domingo, 31 de outubro de 2010

Eleição Halloween

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Jorge Serrão

Eleição no Dia das Bruxas, com o monstruoso esquema político tupiniquim, é uma ironia aterrorizante da História. Uns vão apostar na Bruxa. Outros votarão no Vampiro. Mas já se sabe que o vencedor será a Mula Sem Cabeça do PMDB. Este Frankenstein é quem dá as cartas no jogo da politicagem brasileira. E PT saudações.

Para a Oligarquia Financeira Transnacional que comanda os negócios globalitários, tanto faz se a mágica urna eletrônica indicará a Bruxa, o Vampiro ou a Mula Sem Cabeça. O Brasil continuará governado do mesmo econômico. O que pode variar, um pouco, é o esquema de politicagem. No mais, tudo muda para ficar a mesma coisa.

Os especuladores, os bancos e as empreiteiras nunca tiveram tão tranqüilos na véspera de uma eleição que se decide apenas no joguinho de aparências do Teatro do João Minhoca. Os eleitores atuam como marionetes no banquinho da plateia. Uns ficarão feito torcedores fanáticos na arquibancada. Outros nem vão aparecer para a dedada na urna pós-moderna.

O espetáculo é mágico. Em duas ou três horas após o fim da votação, teremos o milagre da proclamação do “vencedor”. Milagrosa a velocidade com que são inseridos os dados das urnas para a totalização final dos votos. A rapidez causa estranheza. Na eleição passada, Lula foi emplacado vencedor em tempo recorde. Logo mais a história deve se repetir...

Enfim, o negócio agora é curtir o Halloween eleitoreiro. O resultado político, verdadeiro, vem alguns meses depois, quando o chefão Lula tiver de passar o bastão para sua candidata ou para o suposto opositor. Até lá, tudo caberá em um filme de Zé do Caixão, estrelado pelo Harry Potter.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 31 de Outubro de 2010.

Núcleo do Poder Mundial

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

Agradeço a Manoel Vigas, um amigo virtual, que enviou o pdf do "Wall Street and the Rise of Hitler", escrito por Antony Sutton, livro que revela quem, como, quando e onde, um grupo identificado como “A Ordem”, tem agido durante séculos, com o objetivo específico de mudar as formas de organização da sociedade, no rumo que recentemente se tem conhecido como a Nova Ordem Mundial.

Neste vídeo legendado, publicado pelo site Midia a Mais, Sutton fala da contribuição de Wall Street, de banqueiros internacionais, para o desenvolvimento dessas formas específicas de socialismo e revela um pouco das pressões e perseguições que sofreu por conta de suas pesquisas e livros publicados.

http://vimeo.com/13790265

A vida profissional de Sutton foi praticamente destruída. Ele pagou um alto preço por dizer verdades. Para mais detalhes de sua notável biografia,clique aqui, aqui e aqui.

A Ordem (Skull Bones – sediada na Universidade de Yale) está presente em cada instituição norte americana, (Casa Branca, poder executivo; Congresso, poder político; no Direito; Partidos e grupos políticos; na Educação, Midia, Editoras, na rede bancária e no controle da Reserva Federal; nos negócios, indústria e comércio; e nas igrejas.

Está presente em cada segmento britânico a partir de Oxford, em cada organismo internacional ou grupo de poder como os Bilderberg, situados no terceiro escalão decisório. Na pirâmide de comando, acima dos Bilderberger, existe uma penumbra, uma área detentora de segredos mais bem guardados. Esta foi a área que Antony Sutton revelou em sua obra, mostrando que elementos estavam sendo alterados por conta da ação daquele grupo, no contexto americano e internacional.

Na lista de Sutton encontramos os segmentos do que vem sendo aplicado no Brasil, um dos laboratórios destas mudanças. No espaço tempo brasileiro e latino americano, as diretrizes foram passadas a partir da fundação do Diálogo Interamericano, em 1982, por iniciativa de David Rockefeller, com a presença de Lula, Fernando Henrique Cardoso, representantes da midia, empresários e outros "vips", ex presidentes de países da AL, intelectuais como o peruano Vargas Llosa, entre outros.

Em 1989, com a queda do muro de Berlim, Lula recebeu a terefa de fundar o Foro de São Paulo, agregando os radicais da esquerda e partidos comunistas. Estava montada a operação para enviesar o caminho político, facilitando a disseminação de idéias, preparando o terreno para a neo colonização dos "territórios selvagens".

Segundo Marcos Coimbra, a tarefa destes personagens é “o fiel cumprimento das normas ditadas pelos "donos do mundo", através da Trilateral, do Diálogo Interamericano e do Consenso de Washington. Estas ações de submissão, de entreguismo explícito, de subserviência incondicional, trouxeram, como conseqüência, a grave situação vivenciada pelos principais países da América Latina...”

No Brasil, as ordens foram configurados e cada fase cumprida, como documentado na obra de Antony Sutton:

“Educação - modo como a população do futuro irá se comportar”, isto é, doutrinação a partir da escola básica.

“Dinheiro - os meios de exploração de riqueza e de bens de troca”, controlados pelo estado.

“Lei - a autoridade para fazer cumprir a vontade do Estado, uma lei mundial e um tribunal mundial, é necessário para um (futuro) estado mundial”. Daí a onipresença e interferência da ONU.

“Política - a direção do Estado, Economia - a criação de riqueza”, ou seja, o estado na direção e controle da economia, Banco Central, Agências Reguladoras, alocação de recursos, cartões de crédito comprometendo a vida de cada pessoa.

”História - o que as pessoas acreditam ter acontecido no passado” ou seja a versão oficial da história desfigurada pela informação veiculada massivamente, nas escolas e mídias.

“Psicologia - os meios de controlar a forma como as pessoas pensam” utilizados para controlar as mentes, fortemente ativos na propaganda esmagadora.

“Filantropia - para que as pessoas pensem bem dos controladores” as empresas que cuidam dos projetos “comunitários”, vale a popularidade do governante também.

“Medicina - o poder sobre a vida, saúde e morte”, que sentimos em cada fila, nos planos de saúde, nas campanhas “contra” drogas, na ação de laboratórios internacionais, nas campanhas de vacinação, nas campanhas abortistas...

“Religião - crenças espirituais das pessoas, o estímulo à ação para muitos”, dividindo católicos e confundindo os outros cristãos e religiosos: cnbb, teologia da libertação.

“Mídia – indicando o que as pessoas devem saber, aprender e acreditar: comportamentos.”

“Continuidade - o poder de nomear o substituto que vai seguir os mesmos passos”. Cabe a carapuça?
A aparência de conflito entre opostos é essencial para estabelecer a mudança. “Hoje, este processo pode ser identificado na literatura da Comissão Trilateral, onde a "mudança" é promovida e"a gestão de conflitos" é chamada de meio para realizar esta mudança. Como ensinou Hegel, antecessor de Marx, Engels e Lenin, só se considera a liberdade de obediência ao estado. É exatamente o que o PT persegue no Brasil: a total obediência ao estado totalitário!

Arlindo Montenegro é Apicultor.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Lula e Dilma privatizaram o gás do Pré-Sal

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Jorge Serrão e João Vinhosa

Por trás de todo grande lance de marketagem petista existe sempre um grande negócio. Agora surgem justificativas para os rumores de que o chefão Lula da Silva pretende ser ministro do Pré-Sal, caso se confirme a vitória presidencial de sua candidata Dilma Rousseff, que comandava a Casa Civil (repleta de escândalos de tráfico de influência) e presidia o Conselho de Administração da Petrobrás.

Lula e Dilma, tecnicamente, já privatizaram um dos grandes filões do pré-sal. Diferentemente do Gás Natural da Bacia de Campos e do Gás Natural da Bolívia, o Gás Natural do Pré-Sal não poderá ser transportado por gasoduto. O produto terá que sofrer uma mudança de estado, passando do estado gasoso para o estado líquido, para poder ser transportado em navios. Dessa maneira, como Gás Natural Liquefeito (GNL), será comercializado no mercado internacional.

Hoje, a Petrobras produz e comercializa o GNL no mercado interno por meio da Gemini – sociedade da qual detém 40% e que a White Martins é a sócia majoritária com 60% das quotas. Apesar de a tecnologia de liquefação de gás ser dominada por inúmeras empresas, a Petrobras declarou oficialmente que se associou à White Martins por ser ela a detentora da tecnologia de liquefação.

Dilma Rousseff, que – acumulando os cargos de Ministra de Minas e Energia e Presidenta do Conselho de Administração da Petrobras, se tornou a principal avalista da Gemini – deverá agora responder a seguinte pergunta:

Ao explorar o Gás Natural do Pré-Sal, a liquefação do produto será feita pela Gemini (leia-se White Martins), ou a Petrobras pagará os devidos royalties à White Martins pela apropriação de sua tecnologia?

Será que Dilma terá condições de reponder a tal pergunta antes do Halloween eleitoral de domingo?

Jorge Serrão é Jornalista, e João Vinhosa, Engenheiro.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O Alerta Total alertou: Dilma escorregou no Escândalo Gemini

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Jorge Serrão

Em artigo publicado em 13 de outubro de 2010, o Alerta Total foi categórico: ao acusar o tucano José Serra de ser favorável à privatização de setores da Petrobras, Dilma corria o forte risco de escorregar. Ela poderia ser instada a explicar o que a levou, como Ministra de Minas e Energia e Presidente do Conselho de Administração da Petrobras, a avalizar a constituição da Gemini – sociedade por meio da qual o governo Lula transformou uma empresa pertencente a um grupo norte-americano na maior beneficiária de nosso gás natural liquefeito (GNL).

Posteriormente, em 19 de outubro de 2010, o Alerta publicou a íntegra da denúncia protocolada no mesmo dia junto ao Ministério Público Federal pelo engenheiro João Vinhosa. Em tal denúncia, Vinhosa afirmou que Dilma foi a principal avalista da sociedade e anexou provas que o sindicato dos petroleiros (Sindipetro) já havia acusado a existência de corrupção explícita no caso Gemini desde 2006.

Não deu outra. Dilma escorregou feio no debate realizado pela TV Record nesta segunda (25), Serra repercutiu a denúncia de João Vinhosa, que tem grande repercussão na internet, mas que não ganha o devido espaço na mídia tradicional. Serra cutucou Dilma: “O atual governo cedeu para a White Martins, uma multinacional, a sociedade do fornecimento de gás liquefeito. A Petrobrás ficou com a menor parte, 40%. Ela favoreceu uma multinacional em relação à ação da Petrobrás, que tinha toda a condição para fazer esse trabalho”.

Embora Serra tenha citado duas vezes tal espúria sociedade, Dilma não se manifestou sobre o assunto. O silêncio e omissão dela sobre o grave caso de privataria petista é sintomático. Ainda na Casa Civil, embora tenha recebido denúncias por escrito de João Vinhosa, Dilma e seus aspones nunca se manifestaram sobre o caso.

Em entrevista concedida ao final do debate, o candidato tucano José Serra ainda alfinetou, ironizando que havia ficado curioso para saber o pensamento de Dilma sobre “essa associação estranha da Petrobras com a White-Martins, que entregou a essa multinacional o controle do gás liquefeito no Brasil”. Serra tocou no assunto porque vários leitores do Alerta Total enviaram à coordenação de campanha do PSDB as denúncias de João Vinhosa publicadas no Alerta Total. Ponto para a cidadania, que premiou a coragem do incansável Vinhosa em oficializar tais denúncias ao governo e ao Ministério Público Federal.

