverá decidir".

Amansando a Águia

Enquando o chefão Lula ataca posições norte-americanas, o ministro da Defesa Nelson Jobim pregou ontem que não há um clima de desconfiança nas relações entre os EUA e os países da América Latina.

Reunido com o colega norte-americano Robert Gates, Jobim alegou que tal clima precisa ser melhorado através não apenas de discursos favoráveis do presidente Barack Obama, mas através de ações efetivas.

Segundo Jobim, Gates teria concordado com a análise e afirmou que, ao menos em termos do ministério que comanda, trabalharia para reduzir as desconfianças entre os países.

Defensor cubano

Nos EUA, Jobim sugeriu a Gates mudar a política com relação a Cuba, especialmente o embargo econômico à ilha, pois seria uma boa oportunidade para os EUA criarem um ambiente de confiança.

Disse a ele que este seria um bom começo porque o embargo só provocou três fenômenos: o empobrecimento de Cuba, um aumento no orgulho dos cubanos por sobreviverem às adversidades e uma atmosfera de desconfiança na América Latina, que também se justifica pelo passado do país na região”.

Jobim informou que Robert Gates visitará o Brasil em abril e que a intenção é levá-lo para conhecer os postos de fronteira do país na região amazônica, que este ano serão ampliados de 21 para 49.

Saideira

Dia 31 de março, quando entra para a reserva, o General Maynard Marques de Santa Rosa fará um discurso explosivo.

Será no Centro de Inteligência do Forte Apache, sede do Comando do Exército, em Brasília.

A cúpula do EB ouvirá palavras que, certamente, desagradarão ao Genérico Nelson Jobim e seu chefão-em-comando Lula da Silva.

As Legiões já sentem que o regime de $talinácio entra em fase de acidose – o que é gravíssimo.

Merdabrás?

Os mamadores nas tetas estatais ligados ao Sarney tiveram a ideia de criar uma estatal de fertilizantes.

Os ministros Edson Lobão e Reinold Stephanes defendem uma nova empresa para a regulação, pesquisa e produção dos fertilizantes – hoje nas mãos do esquema Vale e Bunge.

O nome ideal para a nova estatal já foi dado por um irônico especialista no setor: Merdabrás – evolução da palavra tão usada por $talinácio ultimamente.

Direito de negar

Como era esperado, José Dirceu negou em seu blog ontem que tenha feito lobby para a possível reativação da Telebrás, beneficiando uma empresa para a qual prestou consultoria:

"Saí do governo há quase cinco anos. Não tenho impedimento para dar consultorias e não há nada que me ligue a qualquer intervenção ou ação do Executivo federal".

A Star Overseas, que tem participação na quase falida Eletronet, cujo principal ativo são 16 mil quilômetros de fibras óticas que seriam usadas dentro do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), pagou R$ 620 mil em consultoria a Dirceu.

Por essa merreca, Dirceu deve ter ensinado o empresário Nelson dos Santos, a diferença entre “ilhas virgens” (onde fica a sede da Star) e “ilha da fantasia desvirginada” (onde Lula e seus amigos e companheiros ideológicos sempre fazem bons negócios).

Ajuda sinalizada

Mesmo negando qualquer ajuda à Star Overseas, empresa sediada nas Ilhas Virgens Britânicas e principal beneficiada se Lula reativar a Telebrás no Programa Nacional de Banda Larga, o governo deve assumir as dívidas da falida Eletronet.

Tanto que já depositou uma caução de R$ 270 milhões para pagamento dos credores.

Pela sua nebulosidade, o caso mereceria uma CPI – que pode até ser criada -, mas que vai dar em nada, como as anteriores, porque o governo domina o Congresso.
Sucesso de homilia

Faz o maior sucesso na Internet o vídeo de uma homilia do padre Paulo Ricardo de Azevedo Junior.

Além de defender os direitos cristãos do Brasil, o religioso exorcizou o 3º Plano Nacional dos Direitos Humanos – mais conhecido como AI-51:

http://www.youtube.com/watch?v=hA6h1dFgbc8

http://www.youtube.com/watch?v=lpjYttjds6g

http://www.youtube.com/watch?v=JYNP8JrDepo

Revolução pelega

O Palhaço do Planalto ficou triste com o artigo publicado ontem pelo cineasta Arnaldo Jabor nos jornais O Globo e Estadão, advertindo que raia no horizonte a revolução dos pelegos:

Se Dilma for eleita, teremos saudades de Lula. Quem vai mandar no país será o Zé Dirceu (sempre esse homem fatal…). O programa do PT não é apenas assustador como futuro para um Brasil moderno: é prova de que cabeça de comuna não muda. Nada do que se passou nos últimos 20 anos foi assimilado por essa gente. Estão ali todos os erros passados que cismam em instalar”.

