sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Topa combater a Escolinha do Professor Stalin no MEC?



Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão

Por que o chamado mundo acadêmico brasileiro não tem a coragem de denunciar e combater, publicamente, os constantes abusos autoritários cometidos pelo Ministério da Educação Capiminista? Por que a própria comunidade acadêmica, vítima direta da falta de liberdades, se mostra tão passiva, omissa ou conivente com o suposto poder do MEC – o principal instrumento soviético de intervenção do Governo do Crime Organizado na vida dos brasileiros?

Essas perguntas merecem uma resposta séria, correta e urgente, na semana em que o MEC ganha espaço midiático para propagandear seu poder de intervenção no mundo acadêmico tupiniquim. Por aqui, onde não temos liberdade educacional, a burrocracia nos impõe um famigerado “Índice Geral de Cursos”. O soviético IGC, da Escolinha do Professor Stalin, distribui notinhas de 1 a 5. O indicador medido pela qualidade dos professores, a estrutura física das unidades de ensino e as notas no questionável Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes – o ENADE que tem a pretensão de igualar, sovieticamente, alunos de diferentes condições sociais, econômicas e de rotina de vida.

A instituição que “leva pau”, com conceito baixo, sofre “intervenção”: é obrigada a se submeter ao nada democrático processo de supervisão do MEC, cujo objetivo é mostrar as deficiências de cada faculdade ou universidade. As punidas ficam impedidas de abrir novos cursos. Também são congeladas as vagas para novas matrículas. Ou seja, a livre iniciativa em Educação é, gradativamente, inviabilizada, em nome de uma suposta qualidade imposta pelo poder estatal. Curioso é que o “Professor Raimundo”, majoritário em nossas Escolas, assiste a tudo isso passivamente. E o MEC, oh...

A burrocracia do MEC sequer demonstra competência para elaborar um simples ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio, outra herança soviética para dar suposta (na verdade, mentirosa) igualdade a estudantes no acesso ao ensino superior. A mesma burrocracia do MEC que tenta impor, goela abaixo da sociedade, monstruosidades como o “kit didático GTBLS”. Sem falar nos livros didáticos de pura propaganda ideológica coletivista e naqueles outros que tentam ensinar nossos jovens que o certo é até falar e escrever errado. Por que aceitamos a ação intervencionista de tais burrocratas?

O cidadão-eleitor-contribuinte brasileiro, seja rico, pobre ou classe média, é historicamente midiotizado pela falta de educação verdadeira, pela ação irresponsável dos emburrecedores meios de comunicação e pela overdose de marketing. Tal esquema modifica o senso comum das pessoas, levando-as ao consumismo. Esta atitude psicossocialmente gerada é a mãe das compulsões – por drogas, bebidas, sexo, dinheiro, religião, ideologia e por aí vai... Com a falta de Educação, a desestruturação da família e a geração de compulsões o sistema de poder, promovendo o avanço do Estado Capimunista, o sistema de poder amplia o controle social.

Laboratórios de Engenharia Social produzem programas neurolinguísticos para enganar, tentar manipular e influenciar as pessoas com conceitos errados. Tudo para formar o midiota ou imbecil coletivo. Assim se prepara “a maioria”, psicologicamente, para adoção de comportamentos programados e padronizados pelo esquema de Poder Real. A este sistema interessam as modificações do comportamento e propagandas para induzir opiniões isentas de informação real e reflexão.

O MEC é o produto sintomático de duas correntes de pensamento que afetam, há muito, o chamado mundo acadêmico – docentes e discentes que viram presas fáceis da indecente ideologia coletivista. O primeiro é o Gramscismo – baseado nas teorias do comunista italiano Antonio Gramsci, que promove a ideologia coletivista junto a um amplo corpo de intelectuais orgânicos nos partidos políticos, nos aparelhos privados da “sociedade civil” e órgãos da “sociedade política”. O segundo é a Escola de Frankfurt – cujos teóricos, também, de linha marxista, como Herbert Marcuse, influenciam o meio universitário, sobretudo as escolas de comunicação que formam os profissionais da mídia.

As duas correntes de pensamento contribuem para o trabalho de midiotização educacional, executado principalmente pelos meios de comunicação de massa, de difundir o chamado “pensamento politicamente correto”, junto com as ideologias supostamente promotoras da “igualdade e justiça social”. Esta união promove a modificação senso comum da sociedade sobre seus valores, crenças, tradições e preceitos éticos tradicionais e conservadores. O certo vira o errado, e o errado se transforma no certo, nesta visão distorcida da realidade.

