sábado, 11 de julho de 2015

Brasil: uma Nação Esquizofrênica?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Mtnos Calil

A liberdade sem limites além de ferir o senso comum estimula a esquizofrenia social.

O Brasil está enlouquecendo e se tornando uma Nação ingovernável.

A atual Presidente não tem praticamente nenhum poder de governança e não pede demissão.

E se pedisse quem ficaria no lugar dela?

Quem seria o político capaz de botar ordem nesta baderna nacional?

Além de ser o campeão mundial da impunidade, com mais de 90% dos crimes de homicídio não investigados – ou seja mais de 90% dos assassinos não são sequer identificados – o Brasil se tornou agora o campeão mundial da avacalhação, como comprovam os adesivos pornográficos que mostram a D.Dilma numa situação estapafúrdia.

Até a mídia que adora escândalos (porque precisa deles para conquistar a audiência necessária para justificar a receita da publicidade) não fez a divulgação do adesivo pornográfico, que ficou restrita a algumas páginas da internet como esta: http://noticias.terra.com.br/brasil/governo-denuncia-adesivo-com-ofensa-sexual-a-dilma,33f5fa7ff225c4a3d42f654bee769de9sgleRCRD.html – se é que já não retiraram a coisa do ar COMO DEVERIAM TER FEITO!

De novo a pergunta: QUEM SERIA O POLITICO CAPAZ DE BOTAR ORDEM NESTA BADERNA NACIONAL?

A resposta infelizmente consagra a tragédia e se resume nesta palavra: NENHUM.

Agora a nossa tradição carnavalesca vai ser reforçada pela INSEGURANÇA E IMPREVISIBILIDADE.

Não sabemos mais nem o que vai acontecer nos próximos 90 dias.
Só temos certeza que a inflação vai demorar para ser contida, que o desemprego vai continuar aumentando, que o PIB vai continuar caindo e que a recuperação da nossa economia só terá inicio no ano que vem, mas isso também ninguém pode garantir. Para o mercado, porém, como temos 200 milhões de habitantes, basta uns 30% deles para manter a “economia de mercado” andando - para trás, é claro.

Estamos atravessando a maior crise social, econômica e política da História do Brasil.

Os maiores responsáveis por essa tragédia são as nossas zelites políticas financiadas por empresas que têm no Estado (ou seja na Nação, ou seja no Povo) a sua principal fonte de receita.

Sou nascido em São Paulo, que foi transformada pelas zelites numa das mais esquizofrênicas cidades do Planeta Terra. Dizem que estamos destruindo esse Planeta. Que nada! O Planeta Terra é muito mais poderoso que todos os 7 bilhões de humanos juntos. Nem o arsenal todo da bomba atômica é capaz de destruir o planeta. Mas a humanidade não vai desaparecer não! Uma parte dela vai continuar usufruindo do conforto que a Terra nos oferece. 

E, segundo a ONU, só temos cerca de um bilhão de famintos, o que representa MENOS DE 20% da população mundial. Temos espaço, portanto, para mais um bilhão de famintos ou sub-nutridos, convivendo ao lado de um bilhão ou dois de obesos nutridos pela rede MacDonald's, a maior "cadeia" varejista da Terra e que agora está contribuindo de forma relevante para implantar a obesidade na China. 

Ps. A Grécia de Aristóteles, Sócrates e Platão, e que foi a berço da civilização ocidental, está  sucumbindo na Europa inglesa e alemã. Com a globalização  temos agora vários impérios multipolares, com destaque para EUA, China e a Europa da Inglaterra e da Alemanha. O Brasil e a Rússia que eram estados emergentes pararam de emergir e tudo que podem fazer agora é evitar o naufrágio.  


Mtnos Calil, Psicanalista, é Coordenador do Grupo Mãos Limpas Brasil.

6 comentários:

Loumari disse...

Todo o contrario do Brasil a Rússia tem tecnologia própria e sua própria industria do armamento e é um líder do nuclear.

E outra coisa no contrario do Brasil, o presidente da Russia Vladimir Putin tem quota de popularidade que se estima a 80% de vozes que o aprouvam. O seu povo lhe respalda e lhe apoiam contra vento e maré.

O Brasil só se pode comparar é com a África do Sul. Ali sim, MATCH!

Jayme Guedes disse...

