terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Milico é isso aí? Não é! - Resposta ao Coronel Balbi


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão

De vez em quando, é necessário repetir e deixar claro qual é o papel do site Alerta Total: divulgar qualquer informação ou opinião relevante, sem qualquer censura, mesmo que o editor-chefe não concorde com o conteúdo veiculado. Faço questão de desenhar, para quem não consegue entender: artigos publicados com assinatura de terceiros, expressam a opinião de quem os escreveu. A opinião minha e do site vem na postagem com minha assinatura e e-mail - para quem quiser concordar, discordar e debater livremente. Nosso princípio editorial é libertário, com Censura Zero, e oposição crítica a TODO e QUALQUER Governo.

Por isso, é inteiramente fora de propósito a reação do coronel reformado Marco Antonio Esteves Balbi a um artigo de autoria do escritor Waldo Luiz Viana, publicado na edição de 10 de fevereiro, com o título: "Milico é isso aí!". Em vez de se contrapor ao que escreveu o autor do texto, dentro do campo legítimo do contraponto no livre-debate, o coronel cometeu a burrice de me atacar, gratuitamente, tentando me colocar no valhacouto dos inimigos das Forças Armadas. Nunca fui, nem nunca serei, porque sei e sempre compreendi e defendi o papel das instituições militares como guardiãs da soberania nacional.

Quem lê corretamente o que escrevo há anos, e são mais de 30 anos de Jornalismo diário, deve ter achado graça da revolta pessoal do Balbi contra mim. Já que ele atacou os olhos azuis que eu nem tenho, vamos aproveitar a deixa para reafirmar alguns conceitos fundamentais. Nunca escrevi aqui que "as mazelas do Brasil são originárias de alhures" (conforme proclamou o coronel). Existe, comprovadamente, uma Oligarquia Financeira Transnacional que controla os negócios do mundo. O pecado mortal do Brasil é que sempre se submeteu ao poder deles. Por safadeza de dirigentes, ou por ignorância. Em resumo: o culpado do Brasil ser o que é, de bom e ruim, é do processo histórico e de uma república federativa que os militares proclamaram, mas que nunca foi efetivamente implantada pela sociedade (elite e povo).

Segundo ponto fundamental. Não concordo inteiramente com os argumentos do Waldo no artigo que escreveu. No entanto, como tenho gigantesco público leitor nas Forças Armadas, tenho a obrigação editorial de publicar o que considerar relevante que chegue ao conhecimento geral e específico. Novamente, é preciso deixar claro que aqui em nossa redação não temos frescuras, nem damos faniquitos, no melhor estilo Theo Pereira, quando alguém escreve algo que contraria nosso pensamento. Na democracia, a veiculação e circulação de ideias precisa ser livre. Infelizmente, não vivemos em uma democracia no Brasil...

Terceiro ponto importante. No campo do jornalismo estratégico, o Alerta Total segue exatamente a mesma linha de jornal O Farol - Brasil Acima de Tudo. Esta publicação em tablóide, por anos, circulou na área militar, nos bastidores dos quartéis, levando informações relevantes, sem censura, e sem patrulhamento ideológico. Por longos anos, fui editor-chefe deste produto jornalístico dirigido pelo Coronel Francimá de Luna Máximo (releia o artigo: O Militar que era o Máximo). Alguns militares sabem que eu usava o pseudônimo, por orientação do próprio Máximo, que já não está entre nós. Qualquer dúvida, é só perguntar à Heloisa, mulher dele...

Quarto ponto fundamental. Embora defenda as forças armadas, como jornalista, não temos a obrigação de concordar cegamente com tudo que seja feito. Do contrário, não poderíamos publicar aqui textos críticos produzidos pelos irmãos Rocha Paiva (Luiz Eduardo e Paulo Ricardo) - tradicionalmente censurados em outros jornalões e que nem sempre são bem compreendidos pela cúpula de poder - inclusive a militar. Portanto, aqui neste Alerta Total se publica tudo que for relevante. Patrulhamento aqui não funciona...

Do texto do coronel Balbi, só preciso aproveitar um gancho para cair na folia carnavalesca - que, aqui no site, vigora o ano todo, igual lá na Bahia. Na crítica equivocada sobre a minha visão acerca dos culpados sobre as mazelas do Brasil, o coronel cometeu o crime de fazer uma comparação entre mim e Luiz Inácio Lula da Silva: "Ou seja, Jorge Serrão e Lula, quando lhes interessa, arrumam os mesmos inimigos. Até aí tudo bem. Cada um arruma o inimigo que lhe interessa".