O caso Gemini, que agora está começando a atingir a relevância que merece, pode ser acompanhado em detalhes pela série de matérias publicadas no Alerta Total. Porém, devido à urgência e a gravidade da situação, recomenda-se, inicialmente, uma leitura das matérias publicadas pelo jornal Sindipetro – sindicato de notória tendência petista no meio dos petroleiros.

As acusações do Sindipetro podem ser vistas nos endereços a seguir indicados:

HTTP://www.sindipetro.org.br/101/b1063/1063.pdf (Jornal do Sindipetro, 23/03/06)

HTTP://www.sindipetro.org.br/101/b1109/1109.pdf (Jornal do Sindipetro, 03/08/07)

HTTP://www.sindipetro.org.br/101/b1133/1133.pdf (Jornal do Sindipetro, 29/05/08)

A Lenda do Boi

Oficialmente, faleceu ontem o Senador Romeu Tuma - um dos mais famosos profissionais da área de inteligência no Brasil.

Com ele são enterrados os grandes segredos do sindicalista que foi grande colaborador secreto do Departamento da Ordem Política e Social, nos tempos da dita-dura.

Lula devia agradecer eternamente ao amigo Tuma por ele nunca ter revelado nada sobre a atuação de Lula contra seus inimigos no campo sindical.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: http://www.alertatotal.net/. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Os Medinhos da Bruxa

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

Não houve debate ontem entre presidenciáveis na Rede Record. Novamente, a discussão de ideias e soluções para o Brasil passou muito longe das discussões. Pelo menos tivemos uma novidade. Dilma Rousseff e José Serra se confrontaram de maneira mais dura. O debate-boca rolou solto.

Serra fez o papel dele. Tem de correr atrás do prejuízo parecendo que é oposição ao modelo petista. O soou estranho, novamente, foi o estilo ofensivo da Dilma. Quem lidera as pesquisas – como supostamente ela está – não devia ser tão futriqueira com o adversário, como ela foi ontem.

O estilo bateu-levou é a normalidade de Dilma. Ontem, ficou claro que ela não está tão segura, quando antes do segundo turno, que venceria facilmente a eleição. Dilma tem dois temores imediatos. Que caiam na boca do povo dois escândalos recentes. O tráfico de influência na Civil, envolvendo sua amiga Erenice Guerra e o filho dela, e o esquema do grupo de inteligência da pré-campanha petista para forjar dossiês contra dirigentes do PSDB e Verônica Serra, filha do presidenciável tucano.

Se no Brasil não houvesse tanta impunidade aos poderosos, tais escândalos comprovados, na beira do processo eleitoral, já seriam suficientes para o início de um processo de impeachment do chefão Lula da Silva, e para uma impugnação de sua candidata biônica, por total falta de probidade para disputar o cargo que simboliza o máximo de poder na República.

Domingo, 31 de outubro, é dia de Halloween eleitoral. Vença a Bruxa, ou ganhe o Vampiro, o único vitorioso será o PMDB (Mula Sem Cabeça política que tem a hegemonia política em todos os governos, desde 1985, com o fim do regime dos presidentes militares e o começo da “Nova República” que já nasceu caduca sob a batuta do mesmo imortal José Sarney que continuará mandando no próximo governo, junto com Michel Temer (ganhe a candidata dele ou não).

Como diria o velho comuna João Saldanha, “quem reclama já perdeu”. O Brasil será o grande derrotado a partir de domingo que vem. A coisa pode ficar mais pior ou menos pior. O cenário previsto é ruim pra Diabo. E como terça que vem é o Dia dos Mortos, vamos aguardar serenamente para saber quem ganha uma sobrevida a partir de segunda, quando teremos o pronunciamento oficial da Presidenta ou Presidente eleito.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


PS – Por motivos técnicos, voltamos com a edição regular do Alerta Total, com notas comentadas e informações de primeira, a partir da segunda que vem, sempre de manhã cedinho. Até lá, pedimos paciência aos leitores. Postaremos artigos e análises curtas e imediatas.

domingo, 24 de outubro de 2010

Deusa e o Diabo na Terra do ex-Rei Sol


Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

Quem vai vencer a eleição do próximo domingo. O palpite tem 100% de chances de acerto. Não ganha a Dilma. Nem vence o Serra. O único vencedor possível é o PMDB. O maçom Michel Temer, que denega a própria Maçonaria na campanha, será o grande “condottieri” (para usar o termo “condutor”, muito empregado pelo Toninho Malvadeza Gramsci, o italiano mais venerado pela nazipetralhada depois do terrorista Cesare Battisti, é claro!). O partido mais governista do universo vai dar as cartas. O resto é um bando de derrotado.

Originalmente, condottiero era um senhor feudal que controlava uma Milícia, sobre a qual tinha comando ilimitado, e estabelecia contratos com qualquer Estado interessado em seus serviços. O Brasil continuará um feudo do PMDB, que conquistou a maioria “paralamentar”. No próximo governo, os milicianos políticos do PT sentirão apenas a ilusão de que tem o comando das operações políticas. Terão menos influência ainda que no atual reinado do futuro Rei-Sol apagado.

Os cenários para 2011 são tétricos. Dignos de filme de terror político. Se voltasse agora ao mundo dos vivos, Glauber Rocha produziria uma obra com o título “Deusa e o Diabo na Terra do ex-Rei Sol”. A obra concorreria, facilmente, ao Oscar. De maior lixo da história. O roteiro é digno de filme do Zé do Caixão. Porém sem graça alguma. Os personagens são patéticos. Só têm vaga mesmo na tragicomédia pastelão da politicagem tupiniquim. Azar nosso.

Vamos aos cenários. Dilma vence. Tem a temer o seu vice. O cabra já avisou que não está marcado para morrer no ostracismo. Quer protagonismo político. Tem sede de poder, e comanda o PMDB. Dilma terá de cuidar da saúde. Governar sob o espectro do linfoma é missão para uma mulher do Diabo. Pelo menos, Dilma se converteu, marketeiramente, a alguma religiosidade durante a campanha eleitoreira.

Que Deus tenha pena dela! Porque o cara que se acha Deus não terá. Governar com bafo de álcool no cangote é horrível. Se ganhar, Dilma vai constatar, depressa, que perdeu. Além de se proteger do diabólico PMDB, a ex-brizolista gaúcho-bulgaro-mineira também precisará se resguardar contra os milicianos do PT. O que sobrar de poder deixado pelo PMDB, eles vão querer ocupar. A tendência dos nazipetralhas é para a autofagia, se matando pelos nacos de poder.

O cenário para o ex-chefão Lula é desolador. Ser presidente de honra do Corinthians não lhe bastará. Vai querer mandar na Dilma. O problema é se ela vai deixar. A poderosa caneta do Diário Oficial na mão é uma espada de luz do Dart Vader. Boa ideia, para o filho do Brasil, seria procurar, urgentemente, o AA. O ministério da Saúde adverte. Melhor prevenir que se embriagar sem poder. Até 2014, muito álcool terá de ser processado pelo fígado – que pode não aguantar. A perda do poder é amarga. E tomar Epatovis não resolve...

Agora imagina se Serra ganha. Afinal, acidentes históricos acontecem. E sua conquista pode ser outro desastre político para o Brasil. Serra só vai governar por milagre. Terá de fazer um pacto de vampiro com o mesmo PMDB que tutela o PT. Serra ficará tão refém do Temer quando a Dilma. Além disso, terá de duelar contra o Império Nazipetralha, que tem dezenas de Dart Vaders aparalhando a máquina do Estado e comandando, nas sombras, um exército de fanáticos radicalóides, prontos para um confronto, a qualquer hora. Para eles, a homenagem do filminho acima, com a famosa Marcha do Império.

Ganhando um ou outro, o cenário econômico é nada bom para os próximos anos. Um repique da crise norte-americana é dado como pule de 10. Por aqui, o tsunami tem tudo para ser pior. O comprometimento da renda do brasileiro com o pagamento de dívidas já supera até mesmo o nível dos Estados Unidos. Por aqui, quando vão aprovar um crédito, os bancos consideram como teto para comprometimento da renda um nível entre 30% e 35%. A explicação para o comprometimento da renda já elevado passa primeiro, pelos juros altíssimos cobrados no País e pelos curtos prazos de financiamento.

A insuspeita Serasa Experian tem um dado para tirar o sono do economista mais pessimista. Existe o risco de o Brasil enfrentar um “superendividamento” diante da falta de dados sobre o perfil dos débitos e a capacidade de pagamento de um povinho com a renda ainda baixa se comparada ao padrão das nações desenvolvidas. Os números colhidos no BC do B, Banco Central do Brasil, são de arrepiar. Nos últimos cinco anos, o número de pessoas com dívida superior a R$ 5 mil reais passou de 10 milhões para os atuais 25,7 milhões.

Ironia maior da história é saber que o suplente do palhaço Tiririca é ninguém menos que o José Genoíno, processado pelo esquema do mensalão até agora em ritmo de impunidade. Fala sério! A política brasileira não é, realmente, uma legítima palhaçada? Botemos fogo no Circo. Esta é alegria do Palhaço do Planalto. Ele toma todas, enquanto o Brasil vira cinzas. Haja fígado! Eita filme ruim! O resultado da urna eletrônica, domingo que vem, será apenas chocante.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 24 de Outubro de 2010.

Decida-se, Dona: Deus ou Diabo?



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

Sabe aquela máxima do "time que está ganhando não se mexe"? Pois então, vale para a posição dos brasileiros, confortáveis em convicções conservadoras como: crença cristã, casar na igreja, batizar os filhos, fazer o sinal da cruz, agradecer com um "Deus lhe pague", votar massivamente contra a legalização do aborto, contra a proibição da posse de armas de defesa pessoal e doméstica...

O espetáculo midiático destas eleições tenta tapar o sol com a peneira. A agressividade da dona candidata do "chefão", - que os marqueteiros tentam esconder sob a máscara de santa do pau oco, vestida de branco quando o vermelho é sua cor preferida, cor do sangue de brasileiros que ajudou a derramar no começo de sua carreira política terrorista, - manifesta-se a cada palavra e gesto.

Contradição quando refere o aborto, incongruência no fingimento de religiosidade. A dona, que nem o chefão, entraram numa de desespero. Um arrota mentiras e ameaças babando e gesticulando com a cara amarrada. A outra, com riso amarelo ou cara de birra, mente citando números, gagueja, troca de assunto, culpa Deus e todo o mundo pelo que o desgoverno do chefão e ela mesma deixaram de fazer e acontecer. Se a economia vai bem e enriquece banqueiros e empresários baba ovo, sobrando umas merrecas e crédito para os demais, é porque as decisões vem de fora.

Em matéria de decisão econômica, o chefão apenas cumpre os ditames do G-20, isto é, dos controladores mundiais da economia globalizada. E de lambuja, o primeiro filho, a primeira secretária, o advogado lobista que anuncia o poder sindical petista, Eike Batista, Abilio Diniz, as empreiteiras, a White Martins, vão enchendo o... cofre, distribuindo propinas, na prática institucionalizada da corrupção ilimitada, abençoada pelo partido que governa todos os partidos.

Esta gente dirige o "buzão" Brasil, por estradas poeirentas e esburacadas, as tais BR, metendo o pé no freio do desenvolvimento e alegando que tudo está planejado no paco do pac. Por que não fez na educação? Não é o Ministério da deseducação quem impõe os curriculos escolares e as cartilhas ensinando sacanagem, heresia e mentiras sobre história? Os professores não são obrigados a adotar o construtivismo que desconstroi o individualismo conservador?