Afirmar que "...os maiores responsáveis por essa tragédia são as nossas zelites políticas..." é um grave erro. Responsável é o eleitor que trata irresponsavelmente a escolha do futuro da nação. Essa afirmativa que, reconheço, é generalizada, deseduca e impede que o eleitor descubra a importância decisiva do seu papel. E não se diga que é difícil escolher bons representantes. A fórmula é simples: não somos o que dizemos ou o que dizem que somos. Não somos nem mesmo o que pensamos ou o que pensam que somos. Somos o que fazemos. Que democracia é essa que precisa que a lei proíba a reeleição para impedir que o eleitor siga reelegendo corruptos mandato após mandato? O eleitorado brasuca é como a boiada tocada ao som do berrante dos incompetentes e corruptos. Para o eleitor brasuca basta o discurso. Quanto mais mentiroso e recheado de promessas melhor.

Anônimo disse...

Jayme

Ao Jayme Guedes: o povo, quando não tem opções, não pode ser tachado de responsável por toda a lambança.

Aqui no Brasil, as elites nunca deram opções ao povo. Nunca existiu de fato, alternativas. Hoje o que assistimos é uma aberração democrática onde todos os partidos seguem a mesma ideologia, todos, sem exceção.

E, para dar a impressão de que existe opções, alguns desses partidos posam de 'oposição'. A sensação de 'opções/escolhas' basta para manter as massas sob controle. E é justamente por isso que eu sei que nada acontecerá, no palco político, que mude essa verdade. Existem muitos sites espalhados por aí que tacam o pau no PT, mas estranhamente calam-se por completo quando o assunto é PSDB ou PMDB. Ao mesmo tempo está cheio de sites que esmerilham o PSDB e PMDB, mas não dão um pio em relação ao PT. Já viram a VEJA falar mal do PSDB? Já viram a Carta Capital falar mal do PT? Isso tudo é para dar a impressão para o povo de que existem 'escolhas', quando na verdade não há nenhuma.

O povo, em geral, é uma turba que precisa ser guiada e orientada. É um caos onde deve-se estabelecer a ordem. Se o povo é guiado e orientado para o lado do mal, certamente que a nação estará condenada. Mas a culpa nesse caso não pode ser atribuída ao povo, mas à aqueles que em primeiro lugar tiveram o dever de guiar e orientar esse povo ao caminho certo. A raça humana não consegue desenvolver-se sem a hierarquização. Não existe outro modo ao homem. Se o topo da pirâmide social se corrompe, tudo abaixo se corrompe também.

O povo em geral só quer ter os mais básicos direitos, que seriam saúde, educação, segurança, emprego e garantia de propriedade, privacidade e justiça. Note que todos os partidos que temos hoje prometem exatamente isso em épocas de eleições. Mas e depois que assumem, o que fazem? O que sempre aconteceu: traem o povo.

A questão toda é que as elites brasileiras são totalmente devassas. Não possuem nenhuma consciência que possa contrabalançar seus gigantescos egos, totalmente corrompidos. Com raríssimas exceções, a maioria da classe política é a verdadeira representante dessa elite devassa. ELES são a elite devassa. E são ELES que hoje controlam esse país. E eles JAMAIS darão alternativas reais ao povo.

E outra: essas elites devassas tomaram conta do mundo. Não é só o Brasil que vem sofrendo. Países poderosos como EUA, Canadá, França, Inglaterra e Alemanha já vem sofrendo com os efeitos dessa devassidão. Todas essas elites possuem a mesma ideologia. E elas vão acabar fazendo se cumprir a maioria das antigas profecias.

Eu só digo uma coisa agora: só Deus pode salvar esse mundo, mas tenho certeza que ele não vai erguer 1 dedo.

Martim Berto Fuchs disse...

Enquanto houverem partidos políticos impondo candidatos, nem adianta votar. Vai mudar alguma coisa se votamos em bandido de esquerda ou bandido de direita ?
http://capitalismo-social.blogspot.com.br/2015/07/207-anos-de-enrolacao-chega.html

Anônimo disse...

È muito fácil culpar o povo, o culpado e a responsabilidade é dos governantes, o filho é o que o pai ensina.
Não é mais hora de fazer apenas politica, tem que ter gestão e competência, não pode haver só isso na área privada.
Os nossos políticos precisam voltar à escola!

Sandra disse...

A única cultura grega que não sucumbiu sob o império turco-otomano, foi salva por banksters italianos, especialmente Médici, que pagaram para salvar o que hoje conhecemos de Sócrates, Platão, e otras cositas más...