segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Cartéis agradecem e pedem passagem: Segredo judicial e impunidade matam o Direito Econômico

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net/

Por Jorge Serrão e João Vinhosa

Tornou-se perigosamente comum no Brasil o costume de advogados usarem abusivamente brechas jurídicas para livrarem seus clientes das punições claramente previstas na Lei. Tal esperteza foi usada de maneira impressionante pelos defensores dos integrantes do “Cartel do Oxigênio”, organização criminosa que praticava, entre outros, um crime inegavelmente hediondo: fraudar o caráter competitivo das licitações para superfaturar contra nossos miseráveis hospitais públicos.

Mais grave que o uso e abuso de brechas jurídicas pelos advogados é a utilização – por parte de nossas autoridades – de brechas que impedem a aplicação de medidas inibitórias à atuação de cartéis no País. Sem a aplicação de medidas inibitórias, o Brasil não conseguirá combater tal cartel, formado por poderosas transnacionais que usam de todos os recursos para se livrarem das malhas da Lei. Pela impunidade quem paga a fatura é o cidadão indefeso.

Os recentes processos movidos pelos integrantes do cartel do oxigênio contra as punições impostas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) colocaram dúvidas sobre a reputação do órgão responsável por combater tal tipo de crime no território nacional. A dúvida lançada sobre a reputação do CADE não será desfeita antes do julgamento em última instância dos processos movidos pelos integrantes do cartel.

Pior de tudo é a sensação temporal de impunidade. Corremos o risco de esperar mais de dez anos – após os sete anos já passados – para saber se o Brasil tem, ou não, disposição política para defender os consumidores brasileiros - há décadas inapelavelmente explorados por esse cartel. Além do risco de abalar irreversivelmente a reputação do CADE, as investigações contra o “Cartel do Oxigênio” já provocaram um grande dano à defesa da livre concorrência no país: a falência do Acordo Brasil-EUA para combater cartéis.

Segredo de Justiça?

O ajuizamento de ações privadas, movidas pelas vítimas do cartel com o objetivo de se ressarcirem dos danos sofridos, é da maior importância para desestimular a prática de tal tipo de conluio.

Segundo o CADE, a litigância privada já se transformou em peça chave da política de defesa da concorrência nos Estados Unidos, por demonstrar, na prática, sua eficácia para inibir a infração da lei.

É impossível negar que a aplicação de segredo de justiça dificulta sobremaneira o ajuizamento dessa espécie de ação. Afinal de contas, é essencial que um prejudicado conheça detalhes dos procedimentos comerciais daqueles que o lesaram para que possa estimar seu prejuízo e o valor do ressarcimento que demandará.

Informações abertas

Diante disso, o CADE defende a tese que o Poder Judiciário deveria tornar público grande parte dos documentos relativos ao “Cartel do Oxigênio”.

O CADE argumenta que, passado tanto tempo da obtenção desses documentos, eles não possuem mais valor empresarial de relevo, não havendo prejuízo em sua divulgação.

O CADE ressalta que esses materiais já foram visualizados pelos principais concorrentes de cada empresa, o que reforça a perspectiva de que eles não possuem mais valor para as acusadas.

O Conselho defende a tese objetiva de que, pelo fato de tais documentos não terem caráter pessoal, não haveria qualquer dano à intimidade na sua divulgação.

O problema é que a Justiça não está entendendo assim, concedendo segredo de justiça aos processos movidos pelas integrantes do cartel contra as penalidades a eles impostas pelo CADE.

O caso do “Cartel do Oxigênio”

Começou em fevereiro de 2004. Em uma operação de busca e apreensão realizada nas dependências de quatro multinacionais produtoras de gases medicinais e industriais, foram coletados documentos que comprovaram de maneira inequívoca a existência da organização criminosa.

Os documentos apreendidos desnudaram o “modus operandi” do cartel, expondo, com riqueza de detalhes, a forma de se dividir o mercado, a sistemática da cobertura em licitações públicas, os procedimentos para inviabilizar concorrentes que não faziam parte do cartel e, até mesmo, a maneira de se punir os integrantes que transgredissem as normas de conduta da associação.

Instaurou-se, no CADE, um processo administrativo contra as empresas, por formação de cartel. Os investigados apelaram para manobras procrastinatórias. Por isso, somente em setembro de 2010 o CADE conseguiu julgar o processo.

Condenação exemplar

Por unanimidade, o Plenário do CADE condenou os integrantes do “Cartel do Oxigênio” à pena máxima já aplicada pelo órgão (cerca de R$ 3 bilhões).

Agora, aquilo que chegou a ser considerado uma histórica vitória de nossas autoridades no combate aos cartéis tende a se transformar no caso que manchará indelevelmente a reputação do órgão que defende a livre concorrência de mercado no País. Afinal, se, de posse de provas tão categóricas, o CADE não consegue que os integrantes do cartel sejam punidos, como fica a reputação da defesa do direito econômico no Brasil? Vitória de pirro em defesa econômica de nada vale.

A perfeição do julgamento feito pelo CADE merece um desfecho justo. Foram exemplares tanto o voto do relator do processo administrativo, quanto as atuações da Procuradoria do CADE, do representante do MPF e dos Conselheiros. Se um julgamento justo e perfeito não tem sua sentença cumprida, o que esperar de outros julgamentos em semelhantes casos? E, como ficará a disposição política dos integrantes do CADE para travarem novas batalhas?

O acordo Brasil-EUA

Em 1999, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos iniciou um processo contra os laboratórios farmacêuticos ROCHE e BASF por manipulação de preços de vitaminas no mercado norteamericano.

Apesar de terem motivos para confiar em sua lei de combate a cartéis, as autoridades dos EUA não abriram mão de uma eficaz medida inibitória: usaram a mídia internacional para dar publicidade ao processo e às duras penas aplicadas às empresas e aos seus executivos.

Dessa maneira, mandaram um claro recado para os cartéis não se aventurarem a explorar o consumidor norte-americano, pois seriam punidos exemplarmente.

O bom exemplo

Alertados para o caso ROCHE-BASF, os órgãos brasileiros de defesa da concorrência, suspeitando que referidos laboratórios praticassem o mesmo crime em nosso território, solicitaram ajuda às autoridades norte-americanas.

A ajuda foi prontamente dada, e demonstrou, na prática, que a troca de informações entre os países é a mais eficiente arma para combater os cartéis internacionais que atuam em seus territórios.

Diante do êxito de tal colaboração, os dois países firmaram um acordo de cooperação para facilitar a troca de informações entre suas autoridades de defesa da concorrência.

A essência do acordo

Como não poderia deixar de ser, a sistematização da troca de informações entre as partes é a essência do acordo.

Procurou-se diminuir a burocracia e tornar mais célere a troca de informações entre as partes, que passou a ser obrigatória (exceto “se o fornecimento de tal informação for proibido segundo as leis da Parte detentora da informação, ou se for incompatível com os importantes interesses daquela Parte”).

O Acordo Brasil-EUA para combater cartéis entrou em vigor em maio de 2003.

O caso do “Cartel do Oxigênio”, iniciado em fevereiro de 2004, parecia ter sido feito sob medida para a troca de informações prevista no Acordo, pois as empresas aqui investigadas também dominavam (diretamente, ou por meio de suas controladoras) o mercado norte-americano.

A ignorância inaceitável

O fato gravíssimo é que nossas autoridades ignoraram o Acordo.

Se fossem submetidas a investigações nos Estados Unidos em conseqüência da atuação de suas filiais no Brasil, as matrizes das multinacionais determinariam a imediata moderação das ações de suas filiais.

Isso significa que, ao não notificarem os EUA, nossas autoridades perderam a grande chance de intimidar tais criminosos do colarinho branco, minorando a exploração sobre o consumidor nacional.

Em novembro de 2004, o representante do MPF junto ao CADE recebeu denúncia que o Brasil estava descumprindo deliberadamente o Acordo por se recusar a notificar as autoridades dos EUA sobre as investigações que aqui estavam sendo realizadas contra o “Cartel do Oxigênio”.

Em decorrência, foi instaurada, junto ao MPF, o Procedimento Administrativo nº. 1.16.000.002028/2004-6.

A interpretação do MPF

Depois de cinco anos de tramitação no órgão, o MPF decidiu pela não notificação aos Estados Unidos, interpretando da seguinte maneira os termos do Acordo:

O tratado apenas obriga as partes soberanas a notificarem uma à outra a respeito de investigações que coletem indícios de que os cartéis apurados também atuam no território da contraparte”.

Ficou claro que o Acordo, em vez de facilitar, está prejudicando a troca de informações entre as partes.

Constata-se, também, que, se o Acordo já estivesse em vigor à época da cooperação havida no caso do cartel das vitaminas (caso ROCHE-BASF), as “exigências” contidas em seus termos teriam inviabilizado a própria troca de informações ocorrida (que foi o seu embrião).

Pela interpretação de que uma investigação realizada no Brasil contra um cartel internacional deva coletar indícios de que o cartel também atue nos EUA, o Acordo Brasil-EUA fica parecendo um “Acordo de Patetas”.

Combinação contra o Exército Brasileiro

Nada mais perfeito para se analisar o potencial danoso de um acordo de fornecedores para combinar preços e dividir mercados que o incrível superfaturamento que vitimou o Exército Brasileiro.

No Hospital Central do Exército (HCE), aconteceu o seguinte: em cinco licitações anuais consecutivas, de 1995 a 1999, somente uma empresa apresentou proposta de preços.

Ela chegou a cobrar pelo oxigênio o extorsivo valor de R$ 7,80.

A armação

Em 2000, quando outras concorrentes participaram da licitação, a empresa propôs o valor de R$ 1,63.

E, ainda assim, foi derrotada por duas outras, saindo vencedora a que propôs R$ 1,35.

Diante da comprovação de tal superfaturamento, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou a devolução aos cofres públicos do valor R$ 6.618.085,28, conforme consta no processo TC 012.552/2003-1 e correspondente Acórdão n°1129/2006-TCU-PLENÁRIO.

O improvável

Acontece que não se pode provar formalmente que essa “coincidência” foi uma ação combinada de concorrentes para fraudar o caráter competitivo das respectivas licitações.

Não se pode provar, apesar de ser lícito inferir que, ao propor preços tão elevados nas licitações realizadas de 1995 a 1999, a empresa tinha a certeza que seus “concorrentes” não participariam das disputas (a chamada cobertura por omissão).

Não se pode provar, apesar de saber que, enquanto a empresa concorria sozinha no Exército, na mesma cidade do Rio de Janeiro, outra empresa fornecia para a Aeronáutica e uma terceira fornecia para a Marinha.

