domingo, 12 de maio de 2013

Tínhamos um Exército Admirável


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Péricles da Cunha

O episódio em que o Coronel Ustra compareceu diante dessa CNV me fez lembrar do saudoso general Sylvio Frota, que no excelente “Ideais traídos”, lembra dois fatos, dos seus tempos de Realengo, para mostrar que “Era um Exército admirável! Amalgamados pela solidariedade militar e o espírito de classe, chefes e subordinados estavam sempre juntos nos cruciais momentos em que os brios da instituição eram feridos”.

Ao término do ano letivo de 1931, ou talvez no início do seguinte, um cadete de Artilharia cometeu transgressão disciplinar grave e passível de desligamento da Escola. Ocorre que os fatos não estavam bem esclarecidos e  o cadete foi tão veemente sua negativa que companheiros de Arma intercederam junto aos oficiais por considerarem uma injustiça.

Mantido o desligamento, iniciou-se um movimento de solidariedade por alguns colegas e amigos do cadete que foi crescendo até se transformar em um “espetáculo grandioso, censurável do ponto de vista disciplinar, mas, inegavelmente, soberbo quando se pensa em coesão de uma classe: todos os cadetes, tranquilamente, sem gritos de histérica euforia nem semblantes de falsa tristeza, por dever de consciência, formaram para o desligamento. O bom senso, no entanto, conteve os ímpetos de prepotência e o aluno, pomo da discórdia, foi perdoado, voltando a Escola à normalidade”.

O segundo foi o empastelamento do Diário Carioca, em fevereiro de 1932 provocado pela sistemática campanha de difamações e injúrias lançadas sobre o Exército com artigos virulentos contra os integrantes das Forças Armadas. Face à inação do governo, oficiais do Exército reuniram-se no Clube Militar (para os novos: Clube Militar era o que é hoje o Círculo Militar da Guarnição do Rio de Janeiro) e ficou decidido que “à primeira publicação ultrajante o Diário carioca seria empastelado”. E, não deu outra: ao primeiro artigo injurioso, os oficiais convergiram para o ponto de reunião marcado no 1º RCD, em São Cristóvão. E o jornal foi empastelado “com ímpeto e agressividade  que tocavam as fímbrias do desatino”.

Após estes gravíssimos eventos o ministro da Justiça (Maurício Cardoso), acompanhado do chefe de Polícia (Baptista Luzardo), procurou o ministro da Guerra (Gen. Leite de Castro) para protestar contra esse ato de vandalismo praticado pelos militares. O general Leite de Castro “empertigou-se sobre as luzidias botas e respondeu em voz com voz firme e clara”: “Sr. Ministro! Esses oficiais fizeram o que eu teria feito, se ao menos vinte anos tivesse”.

Instaurado IPM para apurar responsabilidades, a grande maioria dos oficiais da guarnição se apresentou dizendo-se participantes das depredações e cada um levava o nome de uns dois ou três que haviam participado, muitos deles, de outras Regiões Militares o que exigiria a expedição de dezenas de cartas precatórias.

Até o encarregado do IPM (Cel. Moreira Lima) afirmou no Relatório ter estado entre os que foram lavar as injúrias assacadas ao Exército. Moveu a reação o sentimento de que o jornal não tinha o direito de difamar os militares e sua instituição acobertado na liberdade de imprensa.

Agora eu pergunto aos caríssimos amigos: Será que podemos afirmar que pertencemos a um exército admirável como aquele dos tempos da Escola do Realengo (sempre invejei meu pai por ter, ele, vivido naquela escola que forjava aquele EXÉRCITO INVEJÁVEL)?

Tivéssemos um exército daquele quilate, o nosso Comandante estaria na primeira fila daquela sala de audiência pública da CNV com a sala atulhada de militares fardados e à paisana e teria dito aquilo que o general Leite de Castro usou para rechaçar o protesto do ministro da Justiça: “Senhores, o Coronel Ustra fez o que EU e todos os oficiais aqui presentes teríamos feito se incumbidos da missão”.