E estrada, porto, aeroporto, ferrovia, segurança? Tem dinheiro prá Cuba, tem dinheiro para os palestinos, para ditadores pelo mundo afora, para cartões corporativos secretos, para a propaganda estatal massacrante, para as constantes viagens internacionais, hotéis de luxo, ternos de grife, botox... e para infraestrutura ficam os projetos históricos do paco do pac, uma espécie de promessa, "pode deixá queu vou fazê...já tá planejado...se eu fô eleita..." É que nem aquele conto do vigário que "ajudava" o trombadinha da febem. Por falar no diabo, está pregando com toda santidade ao lado da dona e do chefão em comícios.

É a vitória da pedofilia, do aborto e da mentira que neste caso tem pernas longas. Tem as bençãos do poder, que também protege os fornecedores de cocaina, crack, maconha e sei lá mais que outras merdas, que atravancam os neurônios viciados e resultam na morte de mais de cem mil assassinados e acidentados por ano. Até cego, surdo e mudo pode ver, ouvir e expressar os resultados das escolhas políticas, o desmazelo e a fixação por desconstruir o que a nação conservou como fundamento, como norma de vida, provada por séculos, recusando os atos improdutivos e fixando respeito, disciplina, deveres, liberdade...

A fixação e o descaso, a desonstrução cultural tem como meta o "internacionalismo proletário" modificado pela nova ordem mundial. Todo o alicerce moral e material que sustentava a construção de uma nação soberana, tem sido minado por sabotadores criminosos, que dão voltas sobre assuntos genéricos e se mostram zangados, ofendidos, agressivos quando seus crimes e sujeira moral são expostos.

Já passou da hora da nação saber se são ateus ou crentes, se são coletivistas ou conservadores, se trabalham pela nação ou pelo internacionalismo comunista da nova ordem mundial ou pela nação, se reconhecem e aceitam Jesus como guia e exemplo ou preferem os boffes, betos, lancelotes e outros heréticos da teologia da libertação.

Se querem construir o que está escrito nas resoluções do PT e do Foro de São Paulo ou se querem respeitar a vontade dos brasileiros, bem diferente e contrária à violência e cinismo, corrupção e putaria, agressão e totalitarismo já encaminhados como projeto de lei, o PNDH firmado pelo chefão e sua dona, "sem saber". Agora apresentar um programa de governo num dia e mudar no outro dia, é escarnecer dos outros!

Dizer que "confia na assessora" num dia e no outro dizer "que não sabia" da concessão de privilégios, em documentos que assinou, para o marido, o filho, o outro filho ou para os representantes da White Martins no caso do controle total sobre a venda do oxigênio produzido pela Petrobrás (www.alertatotal.net, 19.10.2010 = Tráfico de Influência e privataria na Petrobrás: engenheiro denuncia ao Procurador da República), é mangar da gente!

Uma sugestão: bota o boné vermelho do mst de uma vez, usa o terninho vermelho, abre o jogo! Fala que quer substituir a organização da sociedade democrática pelo capitalismo de estado comunista, um comunismo que nem o chinês: um controle de opinião que nem em Cuba, com bolsa familia para cada cidadão, um salário de 30 dolares geral e 90 dólares mensais para médicos e engenheiros. Desinfeta mané!

Basta de mentira, cinismo, enganação, carinha de vítima, discurso de salvador da pátria. Os brasileiros vão decidir entre o diabo vestido de cordeiro, deixar o caminho aberto para a ladroeira do crime organizado ou dar uma respirada com esperança de tomar pé e encontrar uma praia, um espaço para reaprender a pensar antes de emprenhar pelos ouvidos. Vamos mostrar que não somos bestas nem trouxas o tempo inteiro.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

É vergonhoso ser pego mentindo

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por João Vinhosa

A brigada do PT consegue até confundir a opinião pública, distorcendo fatos como no caso da quebra do sigilo (no qual tentaram se aproveitar para abalar a união Aécio-Serra) e no caso da agressão na passeata do Rio (na qual tentaram rotular Serra como farsante).

O mesmo ocorre com a acusação sobre possível privatização da Petrobras. Acontece que, neste caso, o PT pode ser desmentido de maneira arrasadora.

Seria um golpe mortal nessas mentiras, a divulgação de três matérias publicadas no insuspeito jornal do sindicato dos petroleiros (Sindipetro) nos anos de 2006, 2007 e 2008. Tais matérias mostram a mais vergonhosa “privatização” já ocorrida no setor “petróleo e gás”. E acusam, também, a existência de corrupção explícita no caso Gemini – sociedade por meio da qual o governo Lula entregou o cartório da produção e comercialização do gás natural liquefeito no país a uma empresa privada.

A situação torna-se ainda mais chocante diante do fato de Dilma ter a audácia de acusar Serra de ser a favor da privatização de setores da Petrobras. Logo ela, Dilma, que acumulava as funções de Ministra de Minas e Energia e Presidenta do Conselho de Administração da Petrobras à época em que foi arquitetada a Gemini.

Charges contendo mala recheada de dinheiro com o nome da sócia majoritária da Gemini, cilindro de gás jorrando dinheiro sendo acionado por Tio Sam (numa alusão ao fato de a sócia majoritária da Gemini pertencer, em sua totalidade, a um grupo norte-americano) e Tio Sam dizendo que “Vamos cuidar do que é nosso” ilustram, de maneira impressionante, as matérias do jornal do Sindipetro sobre este verdadeiro crime de lesa-pátria.

Para comprovar tais fatos, basta ler as matérias publicadas no jornal do Sindipetro – antes que as mesmas sejam retiradas do ar – nos endereços a seguir indicados:

HTTP://www.sindipetro.org.br/101/b1063/1063.pdf (Jornal do Sindipetro, 23/03/06)

HTTP://www.sindipetro.org.br/101/b1109/1109.pdf (Jornal do Sindipetro, 03/08/07)

HTTP://www.sindipetro.org.br/101/b1133/1133.pdf (Jornal do Sindipetro, 29/05/08)

Detalhes poderão ser obtidos por meio de e-mail encaminhado ao autor dessas linhas.

João Batista Pereira Vinhosa é Engenheiro. joaovinhosa@hotmail.com

Nosso problema é falta de...

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Valmir Fonseca

Ultimamente, a “nossa excrescência” esbraveja contra tudo e contra todos, e posa de perseguido, vítima de uma urdidura para desmoralizá - lo e arrebatar das mãos de seu fantoche, o galardão da presidência.

Ardilosamente, engendra inimigos sem contornos definidos, a imprensa, as elites, os juízes... travestido, descaradamente, de cordeiro enquanto manipula os cordéis ao seu bel prazer.

Os esqueletos que habitam nos armários do PT, da canalhada de acólitos e dos marqueteiros que assessoram o “poste sem luz”, mal e porcamente, aparecem na grande imprensa e, quando colocados na vitrine, é por pouco tempo; logo surgem as maciças negativas e as esperadas distorções dos fatos.

Para desmentir as acusações do “todo poderoso”, acerca da má vontade da imprensa, basta acompanhar a evolução das denúncias; quando expõem as vísceras do desgoverno, de pronto são desmentidas, e rebatidas com acusações contra o candidato Serra.

Maledicências sem qualquer embasamento e reles boatos soltos pelos marqueteiros da candidata adquirem, e são difundidos pela mídia como foros de verdade. Elas proliferam, crescem tornam - se frondosas arvores de frutos podres, que alimentam a fúria da canalha. A tática é exitosa, pois o plácido candidato Serra, de certa forma, submisso aos ditames de seus adversários, vive em posição defensiva, esgrimindo canhestramente para desvencilhar - se.

Nada mais escandaloso do que o manto invisível que encobre o “enviado” e a sua pupila. Ambos esmeram-se em distorcer os fatos, em enunciar dados e desconcertantes números para corroborar os êxitos do impune desgoverno mafioso. Mas o Serra, nada, ou pouco mais do que nada.

Por vezes, aguardamos que uma luz celestial recaia sobre o cocuruto dos brasileiros, que aparvalhados com o futuro, reflitam, como pode um mandatário, que realmente nada fez pelo Brasil, que nada produziu de significativo, que não construiu absolutamente nada em oito anos, mas que viajou à beça, que inaugurou a FALTA de compostura no cargo, atingir padrões de popularidade que denigrem a população?

A FALTA de sobriedade da “impune metamorfose” tornou - se tão comum que não arrepia a ninguém, muito menos a dita mídia, que poderia repassar para a opinião pública, para o judiciário e para o TSE o seu clamor de indignação, e sob pressão teriam a coragem de tomar alguma providencia, por modesta que fosse.

Na verdade, por FALTA de dignidade, por FALTA das mínimas condições que compõem a imparcialidade dos homens, da justiça e por FALTA total de cidadania, por FALTA de coragem permitimos que declarados canalhas adquirissem um invólucro protetor de impunidade.

É, meus preclaros, com nossa complacência, conivência, FALTA de atitude, vestimos os patifes com a capa da impunidade.

Assim, não adianta, quanto pior o desempenho da candidata, em quaisquer circunstâncias, somos atropelados no dia seguinte com uma estrondosa e maçiçamente divulgada pesquisa de que ela aumentou a diferença.

É o milagre da multiplicação das intenções de votos.

Acreditamos, pelos resultados divulgados, posteriormente as gafes e as derrapadas da candidata, que será inútil qualquer debate. Não importa o seu ridículo desempenho, está escrito nas pesquisas, que ela sempre obterá os melhores dividendos.

Não assistimos a uma disputa eleitoral, somos espectadores de uma baixaria, de um massacre. Isto não é um duelo de idéias e propostas, é o embate da máquina estatal com todos os seus recursos, com todas as suas armas, inclusive com o aval e a nefasta e virulenta FALTA de vergonha do “grande embusteiro”, contra um candidato.

É a FALTA total de respeito ao regime democrático.

É mais ou menos por aí, que o Chávez, democraticamente, vem tiranizando a Venezuela.

Nós merecemos.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira é General de Brigada da Reserva do EB.

Os que ainda não foram já estão voltando

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por João Bosco Leal

As eleições brasileiras provocam surpresas realmente inimagináveis. Alguns anos atrás, os da minha idade se lembrarão, o Rio de Janeiro elegeu o Cacareco, um hipopótamo do zoológico local. Era um voto de protesto.

Na última eleição, fiquei surpreso com a não reeleição de alguns senadores de muitos mandatos, como Heráclito Fortes, Arthur Virgílio, Tasso Jereissati e Mão Santa. Nunca me aprofundei no conhecimento da carreira política de nenhum deles, mas fiquei surpreso ao saber que não se reelegeram.

Fernando Collor, ex-presidente da República que renunciou para não ser cassado, havia sido eleito senador da República, cargo do qual se licenciou para candidatar-se a governador de seu estado, Alagoas. Foi até cômico ouvir o jingle de campanha de Collor, onde dizia estar sendo apoiado, e apoiando, Lula e Dilma. Não foi eleito.

Roseana Sarney, acusada no passado de tantos crimes eleitorais, como quando encontraram uma fortuna em dinheiro em seu escritório, filiada ao PMDB e filha de um dos caciques desse partido e presidente do Senado Federal, foi eleita em seu estado com o apoio do PT, e penso, então, quanto, ou o que esse apoio teria custado.

