domingo, 21 de outubro de 2012

As Drogas no Poder

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

Nos anos 80, o General norte americano Paul Gorman, comandante de tropas americanas sediadas no Panamá, declarou: "O povo norte-americano deve compreender que nossa segurança e a de nossos filhos está ameaçada pelos cartéis latinos da droga que tem mais êxito subversivo nos EUA do que tudo o que vem de Moscou (...) Para empreender uma ação armada com qualquer fim, o lugar propício para encontrar dinheiro e fuzis é o mundo das drogas."

Em 1985, um grupo de investigadores da Intellience Review, publicou um livro intitulado NARCOTRÁFICO S.A. - A NOVA GUERRA DO ÓPIO", onde lemos a afirmação: “Os herdeiros da velha Companhia Britânica das Ìndias Orientais – a mesma monarquia britânica e algumas das mesmas casas bancárias – iniciaram a nova Guerra do Ópio, exatamente com o mesmo objetivo da primeira vez: saquear as nações, destruí-las e sobretudo manter o poder do império”.

Em Outubro de 1979, segundo a obra citada, o Presidente Jimmy Carter, um homem da Comissão Trilateral, designou Paul Volcker, por apadrinhamento de David Rockfeller, para chefiar a Reserva Federal. Iniciava-se a manobra para “transformar a AL numa grande colonia produtora de drogas”. A rede bancária norte americana recebeu sinal verde para lavar dinheiro do narcotráfico.

Foi quando o consórcio anglo americano, elevou os preços do petróleo e fabricou uma crise, legalizando a usura e impondo juros de até 20%. “Os países em desenvolvimento, particularmente na AL, caíram nas manobras dos narcobanqueiros. Ao mesmo tempo, as dívidas nacionais duplicaram e triplicaram e o FMI acelerou o processo de recolonização”.

Culturalmente começava a ser imposta uma velha política segundo a qual a sociedade estaria dividida em dois estamentos: as grandes massas ignorantes e a elite, uma classe especial de homens responsáveis por decidir tudo quanto fosse de “interesse nacional”, servindo aos negócios e prosperidade privada. Mas esta relação entre poder e prosperidade privada de uns poucos, nunca deveria ser revelada ao povo ignorante.

O modelo de Estado controlado pela elite, parece dominar o mundo. De modo semelhante a um partido comunista, pretende atuar como liderança ou “vanguarda” das massas ignorantes, como dizia Lenin. Um consórcio de potentados econômicos posicionou-se acima e à margem do modelo instituído na fundação dos EUA. Para os “subdesenvolvidos”, colonizados, ou submetidos, sobraram os simulacros de democracia.

O impacto das políticas impostas por Volcker e M. Thatcher resultou na pressão sobre os países pobres forçados a endividar-se. Os investidores passaram a reduzir suas remessas, determinaram cortes nas exportações e atrasaram os pagamentos dos créditos devidos ao mercado exterior, principalmente de minérios obtidos nos países “em desenvolvimento”. Arquivaram-se projetos de infra estrutura e obras essenciais para a construção de economias saudáveis. Foi tudo adiado por ordem do FMI.

Além disto os “pobres” foram obrigados a pagar juros elevados nas parcelas do serviço de uma dívida que duplicou do dia para a noite, por vontade unilateral dos investidores externos que determinam as políticas do Fundo Monetário Internacional. “Foi isto que os poderosos de Whashington e Londres denominaram “Crise de débito do Terceiro Mundo”. Uma crise criada em Londres, Washington e Nova Iorque e não na Cidade do México, Brasilia ou Buenos Aires“.

Como consequência das políticas que resultaram na globalização da economia o mundo continua em estado de guerra. A city londrina, as elites e banqueiros anglo americanos inventaram uma nova crise. Entre nós, uma guerra assimétrica aterroriza os cidadãos, reféns das drogas e das quadrilhas que se multiplicam, pervertendo a infância e a juventude, destruindo famílias e matando mais gente de fome, doença, tiroteios, assaltos e acidentes de trânsito, que em guerras declaradas.

