terça-feira, 15 de março de 2011

O Bom Soldado

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Diva. T. de Nicola

Tocou-me profundamente um texto que li e guardei há alguns anos e que por acaso voltou a passar por mim.

Sem pretender dar conselhos, mas destacar formas exemplares de vida e pensamento – uma vez que: conselho ajuda, mas o mau exemplo arrasta! -, cito um texto de autoria de Paulo Hortencio Filho, cristão e cidadão: “Este mundo: um lugar de lazer ou campo de batalha?”.

Tal pergunta em seu texto chamou-me a atenção, pois fora feira por um homem de Deus chamado A. W. Tozer, que queria levar o povo de sua época a refletir a respeito de sua missão neste mundo.

Segundo a palavra de Deus, vivemos em mundo governado pelo inimigo de nossas almas, onde “o deus deste século” tem preparado o seu exército à base da cegueira espiritual.

Se o mundo em que vivemos está no controle de um inimigo, isto quer dizer, sem dúvida, que estamos em guerra, pois não podemos admitir que um território que um dia nos foi dado seja hoje usurpado sem que esbocemos uma reação.

Por isso o Apóstolo Paulo, em 2 Timóteo 2:3-4, vai nos mostrar a realidade de que somos soldados de Cristo e precisamos nos preparar para a guerra que está sendo travada. Mas como?

1. Um bom soldado está disposto a sofrer por amor aos seus ideiais, à sua Pátria. Ele sabe que se alistou não por dinheiro ou outro motivo fútil, pois isto iria transformá-lo em um mercenário em vez de em um soldado. O que move o seu coração é justamente a paixão por ver os ideais de sua nação sendo cumpridos. Por isso ele suporta todos os sofrimentos do campo de batalha.

2. Um bom soldado conhece bem a sua missão e, por isso, enquanto estiver na guerra, não se envolverá com outra coisa a não ser levar a cabo o que começou, pois ele foi capacitado para ser determinado. Nada pode tirá-lo do foco de sua missão. A sua visão é uma só: reconquistar as terras roubadas. Ele não se envolve com outra coisa, nada tira o seu foco da guerra.

3. Um bom soldado é fiel, por isso ele nunca retrocede. Pelo contrário, ele avança juntamente com o seu comandante para atingir o alvo de sua missão. Ele não abandona o seu comandante, não abandona os seus compatriotas, e não abandona os seus ideais, pois ele é fiel.

Irmãos, não vivemos em um lugar de lazer, mas em um campo de batalha. Todos os dias, o nosso inimigo tem se levantado contra nós para nos destruir. Precisamos ser sóbrios e vigilantes conforme falou o Apóstolo Pedro: “Pois o diabo, nosso adversário, anda à espreita como um leão procurando um de nós, soldados de Cristo, que venha baixar a guarda achando que a guerra acabou, para então nos devorar”.

Por isso, este mundo é um campo de batalha. Avante, soldados! Marchemos para cumprir nossa Missão.

Diva. T. de Nicola é Ouvidora-Geral do Círculo Militar de São Paulo. ouvidoria@circulomilitar.com.br. Artigo originalmente publicado na edição 370, de março de 2011, da revista do Círculo Militar de São Paulo.

Nenhum comentário: