sábado, 6 de abril de 2013

Uma História Verdadeira


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por José Carlos Leite Filho

A “Comissão Nacional da Verdade” (CNV) foi criada pela Lei nr 12.528, de 18/11/11, com a finalidade de examinar e esclarecer as graves violações de direitos humanos praticadas no período de 18/09/46 a 05/10/88 a fim de efetivar o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional. Vale dizer: no período atingido pela anistia de que trata o Art. 8º. do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

É triste, vergonhoso e revoltante constatar que o caminho que vem sendo trilhado pela citada Comissão zomba da memória, ignora a verdade e nada faz pela reconciliação nacional, mostrando-se tendenciosa e parcial ao só se interessar pelas ações de um dos lados, aquele das instituições militares, que são criminalizadas, embora tenham salvo o Brasil das garras comunistas, ao mesmo tempo em que procuram beatificar os terroristas. Alguns hão de dizer que foram aqueles os que, pela tortura, violentaram os direitos humanos...

E as ações terroristas da esquerda armada, não foram também graves violações dos direitos humanos? A resposta positiva é óbvia. E onde está a “promoção da reconciliação nacional”? Não interessa porque o verdadeiro objetivo é a revanche mediante o uso sistemático da mentira. É estranho que tal desiderato esteja a cargo de sete (número da mentira) membros nomeados pela Presidente da República com salário de R$11.179,36, além de passagens e diárias.

Para exemplificar a violência dos pretensos beatos, já que a obviedade da mentira dispensa alongamentos de escrita, serão citados a seguir apenas algumas de um rol superior a cem vítimas dos militantes de esquerda. Ei-las a seguir:

1.       Em 25/07/66: dois mortos, sendo um jornalista e o outro um almirante, e dezessete feridos em atentado à bomba no aeroporto dos Guararapes, em Recife (PE), cujo alvo era o Presidente Costa e Silva;

2.       Em 24/11/67: tortura e morte do fazendeiro José Gonçalves Conceição, “Zé Dico”, cujo filho foi baleado ao tentar socorrer o pai, durante invasão de fazenda em Presidente Epitácio;
3.       Em 26/06/68: assassinato do soldado Mário Kozel Filho com a explosão de uma bomba no atentado terrorista contra o Quartel-General do II Exército, em São Paulo, em ação da Vanguarda Popular Revolucionária chefiada pelo desertor Carlos Lamarca;

4.       Em 01/07/68: assassinato do Major do Exército alemão Edward Von Westernhagen na Gávea (RJ) por ter sido confundido com o Major boliviano Gary Prado, suposto algoz do Che Guevara;

5.       Em 12/10/68: assassinato do Capitão Charles Rodney Chandler, do Exército norte-americano, então aluno da Fundação Álvares Penteado (SP), metralhado na porta de sua residência, por decisão de um “tribunal revolucionário” da Vanguarda Popular Revolucionária porque “seria um agente da CIA” e

6.       Em 10/12/70: morte do Agente da Polícia Federal Hélio de Carvalho Araújo, alvejado pelo terrorista Carlos Lamarca durante o seqüestro do Embaixador da Suiça Giovanni E. Bucher....

Caberá aos leitores julgar o procedimento da tão falada CNV a soldo oficial e concluir pela honestidade dos seus propósitos! Onde está a credibilidade dos que se propuseram “efetivar o direito à memória e à verdade histórica”?

Para finalizar, nada melhor do que saudar o 31 de março de 1964 e exaltar os que deram a vida em defesa da democracia!

José Carlos Leite Filho é General de Exército na reserva – linsleite@supercabo.com.br – Originalmente publicado em “O Jornal de Hoje”, de 30/31-03-13-Natal/RN)

4 comentários:

Emanuel Nunes Silva disse...

Minha sugestão desde o início desta palhaçada foi:
Já que não querem respeitar a Lei da Anistia Ampla Geral e Irrestrita... Que se rasgue a Lei. Doa a quem doer. Porquê o Governo não faz isso... O que temem afinal?... Não, não querem isso, preferem que imoralmente inconstitucionalmente a Lei seja parcialmente inválida e valha para apenas um dos lados envolvidos.
Apesar de sua validade jurídica, A Lei da Anistia é um exemplo vivo de como as massas podem ser manipuladas e usadas para se legitimar o ilegitimável e, ainda assim, conseguir a simpatia internacional por passar a imagem de que promovem a Democracia. Ora Bolas... Ou se cumpre a Bosta da Lei ou não. Meu raciocínio é simples assim!

SELVA!!! disse...

COMO V.EXª FAZIA USO (ABUSO) DAS PALAVRAS
EM SUAS LONGAS FORMATURAS SEMPRE DIZIA:"NOSSOS CHEFES ESTÃO PREOCUPADOS". PERGUNTO A V.EXª QUE PREOCUPAÇÃO ERA, ESSAS????

Anônimo disse...

O erro dos militares foi deixar esta turma voltar pra bagunçar com o Brasil como estão bagunçando. Há que se abrir outra comissão para apurar os crimes praticados por eles também. Os que morreram do outro lado, também são humanos.

Anônimo disse...

Boa idéia do anônimo das 11:18 AM...

Que se abra tambem uma "Comissão da Verdade Brasileira" pelo grupo interessado no outro lado da história, a qual estão tentando contar apenas a metade. Qualquer pessoa ou grupo pode fazer uma acusação formal e abrir um inquerito. De repente e finalmente, a Lei da Anistia poderia parecer uma boa idéia para essa cambada de terroristas e ladrões enrustidos. Ou então que se leve a julgamento e se condene essas terroristas, a exemplo do que fez a Itália com o Cezare Battisti. Por certo essa trupe não ia ter refugio lá como o Battisti teve aqui. Para isso, Cuba seria mais apropriado...
Jmv