sábado, 30 de abril de 2011

Semeadores da Morte

Artigo no AlertaTotal – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

A intenção dos idealizadores foi, desde a concepção, tornar a ONU uma cafetina de luxo, conquistando com suas prendas os poderosos representantes hierárquicos de todas as nações. Logo de cara se estabeleceu: quem paga e quem tem os maiores exércitos tem voz e veto no poderoso Conselho de Segurança. Aí de quem se aventurar a pensar e agir de modo a contrariar as diretrizes da matrona.

Foi o Rockfeller quem doou o terreno e financiou a construção do imponente edifício que simboliza o pseudo entendimento entre nações que buscam viver em paz, incapazes de realizar a paz, porque os poderosos que integram o Conselho de Segurança, provoca a insegurança, os golpes de estado e as guerras, para aniquilar culturas locais e regionais, para submeter nações e pilhar as riquezas.

Seja na Ásia, na África ou nas Américas a história é sempre a mesma: os poderosos dominam, definem preços, chantageiam, ameaçam, intervém militarmente e o Conselho de Segurança que integram aprova a insegurança que semeiam. Não bastasse isto, as incontáveis agências trabalham prestigiando as corporações, bancos e militares que servem ao governo paralelo, o big brother.

A poderosa Monsanto, que manobra para dominar o mercado de sementes no mundo inteiro, investe em experiências biotecnológicas na produção de sementes terminais (soja e milho já estão nas lavouras extensivas brasileiras) agregando ainda ao pacote uma carga de agrotóxicos que contamina o solo e as águas.

Resultado: estamos consumindo alimentos geneticamente modificados sem saber. Os rótulos dos venenos, incluindo diversas marcas de óleo de soja e milho, (na maioria distribuídos pela Cargill) fubá de milho, bolos, biscoitos, leite de soja e sucos “enriquecidos” – melhor seria dizer “envenenados” – com soja... tudo que outros países já proíbem. Resultado: diabetis, fígado bichado e monte de doenças alérgicas e respiratórias.

As sementes de milho da Monsanto foram carregadas com espermicida, para provocar a redução da natalidade. Sabe-se lá se o mesmo não acontece por aqui? As autoridades brasileiras deste governo de comunistas, seguem ao pé da letra as indicações da ONU, que contou com um advogado da Monsanto na elaboração do Codex Alimentarius.

Os efeitos tóxicos e riscos à saúde humana destes alimentos geneticamente modificados, foi amplamente explicado por uma das autoridades mundiais, no programa Roda Viva da Tv Cultura. Vale a pena ver e pesquisar sobre o assunto:



Aquela mesma Onu, que comprou cientistas para espalhar a fraude sobre o clima, alardeia campanhas abortistas, sexistas e não fala nem um pingo sobre os 3 milhões de natimortos anuais. As mães desnutridas ou alimentadas com estes venenos ou com aids, que hoje sabemos é uma dessas pragas geradas nos laboratórios da morte.

Falam de saúde materna indicando preservativos e aborto! Morrem os que são gerados por mulheres pobres, mal assistidas, mal alimentadas, drogadas. Há um excelente artigo sobre este assunto no endereço http://www.thelancet.com/series/stillbirth. O propósito mesmo é enrolar as nações e disseminar a morte.

Em Junho de 1919, a Alemanha assinava o humilhante Tratado de Versalhes, que teve como um dos negociadores John Fostes Dulles, então comissionado do exército como executivo das Indústrias de Guerra foi indicado pelo presidente Wilson, junto com J.P. Morgan e Thomas W. Lamont, para forçar e impor reparações de guerra à Alemanha. A Liga das Nações, precursora da ONU, ratificou tudo.

O Tratado mergulhou a população da Alemanha em choque e abriu o caminho para a queda da República de Weimar e ascenção do nazismo. Pois aquele mesmo Dulles, que seria secretario de estado de Eisenhower, escreveu na revista do CFR em 1922, que “não pode haver guerra sem dívidas (com os banqueiros)”, que cobram os papagaios dos governos beligerantes, ganhando sempre, dos dois lados. Só não deixou claro que os mesmos banqueiros e corporações provocam as guerras.

É assim que eles agem. Que nem nossos governantes socialistas financiando o MST. Mas disto trataremos amanhã.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Dirceu volta de Londres e golpeia Dilma com imposição de Rui Falcão para presidir o PT

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Leia mais artigos no site Fique Alertawww.fiquealerta.net
Por Jorge Serrão

Além da inflação, dos juros e da inadimplência em alta, Dilma Rousseff tem um problema tão politicamente mortal como um câncer linfático para administrar: a autofagia e traição interna do PT – cuja cúpula a rejeita por não considerá-la uma “histórica da legenda”. Dilma terá de engolir a oficialização do nome do deputado estadual paulista Rui Falcão para presidir o PT até 2013, substituindo José Eduardo Dutra que se afasta por problemas de saúde.

O golpe em Dilma foi dado pelo camarada Josef Dirceu. Ele articulou tudo no exterior. Chegou ontem de Londres desafiando Dilma. A manobra do ressentido ex-deputado cassado no escândalo do mensalão – e que não se conforma por não estar no lugar da Dilma – atropelou até o Extalinácio. Lula preferia o senador Humberto Costa (PT-PE) presidindo o partido. Mas o golpismo interno de Dirceu no Diretório Nacional do PT foi mais competente e emplacou Rui Falcão no cargo. A missão dele agora é acuar Dilma e cobrar mais espaço para a petralhada. Dirceu e seu Falcão só deviam combinar com as águias do PMDB – que não deixam cargos livres para ninguém.

Falcão chegou a ser coordenador da campanha de Dilma à Presidência, ano passado. Perdeu o cargo em meio ao escândalo da suposta compra de dossiê contra o tucano José Serra e seus familiares. Este é o segundo sapo que a ex-brizolista Dilma é obrigada a engolir da petralhada. Em dezembro, a cúpula escolheu o deputado Marco Maia (PT-SP) para presidir a Câmara. Dilma preferia o atual líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP).

Dilma agora fica refém das três maiores tendências dentro do PT: Construindo um Novo Brasil (CNB), PT de Lutas e de Massa e Novos Rumos. Juntas, elas dominam quase 60% dos votos do Diretório Nacional do PT que escolherá o novo presidente da legenda. Neste cenário, melhor seria que a Dilma tivesse uma conversa com Carlos Lupi, presidente do PDT, para ter um plano B de filiação partidária, se a petralhada realmente seguir com o plano de neutralizá-la. Dilma engoliu Falcão. Como todo ódio que lhe é peculiar. O Camarada Dirceu que se cuide. A vingança pode ser fatal para seus negócios.

Pergunta idiota

O que o advogado e consultor de empresas Josef Dirceu estava fazendo em Londres?

Certamente, não estava colaborando para os preparativos do casamento real que acontece hoje.

Mais provável é que tenha ido receber as ordens de seus patrões da Oligarquia Financeira Transnacional – que fazem grandes negócios para manter o Brasil sob controle, usando seus serviçais tupiniquins como lacaios conscientes.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 29 de Abril de 2011.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

BC do B já sinaliza que medidas macroprudenciais aumentam a inadimplência

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net/
Leia mais artigos no site Fique Alertahttp://www.fiquealerta.net/
Por Jorge Serrão

Além da inflaçãozinha renitente, outro probleminha, fruto da herança maldita do governo do Extalinácio, também deixa a equipe econômica de Dilma Rousseff cheia de medinho. Por causa do aumento dos juros e da subida na alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) – que índice diretamente sobre o crédito -, já surge o risco de aumento da inadimplência daqueles que pegam dinheiro emprestado para consumir o que não poderiam, em condições normais de salário ou renda.

Os juros médios das famílias já chegam ao patamar absurdo de 47,1% ao ano – na medição oficial do Banco Central do Brasil. A usura chegou ao maior patamar desde maio de 2009 (47,3%). Em março, as taxas já haviam crescido de 43,8% ao ano para 45%. Só o cheque especial teve alta de 7,2 pontos percentuais em março, atingindo os juros de 174,6% ao ano. O culpado pelo aumento do IOF foi o ministro Guido Mantega – que só não foi afastado da Fazenda porque um acordo Dilma-Lula o segura, só Deus sabe até quando. Já os juros quem faz subir são os nove membros do Comitê de Política Monetária do BC do B.

O BC do B informa que a inadimplência acima de 90 dias, em março, ficou estável no segmento de empresas (3,6%). Já para pessoa física houve uma leve alta de 0,1 ponto percentual, para 5,9%. Como as “medidas macroprudenciais” encareceram o acesso ao crédito, o calote pode subir nos próximos meses.

Por ironia, foi o BC do B quem recomendou a adoção de medidas ortodoxas para aumentar e limitar o crédito de longo prazo para bens de consumo duráveis. A velha tese é que a redução do consumo ajuda a reduzir a inflação. Só faltou combinar com os promotores da inflação – que aumentam os preços sem seguir a lógica da turma do BC do B e da equipe econômica de Dilma.

Leia no site Fique Alerta o artigo de Silvia Alambert é educadora financeira e detentora da metodologia de ensino The Money Camp Brasil: O que faz você feliz?

Veja também, abaixo, o artigo de Olavo Henrique Furtado: Desafio Real

Dilma Paraguaçu?

Comentário preciso de Mara Montezuma Assaf sobre a conjuntura atual:

Baixou o espírito de Odorico Paraguaçú no Planalto, emboramente de saias! Dilma garante , de boca cheia, que está "diuturnamente e até noturnamente" atenta às pressões inflacionárias, mas quem acredita? Pelos fatos, números e decisões de seu governo só se pode concluir que ela , aparentemente , está com idéias desapetrechadas de sensatismo, pensando no depois de amanhã para ter sossego no agora...Talqualmente as tinha seu bem amado mestre, haja vista a herança que lhe deixou!”.

Debate necessário

O Instituto Millenium promove o 2º Fórum Democracia e Liberdade.

Será na próxima terça, 3 de maio, a partir das 8h 30min.

No Centro de Convenções da FAAP, em São Paulo.

Palestra do Nery

O General de Brigada da Reserva Durval Antunes Machado Pereira de Andrade Nery fará palestra sobre o tema “O Brasil e a conjuntura mundial”.

Será dia 3 de maio, a partir das 18 horas, na Escola Politécnica da Bahia, sala Professor Magno Valente, no bairro da Federação, em Salvador, na Bahia.

O evento é promovido pelo Instituto Rômulo Almeida de Altos Estudos.

PM 4G

A Polícia Militar assinou um protocolo de intenções com uma empresa de tecnologia para instalar a rede de transmissão de dados conhecida como 4G, tecnologia pioneira na América Latina.

O grande diferencial da nova tecnologia está na velocidade de comunicação e transmissão de dados entre o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) e os policiais na rua.

As informações podem ser transmitidas imediatamente aos homens mais próximos de ocorrência, e a comunicação pode ser feita até por meio de videoconferência.

O acordo foi firmado durante a 6ª Feira e Conferência Internacional de Segurança Eletrônica Inter Security, realizada no Expo Center Norte, zona norte da Capital.

Quem reclama já perdeu

A RedeTV! decidiu partir para o ataque contra a TV Globo na disputa pelos direitos de transmissão do campeonato brasileiro de futebol.

