sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A Marcha sobre Resende ou A Nova Batalha de Itararé

Na data que as excelências amplamente divulgarem (vide ofício) eu, o Cadete 879, Gobbo Ferreira, do Curso de Material Bélico estarei lá.... in Jamais Outro Brado – José Gobbo Ferreira

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por José Gobbo Ferreira

No dia 7 de outubro, domingo, acompanhado de minha esposa, visitei a Academia Militar das Agulhas Negras em patrulha de reconhecimento para obter informações sobre a pantomima do dia seguinte, quando seria aposta uma placa vergonhosa nos domínios daquele templo militar.

Surpreendentemente, ninguém soube me informar de nada! Da cerimônia que os abutralhas* haviam prometido ser amplamente divulgada, nada se sabia. Percorri grande parte do conjunto principal, perguntei discretamente a Oficiais e Cadetes e ninguém, absolutamente ninguém sabia de nada.

Voltei ao meu aquartelamento familiar onde determinei rigorosa ordem de marcha.

Conforme prometi em meu documento acima, no dia seguinte me desloquei novamente rumo à AMAN pronto para o combate. O movimento no objetivo parecia normal. Nada denotava a ocorrência do espetáculo pirotécnico prometido pela madame Maria do Rosário.

O Portão Monumental estava interditado e fui obrigado a me dirigir ao portão lateral, em deslocamento sob vistas e fogos do inimigo. Lá chegando, eucom minha inseparável companheira constituindo a única tropa a meu comando, apresentamos nossas carteiras de identidade civil.

Malgrado isso fui saudado por um militar chamando-me de Coronel Gobbo. E fui capturado!

Fomos encaminhados ao CIMAN onde muito fidalga e respeitosamente um Coronel me afirmou, com todas as letras e acentos, que eu estava proibido de adentrar na minha Academia naquele dia. Solicitei confirmação e ela veio.

Resolvi me retirar imediatamente mas gentilmente os Coronéis me convenceram a permanecer e trocar ideias. Pouco mais tarde juntou-se ao grupo um General de Divisão, demonstrando o mesmo fino trato e a mesma gentileza dos companheiros que já lá estavam.

Conversamos por cerca de trinta minutos durante os quais procurei transmitir a todos as preocupações e as informações de que dispomos sobre a negra situação que atravessa nosso Exército. Ao final fui convidado a visitar o centro de visitantes da

AMAN. Recusei educadamente porque na minha Academia eu nunca serei um visitante: sou um filho da casa.

E retraí meu dispositivo até minha caserna em Cachoeira Paulista, não sem antes agradecer à comissão que nos recebeu a maneira gentil e cavalheiresca com que se desincumbiram de sua constrangedora missão.

A nossa falhou, mas Insisto com vocês: não se precipitem. A situação vai ser revertida.

Eu havia ligado um aparelho gravador, escamoteado em minha roupa, com o qual esperava gravar a pseudo cerimônia. Não o desliguei e gravei toda a conversa que tivemos no CIMAN. Porém, pelo nível com que fomos tratados pelos companheiros da comissão, considerei antiético difundir essa gravação. E a apaguei

PS 1 - *Abutralhas - Neologismo formado pela contração abutre + petralha, designando um ser repelente, desprovido de honra, moral, ética e patriotismo, provavelmente descendente do Homo neanderthalensis, que se supunha desaparecido, mas que agora acredito que tenha se desenvolvido despercebido em regiões pantanosas, chafurdando na lama, alheio ao processo de evolução da humanidade e por isso impermeável às qualidades morais que hoje ornam o caráter do homus erectus erectus.

José Gobbo Ferreira é Coronel Reformado.

2 comentários:

Anônimo disse...

Na canção interpretada por Mercedes Sosa:
"Que no calle el cantor porque el silencio
cobarde apaña la maldad que oprime,
no saben los cantores de agachadas
no callarán jamás de frente al crimén."
Não se cale Coronel, você tem o dever moral de continuar defendendo uma instituição ofertou grandes líderes nesta nação. Seus ideais e suas crenças devem ser defendidos até com o sacrifício da própria vida. Muito bom o artigo.
Tenente Coronel Ref PMDF Ivon Corrêa

Ronald disse...

Cel. Ferreira,
Mesmo sendo um feriado religioso seu texto veio reconfortar este humilde civil admirador do EB e que acompanha com profunda preocupação o sorrateiro e insidioso movimento para enfraquecer e desmoralizar a instituição.
Ainda m
esta-me a esperança de que PODEM VIR, POR AQUI NÃO PASSARÃO !!!!
Sds