Como senador, mesmo depois de tantas denúncias sob sua presidência, José Sarney, aquele que o presidente Lula disse que não pode ser julgado como "qualquer um", pois "tem uma história", foi reeleito. E realmente possui uma história, a de que, sob o seu comando, ocorreram tantas denúncias de nepotismo, atos secretos e corrupção no Senado Federal, como nunca houve em qualquer outra época da história desse país.

Gente como José Genoíno, um ex-terrorista, acusado de supostamente ser o avalista dos empréstimos de Marcos Valério e que até o momento não reconquistou uma cadeira no Congresso, é um dos que também podem ser beneficiados pelos votos obtidos por Tiririca, que, se for mesmo considerado inelegível, transferirá todo esse seu acervo de votos para a coligação partidária da qual Genoíno faz parte.

Durante seu mandato como presidente da Câmara dos Deputados, cargo para o qual foi eleito em 2003, João Paulo Cunha foi acusado de participação no "mensalão do PT", quando se descobriu um saque no Banco Rural em nome de sua esposa, e a diretora financeira da empresa SMPB, de Marcos Valério, disse à Polícia Federal que João Paulo Cunha recebera duzentos mil reais de ajuda do empresário. Tanto na campanha de 2006 como na de agora, João Paulo foi reeleito como o deputado mais votado do PT em São Paulo.

Antonio Pallocci, acusado de envolvimento na violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo quando ministro do governo Lula, está sendo um dos coordenadores da campanha política da petista Dilma Rousseff e cotado para ser Ministro da Casa Civil ou da Fazenda caso esta seja eleita.

José Dirceu, tido por muitos como a "cabeça maquiavélica" do governo Lula, havia "sumido" após as denúncias do mensalão, cuja existência Lula afirma desconhecer, apesar de Dirceu ter sido o Ministro da Casa Civil na época, mas volta e meia surgia, de acordo com a imprensa, em locais diversos, dentro e fora do país, falando em nome do governo, o que Lula, da mesma forma, afirma desconhecer.

Nessa campanha, José Dirceu já não ficou tanto na sombra e, diz a imprensa, inclusive realizou algumas viagens com a candidata do PT, entrando no avião muito antes e descendo muito depois da mesma, para não ser visto. Era quando ele a orientava sobre a campanha. E, quando a campanha, para os petistas, parecia ganha já no primeiro turno, passou, segundo a imprensa, a falar inclusive como seria o governo, "mais sindicalizado", característica de todo socialista radical, que entrega postos de comando nas mais diversas e importantes áreas do governo aos "companheiros".

Como pode ser notado, toda a turma dos que já deveriam ter ido e ainda não foram está voltando.

João Bosco Leal é Produtor Rural. www.joaoboscoleal.com.br

Esgotos do Palácio do Planalto

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Ernesto Caruso

Muita gente vê da mesma forma que a ex-senadora Heloisa Helena ao penetrar mais fundo nesse assunto, claro, com a proteção necessária, e, externar em sua nota de afastamento da presidência do PSOL: “Registro que enfrentei o mais sórdido conluio entre os que vivem nos esgotos do Palácio do Planalto — ostentando vulgarmente riquezas roubadas e poder — e a podridão criminosa ...”

Nota de agora, outubro de 2010, com destaque para expressões como, esgotos, a significar o nível mais baixo de escoamento do excremento humano e o nível mais elevado das instituições do poder do voto — o Palácio do Planalto — que devesse primar não só pela situação geográfica inserida na designação, mas principalmente pelo sinal de respeito a irradiar por toda a nação brasileira, farol da liberdade, da democracia, da imponência, da virtude, da fraternidade, postura, probidade, que se espera de um presidente da República; não de um cabo eleitoral, engajado em uma candidatura. Viventes, portando medalhas de riquezas roubadas e faixas de poder.

Em que meio a ex-senadora figurou essa gente, sem citar nomes?

Entre ratos, baratas e sujeira da pior espécie.

Não se pode de sã consciência alegar que a ex-integrante do PT por longos e longos anos não conhecesse o partido. Só como senadora, de 1999 até 2007, lá se vai um bom período de convivência, liderança, aprofundamento, discordância, e expulsão por pensar diferente.

Desta feita, derrotada na tentativa de retorno ao Senado e descontente com os rumos do partido que ajudou a fundar e presidir desde o surgimento, deixa claro o motivo maior da sua decisão, como se pode concluir: “Assim sendo, em respeito à nossa Militância e aos muitos Dirigentes que tanto admiro e por total falta de identidade com as posições assumidas nos últimos meses pela maioria das Instâncias Nacionais (culminando com o apoio à Candidatura de Dilma!)...”

Concordando ou não com o programa do PSOL, esgoto não é fonte de inspiração e não é meio por onde devem fluir exemplos piores do que o “mar de lama” que assolou o país em tempos passados, criando nódoas, máculas na República e em outros palácios.

Assim, como no passado, fertilizaram palavras agressivas, insidiosas, incitantes, a transformar seguidores políticos em capangas e assassinos frios da oposição pacífica, mas veemente, hoje estimulam no discurso do tipo, “vão apanhar nas ruas e nas urnas”.

Será que não basta a intranquilidade gerada pelos assaltos, arrastão terrorista, tráfico entorpecente, apagão administrativo; a sociedade vai assistir impassível ao espetáculo do “apagar” opositores e a democracia.

No mínimo há que se tentar barrar a continuidade desse esgoto indesejável, como alerta a ex-senadora.

O voto é a opção/aceitação/concordância de deixar a torneira aberta e o esgoto continuar poluindo mentes, a serviço do mau exemplo altamente pernicioso às futuras gerações. Ou repudiar, fechando a torneira do canal fétido e abrir uma outra que se almeja de água límpida.

Ernesto Caruso é Coronel da Reserva do EB.

Transtorno na vida policial

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Archimedes Marques

Desprende-se de grande parte da nossa sociedade os pensamentos errôneos de que todo policial é arbitrário e violento, irresponsável e ineficiente, corrupto e corruptível, covarde e delinqüente se comparando até ao seu próprio opositor, o bandido.

Tais pensamentos ilógicos e insensatos, além de emperrar uma real interatividade entre o povo e a sua Polícia ainda ferem de morte o brio do bom e verdadeiro policial que em verdade faz parte da grande maioria do contingente institucional em todas as Polícias do Brasil.

É bom que se frise que o policial é um funcionário público encarregado de prestar a segurança pública à sociedade e deve agir sempre de acordo com as normas. Quando ele comete algum abuso ou crime está sujeito à punição como qualquer outra pessoa do regime em vigor e até ainda com mais rigor devido a sua qualidade de guardião da Lei, pois ninguém está autorizado neste país a praticar excessos.

Já se foram os tempos em que os policiais frequentemente e facilmente se desvirtuavam das suas missões de bem proteger o povo, guardar a Lei e lutar pela ordem do país. Entretanto, não é isso que o povo vê e sente, muito pelo contrário, quando ocorre um deslize de um membro de qualquer instituição policial, logo a sociedade generaliza o malefício para todos os nossos componentes, colocando os fatos negativos como regra em toda a corporação ao invés de usá-los como exceção.

Assim, o bom policial, o digno e leal policial, aquele que veste a camisa da Polícia, aquele que verdadeiramente se veste completo de Polícia, paga perante o conceito depreciativo de parte substancial do nosso povo, pelos atos insanos do falso policial, do travestido de Polícia.

O malevolente pensamento arraigado no seio da sociedade brasileira, grudado feito sanguessuga a sugar o néctar da honradez do verdadeiro policial, é um dos motivos que também freia o nosso progresso, ou seja, tranca a evolução da polícia, pois aliados a tal conceituação depreciativa, assim muitos governantes não reconhecem o nosso real valor.

As políticas de segurança pública relacionadas principalmente à valoração profissional dos membros policiais sempre estão aquém das nossas expectativas. Com raras exceções de alguns Estados do país, assistimos de uma maneira ampla os nossos salários sendo sucateados e achatados, assistimos com tristeza os nossos policiais sempre desvalorizados e humilhados pelo poder público, assistimos com profundo pesar o povo tanto exigir da Polícia, massacrar as nossas ações, usar e descartar os nossos policiais e, assistimos enfim, a sociedade muitas vezes criticar por criticar a Polícia ao invés de apoiar a nossa luta pelo resgate da dignidade perdida ao longo dos anos, dignidade essa que por certo refletirá em uma melhor segurança pública para todos.

Poucos enxergam o policial como ser humano altivo, destemido, defensor, protetor, benfeitor e amigo. Não é nada fácil exercer a função policial neste país tão cheio de contradições que até os próprios Direitos Humanos, que em tese seriam para todas as pessoas, pouco nos alcançam. Os Direitos Humanos até mais valem para os marginais que ferem a ordem e rasgam as Leis do país do que para os policiais que as defendem e as guardam acima até das suas próprias vidas.

Mesmo assim, o bom e verdadeiro policial, apesar de todos os percalços na sua trajetória, dos transtornos da sua vivência, persiste e não desiste no fiel cumprimento do seu dever. Mesmo assim o digno e honrado policial mostra que acima de tudo faz parte de uma LEGIÃO DE FORTES IDEALISTAS que trabalha com amor à profissão e caminha ultrapassando muitas barreiras para servir essa própria sociedade que tanto o reprime.

Archimedes Marques, Delegado de Polícia no Estado de Sergipe, é Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública). archimedes-marques@bol.com.br

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

"BOTÁ PA QUEBRÁ"



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

Agora ficou claro: o propósito deixou de ser competitivo e o grupo dos direitos humanos na porrada perdeu mesmo as estribeiras, perdeu a "esportiva", perdeu a educação fingida em outras oportunidades. O propósito é a ocupação de todos os espaços na força física! Jornalistas que se cuidem: andem com um kit de primeiros socorros. A militância está nas ruas!

Os guerrilheiros do mst e outros desocupados legionários do PT estão agressivos e atacam as manifestações pacíficas dos que pressupostamente, chegando ao poder, reduzirão seu espaço. A insólita invasão de privacidade chegou aos telefones, endereços eletrônicos, tudo em novilíngua gramcista. Os blogs estão ameaçadores! O bandidão da gangue dos 40 voltou à cena, ao comando da agitação e propaganda.

Dizem que é mentira e agressão, dizer que a coisa gorda de branco é representante e defensora emérita do internacionalismo proletário, comunismo ou socialismo como queiram, desde o berço. É preciso negar as pistas do caminho que leva à totalitária, bolivariana que nem a do Chávez. Machucou? Devia ser uma pedrada ou um tiro... ou cacetada como fizeram com Mario Covas, dizem os militantes risonhos.

É preciso negar, esconder a verdadeira natureza da militância terrorista. É preciso negar que defendem e perseguem como objetivo de vida o poder nos moldes marxistas , intolerante a qualquer oposição, intolerante ao cristianismo ou qualquer religião, intolerante com a iniciativa privada, intolerante à familia.

Companheiros! Mais importante é o futebol, a redenção nacional está nos pés destes meninos. Política é isto mesmo, chutar, travar, fingir a agressão prá ganhar o penalti, comprar o juiz. Investimos em futebol, prá distrair a moçada alienada. Prá distrair os velhinhos do inss que vivem pedindo aumento. Somente nós sabemos o que é bom para cada brasileiro. Queremos continuar por cima, mandando e desmanchando.

O blog (pt20anos.wordpress.com) defende uma igreja "local", como na Venezuela, dando poder ao herético excomungado Leonardo Boff. O mesmo blog, que enaltece a quadrilha no poder, afirma que Evaristo Arns não apita nada na igreja. E prega a violência. É mentira, diz o quadrilheiro mor. A "oposição" quer tirar o poder das mãos do PT. Vale tudo para impedir!

Nunca, alguém da minha geração acreditaria que o Brasil e suas instituições, fossem tomadas de assalto por um bando de psicopatas sem o mínimo respeito humano, crentes de suas próprias mentiras. Se for dada aos brasileiros a oportunidade de reconstruir os valores culturais e materiais distorcidos e roubados, a tarefa vai durar muitos e muitos anos.

Neste momento, os que ainda acreditam na possibilidade de manter a dignidade nacional proscrita, os que ainda acreditam na possibilidade de reconstruir o estado de direito avacalhado em todo o continente, os que ainda acreditam na possibilidade de criar e educar filhos num ambiente familiar saudável, estão em dúvida.

A nação desinformada e enganada parece vacilar, sem perceber que o movimento pendular – esquerda, direita, rotativo – foi paralizado e a força bruta de uma tropa de militantes fanáticos, aplica as técnicas das escolas do comunismo e nazismo, para impedir qualquer oposição à continuidade dos que usufruem as vantagens econômicas e políticas de um poder sem limites.

Na Europa e nos EUA, já se esboçam reações a esta onda avassaladora de descaracterização das nações. A Revista Boemia de Cuba publicou matéria há alguns anos, revelando que Fidel Castro ordenou que 24 jovens fossem infectados com virus da aids, para obrigar os cientistas locais a descobrir a cura. Os moços morreram.

Aqui nas Américas e especialmente no Brasil, o "chefão" deve ter ordenado a infecção de toda a população com algum virus desconhecido, que mantém a gente abilolada, incapaz de reagir aos grupos de extermínio ideológico. Incapaz de perceber a realidade. A boa notícia é que uma parte parece curada e começa a pensar e agir. Antes tarde do que nunca!

Arlindo Montenegro é Apicultor.

O desespero do PT

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por João Bosco Leal

A elevação dos percentuais de votos destinados a José Serra nas últimas pesquisas eleitorais, subindo cada vez mais a cada uma que é divulgada, deixa os petistas irritados de tal forma que chega a ser engraçado. Nota-se claramente a mudança de atitude dos mesmos ante a diferença entre uma vitória quase certa no primeiro turno e uma vitória bastante incerta, com fortes indícios de uma quase derrota, no segundo turno.

Apesar de engraçadas as atitudes e os semblantes, o país acaba pagando caro pela mudança de rumo nas eleições, uma vez que também é cada vez mais claro o envolvimento de toda a máquina estatal na campanha. O Presidente da República, então, parece entender que o país não possui regras, leis, nem Poder Judiciário, uma vez que desrespeita todos estes com seu envolvimento.

É lamentável que tenhamos uma campanha política onde não está se julgando a capacidade dos candidatos para comandar o país, e sim a capacidade de um contra o QI (Quem Indicou) de outro, coisa tão comumente utilizada pelos políticos que inflam as empresas estatais de funcionários através de simples indicações, sem nenhum concurso público ou mesmo uma simples análise de sua competência.

Esse é o maior motivo das empresas estatais não funcionarem, prejudicando também empresas privatizadas total ou parcialmente, mas onde o governo continua sócio e com poderes para continuar indicando ou mesmo impondo funcionários. Empresa outrora exemplo de competência e que agora sucumbe diante desse comportamento é a EBCT, os nossos Correios.

Os casos de corrupção nesse governo são tantos que, quando ocorre um debate entre os candidatos, a imprensa deixa de questioná-los sobre suas propostas de governo para falar sobre corrupção. A candidata petista é de um despreparo tão elevado que sequer consegue, pelo menos, deixar de falar o que não deve, provocando debates sociais enormes sobre temas que, se não tivessem vindo à tona por suas declarações, teriam deixado muito mais espaço para se debater o que realmente interessa, a capacidade dos candidatos sobre os mais diversos temas.

Apesar da utilização da máquina estatal em favor da candidata petista, "como nunca antes na história desse país" se havia visto, temas importantes como a invasão de propriedades pelo MST, as privatizações, estatizações e o aparelhamento da Força Aérea Brasileira, com a escolha, para a aquisição, das aeronaves que o país necessita, deixaram de ser debatidos pelos candidatos e, pior, foram escondidos pelo governo, que mandou calar o MST, cujo líder já havia declarado que as invasões se intensificariam em mais um possível governo petista, e deixou para depois das eleições uma possível aquisição dos piores aviões entre os possíveis.

O governo e sua candidata, ideologicamente socialistas, como os "companheiros" Fidel Castro, Evo Morales e Hugo Chávez, não se cansam de declarar que governos anteriores não poderiam ter privatizado empresas brasileiras como a Telebrás e a Vale.

Pessoas que defendem essa tese provavelmente estão chegando ao Brasil hoje, e por esse motivo não se lembram do custo de um telefone no país dez anos atrás, e nem da qualidade dos serviços. Só sabem dizer que a telefonia móvel no país atingiu a marca de 200 milhões de usuários, com mais que um aparelho por habitante. Não dizem, porém, que isso só foi possível, e só ocorreu, graças aos investimentos maciços realizados após a privatização dessas empresas de telefonia.

Não falam sobre o valor de mercado da empresa Vale do Rio Doce quinze anos atrás, e que quando a mesma era estatal, o governo não possuía recursos sequer para construir as ferrovias necessárias para o escoamento da sua produção, como também permitiu que acabassem toda a malha rodoviária e ferroviária além dos portos do país, que só estão melhorando onde foram privatizados.

Como esses assuntos não podem vir à tona, para não expor a incapacidade desse governo e de sua candidata, o desespero do PT seria até engraçado, não fosse a tristeza pela utilização da máquina pública e do próprio Presidente da República na campanha política.

João Bosco Leal é Produtor Rural. www.joaoboscoleal.com.br

Valores conservadores na eleição

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Cesar Maia

O crescimento de Marina, no primeiro turno, em base ao voto evangélico contra o aborto, levou Serra e Dilma a abrirem o segundo turno com contatos com as Igrejas -evangélicas e católica-, a assinar documentos, distribuir panfletos com afirmações cristãs... Suas assessorias não entenderam -ainda- esse processo. Mas ainda há tempo de entenderem. São vários programas de TV, debates e dias de campanha.

Nos valores cristãos, a vida/rejeição ao aborto é um dos pontos mais visíveis do discurso conservador. Aqui e alhures. Vide a temperatura dos debates a respeito, no mundo todo. Mas quando este ponto de forte impacto aflora, na verdade é indicação que os valores conservadores ganham destaque na conjuntura e mobilizam grande parte da população e, portanto, do eleitorado. E não só os valores cristãos.

Valores conservadores -em geral- são aqueles que minimizam -ou eliminam- a insegurança das pessoas, as incertezas, e sinalizam para um futuro previsível. As reformas liberais, atingindo a previdência, as funções do estado, a desmontagem dos ofícios (profissões que iam de pai para filho desde a idade média), os riscos de desemprego, o sistema de saúde, a insegurança pública..., potencializaram a sensação de um futuro de imprevisibilidades.

Isso nos ensinou o sociólogo alemão Ralph Dahrendorf, naturalizado britânico, Sir, membro da Câmara dos Lordes, e um mestre liberal. Disse ele que os méritos das reformas liberais deveriam ser compensados pelas imprevisibilidades quanto ao futuro que aportavam. Quando surge em destaque um valor conservador, há que se colocar em cima da mesa para análise que elementos de insegurança e de incerteza quanto ao futuro estão na cesta de preocupações do eleitor e que são apenas aglutinados e resumidos em um deles.

As equipes dos candidatos deveriam analisar a fundo o conjunto das preocupações dos eleitores, que se traduzem em valores conservadores. A França de hoje é um exemplo. Sarkozy é um líder conservador e com esses valores ascendeu e se afirma, especialmente em relação à lei e a ordem. Mas enfrenta uma greve geral de grandes proporções porque tocou em um dos pilares da segurança quanto ao futuro do trabalhador: seu sistema previdenciário. No caso, os valores conservadores estão representados pelos grevistas e não por Sarkozy.

Que questões são essas no Brasil que podem ser englobadas em valores conservadores com impacto eleitoral? O sistema previdenciário é claramente uma delas. Mas aí se pisa em ovos, em função da questão fiscal. Quem quebra os ovos? A violência, as drogas, a segurança pública, que esperam um discurso contundente dos candidatos. E nada se ouve. O sistema de emprego e não como seguro, mas como expansão garantida mesmo que por obras públicas. O sistema de bolsas criado e que agora surge como incerteza/certeza. A questão das funções do estado e das privatizações/terceirizações/organizações e os riscos que incorporam. A saúde pública como oferta de serviços de rotina e não agregações sofisticadas a nível pontual ou gerencial. E por aí vai.

Cabe às assessorias dos candidatos -listar e checar em pesquisa- e hierarquizar de forma a que a comunicação nesses dias finais possa dar destaque aos temas, incluir agendas e mobilizar o eleitor, dando ao mesmo, confiança, garantias e certezas de forma a que o discurso de valores conservadores ganhe abrangência e profundidade. Não tenham dúvida. Essa é a agenda vencedora. Que o governo tenta resgatar com o risco de mudanças em seus programas, mas que vai muito além disso. E -por isso mesmo- quem governa e não fez..., perdeu a vez. Se não há tempo para pesquisa, vale a intuição de políticos experimentados.

Cesar Maia, Economista, foi Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Educação para a Liberdade

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Arlindo Montenegro

Minha irmã mais velha chegava da escola com a "Cartilha do povo", onde a mão espalmada, mostrava acima de cada dedo uma letra: a. e. i, o, u, - logo abaixo a frase: "Eva viu o ovo". Iamos almoçar e depois brincar. Mais tarde, voz de mãe, indicava, "hora de estudar... ensine a seu irmão o que você aprendeu hoje". Assim no exercício da cultura familiar valorizando a educação, aprendí brincando a ler e escrever.

Faz tempo! O valor atribuído à educação, o envolvimento, cobrança e empenho familiar naquele passado, comparado com os dias correntes é de arrepiar. O que me foi ensinado como grandes homens, exemplos a seguir, as escolas e textos de hoje apresentam como figuras caricatas. Já tivemos a notícia de cientistas respeitados internacionalmente.

Aqueles homens de saber técnico e científico, os grandes educadores ladeando nomes de elevado saber, sumiram da paisagem. Os governantes constroem escolas e tiram retrato inaugurando. Mas faltam professores vocacionados, bem remunerados. Pior, falta a liberdade de transmitir o conhecimento que não seja determinado pelo governo, com o viés da ideologia marxista disfarçado em cada texto e em todas as práticas políticas educacionais.

Parece que o governo se empenha em manter a gente burra e desinformada. Os que se destacam acabam buscando um jeito de estudar no exterior, porque aqui, os recursos são limitados e poucas escolas fogem aos limites postos pelo estado. "A educação é muito importante para ficar nas mãos do governo", é o que diz Andres Oppenheimer, acaba de lançar um livro sobre educação na América Latina: "Basta de histórias" ainda não traduzido no Brasil.