Não se pode provar a ação combinada dos fornecedores para fraudar o caráter competitivo das licitações do HCE, apesar de todo o histórico dos envolvidos.

Conclusão

Diante do abalo na reputação do CADE e do sepultamento do Acordo Brasil-EUA para combater cartéis, só resta aos integrantes de cartéis agradecerem às autoridades que colaboraram para tal situação.

E, aos explorados consumidores nacionais, resta implorar para que os cartéis ajam com moderação.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 31 de Janeiro de 2011.

Crimes muito Humanos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

No dia 25 de Janeiro, no Egito das pirâmides – cuja construção há milênios, respeitáveis pesquisadores sugerem ter sido obra de uma civilização mais inteligente que a nossa – a população saiu às ruas exigindo a renuncia do presidente Mubarak, há trinta anos no poder. Até agora, a repressão oficial soma 2.000 feridos e dezenas de mortos. A população continua nas ruas das grandes cidades.

Em Cuba as prisões de dissidentes dos ditadores Castro, são diárias. Ontem o jornalista ganhador do prêmio Sakarov do Parlamento Europeu, Guilhermo Fariñas, aquele da greve de fome, foi preso mais uma vez junto com outros dissidentes, quando iam a uma delegacia reclamar pela liberdade de outros presos por “crime contra a segurança do estado”.

Eram 15 pessoas que protestavam em defesa de uma mulher grávida que estava sendo desalojada da casa que ocupava. No ato, a segurança do estado confiscou o telefone celular da mão de Fariñas, uma daquelas “damas de branco” que costuma expor para o mundo as verdades do “humanismo” ditatorial em Cuba...

A utopia democrática é um perigo para os estados gigantescos, onde minorias impõem a obediência das maiorias, pela força das armas ou pela coerção de leis que garantem apenas mais espaço de controle do Estado, acima das instituições, ignorando e reduzindo o espaço para a manifestação e defesa de valores culturais, religiões, família e a propriedade privada, bem como a verdade histórica.

Em cada momento histórico, o estado tem utilizado alternativamente: a tropa, as religiões e ideologias. As guerras, massacres, tortura, prisões, isolamento de minorias, são justificadas “convenientemente” como defesa da democracia ou do socialismo. Assim se escondem os criminosos. Houve tempo em que utilizaram a “Santa Inquisição” para garantir o poder dos reis. Agora utilizam todas as “armas” já testadas, para reforçar o poder do estado contra as liberdades individuais.

Sejam cristãos, ateus, islamitas os que protestam, fazem-no contra o estado no processo acelerado de globalização da economia. Os cérebros que controlam a opinião pública, manipulam a informação com justificativas religiosas ou ideológicas. Mas o que mobiliza a gente contra os aparelhos de estado é a fome, são as doenças fabricadas em laboratório, a redução do espaço de sobrevivência digna.

Religiões são utilizadas por sua força universal pelos que dizem ser portadores do conhecimento e das soluções, pelos que no decorrer da história se apoderam de todos os recursos do trabalho para espalhar o terror e controlar os movimentos e pensamentos das populações. Estes são os criminosos com máscaras de líderes, de bondosos, caridosos, com armaduras religiosas ou ideológicas. Apenas criminosos que lesam a humanidade.

Estão nas esferas governamentais, políticas, acadêmicas, financiados pelos banqueiros e empresas gigantescas, propriedade de umas poucas famílias, todos espalhados pelo planeta, decidindo quem governa, quem trabalha, quanto e o que pode comer, que nível de informação pode acessar e como vai morrer.

A paz e os direitos que propalam defender resumem-se à pacificação conformista das manadas – sejam de ateus ou cristãos, islamitas ou budistas - para o trabalho que lhes garanta multiplicar a arrecadação de juros, impostos e pagamento de dívidas impagáveis, viciadas no nascedouro das complexas operações econômicas, esotéricas para as populações cada vez mais dependentes do estado globalitário.

Estes criminosos tem nome, identidade e residência nos palácios e condomínios dos poderosos, cercados de segurança e capazes de vasculhar a vida privada de qualquer cidadão. Utilizam as mais sofisticadas tecnologias e acessam comunicações telefônicas, e-mail, contas bancárias para destruir quem lhes ameace. Criminoso é criminoso, não importa se declarar ser religioso ou ateu. O que está em jogo é o indivíduo, a família, o trabalho e a sobrevivência.

Estes criminosos defendem abertamente a “nova ordem mundial”, uma “ordem” condicionada à extinção de pelo menos dois terços da humanidade. Há muito tomaram esta decisão e agora contam com a ajuda de governantes no exercício do poder em qualquer forma de estado – ditatoriais, socialistas e democratas, estados laicos ou aqueles que ainda utilizam crenças fundamentalistas para espalhar o terror e submeter as gentes.

Utilizam a juventude americana em cenários de guerra, como utilizaram a paixão aventureira das juventudes pobres e mal informadas que atuaram nas guerrilhas em países asiáticos, africanos, latino-americanos e até europeus. Todos financiados pelos mesmos banqueiros que lavam o dinheiro gerado pelo comercio, desde a distante guerra do ópio que os ingleses controlaram na Ásia, passando pelo Afeganistão ou pelos nossos países exportadores de cocaína e maconha.

Estes criminosos utilizam a fé cristã, a fé do islã, distorcendo os propósitos fundamentais de qualquer religião, fomentando atos de fanatismo que são passados à opinião pública como justificativa para as guerras. O terrorismo essencial é o terrorismo do estado contra as pessoas. É a matança silenciosa do estado comprometido com a nova ordem mundial, que de nova não tem nada. É sim uma conspiração milenar que utiliza todos os meios para confundir a mente e controlar as pessoas.

Pretendem banir o controle natural das paixões disciplinadas pelo temor à justiça de Deus, seja qual for a variedade como é crido e venerado, suscitando o respeito ao outro semelhante. Os poderosos têm utilizado soldados armados, bombas, homens-bomba, kamikazes, veneno, injeções letais, torturas e prisões, envenenam água e alimentos, espalham chemitrails, tudo para eliminar da mente a memória de uma inteligência universal, natural e justa, diante da qual todos são iguais.

Os criminosos acreditam que são diferentes. Mas a diferença está nas vestes e nas posses passageiras. Deus em variadas formas está presente amparando a vida, contra os que perseguem e fomentam a morte. Lembrando que os documentos e declarações dos criminosos projetam a morte de pelo menos dois terços da população do planeta, até o ano 2050.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Educação, Educação e Educação

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

O símbolo do franciscanismo na política tupiniquim foi para o saco! Veio à tona a informação de que até o senador Pedro Simon, que sempre posou de paladino da defesa da coisa pública e se apresenta como dado a hábitos franciscanos, recebe aposentadoria de ex-governador. São Francisco de Assis deve estar envergonhado. Neste ritmo, o imortal José Sarney acaba Presidente do Céu. Deus acabará exilado para os confins miseráveis do Maranhão... Se der sorte, com direito a uma bolsa família...

Diante de tantas denúncias comprovadas de uso e abuso do poder do Estado, os brasileiros deviam se revoltar. No entanto, ocorre o contrário. Ficam cada vez mais passivos e inertes diante das coisas erradas. Só faltam imitar os ignorantes do Egito. Mortos de vontade de derrubar a ditadura que se eterniza por lá, não sabem como atacar o governo. Assim, tacam fogo em duas múmias que nada têm a ver com a história atual. A revolta contra os falecidos faraós é uma alegoria da ignorância, do analfabetismo político dos subdesenvolvidos, incapazes de pensar e agir com correção.

O triste é que a maioria dos brasileiros também raciocina com intestino. Sofremos da síndrome da múmia paralítica. Somos fruto de um processo histórico que nos tornou assim. Uma sociedade que não inventou o Estado, mas que foi inventada e moldada, sem educação, por um Estado criado para explorar. Por ignorância sobre a própria verdade histórica e incapacidade de analisar informações relevantes, aceitamos viver, passivamente, como escravos em uma rica colônia de exploração pós-moderna, mantida artificialmente na miséria pelos poderes globalitários que nos controlam, há séculos, daqui extraindo tudo que lhes convém.

O brasileiro foi adestrado a saber tudo de libertinagem. Mas nunca aprendeu a lidar com a liberdade. Por isso, não conseguimos ser livres. E aceitamos sobreviver na senzala da ignorância libertina, concedendo à privilegiada classe política o “direito” de dirigir nossa subcidadania. Por instinto de autoperpetuação, esta classe dominante – que usa e abusa do poder estatal - colabora o processo de manutenção do status quo ignorante. Eis por que os poderosos só tratam da Educação na retórica discurseira. E povo, que desconhece a liberdade, faz pouco caso da Educação.

Para nossa triste sina, quem percebe a importância da Educação também age na contramão da história, segregando o processo educacional a uma minoria privilegiada. Vide o lamentável episódio de dois pais na cidade de Serra Negra, no interior de São Paulo. Considerando o ensino brasileiro muito fraco, o norte-americano Philip Ferrara, de 48 anos, e sua esposa brasileira Leila Brum Ferrara, de 44, optaram por ensinar os filhos em casa. As irmãs Vitória, de 11 anos, e Hannah, de 9, foram tiradas da escola.

Agiram corretamente os pais ao aplicarem o “homeschooling”? Tal prática é muito difundida nos Estados Unidos. Teria mais de 1 milhão de adeptos por lá. Só que é proibida no Brasil! Os pais radicalizaram para exercer a liberdade de educar os filhos, em tese, com qualidade. Acontece que o ensino exclusivamente no lar não é permitido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. Muito menos pela Lei de Diretrizes e Bases. O ECA e a LDB determinam que as crianças devem frequentar escolas.

Em tese, o principio é correto. Todo espaço de convivência e socialização de conhecimento e troca de vivências é essencial ao desenvolvimento pleno do ser humano. A pergunta fatal é: nossas escolas, em sua maioria, cumprem tal papel? A resposta é um “não rotundo” – como diria o velho Leonel Brizola, um dos poucos políticos brasileiros, com todos os seus defeitos, que teve a virtude de defender a importância da educação para o desenvolvimento do Brasil.

Solução imediata. O brasileiro precisa acordar para a importância de Educação. A História da Humanidade comprova que só se desenvolver as nações em que os cidadãos têm acesso à Educação desde a infância. Sem um processo que viabilize a liberdade de escolha, o livre pensamento e o acesso a múltiplas experiências artísticas, o pleno desenvolvimento de outros fatores produtivos fica dificultado ou inviabilizado.

Educação. Educação e Educação. Ou adotamos estas três prioridades, ou tudo continuará como dantes na escolinha do Abrantes. Temos de superar e revogar a “vocação” historicamente maldita para sermos meros súditos ou escravos colonizados pelas nobres realezas globalitárias.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Janeiro de 2011.

Promessa é dívida

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

Vez em quando, a solidão abraça a gente, isolando e revolvendo folhas de momentos de vida compartilhada, ensinando criança a andar, contando lorotas e esperando que os cheiros vindos da cozinha se revelem em cores e sabores, aprovados com louvor à maestria de quem os elabora pensando em nossa satisfação. A mente está povoada das cenas e lugares que reuniam pessoas no bem estar do plantio e colheita dos frutos maduros, no aprendizado, perdão, contemplação do ocaso e alvorecer. Agradecimento às pessoas e a Deus.

Agradecimento é um hábito banido. Deus está sendo ensinado como ideia controvertida, com a face dos homens que dizem ser seus representantes na terra. Na “origem de todos os cultos”, em todos os códigos simbólicos das religiões, encontram-se os mesmos traços da memória de uma inteligência universal que por momentos revelou-se aos habitantes deste fragmento do universo, terra, cujos ocupantes passaram a venerar. Deus ou os deuses foram banidos dos corações e são expulsos das mentes.

Deuses procriavam com humanos e uma estirpe de homens-deuses atuava na direção das hordas apaixonadas, homens que encarnavam as normas e tinham poder de vida e morte sobre os grupos humanos. Homens e salvadores divinos estão presentes na memória de todas as histórias, em todas as épocas, em todas as organizações religiosas que fundamentaram a organização de tribos, cidades e depois estados e civilizações. Todos e cada um dos deuses revestidos da toga de juízes supremos e finais, presentes para conter os impulsos e paixões, aproximando os homens de ambientes “civilizados”.

Hoje os homens que tomaram a direção dos estados gigantes, pretendem ser deuses e procedem como tal, acima das leis humanas e acima das leis da natureza, prometem tudo quanto jamais cumprem. E parece que o exemplo dos poderosos está contaminando todos os grupos sociais: promessas como para ganhar tempo diante do desconhecido que no passado mobilizava para grandes e heróicas realizações. Agora o caminho é inverso.

Vez em quando vem à lembrança promessas amigas, compromissos assumidos e esquecidos entre centenas de ocupações prioritárias. Os velhos que de algum modo são dependentes crônicos da ação dos mais jovens, guardam “hematomas-porrada” das promessas esquecidas. Talvez pela pressa e pouco tempo que lhes resta, desejando uma realização afirmativa, com o sabor de uma taça de vinho e o sentimento de gratidão brilhando no olhar obscurecido.

A gente vai aprendendo a arquivar os impulsos de assumir compromissos-tarefa para os quais falta a habilitação, a competência e os enlaces necessários para realizar. Saindo do casulo, ligamos o computador,  quase uma obrigação, para ler mensagens de pessoas que não conhecemos pessoalmente, mas com as quais concordamos sobre princípios e valores, buscas e coerências libertárias. Vamos repassando aos familiares distantes e aos amigos mais significativos. E estes raramente respondem.

As pessoas andam muito ocupadas, os roteiros dos pensamentos dos velhos e sua manias vão perdendo significado. Talvez até pela ansiedade da solidão, pela facilidade de vislumbrar as consequências dos atos insanos, por serem refratários aos usos e costumes “progressitas”, pelas tímidas cobranças do “como vai você”, os velhos-passado, são descartáveis. Pouco ou nada têm a oferecer aos jovens-futuro. Vivem à margem das atividades estressantes e profícuas da vida dos que fazem acontecer e "nasceram sabendo" como fazer, melhor que os velhos que nada têm que fazer.

Vez por outra dá pra pensar que os amigos procedem como políticos: prometem, prometem e prometem tanto, que com tanto que fazer vão deixando para depois, um depois que dificilmente vai chegar. O depois dos amigos, muitas vezes carrega outras dependências. O depois dos políticos sempre obedece prioritariamente aos compromissos da economia globalizada e aos financiadores de suas campanhas. O dentro de quatro ou cinco anos dos políticos se desdobra num tempo imensurável.

Esta é uma sociedade de solitários, bem diferente do que ainda se conserva nos pequenos povoados onde todos se conhecem e de alguma maneira se sentem responsáveis uns pelos outros. Uma cultura em extinção acelerada. A gente nem vê, nem liga para o vizinho.

A responsabilidade de uns ara com os outros começa a falhar mesmo no âmbito familiar, à medida que o estado direciona a educação dos filhos contra a tradição cultural e crenças religiosas da mesma família, introduzindo o hedonismo e “direitos” contrários à evolução natural, contrários à liberdade individual, formando zumbis a serviço da ideologia.

Neste panorama as notícias confirmam a tendência impositiva dos estados que engordam e se agigantam exigindo mais e mais trabalho das “bestas” humanas, adestradas para carregar cada dia pesos maiores por caminhos desconhecidos, em que os prazeres simples são substituído por drogas e competitividade alucinada de uns contra os outros, cada inconformado querendo ocupar o lugar do outro.

Poucos homens revelam a coragem de um Alejandro Peña Esclusa que por exigir o cumprimento das leis, por denunciar em foros internacionais a implantação da nova ordem mundial socialista em seu país, por exibir os crimes do ditador-melhor-democrata que aterroriza a Venezuela e incomoda os vizinhos, foi arrebatado de sua casa na calada da noite e está preso numa cela minúscula, onde o sol só é permitido a cada 15 dias. Detalhes no blog http://notalatina.blogspot.com/.

Aqui seguimos num caminho paralelo para o mesmo terreno obscuro da violência do Estado contra o indivíduo. Do Estado acima das leis. De um partido controlando toda a máquina do Estado. De uma pessoa investida com todo o poder determinando quem pode fazer, quem pode pensar, quem pode falar o quê. É o progresso revolucionário: as hordas invadem nossas casas, nossas cidades, nosso território e vão designando os currais.

O Estado deve, a sociedade paga. Promessas não pagam dívidas ancestrais. A gente velha só pode esperar com certeza o cumprimento de uma promessa: a eternidade no seio do Universo, o descanso na rede paradisíaca. Nem precisa aquele harém de virgens... ou um batalhão de anjos viris para as mulheres. Basta uma musiquinha... (que não seja rap! Funk!...)

Arlindo Montenegro é Apicultor.

Kant e o iluminismo: O Brasil na contra-mão da história

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Luiz Flávio Gomes

Em dezembro de 1784 o filósofo alemão Kant publicava um artigo intitulado “Resposta à pergunta: que é o Iluminismo (a Ilustração)? (Was ist Aufklarung?). A Revolução francesa aconteceria cinco anos mais tarde (1789). A Ilustração (O Iluminismo), como se vê, é um movimento antes de tudo cultural (filosófico). Só depois se converteu no programa político da modernidade.

Que é o Iluminismo? Kant respondia: “É a saída do homem de sua menoridade [intelectual] da qual ele mesmo é responsável”.

Que se entende por menoridade? “A incapacidade do homem de servir-se de seu entendimento (de seu pensamento) sem ser dirigido por outras pessoas (por tutores ou conselheiros)”.

Dessa incapacidade o homem é responsável porque falta para ele decisão e coragem. Sapere aude: ousar pensar. Pense, tenha coragem de pensar e de usar o seu próprio entendimento. Emancipe-se! Essa é a grande mensagem do Iluminismo.

No final do século XVIII Kant estimulava o homem (europeu) a “ousar pensar”. O projeto do Iluminismo funda-se, portanto, na emancipação do ser humano, ou seja, no reconhecimento da sua capacidade de pensar e de decidir por si mesmo.

Na origem desse movimento está Descartes, que afirmara: “Penso, logo existo” (“Cogito, ergo sum”). Penso por mim não pelos deuses, nem pelos meus representantes muito menos pelos meus dominantes (pelos meus senhores, pelos meus donos, pelos meus patrões, pelos meus empregadores).

O iluminismo idealizou o ser humano livre, dotado de autodeterminação e responsável pelos seus atos. Autonomia do indivíduo frente a todos os poderes (poder real, poder divino). Homem emancipado, homem político, homem cidadão. Os burgueses foram logo os primeiros a desfrutar dessa condição. Rapidamente, na Europa, o Iluminismo foi fincando suas raízes.

E o Brasil? O Estado brasileiro nasceu em 1822 bastante iluminista em relação à etnia dominante (européia) e na contra-mão da história frente às etnias dominadas (africanas, índias, mestiças). A primeira discriminação no Brasil tem raízes étnicas. Enquanto o mundo civilizado era regido pelas luzes, pelas ideias de emancipação (de todos, sem discriminação de grupos), por aqui disseminavam-se trevas (frente a grande parcela da população, a população segregada).

Nega-se, para a maioria dos seus habitantes (para os discriminados étnicos), a trilogia kantiana (a modernidade), fundada (a) na autonomia do indivíduo (no eu), (b) na sua capacidade de pensar e (c) na sua capacidade de decidir por si (seus atos, seu destino).

Nada disso aconteceu em relação aos seguimentos inferiores. E é aqui que reside o ovo da serpente (as origens) de grande parte da violência e da guerra civil brasileiras (atuais). O nó de uma grande parte da violência (que vivemos hoje) foi atado em 1822 e até agora não foi desatado.

Kant atribuía ao próprio homem a “culpa” pela sua não emancipação (pela sua menoridade). A “culpa”, no entanto, pressupõe alguém com capacidade de autodeterminação (livre). Não era essa a situação da maioria da população brasileira (segregada, separada, discriminada), a quem se negava a autonomia de pensamento, a capacidade de autodeterminação.

Desde a fundação do nosso país, “cada um já sabe o seu lugar (ou melhor: cada qual busca sempre estar no lugar social adequado), o que significa que o princípio da hierarquia é sempre aplicado, pois o maior temor social no Brasil é o de estar fora de luga, estar deslocado” (DaMatta, Carnavais, malandros e heróis).

No ocidente moderno (destacando-se, nesse ponto, os Estados Unidos), dizia Dumont (citado por DaMatta, Carnavais, malandros e heróis), “não somente os cidadãos são livres e iguais perante a lei, mas ocorre uma transição, pelo menos na mentalidade popular, do princípio moral da igualdade à crença na identidade básica de todos os homens, pois eles não podem mais ser tomados como instâncias de uma cultura, uma sociedade ou um grupo social, mas como indivíduos existindo em si e por si”. A maior parte da população brasileira (a discriminada), desde o momento da construção do Estado, não era livre nem tampouco era tratada de forma igual na lei.

