quarta-feira, 27 de julho de 2011

Crítica de uma mãe aos mutirões do CNJ

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Mara Montezuma Assaf

O CNJ, cumprindo determinações da ONU no sentido de dar um fim à superpopulação carcerária, coordena uma equipe de juízes, promotores e defensores públicos na realização de mais um mutirão nas 149 unidades do sistema prisional paulista, que abriga 170 mil presos. A estimativa é de que nos próximos 5 meses cerca de 50.000 presos ganharão a liberdade. Já pensaram?

Este não é o primeiro mutirão e os efeitos dos anteriores já pôde ser sentido no aumento de casos de crimes extremamente violentos cometidos por presos que ganharam a liberdade beneficiados por estes mesmos mutirões.

Os governos federal e dos Estados alegam não ter verba para a construção de mais presídios, deixando o ônus para a população que acaba transformando suas próprias residências em verdadeiras cadeias tentando proteger suas famílias da insegurança a que o estado nos relega ...

E mesmo assim, quando as obrigações diárias nos obrigam a sair de casa, nunca sabemos se vamos mesmo voltar... Eu tive um filho que foi morto num assalto em seu ambiente de trabalho!

É lugar comum dizer-se que aqui no Brasil as organizações que trabalham na defesa dos Direitos Humanos se sensibilizam mais com a garantia dos direitos dos bandidos, dos celerados e dos marginais e eu realmente sinto isso, já que não recebi sequer uma visita de apoio de Ong alguma na ocasião em que minha família foi dilacerada pela dor.

Mas fosse meu filho um marginal morto em ação...certamente estariam em minha casa me prestando solidariedade junto com alguém da imprensa para documentar o fato.

Infelizmente faço parte daqueles considerados , pelo governo, como menos humanos que os marginais, já que o Estado resolveu não garantir a minha segurança e nem a dos meus "iguais".

E estes mutirões do CNJ são a prova disso.

Mara Montezuma Assaf é Professora Aposentada.

Um comentário:

José Carlos Costa disse...

Mara, o governo está de costas para o povo, e, com essa medida de soltar mais de 50 mil presos a coisa só vai piorar.... Estão esticando a corda., uma hora ela vai arrebentar.