Pediu ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) uma plena vistoria e fiscalização dos contratos fechados entre a Globo e 15 dos 20 clubes do futebol brasileiro com os quais a emissora dos Marinho negociou individualmente.

Azar da RedeTV! É que o Cade já avisou que não tem de se meter nesta negociação...

Dia da Educação

Ao lado da repaginação visual e da nova safra de atrações da TV Cultura, entra no ar, a partir de hoje, Dia da Educação, o portal Cmais (cmais.com.br), agora como uma multiplataforma audiovisual e informativa da Fundação Padre Anchieta (FPA).

Todos os vídeos podem ser acessados nos mais diversos suportes de tecnologia, inclusive os móveis.

Na lista, celulares, netbooks, notebooks e tablets. Outro destaque é a compatibilidade. O portal roda em todos os navegadores.

Portal educacional

A Universia Brasil (financiada pelo Grupo Santander) e a UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas) botaram no ar o Open CourseWare Unicamp.

Trata-se de um portal desenvolvido para hospedar conteúdos educacionais e digitais originários de cursos de graduação da Universidade.

Por meio do site http://www.ocw.unicamp.br/ interessados ao redor do mundo podem baixar, gratuitamente, conteúdos de 12 disciplinas disponíveis e liberadas para uso do público, em apostilas, textos, fotos, vídeos, animações.

Casamento real

A comunidade britânica em São Paulo se reúne nesta sexta-feira, dia 29 de abril, para celebrar o casamento de Sua Alteza Real o Príncipe William de Gales e a Senhorita Catherine Middleton.

Os anfitriões, o Cônsul Geral Britânico John Doddrell e a presidente da Fundação Britânica Carolina Dupont-Liot receberão cerca de 200 convidados para uma happy hour no Centro Brasileiro Britânico, em Pinheiros.

Britânicos residentes em São Paulo e brasileiros ligados à comunidade, incluindo contatos de negócios do Consulado vão assistir à transmissão gravada da cerimônia e concorrer a brindes especialmente confeccionados para a boda, como moedas comemorativas e artefatos de porcelana decorados com o selo comemorativo da união.

A página UK in Brazil no Facebook está promovendo um concurso para concorrer a moedas comemorativas do casamento real: www.facebook.com/ukinbrazil
Apoiadas

O Sebrae-SP apoiará a participação de 12 pequenas empresas na Apas 2011 – 27º Congresso de Gestão e Feira Internacional de Negócios em Supermercados.

O evento acontece no Expo Center Norte, em São Paulo, de 9 a 12 de maio, a partir das 14 horas.

A entidade subsidiará 40% do custo do aluguel dos estandes de 9 m2 para cada uma das empresas apoiadas.

Tecnologia pela infância

A Fundação Telefônica promove a mesa redonda Visões: A ciência e a tecnologia a serviço dos direitos de crianças e adolescentes.

Os cientistas Miguel Nicolellis e Silvio Meira, respectivamente codiretor do Centro de Neuroengenharia da Duke University (EUA), e cientista-chefe do C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife – falam sobre o tema no seminário “Redes e Sustentabilidade no Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente”.

Será dia 4 de maio, às 14h, no Novotel Jaraguá, na Rua Martins Fontes, 71, Bela Vista, São Paulo.

Barulho Cultural

Marcelo Lucena e Marcos Sousa acabam de lançar o portal www.barulhocultural.com.br

A intenção é dar voz e imagem a todos que queiram divulgar seus trabalhos musicais.

Toda semana tem uma banda de destaque que estampará sua imagem e seu som em uma das seis capas randômicas disponibilizadas pelo portal

Programa di grátis

Grupo de ‘Música Antiga’ mostra peças da Idade Média e Renascença no teatro Alfa, em SP

Dia 5 de maio, às 21h, o grupo Novo Ovo Novo exibe repertório da Península Ibérica e da América do Sul do período colonial, com instrumentos de época e influências de ‘música popular atual’.

A apresentação faz parte do projeto ‘Clássicos em Cena’, com patrocínio da Makeni Chemicals, LyondellBasell e Trench, Rossi e Watanabe Advogados.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 28 de Abril de 2011.

"Cabo" Anselmo abre o jogo ao Dextra



Vídeo no Alerta Total – www.alertatotal.net


Confira a entrevista concedida por José Anselmo dos Santos ao blog Dextra. Revelações e reflexões importantes sobre a mal contada história do Brasil.

Desafio real

Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net
Por Olavo Henrique Furtado

Um dos assuntos mais recorrentes na mídia mundial é o casamento do príncipe William, segundo na linha de sucessão ao trono inglês, com Kate Middleton. Contudo, além do megaevento que está sendo preparado, há outras questões em jogo, como os rumos sucessórios na monarquia inglesa e sua capacidade de contribuir para a recuperação econômica.

O Reino Unido está passando por uma da piores crises de sua história. Desde meados de 2008, quando ocorreu o crash mundial, não conseguiu sair da recessão. Seu PIB, no último trimestre de 2010, teve queda de 0,5%, suscitando o maior corte orçamentário desde a Segunda Guerra.

É nesse cenário que se realiza a cerimônia nupcial, com toda a pompa e circunstância, cujo custo não foi revelado. Estima-se, porém, que o valor ultrapasse cinco milhões de libras (aproximadamente R$ 13 milhões). Apenas como comparação, em setembro do ano passado, o Reino Unido gastou dois milhões de libras (cerca de R$ 5 milhões) com a visita do papa Bento XVI.

O glamour da celebração, que conta com 1.900 convidados, não implica apenas gastos para a monarquia e os contribuintes. Aos descontentes com o fato contrapõe-se a consistente contrapartida da venda de produtos alusivos ao casamento e aos noivos, desde chaveiros e xícaras com as fotos dos nubentes, até livros sobre a dinastia real britânica. Há, ainda, um estímulo aos ramos de negócios ligados aos casamentos e ao turismo, que está movimentando a indústria e o comércio do país. A expectativa é a de que 600 mil pessoas – britânicos e estrangeiros – vão até Londres para assistirem ao casamento ao vivo.

A festa não terá a mesma pompa que a dos pais de William, príncipe Charles e Diana. Em 1981, a monarquia inglesa gastou algo em torno 75 milhões de libras (R$ 194 milhões em valores atuais). Era uma época de “vacas gordas” da realeza e do próprio Reino Unido. O “investimento” obteve retorno de 1,7 bilhão de libras (R$ 4,4 bilhões). Mesmo com um gasto muito menor, a expectativa é que o casamento de William e Kate gere movimento em torno de 1,4 bilhão de libras (R$ 3,6 bilhões).

Além da economia, há uma questão política importante permeando o casamento: após a separação de Charles e Diana e todos os fatos, rumores e sensacionalismo correlatos, a expectativa é que o enlace matrimonial de William e Kate seja duradouro, tirando a família real das manchetes dos tablóides ingleses. Recente pesquisa realizada pela revista Prospect apresentou dados surpreendentes: 45% dos britânicos preferem que Charles, o primeiro na linha sucessória, seja o próximo rei, ou seja, recebendo a coroa de sua mãe, rainha Elizabeth II, ao invés de William (37%). Ou seja, houve uma “virada”, pois este sempre apareceu nas pesquisas como o preferido da população.

Depois de toda a depreciação da imagem pública de Charles, na esteira da morte e reverência nacional e mundial à princesa Diana, a pesquisa indica que, mais uma vez, a monarquia mostra-se uma instituição forte, sempre capaz de resgatar e manter seu papel de fiadora da soberania, da estabilidade política e da força do Reino Unido. É com essa tradição que a realeza enfrenta um crucial desafio para o país e a sua própria reafirmação plena: contribuir para reerguer a economia britânica.

A tarefa transcende ao casamento e aos dois grandes eventos de 2012 (os 60 anos de reinado da rainha Elizabeth II e a Olimpíada de Londres). Implica, sobretudo, a retomada de uma participação mais ativa da família real nos esforços relativos ao comércio exterior e na diplomacia econômica, ajudando a incrementar exportações e a atração de investimentos.

Olavo Henrique Furtado é coordenador de pós-graduação e MBA e professor de Relações Internacionais da Trevisan Escola de Negócios (olavo.furtado@trevisan.edu.br).

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Serra, PT e PSD apostam em implosão política de Alckmin, e PSDB e DEM podem se fundir

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Leia mais artigos no site Fique Alertawww.fiquealerta.ne
Por Jorge Serrão

Está longe de acabar (e bem) a crise interna no PSDB. Já se especula que José Serra também pode deixar o ninho tucano, assim que for conveniente, para se juntar ao PSD de Gilberto Kassab. Tudo vai depender do desfecho da antiga briga intestina contra o grupo de Geraldo Alckmin. A orientação imediata dos serristas é implodir com Alckmin, para que ele não tenha condições de liderar a sucessão municipal de 2012.

A saída de Walter Feldman, um dos fundadores do PSDB, para o PSD, foi apenas um sinal de quem é o alvo da operação que interessa diretamente ao PT. O objetivo petista de investir no esfacelamento político de Alckmin é para permitir que a aliança PMDB-PT ganhe a eleição para a prefeitura de São Paulo, no ano que vem. A candidatura do deputado Gabriel Chalita, que já foi aliado de Alckmin, lançada pelo vice-presidente da República Michel Temer, conta com o apoio estratégico até do ex-presidente Lula da Silva.

O esfacelamento do PSDB tem tudo para se agravar. Ontem, até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso admitiu que existem entendimentos sobre a fusão do PSDB com o DEM. FHC ponderou que as conversas de fusão são preliminares, mas confirmou: “Existem propostas nesse sentido. São aspectos delicados. Acho que o mais importante é manter a coesão dos partidos e, desde logo, dizer: aconteça o que acontecer, vamos nos manter unidos com certos objetivos maiores. Não sei qual a tendência, se vai haver fusão ou não”.

Ganha força o movimento para que FHC seja o presidente do novo partido gerado na fusão do PSDB com o DEM. Como José Serra e FHC se odeiam há muito tempo, caso seja criado o novo partido, Serra pode se mudar para o PSD – que já ensaia um discurso pretensamente mais socialista que a social democracia tucana. Sem espaço de poder, Serra gostaria de ser candidato a Prefeito de São Paulo ano que vem. Resta definir por qual partido: o velho ou um novo.

Veja, abaixo, os artigos: Lula, Delúbio e o casamento do Século, de Julio Pires, e O Zé Povinho e a paciência de Jô, de Valmir Fonseca.


Leia também, no site Fique Alerta, o artigo de Marli Gonçalves: A suruba das bactérias ambulantes.

Detonado lentamente

Nota oficial do Vice-governador do Estado de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, depois de detonado da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, na briga de Geraldo Alckmin com o PSD de Gilberto Kassab:

Desejo que o Governo do qual faço parte dê curso aos vários projetos desafiantes que estávamos estruturando na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, entre os quais o Parque Tecnológico de São Paulo, o Programa Estadual de Investimentos Incentivados nas Regiões de Baixo IPRS, o Via Rápida Emprego, o Via Rápida Empresa, o Microempreendedor Individual e o EJA Profissionalizante. Espero que o meu sucessor tenha êxito no encaminhamento dos mesmos. Da minha parte continuo à disposição do Governador para as missões que me forem delegadas”.

