domingo, 23 de junho de 2013

A Teoria da Cospiração e a Terceira Hipótese

Al Al-Qaeda não existe. Foi o próprio Bush quem atirou os aviões na Torres. Quem me contou isso foi o pessoal do Movimento Passe Livre rss..rss

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Milton Pires

Mencionar “forças ocultas” por trás dos acontecimentos tornou-se uma febre na internet. Cada vez que, numa roda de amigos, alguém começa a falar em Maçonaria, Clube de Bilderberg, os Illuminatti, Rockefeller (nos EUA) e os Rothschild (na Europa), no judaísmo e nos Protocolos dos Sábios do Sião, o rótulo é um só - “adepto da Teoria da Conspiração. É o que todos dizem, não é? Bom, então “deve ser verdade”..rss, mas eu, para variar, gostaria de fazer algumas considerações sobre isso.

Quando alguém, ou um grupo de pessoas, diz que seu interlocutor é um teórico da conspiração faz quase um diagnóstico psiquiátrico, não faz? Praticamente afirma que a pessoa “tem assistido televisão demais”, que está paranoica ou que só falta – como fazia aquele personagem do Mel Gibson – sair comprando todo exemplar de “O Apanhador no Campo de Centeio” que encontrar pela frente. Há contudo uma coisa que o espertalhão não faz: a pessoa não diz, por não saber ou não querer, qual a sua visão desse processo que nos intriga e que chamamos de História.  As linhas  adiante vão tocar nesse aspecto.

Quem critica, com ou sem razão,  as teorias conspiratórias aqui no “Brasil sem Medo de ser Feliz,” geralmente é um crente na ideia de uma história com regras conhecidas. Herdeiros tardios de Hegel, aqueles que falam em paranoia e influencia de Hollywood, acreditam (ou fingem a acreditar) que a História é impessoal, que ela é uma “ciência exata e com regras muito próprias”, e que pode ser entendida como um processo dialético em que frequentemente o mais importante são os aspectos materiais da luta de classes.

Não vou dizer que não há lugar para Deus na História desse tipo de gente – podem me acusar de fanatismo religioso – mas vou afirmar que não há lugar para o ser humano como indivíduo. Não foi à toa que Arthur Schopenhauer considerou Hegel como o “maior monumento à estupidez da Alemanha”. (A tia Marilena Chauí não acha, viu tio Schopenhauer) 

Imagino os amigos da tia Marilena descrevendo a história da humanidade para seus filhos - “sabe, querido, em 14 de julho de 1789 terminou a Idade Moderna e, com a queda da Bastilha em Paris; começou a Contemporânea. Franceses pobres e oprimidos depuseram uma rei e uma rainha malvados. Foram eles que inventaram os conceitos de liberdade, igualdade e fraternidade. Antes essas idéias não existiam e, depois,  nunca antes na história da França a França foi tão feliz” 

Será – vejam que estou concedendo o benefício da dúvida – será que essas criaturas pensam que  a história realmente se comporta assim? Que os modos e as relações sociais de produção definem épocas? Que o homem é um ser sem livre arbítrio? Uma espécie de imbecil histórico esperando ser salvo pelo Bolsa Família?  Que no mundo se sucederam a escravidão, feudalismo, capitalismo e agora o eterno caminho de busca pelo “socialismo salvador”?

Até quando, pergunto eu, esse tipo de asneira vai continuar fazendo sucesso no meio acadêmico brasileiro? Pior; até quando a imprensa inteira, ou quase inteira, vai fazer com coro com essa bobagem?

Será que o Brasil todo vai acreditar (ou fingir acreditar) que ele, Brasil, num belo dia de junho de 2013, resolveu se acordar e dizer “Meu Deus! Não temos mais hospitais, nem escolas, nem delegacias e presídios no Brasil. O PT mentiu para nós todos e é a maior fraude da história política do país. Declaramos aberta a época do Inverno Brasileiro. Vamos Mudar o Brasil”. Vocês realmente pensam que o Facebook é que está nos salvando?? Essas passeatas, distúrbios e reivindicações começaram assim??

Para quem me leu até aqui, digo o seguinte – prefiro acreditar que Barack Obama é meio humano e meio alienígena do que aceitar o que escrevi acima . Já disse antes, e não vou deixar de repetir: tudo que está acontecendo no Brasil é reflexo direto do julgamento do mensalão! Este movimento nas ruas tem dono, sim, e ele é o próprio PT!

O objetivo é criar uma situação que permita ao grupo majoritário, que está para ser preso e que teve todos os seus interesses contrariados por Dilma Roussef, recolocar Lula no poder. O meio para isso é oferecido pela chegada a Brasília, em 2003 de uma organização criminosa, associada ao narcotráfico e ao crime organizado chamada “Partido dos Trabalhadores”. Seu projeto de poder envolve muito mais do que o nosso país. Sua instância máxima de representatividade é o Foro de São Paulo. Seu objetivo é o domínio total da América Latina.

