quinta-feira, 23 de maio de 2013

Audiência na Comissão Nacional da Verdade

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Valmir Fonseca
Aos Senhores Membros, Amigos e Simpatizantes do Ternuma.
No dia 17 de maio (6ª feira), por volta das 1700 horas, recebi em minha residência, a convocação para comparecer à sede da Comissão Nacional da Verdade, no dia 21 de maio (hoje) de 2013, às 1000 horas, no Centro Cultural Banco do Brasil.
Diante da inusitada convocação, adotei as seguintes providencias:
1. Imediatamente, informei ao Assessor Jurídico do Ternuma, Cel. Caldas, que se prontificou em assessorar e acompanhar - me;
2. Contatei com o Cel. Ustra que poderia com a sua experiência fornecer - nos algumas informações, em especial por ter atuado com elogiável atitude perante àquela Comissão. Combinamos de encontrar - nos na sua residência no dia 18 às 1700 horas.
- alertado pelo Cel. Ustra que tivera o assessoramento do seu Advogado, o Cel. Freitas, que é também o seu fiel depositário, quando encerramos a Campanha de Arrecadação, na manhã de 18 de maio, contatamos com o mesmo.
3. Neste contato, soubemos que ele estaria na tarde de 21 de maio acompanhando o Cel. Mondaine em Audiência com a CNV, e que já estava providenciando o seu habeas corpus. Em sequência, por precaução, pois estamos lidando com pessoas inconfiáveis, julguei por bem que também fosse providenciado o meu habeas corpus.
4. Conforme combinado e acompanhado do Cel. Freitas fui à casa do Cel. Ustra onde trocamos idéias e colhemos diversas informações úteis.
5. No dia seguinte (19 mai), como combinado, recebi em minha residência a visita dos dois advogados para acertarmos detalhes sobre a Convocação.
6. Na tarde do dia 20 (2ª feira) fui cientificado pelo Cel. Freitas que já estava de posse do meu HC. Às 2000 horas foi realizada na sede do Ternuma uma reunião de emergência com os demais Diretores do Ternuma, as únicas pessoas que foram alertadas sobre a Convocação.
- Na oportunidade, graças ao apoio dos Diretores, foram coletadas diversas sugestões e opiniões, e a hipótese mais viável para justificar a nossa Convocação seria o fato de sermos Presidente do Ternuma, e por escrevermos, esporadicamente, artigos de reprovação à Comissão.
Assim, nos preparamos para as várias hipóteses e, principalmente, a de sermos convocados devido à atuação do Ternuma.
No dia seguinte, acompanhado dos dois advogados fomos para o local, onde, conforme nos alertara na noite anterior o Cel. Freitas, a nossa Audiência seria “fechada”.
De fato, pois no local, com pompas e circunstâncias e muita imprensa, a Comissão comemorava o seu primeiro aniversário de criação. Assim, em acanhada sala, presentes eu e os dois advogados, fui interrogado por dois assessores da Comissão, estando presente um terceiro que limitou - se a fazer anotações. A Audiência foi gravada.
Embora estivesse preparado para responder qualquer indagação sobre o Ternuma, os Membros declararam que nada tinha a ver com o Ternuma, pois o “Órgão tem o direito de expressar a sua opinião”.
Realmente, as indagações referiam - se ao militar Valmir Fonseca Azevedo Pereira. Em geral, foram perguntas simplórias, e que não justificavam a nossa Convocação.
Entre outras perguntas, tentaram estabelecer o meu conhecimento com o soldado pára - quedista desertor que declarou ter assistido a execução de um casal, conforme circulou na imprensa, recentemente. No caso, meu nome constava como o Oficial que assinou a coleta do material existente no armário do desertor, isto por volta de 1968.
Tentaram extrair informações de que no período em que servi na Brigada/Núcleo teriam ocorrido reuniões para a realização de operações contra os subversivos e outras indagações neste sentido.
Busquei responder a todas, embora estivesse amparado por um HC, e a muitas não respondi, pelo de fato não ter ideia do que ou de quem se tratava.
Destaco o trabalho dos nossos dois advogados, que sempre nos apoiaram durante todo o interrogatório.
É provável, conforme externou um dos advogados, que os membros da Comissão na sua maioria do segundo escalão, estejam empenhados na busca de alguma “verdade”, ao contrário dos membros do primeiro escalão que, virulentamente, pretendem atingir objetivos mais profundos, como trazer ao público inverdades sobre os ex – agentes da repressão, e, quem sabe, no futuro, anular na Lei da Anistia a proteção que a eles foi concedida. Os únicos beneficiários seriam os terroristas, assaltantes ....
Em linhas gerais, para o conhecimento dos Senhores, segue esta mensagem, onde destaco que por decisão pessoal não informei antecipadamente aos Membros do Ternuma sobre a Audiência, até mesmo, por ter sido “fechada” e, como vimos tratava – se de questionamentos relativos à minha pessoa. 
Julgo que a Audiência Aberta, como a do Cel. Ustra foi desabonadora para a Comissão e, portanto, dificilmente ocorrerão outras com a presença de público.
Quanto à minha convocação, que era perfeitamente dispensável pelas perguntas feitas e remotas possibilidades de nossa participação em atos ou os fatos narrados, nos leva à conclusão de que fomos convocados para encher os dados estatísticos da Comissão, que no futuro alardeará que “escutamos X Generais, Y Coronéis, N...”.
De resto, creio que cumprimos a nossa missão e, sempre que possível, destacamos as atividades do Ternuma e enfatizamos os parâmetros que foram primordiais na nossa formação de militares e de cidadãos.
Valmir Fonseca Azevedo Pereira, Presidente do Ternuma, é General de Brigada Reformado.