Além de detonar Afif, que partiu para o novo partido de Kassab, Geraldo Alckmin negociou com o presidente nacional do DEM, José Agripino Maia, que o partido comandará a Secretaria de Desenvolvimento Social, hoje encabeçada por um deputado estadual do PSDB.

Detonado rapidinho

O maestro Julio Medaglia foi mandado embora ontem da Radio e TV Cultura.

Segundo o maestro, depois de 24 anos de trabalho, a Fundação Padre Anchieta levou um minuto e meio para demiti-lo.

O maestro apresentava o programa Prelúdio, o primeiro programa de calouros de música erudita da TV brasileira e que vinha revelando, desde 2005, jovens talentos que hoje fazem carreira no Brasil e no exterior, muitos estão tocando ou cantando em Israel, na Alemanha, na OSB, na Jazz Sinfonica e em muitas outras orquestras.

Na Rádio Cultura, mantinha desde 1987 ininterruptamente, o programa diário Tema e Variações, um dos programas duradouros da história do rádio brasileiro.

Divulgador

Em primeira mão, o Presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão Pires Júnior, divulga na internet a realização da 49ª Caravana da Anistia, por ocasião dos 3 anos das Caravanas.

A próxima será em homenagem ao Brigadeiro Rui Moreira Lima, militar herói da II Guerra Mundial e opositor da ditadura”.

Acontece dia 30, às 14h30, na sede Associação Brasileira de Imprensa, com a presença do Ministro José Eduardo Cardozo.

Paulo Abrão lembra que essa será a primeira Caravana do novo Ministro da Justiça no Rio de Janeiro.

Anti-cristianismo

É sério candidato a sofrer uma denúncia, por quebra de decoro e preconceito, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), homossexual militante que conseguiu alguma notoriedade participando do programa Big Brother Brasil da Rede Globo, lançou, na semana passada, uma campanha de combate ao cristianismo.

Em sua página do Twitter, Jean publicou várias mensagens dizendo que cristãos são doentes, homofóbicos, preconceituosos, violentos, ignorantes e fanáticos.

O deputado prometeu que se dedicará ainda mais a eliminar a influência do cristianismo na sociedade.

Por isso corre o risco de ser punido por ferir a Constituição, em seus ataques à liberdade de expressão, religião e comunicação.

Censura gay


Jean promove uma campanha de censura a usuários do Twitter que são contrários às idéias que ele defende.

Membro da Frente Parlamentar LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e travestis) no Congresso Nacional, Wyllys joga a favor do "casamento" homossexual, das cartilhas de suposto combate à "homofobia" do MEC (mais conhecidas como Kit Gay).

Também quer a aprovação do famigerado PLC 122/2006 (lei da mordaça gay), projeto de lei que pretende transformar em crime qualquer crítica ou oposição ao comportamento homossexual ou às pretensões do lobby gay.

Pilantragem no ar

Depois de uma proposital embromação, para criar um clima de que os aeroportos entrariam facilmente em colapso na véspera da Copa de 2014, o governo prepara uma concessão absolutamente picareta de alguns aeroportos.

Sem tirar a Infraero do negócio – o que fará com que a estatal continue investindo nos aeroportos que foram “privatizados”, o governo permitirá que sejam explorados pela iniciativa privada os aeroportos mais rentáveis, como Cumbica, Galeão, Viracopos, Brasília e Confins.

Na operação liderada pessoalmente pelo ministro da Casa Civil, Antônio Palocci, empresas ligadas a governadores aliados e as grandes empreiteiras de sempre vão faturar com o negócio de oportunidade e oportunismo.

Danem-se as galinhas

É uma decisão coerente escalar Renan Calheiros como um dos 15 membros do Conselho de Ética do Senado.

Afinal, por lá, a raposa sempre foi treinada para fingir que toma conta do galinheiro.

E o senador maranhense João Alberto, amigo e aliado do Imortal José Sarney, presidindo o Conselho, é apenas mais uma prova da tese de que nosso galinheiro político não precisa de segurança.

Definição

O sempre terrível Tuty Vasques, no Estadão, define, com perfeição, nosso momento político-econômico-administrativo:

O Brasil pode estar inaugurando uma nova era em matéria de grandes empreendimentos governamentais: o não rouba nem faz”.

Nem rouba, caro Tuty, é só na aparência, mas o nem faz é uma constatação objetiva.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Abril de 2011.

Lula, Delúbio e o casamento do Século

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Julio Pires

O, já não era sem tempo, ex-presidente do Brasil deu seu aval para a volta de seu saudoso companheiro, mestre artífice, pau mandado, de inúmeras safadezas, Delúbio Soares, ao partidão. Está certo ele, pois, relevantes serviços, não comprometendo a camaradagem, foram prestados pelo dedicado e leal ex-tesoureiro.

Ele merece, já que seu salário, se é que trabalha, de professor não deve estar dando para pagar o sagrado filé mingnon de cada dia. Depois, há sempre o risco do homem resolver abrir o bico, para a alegria da tucanada e dos endiabrados demos. Já é tempo de voltar à vida pública e, certamente, conseguir eleger-se para algum cargo que lhe permita praticar suas habilidades, resguardado pela legalidade.

Já o nosso doutor honoris causa, não sou lusófobo, mas os manos podiam ter ficado na deles, continua se achando o cara, o último pão de queijo da cesta de café da manhã de motel do Aécio. Em assim sendo, o ilustre defensor das causas indefensáveis e das personalidades sem caráter, não gosto de ser repetitivo mas nunca consigo esquecer, entre outros, do sarney, deveria ser convidado para o propalado casamento do século, como se referem os fúteis inúmeros canais pertencentes aos imperadores da mídia.

Mais ainda, nosso “dotô” poderia ser lembrado para padrinho do casal real, William e Kate, para emprestar seu ofuscante brilho e suas sentidas lágrimas, à patética cerimônia, cuja atenção dada é mais uma cabal e doentia demonstração de que a finalidade da imprensa chegou ao fundo do poço. É insano conceber que para tamanha tolice seja direcionada a importância que deveria estar voltada a divulgar e conscientizar continuamente as profundas mazelas e sofrimentos, gerados pelas guerras, e pelas agressões à natureza, orientadas pelos mesquinhos interesses capitalistas, pela corrupção e pelos escabrosos políticos e ditadores assassinos, potencializadores da miséria no planeta.

Enfim, a memória do povo é curta e o que vende e distrai é pão e circo. E sim, Lula, como tantas outras celebridades inúteis, merece fazer parte do galático evento midiático, com inúmeras e naturais poses para a revista caras e similares. Será uma irreparável injustiça não ser lembrado pela também inútil e anacrônica real família britânica, ainda mais após, como um lorde inglês, quem sabe as surpresas que ainda nos esperam, com a humildade que lhe é peculiar, ter reconhecido que o Delúbio é digno de sua complacência.

Júlio Pires é gerente de redes de informática.

O Zé Povinho e a paciência de Jô

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Valmir Fonseca

Nosso ex-presidente é um pessimista. Em recente declaração afirmou que agüentaremos o PT por vinte anos. Ledo engano.

Quando damos uma rápida olhada nos atuais regimes ditatoriais que assolam a humanidade, e alguns relativamente recentes, concluímos que, até o Zé Povinho, literalmente, agüentar aqueles dirigentes, a média de tolerância varia entre trinta até cinqüenta anos, às vezes até mais (Coréia do Norte, Cuba, Líbia, Egito, Iêmen...), basta que o magnânimo e aferrado governante prepare o seu sucessor.

O sucessor poderá ser um acólito da mesma agremiação ideológica, ou possuir fortes laços consangüíneos com o iluminado líder (Síria, Coréia do Norte, Cuba).

Basta olharmos os governos que balançam pelo mundo afora, em especial no Oriente Médio e adjacências, para contabilizarmos o número de anos, décadas que aquelas sumidades, em geral a ferro e fogo, ou com escabrosas manipulações da democracia, agarram – se desavergonhadamente ao poder.

Portanto, seguindo - se a média, o que nos dá uma pálida idéia do tamanho do saco do Zé Povinho, tememos que o metamorfose ambulante tenha sido pessimista, e penaremos mais algumas décadas suportando a esbórnia que nos acompanha há mais de 8 anos .

Infelizmente, não fazemos os “Joaquins” José da Silva Xavier como antigamente.

É lamentável, mas é vero. A nossa capacidade em suportar e conviver com os atos e ações mais torpes cresce dia – a – dia.

Somos uma sociedade de pulhas ignorantes, conscientes e convictos.

Vivemos num estado policialesco, num estado faminto de recursos alheios (nossos), numa ganância que parece não ter fim, no entanto, o brasileiro transpira felicidade, mergulha num consumismo desenfreado, despreocupado, satisfeito, inebriado, e não se importa com mais nada, pois o futuro é aqui e agora.

Assistimos inermes pela conivência, a construção de uma dominação de um gigantesco Estado, onipotente, com um Executivo incontrolável, presente na lida diária de todos nós, inatingível, soberano, ditatorial, impune, sem freios.

Avalizamos, graciosamente, sem choro nem vela, a volta do parafuso atarraxando a nossa liberdade. Portanto, tirando - se pela média, a nossa paciência deverá ser expandida a mais, pelo menos uns trinta anos.

Não adianta aloprar, como o alentado cônsul romano Cícero, ao interpelar o devasso Lucius Sergius Catilina, “Quosque tandem abutere, Catilina, patientia nostra?”.

Nós, ao que parece, nunca indagaremos, “até quando, petismo infame abusarás, impunemente, da nossa paciência?”

Se atrevermos (?), a resposta será, “enquanto vocês agüentarem, seus pascácios”.

Mas qual, ao que tudo indica o nosso grito de “Libertas Quae Sera Tamen”, jaz num futuro distante. Nos próximos trinta? Quarenta? Cinqüenta anos?

Não adianta bradar “Acorda Brasil”, a tchurma além de surda, cega e muda, gosta que se enrosca de viver, como uma convicta prostituta, sob a exploração de seu inescrupuloso gigolô.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira, General de Brigada Reformado, é Presidente da ONG Ternuma.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Acionistas vão cobrar em Assembleia por que Santander tirou dinheiro de correntistas sem aviso

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net/
Leia mais artigos no site Fique Alerta – http://www.fiquealerta.net/
Por Jorge Serrão

O tempo promete fechar, a partir das 15 horas de hoje, na Assembléia Geral de Acionistas do Banco Santander, na sede da instituição, em São Paulo. Um fiscal da Comissão de Valores Mobiliários deve comparecer ao encontro, para apurar denúncias de acionistas que acusam o banco espanhol de crime de apropriação indébita. Também correntistas, eles sofreram saques indevidos ou tiveram suas contas esvaziadas, sem aviso prévio, para cobrir supostas dívidas deles com o Banco Real – que foi assimilado pelo Santander.

O azar do Santander é que a medida arbitrária atingiu correntistas vips - que possuem ações ordinárias do banco. Os correntistas prejudicados também já preparam ações judiciais para pedir a prisão dos dirigentes do banco, por apropriação indébita. O pedido também tem base na resolução 3.695, do Conselho Monetário Nacional. São proibidos débitos ou saques em conta sem autorização do cliente. Pelo menos um dos acionistas manifestou ao Alerta Total seu desejo de comparecer à Assembleia para cobrar explicações oficiais sobre o que o banco fez com os correntistas do antigo Real.