O senso comum modificado cria um vácuo cultural, intelectual e moral. Este vazio de reflexão impede a sociedade de entender e perceber o que realmente se passa. Assim se formam os midiotas – os idiotas formados pelo senso comum midiático e educacional que propaga conceitos errados, anti-valores humanos e ideologias que enaltecem o papel do Estado acima das pessoas comuns (os tais cidadãos). O mais grave é que tal processo é iniciado na infância, a partir da escola... Instituição policiada pelos MECs da vida...

Educação é dever do Estado? Só se for na União das Repúblicas Socialistas do Brasil – cujo Estado é interventor e policialesco. Educação é dever da sociedade. Educação é tão fundamental que não podemos delegá-la ao poderoso ente abstrato sobre o qual se assenta nosso (des)governo (do crime organizado). Repito mil vezes: tal visão distorcida de Educação como dever do Estado é completamente soviética ou socialista Fabiana. Só serve para acomodar todo mundo na midiotice.

Temos de adotar os conceitos corretos – e não o senso comum modificado pelo emburrecedor e autoritário pensamento politicamente correto (que de correto pouco ou nada tem). Educação precisa ser encarada como o empreendimento social mais importante, porque é a base de tudo. Por isso demanda investimentos do poder público, mas, principalmente, da ação empreendedora da livre iniciativa privada – que é nada livre no Brasil capimunista.

Educação só é viável e necessária se praticada dentro de um regime de Segurança do Direito (democrático de verdade) que permita as liberdades de pensamento, expressão e política para um equilíbrio entre a razão, emoção e ação humanas. Por isso, um quase imortal filhote da ditadura, como o MEC, precisa levar um tapão cívico. Palmada não resolve, e muito menos dedada.

O Brasil só vai evoluir se for contida a ação deletéria, intervencionista e totalmente anti-democrática do Ministério da Educação – o principal instrumento ideológico para manter este País rico na miséria permanente, a serviço de interesses de uma Oligarquia Transnacional que nos explora há séculos – porque nossa ignorância, passividade, omissão ou conivência assim o permite.

Temos uma das mais avançadas Leis de Diretrizes e Bases da Educação. Só precisamos nos desatar da corrente autoritária do MEC para colocá-la em prática. Por isso, é urgente que neutralizemos e superemos o modelinho soviético da Escolinha do Professor Stalin que infesta, há décadas, o Ministério da Educação Capimunista (sigla mais justa e perfeita para o monstrengo estatal).

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

PS – O vídeo acima é mais um pronunciamento radical do deputado federal Jair Bolsonaro contra as interferências sistemáticas do MEC na vida alheia. A petralhada ficou tão revoltada que até pediu que se estude um início de processo de cassação do parlamentar por suposta quebra de decoro. Alegam a tal homofobia – crime que a Engenharia Social inventou e deseja impor, legalmente, aos brasileiros – um povo que sempre conviveu bem com as diferenças. Mole não!

© Jorge Serrão 2006-2011. Edição do Blog Alerta Total de 25 de Novembro de 2011. A transcrição ou copia deste texto é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas.

14 comentários:

Augusto de Azevedo disse...

Concordo, mas gostaria de um adendo: se a educação é umaobrigação de um movimento social, ou seja, da sociedade para a sociedade e sem a intervenção e manipulação do Estado elitista, pergunto o que viabilizaria o surgimento de boas escolas que não estivessem apenas interessadas na exploração capital do já pobre aluno? Se por um lado temos um Estado falido, incapaz, irresponsável e criminoso, do outro temos um empresariado capitalista - preocupado com luvro e não resultados educacionais e no meio disto tudo há a sociedade passiva brasileira que permitiu que o Collor limpasse as poupanças sem a mínima reação e que cultiva uma ignorância latente e em eterno crescimento. Daí porque eu devendo e sempre devenderei as ideias de Platão, o melhor governo seria uma aristocracia não sanguínia e filosófica, onde o Estado seria guiado e adminsitrado por um conselho de sábios e onde o Rei é educado para evr cada membro da sociedade como seu filho e, portanto, indiscutivelmente preocupado com o bem estar de sua família coletiva: a sociedade, infelizmente a única forma de trazer esta sociedade platônica à vida seria com um golpe e a tomada do poder a força, outra atitude radical da qual eu sou favorável: devender a pátria livre ou morrer pelo Brasil, nosso governo não nos liberta e seus intrumentos de medição e controle, como o MEC, é um exemplo disto, aidna pegarei as armas... Abraços.

