sábado, 30 de junho de 2012

Guerra pela Água: Brasil precisa incluir seus aquíferos em um plano de segurança nacional?

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Eco4u

Com duas das maiores reservas de água potável do mundo, o Brasil deve avaliar desde já como irá proceder, em um futuro muito próximo, com relação ao fornecimento de água para outros países e como fará a proteção destas reservas. Neste blog já escrevemos sobre a “Guerra pela Água”, e não é ficção científica, já é prevista em planos de defesa de alguns países.

Afinal, o que é o aquífero Alter do Chão? “Com status de celebridade depois de ser eleita pelo jornal inglês The Guardian como a praia mais bonita do Brasil, a pequena e encantadora vila de Alter do Chão, localizada à margem direita do rio Tapajós, a 32 quilômetros de Santarém, ainda não tomou conhecimento de mais um título que a coloca em posição de enorme destaque no cenário internacional.

Embora Alter do Chão seja a referência daquele que já é apontado pelos pesquisadores como o maior aquífero do Brasil e, muito provavelmente, do globo, sua população continua alheia ao fato e, por falta de informação, está longe de poder avaliar a importância que ele tem num planeta em que a água doce é cada vez mais escassa e já se tornou um bem estratégico de alto valor comercial.

De acordo com José Ribeiro dos Santos, engenheiro operacional da Cosanpa em Santarém, tudo começou na década de 1960, quando a Petrobrás e a CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, empresa do Ministério de Minas e Energia), em trabalho conjunto de pesquisa, perfuraram naquela área um poço com cerca de 1.500 metros de profundidade. Até onde se sabe, não foram ali encontrados indícios da presença de minérios ou de hidrocarbonetos.

Os pesquisadores foram surpreendidos, porém, pela presença de um gigantesco lençol de águas subterrâneas, que estudos posteriores puderam dimensionar com mais precisão. Historicamente, considerava-se que o aquífero Guarani, localizado no Sul e Sudeste do país, era o maior do Brasil. Hoje, esse título pode pertence ao aquífero de Alter do Chão. Com 437.500 quilômetros quadrados de extensão e espessura de 545 metros, ele detém um volume de água superior ao do Guarani, este um pouco mais extenso, porém com menor espessura.”

Fonte: Folha do Progresso

Dados preliminares divulgados por pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA) apontaram o Aquífero Alter do Chão como o maior depósito de água potável do planeta. Com volume estimado em 86.000 quilômetros cúbicos de água doce, a reserva subterrânea está localizada sob os Estados do Amazonas, Pará e Amapá. “Essa quantidade de água seria suficiente para abastecer a população mundial durante 500 anos”, diz Milton Matta, geólogo da UFPA.

Em termos comparativos, Alter do Chão tem tem quase o dobro do volume de água do Aquífero Guarani (com 45.000 quilômetros cúbicos). Até então, Guarani era a maior reserva subterrânea do mundo, distribuída por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. A água desses reservatórios é bem mais limpa que a dos rios e está menos sujeita à contaminação.

Na primeira fase da pesquisa, que custará cerca de US$ 300 mil e durará oito meses, os pesquisadores vão sistematizar os dados sobre o reservatório, fazer o cadastramento de poços e mensurar a profundidade deles. A segunda fase do levantamento vai durar cinco anos e foi orçada em US$ 5 milhões. Nessa etapa, será feito um minucioso estudo usando geofísica.

É evidente a importância deste aquífero bem como o Guaraní, com implicações inclusive de segurança nacional, já que a escassez de água potável no planeta começa a se fazer sentir em alguns locais (como o Iêmen, leia mais aqui). Não irá demorar muito para que a importância de reservas como essas sejam mais importantes que poços de petróleo. Deve o Brasil estudar a exploração dos aquíferos, sua importância estratégica e sua proteção, e que isso seja feito imediatamente.

Eco4u é um blog informativo sobre o meio ambiente e, principalmente, sobre a utilização de energias renováveis e produtos ecológicos para utilização prática em nosso dia a dia.

2 comentários:

Anônimo disse...

Precisamente no momento em que vivemos, afigura-se aos verdadeiros brasileiros o fantasma dos perigos que a nação corre diante da cobiça indisfarçável, causada pelas riquezas naturais ostentadas pelo Brasil. E, exatamente neste momento, é que as defesas do país são negligenciadas como nunca dantes em nossa história. Em nome de ideologias ultrapassadas, exercendo uma política de degradação das nossas forças armadas por pura retaliação,impedindo-as de exercer devidamente suas funções constitucionais, desmontando as nossas instituições, outrora mantidas com patriotismo, o país vai se tornando vítima do tráfico de drogas, da corrupção e da bandalheira. Cagliostro

Anônimo disse...

Há cerca de 20 anos, eu estava no estrangeiro e tive conhecimento através de uma fonte maconica, de que os EUA já conheciam essa formidável reserva de água potável situado por baixo do Amazonas.

Se já era de conhecimento publico tal fato, porque o governo do Brasil não tinha conhecimento através dos seus serviços de inteligência?

Teve conhecimento e abafou o caso, para dar vantagem aos EUA?

Isso chama-se alta traição.

Ou então os nossos serviços de inteligência só têm uma vaga ideia dos nosos problemas soberanos? È para isso que eles existem? Estão ao serviço de quem?

Porque a Amazonia não foi de imediato colonizada?