O tempo também pode fechar na reunião do Santander por outro motivo. Acionistas querem questionar se é verdadeira a informação de que o banco conteria seus investimentos no Brasil para enviar ou disponibilizar mais recursos para a matriz espanhola, onde a crise econômica se agrava. Também se especula que Fábio Colleti Barbosa pode deixar a presidência do Conselho de Administração do Santander – atualmente formado por ele e mais Marcial Angel Portela Alvarez, José Antonio Alvarez Alvarez, José Manuel Tejón Borrajo, José de Menezes Berenguer Neto e José de Paiva Ferreira, além dos conselheiros independentes José Roberto Mendonça de Barros, Celso Clemente Giacometti e Viviane Senna Lalli.

Gato Angorá no Conselhão

O velho caudilho Leonel de Moura Brizola deve se remexer hoje na tumba, lá em São Borja.

A ex-brizolista Dilma Rousseff resolveu entregar ao maior desafeto histórico de Brizola o comando do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

Para agradar o PMDB, Dilma deixará o CDES sob o comando do ministro Moreira Franco, da Secretaria de Assuntos Estratégicos, em quem Brizola botou o apelido de “Gato Angorá”

PTs da vida

A decisão de Dilma, na verdade, é para agradar o vice-presidente Michel Temer, de quem Moreira é aliadíssimo, no esquema calça e cueca.

Dilma deixou a petralhada PT da vida porque tirou o Conselhão da Secretaria de Relações Institucionais.

O ministro Luiz Sérgio vai odiar quando ler a decisão publicada hoje no Diário Oficial da União e quando for obrigado a participar, também nesta terça-feira, da reunião do

Nada de caos

O ministro da Defesa, Genérico de quatro estrelas Nelson Jobim, decretou ontem que o caos aéreo é coisa do passado no Brasil:

Você pode ter algum desconforto, mas não vai ter caos. Caos aéreo é algo que ficou para trás”.

Jobim descartou a possibilidade de o Brasil enfrentar nova crise no setor durante a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, alegando que a administração dos aeroportos agora está sob responsabilidade da Secretaria de Aviação Civil, que será comandada por Wagner Bittencourt, ex-diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES).

Viúva negra

O Disque-Denúncia oferece uma recompensa de R$ 11 mil por informações que levem à prisão da advogada gaúcha Heloisa Borba Gonçalves - procurada pela Interpol em mais de 180 países.

Conhecida como Viúva Negra, a fraudadora e estelionatária é suspeita de ordenar a morte de um amante e dois maridos, além de outras duas pessoas.

Heloísa, de 61 anos e está foragida desde 2005, quando foi condenada a mais de 19 anos de prisão pela 19ª Vara Criminal por um dos assassinatos.

Normalidade

Em três horas, na noite de ontem, choveu no Rio de Janeiro mais que o previsto para 40 dias.

O resultado foi o alagamento de sempre, em pontos historicamente previsíveis da Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil.

Hoje, como de costume, o governador e o prefeito farão promessas de investimentos para acabar com as enchentes, em algum dia...

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 26 de Abril de 2011.

Anote e observe

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

Como ainda não conseguiram leis para implementar o genocídio massivo, os homens do governo paralelo patrocinado pelos Bilderberg, atuam espalhando pelo mundo sementes de milho com espermicida. No Brasil hoje, é muito provável que chegando a um restaurante, alguém peça uma polenta sem saber que pede uma polenta com espermicida.

Afinal quem controla as sementes para as safras é a Monsanto, quem distribui os alimentos é a Cargill e a caixa de Flocos de Milho da Kelloggs ou o fubá, pode ter sido processado com milho portador de espermicida, já que o fundador da Kellogg’s foi um dos fundadores da American Eugenics Society, junto com o Rockfeller pai.

É isto e muito mais que se ensaia no laboratório Brasil para a nova ordem mundial que quer reduzir a população da terra para que restem somente com uns 500 milhões ou um bilhão de escravos. As bases destas políticas e da economia que dizem democrática ou socialista, estão bichadas, corrompidas, viciadas. E somente novas correntes políticas e novo acordo econômico, vão detonar esta ordem mundial de psicopatas assassinos.

Para condicionar mais ainda a entorpecida sociedade, os áulicos do poder querem a legalização da maconha. Depois do ilustre Fernando Henrique, foi a vez do ex ministro da justiça invertida e atual governador do Rio Grande do Sul, defender a droga diante de uma platéia de estudantes. E um deputado do PT de São Paulo, Paulo Teixeira, propõe liberar o plantio da erva e criar cooperativas. Seria ótimo para os assentamentos improdutivos do MST.

Logo mais os fumantes poderão esolher cigarros industrializados das marcas que controlam o mercado, com teores graduados do tetracanabinol, princípio ativo da maconha. Nas prateleiras dos supermercados estarão os bolos, biscoitos, alimentos matinais e um refrigerante que poderá ter o nome Maco Cola, além de balinhas, chocolates, gomas de mascar, tudo devidamente “batizado”. A exportação destes produtos para o “admirável mundo novo”, sem dúvida vai gerar divisas.

Por tanto, os políticos ideologicamente entorpecidos, corruptíveis, parasitas, estão interessados em iniciar mais esta fase da revolução capimunista no Brasil, onde ganha terreno o modelo de estado mais aberrante e devastador dos valores, dos costumes, da família, da propriedade, numa fúria irresponsável que ultrapassa até mesmo as teorias conhecidas do marxismo.

Os sistemas de educação e imposição de normas internacionais gerados na ONU e acatados pelo governo de socialista e marias vão com as outras, tem levantado muitos problemas e mobilizado associações, pais e até políticos. Exceto no Brasil. Aqui estamos empenhados em pagar impostos e apertar o cinto, para subsistir com salários insuficientes num mercado em que os bens de primeira necessidade estão cada dia mais caros, obrigando as famílias a empenhar sua força de trabalho futuro com a rede bancária internacional.

Nos últimos anos o ataque internacional simultâneo às instituições nacionais, tem utilizado formadores de opinião, ongs, fundações e cursilhos para que os professores aprendam a trabalhar com a nomenclatura dos “direitos”, que os controladores denominam humanos: legalização de aborto, conceitos novos sobre cidadania, juventude, gêneros, família... Mas em vez de formar melhores mestres, estão formando fanáticos para a catequese ideológica do marxismo capitalista.

O choque cultural e as diferenças entre valores cultivados em família e comportamentos ensinados nas escolas, faz com que se desenvolvam jovens inseguros e com extrema desconfiança sobre o próprio futuro. Desenvolvem-se gerações de analfabetos funcionais, despidos de qualquer senso de auto respeito, de auto confiança e incapazes de relacionamento sadio. Os professores nem percebem que formam os futuros drogados e consumidores de alimentos com espermicidas.

Esperamos o dia em que a gente farta da canga e do chicote dos bancos e dos salários, menores que o pago pelo estado para os bandidos presos, comece a mobilizar-se contra o abuso dos impostos embutidos em cada litro de gasolina, em cada quilo de arroz ou feijão, em cada embalagem dos produtos distribuídos pela Cargill à rede internacional de supermercados que fingem ser nacionais. A sangria permitida pelo estado conduz ao ambiente em que, somente a desobediência civil poderá salvar o homem comum.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

O Conselho de Segurança da ONU e o “Acordo de Patetas”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por João Vinhosa

O artigo “Cartéis: Carta Aberta ao Presidente da OAB”, publicado em 18 de abril de 2011 no www.alertatotal.net, deixou no ar a preocupante pergunta: “Como pode, um país que pretende ter assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, fazer tão pouco caso de um Acordo de Cooperação firmado com o principal eleitor no julgamento dessa pretensão?

Tal pergunta se refere ao Acordo Brasil-EUA para combater cartéis, mais especificamente à omissão de nossas autoridades diante do fato de o Acordo estar provocando efeito completamente contrário a seu objetivo, que é facilitar a troca de informações entre as partes.

Ora, é absolutamente inadmissível que as autoridades de um país que almeja ser merecedor de tão alta distinção por parte da comunidade internacional ajam com tanta negligência diante da ruína de um Acordo firmado para tratar de “matéria de importância crucial para o funcionamento eficiente dos mercados e para o bem-estar econômico dos cidadãos dos seus respectivos países”.

Afinal, todos sabem que o que se espera ao se firmar um Acordo de Cooperação é que as partes zelem pelo seu fiel cumprimento; também se espera que, nas oportunidades nas quais o Acordo esteja se distanciando de seu objetivo, providências para ajustar seu rumo sejam tomadas pelas partes.

Apesar dessa evidente realidade, nossas autoridades permanecem em total silêncio diante de uma discutível interpretação que está arruinando o Acordo em questão.

Conforme a interpretação dada pela Procuradoria Geral da República a seus termos, o Acordo – que foi firmado para facilitar a troca de informações entre as partes – está, na realidade, colocando obstáculos intransponíveis à troca de informações.

Assim sendo, o Acordo se tornou uma letra morta; em conseqüência, passou a ser chamado de “Acordo de Patetas”.

E, para piorar a situação, o silêncio de nossas autoridades diante do provocante rótulo “Acordo de Patetas” permite inferir que férrea é a disposição de não se discutir a ruína do Acordo.

É de se esclarecer que o provocante rótulo acima citado foi utilizado abertamente com o único objetivo de compelir as autoridades a solucionarem o entrave que está aniquilando o Acordo. No entanto, apesar de sua contundência, o termo não conseguiu tocar na sensibilidade das autoridades. Parece até que tudo está dentro da mais perfeita normalidade,

Esclarecido este ponto, cabe alertar: ninguém alegue que “não sabia” da gravidade do problema. Tal alegação, que se tornou costumeira em nosso país, não pode ser acolhida. Uma simples entrada no site de pesquisa Google com o termo “Acordo de Patetas” disponibilizará milhares de citações sobre o assunto.

A propósito, em carta encaminhada em 13 de abril de 2009 ao ex- Ministro da Justiça José Carlos Dias – autoridade que, em nome do governo brasileiro, firmou o Acordo – foi esclarecido o porquê do termo “Acordo de Patetas”.

Contudo, aquele que assinou o Acordo em nome do governo brasileiro não se manifestou nem mesmo diante da fundamental pergunta: “O Acordo firmado por V. Exª. no final de 1999 é falho, ou falhas são as diferentes interpretações dos termos do mesmo, feitas por nossas autoridades?”.

Outra autoridade que recebeu grave denúncia sobre o Acordo foi o Presidente Lula. Em 04/07/07, o Gabinete Pessoal do Presidente da República confirmou o recebimento de carta enviada ao presidente Lula, e informou que a mesma havia sido encaminhada ao Ministério da Justiça para as providências cabíveis.

Tal burocrática resposta poderia ser considerada normal, se, na denúncia encaminhada a Lula, não tivesse sido destacado o seguinte instigante trecho: “A comprovação de que estamos avacalhando tal Acordo, Senhor Presidente, encontra-se na anexa carta por mim encaminhada ao Ministro da Justiça Tarso Genro”.

