segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Os Involuntários Mártires do Regime

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio Ribas Paiva

A conspiração do silêncio foi rompida pela revista Veja, e as falcatruas da classe política e do seu Regime de suposta democracia vieram a público.

A maioria artificial na Câmara, obtida a peso de ouro pelo Governo Federal, para aprovar legislações de interesse do Regime, denunciada por Roberto Jeferson, é a práxis das Câmaras legislativas no País.

Nos últimos 30 anos, todos os prefeitos de São Paulo e Governadores do Estado aproveitaram confortável maioria no legislativo. Não foi “a troco de conversa” que Sarney conseguiu o 5º ano de mandato e Fernando Henrique a reeleição. Lula chamou o Mensalão de caixa dois e, gaguejando, confessou em Paris, que todo mundo fazia.

O fato é que a Classe política e a alta administração pública constituem uma Casta de poder e dinheiro, à custa da Nação. Protege este Regime de Castas de Poder Político um véu de Suposta democracia, defendido por todos os beneficiários. Qualquer crítica é rotulada por eles de antidemocrática.

As oposições são de fancaria porque o Regime de Castas beneficia a todos os poderosos. Quem salvou o Lula da cassação, no episódio do mensalão, foi Fernando Henrique e o seu PSDB.

Com o mensalão, publicado e republicado na mídia, a verdade passou a ameaçar o Regime, devido à impunidade dos acusados.

O poder real, que manipula os cordéis do teatro de marionetes do poder formal, no País e no mundo, não teve outra alternativa: lançou seus antigos aliados a julgamento no Supremo Tribunal Federal, para salvar o seu Regime.

O Supremo Tribunal Federal subverteu a Ordem Cronológica dos seus processos e julgou os mensaleiros, com estardalhaço, em clara tentativa de salvar o Regime, vitimando os mensaleiros com pesadas penas de prisão.

Até aí tudo bem, porque muitos deles mereciam até o fuzilamento previsto no art 357 do Código Penal Militar, por tentar submeter o território pátrio ao talante de interesses estrangeiros, com a criação de falsas reservas indígenas e ambientais, como a IANOMAMI e a Raposa Serra do Sol - por sinal, aprovada por 10 entre 11 ministros do Supremo Tribunal Federal, que, depois, com cara de maus, condenaram os Mensaleiros.

Era isso, ou a imediata queda do Regime da Suposta Democracia.

Os mensaleiros foram a bola da vez: Mártires involuntários do Sistema da Falsa República Brasileira. É falsa porque a Rés não é pública, mas privada, da casta do Poder.

Porém, o julgamento, a título de fazer Justiça, satisfazendo a justa indignação da Nação, condenou os réus, sem provas: Apenas por suposições e circunstâncias, subtraindo à sociedade os parâmetros legais e criando insegurança jurídica para todos.

Haverá um efeito cascata e todos os juízes do País passarão a julgar e condenar as pessoas de acordo com aparências, suposições e circunstâncias e não com base na lei, escoimada, em provas, como deve ser. Doravante, todos estaremos sujeitos ao cárcere ou a pesadas multas, a juízo dos prepostos do Regime.

É a ditadura do Controle Social, pela distorção da aplicação da lei penal. Apertou-se o nó do encoleiramento da sociedade. Portanto, todos fomos condenados com os mensaleiros. Agora, muitos esquecem que interessa à sociedade o império da lei e não a vontade e conveniência dos poderosos, daqui e de fora.

Outro perigo para a sociedade foi a dosimetria das penas aplicadas, que foram distorcidas e agravadas para representar o Rigor da Corte para o público.

Mesmo que existissem provas, fato quase impossível nos crimes de trafico de influência e corrupção, porque são crimes invisíveis, os crimes aludidos são continuados e os réus são, na maioria, primários. Portanto, o espalhafatoso julgamento público não poderia agravar as penas base e, muito menos, aplicar o concurso formal, porque os delitos meio não podem ser apenados. Exemplificando: o assaltante não pode ser processado por porte ilegal de armas, porque é delito meio do crime de roubo.

Sob a aparência de Rigor da Corte, o Mensalão, na verdade, foi um julgamento político, cuja principal condenada foi a Nação, que perdeu seus parâmetros legais. Tudo, para salvar o Regime da Suposta Democracia e o Sistema da Falsa República.

