segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

“Domesticação das Forças Armadas”

“A Instituição será maculada, violentada e conspurcada diante da leniência de todos aqueles que não pensam, não questionam, não se importam, não se manifestam”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Marco Antonio Felicio da Silva

Algum tempo anterior à morte do General Sergio Augusto de Avellar Coutinho, tive o privilégio, o que ocorria de quando em quando, de com ele conversar sobre o marxismo-gramscismo, assunto que dominava e sobre o qual explanava com extrema maestria, segurança, profundidade e serenidade.

Há que se lembrar que ele, dentre os grandes estudiosos do assunto, foi o único que escreveu sobre a concepção revolucionária gramscista, sob forma didática, mostrando uma sistematização de sua operacionalidade.

Os dois livros que deixou, primorosos, “A Revolução Gramscista no Ocidente” (de 2002) e “Cadernos da Liberdade” (de 2003), apresentam Antonio Gramsci como um marxista inovador, não renegando ele o objetivo principal do marxismo-leninismo, porém, propondo para atingi-lo, nas sociedades democráticas e capitalistas, que chamou de ocidentais e nas quais se insere o Brasil, a estratégia da “Guerra de Posição” (conquista não violenta do poder, embora da violência não descarte em algum momento), traduzindo envolvimento longo e obstinado, ao contrário da estratégia da “Guerra de Movimento” que se caracteriza, fundamentalmente, pelo uso da luta armada em ataque frontal ao Estado existente.

Importantes para tal tipo de guerra, indica Gramsci a formação dos “Intelectuais orgânicos” (políticos qualificados, dirigentes e organizadores, formados no partido, para orientar, influenciar e conscientizar as massas), objetivando a busca da “hegemonia”, dentro da “sociedade civil”, das “classes subalternas” (trabalhadores) bem como o consenso, nas áreas psicológica e cultural.

Ao mesmo tempo, utilizando-se principalmente do patrulhamento ideológico e do politicamente correto, não só objetiva o envolvimento da “burguesia” (enquanto classe dirigente), “amestrando-a”, isto é, fazendo-a superar o senso comum até então vigente (senso comum é o conjunto das opiniões aceitas pela generalidade das pessoas da sociedade, fazendo com que opiniões discrepantes pareçam desajustadas), impregnando-a de novos valores e cultura, como também preconiza a assimilação e conquista ideológica dos “intelectuais tradicionais” (cientistas, filósofos, professores, escritores, artistas e profissionais dos meios de comunicação), transformando-os em aliados, companheiros de viagem ou em inocentes úteis.

O grande objetivo, segundo Gramsci, é a profunda e gradativa transformação política e cultural de toda a sociedade, substituindo valores de naturezas variadas, mudando padrões morais e a própria História do País.

Qualquer semelhança com o que vem ocorrendo no Brasil não é mera coincidência, porém, realidade palpável, encontrada, principalmente, nas iniciativas governamentais, como o Programa Nacional de Direitos Humanos, cujos efeitos podem ser encontrados nas escolas, desde o primeiro grau, como também na leitura diária dos jornais e nos demais meios de comunicação.

Assim, o General Coutinho, sempre enfatizando que fazia a sua parte, tal qual o sabiá que carregava água no bico para ajudar a apagar o incêndio na floresta, com o fito de salvar o seu ninho, não perdia oportunidade para demonstrar o quanto avançado está este processo revolucionário marxista-gramscista no Brasil, propiciando, já, profunda transformação política, histórica e cultural.

Desejava ele abrir os olhos daqueles que, por ignorância, incredulidade ou omissão, não cumprem o dever de a este processo se opor. Entre eles, os chefes militares, pois, consideram, os marxistas –gramscistas, as Forças Armadas como a última trincheira a ser conquistada na “Guerra de Posição”. Se “domesticadas”, não haverá mais qualquer oposição na caminhada para a “transição para o Socialismo”, isto é, para o comunismo.

