terça-feira, 30 de junho de 2015

Vexame frente ao Paraguai?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Li aqui no “Alerta Total”, de 28 de junho, com espanto, artigo assinado por Sua Excelência o Desembargador Carlos Henrique Abrão, e que leva por título “A Falência de Uma Nação”. Cheguei a comentar o artigo. Mas não deu para enviar. Foi melhor assim. O assunto mereceria mais espaço. É o que faço agora.

Não há qualquer dúvida que moral e politicamente o Brasil está falido ,há bastante tempo, como  assegura o ilustre Desembargador. O articulista também acerta quando aponta as premissas que levaram a essa falência. E são exatamente esses os motivos que levaram os defensores da divisão do Brasil em novos países a concluir que o “Brasil não deu certo”.

Essa bandeira, portada pelos independentistas do SUL (PR,SC e RS),dentre outros, tem suas raízes no fato da necessidade de ser desmanchado o que não deu  certo, nem haver qualquer perspectiva de isso acontecer algum dia. Os 500 anos nada dignos da história desse país são provas suficientes.
E o nobre Desembargador sabe melhor que ninguém quais as consequências de uma FALÊNCIA no mundo jurídico. Teria sido bem pensado o título escolhido para esse artigo?  Parece que não.

Interessante é observar que a própria Justiça defende com “unhas-e-dentes” a manutenção da integridade do Brasil em virtude  de um dispositivo constitucional. Chegou a rejeitar o pedido de registro de um partido político (PRF-Partido da República Farroupilha), mesmo como pessoa jurídica, que  tinha a causa independentista do SUL ,e outras regiões, como meta no seu programa. O TJRGS não levou em consideração o direito que tem um partido político de pleitear uma nova constituição permissiva desse intento. Se isso for vedado a um partido política (defender uma nova constituição) ,acaba de vez  não só qualquer resquício de democracia, como também  de liberdade.

Resta salientar que os canalhas que tomaram conta do poder político, hoje acampados nos Poderes Executivo e Legislativo, conseguiram mutilar totalmente o Estado-de-Direito no Brasil. E nisso tiveram a parceria,  por omissão, do próprio Poder Judiciário e daquela infinidade de instituições públicas que deveriam controlar tais situações e nada fazem ,o que  permitiu a entrada em vigor, sempre camuflado, do “estado-de -antidireito”.

Mas essa postura de omissão está sendo generosamente recompensada por uma escandalosa   política  de remuneração dos magistrados, que   passarão a receber verdadeiras  fortunas  salariais nesse odioso pacto entre as autoridades governamentais, parlamentares  e judiciário. A tentativa de “compra” do Judiciário é escancarada.

Desse modo, seria  mais coerente que as pessoas  se olhassem no espelho, ao  lado das instituições a que pertencem, antes  de saírem dando tiros para todos os lados com suas críticas e pregação de moral.

Mas com essa “introdução”, quase  acabei fugindo do assunto. 

O  Dr. C.H.Abrão considera  uma “tragédia” a derrota da seleção de futebol do Brasil para o Paraguai, no jogo de 27.6.15, chegando a chamá-la de “humilhante” e “vexatória”.

Mas no quê, afinal, o  Brasil  seria superior ao Paraguai, para  sentir-se “vexado” e “humilhado” com a justa vitória paraguaia?  Seria pelo “tamanho” do Brasil, em território e população?

Interessante é observar que a luta mundial contra preconceitos foi adotada até de forma exagerada no Brasil. Hoje se pune qualquer manifestação de preconceito  contra pessoas.

Mas e o preconceito contra nações,como fica? Não seria muito mais grave que entre pessoas?

Essa acusação de derrota “vexatória” e “humilhante” ,do Brasil para o Paraguai, não  poderia ser enquadrada como preconceito puro sangue?                                                                                

A bem da verdade ,a única “tragédia”, ou  derrota “vexatória” e “humilhante”, ocorrida  entre estes dois países (Brasil e Paraguai),deu-se na GUERRA DO PARAGUAI ( 1864 a 1870),onde o Brasil, formando  quadrilha com a Argentina e Uruguai, dizimou  70% da população paraguaia, a  maioria homens e jovens ,causando um impacto tal  naquele país que até hoje  as consequências são sentidas, tanto no aspecto do equilíbrio populacional, quanto nos aspectos desenvolvimentistas.

