segunda-feira, 20 de julho de 2015

A Anta Patética


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

A Anta tem manca a pata ética. Este fato, como se fora manco pato, lhe prejudica a estética.

ClaudicAnta, faz cessar tudo o que a antiga musa cAnta. Um poder mais alto se alevAnta; poder de cultivado ódio de um maldito sulfito de sódio. Conservante poderoso e cruel dos que declaram guerra sem quartel.

De conselhos desastrados já anda cética. No vestíbulo do patíbulo, arrepio na espinha sente. Por motivos do passado e do presente, sua presença é incompatível com o momento político, mais pra mingau que pra bloco monolítico.

Após o Agosto 16 nos dirá “Olha aqui pro cêis !”. Mostrando o dedo médio em riste (parecerá um pouco triste) e já com o saco pleno, nos brindará gesto obsceno.

PlAntou ventos, colherá tempestades. Se conseguir sair com ileso o rabo, será por conta de um menoscabo do pateta, mais pra sedentário que atleta, que já foi chefe da suruba, até acharem gato na tuba.

Terminamos por aqui esta crônica escalafobética. Melhor teria sido escrita na Ática, do que aqui, em tempos da informática.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Loumari disse...

No Brasil a revolução maxismo leninismo já está bem instalada e só falta a execução do acto que vai derrubar as últimas resistência.

O gesto dos atletas brasileiros batendo continência, foi um acto preparado para difundir ao maior número possível a mensagem de que, as cenouras já estão cozidas. (isto é, o exército já está formado e listo para partir para a guerra)

As coisas estão a saírem tal qual foram definida. Um golpe de Estado no Brasil se precisa. Vai ser PT contra PT. O que foi planeado é tirar Dilma e assentar Lula com o apoio dos militares. O exército de Brasil já está baixo o comandado dos comunistas.

Agora, queiram por favor ler esta letra que canta louvor al comandante Che Guevara. E se canta de continência.

Logo que vi as imagens dos atletas brasileiros no estilo batendo continência, imediatamente associei o gesto com este juramento, palavras abaixo. Tudo está as vossas vistas, mas, não compreendeis nada.


"Aprendimos a quererte
Desde la historica altura
Donde el sol de tu bravura
Le puso cerca la muerte

Aqui se queda la clara,
La entranable transparencia
De tu querida presencia
Comandante Che Guevara

Vienes quemando la brisa
Con soles de primavera
Para plantar la bandera
Con la luz de tu sonrisa

Aqui se queda la clara,
La entranable tranparencia
De tu querida presencia
Comandante Che Guevara

Tu amor revolucionario
Te conduce a nueva empresa
Donde esperan la firmeza
De tu brazo libertario

Aqui se queda la clara,
La entranable tranparencia
De tu querida presencia
Comandante Che Guevara

Seguiremos adelante
Como junto a ti seguimos
Y con Fidel te decimos
"Hasta Siempre Comandante"

Aqui se queda la clara,
La entranable tranparencia
De tu querida presencia
Comandante Che Guevara

Loumari disse...



A Presidente brasileira não autorizou a participação do venezuelano Nicolas Marudo, no encontro bilateral com o governante da Guiana

Irritado com o tratamento dispensado pela presidente Dilma Rousseff ao colega da Guiana, David Granger, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, saiu mais cedo da reunião de cúpula de chefes de Estado do Mercosul.

A delegação venezuelana abandonou o almoço que seria oferecido pela anfitriã, nesta sexta-feira, após ouvir as declarações de Granger a respeito do que ele chamou de provocações de Caracas, que disputa com o país caribenho uma área fronteiriça denominada Esequibo.

Tudo começou quando Dilma recebia David Granger, num encontro bilateral, momentos antes da reunião da cúpula. Maduro chegou mais cedo e tentou participar na conversa. A presidente brasileira, porém, não autorizou a sua entrada.

Durante o encontro entre Dilma e Granger, o Presidente da Guiana pediu apoio do Brasil para mediar uma solução pacífica. Dilma aceitou. Mais tarde, no discurso que fez na reunião da cúpula, Granger, que falou depois do venezuelano, fez questão de citar o conflito.

“O mundo inteiro já reconhece as nossas fronteiras. A Guiana foi obstruída dentro do desenvolvimento de seu próprio território. Os nossos vizinhos expulsaram uma das nossas embarcações petroleiras e a nossa economia tem sido paralisada. Já temos provocações incansáveis há muitos anos”, disse o Presidente da Guiana.

Esequibo é uma zona marítima onde a americana Exxon Mobil descobriu uma importante reserva de petróleo. A expectativa é que Nicolas Maduro, que participará na reunião da cúpula de presidentes do Mercosul, também converse sobre o tema com Dilma.

Estima-se que o projecto de exploração da Exxon ocorrerá numa área, terrestre e marítima, de 159.500 quilômetros quadrados. A soberania do lugar é reclamada por Guiana e Venezuela. A fronteira entre os dois países foi delimitada no fim do século 19. (RM-Yahoo News)

http://www.rm.co.mz/index.php/mundo/item/12742-irritado-com-dilma-maduro-deixa-almoco-do-mercosul