quarta-feira, 23 de julho de 2014

A futura Argentina da Europa


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Rodrigo Neves

A França (ou melhor, o governo francês), com um largo histórico de protecionismo às livrarias francesas, baniu livros de serem vendidos online com frete grátis, mirando afetar a Amazon. Aí a Amazon responde cobrando um centavo de frete pros livros comprados no país. É de rir até cair.

A burrice dos burocratas e reguladores é tamanha a ponto que, além de ser incapazes de prever o resultado de suas ações, a notícia reverberou na mídia e está sendo a maior publicidade da história da Amazon em território francês. Duvido que as vendas de livros online não vão aumentar drasticamente por lá.

A França é a próxima Argentina, um país que já esteve no topo e que irá lentamente diminuir sua importância devido ao protecionismo e medidas "igualitárias"


Rodrigo Neves é Historiador, Analista Político e Especialista do Instituto Liberal.

2 comentários:

Loumari disse...

Senhor neves se você quisesse dar a gente uma informação digna deste nome, devia informar a gente que estão na França 80 militares da Marinha Russa para serem formados no manejo dos navios de guerra que a França vai livrar aos Russos. Eh sim, senhor neves, o protecionismo francês funciona muito bem mesmo. Se trata de dois navios de guerra, um já está listo e entregue a Russia o que explica a presença dos seus militares na França para serem formados e o outro navio será entregue nos proximos meses. E sem falar das encomendas record na Airbus. E a fusão entre Alstom com a General Electric o Americano. Senhor neves, que droga você consumiu???

Senhor neves, na proxima, faça prova de um pouco mais de imaginação antes de escrever.

Anônimo disse...

Esse ''Loumari'' é meio doido, Alstom não esta se fundindo com a GE, na realidade é a GE que esta comprando a Alstom e a Airbus só tem sede na França, mais toda tecnologia dos aviões e a maioria das fabricas é da Alemanha, alias a Alemanha é o único país realmente competente na Europa, já que a maioria dos produtos que a França faz é tudo tecnologia ultrapassada.