Nunca é demais lembrar que os bandidos da Tríplice Aliança estavam atendendo interesses ingleses, que viam no desenvolvimento próprio do Paraguai grande ameaça. Dita guerra foi sustentada com dinheiro e apoio militar dois ingleses.

Um dos “heróis” desse conflito foi o brasileiro CAXIAS, hoje patrono   do Exército Brasileiro. Além de ajudar na destruição populacional e econômica do Paraguai, o “cara” foi tão “valente” que chegou a dizer que a guerra só seria vencida se fosse morto até o último feto paraguaio no ventre da mãe.
São outros, portanto, os  “vexames”,” tragédias”  e “humilhações” que deveriam ser  criticados e lembrados,  causando vergonha aos brasileiros.

O grande mérito da vitória paraguaia está em ajudar no desmanche da SOBERBA CULTURAL que grande parte da população brasileira têm em relação aos seus vizinhos da América do Sul.


Sérgio Alves de Oliveira é Sociólogo e Advogado.

11 comentários:

Anônimo disse...

Para informação do articulista:
1) Quem iniciou a guerra do Paraguai foi o ditador paraguaio Solano Lopez, que se acreditava um Napoleão, e invadiu o Brasil para conquistar território.
2) No início da guerra o Brasil estava de relações diplomáticas rompidas com a Inglaterra, por causa da questão Christie.
3) Só na propaganda paraguaia é que a indústria paraguaia poderia ameaçar o Império Britânico.
4) O Duque de Caxias, heróico e digno patrono do Exército Brasileiro, foi cognominado "o Pacificador", por seu espírito humanitário e conciliador, que sempre respeitava o inimigo vencido.
5) A guerra foi concluída sob o comando do Conde d´Eu, e não de Caxias.
6) A propaganda de guerra não é fonte histórica confiável, sobretudo a propaganda de guerra do inimigo. Muito menos a propaganda comunista. Cabe ao articulista comprovar, com fontes fidedignas, que o General alguma vez disse aquela frase infame, inteiramente contrária a tudo o que se sabe de sua conduta e caráter.
7) O único responsável pelo massacre da população masculina paraguaia foi o ditador Lopez, que recusou a rendição, e no final convocava para o exército velhos e meninos, tal como faria Hitler quase um século depois.

Azambuja disse...

O articulista pisou na bola, sem dúvida!

Loumari disse...


Senhor Azambuja, você que é TENOR na, ou da história, você faz uma intervenção no tema tão sério como este para nos deixar suspenso?

Dá-nos um pouco de aula sobre este episódio da história. Eu pelo menos tenho a sede de aprender.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

A informação que tenho sobre a atitude de Caxias na Guerra do Paraguai certamente não foi tirada dos manuais que alimentam a história oficial. Foi tirada de um livro do prestigiado historiador gaúcho,do Departamento de História da Universidade do RGS,Luiz Roberto Lopez,falecido em 2004. Não estou com o livro à mão.Peço alguns dias para indicá-lo. Mas essa informação tenho-a gravada na memória. Parece que o referido livro seria "História do Brasil Imperial",da Editora Mercado Aberto,1982.

Cristiano disse...

Segundo a Wikipédia (https://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_Roberto_Lopez):

"Luiz Roberto Lopez (29 de junho de 1947 — Porto Alegre, 22 de julho de 2004) foi um professor, historiador, articulista, conferencista e polemista brasileiro. Marxista, foi autor de vários sucessos na área da História, como Do Terceiro Reich ao Novo Nazismo, História do Brasil Império, Uma História do Brasil República, Sinfonias e Catedrais."

Agora entendi do porquê do texto do Sr Sérgio Alves de Oliveira ser tão... ideológico. Possui viés marxista.