Recentemente, em 7 de fevereiro de 2011, o atual Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo foi colocado a par do problema. Apesar de o Ministro ainda não ter se manifestado a respeito, a ele será encaminhada cópia do presente artigo.

Uma palavra final: o comportamento omisso de nossas autoridades diante dos fatos acima narrados aniquila qualquer resquício de credibilidade moral de nosso país perante a comunidade internacional, e torna ridículo o ato de cabalar votos para o Brasil passar a integrar o Conselho de Segurança da ONU.

João Vinhosa é engenheiro joaovinhosa@hotmail.com

Democracia a la carte

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

21 de Abril, cerimônia comemorativa da Inconfidência Mineira. Palavras da ocupante do trono: “Os brasileiros e brasileiras que como eu sofreram na pele os efeitos da privação da liberdade sabem o quanto a democracia institucional faz falta quando desaparece”... Uma fala onde está presente o recurso psicologia invertida, fazendo que crer que as instituições no Brasil são democráticas.

Para quem bem entende das experiências contidas na história, as poucas democracias floresceram onde o aparado do estado era mínimo e não gigantesco e distribuído em feudos para atender interesses partidários oligárquicos. Onde as instituições democráticas floresceram, o estado praticava mínimos impostos, sem burocracia, sem corrupção, sem secretismos e manobras para eliminar opiniões, pontos de vista, argumentos, contrários.

Disse ainda a senhora: “Queremos a democracia em sua complexa inteireza”... (Tão complexa que nem os que a executam entendem o significado e alcance da concentração de poderes, que emanam do núcleo do núcleo central do poder, impondo a legislação, determinando as práticas da justiça, delimitando a formação de opinião pública, pervertendo a educação, destruindo costumes e tradições e finalmente banalizando e interpretando a história, omitindo fatos e os fatos de maneira abusiva).

...”Uma democracia feita de eleitores e também de cidadãos plenos”... (Eleitores que engolem um processo de escolha controlado por uns poucos caciques partidários? Cidadãos plenos que carecem de meios e informação para exigir comportamentos éticos? Eleitores de cabresto para atuar e legitimar um processo viciado?) ”Nesse caminho se entrelaçam o desenvolvimento e a inclusão”. (Que desenvolvimento madame? O desenvolvimento das corporações estrangeiras que ocupam o nosso espaço, que compram os melhores cérebros, que envenenam o terreno e as águas, que agem acima das leis? Mais adiante vamos ver o termo “inclusão”.

O discurso tão genérico é sujeito às mais variadas interpretações, extensivamente cabíveis para a cabeça miúda dos que falam em democracia, sem pensar na gênese do pensamento e sua importância para a evolução humana, para as liberdades individuais, para a aplicação dos direitos universais reconhecidos e aceitos como benéficos para os indivíduos que constroem as nações e interagem respeitando rigorosamente uma carta de deveres que geram direitos.

Uma coisa é democracia, estado de direito e bem diferente o que estão proclamando como “democracia marxista”, uma coisa que é impossível de definir, a não ser que a gente grafasse a prática como “democracia somente para marxistas”, excluindo todos os contrários ao satanismo implícito no ideário da nova ordem mundial, aplicado metodicamente no Brasil, sem que a gente, povo, população, saiba como definir o próprio destino, sem saber o que está por trás desta revolução cultural que elimina os valores consolidados há gerações como norma espiritual deste povinho explorado ao limite extremo.

Aí perguntam os observadores da anomia política: por que não protestam, por que não exigem? A resposta pode estar no prenúncio feito por alguém que justificava e defendia o uso de tudo quanto é droga, para manter pessoas felizes e passivas mesmo nas situações mais limitantes, mesmo na escravidão, mesmo fazendo trabalhos forçados.

Aí entra a “inclusão” que vista sob o aspecto das parcerias que o trem empresarial em turismo na China, espera, para ganhar mais dinheiro, enquanto os “incluídos” compram os piores produtos do mercado pelos mais elevados preços, tudo financiado em “10 vezes sem juros”.

Estão negociando transferência de tecnologia com uma ingenuidade de meter medo. Dizem ser difícil por que nunca sabem se a empresa com quem negociam é privada ou estatal... como se houvesse diferença! A “inclusão” fundamental é ideológica. Mas os tresloucados empresários nada entendem de política, nem das grandes linhas estratégicas da nova ordem mundial.

Tiradentes foi enforcado porque um grupinho patriota quis livrar o Brasil da canga da submissão. Nossos empresários são conduzidos que nem carneirinhos para o cercado da prisão ideológica para uma produção capitalista barata, explorando a mão de obra dos que vão produzir os novos produtos Made in Chinobrás, repassando a tecnologia da Embraer a troco da tecnologia de plantar e colher arroz com as mãos nuas. Quem pensa diferente prepara a própria forca.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

domingo, 24 de abril de 2011

Você chora pela mãe do Bambi?

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão

Os políticos e dirigentes públicos brasileiros parecem tão insensíveis que seriam incapazes de chorar a morte da mãe do Bambi – no famoso desenho animado de Walt Disney. A cínica insensibilidade deles se reflete no desrespeito sistemático aos princípios republicanos mais elementares. Usam e abusam da máquina estatal para explorar, se locupletar, enriquecer e corromper.

Eis por que a classe política não consegue apoiar, sinceramente, qualquer campanha para diminuir e racionalizar três coisas fundamentais no Brasil: a) o tamanho socialmente necessário da máquina estatal; b) a qualidade do investimento-gasto público; c) a quantidade e a cobrança abusiva de impostos, taxas e contribuições.

Nem aqueles que tentam vender a imagem de “opositores políticos” do governo formulam e abraçam, claramente, tais propostas. Esperar que estes insensíveis sujeitos façam qualquer reforma – principalmente a política - é igual a acreditar no vigor sexual da Ararinha Azul. Por isso, as coisas só fingem que mudam no Brasil. Pela vontade da classe política, se ela estiver se dando bem, tudo bem. “O povo que se exploda” – como bem recomendava o Justo Veríssimo, personagem do fantástico Chico Anísio, que ontem à noite voltou à TV na pele da impagável Salomé – a irônica “amiga” que puxa a orelha, por telefone, dos poderosos de plantão.

A onisciente, onipresente e onipotente Salomé deve saber que o bicho está pegando na economia. O sinal de alerta para uma crise econômica global já está ligadíssimo. Aqui no Brasil, já sente uma leve dificuldade de os brasileiros pagarem suas dívidas, em dia. O fantasminha nada camarada da inflação também assusta a equipe econômica – que está mais “prestigiada” que técnico de futebol que não vence jogos. Entre os vilões dos aumentos de preços figuram os combustíveis – derivados ou não do petróleo, em alta no mercado internacional, para dar lucros ainda maiores aos senhores da guerra globalitários.

No Brasil, o problema é complexo. A gasolina cara é uma das fontes de lucro da BR Distribuidora - que é uma das subsidiárias da "estatal" de economia mista Petrobrás – que acaba de ser considerada pela revista Forbes como a oitava maior companhia de capital aberto do mundo. Assim é mole! O absurdo que pagamos pela gasolina ajuda a dar mais lucros à Petrobrás e torná-la uma das mais rentáveis do mundo.

O "etanol" é outra sacanagem. O setor de usinagem hoje é dominado pela Raizen (Shell + laranja Cosan), BP (Beyond Petrol) e por outras usinas controladas pelo senhor George Soros. Pagando caro pelo álcool, estamos subsidiando a compra das usinas brasileiras feita pelas transnacionais de energia. E o governo, via ANP, aprovou, recentemente, o aumento do percentual de água na gasolina, para viabilizar a importação do etanol de milho dos EUA (que tem 1% de água). Os motores sentirão os efeitos negativos disto em breve. Nosso bolso - que já paga a gasolina cara e adulterada - vai sentir ainda mais...

Para piorar, o que faz os combustíveis custarem tão caro – além dos valores e fatores de mercado? Adivinha? São os malditos impostos. Percentuais absurdos sobre o preço final dos produtos: 53,03% sobre a gasolina; 40,50% sobre o diesel; 37,55% sobre os lubrificantes; 25,86% sobre o “etanol”... Este é o drama do brasileiro. A impostura. Nós, cidadãos, ricos ou pobres, financiamos um Estado que não nos dá a devida contrapartida pelos excessivos impostos cobrados.

Temos de mudar essa situação. Precisamos protestar, reagir, cobrar uma solução efetiva! Mudar o modelo é urgente. O dever do cidadão é ser oposição a essas e tantas outras coisas erradas que acontecem no Brasil. Não devemos esperar pelos políticos – que nada farão por nós.

Não adianta ser sensível e chorar pela morte da mãe do Bambi, se não somos capazes de ter compaixão de nós mesmos, combatendo e superando os males com que somos obrigados a conviver para sobreviver no mundo cada vez mais capimunista.

Quem reclama já perdeu. Mas quem não reclama – nem reage – rasteja no inferno. Merecemos isto? Claro que não! Cidadania, Democracia e Liberdade civil e de expressão. Ou tornamos estas três palavras reais ou nos mudamos para outro mundo. Quem sabe onde agora vive a falecida mãe do Bambi.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 24 de Abril de 2011.

Desarmamento de quem, senhora Rousseff?

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/
Por Aileda de Mattos Oliveira

Um governante, qualquer que seja ele, sem programa de governo, vive de ocasionais acidentes e incidentes ocorrentes, momentos em que retira da cartola um coelho esquálido, cansado de ser o protagonista da mesma representação.

Como representação é farsa, para disfarçá-la, reveste-a de bombástica exuberância e seriedade, para impingir uma mentira sobre a qual passou um verniz de má qualidade. Como lhe faltam argumentos convincentes, recorre aos atores coadjuvantes, que dispõe no Congresso, fâmulos genuflexos sempre dispostos a babar-lhe as mãos com a saliva da bajulação.

Um aloprado resolve acabar com os sonhos de um grupo de crianças, e toda a sociedade é responsabilizada pelo ato insano. Já imaginou se o governo militar tivesse proibido o uso de armas, porque um bando de esquerdistas queria arrasar com o País, destruindo aeroportos, quartéis e pessoas que passavam por aqueles locais inadvertidamente?

Estoura mais uma bomba, desta vez na imprensa, de que já foi determinada a realização de um novo referendo para ouvir a voz da sociedade sobre mais uma ação governamental contra ela, a de retirar as armas de pessoas honestas e pacíficas. Claro, que a sociedade vai dizer um sonoro “Não!” à audácia de deixar-lhe inerme, sem a segurança de seu patrimônio e de sua família.

Porém, supondo que o governo vença essa desigual luta de braços, diga-nos, senhora Rousseff, as armas do MST também serão recolhidas? Neste ‘grupo social’, no qual as crianças também as usam, da mesma forma serão protegidas pela lei da criança e do adolescente, ainda que o adolescente, já tenha cometido todos os delitos contra a propriedade privada? Se esses ‘lutadores em prol da reforma agrária’ não obedecerem às ordens emanadas pela justiça, ficarão presos por seis anos, pena determinada, segundo a imprensa, para os pacíficos habitantes da cidade?

Espero que não mande o coelho esquálido, cansado, para mais esta missão. Venha a público, olhe nos olhos da sociedade e responda às perguntas que lhe foram feitas.

