terça-feira, 19 de junho de 2012

Justiça de Transição nazipetralha, acuando militares e magistrados, quer o Senado revisando decisões do STF

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão

Os nazipetralhas tupiniquins, que tentam reescrever a História do Brasil sob a ótica esquerdizante, cometem mais um ato bárbaro de injustiça. Depois de desrespeitar a Lei de Anistia, em recente decisão que não concedeu anistia ao “Cabo” Anselmo – que tinha direito por ter sido cassado pelo Ato Institucional número 1 de 1964, o Ministério da Justiça (?) agora cometeu a “desanistia”, anulando 133 anistias políticas concedidas a ex-cabos da Força Aérea Brasileira que foram desligados da FAB durante o governo dos presidentes militares.

A estratégia petralha para um futuro golpe institucional está manjada. A ordem é enfraquecer e desmoralizar o Supremo Tribunal Federal. A tática consiste em atacar direta ou indiretamente as decisões do STF. Agora se entende porque, secretamente, um grupo de senadores petistas articula uma Proposta de Emenda Constitucional que transformaria o Senado Federal como instância recursal ou revisora de decisões adotadas pelo STF que envolvam matérias constitucionais. A pilantragem política, denunciada pelo jornalista Cláudio Humberto, não é discutida na mídia amestrada.

Agora, o ato injusto e antidemocrático contra o pessoal da FAB foi promovido por um grupo de trabalho interministerial que promoverá uma revisão 2.574 processos dos benefícios concedidos desde 2001 pela Comissão Nacional de Anistia. O revisionismo, que começou em 16 de fevereiro de 2011, com a publicação da Portaria Interministerial nº 134, já analisou 154 processos e só manteve a anistia em três casos. Quem preside o grupo revisor é Rayanna Lemes Werneck Rodrigues, servidora do gabinete do ministro José Eduardo Cardozo. Nem o secretário nacional de Justiça e presidente da Comissão Nacional de Anistia, Paulo Abrão Júnior, pode se meter nas decisões do grupo, segundo o Ministério, “para que haja imparcialidade ao processo”.

Nos bastidores militares, já se interpreta que o revisionismo comandado pelos petistas mais radicais no Ministério da Justiça é um claro prenúncio do revanchismo a prazo, que será colocado em prática contra militares que atuaram no regime de 1964, assim que a Comissão Nacional da Verdade estiver operando mesmo a todo vapor. O revisionismo também faz parte da tal “Justiça de Transição” (para quê, ninguém sabe direito) que é uma política de Estado da Presidenta Dilma Rousseff.

Semana passada, em São Paulo, durante a abertura do seminário “Direito à Verdade, Informação, Memória e Cidadania”, o Secretário Nacional de Justiça, Paulo Abrão, criticou abertamente o Supremo Tribunal Federal por manter em vigor a Lei de Anistia (que a Comissão de Anistia e o grupo interministerial já conseguem derrubar, ilegalmente, em decisões administrativas). Abrão também confirmou que a intenção do ministério anular a anistia, promovendo uma “ruptura com a transição controlada”.

No conceito dele, “vivemos no Brasil uma transição pactuada, controlada, distinta da Argentina, onde a transição se deu por ruptura, onde as forças militares saíram desmoralizadas diante de uma crise econômica e, depois, pelo episódio das Malvinas. No Brasil, não houve essa ruptura. Nossa característica é a dita transição lenta, gradual e segura, que está posta até hoje. E o marco jurídico fundante dessa transição controlada é a Lei de Anistia de 1979. É por isso que toda a qualquer vez que quisermos discutir justiça de transição, reparações, comissão da verdade, será inafastável discutir a dimensão da anistia”.

A exemplo dos nazistas na Alemanha de Hitler, os nazipetralhas, comandados pelo chefão Lula da Silva, preparam o terreno para um golpe institucional no Brasil. Os golpistas atacam, desmoralizam e enfraquecem a Justiça e os Militares, que são os guardiões da soberania do Brasil. Estamos à caminho do nazipetralhismo. A não ser que, por algum milagre, aconteça uma reação dos segmentos esclarecidos da sociedade. De todo modo, a nazipetralhada está alguns passos à frente dos eventuais opositores em suas más intenções.

Malufada do $talinácio

Da socióloga Maria Lucia Barbosa explicando o apoio de Paulo Maluf a Fernando Haddad – candidato imposto por Lula aos petistas para disputar a Prefeitura de São Paulo - que causa tensão com o PSB e a ex-prefeita Luiza Erundina:

“Se Erundina, depois de ter sido escorraçada pelo PT aceitou voltar aos braços dos companheiros, por que não fazer campanha de mãos dadas com Maluf? Parece que ela é uma das marionetes do coronel Lula. Ele manda e os companheiros obedecem. Nenhum tem espinha vertebral. Ao se aliar novamente aos companheiros Erundina mostrou que é mais um desse políticos sem caráter. E não sei porque Lula pôs Erundina de vice do ministro reprovado no Enem. Devia ter posto Maluf”.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 19 de Junho de 2012.

11 comentários:

° disse...