Nascemos sob a égide da discriminação étnica, ou seja, na contra-mão da história (em relação às camadas inferiores), visto que em 1822 o mundo civilizado já estava impregnado dos ideais iluministas, que significa (antes de tudo) o abandono definitivo da menoridade do ser humano (desde que esse ser humano ouse pensar, como dizia Kant), que passa a existir (e pensar) por si e para si. Essa sua emancipação decorreu da sua valentia, da sua ousadia, da sua determinação.

O ser humano, já no final do século XVIII, foi concebido para pensar por si mesmo, livrando-se de todos os seus tutores ou conselheiros, ou seja, dos poderes instituídos (divinos, reais etc.). É aí que, historicamente, começa a liberdade do ser humano, que poderia progressivamente universalizar a “época ilustrada”.

Luiz Flávio Gomes, Doutor em Direito penal pela Universidade Complutense de Madri e Mestre em Direito Penal pela USP, é Diretor-Presidente da Rede de Ensino LFG.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Os extremos globalitários se tocam

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

O jornal francês L'Express publicou em sua edição do dia 19 de Janeiro, uma caricatura da candidata de "extrema direita", lendo o mesmo discurso do candidato de "extrema esquerda". O articulista observa que a caricatura "pode dizer coisas que se fossem escritas seriam escandalosas." O tema é "A ascenção dos neo-populismos". Também se pode dizer: os extremos se tocam, se encontram, se confundem, querem o mesmo poder, para os mesmos fins.

Entre nós o raciocínio político já completamente desfigurado, mobiliza uns velhos gatos pingados e uma parcela ínfima de jovens persistentes na busca do saber, entendimento de si mesmo e curiosidade sobre o significado das coisas. O rol de atitudes afirmativas da liberdade individual consciente e produtiva, foi arquivado pela praxis revolucionária e banido das escolas há muito tempo. O que poderia "escandalizar" virou instituição, rotina.

Os franceses estão começando a experimentar o resultado das políticas do FMI e da globalização da enonomia. Estão começando a notar que União das Repúblicas (não) Socialistas da Europa, a UE que se diz democrática, limita a independência e submete a economia aos banqueiros. Os governantes executam o que dita o G-20, o Clube de Roma, o Grupo Bilderberger, para exterminar as liberdades a médio e longo prazo.

Dentro de alguns dias o revolucionário presidente dos Estados Unidos visitará a nossa revolucionária presidente. Uma caricatura idêntica poderia expressar a intimidade das excelências com a mesma cartilha. Obama vem como mascate para vender seu populismo e firmar a presença colonialista. Talvez conversem sobre o desembarque chinês nas Americas, disseminando a cultura ditatorial da mão de obra escrava, barata, que interessa às mega empresas.

É o maior vendedor das teses da política global, cumprindo ordens dos patrões que o elegeram, num encontro com a titular de uma neo-colônia, para garantir o apoio e a solidariedade, para tranquilizar e quem sabe segredar alguns dos golpes já preparados para o futuro próximo: a queda do dólar como moeda de divisa, uma nova crise e a reorganização do sistema financeiro com nova moeda internacional, para regular quem vai gastar e em que vai gastar para que os "salvadores banqueiros" possam garantir mais lucros.

Outro dia os círculos militares tão "prestigiados" pelos governantes do PT e base conformista, ficaram agitados com o veto dos Estados Unidos a um tratado do Brasil com a Ucrânia, para operar a Base de Lançamentos de Foguetes Espaciais em Alcântara. Eles manda, nóis obedeçe!

Estes círculos militares continuam apanhando da estratégia globalista-socializante da nova ordem mundial que o PT implanta obedientemente. E poucas vozes se fazem ouvir na defesa da importância histórica dos que preservaram o patriotismo e defenderam a nação, tantas vezes. A nova história so destaca os "erros" . Os acertos excepcionais estão sendo "expropriados" para dar lugar à colonização do planeta pelos banqueiros e mega empresas.

Mas temos boas notícias: a nossa Petrobrás está comemorando mais um evento "achativo" de óleo de alta qualidade no Bloco BM-S-9, a 250 quilômetros da costa de Santos. Alí estão alguns dos poços "mais importantes do mundo": o Guará, o Iguaçu e o Carioca. Os construtores, pedreiros, azulejistas, jardineiros já estão se agitando, porque vai haver muita obra para abrigar os diretores e milhares de empregados, que vão atender as operações de terra na mega sede administrativa prometida para a baixada santista.

Mais ainda quando os sócios majoritários da empreitada são a Repsol (que já explora o campo Albacora Leste, na bacia de Campos, RJ) e a chinesa Sinopec que entra com 40% de participação. Lá na Europa estão comemorando com conhaque espanhol. Na China com uisque e no Brasil com um chope das cervejarias controladas pelos americanos, alemães e ingleses. "O petróleo é nosso!"

Os projetos de exploração e produção do maravilhoso óleo (redenção do Brasil) já foram efetuados pela Repsol-Sinopec num contrato de investimento de uma montanha de dólares. O que tem de gente do mundo inteiro explorando o pré-sal(vação) do Brasil... Os americanos são tão rigorosos! Suas plataformas marinhas têm até segurança dos Blackwater.

É uma beleza este país, obediente ao partido, num "tempo de homens-partido", homens partidos... ou capados?

Arlindo Montenegro é Apicultor.

Os Borgs e a Comissão da Verdade

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Ives Gandra

Sou um admirador das séries de "Star Trek". Suas edições refletem muito a história da humanidade. Os Borgs são um povo de humanos robotizados e respondem a um comando central único, que pretende ""assimilar" todos os povos do universo. Assimilar é fazer com que pensem rigorosamente como eles e obedeçam como uma só unidade. Senão, são mortos.

Os Borgs representam as ditaduras ideológicas, que não admitem contestação e que procuram dominar os povos, eliminando as oposições e as verdadeiras democracias. Se a 1ª Guerra Mundial foi um embate pela realocação de poderes na Europa, a 2ª Guerra já foi uma guerra entre as democracias e os regimes totalitários (alemão, italiano e russo, visto que, no início, Stálin apoiou Hitler na invasão à Polônia).

A vitória de princípios democráticos naquele conflito, que gerou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 10/12/1948, nem por isso eliminou essa luta permanente entre ideologias totalitárias, que não admitem contestação e que continuam poluindo a convivência das nações e das democracias.

Rawls, em dois de seus livros, "Uma Teoria da Justiça" e "Direito e Democracia", mostra que a democracia só pode ser vivida se as teorias políticas não forem abrangentes em demasia e possam conviver, em suas diversidades, com outras maneiras de pensar. Teorias abrangentes provocam a eliminação dos opositores ou a "assimilação", no estilo dos Borgs da "Star Trek", daqueles que vivem sob seu jugo.

Estamos no início de um novo governo, tendo a presidente sinalizado, mais de uma vez, que quer fazer um governo de união, mas com respeito aos opositores.

Não creio que a Comissão da Verdade venha auxiliar muito esse seu projeto, na medida em que, sobre relembrar fantasmas do passado e rememorar dolorosos momentos de história em que militares e guerrilheiros torturaram e mataram, tende a abrir feridas e a acirrar ânimos.

Como ex-conselheiro da seccional de São Paulo da OAB, durante seis anos no período de exceção, estou convencido de que com a arma da palavra fizemos muito mais pela redemocratização do que os guerrilheiros com suas armas, que, a meu ver, só atrasaram tal processo.

À evidência, sou favorável a que os historiadores -e não os políticos- examinem, pela perspectiva do tempo, o ocorrido naquele período, pois não são os políticos que contam a história, mas, sim, aqueles que se preparam para estudá-la e examinam-na sem preconceitos ou espírito de vingança.

Apoio, entretanto, o entendimento do ministro Nelson Jobim de que, se for instalada Comissão da Verdade, ela deve refletir o pensamento dos dois lados do conflito.

Tenho fundados receios de que uma pequena ala de radicais, a título de defender "direitos humanos" por um único e distorcido enfoque -e os vocábulos permitem uma flexibilização infinita para todos os gostos-, pretenderá "assimilar", à maneira dos Borgs na "Star Trek", todos os que não pensem da mesma maneira, transformando uma Comissão da Verdade em Comissão da Vingança.

Pessoalmente, como combati o regime de então -sofri em 1969, inclusive, pedido de confisco de meus bens e abertura de um IPM (Inquérito Policial Militar), processos felizmente arquivados- e participei da Anistia Internacional, enquanto tinha um ramo no Brasil, por ser visceralmente contra a tortura, sinto-me à vontade para criticar a "ideologização" dos fatos passados, a meu ver enterrados com a Lei da Anistia, de 1979.

Que os historiadores imparciais -e não os ideólogos- contem a verdadeira história da época, pois são para isso os mais habilitados.

Ives Gandra da Silva Martins é advogado, professor emérito da Universidade Mackenzie, da Escola de Comando e Estado-Maior do exército e da Escola Superior de Guerra, e presidente do Conselho Superior de Direito da Fecomercio. Artigo Originalmente publicado na Folha de S. Paulo de 28 de Janeiro de 2010.

Cicatrizes

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por João Bosco Leal

Tenho lido diversas citações sobre cicatrizes, de como invariavelmente são provocadas, ou mesmo adquiridas sem intenção, e que, depois de terem ocorrido, não somem mais, como aquela em que o pai, para demonstrar isso ao filho, deu-lhe um martelo e pregos, determinando que os pregasse em uma lata e depois os retirasse, de modo a que ele notasse que, mesmo depois de retirados os pregos, suas marcas lá ficaram e não sumiriam.

Queria esse pai mostrar ao filho, que tudo o que fizesse na vida teria consequencias, e que as feridas provocadas em alguém jamais seriam cicatrizadas.

Pensando sobre o assunto acabei percebendo como as cicatrizes ocorrem em nosso dia a dia, em variadas quantidades, profundidades ou extensões, e pelos mais diversos motivos.

As cicatrizes internas, são provocadas por amigos, amores, pais ou filhos, e as físicas, provocadas por pequenas quedas ou mesmo aquelas provocadas por acidentes, de maior ou menor tamanho, mais ou menos traumáticos.

Quando as cicatrizes não são externas, aparentes, normalmente são as mais profundas e doloridas. São as cicatrizes da alma, do coração, provocadas por perdas irreparáveis, de grandes amizades, amores ou entes queridos, de maior ou menor presença diária em nossas vidas.