O domesticar as Forças Armadas, ensinava o General, “se traduz por inibir a sua capacidade de oposição ao avanço lento e gradual do processo revolucionário marxista-gramscista, intimidando-as e desmoralizando-as perante a sociedade nacional. Trata-se de anular qualquer possibilidade de que venham a ser, novamente, baluarte da Democracia. Que não repitam 1964, impedindo um futuro assalto ao Poder por alguma das tendências revolucionárias existentes e ativas no desfecho da transição para o socialismo em curso em nosso País”

O processo de domesticação das Forças Armadas não ficará apenas na ação da chamada Comissão da Verdade (que já não se porta conforme o pré-estabelecido com as FFAA), agindo, ao arrepio da lei, somente contra os Agentes do Estado, valendo-se de mentiras e de meias-verdades. Paralelamente, sem o apoio dos atuais chefes, como ocorre com o Cel Ustra e outros, certamente serão levados à barra dos tribunais, ilegalmente, com a conivência de procuradores e de juízes revanchistas, os que combateram a subversão, o terrorismo e as guerrilhas urbana e rural nas décadas de 60 e de 70. Os militares, que cumpriram ordens legais, tornaram-se bandidos e os reais bandidos tornaram-se heróis. A Intentona Comunista e a Contra-Revolução de 64 devem ser tomadas como fatos a esquecer e desaparecer nas brumas do tempo, em nome de uma reconciliação unilateral.

O caso do cadete Lapoente torna-se emblemático de tal domesticação: Foram consumadas, sem reação, afronta à soberania nacional, desmoralização da Justiça Militar e a profanação de um santuário militar, a AMAN, onde colocou-se placa maldita. Foram aceitas, ainda, ingerências externas, consubstanciadas por solicitação ao Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), para análise de 23 supostas violações aos direitos humanos, ocorridas no âmbito das Forças Armadas, conforme estudo elaborado pelo grupo marxista Tortura Nunca Mais (GTNM/RJ) e, ainda, por alterações no “curriculum” escolar de formação de oficiais e praças, sob a orientação da Comissão Interamericana de DH/OEA.

Como dizia o gen Coutinho, que já preconizara a trajetória da Comissão da Verdade, novas “reformas democráticas” poderão advir: reformulação do sistema de inteligência militar; reforma da destinação constitucional das Forças Armadas; revisão dos regulamentos disciplinares incluso com a aceitação aberta de casamentos gays; revisão da Lei de Anistia; “democratização” das escolas militares de formação de quadros e do treinamento dos recrutas.

E arrematava o lúcido e valoroso General: “Embora despercebido pelas aparências da prática democrática, um movimento revolucionário da esquerda está em curso no Brasil. Só as pessoas de muito boa-fé não percebem isto. O momento que vivemos é, ainda, de correlação de forças políticas. Por isto, só os políticos e as organizações e partidos liberais democráticos poderão deter a marcha das esquerdas para o socialismo monocrático e opressor. Os brasileiros esclarecidos e responsáveis não podem ignorar o que está efetivamente acontecendo e devem iniciar a resistência política e ideológica enquanto é tempo.”

Marco Antonio Felicio da Silva é General na Reserva do EB.

4 comentários:

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

O texto que ora comento, inicialmente li no Grupo Guararapes, agoar aqui no Aleta Total. Lá inseri um comentário que transcrevo, omitindo parte que foi especialmente em relação ao portal Grupo Guararapes:

'Alguns pontos que peço observar: .......Mas ao que o exmo. sr. gen. Marco Antonio Felicio da Silva escreveu, palavras acertadas; mas observe que o gen. propõe fica dificil a mim e a outros proceder, pois minha ação individual de respeito às FFAA brasileiras é inquestionável, também meu esforço em pról do cel, Ustra. Mas sou como aquele sabiá carregando apenas gotinhas no bico. Porém se ajuntassemos os sabiás num bando, possívelmente provocariamos um diluvio sobre o fogo que se alastra na floresta, mas como ajuntar aves que buscam o furtivo, a solidão? Por motivos e descaminhos não sei do porque, parece temerem a união, esses sabiás. Como ajuntar-mo-nos? Se nem mesmo respondem a pios de chamamento? Escondem endereços, não respondem, parecendo mais serem monges de claustro do que aves que amam a liberdade do voo livre.