Aileda de Mattos Oliveira é Professora universitária e membro da Academia Brasileira de Defesa. A opinião expressa é particular da autora.

Inquisição, Hereges e Fogueiras

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/
Por Clovis Purper Bandeira

O termo Inquisição refere-se a várias instituições dedicadas à supressão da heresia no seio da Igreja Católica. A Inquisição foi criada inicialmente para combater o sincretismo entre alguns grupos religiosos, que praticavam a adoração de plantas e animais. A Inquisição medieval, da qual derivam todas as demais, foi fundada em 1184 no Languedoc (sul da França) para combater a heresia dos cátaros ou albigenses.

Em 1249, implantou-se também no reino de Aragão, como a primeira Inquisição estatal e, já na Idade Moderna, com a união de Aragão e Castela, transformou-se na Inquisição Espanhola (1478 - 1821) – na qual celebrizou-se a figura do dominicano Torquemada, de triste lembrança – sob controle direto da monarquia hispânica, estendendo posteriormente sua atuação à América. A Inquisição Portuguesa foi criada em 1536 e existiu até 1821. A Inquisição Romana ou "Congregação da Sacra, Romana e Universal Inquisição do Santo Ofício" existiu entre 1542 e 1965.

O condenado era muitas vezes responsabilizado por uma "crise da fé", pestes, terremotos, doenças e miséria social, sendo entregue às autoridades do Estado, para que fosse punido. As penas variavam desde confisco de bens e perda de liberdade, até a pena de morte.

O delator que apontava o "herege" para a comunidade garantia, por seu ato, sua fé e status perante a sociedade.

Ao contrário do que é comum pensar, o tribunal do Santo Ofício era uma entidade jurídica e não tinha forma de executar as penas. O resultado da inquisição feita a um réu era entregue ao poder secular.

A utilização de fogueiras como maneira de o braço secular aplicar a pena de morte aos condenados que lhes eram entregues pela Inquisição é o método mais famoso de aplicação da pena capital, embora existissem outros.

Séculos depois de terem sido encerrados os tribunais eclesiásticos do Santo Ofício e de terem cessado os autos de fé, o Brasil, mestre em recriar a história, estabelece seu Tribunal Inquisitório, sob o nome de Comissão Nacional da Verdade. Nela, os torquemadas tupiniquins julgarão os novos hereges, na maioria militares, que ousaram enfrentá-los e derrotá-los há algumas décadas.

Os delatores desses hereges, muitos já recebendo generosas pensões e indenizações por terem sido vítimas da “repressão” que impediu que transformassem, como era seu intento, o país em uma grande Cuba, garantem o reconhecimento governamental e sua pureza ideológica através da delação.

Já tendo recebido as gordas indenizações – isentas de imposto de renda – de que usufruem, receberão agora a doce vingança final de verem seus antigos adversários arrastados às barras deste tribunal de araque, composto majoritariamente por antigos esquerdistas e seus asseclas, que julgarão os agentes da lei e da ordem que, no cumprimento de seus deveres profissionais, ousaram combatê-los. Assim, velhos criminosos, já premiados, vão completar a vendeta com a execração pública de seus pretensos algozes.

Conforme já decidiu o STF, não há crime a punir, visto que a Lei da Anistia eximiu todos os envolvidos, da esquerda e da direita. No entanto, na visão caolha que perdoa guerrilheiros e terroristas e condena, apesar da Lei, os que contra eles lutaram, o linchamento público deve ocorrer, sob a desculpa de que os agentes do Estado têm responsabilidade, mas os bandidos e criminosos são vítimas inocentes, inimputáveis – e insaciáveis, como se vê. São os únicos titulares dos “direitos humanos”.

Os defensores dessa absurda e tendenciosa Comissão alegam que apenas desejam descobrir o destino dos corpos de seus entes queridos, que desapareceram na luta contra a “ditadura”, embora quisessem implantar outra ditadura em seu lugar – só que, como eram e são donos da verdade, só eles podem julgar o que convinha e convém ao país.

É evidente que, para localizar cadáveres, a eficiência desses julgamentos é nula. Mas isso é apenas desculpa, uma justificativa de apelo popular para encobrir as verdadeiras intenções vindicativas dos vencidos. Inverte-se o ditado romano: “Ai dos vencedores”.

Não tenho dúvidas de que nosso excelso Congresso aprovará a criação da Comissão desejada pelo Executivo, em troca da nomeação de mais alguns nepotes para cargos públicos a serem criados para abrigá-los.

As fogueiras estão sendo armadas. Já se antecipa o cheiro de carne queimada.

Clovis Purper Bandeira, General de Divisão da Reserva, é 1º Vice-Presidente do Clube Militar.

“Glória” sem fundamento

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/
Por Ernesto Caruso

"Eles foram exilados por haverem se atrevido a desejar um Brasil independente. Na nossa história, muitos tiveram que se exilar por desejar também liberdade e democracia.”

Os brasileiros e brasileiras que, como eu, sofreram na pele os efeitos da privação de liberdade sabem o quanto a democracia institucional faz falta quando desaparece."

Palavras da “presidenta” no dia 21 de abril de 2011 nas cerimônias em homenagem ao Mártir da Independência em Ouro Preto, MG; inoportunas, narcisistas, de auto-absolvição, “inocentes” e presunçosas como o fariseu do templo ao se proclamar o justo e, estando de pé, orava consigo: "Ó Deus, graças Te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano. (Lucas 18 – 11)"

Soberba e vaidade ao se comparar àqueles heróis.

Há que se concordar com parte do texto, pois era essa a vontade dos mentores e encorajados patriotas ainda em preparativos, pregação e arregimentação para a Conjuração Mineira, pois lá nas terras alterosas emergiam os anseios de independência desta Nação chamada Brasil dos colonizadores portugueses.

Sob a ótica da liberdade, pugnavam pela ruptura com a dominação d’além mar, mas não se entendiam, nem se concebiam como inconfidentes, infiéis, mas plenos de identidade com a pátria que se formava; gentios e não gentios se mesclavam e se irmanavam; bateias, diplomas, desenvolvimento e poder construíam estruturas não submissas.

O passado da “presidenta” e dos seus colegas terroristas, guerrilheiros é muito diferente. Como se sabe, estavam alinhados com as posturas do mundo comunista d’além Muro de Berlin e Cortina de Ferro, e com as lições de Luiz Carlos Prestes de empunhar armas contra o Brasil se em luta contra a Rússia de então, sem vínculos com o “Longe vá temor servil; Ou ficar a Pátria livre, Ou morrer pelo Brasil.”

Tiradentes morreu pelo Brasil, brava gente que lutou pela Pátria livre, não para subjugá-lo a outro estado e adotar a soberania relativa do modelo soviético, vontade dos que fizeram a Intentona Comunista de 1935, explodiram o Aeroporto de Guararapes em 1966, estabeleceram focos de guerrilha no Araguaia, Registro e Caparaó e tantas atrocidades.

Ato corajoso ou covarde em colocar uma bomba no Aeroporto para matar um, somente um, dentre os 300 que lá estavam? Não era uma tropa fardada a ser combatida. Não há glória no currículo de qualquer um que tenha participado desse crime.

Com acertos e erros o Brasil atravessou o mar vermelho de sangue das tormentas comunistas que se alastraram, e com a participação da sociedade, se fez uma Lei da Anistia para pacificar todos os envolvidos, certos ou errados nos seus propósitos.

Mas, a “presidenta” não deixa de aproveitar toda a oportunidade de se auto-elogiar da “dignificante” participação no que era Vanguarda Armada Revolucionária Palmares, VAR-PALMARES, sem citar o nome da organização, repete-se como vítima de perder a liberdade.

No entanto, pretende que as Forças Armadas se calem sobre essa “glorificada” ação guerrilheira/terrorista. Lamentavelmente tem conseguido, além de perseguir o objetivo da Comissão da Verdade para mais uma vez mentir.

Os textos abaixo demonstram por outras vozes a verdade dos fatos. Mesmo daqueles que seis meses depois da eclosão do Movimento de 31 de março de 1964 passaram para a oposição, como registrado em nota da redação da Tribuna da Imprensa.

Site da Tribuna da Imprensa terça-feira, 12 de abril de 2011. Texto de Carlos Newton. Você quer saber como a imprensa tratava o presidente João Goulart? Então, confira aqui a pesquisa da jornalista Cristiane Costa:

Muito tem se discutido neste blog sobre o governo João Goulart e o golpe militar de 31 de março. Quem não viveu aquela época não tem uma real noção do que aconteceu. Por isso, vale a pena publicar a pesquisa da jornalista Cristiane Costa, postada originalmente no blog BrHistória.

O levantamento mostra que a imprensa, praticamente sem exceção, apoiou a derrubada do presidente João Goulart, em função dos desatinos cometidos ao propor uma reforma agrária demagógica, que atingiria todas as grandes fazendas produtivas, num país onde não faltam extensas áreas improdutivas a serem cultivadas.

Além disso, Jango queria derrubar a lei da oferta e procura, ao tabelar, também demagogicamente, todos os aluguéis nas áreas urbanas. Sem falar na quebra da hierarquia nas Forças Armadas. Estas foram as principais razões da queda, que teve expressivo apoio da classe média, como os jornais registraram. É só conferir:

***

“O Brasil já sofreu demasiado com o governo atual. Agora, basta!” – (Do editorial “BASTA”, 31 de março de 1964 – Correio da Manhã – Rio de Janeiro)

***

“Só há uma coisa a dizer ao Sr. João Goulart: Saia!” – (Do editorial “FORA!”, 1° de abril de 1964 – Correio da Manhã)

***

“Desde ontem se instalou no País a verdadeira legalidade … Legalidade que o caudilho não quis preservar, violando-a no que de mais fundamental ela tem: a disciplina e a hierarquia militares. A legalidade está conosco e não com o caudilho aliado dos comunistas” - (Editorial do Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 1º de Abril de 1964)

***

“Golpe? É crime só punível pela deposição pura e simples do Presidente. Atentar contra a Federação é crime de lesa-pátria. Aqui acusamos o Sr. João Goulart de crime de lesa-pátria. Jogou-nos na luta fratricida, desordem social e corrupção generalizada.” – (Jornal do Brasil, edição de 1º de abril de 1964.)

