segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Súplica de um denunciante à Polícia Federal

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por João Vinhosa

Nesta hora decisiva para o enfrentamento da corrupção que aniquila econômica e moralmente o país; nesta hora em que alguns se preocupam mais com a defesa da imagem dos investigados por assalto aos cofres públicos que com a gravidade do crime por eles praticado; nesta hora em que muitos políticos lutam ferrenhamente para evitar a instalação da CPI da corrupção;

Nesta hora, venho pedir encarecidamente à Polícia Federal (PF) que tome meu depoimento sobre um crime de lesa-pátria que já provocou, continua provocando e tem potencial de provocar imensos prejuízos ao patrimônio público, contando com uma rede de cumplicidade formada por aqueles que deveriam combater tal tipo de crime.

É absolutamente impossível que – após ouvir-me e analisar a documentação que apresentarei – a PF não venha a se convencer que o espúrio “negócio” realizado no setor petrolífero é muito mais danoso ao tesouro do que, por exemplo, o escandaloso “desenvolvimento do turismo no Amapá”.

Refiro-me ao impressionante ato lesivo ao interesse público representado pela Gemini – sociedade da Petrobras (40%) com uma empresa privada (60%) para liquefazer e comercializar gás natural liquefeito (GNL).

Para evitar que alguns aspectos importantes da questão sejam minimizados, julguei conveniente, nesta oportunidade, não detalhar os pontos que denunciarei.

Eu faço inteira questão de demonstrar pessoalmente aos analistas da PF um novo tipo de falcatrua. Demonstrarei que os ralos por onde gigantescos superfaturamentos contra a Petrobras podem estar escoando encontram-se contratualmente previstos no Acordo de Quotistas vinculado ao Contrato Social da Gemini.

Tais superfaturamentos – que têm a protegê-los uma capa de legalidade – só não estão sendo realizados se a prestadora de serviços à Gemini (que também é sua sócia majoritária) estiver agindo com benevolência incomum no mundo empresarial.

Espero, também, ter a oportunidade de apresentar pessoalmente à PF minha preocupação com os fatos contidos na correspondência por mim trocada com a diretora de gás e energia da Petrobras, Maria das Graças Foster – a mais forte candidata para presidir a Petrobras, em substituição ao atual presidente Gabrielli.

Mais especificamente, quero ter a oportunidade de provar que citada diretora em muito se afastou da verdade, ao afirmar-me que “todos os esclarecimentos sobre o assunto lhe foram exaustivamente prestados, não restando mais nada a ser acrescentado”.

É de se destacar que, referindo-se à carta que encaminhei ao Presidente Gabrielli em 26 de fevereiro de 2010, a diretora Foster afirmou que já tinha conhecimento dos fatos noticiados.

Acontece que, anexada à carta encaminhada ao Presidente Gabrielli, encontra-se, entre outras coisas, o artigo “Dilma, ó Dilma, onde estás que não respondes?”.

E, nesse artigo, dirigindo-me à então Presidenta do Conselho de Administração da Petrobras Dilma Rousseff, indaguei:

“O que leva uma pessoa considerada íntegra, austera e incorruptível a ficar calada, como se morta estivesse, quando colocada diante de acusações explícitas de corrupção na área sob seu comando?”

“O que leva uma pessoa, que se vangloria de ter pegado em armas para mudar o que julgava errado no país, a não se empenhar em apurar atos altamente lesivos ao interesse nacional, praticados no setor que dirigia com absolutos poderes?”

“O que leva uma pessoa, que tanto desgaste provoca ao apoiar a criação da “Comissão da Verdade” para apurar violação de direitos humanos durante o regime militar, a desprezar a verdade contida em denúncias de crime de lesa-pátria em área estratégica, que foram colocadas sob suas vistas de maneira clara, direta e inquestionável?”.

Uma palavra final: pelo acima exposto, espero que todos aqueles que têm elogiado a “faxina” promovida por Dilma se manifestem também no sentido de levar a Polícia Federal a tomar meu depoimento sobre a empresa arquitetada enquanto Dilma acumulava as funções de Ministra de Minas e Energia e Presidenta do Conselho de Administração da Petrobras. Isso, ou tais manifestantes são falsos moralistas, sendo inadmissíveis as desculpas que têm que “garantir a governabilidade”.

João Vinhosa é Engenheiro - joaovinhosa@hotmail.com

6 comentários:

José de Araújo Madeiro disse...

Estimado Vinhosa,

Estamos numa guerra civil. O Estado estabeleceu um tipo de ação contra a reação da nação que certamente não se submeterá à Ditadura PTralha.

Mas é um guerra civil não declarada,pelos assassinatos em percentual alarmista, pelo narcotráfico, pela corrupção, pela impunidade, pela resposta da PresidentA indignada pelas algemas de bandidos políticos e omissa no caso da morte brutal de uma juíza.