Os tempos, no entanto, são outros, outro o exército que dispomos. Naqueles tempos a cadetada formou ao lado do companheiro, mesmo diante do risco de queimar a sua carreira.

Hoje, um general cinco estrelas, no fim da carreira, se apega à carreira mesmo com sacrifício da honra da instituição.

Presto minha continência ao Coronel Ustra e aos dois bravos companheiros que reagiram contra a atitude agressiva daquele vereador. Seguramente, fazem parte daquele Exército admirável, lembrado pelo saudoso general Frota, composto por gente de fibra que “Amalgamados pela solidariedade militar e o espírito de classe, chefes e subordinados estavam sempre juntos nos cruciais momentos em que os brios da instituição eram feridos”.

Péricles da Cunha  é Coronel reformado do EB.

11 comentários:

Ronald disse...

Cel. Cunha,
Como civil, brasileiro e patriota presto minha solidariedade ao honrado Cel. Brilhante Ustra.

Momento Mastercard :
Vibrei com a afirmação do Cel. Ustra de que a atual ocupante da cadeira nº1 do Executivo participou de ações criminosas.

NÃO TEM PREÇO !
Como se diz no populacho : ChupaPresidanta

Albernaz vive.
Salve 31 de março de 1964 !!!

Anônimo disse...

Bravo....!!! excelente artigo, parabéns Coronel....!!!

Subtenente Marcos Pinto de Oliveira França - Rio de Janeiro ( ativa )

Tito disse...

Coronel,
Meu avô, aspirante de 32, participou dessa "revolta" na Escola Militar do Realengo e me contou o que ocorreu. Por isso, gostaria de fazer uma correção:
O caso realmente ocorreu em 1931 e o Aluno (o título de cadete só foi criado no ano seguinte)foi punido com 30 dias de cadeia, e não perdoado.

Unknown disse...

COMO FILHA DE MILITAR, QUE LAMENTAVELMENTE NÃO ESTÁ MAIS ENTRE NÓS, COMO CONHECEDORA DA VIDA MILITAR, DA NOSSA HISTÓRIA, ESPECIALMENTE ESSA QUE OS COMUNISTAS INSISTEM EM QUERER APAGAR, DOS GRANDES FEITOS DO NOSSO SEMPRE HONRADO EXÉRCITO, COMO BRASILEIRA QUE AMA ESTE PAÍS, COMO LEITORA DAS OBRAS DO CEL. USTRA, QUERO, NESTE MOMENTO, PRESTAR-LHE A MINHA SOLIDARIEDADE, O MEU MAIS PROFUNDO RESPEITO E ADMIRAÇÃO, E O MEU ETERNO AGRADECIMENTO. PARA MIM, O CORONEL USTRA É UM EXEMPLO DE DIGNIDADE, BRAVURA E HONRADEZ.

Anônimo disse...

Tânia SP
Bom, pelo título já podemos pensar: "Não Temos Mais Um Exército Admirável", infelizmente!
Na época dos militares eu sentia mais segurança em TUDO.
E amei o Cel Ustra dizer sobre a comunista Dilma, e ainda o Afif se curvou p/ beijar aquela mão q um dia pegou em bombas e fuzis, q horror, que nojo, que asco. Afif vc já era, vc não vai servir a dois senhores e sim a uma senhora ou se preferir bandida, guerrilheira, comunista...o curriculum dela é imenso....
Exército Brasileiro pelo amor de Deus nos socorra e c/ urgência e que Deus nos proteja.

Carlos Ramos disse...

O que vemos hoje é uma vergonha, um ultraje ao passado das nossas forças armadas. Vemos militares sendo "agraciados" com favores do Estado, os mesmos "favores" com que se rebaixam homens públicos que deveriam defender o povo que os elegeu. Tenho certeza absoluta que se o que acontece atualmente fosse num passado, não muito distante, os nossos bravos homens das forças armadas já teriam se manifestado e colocado os terroristas do governo no seu devido lugar. Face ao atual comportamento das forças armadas sinto um desalento e uma desesperança muito grande e, infelizmente, nosso destino é ser uma segunda Cuba, uma segunda Venezuela.

