domingo, 22 de fevereiro de 2015

Burrice e atrevimento


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Havia uma expressão antiga para demonstrar a incapacidade de alguém apreciar algo de belo:

Burro olhando para um palácio.

Hoje em dia, a situação surrealista em que se encontra o país nos mostra burros dentro de palácios.

Uma grande metrópole tem seu burromestre tentando implantar a cartilha estrangeira, para a destruição da “burguesia”,  da maneira mais estúpida possível.

Como mensagem subliminar, pinta ruas de vermelho, incentiva a degradação de monumentos históricos, faz vista grossa para o saque e vandalismo em cemitérios e tolera (se é que não incentiva) invasões de prédios públicos e privados.

Por omissão, não cuida de árvores, não limpa bueiros, não substitui placas de trânsito ou de nome de logradouros.

O seu atrevimento causará cedo ou tarde sua ruína.

Pintou de vermelho uma rua onde mora a dona Onça.

Pensa que é invulnerável a qualquer geringonça movida a esteira (o melhor corretivo pra besteira).

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

3 comentários:

Loumari disse...



O Sofrimento do Hipócrita

Ter mentido é ter sofrido. O hipócrita é um paciente na dupla acepção da palavra; calcula um triunfo e sofre um suplício. A premeditação indefinida de uma ação ruim, acompanhada por doses de austeridade, a infâmia interior temperada de excelente reputação, enganar continuadamente, não ser jamais quem é, fazer ilusão, é uma fadiga. Compor a candura com todos os elementos negros que trabalham no cérebro, querer devorar os que o veneram, acariciar, reter-se, reprimir-se, estar sempre alerta, espiar constantemente, compor o rosto do crime latente, fazer da disformidade uma beleza, fabricar uma perfeição com a perversidade, fazer cócegas com o punhal, por açúcar no veneno, velar na franqueza do gesto e na música da voz, não ter o próprio olhar, nada mais difícil, nada mais doloroso. O odioso da hipocrisia começa obscuramente no hipócrita. Causa náuseas beber perpétuamente a impostura. A meiguice com que a astúcia disfarça a malvadez repugna ao malvado, continuamente obrigado a trazer essa mistura na boca, e há momentos de enjôo em que o hipócrita vomita quase o seu pensamento. Engolir essa saliva é coisa horrível. Ajuntai a isto o profundo orgulho. Existem horas estranhas em que o hipócrita se estima. Há um eu desmedido no impostor. 0 verme resvala como o dragão e como ele retesa-se e levanta-se. O traidor não é mais que um déspota tolhido que não pode fazer a sua vontade senão resignando-se ao segundo papel. É a mesquinhez capaz da enormidade. O hipócrita é um titã-anão.

"Victor Hugo, in "Os Trabalhadores do Mar"




A hipocrisia, suprema perversão moral, é o charco podre e dormente que impregna a atmosfera de miasmas mortíferos e que salteia o homem no meio de paisagens ridentes: é o réptil que se arrasta por entre as flores e morde a vítima descuidada.

"Alexandre Herculano"

Loumari disse...

Bezerra pega eu que sou ladrão

http://youtu.be/_MnvBoLgBTo

Anônimo disse...

Enquanto isso Cuba vai se tornando im paraíso às nossas custas.