terça-feira, 5 de junho de 2012

Os nossos índios

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Por Rhomeu Barros

A questão indígena em nosso País está sendo conduzida de forma paternalista e antijurídica em favor de, apenas, 315.000 índios, ao passo que a nossa população já atinge

os 197.000.000 de habitantes.

Essa impatriótica política tem sido conduzida assim para satisfazer os INTERESSES dos EE.UU. e outros países, com o objetivo único de criar territórios dentro do nosso País, geográfica e étnicamente separados, isto é, criando nações praticamente independentes, o que evidentemente compromete a integridade do nosso território e da grande nação brasileira, formada por miscigenações raciais.

As demarcações de terras indígenas têm sido um verdadeiro descalabro. No Estado de Roraima 46 % do território do Estado é, infelizmente, a reserva indígena Raposa Serra do Sol, com cerca de nove milhões e quinhentos mil hectares... Pois o Presidente Lula, em 2005, homologou a demarcação da referida reserva. Todavia, além de ser impossível aos índios explorar essa imensa área, maior que o Rio de Janeiro, de lá seriam (depende do STF) retirados os municípios e as propriedades rurais agrícolas de produção de arroz, com incalculáveis prejuízos ao erário público e aos agricultores que perderão as suas terras em nome de reservas indígenas.

Por outro lado, é importante esclarecer que 22% da Amazônia Brasileira já é reserva indígena. Ora, para que mais reservas, se os índios hoje não atingem 320.000 ?

Tudo isso feito em nome de uma falsa tradição da cultura do povo nativo, aliás uma das culturas mais primitivas, incompatível com a época moderna, que somente tem trazido problemas para todos os brasileiros, pois o certo é que a maioria dos índios de hoje freqüentam escolas, sendo notável que na região já existem mais de trinta diplomados de curso superior, possuem veículos, energia elétrica, televisão e “orelhões” telefônicos, e, até há pouco, eram classificados pelo nosso direito civil como “silvícolas”, portadores de mais direitos e nenhum dever a que é submetido o cidadão comum, tanto que não respondiam criminalmente por seus atos. Eram relativamente capazes, assim como os surdo-mudos, os pródigos e os menores de 18 anos.

Ora, é necessário, imprescindível mesmo, que o índio seja integrado à sociedade com igualdade de direitos com os demais cidadãos, não queremos, com esse pensamento deixá-los sem terras, mas com terras compatíveis com a sua capacidade de exploração e habitação. É necessário exterminar a distinção de povos na grande nação brasileira, especialmente porque uns com mais direitos que os outros, contrariando disposição da nossa Lei Maior que declara em cláusula pétrea que todos são iguais perante a lei. (?)

Além disso, os EE.UU., Grã-Bretanha, Holanda, França, Alemanha, Japão, Austrália e o Canadá, vêm tentando separar étnicamente o “povo indígena” - 315.000 indivíduos – como se fosse uma nação com território próprio. É o caso da nação Ianomâmi, com terras já demarcadas, em detrimento da unidade da nação brasileira.

A Escola Superior de Guerra (ESG), por meio de seus palestrantes e seus artigos publicados, vem se debatendo contra essas pretensões alienígenas, enquanto o governo, desde Collor, vem atendendo as exigências Norte-Americanas e Canadenses, numa vergonhosa e humilhante submissão.

A política de interesse do povo brasileiro, sem dúvida, é manter a integridade da nação, do nosso território e da nossa soberania, como também é de absoluto interesse político-social seja o índio integrado à plena cidadania, com direitos e deveres iguais aos de todos os brasileiros.

Sob quaisquer aspectos, é dever nosso alertar o nosso povo, a MAÇONARIA BRASILEIRA e até o Congresso Nacional por todos os meios da mídia e da correspondência.

E o que é muito mais grave 350 ONGS estrangeiras estão estabelecidas na Amazônia para a proteção dos indígenas, enquanto no Nordeste brasileiro, temos 12 milhões de miseráveis e lá não existem ONGS. É fácil saber porque: a Amazônia é a maior reserva hídrica do planeta, é fonte de minerais valiosíssimos, pedras preciosas, petróleo, vegetais, etc.

O que devemos fazer?

Rhomeu Barros é Advogado. Originalmente publicado no jornal O Obreiro, número 110.

3 comentários:

Anônimo disse...

A MAÇONARIA BRASILEIRA e o Congresso Nacional, são pura m@rda, anti-patriotas, sempre metidos em negócios obscuros tentando safar todo o político corrupto e ambas estão ao serviço do Oligarquia Financeira Internacional e Nova Ordem Mundial.

São duas entidades internacionalistas! Servem outros donos e não a Soberania brasileira. Servem outras soberanias!

"Arquivada reclamação contra ampliação de terra indígena

O ministro Lewandowski arquivou Reclamação do município de Amarante do Maranhão que pretendia obter a nulidade de duas portarias da FUNAI ampliando área indígena na região.

Para o ministro, no caso Raposa Serra do Sol, o Plenário do STF declarou especificamente a constitucionalidade da demarcação contínua da terra indígena desde que observadas 19 condições, mas que tal decisão não tem efeito vinculante."

http://gpsdoagronegocio.blogspot.com.br/2012/06/brasil-terra-sem-lei.html

Anônimo disse...

Nesse lodo fétido... pântano do ativismo contrário ao interesse nacional, vejo brotar o lótus do patriotismo. Aqui podemos ver terra fértil em prol dos brasileiros – amarelos, brancos, pretos, mulatos, etc. Trata-se de denúncia séria. Manifestação como essa me faz sentir – AINDA HÁ ESPERANÇA.
“TERRA A VISTA”!
VAMOS ÀS RUAS E PRAÇAS...
SALVO A RESISTÊNCIA!
SALVO O BRASIL DOS BRASILEIROS!
FORTE ABRAÇO.

Anônimo disse...

Lendo este artigo,no qual é citado os EEUU, Canada e outros, quero lembrar a todos, que os EE.UU e o Canada em relação aos seus índios, os
colocaram em reservas(verdadeiros de-
sertos), sem água ou alimentos, mantendo-os até hoje nestes locais.
O território americano é mais ou me-
nos do tamanho do Brasil e as rever-
sas indigenas não chegam nem a milé-
ssimos de porcento deste território.
A nossa mídia não elege nenhum comen-
tário a este respeito.