sábado, 19 de novembro de 2011

Atentados contra a Imprensa e a Justiça são intoleráveis


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antonio Cesar Siqueira

O assassinato do cinegrafista Gelson Domingos, da TV Bandeirantes, por traficantes, em 6 de novembro, tem uma triste congruência com o da juíza Patrícia Aciolli, ocorrido em 11 de agosto último. Embora não tenha sido um crime premeditado, como o que tirou a vida da magistrada, vitimou uma pessoa que estava cumprindo seu dever profissional.

Os episódios, além de evidenciarem a violência persistente no País, atingem frontalmente dois dos mais importantes pilares da democracia: a Justiça e a imprensa. Ambas não podem ser reprimidas pelo crime organizado, pois a primeira garante a prevalência do equilíbrio entre direitos e deveres que deve reger a interação social dos povos civilizados e é fiadora das prerrogativas inerentes ao Estado de Direito; asegunda possibilita à sociedade, por meio do conhecimento e da informação, participação proativa na gestão do País, cobrando, denunciando, opinando e conhecendo melhor a realidade.

Portanto, repetindo o que disse quando Patrícia Aciolli foi assassinada por milicianos, reafirmo que os tiros que lhe tiraram a vida, assim como os que mataram o cinegrafista, feriram também a dignidade de todo o povo brasileiro e atingiram as instituições. Por isso, exemplarmente, os crimes não podem ficar impunes. Énecessário que, a exemplo do que vem ocorrendo no tocante à apuração, prisão e, em breve, o julgamento dos acusados de matar a magistrada, os assassinos docinegrafista sejam devidamente identificados, detidos e condenados.

Os brasileiros não podem ser reféns do crime organizado, do jaguncismo, dos assassinatos encomendados e da criminalidade. A reconquista da democracia nos anos 80 foi feita de modo pacífico, cívico e por meio de exemplar mobilização política. Não se pode tolerar, portanto, que a violência atente contra esses princípios ereprima direitos como o de trabalhar, pensar, escrever, divulgar informações, ir e vir.

Nossa democracia avançou bastante e parece institucionalmente consolidada, considerando que o País tem resolvido todas as suas questões mais graves sob a égide da lei, desde o impeachment de um presidente darepública aos mais escabrosos casos de corrupção. Contudo, é necessária incansável mobilização no combate ao crime, desde a improbidade no serviço público, até a ameaça à segurança e à vida das pessoas no cotidiano.

A violência, que não pode ser um estigma nacional, torna-se ainda mais grave quando se coloca como repressora da liberdade ao trabalho, como ocorreu nos assassinatos de Patrícia Aciolli e Gelson Domingos. Contudo, as circunstâncias de suas mortes ligadas ao exercício profissional que tanto amavam, não é a única coincidência que permeia os dois casos. Onze de agosto, quando a juíza foi morta, é o dia de fundação das duas primeiras faculdades de Direito do Brasil, em São Paulo eOlinda (1903); em 6 de novembro, quando sucumbiu o jornalista, a ONU condenou a República da África do Sul pela sua política de apartheid (1962).

São dois marcos da Justiça, da igualdade de direitos e dos valores da democracia. Que se tornem, também, datas exemplares do combate ao crime organizado em nosso país e do definitivo repúdio dos brasileiros à violência como algoz de suas avançadasconquistas políticas.

Desembargador Antonio Cesar Siqueira é o presidente da Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro (Amaerj).

3 comentários:

Esperança disse...

CAMINHADA NO IBIRAPUERA - DIA MUNDIAL EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO TRÂNSITO

No próximo domingo, dia 20 de novembro às 09h30m faremos uma caminhada no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, em homenagem ao Dia Mundial das Vítimas de Trânsito.

O Grupo UDVV (União em Defesa das Vítimas de Violência), presidido pela deputada federa Keiko Ota, estará presente e contaremos com a presença de familiares de vítimas de trânsito:

Rafael Baltresca - filho e irmão de Miriam Baltresca e Bruna Baltresca;
José Carlos Marino e Jandira Urbinati - pais de João Victor Urbinati;
Iolanda Silva - mãe do pequeno Werwethon Fernando Assis de Jesus;
Nilton Gurman - tio de Vitor Gurman;
Maria Luisa Hauschi - mãe de Alex Hausch;
Ariomar Damasceno - irmão do gari Alex Damasceno de Souza.

Venham participar conosco dessa caminhada!

Contamos com o apoio e presença de todos!

Data: 20 de novembro de 2011
Horário: 09h30m
Local: Parque do Ibirapuera - São Paulo
Concentração: Parque do Ibirapuera - Portão 4



GRUPO UDVV (União em Defesa das Vítimas de Violência)


"Junte-se a nós por amor, antes que alguém o faça pela dor"

Sandra Domingues

marcelo disse...

Quando se faz um investimento, me parece lógico que se procura um retorno, um benefício, um lucro...

Tirando a "indústria do crime", eu pergunto: qual o retorno para a sociedade do imenso investimento que se faz atualmente na construção de um número interminável de presídios para homicidas, pedófilos, estupradores, traficantes, políticos corruptos e outros hediondos que circulam livremente pelas ruas?

Volta e meia se vê notícias desses tipos de monstro, pior do que animal, serem presos pela 3ª, 4ª, 5ª ou mais vezes, testificando que não há recuperação alguma, muito menos segurança para evitar fugas dessas colônias de férias e escolas de luxo para bandidos (local onde há tempo de sobra para articulação de novos crimes, cada vez mais bárbaros, e onde se faz "verdadeiras" amizades).

Mais e mais inocentes, cada vez mais indefesos, acabam pagando com as suas próprias vidas pelo mau investimento do governo, o qual parece não querer resolver o problema (como sempre, usa dos dados para se perpetuar no poder, e só!!!).

Que tipo de investimento é esse cujos retornos são: desgraças e mais desgraça, roubos, assassinatos, estupros, abusos de incapaz, mais e mais gastos, desfalques na economia, mais violência ainda?

Salvo erro, quando um investimento não resulta em benefício, o melhor é fazer o seguinte: ELIMINAR OS GASTOS!!!

Realmente a sociedade é culpada por isso, à medida que assiste a tudo sem fazer absolutamente nada para mudar essa realidade.
Quem tira a vida dolosamente, merece pagar com sua própria vida para que haja proporcionalidade da pena. Dessa forma se elimina o gasto.

Anônimo disse...

GRAMPO OFICIAL MOSTRA OS NEGÓCIOS MILIONÁRIOS DO EX GUERRILHEIRO ZÉ DIRCEU
17/11/201116:12




No início de 2012 será colocado em pauta no STF - Supremo Tribunal Federal o julgamento do maior escândalo de corrupção comprovado na política brasileira: o Mensalão do PT. O governo petista trabalhou fortemente na dança das cadeiras do Supremo e conta com o voto da maioria dos ministros para o arquivamento do processo. Mas não vai ser bem assim. O líder da organização criminosa seria o ex-ministro chefe da Casa Civil de Lula, José Dirceu, segundo o procurador geral da República Roberto Gurgel, que pediu a condenação dos 36 réus da ação penal 470 pelos crimes cometidos durante o Mensalão do PT.


http://www.quidnovi.com.br/novo/mino/detalhe.asp?c=340