***

“Minas desta vez está conosco”(…) “Dentro de poucas horas, essas forças não serão mais do que uma parcela mínima da incontável legião de brasileiros que anseiam por demonstrar definitivamente ao caudilho que a nação jamais se vergará às suas imposições.” – (Estado de S. Paulo – 1º de abril de 1964)

***

“Multidões em júbilo na Praça da Liberdade. Ovacionados o governador do estado e chefes militares. O ponto culminante das comemorações que ontem fizeram em Belo Horizonte, pela vitória do movimento pela paz e pela democracia foi, sem dúvida, a concentração popular defronte ao Palácio da Liberdade. Toda área localizada em frente à sede do governo mineiro foi totalmente tomada por enorme multidão, que ali acorreu para festejar o êxito da campanha deflagrada em Minas (…), formando uma das maiores massas humanas já vistas na cidade” - (O Estado de Minas – Belo Horizonte – 2 de abril de 1964)

***

“A população de Copacabana saiu às ruas, em verdadeiro carnaval, saudando as tropas do Exército. Chuvas de papéis picados caíam das janelas dos edifícios enquanto o povo dava vazão, nas ruas, ao seu contentamento” – (O Dia – Rio de Janeiro – 2 de Abril de 1964)

***

“Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o Sr João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas” – (Tribuna da Imprensa – Rio de Janeiro – 2 de Abril de 1964)

***

“Fugiu Goulart e a democracia está sendo restaurada”… “atendendo aos anseios nacionais de paz, tranqüilidade e progresso… as Forças Armadas chamaram a si a tarefa de restaurar a Nação na integridade de seus direitos, livrando-a do amargo fim que lhe estava reservado pelos vermelhos que haviam envolvido o Executivo Federal”. – (O Globo, 2 de abril de 1964)

***

“Lacerda anuncia volta do país à democracia.” – (Correio da Manhã, 2 de abril de 1964)

***

“A paz alcançada. A vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Não se pode, evidentemente, aceitar que essa perspectiva seja toldada, que os ânimos sejam postos a fogo. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil” – (Editorial de O Povo – Fortaleza – 3 de Abril de 1964)

***

“Ressurge a Democracia! Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente das vinculações políticas simpáticas ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é de essencial: a democracia, a lei e a ordem.

Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas que, obedientes a seus chefes, demonstraram a falta de visão dos que tentavam destruir a hierarquia e a disciplina, o Brasil livrou-se do governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições.

Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ter a garantia da subversão, a ancora dos agitadores, o anteparo da desordem. Em nome da legalidade não seria legítimo admitir o assassínio das instituições, como se vinha fazendo, diante da Nação horrorizada …” - (O Globo – Rio de Janeiro – 4 de Abril de 1964)

***

“Feliz a nação que pode contar com corporações militares de tão altos índices cívicos”(…) “Os militares não deverão ensarilhar suas armas antes que emudeçam as vozes da corrupção e da traição à pátria.” – (Estado de Minas, 5 de abril de 1964)

***

“A Revolução democrática antecedeu em um mês a revolução comunista”. – (O Globo, 5 de abril de 1964)

***

“Pontes de Miranda diz que Forças Armadas violaram a Constituição para poder salvá-la!” - (Jornal do Brasil, 6 de abril de 1964)

***

“Congresso concorda em aprovar Ato Institucional”. – (Jornal do Brasil, 9 de abril de 1964)

***

“Milhares de pessoas compareceram, ontem, às solenidades que marcaram a posse do marechal Humberto Castelo Branco na Presidência da República …O ato de posse do presidente Castelo Branco revestiu-se do mais alto sentido democrático, tal o apoio que obteve” – (Correio Braziliense – Brasília – 16 de Abril de 1964)

***

“Vibrante manifestação sem precedentes na história de Santa Maria para homenagear as Forças Armadas. Cinquenta mil pessoas na Marcha Cívica do Agradecimento” - (A Razão – Santa Maria – RS – 17 de Abril de 1964)

***

Nota de Redação – Seis dias depois da derrubada de Goulart, a Tribuna da Imprensa de Helio Fernandes foi o primeiro jornal a se posicionar contra o regime militar. Depois, o Correio da Manhã de Paulo Bittencourt também foi para a oposição. Mas todos os outros destacados órgãos da chamada grande imprensa seguiram apoiando indefinidamente a ditadura, como fica demonstrado nesses dois editoriais que seguem abaixo, também pesquisados pela jornalista Cristiane Costa:

“Vive o País, há nove anos, um desses períodos férteis em programas e inspirações, graças à transposição do desejo para a vontade de crescer e afirmar-se. Negue-se tudo a essa revolução brasileira, menos que ela não moveu o País, com o apoio de todas as classes representativas, numa direção que já a destaca entre as nações com parcela maior de responsabilidades”. – (Editorial do Jornal do Brasil – Rio de Janeiro – 31 de Março de 1973)

“Participamos da Revolução de 1964 identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada”. – (Editorial assinado por Roberto Marinho, publicado no jornal” O Globo”, 7 de outubro de 1984, sob o título “Julgamento da Revolução”)

Ernesto Caruso é Coronel da Reserva do EB.

sábado, 23 de abril de 2011

O Discurso da Oposição – II

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Alberto Carlos de Almeida

No excelente livro de 1988 "O Presidente Segundo o Sociólogo", no qual Fernando Henrique Cardoso concedeu uma longa entrevista ao jornalista Roberto Pompeu de Toledo, o então presidente tinha total clareza do que era o seu governo e, consequentemente, do que deveria ser a oposição caso o PT chegasse ao poder. Essa clareza de FHC está retratada nas páginas 207 a 209 do livro, nas quais ele se refere a seu governo e à política brasileira: "Se você voltar ao discurso do Mário Covas chamado 'choque de capitalismo', verá que as ideias gerais do atual governo estão lá. Alguém disse: 'Vocês estão fazendo o que o Collor fez'. Não, antes do Collor já dizíamos isso". Fernando Henrique continua: "Alguns se assustavam com qualquer grito da chamada esquerda. Não tinham convicção do que estávamos fazendo, sentiam vergonha. Não tem que ficar se desculpando".

O mais interessante é quando Fernando Henrique trata da necessidade de modernizar e inovar na política brasileira: "Costumo dizer que se devem fazer duas perguntas ao político brasileiro. A primeira é: ele sabe que existe mercado? Uma boa parte acha que o mercado depende do governo, e que o governo fabrica dinheiro. Segunda: ele sabe que o Estado não foi feito para seus amigos e familiares?" De acordo com o depoimento do ex-presidente em um livro de 1988, não precisa mais nada para fazer oposição: é preciso defender o choque de capitalismo e o mercado, ter coragem, isto é, não ter medo da esquerda, e modernizar o Estado brasileiro, cujo principal sinal de atraso é o nepotismo. A melhor maneira de dar forma prática a essa correta visão de FHC é defender a redução de impostos sobre o consumo.

Vamos à proposta concreta.

A oposição poderia começar o ano, rigorosamente sempre em janeiro, atacando o governo federal por não reduzir os impostos do material escolar. Cada mãe, tanto do povão quanto da classe média, paga 43% de impostos quando compra uma agenda escolar, ou uma borracha, ou um apontador, ou um bastão de cola. O imposto é de 35% para o caderno, o lápis e o pincel necessário para as aulas de arte, 44% do preço de uma régua vai para o governo, 40% da caneta, 40% do estojo e 36% da tinta guache. Finalmente, 38% do preço da folha de fichário e do papel sulfite vai para o governo desperdiçar em obras inacabadas e mordomias.

Passada a temporada de compra do material escolar, a oposição poderia mirar no Carnaval. O folião é mais do que explorado pelo governo quando vai se divertir: ele paga 46% quando compra um colar de havaiano, 48% no confete e na serpentina, 36% na fantasia, 54% na cerveja, 77% na caipirinha e 82% na cachaça. Nem os instrumentos musicais escapam. As baterias de escola de samba são monumentos vivos da carga tributária: 39% de imposto sobre o agogô, 35% no apito do mestre da bateria, 38 no reco-reco, 39% no tamborim e 38% no pandeiro e no cavaquinho.

Aliás, Carnaval lembra praia e futebol. A oposição poderia fazer uma pelada e utilizar uma bola na qual esteja escrito 46% de imposto que se paga quando ela é comprada. Nossos deputados de oposição poderiam também protestar na praia de Boa Viagem, no Recife, levando cadeiras de praia com 40% escrito, referente ao imposto que se paga quando ela é obtida.

Passado o Carnaval, há os 40 dias sagrados da quaresma. No domingo de Páscoa, as famílias brasileiras se confraternizam trocando ovos de Páscoa. As crianças adoram comer chocolate e a oposição perde mais uma oportunidade de criticar o governo. O imposto sobre o ovo de Páscoa atinge a impressionante marca de 38% e se você quiser escrever um carinhoso cartão de Páscoa terá que deixar nos cofres do governo esses mesmos 38% dos ovos. Todas as datas comemorativas de nossa população são também muito comemoradas pela ineficiência, pelo desperdício e pela corrupção governamentais, esse ente intangível que drena os recursos de toda a população, em particular dos pobres, e não tem opositor algum no sistema político.

A campanha da oposição teria como alvo o material escolar em janeiro, o Carnaval em fevereiro, a Páscoa em março e abril, o Dia das Mães em maio, as festas juninas em junho, é possível pular julho, mas também é possível incluí-lo por meio dos gastos com viagens de férias, em seguida o Dia dos Pais em agosto. Nem o 7 de Setembro escapa. Se você quiser empunhar uma bandeira do Brasil e sair pelas ruas comemorando a nossa emancipação frente a Portugal, terá que pagar 36% de imposto para comprar uma bandeira. Em outubro é chegado o Dia da Criança e os impostos sobre os brinquedos são escorchantes 40%. O governo nos dá um alívio no Dia de Finados, em novembro. As flores que muitos brasileiros colocam nos túmulos de seus parentes queridos que saíram desta para melhor deixam 18% de impostos nos cofres do governo.

A oposição teria muito assunto em dezembro. Poderia exigir a redução dos impostos de 39% que incidem sobre a árvore de Natal, 36% sobre o presépio, 42% sobre as imagens de santos, 48% sobre os enfeites da árvore de Natal e 30% sobre chester, peru e pernil. Na noite do réveillon a oposição, em vez de ir para Paris ou Nova York, poderia fazer um grande ato de protesto na praia de Copacabana brindando com 59% de imposto o champanhe que comemora a entrada de janeiro e consequentemente o início da temporada de compra do material escolar. E aí começaria tudo de novo.

Falta à oposição criatividade. Falta, acima de tudo, coragem. A propósito, o PT jamais poderá ser criticado por se acovardar diante de seus adversários. O PT cresceu fazendo oposição sistemática durante 22 anos. Na eleição de 2010, além de conquistar pela terceira vez consecutiva a Presidência, o PT partiu para o ataque na eleição para o Senado. Hoje tem a segunda maior bancada. Muito mais importante do que isso é o próximo ataque. Vários senadores serão candidatos competitivos nas eleições de governador de 2014: Gleise Hoffman, no Paraná; Lindberg Farias, no Rio; Walter Pinheiro, na Bahia; e Humberto Costa, em Pernambuco.

Lula está empenhado em conquistar terreno nas eleições municipais visando conquistar o governo de São Paulo. O PT joga no ataque, faz falta, entra duro e dá carrinho. A oposição joga na defesa. Para jogar no ataque é preciso encarar o tema da redução dos impostos sobre o consumo.

Lula foi (e é) o grande empreendedor político à la Schumpeter. Lula fundou um partido e correu riscos. Perdeu três eleições consecutivas e passou a ser questionado internamente. Quase foi parar no ostracismo. Mário Covas correu riscos com o seu discurso do choque de capitalismo. FHC correu riscos com o artigo recém-publicado no qual faz críticas e aponta caminhos para a oposição.

É preciso que algum líder de oposição seja tão empreendedor quanto Lula. É preciso que surja um tomador de risco na oposição. Quem leu a curta biografia de Winston Churchill escrita por Paul Johnson e recém-publicada no Brasil verá que ele correu muitos riscos e chegou a cair no ostracismo. Chegou a sair da política e a tirar seu sustento dos artigos que escrevia para os jornais. Hoje Churchill é considerado uma das figuras públicas mais importantes do século XX. Quem toma riscos pode se dar muito mal; todavia, também pode se dar muito bem. Mais uma vez Lula é o principal exemplo brasileiro dessas duas faces da mesma moeda.