Depois de ironizar como os presidentes de alguns países estão empenhados em desenterrar (Bolivar, Perón e outros) "seus presidentes, deveriam dedicar mais tempo para saber, por que os jovens de seus países ocupam os últimos lugares nos exames anuais internacionais de matemáticas, ciencia e linguagem; por que nenhuma universidade latino-americana aparece entre as 100 melhores do mundo..."

As Nações Unidas indicam que a Coréia do Sul registra 80.000 patentes por ano no mundo, enquanto todos os países do nosso continente, juntos, registram menos de 1.200. Na China, India, Singapura, Finlândia e Coréia do Sul, as crianças passam entre dez e doze horas diárias na escola, sem tantos feriados e com um reduzido período de férias escolares de 30 dias anuais.

Oppenheimer indica que "é hora de olhar menos para o passado e olhar um pouco mais para o futuro e que os presidentes contem menos lorotas e se dediquem mais a promover a melhoria de qualidade na educação, na ciência e na tecnologia". Está na hora da educação ser o centro da atenção prioritária em nossos países.

O livro "Basta de Histórias", destaca uma iniciativa brasileira que o governo adotou como obra sua: a iniciativa empresarial "Todos pela Educação" que possivelmente perde espaço com a associaçâo às políticas governamentais e seus curriculos dominados pela ideologia marxista. Continuamos com estatísticas pobres. O anafabetismo continua feroz. Metade dos jovens não chegar a completar o ensino médio. E agora as empresas são obrigadas a importar profissionais cuja formação no Brasil é falha, inconsistente.

Fundado em 2007, por iniciativa de empresários, acadêmicos e artistas, o fóco do programa estava em convencer a opinião pública da necessidade de acesso à melhor educação, forçando as políticas governamentais. Salvo algumas exceções pontuais, a política tem travado o programa.

O compromisso de iniciativa empresarial estabelecia a mobilização da União, Estados e Municípios, em estreita colaboração com as famílias e da população, com a adesão a 28 diretrizes, dentre as quais a alfabetização de todas as crianças até os oito anos de idade, combater a evasão, matricular as crianças na escola mais próxima da residência, ampliar o período diário de permanência na escola, plano de carreira para professores... aí a porca torceu o rabo!

O entrave burocrático, a ideologia que limita o magistério, a corrupção entre os políticos que não poupa nem a merenda escolar, os recursos de investimento cada ano mais reduzidos e desviados, parecem entravar a educação no Brasil. Até mesmo a formação doméstica, tão comum em outros países, está proibida entre nós. Os candidatos prometem... resta a mobilização da consciência pública para cobrar, exigir seriedade e respeito na formação substancial e legítima das crianças e jovens.

No papel tudo é promissor. Na prática as políticas limitam, desviam, obstruem.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Tráfico de Influência e privataria na Petrobrás: engenheiro denuncia ao Procurador da República



Edição de Documentos no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

O engenheiro João Batista Pereira Vinhosa formaliza hoje ao Ministério Público Federal (MPF) a denúncia sobre a prática de tráfico de influência na constituição da Gemini – sociedade por meio da qual o governo brasileiro entregou o cartório de produção e comercialização de gás natural liquefeito (GNL) a uma empresa privada pertencente a um grupo norte-americano.

O Alerta Total publica a íntegra do documento que Vinhosa envia ao Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel. No vídeo acima, o economista Rodrigo Constantino apresenta a visão correta sobre o tema privatização – espertamente explorado pelo PT na campanha presidencial contra o PSDB. O vídeo de Constantino e a denúncia de Vinhosa comprovam que o PT é, de verdade, o “privatizador travestido”. Veja o vídeo e leia abaixo o depoimento do engenheiro Vinhosa:

Incontestavelmente, ao formar a sociedade Gemini, o governo brasileiro colocou em prática o mais prejudicial tipo de privatização que se tem notícia no setor “petróleo e gás”. E tal ato, impressionantemente lesivo ao interesse nacional, seria impossível ser consumado sem um poderoso tráfico de influência.

Desde o início de 2004, época em que as notícias sobre a Gemini começaram a ser divulgadas, tal sociedade se tornou alvo das mais graves denúncias.

Em decorrência do poder de mercado que a Gemini passaria a ter, foi necessária, para sua constituição, a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Tal aprovação só veio a ser dada – de maneira por demais suspeita – em meados de 2006.

Para o entendimento da presente denúncia, necessário se torna considerar que, à época em que foi arquitetada a Gemini, Dilma Rousseff acumulava as funções de Ministra de Minas e Energia e Presidenta do Conselho de Administração da Petrobras. Torna-se necessário considerar, também, que Dilma Rousseff passou a ocupar o cargo de Ministra-Chefe da Casa Civil da Presidência da República sem se afastar da presidência do Conselho de Administração da Petrobras.

A propósito, na esteira do escândalo de tráfico de influência na Casa Civil da Presidência da República, encaminhei correspondência ao presidente Lula, solicitando providências para que eu fosse ouvido pela Polícia Federal sobre tráfico de influência na Gemini.

Além de tal solicitação, informei ao presidente Lula que as cartas por mim encaminhadas à então Presidenta do Conselho de Administração da Petrobras Dilma Rousseff não mereceram qualquer resposta, apesar de recebidas em seu local de trabalho (Casa Civil).

Ao presidente Lula, afirmei que uma das duas coisas havia acontecido: ou tais cartas chegaram às mãos de Dilma Rousseff, e ela se omitiu comprometedoramente a respeito das denúncias de gravíssimos atos lesivos ao interesse público cometidos em área sob seu comando; ou tais cartas foram intencionalmente extraviadas nas dependências da Casa Civil para evitar a apuração de minhas acusações, segundo as quais Dilma Rousseff era a principal avalista da Gemini.

Torna-se importante destacar que a presente denúncia de tráfico de influência no caso Gemini é baseada em uma série de fatos inquestionáveis. A seguir, destacarei quatro desses fatos.

1 – Sem a existência de um forte tráfico de influência, seria impossível a empresa escolhida para se associar à Petrobras obter as incríveis vantagens que obteve em detrimento do interesse público.

2 – Somente um poderoso tráfico de influência justifica a pressão feita sobre o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) para aprovar a constituição da Gemini.

3 – A omissão de diversas autoridades e entidades às quais foram denunciadas o autêntico crime de lesa-pátria representado pela Gemini é uma forte evidência de tráfico de influência para impedir a apuração dos atos lesivos ao interesse público.

4 – Nada mais perfeito para caracterizar o tráfico de influência que o inexplicável silêncio do sindicato dos petroleiros (Sindipetro) após ter denunciado a ocorrência de corrupção na Gemini, explicitando o nome do dono da mala recheada de dinheiro que aparece em matéria publicada em seu jornal.

Cumpre informar que várias outras denúncias sobre diferentes aspectos de tal sociedade já foram encaminhadas aos mais diversos órgãos, inclusive a este Ministério Público Federal (MPF). A grande diferença é que enquanto as outras denúncias se limitavam a determinado aspecto do problema, a presente denúncia abrange vários aspectos, e tem um enfoque diferente: o tráfico de influência ocorrido no caso Gemini.

Para facilitar o entendimento deste complexo caso, será feito um breve relato de alguns de seus aspectos, que poderão ser aprofundados de acordo com o andamento das investigações. Inicialmente, serão abordados cada um dos itens a seguir enumerados: 1 – a idoneidade da sócia escolhida pela Petrobras; 2 – a pressão governamental para a aprovação da sociedade pelo CADE; 3 – as acusações de corrupção feitas pelo Sindipetro; 4 – a divisão acionária e suas conseqüências; 5 – a contratação, pela Gemini, de sua sócia majoritária para a prestação de todos os serviços necessários a produzir e transportar o GNL até os clientes, que se espalham num raio de cerca de mil quilômetros; 6 – o fato de o possível “passeio” do GNL ser altamente lucrativo para a sócia majoritária, que também é a prestadora do serviço de transporte à Gemini; 7 – o sigilo dos valores envolvidos no relacionamento comercial da Petrobras com a Gemini; 8 – as brechas deixadas no Acordo de Quotistas, que facilitam eventuais superfaturamentos da sócia majoritária contra a Gemini.

1 – A idoneidade da sócia escolhida pela Petrobras

É por demais estranho que a Petrobras não tenha atentado para a reputação da empresa que escolheu para ser a sócia majoritária da Gemini.

Conforme carta dirigida pelo Sindipetro ao presidente da Petrobras José Eduardo Dutra em 22 de março de 2004, sobre tal empresa pesavam diversas acusações como, por exemplo, superfaturamento contra hospitais públicos, formação de cartel e uso de certidão enganosa em licitação pública.

A Petrobras respondeu ao Sindipetro que nunca havia transitado em julgado qualquer ação movida contra a empresa escolhida para ser sua sócia, e desconsiderou a existência de graves acusações feitas, inclusive pelo MPF.

Uma representação foi feita ao MPF sobre o risco que corria o dinheiro público pelo fato da Petrobras escolher para sócia majoritária de um projeto tão importante para o interesse nacional uma empresa sobre a qual pesava tantas acusações.

Diferentemente da Petrobrás – que julgou ser a empresa idônea para ser sua sócia pelo fato de ainda não ter transitado em julgado nenhuma sentença condenatória contra a mesma – o Ministério Público Federal (MPF) não apresentou a mesma tranqüilidade relativamente à sócia escolhida. O MPF afirmou, de maneira por demais categórica, que são pertinentes as preocupações contra ela levantadas, pois a empresa, de fato, está envolvida em diversos episódios de malversação de recursos públicos que já estão sendo apurados em autos próprios.

Passado o tempo, várias das acusações contidas na citada carta do Sindipetro se confirmaram: o Tribunal de Contas da União reconheceu a existência de superfaturamento praticado pela sócia da Petrobras contra o Hospital Central do Exército, determinando a devolução de cerca de 6,8 milhões de reais aos cofres públicos; ela também foi condenada, e está recorrendo na Ação Civil Pública contra ela movida por lesar o órgão máximo de inteligência do país (atual Abin); o CADE, por unanimidade, condenou-a a pagar a multa máxima já aplicada a uma empresa no país (cerca de 2,2 bilhões de reais) por formação de cartel.

2 – A pressão governamental para a aprovação da sociedade pelo CADE

De acordo com a legislação vigente, um processo na área de defesa econômica tramita primeiramente pela Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça (SDE) para depois ser julgado pelo CADE.

De interesse para a análise do caso em questão, existem dois processos que, coincidentemente, começaram a tramitar na SDE no início de 2004: o processo de constituição da Gemini e o tumultuado processo no qual a futura sócia majoritária da Gemini era acusada de formação de cartel, o mais grave crime passível de ser cometido contra a ordem econômica.

É de se destacar que o processo de formação de cartel foi instaurado após uma exitosa operação de busca e apreensão realizada em fevereiro de 2004 nas dependências da empresa escolhida pela Petrobras para ser sua sócia.

É de se destacar, também, que a futura sócia da Petrobras já havia sido condenada por infração à ordem econômica (a decisão final de condenação foi proferida em 26 de junho de 2002).

Contrariando as expectativas, apesar da condenação anterior e das fortes provas da prática de crimes contra a ordem econômica coletadas no processo do cartel, a SDE manifestou-se favoravelmente à constituição da Gemini junto ao CADE.