Claro que os malandros mais pragmáticos do PT divulgam que o programa é apenas para dar pasto para a ala mais radical do partido… Mentira… Estão esperando a revolução. Só que é uma revolução para eles mesmos, que se consideram o povo. Dentro do Estado já há 200 mil contratados desde que o Lula tomou posse. O gasto com folha de pagamentos dobrou, de 2002 até hoje. O programa do PT não é para atemorizar tucanos. É um plano de guerra. Essa gente não larga o osso. Eles odeiam a democracia e se consideram os “sujeitos”, os agentes heroicos da História. Nós somos, como eles chamam, a “massa atrasada”.

Comemoração

José Serra, que ninguém sabe se está mesmo em campanha presidencial, tem duas festinhas de arromba lá pros lados das Minas Gerais.

Dia 4 de março, haverá uma grande comemoração pelos 100 anos de nascimento de Tancredo Neves.

No dia 10, a festança é do neto dele, Aécio Neves, que completa 50 primaveras e que ainda sonha em ser candidato à presidência, este ano, se deixarem...

Julgamento Petros

O Supremo Tribunal Federal julga hoje, a partir das 14 horas, o recurso da Petros em que a Fundação questiona a competência da Justiça do Trabalho para julgar ações relativas à Previdência Complementar Privada.

Se a decisão for de que a Justiça do Trabalho é competente para julgar essas ações, então aquelas que têm decisão favorável poderão ir à execução com grande benefício para os autores que pedem revisões de aposentadorias.

Se a decisão for contraria, ou seja o recurso for aceito, todas essas ações terão que ser reiniciadas na Justiça Civil cujo andamento é bastante moroso e problemático.

Exemplo educacional

Acaba de ser pré-qualificado para o Guia de Tecnologias Educacionais do Ministério da Educação (MEC) o Programa de alfabetização Além das Letras.

A publicação, que reúne os melhores programas de ensino-aprendizagem do Brasil, funciona como um referencial de qualidade para orientar escolas e sistemas de ensino na implementação de projetos utilizando tecnologias educacionais que contribuam para a elevação da qualidade da educação básica.

Curioso é que, em vez de apostar em iniciativas brasileiras como estas - do Instituto Avisa Lá e do Instituto Razão Social -, o governo $talinácio vem com mais uma demagogia de contratar uma consultoria cubana para ensinar pescadores a ler e escrever.

Ideologizando

O programa cubano - chamado Sim, eu posso, ou Yo, sí puedo, no original - promete alfabetizar uma pessoa após 65 aulas em vídeo, um tempo recorde para cursos do tipo, que costumam durar de seis a oito meses.

Para implantar o método, técnicos cubanos foram enviados aos cinco Estados onde o projeto está sendo implementado pelo Ministério da Pesca e Aquicultura.O governo de Raúl Castro cedeu os filmes e enviou os consultores.

E o Brasil paga as despesas deles no País, mesmo tendo métodos aducacionais mais eficientes, mais brasileiros e menos ideológicos.

Para quem gosta de cerveja...

Uma Informação Relevante da FEMSA Cerveja Brasil – principalmente para o nosso poderoso chefão, que só gosta de tomar Kaiser.

Cinco tradicionais e sofisticadas cervejas européias, que integram parte do portfólio internacional da Heineken, chegam ao mercado nacional nesta última semana de fevereiro:
Amstel Pulse, da Holanda; Birra Moretti, da Itália; Edelweiss, da Áustria; Murphy’s Irish Stout e Murphy’s Irish Red, ambas da Irlanda.

Cada uma destas cervejas, que se destacam por apresentar um sabor diferenciado e qualidade premium, deviam ser candidatas ao isoporzinho presidencial...

Vamos lá, $talinácio?

A Finlandia Vodka arma no dia 10 de março, a partir das 20h, uma degustação de drinks com frutas da estação, durante a abertura da exposição Estrelas do Design Finlandês.

A mostra – com mais de 200 peças selecionadas pela curadora Marianne Aav - ficará em cartaz no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, até 2 de maio.

A marca terá um bar personalizado no local e servirá aproximadamente 600 convidados com a vodca produzida usando a lendária cevada seis-fileiras, cultivada, ao longo de 73 dias, sob o sol da meia-noite.

Pena que “o cara” só goste de Kaiser...

Acidose se agravando

Como o Alerta Total tinha antecipado, Paulo Octávio pediu pra sair.

Seu parceiro José Roberto Arruda deve fazer o mesmo, renunciando oficialmente ao cargo de governador do Detrito Federal.

Ninguém quer a intervenção, mas a cada dia ela fica mais próxima, com sérios riscos de aumentar o grau de acidose institucional generalizada.

Vida que segue...

Ave atque Vale!

Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 24 de Fevereiro de 2010.