Compete aos segmentos esclarecidos da sociedade desmistificar os fatos, em proteção das instituições e da liberdade.

Antônio José Ribas Paiva, Advogado, é presidente do Grupo de Estudos União Nacionalista Democrática – UND.

12 comentários:

Martim Berto Fuchs disse...

O sistema político brasileiro faliu. Amparado nos partidos políticos que teoricamente deveriam situar-se como situação e oposição às propostas apresentadas no Congresso, o que se vê há muitos anos é que fatores "extras" determinam a posição desses partidos. Nada a ver com política e tudo a ver com Poder e negócios.
Não foi a quadrilha do PT, que só está no Poder por causa de Lulla, que inventou a roubalheira de dinheiro público para alimentar o partido e de quebra as contas correntes particulares no exterior.
Ademar, Maluf, Quércia, Jader, Nexton, etc, são apenas alguns exemplos do afirmado acima.
O que precisamos encarar definitivamente é que o sistema político baseado em partidos, desde o século 18 na Inglaterra, acabou. Aqui e em todos países.
Só teremos democracia no sentido literal da palavra, quando for a sociedade a escolher seus candidatos à candiato.

http://capitalismo-social.blogspot.com.br/

(mês de agosto)

Bruno Toscano disse...

Brilhante o texto e extremamente esclarecedor em todos os aspectos...Mais sucinto, direto e didático para abrir os olhos de quem está dormindo, não há...

Anônimo disse...

desculpe-me, mas o escriba naõ me venha com este papo de julgamento político(porra nenhuma).querias o que?mereciam serem fuzilados por traiçaõ à patria.parece-me que o escriba está defendendo ideias em causa própria.as elites de todas as facetas deste país, naõ tem projeto para o mesmo,estaõ sempre manipulando em benefício próprio. E isto naõ é culpa de nenhuma Oligarquia Financeira Internacional.isto é falta de caráter e patriotismo.

Anônimo disse...

Quem salvou o Lula da cassação, no episódio do mensalão, foi Fernando Henrique e o seu PSDB.

Gostaria de acrescentar que talvez FHC tenha salvado LULA, mas custou muito caro ao país, pois o LULA já havia salvo o governo FHC quando encobriu totalmente o caso Banestado.

São farinhas do mesmo saco.
Não dá para separar o joio do trigo, pq não tem trigo.

Leandro Eduardo Alves Lopes disse...

Ilmo Sr. Antonio .. Paiva, concordo com a tese do sacrifício da Sociedade Democratica em prol da manutenção da falsa democracia. Contudo, pela minha ignorancia no assunto tao complexo não consigo enxergar outra alternativa de punição para os corruptos. Estou muito impressionado e interessado em conhecer e aprender com o grupo de estudos da UND, onde posso encontrar mais conteudo digital sobre a União. Sou apenas um estudante de engenharia em uma faculdade particular e um empregado do setor privado. Grato por vossa atenção.

Leandro Eduardo Alves Lopes disse...

Ilmo Sr. Antonio, concordo com a tese do sacrifício da Sociedade Democratica em prol da manutenção da falsa democracia. Contudo, pela minha ignorancia no assunto tao complexo não consigo enxergar outra alternativa de punição para os corruptos. Sou apenas um estudante de engenharia de uma instituição particular e empregado do setor privado, gostaria muito de saber onde posso encontrar material digital on line para maiores estudos e aprofundamento sobre o grupoo de estudos da UND. Grato pela atenção.

Anônimo disse...

Condenou sem provas coisíssima nenhuma! Essa é a falácia que os petistas e seus apologistas andam espalhando por aí, a pretexto de salvaguardar a mesma democracia contra a qual atentaram da forma mais traiçoeira possível, naquilo que o ministro Celso chamou de "megadelinquência governamental" e que o ministro Ayres chamou de "projeto raso, seco e golpista de poder". Quem acompanhou o julgamento de perto ficou, a exemplo do ministro Fux, estarrecido com a quantidade de provas indiciárias e testemunhais que atestam a culpa dos réus. Quanto à chamada "continuidade delitiva", restou compreendido, na interpretação da maioria dos juízes, que não era aplicável nos casos julgados.