Em meados de 2006, o CADE aprovou a sociedade que – ao juntar o monopolista da matéria prima ao dominador do mercado de Gases Industriais do país – aniquilou com eventual concorrência no mercado de GNL, e reforçou ainda mais o domínio da sócia da Petrobras no mercado de gases industriais.

No entanto, torna-se importante relembrar em que condições o órgão responsável por zelar pela livre concorrência de mercado aprovou a constituição da Gemini.

O CADE – órgão rigoroso ao evitar concentração de mercado a ponto de proibir a compra da Garoto pela Nestlé, e a ponto de exigir a retirada da marca Kolynos do mercado – foi, praticamente, obrigado a participar de uma farsa: julgou a aprovação de uma sociedade dada como fato consumado pelo Governo. Matérias publicitárias haviam sido fartamente divulgadas pela mídia, como se a sociedade fosse irreversível. Diante de tamanha “malandragem”, teria o CADE – atropelado pelo próprio Governo Federal – a ousadia de negar a autorização necessária à constituição da Gemini?

Nada mais perfeito para se avaliar a má-fé da qual estava impregnada referida campanha publicitária tendenciosa e enganosa que a matéria publicitária divulgada no jornal O GLOBO de 27/07/05 – época em que o processo ainda estava sendo analisado pelo CADE. Em tal matéria, que continha os logotipos da Petrobras, do Ministério de Minas e Energia e do Governo Federal, lê-se:

“Agora, os benefícios do gás natural vão estar por toda parte (...) em sintonia com o Programa de Massificação do Uso do Gás Natural do Governo Federal, já iniciaram a construção da primeira planta para a produção de gás natural liquefeito da América Latina (...) tornará possível o uso do gás natural em lugares onde o gasoduto não chega e que vai levar mais longe a evolução, o conforto, o progresso e o desenvolvimento. O gás natural liquefeito produzido em Paulínia será transportado em carretas especiais até clientes do interior de São Paulo e estados vizinhos. Indústrias, postos de abastecimento e muitos outros estabelecimentos passarão a contar com todos os benefícios do gás natural”.

Relativamente ao processo de formação de cartel, a sócia escolhida pela Petrobras para ser a majoritária da Gemini acabou recebendo a maior multa já aplicada a uma empresa no país, R$2,2 bilhões. É de se ressaltar que entre os crimes cometidos pelo cartel, um é especialmente hediondo: fraudar licitação pública para superfaturar contra nossos miseráveis hospitais públicos.

3 – As acusações de corrupção feitas pelo Sindipetro

Ninguém pode ter qualquer dúvida sobre as categóricas e contundentes acusações feitas pelo Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) contra a Gemini. A seguir, um breve resumo de tais acusações.

Em 23 de março de 2004, dois anos antes da criação da Gemini ter sido aprovada, o Sindipetro encaminhou ao então presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, a Carta Sindipetro-RJ n°090/2004, com questionamentos sobre a idoneidade da empresa escolhida pela Petrobras para ser sua sócia no empreendimento. Em resposta, a Petrobras informou que os procedimentos judiciais contra a empresa que ela havia escolhido para sócia estavam “todos eles sub judice, não havendo, ainda, em qualquer deles, sentença condenatória contra essa empresa”.

O Sindipetro-RJ não fez por menos: acusou explicitamente a prática de corrupção no “caso Gemini”. Referidas acusações de corrupção foram divulgadas em diversas matérias publicadas no jornal do sindicato.

Numa das matérias, datada de 23/03/06, encontra-se uma charge bastante sugestiva: um homem com uma mala recheada de dinheiro com o nome da sócia da Petrobras. Em outra, publicada em 03/08/07, sob o título “Petrobrás entrega mercado de GNL aos EUA”, uma charge mostra a mão do Tio Sam acionando um cilindro de gás de onde jorra dinheiro. Uma terceira matéria, de página inteira, publicada em 29/05/08, além de uma charge bastante sugestiva, tem um título esclarecedor: “Soberania Nacional Ameaçada – Mercado de GNL brasileiro está nas mãos de multinacional”.

É de se destacar, também, a entrevista dada em 16/05/08 ao jornal do sindicato dos previdenciários pelo secretário-geral do Sindipetro, Emanuel Cancela. Entre as graves palavras do líder petroleiro, se destacam: “O que nos perguntamos é o que moveu o governo a referendar um negócio como este. O que está por trás disto? Tem alguma coisa suja no meio desta história. Vamos insistir junto ao Ministério Público e incluir esta questão na Campanha pela Nacionalização do Petróleo e Gás”.

Estranhamente, de uma hora para outra, o Sindipetro parou de fazer críticas à Gemini, apesar de intensificar a campanha intitulada “O petróleo tem que ser nosso”.

Por que tanta mudança? Quem influenciou o Sindipetro para que o poderoso sindicato se calasse?

4 – A divisão acionária e suas conseqüências

Além de ter escolhido uma empresa de reputação não recomendável para ser sua sócia, nossos agentes públicos permitiram que tal empresa ficasse como sócia majoritária da Gemini, detendo 60% do empreendimento, enquanto a Petrobras – monopolista da matéria prima (gás natural) – ficou com apenas 40% das quotas.

A principal conseqüência do fato da União não ser sócia majoritária da Gemini, é que a mesma ficou blindada relativamente à ação dos órgãos fiscalizadores, conforme se manifestou o TCU diante de representação a ele formulada contra os procedimentos da sociedade, favorecendo sua sócia majoritária em detrimento do interesse público.

5 – A contratação, pela Gemini, de sua sócia majoritária para a prestação de serviços

Para piorar a situação, a Gemini contratou sua sócia majoritária para a prestação de todos os serviços necessários à produção, armazenamento e transporte do GNL aos consumidores, que se espalham num raio de mil quilômetros. Tal contrato foi feito a preços sigilosos e vigorará pela eternidade (em decorrência de cláusula de preferência contida em Acordo de Quotistas, vinculado ao Contrato Social da Gemini).

Dessa forma, a sócia majoritária da Gemini foi levada ao paraíso empresarial.

Paradoxalmente, incalculáveis lucros poderão ser auferidos pela sócia majoritária mesmo nas ocasiões em que a Gemini der prejuízo. Exemplo: um consumidor situado a grande distância da unidade de liquefação pode não ser lucrativo para a Gemini, mas ser extremamente lucrativo para a “transportadora sócia majoritária”, que faturará com o frete.

Assim sendo, tudo leva a crer que foi mais benéfico para a sócia majoritária ficar com 60% da Gemini do que ter ficado com a totalidade da empresa. Em outras palavras, não poderia haver maneira mais danosa de se privatizar o nosso gás natural liquefeito do que a maneira utilizada na Gemini.

Ninguém pode ter qualquer dúvida que a ocorrência desse tipo espúrio de privatização só seria possível com um fortíssimo tráfico de influência.

6 – O possível “passeio” do GNL é altamente lucrativo para a sócia majoritária

Outro aspecto merecedor de alta suspeição é o transporte do GNL para os clientes, a partir da unidade de liquefação de Paulínia.

É de se destacar que, em 07/11/07, no auge da crise de Gás Natural, foi inaugurado o primeiro posto de abastecimento de gás natural veicular em Brasília. No mesmo dia, o Jornal da Globo levou ao ar matéria criticando a expansão do uso do produto para local tão distante, desprovido de gasoduto. Na matéria, o Presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, declarou:”Isso não é responsabilidade da Petrobras. A Petrobras não vende gás natural veicular. A Petrobras vende às distribuidoras. A política de estímulo ou não é dos estados.”

Considerando que quanto mais distante de Paulínia se localizar o consumidor de gás natural, mais lucrará a transportadora; e considerando, também, que a Petrobras – segundo seu próprio Presidente – não tem responsabilidade sobre a expansão do consumo, lícito é de se esperar que a “transportadora-sócia majoritária” esteja estimulando o consumo do produto em regiões distantes da unidade de liquefação.

7 – O sigilo dos valores envolvidos no relacionamento comercial

Como se sabe, a Gemini mantém absoluto sigilo sobre seu relacionamento comercial com a Petrobras.

A seguir, é apresentado detalhe do processo judicial movido pela GEMINI contra a determinação do CADE que proibia o sigilo no preço do gás natural a ela repassado pela Petrobras.

Na decisão que indeferiu a liminar requerida pela GEMINI contra o CADE, o Juiz Paulo Ricardo de Souza Cruz, da 20ª Vara da Justiça Federal em Brasília afirmou categoricamente que “conhecendo a forma como é feita a remuneração dos integrantes do CONSÓRCIO GEMINI, os concorrentes poderão fiscalizar a atuação da PETROBRAS, saber, dia a dia, se a PETROBRAS está ‘jogando limpo’, ou está tentando beneficiar o consórcio de que é parte”.

Apesar da decisão judicial acima referida não fazer nenhuma menção ao fato, acontece que – na aventada hipótese de a Petrobras tentar “beneficiar o consórcio de que é parte” – o verdadeiro beneficiário da ilegalidade seria o grupo norte-americano proprietário da totalidade das quotas da sócia majoritária da GEMINI.

8 – As brechas deixadas no Acordo de Quotistas

Por meio de um Acordo de Quotistas, que é vinculado ao Contrato Social da Gemini, a sociedade contratou a sua sócia majoritária para a prestação de todos os serviços necessários à produção, estocagem e transporte do GNL aos clientes durante cinco anos.

Conforme consta do Acordo, vencido esse contrato, será feita uma concorrência para selecionar o prestador de serviço que oferecer o melhor preço à Gemini.

Acontece que o Acordo prevê que o sócio majoritário terá a preferência nessa “concorrência”. Ou seja, na hipótese de o sócio majoritário não apresentar o menor preço na “concorrência”, ele, ainda assim, poderá exercer a opção de ganhar o contrato, bastando, para tanto, que iguale seu preço ao do concorrente que apresentar o preço mais baixo.

Para demonstrar que essa brecha deixada no Acordo de Quotistas possibilita superfaturamentos contratualmente aceitáveis levados a efeito pela detentora da preferência, é apresentado o exemplo a seguir.

Suponhamos que seja R$ 100 o preço justo de um determinado serviço para o qual haverá uma concorrência.

Basta que se faça uma combinação de forma que um “concorrente amigo” vença a falsa disputa com o preço de R$ 300.

Para quem não sabe o que é um “concorrente amigo”, recomenda-se ver o processo contra o “Cartel do Oxigênio”, em tramitação no CADE. Lá, poderão ser encontrados os nomes de diversos “concorrentes amigos” da sócia majoritária da Gemini, todos eles acusados de fraudar licitação para superfaturar contra nossos miseráveis hospitais públicos.

A concretização da fraude se dará com o exercício do direito da preferência.

Em outras palavras, o detentor da preferência igualará seu preço ao do “concorrente amigo” que havia apresentado o mais baixo preço.

Assim, a detentora da preferência será contratada por R$ 300 para um serviço que vale R$ 100. E, o que é melhor: tudo contratualmente correto, conforme as regras estipuladas pelo desastroso “Acordo de Quotistas”.

Documento enviado hoje à Procuradoria Geral da República.

Corrupção Absoluta

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Arlindo Montenegro

Nas últimas décadas, os socialistas manejaram as escolas e a opinião pública, implantaram a corrupção populista, e agora, quando algumas opiniões contrariam seus propósitos, quando parte dos líderes cristãos, mais algumas dezenas de milhares de pessoas levantam a voz, se dizem perseguidos por uma conspiração de "extrema direita", emergente do rebanho silencioso.