Existem também as cicatrizes físicas, externas, normalmente provocados por acidentes ocorridos durante a nossa vida, desde pequenas quedas na infância, a grandes acidentes que podem ocorrer durante nossa existência, nos deixando marcas mais ou menos profundas, ou até mesmo provocar o nosso fim.

Envolvido nesses pensamentos, me lembrei de um conselho ouvido certa vez de uma sábia, já bem idosa, de que muitas vezes, ao notar que uma conversa poderia se tornar mais tensa, deveríamos encher a boca de água e não a engolir, esperando o tempo passar, para depois, bem depois, engolir a água e retomar o assunto.

Era o tempo necessário para que a ira passasse, e, depois disso, poderíamos reiniciar a conversação com mais calma, sem as respostas imediatistas e iradas, e depois de calmamente já havermos pensado mais sobre o tema.

Com essa simples sugestão, da água na boca, ela me fez pensar na cena, e notar como realmente, durante a vida, fazemos besteiras e provocamos diversas cicatrizes, aqui representadas pela sujeira da água esparramada, por simplesmente não esperarmos algum tempo, e falarmos ainda com a boca cheia de água.

Percebo que, com a idade, e a consequente experiência de vida, podemos evitar tanto provocar, como adquirir cicatrizes, sejam as físicas ou as emocionais, e, dessa maneira, certamente passamos a viver muito mais e melhor. Procurando colocar água na boca, e assim não causar cicatrizes, nos tornamos mais agradáveis, menos debatedores, com mais facilidade de aceitação, e consequentemente de ser aceito.

Com a experiência acabamos também diminuindo nosso ritmo, nossa velocidade, e com isso passamos a correr menos riscos, emocionais ou físicos. E tendo mais tempo para as reações, com água na boca, provavelmente encontraremos outras alternativas, ou mesmo teremos mais tempo para frear, e desviar dos riscos.

Penso que muitas das cicatrizes, que possuo ou que provoquei, poderiam ter sido evitadas, ou mesmo deixado de existir, se estivesse com água na boca, ou se, na pressa de minha juventude, tivesse freado um pouco, e tido mais tempo para ouvir os mais velhos.

As cicatrizes aí estão para nos lembrar de como não fazer, de que o passado foi real, e de exemplo para aqueles que as conseguem ver.

João Bosco Leal é Produtor Rural - www.joaoboscoleal.com.br

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Diamante Lula ganhará R$ 13 mil do PT, R$ 9 mil em duas aposentadorias e milhões em palestras

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

Luiz Inácio Lula da Silva é uma verdadeira mina de diamantes – ainda que em estado bruto. Seus ganhos pessoais devem transformá-lo em um dos políticos mais rentáveis do mundo. Fora as mordomias de ex-Presidente (carro, motorista e aspones), além do salário de R$ 13 mil que receberá como “assessor” do PT, e dos R$ 9 mil que recebe em duas aposentadorias (uma por invalidez, em razão da perda do dedo da mão sinistra, e outra como anistiado político, pelos poucos dias em que ficou preso nos tempos da dita-dura), Lula deve faturar R$ 200 mil por cada palestra dada no Brasil e R$ 300 mil quando for ouvido no exterior.

Lula passa a embolsar os simbólicos R$ 13 mil – valor pago a 18 dirigentes da executiva nacional petista -, assim que assumir a “presidência de honra do partido” (cargo que não existe e nem prevê remuneração), a partir do próximo dia 10 de fevereiro. Já o cronograma das lucrativas palestras que dará será definido a partir da semana que vem. Lula tem reunião marcada com sua assessora Clara Ant, no Instituto Cidadania. Ainda persiste a dúvida se a ONG mudará de nome para Instituto Lula. A tendência é que mude, para manter cada vez mais vivo o nome do potencial candidato à sucessão presidencial de 2014.

O cachê pago a Lula por palestras, aqui e lá fora, vai superar a média paga ao ex-Presidente FHC. Além disso, Lula tem tudo para dar muito mais palestras do que FHC – o que aumenta muito seus ganhos. O Príncipe dos Sociólogos – que deixou o poder oito anos atrás - fatura R$ 180 mil com palestras no Brasil. O prêmio de Fernando Henrique Cardoso para falar nos EUA ou na Europa é de US$ 170 mil – o que equivale a uns R$ 300 mil. FHC dá uma média de duas a três palestras por mês. Quem negocia as palestras de FHC é o professor George Legmann.

Leia, abaixo, o artigo de Arlindo Montenegro: A pobre gente, e o texto: Bolo para você ficar doidão

Dane-se o contribuinte

Enquanto Lula tem previsão de faturar alto, o cidadão comum só leva comidas de rabo do Leão governamental.

Retornando de três dias de férias, o amargo ministro Guido Mantega avisou ontem que o governo não estuda a correção da tabela do Imposto de Renda.

Se não Mantega for desmentido pela presidenta Dilma Rousseff – comportamento bastante comum neste comecinho de governo -, quem vai ganhar diploma de mentiroso é o Ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência.

Gilberto Carvalho anunciou a sindicalistas, na noite de quarta-feira, que o governo pensava em corrigir a tabela do IR em 4,5%.

Ataque pesado

O deputado federal Eduardo Cunha usou ontem seu twitter para detonar os petistas que o acusam de negócios escusos envolvendo compra e venda de ações de Furnas Centrais Elétricas:

"É impressionante o instinto suicida desses caras. Quem não se lembra dos aloprados?? Quem com ferro fere com ferro será ferido".

Deve ter muito petralha que nem dormiu com a ameaça de Cunha – um aliado do governo que sabe demais sobre como o PT atua nos bastidores econômicos.

Não demora...

Confrontado ontem sobre as ameaças de Cunha, o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, preferiu apelar para gracinhas:

“Quando ele tiver mais de dez mil seguidores no Twitter, eu respondo a ele”.

Até a manhã de hoje, @DepEduardoCunha tinha 222 seguidores – número que deve aumentar, graças à gracinha petralha...

Recadinho

Eduardo Cunha também mandou alguns recadinhos ao ex-governador Anthony Garotinho:

"Vai ser muito proveitoso detalharmos todas as reuniões que tivemos juntos. Contribuiria e muito para o nosso país".

O Garotinho só não precisa mentir porque a ultima vez que ligou para pedir ajuda para se livrar de problemas foi em maio de 2010 faz 8 meses”.

Ambos evangélicos, Garotinho e Cunha, que já foram unha e carne, romperam feio, recentemente.

Sílvio tomou volta?

O dono do Baú da Felicidade quer saber como passou pelo crivo do Banco Central a existência de um novo rombo de R$ 1,5 bilhão no banco PanAmericano.

Sílvio Santos reclama que foi deixado à margem das decisões desde que foi descoberto o primeiro rombo de R$ 2,5 bilhões, a antiga diretoria do banco foi afastada, a Caixa e o Fundo Garantidor de Crédito assumiram a gestão do PanAmericano.

Agora, SS teme que receba ainda menos, se conseguir vender o banco, já que o acordo com o FGC prevê que todo dinheiro da venda de ativos do grupo será usado para amortizar o empréstimo que ele fez para cobrir o primeiro rombo.

Interessados

No fundo, SS está sentindo que alguém armou uma arapuca bem feita para lhe tomar o banco...

O Valor Econômico revela que o BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, fez ontem uma proposta firme de compra do controle do PanAmericano.

O Banco do SS também interessa ao Bradesco e ao Citibank.

Sílvio espera, para semana que vem, um relatório definitivo dos auditores da Price e da Deloitte, para decidir o que fará com o PanAmericano.

Boa filha

Acusada de mandar assassinar o pai, ex-ministro do TSE José Guilherme Villela, a mãe, Maria Carvalho Mendes Villela e a empregada da casa deles - a arquiteta Adriana Villela foi presa novamente ontem.

O juiz Fábio Francisco Esteves julgou que, como o triplo assassinato é um crime de comoção pública e tem um forte apelo social, é conveniente manter Adriana presa para garantir a ordem e evitar que ela atrapalhe as investigações.

O crime aconteceu no apartamento do casal Villela, na Quadra da 113 Sul, em Brasília, em agosto de 2009, quando Adriana (que nega o crime) estava de férias no Rio de Janeiro.

Cacciola livrando-se

O ex-banqueiro Salvatore Alberto Cacciola poderá trabalhar e visitar a família durante o dia, a partir de 2 de fevereiro.

Preso em Bangu 8 desde julho de 2008, cumprindo pena de 13 anos por crimes de gestão fraudulenta e desvio de dinheiro público, Cacciola ganhou ontem o direito ao regime semiaberto.

Quem bateu o martelo foi a juíza Roberta Barrouin Carvalho de Souza, da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Rio.

Monitorado

Assim que deixar a cadeia, Cacciola terá de usar uma pulseira de monitoramento eletrônico.

Ligado a uma unidade de comunicação, o equipamento de segurança dispara um alarme se houver violação ou se o preso sair da área em que pode transitar.

Cacciola terá de cumprir o acordo firmado ontem pelo Tribunal de Justiça do Rio e a Secretaria de Administração Penitenciária prevendo que os presos em regime semiaberto usem a pulseirinha.

Pegando

Pelo menos seis brasileiras teriam participado dos “eventos” privados promovidos pelo primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

A mais famosa das brasileiras era uma menor, identificada como Iris Berardi, agora com 19 anos, que seria prostituta.

A moça seria especializada em dançar samba de forma “hard”.

Sambista radical
A Promotoria italiana revela que a brasileira esteve na mansão de Villa Certosa (na Sardenha), no dia 21 de novembro de 2009.

Só que, nessa data, Berlusconi estaria na Arábia Saudita.

Em 13 de dezembro de 2009, Iris Berardi passou a noite em Arcore (a 20 quilômetros de Milão).

Naquele dia, o premier italiano foi agredido no rosto por Massimo Tartaglia, que lançou contra Berlusconi uma estátua do Domo de Milão.

Manifesto maçônico Pró-Itália

A Loja Maçônica Brasil, de São Paulo, enviou ontem ao Grande Oriente de Milão um “Manifesto de Apoio à República da Itália” contra a decisão do ex-presidente Lula da Silva de manter Cesare Battisti no Brasil.:

A República Italiana pode estar certa de que a Nação brasileira, que tanto sofre com uma criminalidade fora de controle, e um governo que tenta instituir uma ditadura, não concorda e não apoia a ação deste governo, de conceder asilo e contribuir para com a impunidade à um criminoso que afrontou as Leis, as Instituições, as autoridades e o próprio povo da Nação italiana”.

O texto dos maçons brasileiros será distribuído e lido nas lojas maçônicas da Itália, embora Battisti seja membro da Loja Maçônica P-2...

