sábado, 19 de novembro de 2011

A Intentona da Comissão ou a Distorção da Verdade

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Valmir Fonseca

Os mais indignados asseveram que a Comissão da Verdade poderá ser denominada como a “Intentona que deu certo”. No seu túmulo, o comunista Carlos Prestes, brasileiro de nascença e russo por opção, não cabe em si de tanta gargalhada.

Poderíamos elencar um rosário de argumentos para expurgar a simples menção deste desatino institucionalizado. Não adianta.

A aberração é inócua, falsa e carece de base legal, e a sua NÃO - CRIAÇÃO deveria ser uma candente bandeira empunhada por uma oposição que tivesse um mínimo de vergonha, e se propusesse a obstar o virulento revanchismo que perdura há décadas, e que o desgoverno promove sem quartel contra instituições permanentes, mas vilipendiadas.

Com efeito, a sociedade e, principalmente, os seus representantes, vergonhosamente, compactuam com esta violência moral, que poderá transformar - se numa vendeta física, graças a mais esta investida contra indefesos cidadãos brasileiros.

Na Intentona de 27 de novembro de 1935, o assassinato de irmãos por ideólogos do marxismo – leninismo ocorreu quando eles estavam dormindo; na atualidade, as vítimas estão acordadas.

Estupefatos e com as mãos amarradas, os agentes da repressão estão no corredor da morte, e não havendo o princípio basilar do contraditório, serão previamente condenados; portanto, nada falta para o veredicto final de doutos e escolhidos juízes, para que seja perpetrada uma terrível e legalizada execução.

Lamentavelmente, naquela intentona, as Unidades Militares do Rio de Janeiro como o 2º Regimento de Infantaria, o Grupo - Escola de Artilharia, o Regimento Andrade Neves, o 2º e o 3º Batalhões do 1º Regimento de Infantaria não acorreram para debelar a insânia. As Unidades estão manietadas, cumprem ordens de não respirarem, de não se pronunciaram, de não comentarem, e sim, servilmente, concordarem.

Caberia, em todo o território nacional, em cada quartel, no mesmo horário, que ao início da primeira reunião daqueles parciais buscadores da verdade, os corneteiros tirassem de seus clarins, um lamentoso e profundo TOQUE DE SILÊNCIO.

E, ao escutarmos a pungente e curta melodia, os da Ativa permaneceriam impávidos, insensíveis, inabaláveis, pois a ordem é não pensa cumpanheiro, os sacrificados não pertenciam ao nosso bando.

Porém, os da Reserva e os Reformados compungidos, como derrotados numa batalha desigual, deveriam deplorar, não apenas pelos injustiçados, mas pela perda de algo muito maior.

E podem escolher, foi da Honra? Da dignidade? Da coragem? Da grandeza? Ou de todas?

Vê, se vocês se mancam seus ingênuos ou coniventes, as conseqüências desta conspiração serão degradantes e irreversíveis.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira, Presidente do Ternuma, é General de Brigada Reformado.

Um comentário:

Manoel Vigas disse...

Saudações.
Ilmo. Sr. General.

O 'Il Silencio' tocado pela Melissa Venema, garotinha prodígio de 13 anos junto à orquestra do André Rieu me parece ter muito mais sentimento verdadeiro de PATRIOTISMO do que os atuais “intérpretes” fardados.

É MUITO TRISTE ESTA REALIDADE BRASILEIRA !!!

Mas agora, pergunto:
Deve alguém chorar no leite derramado ?

NÃO . . . DE JEITO NENHUM.

VAMOS TODOS ( PRINCIPALMENTE OS MILITARES) AGUENTAR O “TRANCO”, POIS TUDO FOI PLANTADO, GESTADO E AGORA ESTÁ SENDO COLHIDO.

Como diz o velho ditado no futebol:
“quem não faz leva”.

Atenciosamente.
Manoel Vigas