Agora mesmo pretendia enviar mensagem de congratulações a esse digno brasileiro que produziu tal texto acima, mas onde está ele? Em que endereço se encontra?'

P.S.-em tempo adiciono uma pergunta: será que estão bem intencionados, pretendendo mesmo resolver a situação, ou estão somente protelando até que o Estado caia de podre, quando então instituirão uma brutal ditadura militar de cunho socialista cristão?

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

O texto que ora comento, inicialmente li no Grupo Guararapes, agoar aqui no Aleta Total. Lá inseri um comentário que transcrevo, omitindo parte que foi especialmente em relação ao portal Grupo Guararapes:

'Alguns pontos que peço observar: .......Mas ao que o exmo. sr. gen. Marco Antonio Felicio da Silva escreveu, palavras acertadas; mas observe que o gen. propõe fica dificil a mim e a outros proceder, pois minha ação individual de respeito às FFAA brasileiras é inquestionável, também meu esforço em pról do cel, Ustra. Mas sou como aquele sabiá carregando apenas gotinhas no bico. Porém se ajuntassemos os sabiás num bando, possívelmente provocariamos um diluvio sobre o fogo que se alastra na floresta, mas como ajuntar aves que buscam o furtivo, a solidão? Por motivos e descaminhos não sei do porque, parece temerem a união, esses sabiás. Como ajuntar-mo-nos? Se nem mesmo respondem a pios de chamamento? Escondem endereços, não respondem, parecendo mais serem monges de claustro do que aves que amam a liberdade do voo livre.

Agora mesmo pretendia enviar mensagem de congratulações a esse digno brasileiro que produziu tal texto acima, mas onde está ele? Em que endereço se encontra?'

P.S.-em tempo adiciono uma pergunta: será que estão bem intencionados, pretendendo mesmo resolver a situação, ou estão somente protelando até que o Estado caia de podre, quando então instituirão uma brutal ditadura militar de cunho socialista cristão?

Anônimo disse...

Somalia nunca teve ouro, por que nosso tesouro nacional serviria para guardar ouro que nao fosse nosso? Por favor, contacte imediatamente um economista e tambem o BNDES, Banco Central e as liderancas indigenas. VOCES PRECISAM SE UNIR !!!

DESDE QUANDO A SOMALIA TEM OURO?
DESDE QUANDO NOSSO TESOURO EH PUBLICO ???

"The consensus that has been reached by U.S. and European IMF officials includes the repatriation of 14.7 metric tons of Somalia gold that is currently sitting in vaults at the Brazilian treasury."

http://www.stewwebb.com/World_Economy_Ready_for_a_Reset_20121223.htm

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=EewGMBOB4Gg

Anônimo disse...

Em oito anos de governo repleto de escândalos, Lula conseguiu obter uma inédita aprovação crescente. A sucessora Dilma, em dois anos administrando negociatas de seus ministros, vai pelo mesmo caminho. João Paulo Cunha, condenado à prisão e impedido eleitoral, é ovacionado na posse do prefeito de Osasco. Pelo Brasil, 70 candidatos a prefeito, impedidos de tomar posse por motivo de ficha suja, foram os preferidos do eleitorado. Na política brasileira, temos inúmeras figuras que há décadas são bem sucedidos na incolumidade, como Sarney, Maluf, Renan, etc., etc. Todos são religiosamente eleitos, sem necessitarem de propaganda eleitoral. Entretanto, não lhes faltam votos em troca de miudezas. E vão crescendo em número à cada eleição. Que Deus nos proteja... Cagliostro