Se aquilo que escrevi até aqui não convenceu quem está lendo proponho um caminho diferente imitando os vestibulando quando, respondendo uma questão difícil, adotam a regra da exclusão. Para isso ofereço três hipóteses:

a) a “oposição ao PT” e que representa as “zelites” do Brasil quer tomar o poder de Dilma.

b) o movimento é “espontâneo e apartidário” já que as pessoas perceberam o que está acontecendo com o país e “não aguentam mais”.

c) a Teoria da conspiração desse tal de Dr.Milton que escreve na internet.
Não vou pedir para vocês ficarem com a minha hipótese, mas pergunto antes de terminar: algum de vocês realmente acredita que exista oposição ao PT no Brasil? 

Pergunto ainda: vocês acreditam que – como eu escrevi acima – as pessoas se “acordaram” e viram o inferno que é ser atendido pelo SUS, andar de ônibus, ter um filho numa escola pública,ou estão furiosas agora com o dinheiro gasto para construir estádios para Copa do Mundo? Em resumo – deram-se conta os brasileiros do  pesadelo que é ser brasileiro? 

A conclusão eu vou deixar com vocês. Para quem quiser, acho que o artigo ofereceu uma teoria e uma alternativa como respostas  -  a “Teoria da Conspiração e a terceira Hipótese”.


Milton Pires é Médico.

4 comentários:

Ricardo Magalhaes disse...

Como o próprio autor disse, a Historia não recebe seus titulos no momento em que os fatos acontecem e tambem não será lendo esse seu texto que poderemos tirar nossas conclusões.Acredito que quem queira,agora,neste momento,fazer definições, estara jogando para a platéia e fazendo proselitismo.O que vi não foram os partidos politicos conclamando o povo às ruas,o que vi não foi a aceitação de partidos no meio do povo nas passeatas, vi justamente o contrário, a repulsa a eles.O que vouvi,foi um discurso hipócrita de nossa presidente,tratando o povo,a Nação,como indigentes,pobres coitados que acreditariam naquelas palavras tolas e sem sentido. Este é o segundo comentário feito pelo Dr.onde só apresenta ambiguidades e só traz mais dúvidas às mentes ainda não amadurecidas do povo.

Anônimo disse...

A “revolta” é capitaneada pela classe média branca, “bonita”, relativamente culta e com capacidade de articulação verbal (consegue expor suas ideias). Ocorre que a maioria do povo brasileiro é pobre, mulato, “feio” (para os padrões globais), inculto e não consegue articular frases e elaborar cartazes “bem humorados”. E se o povão feio, desdentado, sem terra e sem teto começar uma marcha nos Jardins e Higienópolis exigindo distribuição de renda? O problema de fundo no Brasil é um só: a classe média tradicional não admite o surgimento da “nova classe média”. Eles lá (no Grajaú e Parelheiros) e nós aqui (em Moema e nos Jardins)…temo que os fatos do último dia levem o Brasil a um retrocesso social tremendo…a música do Ultraje a Rigor vai voltar a fazer sentido: A gente somos inútil. Afinal de contas, a classe política veio de Marte ou foi eleita por nós mesmos? Cada geração cava o seu destino: a moçada de 15-18 anos que foi às ruas nos últimos dias serão os adultos de 35-45 anos que amargarão o pior desemprego que o Brasil já viu, daqui a 15-20 anos, caso não tenhamos condições de contruirmos uma democracia de verdade, justa e economicamente eficiente. A sociedade brasileira precisa se aceitar do jeito que ela é se quisermos construir um País, com P maiúsculo. Caso contrário iremos descobrir que o Gigante Adormecido, na verdade, está em coma.

Fabrizio Albuja disse...

Achar um único culpado e entregar sua cabeça ao povo como demonstração de justiça é bem legal de se ver en filmes bárbaros ou medievais. Mas isso não trará a solução. Somos comandados por pessoas de má índole ppis carregam a herança maldita dos reais desbravadores deste continente que eram ladrões ou piratas. A reforma deve partir da cultura de um povo como um todo ou senão vamos ver "caras pintadas" a cada 15 anos reclamando mas não tendo soluções permanentes.

Milton disse...

O texto está mais para “teoria da enrolação” do que para “teoria da conspiração”. Citar os atentados de 11/09/2001 para ligar “teoria da conspiração” com paranoia, mostra falta de conhecimento sobre os atentados e sobre o uso literal e pejorativo da expressão “teoria da conspiração”.

As manifestações que estão ocorrendo no Brasil foram EXPLICITAMENTE articuladas pelo PT através do MPL, mas também ficou explícito que o resultado foi diferente do esperado. Agora manifestam-se de suas confortáveis poltronas os senhores Olavo de Carvalho, Rodrigo Constantino, Milton Pires e outros deslumbrados, dizendo que tudo está sendo controlado pelo PT, que tudo faz parte da estratégia do PT. Quando aplaudem a Dilma, é o PT aplaudindo, quando vaiam... é o PT vaiando. Com amigos assim... quem precisa de inimigos?

Apenas “para não dizer que não falei das torres”: a versão oficial sobre os atentados de 11/09/2001 só poderia ser verdadeira se revogassem as leis da física e a matemática. Eu desafio qualquer defensor da versão oficial do “onze de setembro” à apresentá-la com detalhes e torná-la plausível.