sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Até Transnacionais reagem ao golpe da petralhada para controlar a liberdade de expressão e imprensa no País

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net Leia mais artigos no site Fique Alertawww.fiquealerta.net
Por Jorge Serrão

A petralhada que aparelha a área cultural do governo federal deu mais um golpe legal para cumprir seu velho desejo de controlar os meios de comunicação. Mas o tiro pode sair pela culatra porque feriram os interesses de produtores transnacionais. O ponto de discórdia é a Medida Provisória 545, que dá mais poderes à Ancine (Agência Nacional de Audiovisual) permitiria um controle de conteúdo, ferindo a liberdade de expressão, cria barreira tarifária para produções estrangeiras.

A principal crítica é que a Ancine se transforma em um monstro regulatório sobre um setor importante para a democracia brasileira: a liberdade de expressão e imprensa. A agência ganha poderes amplos com a MP para interferir em todos os elementos da cadeia econômica do audiovisual. O Estado poderá se meter nos preços de veiculação de peças publicitárias e de ingresso de cinema, além de ter interferência sobre o conteúdo do que se veicula nas tevês e rádios.

A MP 545 virou alvo de ataques, simultâneos, da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Tevê (Abert) e da Associação Brasileira de Tevê por Assinatura (ABTA). A abert defende os interesses das tradicionais emissoras de radiodifusão – que temem a concorrência das teles e das empresas de internet no audiovisual tupiniquim. A ABTA defende os interesses estrangeiros que têm a hegemonia da televisão a cabo ou por assinatura no País. Só a Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais concorda com a medida, pois avalia que o aumento da taxação das produções estrangeiras visa preservar empregos no Brasil.

Em seu afã de ampliar o poder do Estado controlador, em conformidade com o velho pensamento comuno-soviético, a petralhada agora se defronta com inimigos de peso.

Altíssima sociedade

O traficante Nem revelou à Polícia Federal que metade de tudo que faturava com a venda de drogas era entregue a policiais civis e militares da banda podre.

Controlador do faturamento estimado de R$ 100 milhões anuais com o narcovarejo, Antônio Delfim Lopes forneceu detalhes, inclusive datas, dos casos de extorsão.

O delegado Victor Hugo Poubel, coordenador da Delegacia de Combate ao Crime Organizado da PF, garantiu que as informações passadas pelo bandido serão investigadas em inquérito.

Vão investigar?

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, comentou na Rede Globo que gostaria muito que Nem falasse mesmo o que sabe, por conhecer "a arquitetura do tráfico de drogas e como são os meandros da corrupção":

Ele tem uma prestação de contas muito séria e importante a fazer à sociedade fluminense. Ele tem que prestar contas sobre a corrupção de agentes públicos. Eu acho que isso faria com que fosse dado um passo importante no combate à criminalidade”.

Tomara que Nem revele, também, quem são os políticos que ele ajudava com os arregos (gíria bandida para a propina)

Arquivo bem guardado?

Nem ficará preso em Bangu 1, no duro Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

Terá direito a apenas duas horas de banho de sol por dia.

Nas outras 22 horas, o arquivo-vivo deve ficar confinado em uma cela individual.

E vamos torcer para que nada de ruim aconteça com ele, caso se disponha mesmo a revelar para quem pagava propinas milionárias...

Espanhola

Um dos genros do rei espanhol Juan Carlos, o marido da infanta Cristina, está no centro de um escândalo de desvio de verbas públicas.

A Justiça descobriu que o Instituto Nóos concluiu contratos sem licitação com governos regionais da ordem de 4 milhões entre 2004 e 2006.

A ONG era presidida por Iñaki Urdangarin – um famoso ex-jogador de Habdebol, que entrou para família real e agora é suspeito de promover um rombo de mais de 1 milhão de Euros nas contas da instituição, que teoricamente não tem fins lucrativos.

Ainda bem que essas coisas só acontecem lá pros lados da Espanha...

Furo do Bambu rende prêmio...

Comunique-se informa que o repórter Simon Eroro, do jornal Post-Courier, de Nova Guiné, aceitou uma troca inusitada para conseguir uma entrevista exclusiva com moradores de uma região da selva de Papua Nova Guiné que nunca tinham falado para imprensa antes.

Simon aceitou ser circuncidado, com varas de bambu, conforme o ritual do povoado.

O repórter da varinha repaginada ganhou o prêmio de “Melhor Furo Jornalístico”, oferecido pela News Corp - o conglomerado de veículos de comunicação pertencente ao bilionário Rupert Murdoch.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 11 de Novembro de 2011.

4 comentários:

Anônimo disse...

A Nova Ordem Mundial (NOM) tropeçou na Europa da CEE. Oxalá que continue tropeçando até que seus lideres e seus lacaios morram de câncer no maior sofrimento ou sejam demitidos dos seus cargos.

