sábado, 30 de maio de 2015

A Cuba que Obama não conhece


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I.S. Azambuja

Jornais de hoje, 29/5/2015): EUA tiram Cuba da lista de terrorismo
Informação é do Departamento de Estado americano.
Retirada elimina obstáculo na volta das relações diplomáticas entre países.
 
Comentário de Valbelo a respeito de uma matéria sobre Cuba publicada na Internet:

“Fuzilados: 5.621. Assassinados extrajudicialmente: 1.163. Presos políticos mortos no cárcere por maus tratos, falta de assistência médica ou causas naturais: 1.081. Guerrilheiros anticastristas mortos em combate: 1.258. Soldados cubanos mortos em missões no exterior: 14.160. Mortos ou desaparecidos em tentativas de fuga do país: 77.824. Civis mortos em ataques químicos em Mavinga, Angola: 5.000. Guerrilheiros da Unita mortos em combate contra tropas cubanas: 9.380. Total: 115.127 (não inclui mortes causadas por atividades subversivas no exterior)”.

Em 1960, numa reunião da OEA realizada em Montevidéu, o Ministro do Planejamento de Cuba, Che Guevara, disse que em uma década Cuba superaria a renda per capita dos EUA. 

Cuba era, na época, o terceiro país mais rico da América Latina. Hoje, é o terceiro mais pobre e seus cidadãos são os que têm a pior alimentação.

Sobre isso, recorde-se que em 1994 cerca de 75 mil pessoas contraíram a doença neurite ótica e periférica, que é ocasionada por desnutrição crônica.

Hoje, a Ilha produz menos açucar do que em 1919 e os 11 milhões de cubanos que vivem em Cuba criam menos riqueza que o milhão de exilados radicados em Miami. Em toda a história do continente nenhum país jamais empobreceu de forma tão intensa e brutal como Cuba sob o socialismo.

Nunca o país dependeu mais da solidariedade de seus vizinhos da América Latina e Caribe.

Embora as pessoas sejam impedidas de deixar o país, cerca de 20% da população já vive nos EUA, enquanto centenas de milhares continuam tentando emigrar para a Flórida de forma legal ou ilegal, em qualquer tipo de transporte.

A maior fonte de receita do Estado cubano são as remessas dos exilados – cerca de 800 milhões de dólares anuais -, o aluguel de médicos (Programa Mais Médicos), bem como as doações de medicamentos (cerca de 60 milhões). E nos anos 80 e 90, os seqüestros, no Brasil, de Abilio Diniz, Luiz Salles, Beltran Martinez, Geraldo Alonso Filho e Washington Olivetto. Em todos eles foram encontradas as digitais dos Serviços de Inteligência cubanos.

Sobre as famosas conquistas da Revolução é forçoso reconhecer que os cubanos têm hoje uma instrução melhor do que em 1958, que não existem analfabetos, porém com uma diferença importante: os técnicos e profissionais vivem miseravelmente. Um médico recebe um salário equivalente a 20 dólares por mês e um engenheiro o equivalente a 15 dólares.

Em Cuba vivem, portanto, os únicos cidadãos do planeta para os quais a instrução não abre caminho para uma vida melhor. Quanto mais se instruem, pior vivem. São, portanto, os indigentes mais bem instruídos do mundo. Essa é uma das principais conquistas da Revolução: a nivelação por baixo.

É certo que a assistência médica é muito ampla. Mas, de que adianta um serviço de saúde pública sem medicamentos e com equipamentos inutilizados por faltas de peças de reposição?

Não se diga que isso é culpa do embargo econômico, pois nos hospitais onde os clientes – principalmente estrangeiros – podem pagar em dólar ou aqueles utilizados pela burocracia que dirige o partido e o Estado são encontrados medicamentos de última geração, norte-americanos, alemães e suíços.

Mas, disso tudo resta alguma coisa. Resta o discurso da dignidade, da solidariedade e da especial categoria moral que a revolução impôs aos cubanos.

No entanto, será que poderá ser considerada digna uma criatura que não pode ler o que deseja, que não pode exprimir suas idéias, eleger seus governantes, escolher seus amigos ou viajar para onde deseja? 

Tudo isso lembra a anedota do cachorro russo que apareceu passeando nas ruas de Paris. Ele era muito bem tratado em Moscou, mas  às vezes sentia vontade de latir.

Carlos I.S. Azambuja é Historiador.

5 comentários:

Anônimo disse...

Esse país é uma merda, gerido por um bando de merdas que, por sua vez, governam um povo de merda, e por isso não é de se estranhar que essa latrina tenha o CU no seu nome.
Pois que lá é SIM o cú do mundo, uma pocilga fétida que lamentavelmente não foi varrida do mapa como deveria.
Essa latrina tem porém uma serventia. Ao menos para mim. É a possibilidade de rifar pessoas do meu convívio as quais nutrem simpatia e admiração por essa merda.
E eu vou mesmo conviver com uma merda que gosta desse cú ?????

samuel disse...

NÃO É PELA COR DA PELE, NÃO É POR NÃO TER NASCIDO NOS EUA, NÃO É POR VIR DE UMA RELIGIÃO EXÓTICA (Islamismo), não é porque OBAMA tem um irmão, Malik OBAMA, dirigente da IRMANDADE MUSSULMANA; É, isto sim, POR TER durante SUA VIDA de americano ASSISTIDO AOS SERMÕES DO PASTOR JEREMIAH WHITE (hate america, brothers!) ... É, isto sim FOR THE IDEOLOGY, STUPID!
É, isto sim, pelo transparente DESEJO DE PREJUDICAR A AMÉRICA E OS VALORES AMERICANOS.
OBAMA é um bom exemplo aos eleitores de que não se deve votar em quem odeia o país, de que não se deve votar em desertores (CLINTON, KERRY), de que não se deve votar em revolucionários, visionários (KENNEDY)!
Vide a turma do PT (ideologizados, desertores, revolucionários e odeiam o país). Ohhhh como são parecidos....
Karl Rove is right in his comments about Obama: He is a demagogue, a lawyer (a liar), he’s thinking only in political gains, not in the country as whole …
Or in Brazilian terms HE IS A PETRALHA!

Romildo José Dias disse...

Realmente, Cuba nivelou a educação, a saúde e a economia por baixo. O melhor é a segurança, lá bandido bom é bandido morto (ou dissidente político). Lá não precisam de defensores dos Direitos Humanos.

gugu disse...

É, Obama espionou Dilma, mas esqueceu-se de monitorar Cuba. Asim existe "a Cuba que ele não conhece". Incompetente, não?

gugu disse...

É, Obama espionou Dilma, mas esqueceu-se de monitorar Cuba. Asim existe "a Cuba que ele não conhece". Incompetente, não? Gustavo Ibraim Ceron