Em todos os países democráticos existe alternância de poder. Assim, cedo ou tarde uma situação de crise econômica aguda levará a oposição de volta ao governo federal. Ela terá o PT, enorme e combativo, como opositor. O PT na oposição terá bancadas grandes na Câmara e no Senado, o controle de muitas prefeituras e governos estaduais. A atual oposição precisa se treinar hoje jogando no ataque e na combatividade, porque, ao chegar ao governo, terá o PT como opositor.

Aqueles que frequentam os estádios de futebol já devem ter pedido raça aos seus respectivos times. Eu mesmo me enquadro nessa situação. Foram muitas as vezes que a torcida do Fluminense gritou em coro para o time: "Queremos raça, queremos raça". Isso acontece toda vez que a torcida acha que o time deveria se empenhar mais, deveria ousar e jogar no ataque, deveria entrar duro, utilizar o carrinho, dar chutão para fora na defesa. Aqueles que torcem para a oposição poderiam agora fazer o mesmo coro: "Queremos raça, queremos raça".

Alberto Carlos Almeida, sociólogo e professor universitário, é autor de "A Cabeça do Brasileiro" e "O Dedo na Ferida: Menos Imposto, Mais Consumo". E-mail: Alberto.almeida@institutoanalise.com www.twitter.com/albertocalmeida. Artigo originalmente publicado no caderno Eu & Fim de semana do Valor Econômico de 22 a 24 de abril de 2011.

De olhos abertos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

Michel Chossudovsky é um judeu canadense, economista e professor da Universidade de Ottawa. A grande mídia dos EUA costuma associá-lo aos investigadores da história tidos como “teóricos da conspiração”. O professor Chossudovsky, circulou em altos escalões do poder econômico, por diversas agências da Onu e inúmeras Universidades, tendo seus livros traduzidos em mais de 20 idiomas, menos o português do Brasil.

Ronaldo Schlichting nos conta a história do Arrow, um caça a jato, o primeiro avião do mundo a voar em velocidade 2 vezes superior à do som (mach2), “fruto do gênio e do patriotismo dos canadenses”.

Mas fevereiro de 1959, “o primeiro-ministro do Canadá decretou o cancelamento do projeto Arrow”. Forças ocultas?

As plantas do projeto, motores, protótipos, ferramentas, informações e patentes foram para o domínio da França, Inglaterra e EUA. Os franceses e ingleses fizeram um consórcio e construíram o primeiro avião supersônico de passageiros, o Concorde, um fracasso comercial. Os canadenses ficaram com o prejuízo sem saber por que.

A construção das naves espaciais, do acelerador de partículas gigantesco que funciona em solo europeu bem como muitas dos equipamentos da mais alta tecnologia nuclear, (e militar) ou o Concorde, não seria possível sem um metal raro, o nióbio, que resiste às mais altas temperaturas, tipo as geradas pelos “trens bala”.

98% das reservas mundiais de nióbio estão no Brasil. A maior companhia mineradora e exportadora de nióbio está em Araxá, MG. A CBMM, pertence ao Grupo Moreira Salles e à multinacional Molicorp. A CBMM exporta 95 do nióbio, que é cotado pela bolsa de metais de Londres, a 90 dólares o quilo.

Vem a pergunta: se o Brasil é praticamente o único fornecedor mundial de nióbio, porque o preço não é determinado pelos brasileiros? As 37.000 toneladas anuais que o mundo consome, saem do Brasil. Vem uma informação da FSP publicada em 2002: logo que foi eleito, Luis Inácio foi levado por Aécio Neves, para um fim de semana na casa de hóspedes da mina de nióbio de Araxá... Questões de estado?

Aqui temos a aliança das tais “esquerdas” socialistas, defensoras da nova ordem mundial, com interesses do topo do mundo capitalista. A CBMM financiou através de uma ong, os projetos da fome que não zerou e do Instituto Cidadania, presidido pelo ilustre ex-presidente, ex-metalúrgico, ex-sindicalista, ex-pobre, cuja submissão à canalha internacional, fez o Brasil perder mais de 6 bilhões de dólares anuais, somente com a exportação (quase secreta) do nióbio. E nada mudou.

No Estadão de 6 de Julho de 2005, o Marcos Valério, aquele do mensalão, revelou que agendou um encontro do Banco Rural com o José Dirceu, para tratar de exploração de uma mina de nióbio na Amazônia.(José Dirceu confirmou ter tratado "a questão do nióbio" com banqueiros mineiros... , no programa Roda Viva, da TV Cultura, no dia 24 de outubro de 2005).

No dia 17 de Julho do mesmo ano o jornalista Cláudio Humberto, havia grafado: “o nióbio é caixa preta... 100% do nióbio consumido no mundo é brasileiro, mas oficialmente exportamos só 40%... décadas de subfaturamento...” Negócios de alto nível...

É assim que os poderosos agem. Se alguém pergunta quem tacou dois aviões nas torres gêmeas no 11 de Setembro de 2001 lá em Nova Iorque, a imagem do barbudo Bin Laden vem à mente. Poucos sabem que há farta documentação da trama e cumplicidade da administração Bush e sua inteligência militar, criando um pretexto para invadir o Iraque, lançar a guerra contra o terrorismo, militarizar a justiça e revogar a democracia nos EUA.

É o que afirma Michel Chossudovsky, revelando as intimas ligações da família Bin Laden, associada em investimentos internacionais à família Bush. Tudo para facilitar a implantação da “nova ordem mundial”, contando com o terrorismo e a guerra de conquista subseqüente para alegria de Wall Street e do complexo militar industrial.

O 11 de setembro de 2001 foi o golpe para justificar a guerra sem fronteiras contra o “mito” do “inimigo externo”, sem o qual não haveria a guerra contra o terrorismo, nem se revogariam as liberdades civis. Chossudovsky, também refere a arma norte americana de mais alta tecnologia, baseada nos estudos de Nicola Tesla, o HAARP, capaz de provocar terremotos, maremotos, interferir na atmosfera... também dita “teoria da conspiração”.

Olhando o próprio umbigo, nossa mídia prima por comentar crimes e aberrações, justificando as manobras de submissão destes governantes que, aqui, como pelo mundo afora, abandonam as pessoas à própria sorte, cobrando cada dia mais impostos sobre o trabalho remunerado... a preço de nióbio, segundo as cotações dos controladores do mundo.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

Gastos privados com Educação

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Naercio Menezes Filho

Diante da péssima qualidade da educação pública brasileira, muitas famílias acabam gastando uma parcela significativa da sua renda com educação privada. Uma pesquisa recente do Centro de Políticas Públicas (CPP) do Insper calculou pela primeira vez o total de gastos privados com educação como proporção do Produto Interno Bruto (PIB), utilizando dados das pesquisas de orçamentos familiares (POF) do IBGE. O valor gasto pelas famílias brasileiras com educação atingiu 1,3% do PIB em 2009. Isso é muito ou pouco?

O gráfico compara os gastos públicos e privados com educação em vários países do mundo. Podemos verificar que os gastos do Brasil (tanto públicos como privados) estão um pouco acima da média da OCDE. Em termos de gastos públicos, o Brasil gasta mais do que Chile, Alemanha e Coreia e menos do que os Estados Unidos e a Islândia.

Vale notar que as estatísticas brasileiras não incluem os gastos com aposentadoria dos professores das redes públicas de ensino, ao contrário do que ocorre na maioria dos países da OCDE. Em termos privados, o Brasil gasta mais do que México e Portugal, mas menos do que Coreia do Sul e os Estados Unidos.

O total gasto pelas famílias com educação em cada país depende de uma série de fatores. O primeiro deles é a qualidade da educação pública. Quanto maior é o aprendizado dos alunos nas escolas públicas, menor é a probabilidade de que as famílias queiram gastar sua renda com educação privada. Além disso, o montante gasto depende da importância do aprendizado para o acesso às melhores faculdades de cada país.

No Brasil, por exemplo, o acesso ocorre por meio de vestibulares concorridos. Assim, muitas famílias prefeririam colocar seus filhos nas melhores escolas privadas, mesmo que as escolas públicas fossem boas, para aumentar a chance de ingresso. Comparam custo e benefício. O mesmo ocorre na Coreia, na China e no Vietnam, onde a educação é verdadeira obsessão nacional.

País gastou em 2009 cerca R$ 15 mil por aluno do ensino superior, e só R$ 3 mil por aluno no ensino básico

Além disso, o estágio de desenvolvimento do país conta muito. Nos países mais ricos, como os Estados Unidos, as famílias já dispõem de renda suficiente para gastar com educação, sem que isso prejudique outros gastos essenciais com saúde, habitação e alimentação. No Brasil, apenas uma parte das famílias está nessa situação, embora 33% delas tenham gasto algum montante com educação em 2009.

Nesse caso, é a falta de alternativas que conta. Por fim, devemos levar em conta as diferenças institucionais entre os países. No Chile, por exemplo, há um sistema de "vouchers" em que as famílias podem matricular seus filhos em escolas privadas sem gastar recursos próprios, pois quem paga é o governo. No Brasil, gastos de até R$ 2.710,00 por ano são dedutíveis do Imposto de Renda.

Os dados nos permitem analisar também como são aplicados os gastos das famílias. Como esperado, a maior parte dos recursos é gasta com mensalidades de cursos regulares do ensino básico (30%) e superior (35%). Além disso, entre 2003 e 2009 os gastos com pós-graduação dobraram (de 3% para 6% dos gastos totais), acompanhando a valorização do mestrado pelo mercado.

Os gastos com cursinhos para vestibular são significativos, enquanto os gastos com professores particulares ainda são pequenos. Os brasileiros gastaram quase R$ 2 bilhões com livros didáticos em 2009, ou seja, quase R$ 10 por habitante por ano. O gasto com o aprendizado de línguas estrangeiras, para complementar o que é oferecido nas escolas, foi de cerca de R$ 1,8 bilhão.

Vale notar que o gasto público, atualmente em 5,1% do PIB, é muito mal distribuído. Gastamos em 2009 cerca R$ 15 mil por ano por aluno do ensino superior, mas apenas R$ 3 mil por aluno no ensino básico. Dessa forma, o país teria muito a ganhar se os gastos públicos fossem redirecionados do ensino superior para o ensino básico, especialmente para o infantil. Na verdade, isso já vem ocorrendo, pois a razão entre os gastos públicos por aluno do ensino superior e básico, que era 11 em 2000, declinou para 5,2 em 2009. Política educacional na direção correta.

Em suma, para a classe média voltar para a escola pública, é preciso melhorar dramaticamente a qualidade do ensino nessa rede. Para que isso aconteça, antes de aumentar ainda mais os gastos públicos, é necessário melhorar a gestão do sistema público de ensino e distribuir melhor os recursos existentes.

Naercio Menezes Filho, professor titular - Cátedra IFB e coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper, é professor associado da FEA-USP. Artigo originalmente publicado no Valor Econômico de 15 de abril de 2011.