Enfim, zerados!

http://brasilacimadetudo.lpchat.com/index.php?option=com_content&task=view&id=11530&Itemid=141

Anônimo disse...

As grandes famílias que governam o mundo!

Algumas pessoas já começaram a perceber que são os grandes grupos financeiros que dominam o mundo. Esqueçam as intrigas políticas, os conflitos, as revoluções e as guerras. Não é puro acaso. Tudo está planeado de longa data.

Alguns chamam-lhe “teorias da conspiração” ou Nova Ordem Mundial. Seja como for, a chave para compreender os acontecimentos políticos e económicos actuais, está num restrito núcleo de famílias que têm vindo a acumular cada vez mais riqueza e poder.
Fala-se em 6, 8 ou talvez 12 as famílias que dominam verdadeiramente o mundo. Saber quais são é um mistério difícil de desvendar.

Não estaremos muito longe da verdade ao citar os Goldman Sachs, Rockefellers, Lehmans e Kuh Loebs de Nova Iorque, os Rothschild de Paris e Londres, os Warburg de Hamburgo, os Lazards de Paris e os Israel Moses Seifs de Roma.

Muita gente já ouviu falar no Clube de Bilderberg, da Trilateral ou dos Illuminatis. Mas, quais são nomes das famílias que dirigem o mundo acima dos Estados e controlam os organismos internacionais como a ONU, a NATO ou o FMI?

Para tentar responder a essa pergunta, podemos começar pelo mais fácil: recensear os maiores bancos mundiais e verificar quem são os accionistas, os que decidem.

As maiores empresas mundiais são actualmente: Bank of America, JP Morgan, Citigroup, Wells Fargo, Goldman Sachs e Morgan Stanley.

Vejamos agora quem são os seus accionistas.

Bank of America:
State Street Corporation, Vanguard Group, BlackRock, FMR (Fidelity), Paulson, JP Morgan, T. Rowe, Capital World Investor, AXA e Bank of NY Mellon.

JP Morgan:
State Street Corp., Vanguard Group, FMR, BlackRock, T. Rowe, AXA, Capital World Investor, Capital Research Global Investor, Northern Trust Corp. e Bank of Mellon.

Citigroup:
State Street Corporation, Vanguard Group, BlackRock, Paulson, FMR, Capital World Investor, JP Morgan, Northern Trust Corporation, Fairhome Capital Mgmt e Bank of NY Mellon.

Well Fargo:
Berkshire Hathaway, FMR, State Street, Vanguard Group, Capital World Investors, BlackRock, Wellington Mgmt, AXA, T. Rowe e Davis Selected Advisers.

Podemos desde já constatar que aparece um núcleo presente em todas as entidades bancárias: State Street Corporation, Vanguard Group, BlackRock e FMR (Fidelity).
Para não as repetir vamos chama-los, daqui para frente os “quatro grandes”

Goldman Sachs:
“os quatro grandes”, Wellington, Capital World Investors, AXA, Massachusetts Financial Service e T. Rowe.

Morgan Stanley:
“os quatro grandes”, Mitsubishi UFJ, Franklin Resources, AXA, T. Rowe, Bank of NY Mellon e Jennison Associates.

Como acabamos de verificar são praticamente sempre os nomes dos accionistas principais. Para ir mais longe, podemos agora tentar saber quais são os accionistas destas empresas accionistas desses maiores bancos mundiais.

(...)

http://www.provafinal.net/2011/10/as-grandes-familias-que-governam-o-mundo/

Anônimo disse...

Este seu artigo, fez-me lembrar um escrito por Geraldo Almendra, intitulado "Estado Policial Fascista" e que o senhor, curiosamente, também publicou numa sexta feira a 3 de novembro de 2006.

http://www.alertatotal.net/2006/11/estado-policial-fascista.html

Anônimo disse...

lulla o louco, o psicopata, quer que Chalita desista de se eleger por São Paulo e que deixe haddad como único candidato! Em troca, dá a Chalita o cargo de vice!

Mas que loucura se está tornando o Brasil pelas mão do politico mais louco e corrupto desde que fomos "descobertos"?

Chalita tem todas condições de se eleger com facilidade! Agora vai entregar a sua mais que previsivel vitótia para um político bastardo do PT e que instalou no Nordeste o metodo de ensino cubano?

Que loucura um cabra como esse louco lulla, esse comprovado psicotapara, palhaço da Nova Ordem Mundial, estar a ditar o que se deve ou não fazer e acontecer na nossa Nação se ele è um internacionalista e um moleque da Oligarquia Financeira Transnacional?

Até quando esse louco que violava cabras e jumentas (cadê das galinhas o elo mais fraco da bestialidade?), dita as regras do jogo político no nosso Brasil? Não chega a terrorista fazer o que ele quer?