domingo, 21 de outubro de 2012

O lado que o vento sopra

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Marli Gonçalves

Levo à boca, dou uma molhadinha no dedo indicador, boto para cima e giro, imitando quem faz isso para ver de qual lado o vento vem, para onde vai. Sempre achei legal esse gesto, que bem que podia também ajudar a gente a decidir a vida. Mostrar a visão do futuro. Mas se eu não sei nem bem para o que serve saber a direção do vento...

O lado que o vento leva. O lado que leva o vento. O lado que o vento bate. A mudança do vento. Do lado. E de direção. É tudo tão rápido que, se bobear, vem o vento e leva o dedo. Sempre fiquei admirada de ver a cara concreta que as pessoas fazem para demonstrar a sabedoria e vivência, e como conseguem tentar prever coisas imprevisíveis, tanto quanto o vento, e com um invejável ar de segurança. O engraçado da coisa é que os únicos que vi mesmo acertarem em cheio previsões foram os caiçaras, que até para a sua própria sobrevivência não podem se dar ao luxo de errar: se dizem que a maré vai subir, que é Noroeste, que o tempo vai virar, se vai ou não dar peixe, escute.

Fora isso, furo n’água. Tô vendo isso nas eleições, no país. Quem achou que levaria ficou chupando o dedo, e sem depois colocá-lo para cima. Ao contrário. Não há nada nem local que seja seguro, casa de palha, madeira ou tijolos; Lobo mau espreita. Na política, na economia, no comportamento, na religião. Sinto frio na nuca.

Olhe para cima, e as nuvens vão criando desenhos diversos; quando você vê uma forma, já é outra, e às vezes nem a nuvem está mais lá. Levada pelo vento, unida a outras. Tudo rápido, rápido, cada vez mais rápido. Não há programação que resista, planos que possam ser completados, momentos de calmaria, confiança de que pescaremos algo para trazer para as nossas famílias, alimentar nossas fomes de tudo.

Para onde vamos? Qual força estourará as bolhas que se formam? Para que lado as hélices do moinho girarão? Tocarão nossas velas, impulsionando nossos movimentos, eletrificando cercas, iluminando o mundo? Ou o vento contra, que cria a resistência, é o caminho que deveremos tomar, libertários e teimosos? Veja como a biruta é bonita quando ereta, "flamulante", forma que inventei agora, misturando flâmula com movimento. E como tudo parece tão calmo quando ela está imóvel, como se o tempo estivesse parado. Mas aí tudo se congela, como final de capítulo de novela.

O vento: poderíamos ficar horas e horas matutando sobre esse fenômeno capaz de varrer e capaz de sujar. Capaz de gerar energia, movimento, eletricidade, estragar qualquer cabelo, trazer e levar. Fazer barulho bom ou fantasmagórico. Capaz de ser fraco e bom, ventilando novas ideias, refrescando, e capaz de ser forte, bem forte, unindo-se a outros ventos de encontrão, criando um monstro capaz de virar tudo de cabeça para baixo, criando ondas que não há surfistas que domem, ou redemoinhos infernais. Real e intangível, assim como a vida e suas previsões. Quantas vezes, tal qual Dom Quixote, avistamos um moinho e investimos contra ele, em sua direção, e na verdade ele não está mais lá, vamos indo porque continuamos vendo, e ele nunca existiu, e parecia que estava mais à frente!

Não há bússola. Ou aquele outro instrumento tão lindo e fascinante de que sempre gostei - o barômetro (que mede a pressão atmosférica, que cria o vento). Não há vento solar, o que acontece no espaço sideral. Não há nada que possa deter esse fantasma transparente, para que possamos analisar com calma para que lado devemos nos dirigir. É preciso faro, como aquele que a gente usa para saber de onde vem aquele cheiro delicioso de comida, para ir por ali; ou o que a gente usa para fugir do lugar de onde o vento traz os fedores. Ou aquele que traz chamados.

O mero ventinho, brisa, que traz também os perfumes e os feronômios, os perfumes humanos, pode fazer nascer paixões e tesões incontroláveis se captados.

Não adianta mesmo molhar o dedo para saber de onde vem o vento. Ele sempre baterá na gente. E temos que dar a cara. Como os cachorros fazem e se divertem quando andam de carro. Como as crianças aprendem a brincar com ele nas janelas, gargalhando.

Crianças e cachorros nunca pensam em previsões. Porque quando crescemos a gente sempre precisa saber? Bons ventos nos levem!E, como decretou Bob Marley, "os ventos que às vezes tiram algo que amamos são os mesmos ventos que nos trazem algo que aprendemos a amar"...

Ventos vão. Ventos voltam. Voos vindos ou idos com o vento podem trazer ou levar. Barlavento ou sotavento. Basta a gente mesmo escolher em que direção.

São Paulo, vento encanado, 2012

Marli Gonçalves é jornalista - Aprendeu que céu amarelo brilhante ao entardecer geralmente é sinal de vento no dia seguinte. E que Lua cheia com halo ao seu redor, bem perto, prenuncia vento forte. Halo longe, chuva perto; halo perto, chuva longe.

Nenhum comentário: