sábado, 4 de fevereiro de 2012

Provocações Reflexivas sobre cabresto mental

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

Um só rebanho e um só pastor. Uma crença única. Um governo local financiado e seguindo as ordens da matriz internacional, o centro imperial do planeta. Se bem refletirmos o modelo enquadra diversas instituições: a Igreja Católica, cujo centro é Roma, tem seguidores e financiadores individuais em todo o planeta. As derivações cristãs e outros grupos religiosos, idem. Os partidos políticos, mais ainda, todos atrelados às leis do internacionalismo a caminho da Nova Ordem Mundial.

Do Estado do Vaticano emanaram as leis espirituais, dogmas e códigos éticos que guiaram uma parte da civilização ocidental cristã. Ali foram elaborados os rituais para a coroação dos reis que durante séculos obedeciam à Igreja Católica. As basílicas e templos, os símbolos, cerimônias e paramentos seguem um modelo único. A catequese se fundamenta no Deus “único e verdadeiro” e nos 10 mandamentos. A metodologia é copiada há milênios.

As idéias utilizadas por todos os grupos religiosos e educacionais para a persuasão, parecem ser novas, mas apenas acrescentam detalhes de adaptação para induzir novos comportamentos. As pessoas calam porque estão diante de um processo tradicionalmente ameaçador. Os materialistas que se dizem ateus, os agnósticos que são indiferentes a qualquer consideração sobre o espírito, distanciam-se do entendimento e motivação dos que abraçam religiões, mas navegam no mesmo mar de idéias e técnicas de persuasão.

Entre os crentes, existem os que valorizam a responsabilidade individual a interdependência na vida, o respeito e amor ao próximo. Proliferam os fanáticos na condução de massas, que em suas pregações utilizam técnicas importadas para influir poderosamente sobre os seguidores. Muitos ignoram como e porque a persuasão é tão eficiente nestas novas igrejas.

Alguns já sabem, mas muitos nem percebem quanto preconceito é semeado. Por que tanto preconceito? Quem guia para o desprezo aos valores afirmativos da vida e da humanidade? Organizações políticas e religiosas caminham de mãos dadas, buscando novos adeptos e utilizando as mesmas técnicas que Dick Sutphen descreve:

1) Tudo começa com o encontro ou treinamento em uma área onde os participantes estão desligados do resto do mundo... e todos assumem compromissos “sem os quais sua vida nunca irá melhorar”

2) O controle de longo prazo é dependente de um bom sistema de acompanhamento. Assim todos concordam em “completar o treinamento, em encontros subseqüentes. Agora são lembrados os compromissos assumidos e todos são intimados a buscar novos adeptos. Altera-se a emoção, gera-se a ansiedade e o funcionamento do sistema nervoso. Em conseqüência das sessões de treinamento,“Os novos convertidos são fanáticos”.

Neste momento milhares de pessoas se graduam e grande parte está programada mentalmente para assegurar lealdade ao líder da organização. “O termo confidencial... É vender com fanatismo!” Pense nas implicações políticas potenciais, de centenas de milhares de fanáticos programados para fazer campanha política ou religiosa com ódio mortal ou no mínimo desprezo ao inimigo. Pense nos grandes eventos planejados para manter o controle, sem espaço para a reflexão.

3) Técnicas para aumentar a tensão ou induzir a incerteza, na sala de casa, diante da televisão, no auditório ou no local de treinamento. As pessoas preocupadas em resguardar seus mais íntimos segredos, eventualmente convidadas a sessões de auto crítica, confissão pública... Ou em casos de treinamento militar sendo atacados pelos instrutores e obrigados a vivenciar situações dolorosas, fome, frio, exigências físicas extremas e até nojentas. O medo e o stress torna as pessoas mais sugestionáveis.

4) Aqui entra a linguagem viciada. O vocabulário que tem significado apenas para os “iniciados”, causando desconforto entre os participantes. Durante estes treinamentos fanatizantes a severidade é extrema. O bom humor está ausente da comunicação. E as técnicas subliminares são fartamente utilizadas, do mesmo modo que nos programas de televisão, nos jogos eletrônicos, nas revistas e livros, na propaganda oficial e na informação em geral.

Claro que existem treinamentos atitudinais benéficos, sempre que os participantes sabem o que está acontecendo, quando estão livres para refletir e utilizar voluntariamente o aprendizado para a evolução individual. Nos movimentos de massa políticos e religiosos, os líderes aplicam o conhecimento para “converter outros para o seu modo de vida ou impor um novo estilo de vida, se necessário recorrendo a uma legislação que os force a isto, coação pela punição e até a imposição pelas armas.

Finalmente cultiva-se o ódio a um inimigo comum, um demônio físico na política ou espiritual nos movimentos religiosos, é essencial para o sucesso de um movimento de massas. Na política o diabo é a forma de poder, as “elites”, o “imperialismo”, a “oposição” ou um outro Estado “ameaçador”. Entre os religiosos é o diabo que provoca pensamentos e ações contrários à doutrina. A salvação está em obedecer ao Estado ou seguir o guru religioso.

Qualquer semelhança... Complete a frase depois de refletir um pouquinho. Depois respire fundo, ouça seu coração batendo e discuta, observe, divulgue, livre-se dos cabrestos mentais que isto é bom para o meio ambiente.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

Nenhum comentário: