quarta-feira, 15 de abril de 2015

I can´t Breathe - Carta aos Grandes Movimentos


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Milton Pires

Prezados,

Kim Kataguiri – Movimento Brasil Livre
Marcelo Reis – Revoltados Online
Rogério Chequer – Vem pra Rua.

Sou um intervencionista! Por favor não interrompam a leitura aqui. Prometo que não vou colocar ninguém no pau de arara, dar choques elétricos ou fazer pessoas desaparecerem. Nosso diagnóstico para situação do Brasil é muito parecido; nossas soluções é que são diferentes. Não escreverei sobre “soluções”. Meu objetivo aqui será outro.

De tudo que já foi dito depois do dia 12 de abril o mais importante, o fundamental, foi apresentado pelo historiador Marco Antônio Villa: o PT não pode “respirar”. Se ele o fizer, ficará no poder para sempre. Concordando plenamente com essas palavras e mesmo sabendo que vocês já estiveram em contato com o Senador Aécio Neves hoje, preocupa-me, e muito, determinadas manifestações vindas dos seus grupos e também de formadores de opinião que os apoiam e que fazem questão de dizer que “políticos não são bem vindos nas manifestações”.

Pergunto-lhes o seguinte: não é de vocês o caminho da lei e da ordem? Não pertence aos movimentos que vocês coordenam a bandeira da institucionalidade e a ideia de que, com todos os defeitos, as instituições ainda estão funcionando? Se algum, dentre vocês, acredita que os políticos não são bem vindos o que os diferencia de mim e dos demais intervencionistas? Onde e quando vão aparecer os senadores Aécio Neves e Álvaro Dias nas manifestações? E o grupo “ético do PMDB” gaúcho? E o Senador Pedro Simon? Em Porto Alegre é unicamente Marcel Van Hattem que pode subir no carro de som?

Se vocês realmente não querem uma intervenção militar e se, como diz Olavo de Carvalho, não devemos pedir por ela, se ela é um risco e um retrocesso, uma porta para “ditadura”, pergunto o seguinte: que negócio é esse de não querer políticos nas manifestações?

Meus amigos, eu não conheço, em toda história das democracias, em todos os lugares e épocas, uma única situação, uma só, em que milhões de pessoas tenham saído às ruas pedindo a saída de um presidente da república sem apelar para o seu Exército ou para os seus políticos. A única exceção são aquelas situações revolucionárias. Nessas sim, não se espera por militares ou políticos. Vocês são revolucionários? Se forem, desconsiderem tudo que estou escrevendo.

Afirmo ser urgente que vocês de dirijam à Brasília. Impeachment passa por votação no Congresso. Quem vai representar esses movimentos lá??? O que está sendo esperado? Que os deputados e senadores façam o curso (que eu mesmo gostaria de fazer) do Olavo de Carvalho?

Senhores, o PT não deve sangrar. Deve ser esmagado, asfixiado e sufocado antes de ser varrido para sempre da História Política do Brasil. Isso deve ser feito rápido e de forma a evitar que a “oposição” tome a mesma atitude covarde de 2005 trocando por cargos o apoio à permanência desses marginais no governo federal.

Vocês são pelo impeachment; nós pela intervenção. Vocês representam o canal de comunicação com o Congresso; nós com as Forças Armadas. Nós somos aqueles que podem se dar ao “luxo” de dizer que a “democracia acabou” e que “todos os políticos não prestam”; mas vocês NÃO!

Cumpram, por favor, com seu papel e tragam para as ruas como sendo de “direita” os sociais democratas que deixaram os marginais do PT assumirem. Dilma cai e Temer assume. Ninguém ficará satisfeito, mas o PT terá saído, senão do poder, pelo menos do Governo. Duzentos milhões de brasileiros esperam ver o PT dizendo que “não pode respirar”. Executem o papel de vocês. As forças armadas executarão o dela.

Em 17 de julho de 2014, em Nova York, Eric Garner foi literalmente assassinado gritando “I can't breathe”. Não havia absolutamente nenhuma necessidade daquela barbaridade, daquela covardia ter acontecido. O PT precisa ser asfixiado e sufocado até não se mexer mais e ninguém está, até agora, disposto a fazê-lo gritar que não consegue mais respirar.

Milton Simon Pires é Médico.

3 comentários:

Paulo Robson Ferreira disse...

Plenamente de acordo. Quanto mais tempo passar, mais o partido da corrupção terá espaço para praticar sua especialidade de corromper os possíveis operadores das reações viáveis. Já hoje, parece bem claro que as FFAA estão em parte cooptadas, não pela ideologia mas pelo bolso dos seus comandantes. Quando se vê um militar de alta patente dizer que estamos vivendo um período de completa normalidade institucional, é porque ele já se rendeu à mágica da manipulação pelo vil metal.
Segundo a Psicologia moderna (Dana Zohar) 95% das pessoas colocam seus interesses pessoais acima dos interesses da coletividade, e parece que o PT entendeu com muita competência esse fato. Ou seja, quanto mais tempo passar mais distante se torna qualquer viabilidade de reação pelo poder de corrupção dos governantes.

ASCR disse...

De acordo! Todavia, as FFAA, na pessoa de seus oficiais generais, passa por uma crise de virilidade. Estão mais preocupados com a próxima estrela...

Anônimo disse...

AF disse:

Digam o que quiser, mas eu gosto muito dos artigos do DR. Milton Pires. IRRETOCÁVEL!

Penso exatamente da mesma forma. E foi muito boa a colocação que fez.

Todos os PATRIOTAS de bom senso sabem que só uma intervenção militar pode SALVAR o Brasil.

O resto é só isso aí, engodo e contradição de jovens, A PRINCÍPIO, bem intencionados, mas sujeitos, pela inexperiência, a serem manipulados. Mas vamos em frente! Isso só é bom, para que parem com esta baboseira de REPUDIAR quem acha que só uma intervenção resolve.