O Estado conivente com o crime e não respeitando os cidadãos e às pessoas decentes do país, dos que pagam seus impostos.

Tendo na Dilma uma participação ativa do lado oposto do seu dever, como a maior autoridade do país, demonstrando nada saber, não se preocupar e não ter competência para reverter o processo.

É o comunismo mais sórdido, surgido das entranhas do Foro de São Paulo e comandado pelos PTralhas do Lula, mais cruel e mais atrasado do que o comunismo da Albânia e do PRI do México.

Precisamos encontrar uma forma de varrê-los do poder, antes que o processo no Brasil se torne irreversível e a República Brasileira seja destruída por si mesma.

Para essa persona do Lula não encontramos adjetivos!

Att. Madeiro

Paulo Figueiredo disse...

Caro João Vinhosa, estamos cá de novo; como esperar que uma pessoa vá abrir investigações contra ela mesma e seus comparsas?

Não é só o caso Gemini; há um leque (e que leque) de empresas que prestam serviços para a Petrobrás, que se fossem em país sério daria prisão perpétua ou fuzilamento. São muitas sociedades anônimas. Muito anônimas; mas de sócios imagináveis. Não vêm à público porque a mídia leva seu quinhão do butim. E se vier, o butim terá que ser distribuído por mais calhordas para ninguém ir preso.

E parece que o povão também gosta disso, mesmo sem levar sua parte.

Abraço.

Anônimo disse...

Muito elucidativo !
Também gostei do comentário que antecedeu este, nomeadamente quanto ao (bom) uso da palavra NAÇÃO.
Pois então aí estão assistindo ao "show, samba e rock and roll" enquanto "aqui na Pátria estão jogando (mau) futebol" ...

Anônimo disse...

Como realizar investigações sérias se hoje a terrorista vestida de vermelho, mais uma vez apareceu nas televisões para ameaçar contra o uso de algemas nos presos? Um chefe de estado descer tão baixo? Só mesmo se ainda for terrorista no seu modo de pensar!

Anônimo disse...

A FUNAI vai entregar 200 mil hectares a apenas 132 indios!!

Está fazendo tudo isso no maior sigilo! Já saiu o edital. Quem manda nesta coisa toda?

Quais interesses obscuros movem a FUNAI para continuar a dividir o nosso território e provocar o separatismo? Outra nação índia a favor de que potência internacional? Que minérios fabulosos estão nesse subsolo?

A FUNAI está fazendo tudo no mais absoluto silêncio, para não levantar debates ou contestações, exigindo a ampliação das terras para um grupo de apenas 132 índios na região de Porto Velho e Candeias.

"A intenção é praticamente duplicar a área indígena, o que tiraria um quinto de toda a área da Capital e boa parte de Candeias.

O que se estranha é que o assunto está andando, a FUNAI está definindo tudo – como o fez no caso da Reserva Raposa Serra do Sol.

Apesar disso, nenhuma autoridade do governo de Rondônia, nem das Prefeituras de Porto Velho e Candeias e muito menos da Assembleia se pronunciou sobre o acinte.

Depois que tudo for feito sem debate algum, que se seguirem os trâmites legais, não adianta espernear."

http://gpsdoagronegocio.blogspot.com/2011/08/funai-trama-em-rondonia.html

GRIFAO disse...

Senhor João Vinhosa:Após receber seu email com o texto sobre a Gemini, pensei bastante a respeito de sua afirmação "espero que todos aqueles que têm elogiado a “faxina” promovida por Dilma se manifestem também" que pode ser aplicada a mim, pois já elogiei no Grupo Guararapes Dona Dilma Roussef com referência às recentes prisões em membros de ministérios e do PT, PMDB e de outros partidos, embora particularmente tendo ojeriza e repulsa pelo social/comunismo/marxismo que ela e o sr. LulladaSsilva tem buscado instaurar aqui.

Então aproveitando declarações do senhor Gen Ex José Carlos Leite Filho no Grupo Guararapes, surgiu em meu espírito a ideia de alavancar suas denuncia sobre a Gemini, juntando as forças desse probo e valente general às suas para promover abertura de inquérito na Polícia Federal e para tal enviei-lhe o email desse oficial de nossas FFAA, ao mesmo tempo também enviando a ele cópia desse mesmo email, na expectativa de que tão ilustres homens públicos, o senhor e ele, ajam para formalizar e tornar em algo real nossas expectativas de um Brasil onde a corrupção e impunidade deixem de existir.

Ansiando por um Brasil onde a impunidade e corrupção sejam combatidas e pelo retorno do Estado de Direito Justo e Igual Para Todos, me assino a. Estéfani José Agoston GRIFAO olhocrivo@gmail.com