Anônimo disse...

Grande Serrão

Posso utilizar de seus tópicos para embates em blogs?

paulo

Anônimo disse...

Augusto de Azevedo
Então fôrça antidesarmamentista pois o mêdo dêles é isto que você disse...

paulo

Coronel Humberto Pinto disse...

Ilustre Jornalista
JORGE SERRÃO

Jorge Serrão 10!

Bolsonaro 10!

A educação começa na família. O Estado é coadjuvante e complementa com o ensino instrucional. O Estado como educador é espartano.

Vamos acabar com a falácia dos enganadores.

Alerta Total de Jorge Serrão disse...

Paulo, pode usar e abusar.

Anônimo disse...

Herbert Marcuse, filosofo marxista, foi principais críticos da sociedade capitalista de consumo, um dos defensores da Teoria Crítica, um soviético defensor da Nomenklatura. Um frustrado para consumo interno dos sevandijas seguidores também soviéticos. Ele só è Rei entre os violentados soviéticos, daí a celebre frase dos soviéticos: Comemos criancinhas no café da manhã! Soviéticos são pederastas, pedofilos, gente sem moral.

A Escola de Frankfurt, sustentada por Felix Weil com o dinheiro do pai, foi o primeiro centro de pesquisa marxista afiliado a uma universidade maior alemã, a Universidade de Frankfurt. Tudo gente frustrada vivendo com o dinheiros dos outros, tal com Karl Marx fez e fez escola!

Como pode um ministro sovietietico ser presidente do Brasil quando a Defesa está nas mão desses FDP?

Reynan Menezes Sodre disse...

Serrão, concordo com vc e me coloco a disposição do uso da força (e forca!) para banir esse lixo do país!

Anônimo disse...

Serrão


Desculpe-me, pois comecei antes da autorização. E ao mesmo tempo obrigado.

paulo

José de Araújo Madeiro disse...

Repassamos para Serrão:

O danado é que Dilma é o poder. Isto é muito forte no Brasil. Mas não esqueçamos do caso da Verônica Maldonado, que falava em pedir uma indenização da Dilma Rousseff antes da eleição presidendical, amplamente divulgado pela internet.
Está no Blog do CataGeral.

O Jair Bolsonaro cumpre seu dever de tentar proteger às crianças do Brasil, contra essas insanidades dos Homossexuais, sob argumentos de combater à homofobia e estimulados por outra maluca, a SRª Marta Suplicy.

Será que dizendo isto eu sou também da extrema direita? Devemos ter cuidados com alguns jornalistas a soldo pagos pelos PTralhas.

***

É que esses parlamenetares da atual Legislatura são virulentos contra o Jair Bolsonaro e não contra a politicalha da corrupção em confraria com a SRª Dilma Rousseff.

Abs, Madeiro

José de Araújo Madeiro disse...

Novamente, Serrão, volt0 a comentar.

Terminei de ler a matéria e o que tenho a dizer-lhe é somente:

Parabéns!

Abs, Madeiro

Anônimo disse...

A terrorista agora defende com unhas e dentes os seus ministros corruptos para não dar razão à midia independente e hgonesta. Logo è tão ou mais corrupta que eles!

Quanto a terrorista ser lésbica e não querer se assumir mas rodeia-se apenas de mulheres para sua segurança isso demonstra como sua personalidade è fraca. Podem confirmar aqui:

http://movimentoordemvigilia.blogspot.com/2010/09/dilma-rousseff-e-lesbica-mas-nunca-quis.html

Anônimo disse...

Quando chegar a guerra civil, tem muito ódio a ser descarregado
contra quem destruiu nossa nação e morrer com arma na mão para restaurar nossa soberania è o minimo que poderei fazer.

E o traidor lulla quer colocar o ministro da educação como governdor de São Paulo! Qual o mérito que esse cabra tem? Usar o membro fálico do kit, na sua bunda? Problema dele! Dele do lulla, que violentava cabras e jumentas. Só aberrações em lugares chave do nosso país.

Concordo com o comentador Augusto de Azevedo.

Anônimo disse...

Caro Sr Jorge Serrão!

Frequento o seu blog com relativa frequência.
Parabéns pelos artigos que escreve.

Anônimo disse...

Marcuse, Escola de Frankfurt,Marx, Lênin, Trotsky e etc. são todos judeus viados e fracassados até na vida sexual!