E nem contabilizaram ainda os danos irreversíveis causados por drogas baratas e mortíferas fabricadas em laboratório, como alguns vírus que foram espalhados pelo mundo. Nem as doenças degenerativas e cânceres resultantes de alimentos contaminados por agrotóxicos, - distribuídos mundialmente por empresas como a Monsanto - e consumidos, sem alternativa por toda a população. Incluam-se os conservantes, químicos para colorir alimentos, aspartame e outras drogas, para imaginar o tamanho do buraco.

A viznha Bolívia produz centenas de milhares de toneladas de coca por ano, que são revertidas em quantias de bilhões de dólares, superando o PIB boliviano. O comércio e consumo de drogas de todo tipo aumenta radicalmente no Brasil e em outros países do mundo. Vale lembrar a Colômbia e o Peru. Os provedores criaram mercados internos e além de corromper quase imobilizaram os poderes públicos.

Tudo controlado pelos mesmos idealizadores da Nova Ordem Mundial, famílias nobres, banqueiros e empresários situados em todos os ramos de negócios e dominando a extração mineral, agro pecuária, industria, comércio e construções, transportes e obras públicas, comunicações e educação, até distribuição de alimentos à rede varejista. É a América Latina de propriedade dos controladores que implantam a nova ordem mundial capimunista.

O terror, decorrente das políticas do crime organizado no poder, abre as portas para os constantes assaltos a bancos, matança de policiais, sequestros, tráfico de armas, colocação de bombas em locais públicos. Nos anos 60 os comunistas fizeram a escola dos que hoje, soldadinhos das drogas, atuam em cada esquina.

O Fundo Monetário Internacional, (FMI), ocupa hoje em dia o lugar da Companhia Britânica das Índias Orientais tornando pálida aquela Guerra do Ópio controlada pela realeza britânica. A guerra do Afeganistão acompanhada pelo gigantesco aumento da produção de drogas naquele país revela a intimidade e os propósitos iguais da máfia russa e das máfias das oligarquias ocidentais.

Propaganda contra a Verdade

Hannah Arendt observa que uma das características do totalitarismo é a utilização da propaganda para esconder a verdade, com a pretensão de firmar a ideia de que o único discurso válido é aquele do “determinismo histórico” e quem ficar de fora é marginal e vai se ferrar.

A fabricação e desenvolvimento de armas leves e pesadas é monopólio dos países altamente militarizados, que lucram com o contrabando destes produtos, auferindo os lucros do maior comércio mundial: o comércio da morte. As drogas são, no dizer dos analistas, o segundo maior negócio do mundo. Em terceiro lugar está o petróleo.

A movimentação do comércio clandestino de armas e drogas é trilionaria. Os comerciantes e gerenciadores situados nos diversos níveis da hierarquia maldita destas corporações, são respeitáveis senhores, grandes doadores de recursos para fundações, obras caridosas e campanhas políticas. São verdadeiros mecenas!

Aos governantes cabe utilizar a propaganda para esconder esta verdade. Precisam manter e fomentar este negócio magnífico. Nada melhor que controlar os próprios cidadãos prometendo mundos e fundos, promovendo campanhas, recolhendo armas particulares e com a polícia recomendando: “não reaja ao assalto!” Entregue tudo ao bandido! De modo educado, humilhado, impotente, agradecendo ao governo por indicar que só é possível sobreviver, rendido.

O tráfico ilegal de armas e drogas – primeiro e o segundo dos comércios mais rentáveis do mundo - não paga impostos. Seus recursos financeiros incalculáveis estão girando na rede bancária, disponíveis para a corrupção e propaganda, para contratar assassinos, prestigiar ou derrubar governantes.

Assim o “problema das drogas” se constitui na peça de propaganda arteira, prestigiando as máfias internacionais, empresas de sucesso, cujos membros de destaque compõem a “fina flor” da sociedade e ocupam postos de mando estratégicos no mundo institucional, principalmente financeiro, influenciando todas as políticas de Estado.

