terça-feira, 5 de março de 2013

Nuvens marciais no horizonte político


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Ricardo da Rocha Paiva

Os soldados estão apostando no cacife de suas probidades castrenses para um eleitorado baqueado pelo escândalo nacional do “mensalão”. Que se diga, sobram personalidades na reserva das Forças Armadas, no mínimo contundentes, para preenchimento de cargos eletivos nas próximas eleições.  Se não vejamos.  

General-de-Exército R/1 Augusto Heleno Ribeiro Pereira, todos conhecem este brasileiro corajoso, ex-comandante militar da Amazônia, brevetado pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva, militar que sabe tudo sobre os problemas da grande região norte, dominando com absoluto conhecimento de causa a problemática indígena, sendo talvez o único cidadão com cacife político e moral para, de forma competente, fazer reverter o quadro periclitante do, já adiantado, processo de “kozovonização” das descomunais reservas concedidas à base do “Deus dará” ao longo da faixa de fronteira e no interior das unidades da federação, em franco descompasso com a realidade de nossas expectativas de desenvolvimento pecuário, agrário e de exploração mineral.

Os brasileiros, que se diga, já estão ponderando muito bem o risco de uma secessão territorial, particularmente em Roraima, uma cobiça visualizada “em prosa e verso”, descaradamente, pela Inglaterra. Há indícios de que sua candidatura ao Congresso pelas unidades da federação ameaçadas por esbulhos separatistas seria imbatível.
G
eneral-de-Brigada R/1 Marco Antônio Felício da Silva, soldado de visão prospectiva, ex-oficial de ligação ao Comando de Armas Combinadas do Exército dos EUA, profundo conhecedor dos meandros da política militar dos EUA, especialmente com relação ao Brasil. De liderança indiscutível, particularmente conhecido em Belo Horizonte/MG, sua capacidade de aglutinação foi posta à prova quando encabeçou o “manifesto dos militares”-E ÊLES QUE VENHAM, POR AQUI NÃO PASSARÃO-, em março último, de expressiva adesão, não só pelo segmento militar da sociedade como, também, pelo seu correspondente civil. Este chefe militar, que também domina com conhecimento aprofundado o processo de desintegração étnico/social porque passa atualmente o País, se apostasse numa incursão no campo político, particularmente em estados da região leste ou centro-oeste, não seria em vão.

General-de-Brigada R/1 Luiz Eduardo Rocha Paiva, sim, justamente aquele que, parodiando o famoso escorço ”Falta Alguém em Nuremberg”, de autoria do saudoso jornalista David Nasser, desarmou a notória repórter Miriam Leitão, dizendo que “faltava alguém na Comissão da Verdade”. Interessante é que este debatedor, imbatível em várias emissoras de TV sobre a tal comissão, que se diga, mercê de “curriculum” escolar invejável (4º de turma na Academia Militar das Agulhas Negras/AMAN e 1º nas escolas, de Aperfeiçoamento de Oficiais/ESAO e de Comando e Estado-Maior do Exército/ECEME; ultrapassado, sim, pelo General Heleno que é “1º” nos três institutos), articulista emérito de assuntos militares no nível estratégico nos maiores jornais do País, não vem sendo mais convidado pelas emissoras de televisão para entrevistas/painéis pertinentes à Estratégia Nacional de Defesa, assunto em que é especialista. É indicativo que um postulado representativo, em Brasília ou São Paulo, vai surpreendê-lo.

Resta saber que oficiais-generais se lançarão por São Paulo. As especulações são muitas, não faltando nomes de invejável estatura moral para representar um eleitorado espezinhado por “anões do orçamento”, “pizzaiolos”, “distribuidores de panetone” e “mensaleiros”.                                                                                

Paulo Ricardo da Rocha Paiva é Coronel de infantaria e Estado-Maior na reserva.

10 comentários:

Marcelo Baglione disse...

Prezado Cel Ricardo da Rocha Paiva,

E no Rio de Janeiro... não vai nada não? Quero selva no poder do Estado!

É um bálsamo ver esta lista - ilustríssima! - de homens com três colhões aptos, a proporem seu nomes para qualquer cargo de nossa administração política, seja onde for.

Pergunto mais uma vez: E no Rio de Janeiro... não vai nada não? Seria um prazer e grande honrar levar um militar digno ao poder.

Parbéns!
Abraços,

Marcelo Baglione

Anônimo disse...

É impressionante como o cel Rocha Paiva advoga em causa própria. Porque só os generais?

Anônimo disse...

Militares no Poder através de eleições com urnas eletrônicas comprovadamente 100% manipuláveis.

Este coronel è um sonhador, um lirico. Também acredita na Fada Sininho, no Papai Noel?

Tem cada um!

Vivemos uma ditadura capimunista corrupta e traidora, altamente lesiva à nossa soberania, mas este coronel se esquece que quem tem armas, manda!