Quer um pedacinho?

E o bolinho de chocolate, com recheio de maconha, apreendido ontem em Arraial D´Ajuda?


Um irônico leitor do Alerta Total, em Londres, sugere quem deve cuidar do caso:

"Delegacia de Repressao as Drogas e Guloseimas".
Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Janeiro de 2011.

A Pobre Gente

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

“Te esconjuro!”, diria minha mãe diante de uma notícia destas. A FAO, agencia da ONU que há mais de meio século, gasta dinheiro pago pelos países integrantes para a eficientíssima multinacional de vigaristas, para solucionar os problemas da fome no mundo, acaba de dizer que não tem jeito!

Disseram que tem muita boca e pouco mingau. A solução é comer minhoca, grilo, barata, larvas de pau podre, lacraia, rato... Gafanhoto, dizem que era a alimentação de João Batista, mas era com mel! Ainda existiam abelhas... Mas agora está difícil. Com os venenos espalhados nas lavouras pela Monsanto, vão faltar todos estes bichinhos.

Falam os verdosos da FAO, teóricos protetores da preservação da natureza para o usofruto das gerações futuras da Europa que nos “descobriu”, colonizou e continua mandando no pedaço, que a culpa é da gente que faz muito nheco-nheco e gera muito filho.

Daí partem para o raciocínio brilhante de incentivar o sexo não reprodutivo de todo jeito: vendendo pílulas, vendendo preservativos, vendendo comidas industrializadas com brochantes diversos, promovendo a sacanagem entre pessoas do mesmo sexo, vendendo músicas, shows e roupa colorida, vendendo putaria pela internet, revistas, filmes...

É pra pensar mesmo que estamos nas mãos de psicopatas que ganham muito dinheiro para percorrer o mundo e enganar os trouxas. É pra dizer mesmo que estes organismos, estas autoridades, estes governantes, são todos uns estelionatários de marca maior. Enganam na maior cara de pau!

Sabe-se que tem gente que gosta de comer cobra, tomar cachaça com cobra curtida dentro da garrafa... só de farra! No nordeste deste Brasil que um dia acreditamos ser nosso, a molecada adorava a brincadeira de correr e catar as formigas voadoras de, as tanajuras, pra comer a bunda frita com farinha. Nem isto vai sobrar para a farra da pobreza: veneno mata as formigas.

Um amigo disse há alguns dias atrás, por que os verdes não falavam da preservação dos mares com tanta intensidade como defendem as florestas. Já vi foto de peixe e gaivota morta com as entranhas recheadas de dejetos plásticos ou simplesmente meladas de óleo da Petrobrás, da Standard Oil... caranguejo com gosto de gasolina, logo caranguejo que vive nos manguezais, maternidades de toda a vida marinha.

Responsáveis? As políticas geradas pelos controladores da economia e do “pensamento” mundial, os mesmos sujeitos que criam as “crises financeiras” da noite para o dia e continuam dando as cartas nos EUA e na Europa. Promoveram nos últimos 60 anos e êxodo rural para dispor de mão de obra barata nas grandes concentrações urbanas-fabrís. Resultado: periferias miseráveis arrancadas do seu hatitat, privadas de seus costumes e da liberdade de evoluir em liberdade e independência criativa. Exilados na mesma Pátria.

Isto sim, criou o ambiente de fortalecimento das oligarquias agrárias que hoje vendem as melhores terras produtivas para as mega empresas agro-industriais globalistas. Impediu-se a titularidade da terra para os “comuns”, a “pobre gente”, sempre utilizada como contingente de reserva para manobras políticas. Diferente da Europa e EUA onde a titularidade da terra foi feita no início da colonização.

Estas políticas, criaram o ambiente para as guerras, as fomes, as endemias e garantiram a fome, mortalidade infantil, exploração do trabalho infantil, mau aproveitamento escolar em mas escolas com professores mau pagos e para que se disseminassem os “sábios” conselhos das nações civilizadas, as “ajudas”, as “pressões”, as guerrilhas e guerras. Eles manda, nóis obedeçe!

Ora dona ONU, dona FAO, dona UNICEF, peguem seus acadêmicos, pesquisadores, professores, “cientistas”, sociólogos e mande todos para o trabalho voluntário em Cuba. Lá a fome está que dói. É uma ilha paradisíaca, onde o ditador democrata os receberá de braços abertos pra ensinar como mudar o mundo e gerar o “homem novo”num excelente laboratório.

De cara podem eleger como dirigente do grupo o sujeitinho holandês que inventou que a bicharada vivente nos esgotos e dejetos da natureza pode constituir “uma dieta saudável, barata e ecológica..” e que isto “ajuda a reduzir o aquecimento global”. Insistem na mentira! Inda dizem que homem é bicho racional! O que se vê mesmo é que banqueiro, “cientista da onu”, presidentes, sábios com todas as soluções, são traiçoeiros, cínicos e só pensam naquilo: dinheiro! Poder! Controle!

Individualmente citada como tabaréu, capiau, peão, cabeça chata, zé mané, zé ninguém... e coletivamente designada como povo, a gente precisa conhecer líderes com grandeza de espírito, para orientar, conduzir ao conhecimento, proporcionar o encontro de cada um com sua natureza essencial. A pobre gente subsiste como refém dos enganadores, dos moralmente mais fracos, dos egoístas, dos assassinos e predadores.

Milênios de civilização para selecionar alimentos e banir os insetos, entendidos como fonte de proteínas em casos extremos e úteis nos exercícios de sobrevivência na selva. Agora vem um arauto da nova ordem que quer o governo mundial, atacar a agropecuária. Eles fazem experiências genéticas que interessam a esta nova ordem controladora de todo o planeta. “Criminalizam” em sua lógica idiota até peido de vaca e dizem que comer insetos vai evitar uma mudança climática. Vai mudar a mecânica do Universo!

Como dizem os que fazem o site http://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com/ “A proposta da FAO é reveladora do fundo do falso ambientalismo catastrofista: degradar os povos civilizados e precipitá-los nos horroes do primitivismo e do socialismo.” O mundo do governo global da ONU. Uma grande China!

Arlindo Montenegro é Apicultor.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Bolo de Maconha para você ficar doidão

Edição de fotos bizarras no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão

No momento em que o ex-presidente FHC lidera uma cruzada internacional para a descriminalização das drogas - principalmente a maconha, mais conhecida como marijuana -, a polícia baiana registra uma ocorrência exdrúxula envolvendo esta droga - cujo componente ativo cumpre a função de inibir ou impedir a comunicação entre as sinapses, no cérebro humano.

Vinte pessoas foram detidas na madrugada desta quarta-feira, num restaurante em Arraial D'Ajuda, comemorando um aniversário de forma muito doida. Comeriam um inocente bolo de chocolate que, na verdade, continha maconha em seu recheio. Sobre o doce, havia folhas da droga e cerejas para enfeitar - como mostra a fotografia tirada pela Polícia bahiana.

A aniversariante, que festejava 18 anos, revelou que o bolo foi presente de uma amiga. Todos os detidos - incluindo a jovem e seus pais - foram liberados após registro da ocorrência. É mais uma ridícula permissividade com o uso das drogas. Ninguém termina punido.

Um docinho assim seria perfeito para comemorar o quase vitorioso plano dos pregadores da Nova Ordem Mundial de liberar as drogas, gradualmente, alegando que elas não fazem mal. Na Argentina, já tramita no Congresso um projeto de lei liberalizandoo uso da maconha em pequenas quantidades e em ambientes não-públicos. Breve, no Brasil, os macaquitos vão propor e aprovar alguma lei parecida.

No Paraná, um drama criminal. O coronel Jorge Luiz Martins, que comandou o Corpo de Bombeiros paranaense por mais de dois anos, é suspeito de ter se tornado um serial killer. A Polícia o aponta como matador de pelo menos nove usuários de drogas. Os crimes seriam uma vingança pela morte do filho, que foi assassinado por bandidos drogados, numa tentativa de assalto ocorrida no dia 26 de outubro de 2009.


É a tragédia das drogas, destruindo vidas, famílias, que políticos doidões tentam minimizar no Brasil e, agora também, no mundo.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Janeiro de 2011.

Procuradoria pede ao STF que proíba conferência da urna eletrônica usando voto impresso

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

O eleitor brasileiro fica cada vez mais distante de poder confiar, plenamente, no resultado proclamado, em alta velocidade, pelas urnas eletrônicas. A Procuradoria Geral da República resolveu brigar contra a possibilidade de auditoria do resultado eleitoral por meio do voto impresso. A Procuradoria pede que o Supremo Tribunal Federal decrete a inconstitucionalidade do art. 5º da lei 12.034/2009 que prevê a auditoria do resultado eleitoral por meio independente do software.

O engenheiro Amilcar Brunazo Filho critica a manobra da Procuradoria, em conluio com o Judiciário. Membro do Comitê Multidisciplinar Independente (Cmind), que defende uma apuração rápida dos votos junto com a conferência pela sociedade, Brunazo lamenta que a Procuradoria use dois falsos argumentos para forçar o STF a proibir a conferência da urna eletrônica via voto impresso: a identificação dos eleitores votantes numa possível recontagem de votos e a brecha para que uma mesma pessoa vote duas ou mais vezes”.

Urnas eletrônicas como as brasileiras, que não possibilitam a uma conferência da apuração eletrônica por meio independente do software da própria urna, são abandonadas e até proibidas no resto do mundo. Brunazo lembra que o voto impresso (ou escrito e escaneado) tem se tornado obrigatório em todos os países que estão aperfeiçoando seus sistemas de voto eletrônico.

Amilzar Brunazo detona: “Os juízes do STF, que todos são ou foram ou serão presidentes do TSE, sempre se manifestaram publicamente contra o voto impresso como meio de conferência da apuração eletrônica. O Colégio de presidentes dos TRE pediu que tal ADIN fosse apresentada pelo MP. Certamente estão mais que predispostos a proibir que o resultado da eleição que eles próprios publicam possa ser conferido pela sociedade”.

Nióbio em debate

Mineral raro, essencial na construção de reatores nucleares, gasodutos, oleodutos, turbinas de aviões e ligas leves resistentes -, o nióbio é o assunto principal de um seminário, nesta sexta-feira, no restaurante Catamarã, no bairro São José, em Recife.

Debatem o economista e especialista do Departamento Nacional de Produção Mineral de Goiás, Rui Pereira Fernandes Júnior, o presidente da Companhia de Mineração do Tocantins, Dorival Carvalho Pinto, e o ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende.