Os computadores registram ativamente os batimentos cardíacos desta nação de contrariados com a corrupção e o cinismo. Parte dos brasileiros mantidos na ignorância e na pobreza, foi transformada em exército de zumbis agradecidos, entregando suas responsabilidades, deveres, dignidade e vida, em troca da esmola do governo populista.

A intensa propaganda dos últimos 20 anos, a doutrinação introduzida nas escolas em todos os níveis, semeou a idéia de que o socialismo é diferente do comunismo. Na verdade são gêmeos univitelinos. É só lembrar a "união das repúblicas SOCIALISTAS soviéticas, responsável pela execução de mais de 100 milhões de pessoas em guerras, massacres, campos de concentração, genocídios, execuções e mais recentemente envenenamentos.

O Partido dos Trabalhadores e congêneres querem fazer os brasileiros acreditarem nas boas intenções dos que começaram na vida política com armas nas mãos em defesa do internacionalismo socialista. Os mesmos que fundaram o Foro de São Paulo, para reagrupar os partidos marxistas depois da queda do muro de Berlim

A candidata e seu marqueteiro mór apareceram fingindo religiosidade num recente comício, junto com o Padre Lanceloti, aquele suspeito de ser pedófilo e que pagaria caro pelos serviços sexuais de um ex interno da Febem – conforme denúncias veiculadas pela mídia. Corrupção, na mesma linha de ação utilizada por estes governantes, seus 40 ladrões denunciados e outras centenas camuflados em todas as instituições, como a auxiliar direta da presidenciável, que seguindo seu líder, também "não sabia de nada".

A documentação histórica comprova como o poder corrompe e como o populismo degrada as pessoas. O sr. Luiz Inacio, "o maior presidente deste País", no entender da candidata, degradou a consciência da nação, abrindo as portas para a corrupção absoluta. A dose cavalar faz com que os seguidores cativos pensem apenas em direitos e continuidade.

Cada um quer um naco maior da riqueza, sem nenhuma responsabilidade. Os empresários dependentes do amiguismo dos governantes, disputam os decretos favoráveis aos seus negócios, pagam para obter contratos, adulam o governante e seus prepostos engrossando e fortalecendo as práticas da corruptocracia.

Os sindicatos, ongs e outras associações disputam verbas do estado paizão, perverso caçador de votos em troca de tostões, um prato de comida e promessas para o futuro da saúde, estradas, educação, segurança, leite e mel... para o futuro... conto do paco!

A "burrocracia", em mãos de sindicalistas, fortalece o governante, seus familiares e amigos, enquanto consolida o assistencialismo, mantido à custa de impostos cada vez maiores, endividamento interno e externo cada dia crescente, pagamento de juros em níveis que a gente desconhece, como desconhece os propósitos mais sujos, os subornos, as mentiras, os crimes sem solução.

O socialismo é apresentado como roupagem que se ajusta a qualquer corpo, com a costura de uma prega ou uma bainha. O vermelho, cor de rosa ou verde é indicado por estilistas treinados para a propaganda do mundo de cabeça pra baixo, com drogas liberadas, crenças depravadas, costumes e valores cristãos desprezados. Cai bem vestindo a candidata, que para disfarçar agora se apresenta vestida de branco. Disfarce!

O vício medido para drogar cada setor populacional espalhou-se de tal modo, que os dependentes agradecidos só sabem cobrar, mais e mais favores em doses cada vez maiores. Em seu terreno de poder o populismo pratica a corrupção absoluta. Vicia de modo incurável!

Arlindo Montenegro é Apicultor.

A inconstante Dilma Rousseff

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por João Bosco Leal

Lendo matéria publicada pela revista Veja desta semana, consegui ver condensados, em uma única matéria jornalística, vários pontos nevrálgicos do atual cenário político, todos de conhecimento público, mas angariados em veículos e oportunidades diferentes.

Na convenção do PT realizada em 2007, o partido fechou questão em relação à liberalização da prática do aborto, cuja descriminalização o partido já discutia internamente, desde sua fundação, há 30 anos. Nessa oportunidade, Dilma Rousseff, acompanhando a decisão do partido, declarou-se favorável à descriminalização do aborto, e reafirmou essa sua posição em abril de 2009 e em maio e agosto de 2010, em documentos e entrevistas a diversos veículos de comunicação.

Após pesquisas realizadas pelos marqueteiros de sua campanha, mostrando que 68% da população brasileira são contrários a qualquer mudança na lei em vigor, que só permite o aborto em casos específicos, de estupro ou por risco de vida da gestante, Dilma passou a declarar ser "pessoalmente contra o aborto", visto que não há como negar, além de suas declarações anteriores, também a posição de seu partido.

A variação de posições de Dilma diante de diversos assuntos é bastante dúbia, visto que nunca disputou sequer uma eleição, e, consequentemente, nunca exerceu um cargo executivo onde sua competência e atitudes ideológicas pudessem ser medidas. Disputa agora esta eleição, por escolha exclusiva do presidente Lula, que, com isso, parece querer mostrar a todos sua capacidade de eleger até um poste, desde que por ele indicado.

Suas declarações pessoais em relação a assuntos importantes como invasões de terras, meio ambiente, liberdade de imprensa, economia, privatizações e corrupção envolvendo seus assessores são variáveis conforme a ocasião.

Apóia os sem-terra, mas, em exposições de gado, ou outro ambiente onde esteja diante de produtores rurais, diz que respeitará a propriedade privada, quando se sabe que o PT pretende a limitação do tamanho de áreas, independentemente de serem produtivas ou não. Em abril de 2010, disse que, por ser do governo, não considerava "cabível" usar um boné do MST, mas, em junho, na convenção do PT em Sergipe, discursou usando o boné.

Declarou-se contrária a contribuições financeiras de países em desenvolvimento para a constituição de um fundo de preservação ambiental, mas, quando soube que Lula se dispunha a contribuir, no dia seguinte já desdenhava da proposta de Marina Silva, que propunha a doação pelo Brasil de US$ 1 bilhão, dizendo que esse valor "não faz nem cosquinha", insinuando que o Brasil deveria contribuir com quantia muito maior.

Diante do escândalo provocado por sua assessora e sucessora na Casa Civil, Erenice Guerra, declarou, no dia 11 de setembro, com todas letras, "ela tem minha inteira confiança até hoje" e, no dia seguinte, já disse "não posso ser julgada com base no que aconteceu com o filho de uma ex-assessora", esquecendo-se de comentar que, à essa altura, o escândalo já se estendia ao ex-marido da assessora e a outras pessoas e empresas.

No dia 5 de julho, Dilma entregou à Justiça Eleitoral um programa de governo que propunha o controle da imprensa através de conselhos e observatórios comandados pelo governo, e, no dia 21 de julho, disse "Sou rigorosamente contrária ao controle do conteúdo. O único controle que existe é o controle remoto".

Por todos esses aspectos, me assusta a possibilidade de entregar o comando de um país a quem não possui nenhuma experiência administrativa, além de possuir um passado e um presente ideológico muito diferente do que é tradicionalmente aceito pela população brasileira.

Diante de tanta inconstância, penso ser realmente muita irresponsabilidade de um eleitor patriota fazer opção de voto por Dilma Rousseff, se nem ela mesma sabe o que pensa sobre tais assuntos.

João Bosco Leal é Produtor Rural. www.joaoboscoleal.com.br

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Juizes preferem eleição com cédula de papel por considerarem que voto eletrônico é vulnerável

Edição do Alerta Total - http://www.alertatotal.net/
Leia também o Fique Alerta – http://www.fiquealerta.net/ (atualizado nesta Segunda)


Por Jorge Serrão

O dogma da infalibilidade das urnas eletrônicas agora é questionado pelos próprios juízes. A próxima eleição para a presidência da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), marcada para 16 de novembro, usará a velhas cédulas de papel – e não o moderno sistema eletrônico de votação que o Tribunal Superior Eleitoral garante ser seguro e a prova de falhas. O Conselho Executivo da AMB desistiu admitiu que um sistema de votação pela Internet ainda é vulnerável.

Os magistrados receberão em suas casas, até o dia 24 deste mês, a sobrecarta com a cédula para votação. Eles poderão enviar a correspondência pelo correio ou, se preferirem, manifestar o voto pessoalmente na sede das associações de magistrados estaduais. A apuração da votação será encaminhada às respectivas associações, onde será realizada a contagem parcial. Em seguida, a AMB quem fará o balanço total, à moda antiga.

O retorno do voto eletrônico para o voto em papel foi provocado pelo questionamento da chapa Novos Rumos, encabeçada pelo desembargador paulista Nelson Calandra, que disputa a presidência da AMB com o juiz Gervásio Protásio dos Santos, juiz da 9ª Juizado Especial Cível e das Relações de Consumo de São Luís, da chapa AMB com Você. O magistrado paulista denunciou a vulnerabilidade do sistema de votação pela Internet. O risco foi admitido pelo próprio Gerente de Informática da AMB, Erick Alencar, depois da análise de um documento produzido pelo especialista em votação eletrônica Eduardo Luiz Maffessoni.

Ao optarem pelo retorno ao velho voto em papel, os magistrados não cometeram um retrocesso. Apenas confirmaram a tese, há muito repetida pelo movimento “Voto Seguro”, do engenheiro Amílcar Brunazo Filho, de que o voto eletrônico deve ocorrer junto com a possibilidade de impressão do mesmo voto, para posterior auditoria ou conferência por amostragem. Assim, o processo eleitoral realmente se torna seguro, aliando transparência e modernidade.

O fato de a AMB rejeitar o processo eletrônico gera um questionamento imediato nestes tempos de segundo turno eleitoral no Brasil: Se o processo eletrônico de votação é bom para todos os cidadãos brasileiros, porque não é seguro a ponto de ser usado por uma das mais respeitadas representações de magistrados do País? Infelizmente, os eleitores comuns terão de acreditar no dogma da suprema confiabilidade da votação eletrônica, na hora de escolher entre Dilma Rousseff e José Serra para Presidente.

Muro desaba

A neutralidade de Marina Silva no segundo turno é mais uma cena do teatro eleitoral do João Minhoca.

A preferência de ficar “em cima do muro”, imposta por Marina na Convenção da Executiva Nacional do Partido Verde, carrega um risco futuro.

É pura ingenuidade política acreditar que, ficando “neutra” agora, Marina viabiliza seu nome para disputar a Presidência da República em 2014.

Até lá, muita água, confusão política e crise econômica devem rolar...

Abortado

O tema do aborto, que incendiou o segundo turno, ficou fora do “debate” de ontem na Rede TV!.

Dilma se esforçou para apresentar Serra como privatista.

Serra tentou colar em Dilma o rótulo de antipaulista.

Mais uma vez, nenhuma discussão de temas relevantes sobre o Brasil.

Futuros empregos


Se Dilma vencer a eleição presidencial, segundo a onda de boatos na Ilha da Fantasia, já tem coleguinhas famosos arrumando um futuro grande emprego.

Helena Chagas será a ministra-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência.

Tereza Cruvinel deixa o comando da TV Brasil e recebe a indicação para o emnprego vitalício no Tribunal de Contas da União.

E o atual titular da Secom, Franklin Martins, deseja um grande cargo diplomático, de preferência na África – que não é a empresa de Nizam Guanaes, mas sim o continente onde muito petista de alta estirpe ganha muito dinheiro em altos negócios.

Vida que segue...


Ave atque Vale!


Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 18 de Outubro de 2010.