Anônimo disse...

Cadeia para esse csmbada de ditadores..

Anônimo disse...

O coronel Ustra precisa saber que, embora anõnimos, existem muitos homens de bem que o apoiam e admiram sua coragem ao enfrentar esse tribunal comunista de inquisição.
Força, Coronel Ustra!!!

Gilmar Moschem disse...

Como civil e sem nenhum parentesco. Parabéns ao texto Coronel. Aliás, não sei porque outros militares não fazem o mesmo. Porque todo esse silêncio?? Seria o medo de represália ? Mas que a necessária contestação e oposição ao "deboche civil e moral" Qual o motivo que só 2 ou 3 tem a coragem de defender auto estima até mesmo dos familiares dos militares??

Anônimo disse...

RESPOSTA AO "Anônimo", às 12:23 PM, cuja infeliz frase "O coronel Ustra precisa saber que, embora anõnimos, existem muitos homens de bem que o apoiam e admiram sua coragem ao enfrentar esse tribunal comunista de inquisição.", envolvendo a INQUISIÇÃO:

"Anônimo", você sabe quantas INQUISIÇÕES Existiram? Ou você só sabe aquilo que os anticatólicos ( leia-se anticristãos ) repetem, quais pagaios, acerca da referida Inquisição - a qual, por razões óbvias, dada a calamitosa ignorância do povo brasileiro acerca da história da santa Madre Igreja, só absorvem, quais esponjas, aquilo que é engendrado pelos inimigos da Igreja de Cristo, não fazendo o necessário contraponto e indispensável criticismo acerca de toda e qualquer acusação, ilação e afirmação desairosas, mentirosas, caluniosas, difamatórias, criminosas e levianas, seja contra a referida santa Madre Igreja, seja contra o clero católico, entre outros!
De qual INQUISIÇÃO você se refere? A santa Inquisição Católica ou a INQUISIÇÂO PROTESTANTE?

O teor da sua infeliz, porque equivocada, afirmação revela um auto-evidente preconceito e ignorância a respeito do assunto INQUISIÇÃO!

À diferença dos inquisidores protestantes, os inquisidores católicos eram doutores em Teologia, íntegros etc e foram santificados!

A santa Inquisição Católica abrange 600 anos e é um tema muito complexo, pois existiu também a INQUISIÇÃO PROTESTANTE, cujos excessos, crimes etc foram e continuam sendo - seja por ignorância, seja por desonestidade intelectual, entre outras razões ou motivações ou interesses escusos - atribuídas à santa e milenar Igreja Católica Apostólica Romana!

Se começar a estudar séria, honesta e profundamente a referida Santa Inquisição Católica, verá que a mesma era aceita e bem vista pelo povo medieval. O epíteto santa não foi usado por por ironia!

Na Idade Média, à diferença de hoje, onde vivemos sob os auspícios de uma Civilização cujos direitos e avanços na proteção do ser humano surgiram graças, ATENÇÃO AGORA, à santa e milenar Igreja Católica Apostólica Romana, bastava alguém acusar uma desafeto de um crime ou outra falta grave para, sem garantias legais de defesa, ser condenado à prisão ou à morte!
Aí é que entra a providencial ação da santa Madre Igreja, pois é ela quem vai proteger o acusado disto ou aquilo, para ver se é FATO, ou seja, para ver se se constata a veracidade da acusação feita por alguém a outrem!

Em resumo, foram inúmeras as vidas salvas pela santa Inquisição Católica!

Os inimigos de Jesus Cristo e de Sua santa Igreja Católica Apostólica Romana, não tendo o que dizer de bom, a acusam levianamente!


Por favor, estude séria, honesta e profundamente a respeito, antes de, afoita e levianamente, pretender se arvorar conhecedor de algo! Grato!

Almirante Kirk

GILVAN SILVA Silva disse...

Fico indignado quando escuto esses lôbos com gosto de sangue na boca querendo sangrar, maltratar, desmoralizar alguém que ajudou esse BRASIL chegar onde chegou (democracia plena)mas com muita fé em Deus eles não irão alcançar o que desejam.