O evento será promovido pelo Centro de Estudos do Nordeste (Cenor), Clube de Engenharia (PE) e Associação dos Geólogos de Pernambuco.

Potencial estratégico

O nióbio seria um dos elementos estratégicos para o desenvolvimento do Brasil, já que 98% das reservas mundiais (de 842,4 milhões de toneladas) estão em nosso solo.

A concentração do produto nas reservas brasileiras é de 3%, ou seja, para cada uma tonelada há 30 quilos.

Além das minas de Araxá, em Minas Gerais, e de Catalão e Ouvidor, em Goiás, foi descoberta a presença de nióbio no Amazonas, em São Gabriel da Cachoeira e Presidente Figueiredo.

Os donos

O probleminha é que as principais jazidas “brasileiras” de nióbio pertencem à Companhia Brasileira de Mineração e Metalurgia (CBMM), controlada pelo grupo Moreira Sales (55% das ações) e pela norte-americana Molycorp Incorporation (45%).

Já as de Goiás são da Mineração Catalão de Goiás Ltda, controlada pelo grupo britânico Anglo American.

Os principais compradores do ferro-nióbio brasileiro são a Holanda, China e os EUA

Manipulação e roubo


Ultrapassa a cifra astronômica de 100 bilhões de dólares por ano o prejuízo anual do Brasil com as exportações do nióbio (cujo quilograma, 100% refinado, é cotado na Bolsa de Metais de Londres a US$ 90 dólares).

O advogado Antônio Ribas Paiva, presidente da União Nacionalista Democrática, já denunciou ao Ministério Público Federal como funciona o mecanismo de subfaturamento do Nióbio, em operações cruzadas de venda feitas pelos exportadores, em diferentes paraísos fiscais.

Agora, o Instituto Mãos Limpas Brasil fará uma nova denúncia ao MPF, torcendo para que não seja arquivada, da mesma forma como ocorreu com o pedido de Ribas Paiva.

Leia, abaixo, o artigo de Arlindo Montenegro: Doces e Venenos


Com os patrões globais

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, representam o Brasil no Fórum Econômico Mundial – evento promovido pela Oligarquia Financeira Internacional, na gélida Davos, na Suíça.

A presidenta Dilma Rousseff não foi beijar as mãos dos patrões globais agora, no fórum comandado por Klaus Schwab.

Mas será a grande estrela a brilhar entre os dias 27 e 29 de abril, quando ocorrerá, no Rio de Janeiro, o 6º Fórum Econômico da América Latina.

Super Aspone Lula

O aposentado Luiz Inácio Lula da Silva será trabalhador novamente registrado em Carteira de Trabalho pelo Partido dos Trabalhadores.

O Painel da Folha de S. Paulo revela que o PT decidiu pagar um salário mensal de R$ 13 mil ao seu “Presidente de Honra”.

Como o estatuto petista não prevê o pagamento a quem tem cargos simbólicos, Lula ganhará do PT o status de “assessor” do presidente José Eduardo Dutra, que também recebe R$ 13 mil por mês.

Eike outside

O bilionário Eike Batista parte para a internacionalização de seus negócios.

O Grupo EBX criou a EBX Internacional, cuja sede funcionará em Nova York.

Seu presidente será Peter Nathanial, com Marcelo Horcades Coutinho, velho conhecido do mercado financeiro, como diretor.

Caças na pauta

O negócio dos 36 aviões para a FAB entrará na pauta de conversas entre Obama e Dilma, em março.

Pode sair da conversa a formação de uma parceria entre a norte-americana Boeing, a brasileira Embraer e a sueca Saab para o desenvolvimento do projeto do caça Gripen NG.

A ideia de desenvolver a aeronave – em vez de comprar os caças franceses Rafale, como Lula deixou armado – é a que mais agrada o Comando da Aeronáutica.

Vai dar em alguma coisa?


A Comissão de Valores Mobiliários vai investigar a denúncia, mas o escândalo tem tudo para ser mais a dar em nada.

O Globo denuncia que, após abrir mão do direito de preferência na compra de um lote de ações da empresa Oliveira Trust Servicer, Furnas Centrais Elétricas pagou pelos mesmos papéis, menos de oito meses depois, R$ 73 milhões acima do valor original.

O negócio, ocorrido entre dezembro de 2007 e julho de 2008, favoreceu a Companhia Energética Serra da Carioca II, que pertence ao grupo Gallway.

Os envolvidos

Um dos seus diretores, na época, era Lutero de Castro Cardoso - ex-presidente da Cedae e ex-funcionário da Telerj.

Outro nome conhecido no grupo é o do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, que se apresenta em negócios como representante da Gallway.

Lutero e Funaro têm ligações com o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a quem é atribuída a indicação do então presidente de Furnas, o ex-prefeito Luiz Paulo Conde, no período da transação.

Briga por espaço

Eduardo Cunha acusou o PT de estar por trás das denúncias.

O deputado nega qualquer tipo de ingerência política em Furnas, embora admita que o PMDB indicou diretores da estatal, juntamente com o PT e o PR.

De fato, as denúncias estão em um dossiê de duas páginas e meia, encaminhado pelo deputado estadual licenciado e secretário de Habitação da Prefeitura do Rio, Jorge Bittar (PT-RJ), ao ministro da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência, Luiz Sérgio.

Cartelzinho?

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica deve aprovar, sem problemas, o aumento de participação acionária do Bradesco e do Banco do Brasil na Companhia Brasileira de Soluções e Serviços.

O BB pagou R$ 85,5 milhões por 4,99% de participação na empresa, enquanto o Bradesco investiu R$ 85,8 milhões para adquirir 5,01% do capital social da CBSS.

Quem se deu bem foi a Visa International que vendeu suas ações.

Haja bilhões

O setor de telecomunicações precisará investir R$ 100 milhões nos projetos ligados à Copa do Mundo de 2014 e à Olimpíada de 2016.

A demanda é do presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base (Abdib), Paulo Godoy.

Problema de sempre é: teremos capacidade e competência para tal investimento?

Perdas internacionais

O futebol brasileiro perde mais um talento para o exterior.

A craque Marta fechou um contrato de um ano com o Western New York Flash, time recém-criado para a disputa da Liga Profissional Norte-Americana de Futebol (WPS, na sigla em inglês).

Eleita pela Fifa a melhor do mundo, pela quinta vez consecutiva, a brasileira começa a trabalhar com sua nova equipe em março e estreia na Liga Norte-Americana dia 17 de abril contra o Boston Breakers.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Janeiro de 2011.

Doces e Venenos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Por Arlindo Montenegro

Pestes, endemias, guerras têm sido planejadas e executadas para, controlar recursos naturais, para controlar e reduzir populações, para intimidar os neo colonizados, para impor políticas de suporte para a nova ordem mundial: um só governo, uma só moeda, uma religião universal a serviço do estado totalitário.

A tropa que abre o caminho para o coroamento do Grande Irmão (Big brother) atua em todos os setores e mata em silêncio, preparando a redução drástica da população do planeta. Tudo quanto estamos vendo ser implantado no Brasil, tem antecedentes e consequências na quase totalidade do países: controle da economia, controle das empresas através da compra de ações corrupção na política, descaracterização cultural, padrões de ensino impostos desde fora (ONU, UNICEF...)

Um dos setores mais atacados e servido por políticas elaboradas pela nova ordem mundial é o da alimentação. Nos amplos e confortáveis shoppings e hiper-mercados, todos com matriz no exterior ou associados a redes internacionais, vende-se de tudo passando pelas balinhas e bombons, pelos produtos com soja, com gordura vegetal hidrogenada, aspartame, gorduras transgênicas, aditivos, conservantes, químicas na maioria prejudiciais à saúde.

E tudo tão acessível! Tão fofinho! Tão crocante! Refrigerantes então nem é bom falar. Estão presentes em todas as refeições na quase totalidade das mesas, ricas, pobres, miseráveis e até nas aldeias indígenas. Os hospitais não suportam as hordas de doentes, nem há médicos suficientes para atender alergias, problemas de pele, gástricos, cefaléias, "surtos", pressões muito altas ou baixas, diarréia crônica, bursite, tendinite, coceira, infecção, câncer...

Outro dia um amigo pediu uma opinião sobre uma política de reordenação dos contingentes humanos. Natural e humano que existisse. Mas, é de interesse da nova ordem mundial? O melhor é amontoar a gente para consumir alimentos que matam ou entortam seletivamente. Como a saúde não pesquisa nem documenta sistematicamente a origem da doença, a responsabilidade e imunidade dos criminosos está garantida.

Os animais na natureza sabem como alimentar-se e fazem do alimento seu medicamento. Um lagarto atacado por uma serpente venenosa, corre para uma árvore de Guaçatonga e come as folhas que neutralizam o veneno. As plantas sabem como defender-se e experiências de laboratório (A vida secreta das plantas), e de campo comprovam.

"Há 20 anos, em Botswana, concentraram uma enorme população de antílopes que começaram a comer as Acácias do local. Inicialmente a proporção entre Acácias e Antílopes era equilibrada. Os animais se multiplicaram no espaço de confinamento e as Acácias reagiram defensivamente: aumentaram a proporção de taninos e os antílopes começaram a morrer envenenados." Interferência humana x resposta da natureza!

Os poderosos na busca do controle absoluto da natureza humana, animal e vegetal, desconhecem limites e fomentam crimes continuados, de difícil comprovação por que se situam no campo das ciências manipuladas por interesses econômicos e políticos, desconhecendo a racionalidade. Querem mudar o mundo que é como é. Vão querer mudar o universo que é como é na eternidade, no infinito. O mundo melhor é a vida vivida em liberdade consciente e racional.

Para aumentar seus lucros, os poderosos controladores da economia têm utilizado as formas de estado mais diversas e estruturas de relacionamento para trocas cada vez mais complexas, à medida que o conhecimento científico e tecnológico avança. Como as populações foram obrigadas a concentrar-se e megalópolis, com suas periferias miseráveis de mão de obra barata, as soluções de guerra tornaram-se insuficientes para reduzir a população.

Decidiram atacar pela boca, pelo estômago, disseminando venenos nos alimentos para matar seletivamente e reduzir a capacidade de procriação. Umas poucas, raras informações emergiram para o conhecimento da opinião pública. Um artigo do Wall Street Journal de 6 de Novembro de 1999, informou que após beber Coca Cola, crianças da Bélgica sentiram uma sensação de queimação na língua. Foram parar nos hospitais, com dor de cabeça, de estômago e diarréia.