Coronel Balbi, o Lula vai ficar pt da vida de você compará-lo a alguém tão FDP... E tem um detalhe conceitual: Lula nunca foi inimigo da Oligarquia Financeira Transnacional. Foi colocado no poder e continua blindado por ela... Eles são inimigos do Brasil. Tenho certeza de que eu e muito menos você sejamos... Por este motivo simples, jamais cometeria a falta de educação de mandar o senhor se catar, como fez comigo e o Waldo no final de seu artigo-resposta...

Por isso, encerra-se aqui qualquer polêmica inútil. Só lamento que o coronel não tenha enviado o texto no qual me ataca, pessoal e gratuitamente, para meu próprio e-mail, que é público. Não poderia deixar de graça um ataque gratuito na internet. Por isso, invisto tempo fazendo estes esclarecimentos. Não sou milico. Mas sei muito bem o que é ser militar. Brasil Acima de Tudo, e vamos em frente...  

Jorge Serrão é Editor-Chefe deste Alerta Total.

6 comentários:

Anônimo disse...

VM Serrão, aguardava a posição do ALERTA ao referido artigo.
Foi na exata medida e reafirmou o objetivo do blog.Concordo em vários pontos com a posição do Cel. Balbi pois também discordo frontalmente do que foi dito no artigo original, porém não acho justo e perfeito distribuir acusações a quem não merece, muito pelo contrário , luta diariamente pela manutenção da liberdade de expressão, para dizer o mínimo.
Alberto Mendes Jr
NA

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

Senhor Jorge Serrão, é o máximo do Máximo ser leal, respeitar os amigos, ser leal aos amigos. Considero a Lealdade a maior virtude do Homem, e sua Lealdade ao cel. Máximo é louvável; tive a oportunidade de estar próximo a algumas pessoas (civis e alguns poucos militares) com as altas virtudes desse coronel, e penso que se hoje sou um homem melhor, mais decente, devo a esses exemplos.

ASCR disse...

Em primeiro lugar sou milico. Sou oficial superior da Marinha do Brasil.
Em segundo, comungo ipsis literis com o artigo do Waldo Luís Viana.
As FFAA, e em especial, uma grossa maioria de seus oficiais generais sofrem de uma obliterante miopia, conjugada com uma vergonhosa crise de virilidade.
Estão mais preocupados com a próxima estrela e nem aí para o descalabro que Lula et caterva rubra estão fazendo ao país.
Ou, no popular, falta culhão roxo...
O digno Cel Balbi navegou na maionese.

WILTON disse...

Serrão,

O melhor dessa pendenga foi a tua resposta ao Coronel Balbi. Prova inconteste de Jornalismo Ético. Não sei porque estou me sentindo um PSDBista. Levemente "em cima do muro". Consegui concordar com ambos, em algumas colocações. Enxergando exageros em ambas as partes. Vi um Oficial da Ativa de 48 anos, sob o valente codinome ANÔNIMO, fazendo ameaças ao Waldo Viana. Gostei muito do Comandante de Marinha afirmando que o Cel. Balbi "navegou na maionese".
Mudando um pouco de assunto, estou precisando de algumas aulas do Nobre Jornalista amigo, do qual sou leitor diário, sobre ANALFABETISMO POLÍTICO.
Explico: Apesar de não ser ANALFABETO em qualquer das outras definições, que não seja POLÍTICA, por acaso tenho até a chamada Formação Superior, com direito a Pós e tudo o mais e não consigo entender sobre a hoje tão divulgada "INTERVENÇÃO MILITAR CONSTITUCIONAL". Os defensores dessa "constitucionalidade", inclusive o amigo, citam o Artigo 142 da Carta Magna. Com o meu ANALFABETISMO POLÍTICO, li e reli o citado Artigo e, em momento algum encontrei respaldo para essa afirmação. Sem voltar ao texto, o que lembro bem diz mais ou menos o seguinte: FFAA existem sob O COMANDO SUPREMO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Penso que se existem sob esse Comando Supremo qualquer "Intervenção" é GOLPE, como foi em 1964. Como vc costuma dizer que não temos Presidente e sim PresidentA, o escrito no artigo 142 não vale para Dna. Dilma. Que fique bem claro: ODEIO OS PETRALHAS, não tenho qualquer filiação partidária e não sou "Aecista" ou PSDBista". INTERVENÇÃO - OU GOLPE - MILITAR, JÁ.

Wilton

Anônimo disse...

Acho que houve um mal entendido aí, por parte do Coronel Balbi! O que eventuais articulistas escrevem na coluna não é necessariamente a opinião do jornalista Jorge Serrão! Em nenhum lugar está escrito que Serrão concorda com Waldo L. Viana!! Esse tipo de dedução não é cabível!!!

Anônimo disse...

Coronel Balbi
Tiro "NA" com relação ao Waldo Viana. Já com relação ao Jorge Serrão, o disparo se perdeu.