terça-feira, 11 de outubro de 2011

Comissão da (In)Verdade

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gil Cordeiro Dias

Em seu artigo "Em jogo, a História" publicado no Globo de hoje (10/10/2011) e reproduzido com destaque no Portal Vermelho, do PC do B, a Ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, afirma textualmente: "A Câmara dos Deputados aprovou (...) a Comissão da Verdade, para investigar as violações de direitos humanos cometidas pelo Estado brasileiro entre 1946 e 1988" (grifos nossos).

Desculpe-me, Ministra, mas não é bem isso que o Projeto diz. Reproduzo parcialmente seu Art 1º, extraído de um site do mesmo jornal (http://moglobo.globo.com/integra.asp?txtUrl=/pais/mat/2010/05/12/leia-integra-do-projeto-de-lei-que-cria-comissao-da-verdade-916571276.asp):

Art. 1º - Fica criada (...) a Comissão Nacional da Verdade, com a finalidade de examinar e esclarecer as graves violações de direitos humanos praticadas no período fixado no art. 8º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, a fim de (...)" (grifos nossos).

Como se vê, Sra Ministra, não são apenas as violações "praticadas pelo Estado brasileiro", como a Sra escreveu, mas todas as violações, o que pode ser constatado em outros Artigos do Projeto. Vale dizer, incluem-se aí as praticadas pelas muitas organizações subversivas de orientação soviética, cubana, trotskista, chinesa, anarquista ou lá o que seja, que pegaram em armas (desde 1935) para impor uma ditadura comunista no Brasil, e não, como apregoam amiúde seus remanescentes, "para resistir à ditadura". Para tanto, adestraram-se no exterior, redigiram manuais de guerrilha, assaltaram, seqüestraram, mataram, lançaram bombas e assim por diante, até serem anistiados e ressarcidos financeiramente. Nada daquilo constituiu violação de direitos humanos?

Concordo plenamente com seu último parágrafo - "O que está em jogo é a garantia do direito à memória, o legado do conhecimento e a responsabilidade de evitar que violações de direitos humanos como essas voltem a ocorrer" - mas acrescento: para ambos os lados!

Prefiro chamar de equívoco esse escorregão da Ministra, em respeito ao princípio da presunção de inocência. Melhor não acreditar que sua primeira manifestação pública sobre essa discutível Comissão da Verdade tenha trazido, logo nas palavras iniciais, uma inverdade.

Gil Cordeiro Dias Ferreira é Administrador.

Um comentário:

Martim Berto Fuchs disse...

"Prefiro chamar de equívoco esse escorregão da Ministra, em respeito ao princípio da presunção de inocência. Melhor não acreditar que sua primeira manifestação pública sobre essa discutível Comissão da Verdade tenha trazido, logo nas palavras iniciais, uma inverdade. "

Não precisa chamar de equívoco não. Esse pessoal só comete equívocos à seu favor. Maria do Rosário já é velha conhecida no RS. Eles mentem com a maior cara de pau. Faz parte da personalidade, que de tanto recitar slogans, já nem tem mais.