Todos os sintomas notórios discutidos em www.aspartamekills.com, reações tóxicas naturais do arsênico e do cianeto. Segundo o Médico neurocirurgião Russell Blaylock, “estamos falando de um veneno...a doença do aspartame é uma epidemia mundial”. E o aspartame está nos refrigerantes, em alimentos dietéticos, nos bombons e balinhas que as crianças adoram! A Monsanto “dona” deste e de outros venenos aplicados à lavoura e industrialização de alimentos, está feliz.

Em Fevereiro de 2005, a revista Veja (edição nº 1893), tocou no assunto, informando que as indústrias estavam “reduzindo” o uso de gorduras transgênicas – que comprovadamente causam infartos, diabetis, derrames, problemas neuronais e outros. A reportagem dizia que a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária determinou que as quantidades de gordura deveriam constar dos rótulos.

Um bom começo! Tipo assim: “controle a quantidade de margarina, salgadinho de pacote, bolo, pipoca de micro-onda, comidas industrializadas prontas, refrigerantes, sorvetes, pão de forma, biscoitos... para morrer mais lentamente”. Tudo num rótulo microscópico. E por que não dizer bem claro no rótulo com uma caveira e tíbias cruzadas: Perigo! Doenças e morte prematura!

As indústrias dos AGM (alimentos geneticamente modificados) tentam desacreditar os que se lhe opõem como "adversários da ciência" que está ao lado da genética nos alimentos. Há muito tempo assumiu o financiamento de grande parte da mídia, revistas científicas e políticos, com o objetivo de monopolizar os alimentos e escravizar a humanidade. “Autoridades norte americanas e grandes corporações estão envolvidas num trabalho conspirativo para impor os alimentos geneticamente modificados ao mundo”, é o que diz um dos documentos revelados pelo Wikileaks que a mídia recusou-se a reproduzir.

Referências: Coke Problems Match ASPARTAMESymptoms By Betty Martini Mission-Possible-USA@altavista.net

http://www.naturalnews.com/031105_genetically_modified_GMO.html#ixzz1C4QPHvT2 "A vida secreta das plantas", disponível para download e documentário da BBC http://thepiratebay.org/torrent/4672013/A_Vida_Secreta_das_Plantas_(Documentario_-_BBC)

http://www.rtve.es/mediateca/videos/20110116/redes-raices-inteligencia-plantas/989209.shtml

Arlindo Montenegro é Apicultor.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Aposentadorias farão com que 13 senadores ganhem acima do teto do funcionalismo

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net/


Por Jorge Serrão

Pronto para presidir novamente o Senado, porque é conveniente ao Palácio do Planalto, o senador José Sarney tem tudo para entrar para o Livro dos Recordes dos Privilégios. Além de usar as mordomias a que os ex-presidentes da República têm direito, o senador pelo Amapá não pretende abrir mão de receber sua aposentadoria de ex-governador do Maranhão.

Desde 1971, Sarney engorda o já rico orçamento pessoal com R$ 24 mil de aposentadoria. Juntando os R$ 26.723,13 que receberá como senador, Sarney será um dos 13 senadores que vai ultrapassar o teto de ganho dos servidores públicos. Os vencimentos acima de R$ 50 mil serão mais um exemplo do desprezo da classe política com a elevação de gastos públicos. Se a grana vai para o bolso deles, vale a pena o “investimento”.

Os bolsos de Sarney e demais privilegiados só serão afetados se o Supremo Tribunal Federal considerar inconstitucional o recebimento das aposentadorias de ex-governadores e suas viúvas. A Ordem dos Advogados do Brasil promete entrar com ações no STF para suspender o pagamento aos ex-governadores que receberam o benefício depois de 1988. As aposentadorias foram extintas pela Constituição. Só que, em muitos estados, foram recriadas pelas Assembleias Legislativas. Assim Sarney nunca deixou de receber seus proventos de “aposentado”.

Os três senadores maranhenses seguem o ritmo do seu “Mestre”. Só o Maranhão torra, por ano, R$ 1,24 milhão para pagar as aposentadorias de Sarney, João Alberto (PMDB), Epitácio Cafeteira (PTB) e Edison Lobão (PMDB) – atual ministro das Minas e Energia do governo Dilma Rousseff.

Exceções

Na próxima legislatura do Senado, haverá poucos ex-governadores que decidiram abrir mão da aposentadoria:

Aécio Neves (PSDB-MG), Itamar Franco (PPS-MG), João Durval (PTB-BA) e Fernando Collor (PTB-AL).

Tomara que a decisão do STF vete a aposentadoria para os demais privilegiados.

Inaplicável

Para deixar todo mundo pt da vida, o diretor-geral do Senado, Haroldo Tajra, alegou ao jornal O Globo que a instituição não tem como aplicar o teto do funcionalismo para os parlamentares que acumulam seus vencimentos com aposentadorias:

“Se a fonte de pagamento do salário e da aposentadoria não for a mesma, não há como cumprir o teto. Até porque ele ainda não foi regulamentado e há uma dúvida sobre em qual fonte se aplicaria o corte”.

Como são os políticos beneficiados que precisam aprovar a regulamentação do teto, a matéria tem tudo para se votada no próximo dia 31 de fevereiro.

Tirar do nosso bolso pode...

Conselheiros da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) negaram ontem, por unanimidade, o pedido de reconsideração feito por mais de 200 parlamentares para que as empresas distribuidoras de energia devolvam aos consumidores R$ 7 bilhões, relativos a um erro de metodologia de cálculo da conta de luz entre 2002 e 2009.

O Tribunal de Contas da União confirmou que as distribuidoras não repassaram os ganhos de escala e eficiência de serviço para o consumidor.

Os conselheiros da Aneel ratificaram a posição de que devolver o dinheiro aos consumidores, por causa do erro, seria quebra de contrato.

Homens de preto de Caxias

Este foi um flagrante que a equipe de jornalismo do CaxiasNET deu ontem no centro de Duque de Caxias, em frente à estação ferroviária:

http://www.youtube.com/watch?v=VHtQJ7-Dnrg

O cidadão vale cada vez menos no Brasil...

Candidato a Deus

Quem está pt da vida é César Asfor Rocha, ministro do Superior Tribunal de Justiça preferido de José Sarney para ser ministro do Supremo Tribunal Federal.

O Globo de hoje revela que, nos últimos dias, a presidenta Dilma Rousseff deu indicações internas de que o colega dele, Luiz Fux, também ministro do STJ, passou a ser o nome mais forte no Palácio do Planalto para se tornar um dos semideuses do Supremo.

Já está virando novela a indicação do divino nome para ocupar a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal com a aposentadoria, em agosto do ano passado, do ministro Eros Grau.

Fux foi o presidente da comissão de juristas criada para formular o anteprojeto do novo Código do Processo Civil, enviado ano passado ao Congresso.

Espera mais um pouco

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, será ministro do Supremo Tribunal Federal.

Mas não agora, porque Dilma prefere que ele permaneça no cargo.

Dilma já mandou avisar que Adams terá uma vaga certa no STF, numa das próximas substituições.

Novela do Caça


O ministro da Defesa, Nelson Jobim, descartou ontem a presença da Rússia no processo de escolha dos caças de combate da Força Aérea Brasileira (FAB).

Jobim avisou que as mesmas empresas habilitadas anteriormente (a norte-americana Boeing, a sueca Saab e a francesa Dassault) são as que continuam no disputa para fornecer os aviões de combate ao Brasil.

Jobim repetiu que, uma vez decidido o fornecedor, haverá mais, no mínimo, 12 meses de negociações, que são complexas, que envolvem a transferência de tecnologia, os offsets (compensações) diretos e indiretos, e o contrato financeiro, que define a forma como tudo será negociado.

Quem lembra do Extalinácio?


Ao receber ontem a Medalha 25 de Janeiro, concedida pela prefeitura de São Paulo, entregue pela presidenta Dilma Roussef, o ex-vice José comentou que está lutando para não morrer, mas manteve vivo o nome do amigo Lula, antes de discursar:

Como me ensinou o Lula, os discursos têm que ser que nem vestidos. Não podem ser tão curtos que nos escandalizem, nem tão longos que nos entristeçam”.

Alencar recebeu a homenagem numa cadeira de rodas e acompanhado por dois médicos do Hospital Sírio-Libanês, para onde voltou logo depois do evento que confirmou o casamento do Prefeito Gilberto Kassab (brevemente no PMDB) com o governo Dilma.

Minha casa, minha vida...

Com 42% de desconto, o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, adquiriu por US$ 18,875 milhões um luxuoso apartamento, no número 960 da Quinta Avenida, em Upper East Side.

Um duplex com 490 metros quadrados, o apartamento tem quatro dormitórios, quatro lareiras, uma biblioteca revestida de carvalho e oito janelas com vista privilegiada para o Central Park.

Negociado pela Sotheby's International Realty, o imóvel pertencia ao magnata Murray H. Goldman que chegou a pedir US$ 32,5 milhões pelo apartamento que comprou por US$ 1,41 milhão, na década de 80.

Queda da Folha


A Folha de S. Paulo perdeu para a Super Notícia, de Minas Gerais, o título de jornal de maior circulação no país desde 1986.

Os 10 jornais de maior circulação no Brasil em 2010 e suas respectivas médias por edição foram:

1º Super Notícia: 295.701

2º Folha de S. Paulo: 294.498

3º O Globo: 262.435

4º Extra: 238.236

5º O Estado de S. Paulo: 236.369

6º Zero Hora: 184.663

7º Meia Hora: 157.654

8º Correio do Povo: 157.409

9º Diário Gaúcho: 150.744

10º Lance: 94.683

Números da coluna Em Pauta, publicada na edição 1443 de Meio & Mensagem

Brazil no Oscar

O brasileiro João Jardim rodou mais de 60% das imagens do filme Lixo Extraordinário – anunciado ontem como um dos finalistas do Oscar na categoria documentário.

Portanto, é sacanagem que a Academia de Artes e Ciências de Hollywood tenha creditado o filme apenas à diretora inglesa Lucy Walker.

Lixo Extraordinário acompanha os bastidores do trabalho do artista plástico Vik Muniz com o material dispensado no Jardim Gramacho, maior aterro sanitário da América Latina localizado na periferia de Duque de Caxias, no Rio.

Se fosse com outro...

O piloto de testes da Ferrari, Giancarlo Fisichella, se envolveu em um pequeno acidente de carro na última segunda-feira, na Itália.

Acertou a traseira de um pequeno carro de passeio guiado por uma senhora de 52 anos, alegando que as obras no local o impediram de frear o veículo a tempo.

Já pensou o carnaval que fariam se o acidente tivesse ocorrido com o Rubinho?

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 26 de Janeiro de 2011.