Tudo porque passam os militares, da ativa ou reformados, são resultados da inércia, da passividade e da cumplicidade explícita dos atuais gestores das Forças Armadas.

Não conheço nenhum movimento contrário às situações - e são muitas - de enfrentamento, de desrespeito e de desmoralização vigentes desde 2003 e, agora, com mais vigor e direção.

Muito ainda está por vir...

Anônimo disse...

Tudo caminha de mal para pior.

Na nossa História existem abundantes exemplos de como o povão quando acuado demais, torna-se sanguinário, brutal mesmo. Quem não conhece a nossa Historia tal como os bastardos petistas e seus camaradas de luta política mostram total ignorância nesse campo, deveriam se preocupar mesmo!

È bom que você Jorge Serrão, como jornalista mantenha atualizados os nomes desses bastardos petistas, seus aliados e do PC do B, pois está mais que visto vão fazer um Golpe de Estado.

Vai tudo terminar em guerra civil com suas atrocidades. Por mim vou ajudar à "missa". Armas? Vai-se buscar a quem as tem! Simples!

Anônimo disse...

Os petralhas estão trabalhando em um projeto de ditadura. Quanto a isso não resta a menor dúvida. Quebrar a espinha dorsal das forças brasileiras é o programa seguido à risca: tentam destruir os valores cristãos, tentam desmoralizar o poder judiciário e tentam dividir e humilhar as forças armadas. Mas, se você observar bem, caro Jorge Serrão, esses avanços petralhas não lhes dão segurança. Eu afirmo que são pequenas vitórias, mas estão muito longe de conseguir abalar os alicerces da formação cultural do povo brasileiro. Por enquanto, esses petralhas estão enchendo o nosso saco. No momento que enfezarmos, nós os mandaremos todos para o esgoto.

Anônimo disse...

Os petralhas estão trabalhando em um projeto de ditadura. Quanto a isso não resta a menor dúvida. Quebrar a espinha dorsal das forças brasileiras é o programa seguido à risca: tentam destruir os valores cristãos, tentam desmoralizar o poder judiciário e tentam dividir e humilhar as forças armadas. Mas, se você observar bem, caro Jorge Serrão, esses avanços petralhas não lhes dão segurança. Eu afirmo que são pequenas vitórias, mas estão muito longe de conseguir abalar os alicerces da formação cultural do povo brasileiro. Por enquanto, esses petralhas estão enchendo o nosso saco. No momento que enfezarmos, nós os mandaremos todos para o esgoto.

blog A Língua! disse...

Os bandidos mandando, humilhando, escravizando os que foram ordenados a cumprir missão. Porque não condenam os presidentes de outrora? Tudo isso é para criar pretexto para roubar mais dinheiro. E O FALSO SENTIMENTALISMO FARÁ MUITOS PENSAREM QUE OS BANDIDOS SÃO VÍTIMAS E QUE MERECEM MILHÕES... JUSTO OS EMBAIXADORES DO NARCOTRÁFICO.
.
ISSO É O SISTEMA DA MAÇONARIA AO QUAL EU CUSPO!

Paulo Figueiredo disse...

Frase antiga e sempre atual:

"O DEMAGOGO É PRECURSOR DO DÉSPOTA".

RESERVATIVA disse...

Os trés "comandantes" continuam calados. Diz o velho deitado": " Quem cala o cu sente"
Reservativa

Anônimo disse...

Armas , mesmo não de ultima geração ,
quem as tem é que manda !
Quando a hora da "missa" , tambem
vou ajudar........

Anônimo disse...

Armas , mesmo não de ultima geração ,
quem as tem é que manda !
Quando a hora da "missa" , tambem
vou ajudar........

Solange Frota disse...

CAMARADA ERUNDINA:
Advogados que trabalharam por presos políticos serão homenageados...
"A Comissão Parlamentar Memória, Verdade e Justiça irá realizar em agosto homenagem aos advogados que trabalharam pela libertação dos presos políticos no Brasil. A coordenadora da comissão, deputada Luiza Erundina (PSB/SP), explica que a homenagem, que terá apoio da OAB, busca resgatar a memória histórica sobre as violações de direitos humanos na ditadura militar.

Os advogados que atuaram em favor dos presos políticos no período da ditadura militar cumpriram um papel fundamental, de acordo com opinião da deputada. Ela afirma que tais profissionais "São pessoas generosas, que fizeram essa defesa, em sua maioria, voluntariamente, sem nenhuma contrapartida financeira, porque os opositores eram pessoas pobres"."
http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI158079,81042-Advogados+que+trabalharam+por+presos+politicos+serao+homenageados

Mujahdin Cucaracha disse...

Sempre me pergunto a razão pela qual a OAB, o MP, a PGR ou algum jurista, político, magistrado, jornalista ou qualquer porqueira dessas que vivem defecando pareceres sobre o que é "direito" nunca questionou o descumprimento constitucional das indenizações que são pagas à bandidagem "cumpanhêra" - as condições dos benefícios afrontam claramente as condições estabelecidas no caput e nos §§ 1º do art. 8º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da CF/88.