Os estudiosos calculam que 95% das realizações financeiras destes mercados, estão lavadas e depositadas nos bancos internacionais. O resto fica com os miseráveis dos países produtores, que nem Afeganistão, Camboja, Peru, Colômbia, Bolívia e na disponibilidade dos comerciantes que nem Marcola, Beira Mar e traficantes menores.

O que mais afeta é ignorar que tais políticas são alimentadas por conspiradores estrangeiros. Tudo escondido do conhecimento público. Tal conspiração abriga sistemas de governo e ideologias conflitantes, sincretismos culturais e religiosos e lança os tentáculos do ópio, haxixe, heroina, maconha, cocaína e centenas de venenos sintéticos. Muitos usados em experiências dos agentes da inteligência anglo americana.

Escondem como os soviéticos promoveram a disseminação das drogas no ocidente; escondem que Mao determinou que as terras mais férteis da China fossem cultivadas com papoulas para produzir ópio e comercializar no ocidente; escondem a intimidade de Fidel Castro com os cartéis colombianos e como transformou Cuba num entreposto de drogas destinadas ao comércio nos EUA.

Escondem que inundaram as nossas escolas para entupir os neurônios e disseminar mais facilmente as idéias coletivistas. A população nem desconfia do cancer que corroi as entranhas das nações submetidas às políticas da globalização econômica. O resultado está presente nas escolas, nas igrejas, nas feiras e supermercados, nos hospitais, nas ruas.

Os promotores estão a salvo, confortavelmente protegidos em suas gaiolas de ouro. Resta para os contribuintes a confusão mental e a esperança, quando as autoridades policiais informam, que prenderam um moleque com umas troxinhas de drogas ou um caminhão com centenas de quilos. Ou seja quantidades que nem chegam a afetar o grande comércio. As prisões são imediatamente relaxadas.

Referências: F. William Engdahl, “A Century of War – Anglo-American oil politics and the New World Order” - 1st English edition, 1993, Paul & Company Publishers Consortium, Inc., Concord, Massachusetts

Narcotráfico, a Nova Guerra do Ópio, Inteligence Review

Ricardo Vélez Rodríguez, “Violência, Narcotráfico e Terrorismo na América Latina”. Juiz de Fora, 2008.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

6 comentários:

Anônimo disse...

De modo pessimista, pode-se a admitir a possibilidade de acontecer aqui no Brasil. O modo superficial com que as nossas autoridades encaram o enorme perigo representado pelo comércio de drogas no Brasil, além do consumo cada vez maior atingindo todas as camadas sociais, nos oferecem um quadro futuro irreversível, se não forem tomadas medidas sérias. As penas para o tráfico necessitam urgentemente de leis como prisão perpétua ou mesmo de morte, como acontece em outros países. A decadência física e moral causada pelo consumo dessas drogas é desastrosa para um povo. Cagliostro

Manoel Vigas disse...



Saudações.

JÁ QUE ESTAMOS FALANDO VERDADES . . .

******************************
Hannah Arendt e “o seu” TOTALITARISMO preferido ? ? ?

FATOS:
--- nasceu em família judia.
--- amigou-se com o seu professor, o filósofo judeu Martín Heidegger e formou-se em filosofia na cidade de Heidelberg
--- no início do nazismo, colaborou em instituições ( as ONGs da época ) dedicadas a preparar jovens para viverem como operários ou agricultores na Palestina.
--- trabalhou como secretária da baronesa Rotschild, de uma família de banqueiros.
--- durante a Segunda Guerra Mundial que começou em 1939, por ser judia, Hannah foi enviada a um campo de concentração, em Gurs.onde ficou dois anos.
. . . “extranhamente” conseguiu fugiu para Nova York, em maio de 1941.
Uhmmm !!!
--- seus livros condenam o totalitarismo,
MAS ... NÃO TODOS.

CONFIRA:
...... O primeiro livro "As origens do totalitarismo" (1951)
.......Eichmann em Jerusalém - Uma reportagem sobre a banalidade do mal. Lisboa. Tenacitas. 2004.

INFELIZMENTE PARA Hannah Arendt PARECE SÓ EXISTIR UM TIPO DE TOTALITARISMO --- O NAZISMO

Em suas obras, o COMUNISMO, quando referido, apenas é tratado como “outro exemplo” de TOTALITARISMO.
... e não é comentário vão, pois conheço suas outras obras.

REFRESCANDO A MEMÓRIA:
Precisamos lembrar que O “Carrasco Comunista” é tão ou mais voraz e devorador sanguinário de seres humanos.

EXEMPLO DE ALGUNS MENTORES COMUNISTAS :
Marx,
Engels,
Lênin,
Trotsky,
Kaganovich,
Frenkel
e outros bandidos comunistas judeus que exterminaram mundo afora mais de 100 milhões de pessoas ! ! !

QUER PIOR:
SUAS “IDEOLOGIAS COMUNISTAS” CONTINUAM EXTERMINANDO,

AINDA HOJE EM 2012.

NOTA:
TODOS OS TOTALITARISMOS SÃO SANGUINÁRIOS.
TODOS PRATICAM A BANALIDADE DO MAL , A MANIPULAÇÃO DAS MASSAS E AINDA DISSIMULAM SUA PRETENSÃO DE PERPETUAÇÃO NO PODER.
SEJA O “NAZISMO” TÃO DEMONIZADO POR Hannah Arendt SEJA O “COMUNISMO” DOS MENTORES ACIMA, “ESQUECIDOS FACCIOSAMENTE POR ELA”

.... E QUEM SABE .... ATÉ TOLERADO POR ELA..

QUER FATOS ?

CONFIRA O TOTALITARISMO COMUNISTA:
São milhões de mortos que o mundo esqueceu

Holocausto Russo

http://frankherles.wordpress.com/2007/11/27/holocausto-russo/

Atenciosamente.
Manoel Vigas

BRAGA disse...

Prezado anônimo das 7:31 AM. De modo objetivo, isso acontece de fato também no Brasil (não se de admitir possibilidade; é uma realidade).
Nos meus 71 anos vivendo nesse planeta jamais vi algo igual. Agora "escancarou"!
Não se pega mais "leve". É jogo pesado.
As perdas de vidas de forma violenta (latrocínios, execuções e mais, esse papo de não reagir a assaltos,90% das vítimas não reagem. os "supostos" bandidos matam pelo prazer de ver o outro cair estrebuchando).
Só nesses 10 meses do ano de 2012, morreram mais pessoas que militares americanos na guerra do Vietnã que durou 9 anos (1966 - 1975).
Com muita muita tristeza, constato que só o Criador de tudo isso, poderá dar solução. O último asteróide passou bem "perto" do nosso planeta, entendeu?
Sorte nossa que essa "poderosa" minoria tem um ponto vulnerável.
Esse assistir o filme " A guerra dos mundos". Foi profético.
E a maioria, se unir e adotar, novamente, padrões éticos e morais, compatíveis com verdadeiros princípios (nada a ver com religião) cristãos!

Anônimo disse...

Nossa Bolsa de Valores em S.Paulo, serve para lavagem de dinheiro. È um fato consumado.

Anônimo disse...

Arlindo, deixa eu ver se entendi: quer dizer que o processo de comunizaçao e todas suas mazelas a qual passa a AL é de responsabilidade do "Grande Capital"??? "Das Zélites financeiras"???
Maximizar a culpa as Elites Financeiras Mundiais e mimimizar a culpa do "Socialismo do SeculoXXI-Bolivariano" me parece um papinho de comunista de boutique!
Para,né?
Daqui a pouco tem gente explicando a expansão islamica e sua Jihad devido a miseria economica daquele povo e botando a culpa no "Grande Capital"!!
Essa merda das drogas tem a ver com a ignorancia e omissao da maioria da populaçao da AL, discursos Pro-legalizacao de usuarios recreacionais calcado em falsos dados sociologico- epidemiologicos em comunhao com comunistas disfarcados de ambientalistas ,"Ongueiros", artistas-usuarios, e aventureiros!


Gililiu

marcelo disse...

O mundo jaz no maligno e, como tal, o que vocês esperavam dos filhos dele?