8 comentários:

Anônimo disse...

o povão está indignado com esta COMISSÃO DA DITADURA. queremos os srs de volta porque sabemos que são pessoas dignas, honradas e seriamente comprometidas em defesa do seu povo e não de interesses particulares, e eles são MENTIROSOS, CORRUPTOS E DITADORES QUE DEFENDEM SEUS PRÓPRIOS INTERESSES E DE GRANDES EMPRESÁRIOS. TODO MUNDO ENXERGA.

Anônimo disse...

eles falam que os militares eram ditadores. eu gostaria de saber qual nome se dá a uma COISA que se intitula "COMISSÃO DA VERDADE" que só ouve uma das partes? na minha concepção é DITADURA MESMO.

Guilherme Trancoso disse...

Mas se a Comissão é da Verdade, por que os depoimentos são fechados? será que eles pretendem manipular as informações que recebem?

Anônimo disse...

Parabéns! Qualquer que enfrente essa comissão revanchista, que não está interessada na verdade, mas nas mentiras contadas por um dos lados, deve ser aclamado como um legítimo defensor da democracia, contra o avanço do fascismo vermelho no Brasil.

Anônimo disse...

Parabéns, general, pela atitude frente à "Comissão da Revanche". Precisamos que os militares se façam ouvir para deter esse absurdo. Apenas os militares podem deter isso: o país não tem instituições democráticas isentas e fortes o bastante para defender nossa democracia. Apenas as forças armadas podem freiar a expansão dos comunas. Veja pelo exemplo hoje da fala do nosso ministo da justça, ao desautorizar a CV de buscar reverter a lei da anistia: o EB "rosnou" e os vermelhos botaram o galho dentro...(mas n]ao acredtiem no Cardozo: eles pretendem reverter a lei da anistia!)

Anônimo disse...

Tânia SP
Sr. Valmir, conte sempre c/ a minha solidariedade e de muitos leitores aqui deste espaço.
Foi uma pena mesmo os Militares não terem colocados estes bandidos no paredão, q chance perdida!
Cuidado qdo o Sr. for até lá, leve uma micro filmadora no corpo, pois desta corja, espera-se td, já q são terroristas....não é?

Anônimo disse...

Eu simplesmente não comparecia, pois essa comissão orientada e defendida pela terrorista bulgara, está apenas se vingando por não terem conseguido chegar ao Poder nessa altura.

Mas O Brasil è uma nação continental. Não è um puhado de bastardos soviéticos que conseguem atingir as FA. Se a merda da perseguição for muita, vai sobrar para eles muita coisa.

Não somos os covardes da Argentina, do Uruguai nem do Chile.

Anônimo disse...

General Valmir Fonseca, tenho lido sempre seus artigos, todos eles muito bem postados, infelizmente, não sei por qual motivo tiraram o site do ar, aliás, o Senhor poderia escrever algo sobre isso, para que possamos divulgar o quanto esse desgoverno é ditatorial. Que essa comissão de porcaria não se atreva muito, pois os militares, embora quietos, estão de olhos bem abertos.