Cristiano disse...

E este é parte do texto original (em 08/2008), na Wikipédia, que foi suprimido por mais de 20x alterações, ao longo do tempo até hoje:

"Lopez foi um intelectual intransigente no cumprimento de sua função social, perseverando em forma irredutível na luta permanente, no campo da ideologia, da cultura e da ciência, contra as visões irracionalistas e conservadoras. Tendo abraçado quando jovem, durante a ditadura militar, o marxismo como método de interpretação do mundo, serviu-se dele com crescente virtuosismo até seu falecimento prematuro."

Agora a pergunta que deve ser feita: não seria a 'interpretação' da história, feita por este sujeito, estar baseada nos seus vícios de ideologia? Principalmente sobre a questão do Duque de Caxias?


Aqui o texto original na Wikipédia:

https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Lu%C3%ADs_Roberto_Lopez&diff=42155466&oldid=11860113

Anônimo disse...

Lamentável ! Essa sociólogo, sem dúvida, não é brasileiro ! Tanto não é, que quer a separação dos estados sulinos.

Anônimo disse...

o grande perigo dos sociólogos nasce do governo ou do antigoverno FHC eles se julgam o máster nec plus ultra e desconhecem a historia e falam barbaridades,quero pedir desculpa ao magistrado pois o texto escrito é um besteirol sem igual e faz coparações inexatas além de fazer uma divisão nada reportada no trabalho, é melhor voltar para escola e aprender naquelas aulas nas quais faltou.O grande sociólogo trouxe o Lula e com ele o fim da republica e a institucionalização da corrupção a falência é pessoal

Anônimo disse...

desconheço como colega do articulista juiz os salários do marajá que ele apregoa quem falou isso foi o Collor que de propina ganhou mais de 20 milhões esses discursos pasteurizados são repetitivos e para a galera,porque ele não diz quanto ganha um jogador para jogar essa bolinha,um politico e os escandalosos atos
de corrupção que beneficiam os desonestos políticos,ser juiz honesto não tem preço para uma nação corrompido,além do que ele desconhece história e mete os pés pelas mãos o autor falou só de futebol e a imaginação criativa é péssima fora do contexto e destoante da realidade,pobre sociologo

Anônimo disse...

depois da goleada da argentina sobre o Paraguai pergunto se o articulista que se diz sociólogo e afirma conhecer história acha que a derrota do Brasil nos
pênaltis reflete o Estado Nação de corrupção ou seria um mero deslize da
conjuntura nacional,não pior do que a surra tomada da Alemanha,senhor Sérgio
abra os olhos não queira enganar com pão e circo a população,a argentina deu
um banho no Paraguai e a sofrida seleção nacional capenga,e sem jogador,tudo
se baseia no sonegador,nem nos pênaltis se classificou e o pior é que publicam
na maçonaria um besteirol do seu naipe,deveria aguardar o jogo da argentina
antes de criticar o juiz que mais uma vez deu um show de bola e da próxima vez melhor ficar calado pois a comparação de hoje demonstra quanta asneira disse

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Demorei um pouco,mas aí estou de volta para provar ao "Anônimo",das 11:07 AM e ao "Azambuja ",das 12:02 PM,que eu não estava mentindo quando atribui a CAXIAS aquela barbaridade que ele disse. Dita informação foi retirada do livro "História do Brasil Imperial",do renomado historiador Luiz Roberto Lopez,3ª Edição,1987,Ed.Mercado Aberto,pg.82.Assim consta: "Aliás,mais do que contra um exército,foi contra um povo em armas que CAXIAS lutou e ele bem o admitiu ao declarar que,PARA VENCER O PARAGUAI,SERIA NECESSÁRIO ' MATAR ATÉ O ÚLTIMO PARAGUAIO NO VENTRE DA SUA MÃE' ". Essas palavras constam em despacho enviado por Caxias a DOM PEDRO II,em agosto de 1867. A minha resposta também é em respeito ao blog "Alerta Total",cujo generoso espaço não costumo usar para mentiras ou brincadeiras.