domingo, 16 de junho de 2013

Os tempos são outros

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

A respeito dos protestos desencadeados em várias capitais brasileiras contra o aumento das tarifas do transporte público, um aspecto é objetivo: a depredação do patrimônio público é inaceitável.
 Mas os movimentos têm algo a ensinar.

É freqüente a manifestação de administradores, governadores e prefeitos, que avaliam, políticos que são, que o movimentos têm inspiração política, o que é óbvio, se adotamos o sentido do conceito geral de atividade política. Mas, dentro da acepção mais estreita que visivelmente desejam transmitir, não especificam objetivos ou lideranças, se indivíduos, partidos ou sindicatos.

Trata-se de uma fuga, pois se esquecem de mencionar o descaso com que é conduzida por eles, e o foi pelos anteriores, nas três esferas de governo, a prestação de serviços essenciais como transporte urbano digno, saúde publica que não seja genocida, educação que promova a qualidade intelectual dos jovens e segurança que garanta o direito de ir e vir, aos quais a população tem direito como contrapartida pelos pesados impostos que paga.

As mobilizações constituem em grande parte um grito desesperado de alerta para que os governos se dediquem menos a campanhas eleitorais exageradamente antecipadas e a arranjos políticos e populistas indecentemente pragmáticos visando tão somente à manutenção ou tomada do poder e passem a se concentrar com mais afinco em problemas diretamente relacionados com o real interesse público, em nome do qual, aliás, foram eleitos.

Com o aumento de velocidade e eficiência espetaculares dos meios de comunicação, turbinados pelas redes sociais, o grande propulsor de manifestações semelhantes mundo afora, verifica-se nelas a ausência de líderes específicos, dando a entender, pelo menos nos estágios iniciais, que não há com quem negociar, pois as mobilizações não têm assinatura nem estribo ideológico.

Tal mudança talvez ainda não tenha sido bem entendida pelos nossos atuais governantes, muitos deles formados a partir de situações de protestos semelhantes e às vezes até de ações guerrilheiras, de que participaram quando jovens, essas sim de inspiração político-ideológica, dentro do conceito que querem transmitir nos seus discursos de hoje, mas montadas em outras circunstâncias, quando nem se sonhava com as que vigoram hoje. Urge, antes que seja tarde demais, que percebam a necessidade de uma mudança de atitude, com mais transparência e honestidade, para tratar dos problemas que aí estão e de outros que se avizinham.

É provável que não tenham ainda entendido que os tempos são outros.


Paulo Roberto Gotaç é Capitão-de-Mar-e-Guerra Reformado - prgotac@hotmail.com.

6 comentários:

LUIZ disse...

Não sei se isso estaria dentro das leis municipal e estadual, mas acho que a melhor estratégia seria o governador Geraldo Alckmin deixar a PM de prontidão e o prefeito Haddad encarregaria à guarda municipal do acompanhamento da passeata; caso o caldo engrossasse, ai sim a PM entraria em ação. Ou seja, depois da pancadaria começar.

Isso com certeza eliminariam a possibilidade desses: COMUNISTAS TERRORISTAS, DESCARADO E CRIMINOSO se aproveitarem do uso político que esta e continuara sendo feito da situação.

No Rio de Janeiro (PMDB), no Rio Grande do Sul (PT) e em Brasília (PT) a PM também combateu os revoltosos com bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo, gás de pimenta e balas de borracha, foi como eles (PTistas/Direitos Humanos) costumam dizer “truculenta”; PORQUE NÃO APARECE NINGUÉM CRITICANDO ESSAS ENTIDADES E OS GOVERNADORES SERGIO CABRAL ,TARSO GENRO e AGNELO SANTOS QUEIROZ FILHO HEIN???

Anônimo disse...

O que eu não admito, doutrinado pela época militar, que não foi ruim como muitos apregoam, é riscar a bandeira nacional. Fui ensinado a ter o maior respeito aos símbolos da pátria, tanto quanto aos meus pais e avós e é-me inadimissível vê-la pichada de anarquista. Minha pressão subiu !
Wagner

Anônimo disse...

porque protestos em outros paises sao bem falados pela imprensa aqui no brasil e quando protestamos aqui somos ditos como marginais.

Anônimo disse...

porque protestos em outros paises sao bem falados pela imprensa aqui no brasil e quando protestamos aqui somos ditos como marginais.

Anônimo disse...

temos que aceitar tudo calado?concerteza quem diz isso na utiliza o transporte coletivo(transporte de carregar gado)

Anônimo disse...

Finalmente um militar com uma opinião inteligente, sem ranços de formação. Ainda existe vida inteligente no seio militar.