quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Sinceramento


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

O Neguinho da Beija Flor falou sinceramente que o espetáculo carnavalesco existe no Brasil graças a contravenção.

Já é um começo. O sinceramento começa a dar samba.

Em breve veremos que não existe oposição. A política é um teatrinho de João Minhoca em que a mesma pessoa manipula os bonecos.
Basta ver o filminho preparado pelo PMDB. Digno de um Oscar de Melhor Cara de Pau.

Nestes tempos, mentes infantis torcem para o lobo comer a vovozinha.

Os surrados personagens repetirão o mantra :”Sou, mas quem não é?”

Convictos de que não há pecado ao sul do equador, trocam acusações e responsabilizam Pedro Álvares Cabral por ter descoberto Pindorama.

Farinha do mesmo saco, molusco e boca de caçapa encenam, à náusea, a mesma pantomima.

Um explodirá pelo excesso de libações da “malvada”; o  outro pela própria fatuidade.

Enquanto isso, na casa da dona onça estão os três macaquinhos: Não falo, não ouço, não vejo”.

No entanto, tal qual aquele papagaio verdinho da piada, "prestam uma atenção"...

Será que sabem que a omissão é a contravenção da Moral?

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

3 comentários:

Loumari disse...

Circula no mundo uma inveja velocí­pede que vive de intriguinhas: chama-se maledicência. Diz estouvadamente o mal de que não tem certeza, e oculta o bem de que tem evidência.
"Antoine Rivarol"


Uma das causas capitais da maledicência é a inveja, causa vergonhosa que não se confessa, mas que transpira do modo de proceder. Sob qualquer aspecto que a maledicência se mostre, temei-a como serpente.
"Jacques Bossuet"



Quem propaga a maledicência atrai o mal sobre si mesmo.
(Texto Judaico)

Anônimo disse...

Pra mim ele fez apologia ao crime.
Enquadra ele, pra ele ver o Beija flor quadrado.

Loumari disse...

Irmão Mantiqueira, na realidade, na verdadeira história dos macaquinhos não são três; são quatro.
Há 20 anos atrás estive no Maputo capital de Moçambique, fui de passeio ao mercado do artesanato e lá aproximou-me um miúdo de seus 12 aninhos com os macaquinhos, e na série havia 4.
Então o miúdo muito bom comerciante contou-me a história dos 4 macaquinhos.

-Tapo os olhos não quero ver.

-Tapo os ouvidos não quero ouvir.

-Tapo a boca não quero falar.

-Cruzo os braços não quero trabalhar.

Até hoje eu tenho estes 4 macaquinhos na minha cozinha feito de pau preto.


Respeituosamente

Lourdes Paiva