Ele alguma vez agarou em alguma?

Manoel Vigas disse...



Saudações.

“ ... para preenchimento de cargos eletivos nas próximas eleições.”

VENCER PELAS URNAS.?

QUEM ASSIM PENSA , DEVE DAR UMA OLHADINHA EM:

Confiabilidade das Urnas Eletrônicas no Jurídico News - JustTV - 23/05/12

http://www.youtube.com/watch?v=kpinZwI3gfs&feature=player_embedded


NOTA:

Nos os CIDADÃOS bem intencionados . . .

. . . ESPERAMOS DOS MILITARES QUE PELO MENOS ESTEJAM ATENTOS À REALIDADE DO CENÁRIO NACIONAL.

**************************
MEU SANTO PADINHO PADE CIÇO !!!

IMAGINE NUMA GUERRRA ! ! !

PREFIRO NÃO COMENTAR.


Atenciosamente.
Manoel Vigas

José Antonio disse...

Militar é feito para defender a soberania nacional e não comandar uma democracia, atualmente ausente em nosso país, haja vista que se requer para seu equilíbrio uma oposição forte e atuante, o que nós não temos. Temos é uma pseudo-oposição desarticulada, conivente e que sofre de "circuito" interno.
Os militares devem sim, se respaldarem da inteligência para restabelecer a ordem e a justiça no nosso país, se preciso com armas em punho, bem como impedir qualquer desvio da vontade poupular por interesses escussos.

Manoel Vigas disse...





Saudações.


Ilmo. Sr. José Antonio disse... 3:38 AM

“Militar é feito para defender a soberania nacional e não comandar uma democracia,...”

CONCORDO PLENAMENTE COM SUA COLOCAÇÃO --- CORRETA.

MOSTRA NESTA FRASE UMA POSTURA ATENTA, FUNDAMENTADA NUM REGIME DEMOCRÁTICO CONSCIENTE E HONESTO.

MAS, INFELIZMENTE NÃO ESTAMOS NEM PERTO DE UM REGIME DEMOCRÁTICO CONSCIENTE E HONESTO.

ASSIM, URGE QUE RECOLOQUEMOS O “VAGÃO NOS TRILHOS”.

O POVO BRASILEIRO FOI TRANSFORMADO EM ANIMAL.

,,,,, E ESTÁ SENDO USADO PELOS SEM DIGNIDADE PARA ATINGIR A PERPETUAÇÃO NO PODER.

ESTE É O SACRIFÍCIO CRUEL QUANDO PRETENDEMOS A DEMOCRACIA PLENA !!!

NO MOMENTO, INFELIZMENTE, NÃO EXISTE OUTRA SOLUÇÃO PARA RECONDUZIR A NAÇÃO PARA “ESTA DEMOCRACIA QUE PRETENDEMOS”.

RESUMINDO:
AÇÃO MILITAR JÁ.

QUEM PENSA NAS URNAS TERÁ DECEPÇÃO.

MELHOR,
.... DEVE DAR UMA OLHADINHA EM:

Confiabilidade das Urnas Eletrônicas no Jurídico News - JustTV - 23/05/12

http://www.youtube.com/watch?v=kpinZwI3gfs&feature=player_embedded

NOTA:

OS MILITARES JÁ DERAM O EXEMPLO NO PASSADO AO RECONDUZIR SEU COMANDO AOS CIVIS.

CERTAMENTE O FARÃO DE NOVO.
( são legalistas por natureza ).


Atenciosamente.
Manoel Vigas

Anônimo disse...

Parabéns Coronel Rocha Paiva!
Um dos poucos que tocou no assunto, até agora.
Com certeza temos mais nomes e pessoal muito bem preparado e qualificado para assumir cargos políticos nas esferas Municipal, estadual e Federal.
O interesse é pouco. Além dos gastos com campanha, a ação intimidadora da "máfia".
Abraço

Anônimo disse...

Sou brasileira e quero ajudar. Aqui um "site" muito interessante, nao se esqueca que as informacoes sao "intencionais" (como se podera constatar no video seguinte, bastando apenas atentar para quem fundou essa organizacao localizada no Texas):
http://www.stratfor.com/

E aqui esta o video desmascarando o fundador do "site" acima:
http://www.youtube.com/watch?v=oeHzc1h8k7o

Agora so um recarinho, senhores: SEM HONRA,VERDADE E HUMILDADE nao existe um militar ...

Anônimo disse...

O Gal. Heleno seria um ótimo candidato à presidência. Seria a primeira alternativa real de voto que teríamos desde que recuperamos o direito de eleger o presidente da república.

Anônimo disse...

Anônimo (ou brasileira querendo ajudar): o "documentário" que você recomendou conta um lado só da história. Não lhe condeno. Como nasci em 64, recebi essa lavagem cerebral tbm. Hoje, agradeço aos militares por terem nos livrado dos aloprados da época. Você deveria agradecer também.