Deixando de lado qualquer teoria da conspiração, prefiro acreditar naquilo que salta à vista de todos, que é o empenho do lulopetismo, em parte já vitorioso, de fazer, aqui no Brasil, a mesma lambança político-institucional que os seus cúmplices do Foro de São Paulo andam fazendo em outros países da América Latina.

Cadeia nele!

Wilson Barbosa disse...

Não acredito que um texto tão bem elaborado como este seja capaz de abrir os olhos de alguém.

Tenho alguma experiência com pessoas e suas psicologias.

Uma pessoa normal ao se deparar com algum escândalo na política, na sociedade ou na economia, sai de sua zona de conforto mental e entra numa zona de conflito mental.

A tendência do cérebro desta pessoa é fazer de tudo para retornar à sua zona de conforto anterior à de conflito, chegando até mesmo a aceitar mentiras oficiais para sossegar sua mente.

Por isso, nunca esperem que tão sábias palavras demoverão as pessoas de pensarem segundo esquemas mentais que lhe são impostos a fim de mitigarem a indignação que sentem diante dos mal-feitos políticos.

Solução? Oras, a mesma de sempre: contra-golpe militar.

Ao menos para o Brasil sempre tem se mostrado a melhor solução diante de crises institucionais e criminalidade crescente em todos os escalões.

Anônimo disse...

Alerta! Observado desde fora do Brasil: Voces estao lutando as guerras do passado - entre brasileiros. Os adversarios permanentes de todos os brasileiros (sejam conservadores nacionalistas ou socialistas nacionalistas) - estao preparado um ofensiva (outra mais!) contra o Brasil em 2013 para desestabliciar a unidade nacional, generar confusao antes do Mundial e a elecao 2014. Os EUA fiquem discretamente no fundo - e deixam seus "parceiros" da OTAN (Alemanha e Bretanha principalmente, junto com o Vaticano) de fazer uma ofensiva fora e dentro do Brasil: Com pretextos dos "Direitos indigenas" (Demarcacoes com fim de "autonomias" aseguradas pela OAS , fora do control do governo do Brasil), paralisao dos PAC Belo Monte e Rio Sao Francisco, propaganda contra o Codico Florestal, Pec 215, Portaria 303. A ofensiva sera ativada pelos Partidos Verdes de Alemanha e Franca. O Cazique Raoni esteve com o President Hollande em Paris, e o cazique Uilton Tuxa esteve no Congresso da Alemanha, logo com deixou uma queixa formal na ONU Ginebra, contra o Congresso e governo do Brasil. Todo preparado junto pela CIMI, e ONGs ligados aos Partido Verdes de Alemanha e Franca, alem oportunistas-agentes da OTAN e EUA infiltrados na esquerda alema e frances. A principal ONG no Brasil e "Fundacao Heinrich Boell" - ONG do Partido Verde alema, financiado pelo Congresso de Alemanha.

Anônimo disse...

Para documentar para o leitor minha alerta: A ofensiva dos Partidos Verdes a Alemanha e Franca contra Brasil estao ativados - veja "Fundacao Heinrich Boell Rio de Janeiro" - com informacao acerca a carta ao BNDES contra Belo Monte. Logo ao fim onde e "clique aqui" vea ao FIM do documento as ONGs nesta ofensiva!

Anônimo disse...

Pelo andar da carruagem, pautado, agora, pelas bombásticas revelações de Marcos Valério acerca do envolvimento de Lula no Mensalão, teremos que evocar novas e atraentes teorias para lastimar qualquer punição ao petista, caso seja derrogada a sua condição de impunidade perpétua.

Ele é, assim, o novo "mártir involuntário do regime". Cem anos de perdão pra ele!

Anônimo disse...

Pelo andar da carruagem, pautado, agora, pelas bombásticas revelações de Marcos Valério acerca do envolvimento de Lula no Mensalão, teremos que evocar novas e atraentes teorias para lastimar qualquer punição ao petista, caso seja derrogada a sua condição de impunidade perpétua.

Ele é, assim, o novo "mártir involuntário do regime". Cem anos de perdão pra ele!